O dia do Valentim


Dia dos namorados. Não sei porquê, mas faz-me lembrar o dia do pai, o dia da mãe, o dia da criança e todos esses dias dedicados algo que não na verdade deveria ser celebrado todos os dias.
Quem namora, muitas vezes acha que quem despreza o dia dos namorados, é quem não namora. Isso é incorrecto. Quem namora, é que na maioria dos casos, entra na hipocrisia de se juntar a muitos outros hipócritas atulhando os restaurantes de gente.

Sim, o amor deve ser celebrado, a paixão e até o facto de estar com a pessoa errada, à espera da certa. Mas, eu olho para o meu passado e não me vejo em jantares de dia de namorados. Dia, que por vezes é o único dia, em que muitos homens levam as suas mulheres a jantar fora. Dia em que se finge sentir, o que há anos não se sente. O dia da obrigação de fazer algo especial. Que por ser premeditado, publicitado e até insinuado por a pessoa com quem estamos, é tudo excepto especial. A obrigação de fazer algo mata o dia, mata toda a magia, passa a ser uma obrigação como é ir trabalhar. Onde está o romantismo em algo que temos de fazer? Porque não organizar tudo para um dia, que tenha significado real para ambos, para a relação que estão a viver?

Sim, o amor dever ser celebrado, mesmo não sendo amor e sendo outra coisa qualquer, e o dia 14 de Fevereiro é um dia como qualquer outro para o celebrar.
Ora, é após escrever esta frase que me dou conta, que mais uma vez e como quase sempre, discordo a 100% das idiotices que o Nuno Markl escreve; quando ele diz:
"Dia dos Namorados é todos os dias, menos no dia 14 de Fevereiro!", ele erra, como já é habitual, pois o dia dos namorados é todos os dias e sendo todos os dias, isso inclui o dia 14 de Fevereiro.
Que fique claro que não censuro o dia, censuro a parada de casais com sentimento verdadeiro e casais com sentimento falso ou adormecido, no mesmo restaurante, na mesma celebração. Ao fazer isso, sentir-me-ia a manchar o meu sentimento por alguém.

Claro que festejei esse dia, festejei imensos dias 14 de Fevereiro, sempre em casa com a pessoa amada ou que pelo menos me acompanhou durante uma fase da minha vida. Uma celebração privada tal como é o sentimento. Uma celebração sem pensar em celebrar, tal como se ama, sem se pensar em amar.

O dia 14 de Fevereiro nunca foi o meu dia dos namorados. O meu dia. O nosso dia. Sempre foi um dia melhor. O dia em que tudo começou. Dia esse que muda de pessoa para pessoa. Celebrar que no dia X deram o primeiro beijo, que no dia Y foram pela primeira vez ao cinema, que no dia W começaram a namorar. Isso sim, são datas a serem celebradas, pois são datas que significam tudo, para ambos.
Agora o dia de S. Valentim? Esse tal de Valentim, pode ficar com o dia dele, eu não o quero. É um dia parvo, comercializado até dar vontade a muitos casais de acabar com o namoro, só para fazerem as pazes no dia 15.
O dia 14 de Fevereiro pode ser uma data para alguns casais e não só o dia desse tal Valentim, mas não é para todos os casais. Se querem celebrar datas, encontrem as datas especiais no vosso realcionamento e festejem. Festejem essas datas que são vossas. Agora, o sentimento, esse é para ser festejado todos os dias e a cada dia, um pouco mais.

68 Comentários:

  Jane Doe

sábado, fevereiro 14, 2009 12:07:00 da manhã

Eu festejo o dia dos Namorados.

Não não namoro. E sim, acho que deve ser festejado sempre que desejemos.

Agora... e não entrando nas febres consumistas, eu festejo o dia 14 de Fevereiro. Como um reflexo de todos os outros dias.

Como costumo dizer, gosto de pessoas felizes.

Gosto de amores felizes mas mais que isso gosto de ver quem Ama.

Por isso, e não porque é o dia dos namorados e BLABLABLA,

Um feliz dia para todos os comentadores, e para o Autor.

Que seja, não um dia, mas um reflexo de todos os dias.

Feliz.

  Jane Doe

sábado, fevereiro 14, 2009 12:07:00 da manhã

Eu festejo o dia dos Namorados.

Não não namoro. E sim, acho que deve ser festejado sempre que desejemos.

Agora... e não entrando nas febres consumistas, eu festejo o dia 14 de Fevereiro. Como um reflexo de todos os outros dias.

Como costumo dizer, gosto de pessoas felizes.

Gosto de amores felizes mas mais que isso gosto de ver quem Ama.

Por isso, e não porque é o dia dos namorados e BLABLABLA,

Um feliz dia para todos os comentadores, e para o Autor.

Que seja, não um dia, mas um reflexo de todos os dias.

Feliz.

  Eu mesma!

sábado, fevereiro 14, 2009 12:08:00 da manhã

ai credo....
concordo....
o amor devia de ser celebrado anualmente... e não apenas um dia do ano!

  JS

sábado, fevereiro 14, 2009 12:14:00 da manhã

Muito,muito bem!

  Sanxeri

sábado, fevereiro 14, 2009 12:32:00 da manhã

O dia dos Namorados (o oficial) deveria ser somente mais um pretexto para se mostrar ao nosso parceiro que o amamos. Nada mais do que isso. Não deveria ser a obrigaçao de comprar uma prenda, nem a obrigaçao de jantar fora.

Essas pequenas coisas deveriam acontecer nos "nossos dias especiais", como bem escreveste. o primeiro beijo, a primeira noite, a troca de chaves de casa, tudo aquilo que realmente mostra o quanto o casal se ama.

  forteifeio

sábado, fevereiro 14, 2009 12:40:00 da manhã

Subscrevo inteiramente.
Muito bom texto.

  Mr. Z

sábado, fevereiro 14, 2009 12:50:00 da manhã

É bem.
Gostei e a conclusão tá bem esgalhada!

  vita

sábado, fevereiro 14, 2009 12:59:00 da manhã

Certissimo Bruno, para festejar deve ser os dias que nos marcaram de algum modo com a pessoa do momento.

Concordo totalmente contigo;)

  Manuel de Jesus

sábado, fevereiro 14, 2009 1:11:00 da manhã

Concordo em absoluto. Enquanto dura, o sentimento, seja ele amor, paixão ou simples desejo tem que ser celebrado todos os dias.

Ironicamente e sobre o tal Valentim, festeja-se a data em que um homem perdeu literalmente a cabeça…

  Ana GG

sábado, fevereiro 14, 2009 1:31:00 da manhã

Concordo plenamente! Compararo-o também ao festejo, ridículo, do dia das mulheres.

  Teté

sábado, fevereiro 14, 2009 1:39:00 da manhã

Invenção americana, para a malta consumir mais.

Nunca celebrei o dia, que esta comemoração em Portugal é relativamente recente. E depois porque os meus sogros fazem anos de casados nesse dia e lá tínhamos de ir comemorar a data com eles (este ano fazem o 55º aniversário). Mas houve um ano em que um deles estava engripado ou coisa, resolvemos fazer uma saída a dois e jurámos para nunca mais: salas de cinema com bilhetes esgotados, restaurantes apinhados com filas de espera, parecia que estava tudo doido! Acabámos a comer umas sandocas e a alugar um dvd para ver em casa...

Mas sim, comemoramos o nosso aniversário de casamento a dois, não queremos lá família atrelada! De resto é como tu dizes, todos os dias são bons para namorar... :)

Bom fim de semana para ti!

  Daniel Silva

sábado, fevereiro 14, 2009 2:31:00 da manhã

tal como o dia da criança, etc etc. Como bem dizes, importa o dia em que cada casal retém assuas boas lembranças: quando se conheceram, por exemplo, e namorar sempre, mesmo em relações já consumadas há muito.

É importante reinventar o Amor.

Tou ctgo e tb nao namoro

  *Joana*

sábado, fevereiro 14, 2009 3:41:00 da manhã

Toda a gente critica e diz que "sim, é apenas comercial blá blá blá grande hipocrisia blá blá blá eu não dou muita importância a essas coisas porque o que conta são os outros dias blá blá blá"...
O que é certo é que vejo todas as pessoas com namorados a INVARIAVELMENTE irem jantar fora e depois um cafezito num local acolhedor, um cinemazito quem sabe (de preferência um daqueles filmecos chochos) e claro um belo ramo de flores (ou no mínimo uma delicada rosa vermelhona) e um postal cheio de corações já com uma frase ou um poema lá dentro pa não ter de se puxar muito pela imaginação e só ter de completar com um "amo-te muito" ou um magnifico "gmdt"...
É uma hipocrisia sim senhor mas todos vão na onda, até pareceria mal que a X e o Y não comemorassem o dia dos namorados, o povo espantar-se-ia e lá começava o burburinho: "estes já não aguentam muito"... Aliás todas as minhas amigas comprometidas acham uma hipocrisia mas imagino o tamanho das trombas delas se não houvesse presentinho...
Resumindo: abomino este dia em que quando se sai à rua todos andam de mãos dadas, todos são beijinhos e abraços e carinhos e bebezinhos e fofinhos! E no dia a seguir eis que tudo volta ao normal, porque as relações são o que são e não é o fingimento que as torna melhores!
Viva o solteirismo!!

  Ana

sábado, fevereiro 14, 2009 5:06:00 da manhã

Não podia concordar mais com este texto.
Eu festejo o dia em que conheci o mu namorado, festejo o dia em que começámos o nosso relacionamento, festejo o dia em que começámos pela 2ª vez e festejo outras pequeninas coisas nossas... mas o dia 14 de Fevereiro passa-nos completamente ao lado! Aliás, como eu já disse por aí noutro blog, este ano tratando-se de um sábado, e sendo o sábado sempre reservado á farra com os amigos (eu com os meus e ele com os dele), o mais provável é nem sequer o ver.

  I.D.Pena

sábado, fevereiro 14, 2009 9:11:00 da manhã

Sinceramente. Acho que vou ter um melhor dia se me afastar da lamechisse pegada que este dia força a ter .

Por isso concordo com esta parte:
"o sentimento, esse é para ser festejado todos os dias e a cada dia, um pouco mais. "

Bom fim de semana
Beijos

  provocação

sábado, fevereiro 14, 2009 12:17:00 da tarde

Será que o S. Valentim tinha namorada? E se tivesse embarcava nesta nhonhice pegada? O mais certo era estar embrulhado num cobertor a beber um chá quentinho que isto está frio para exibições. O dia dos namorados não passa de show off.

  provocação

sábado, fevereiro 14, 2009 12:19:00 da tarde

Ia agora lêr o blogue do Arrumadinho e dei com o nariz na porta, só para convidados! Toma que é para não chatearem o menino....

  Mel

sábado, fevereiro 14, 2009 12:23:00 da tarde

Passa-me ao lado.

  Bruno Fehr

sábado, fevereiro 14, 2009 12:41:00 da tarde

provocação disse...

"Ia agora lêr o blogue do Arrumadinho e dei com o nariz na porta, só para convidados! Toma que é para não chatearem o menino..."


Ahahaha, afinal sempre estávamos em sintonia nos comentários há uns tempos.

Achas que aqui o je vai deixar passar isso em branco?

  provocação

sábado, fevereiro 14, 2009 1:16:00 da tarde

Já te disse, a mim só me falha o Euromilhões :p

  Sad Tear

sábado, fevereiro 14, 2009 1:20:00 da tarde

Concordo contigo. O amor tem de ser celebrado todos os dias... e não deve ser uma imposição comercial (que a meu ver é o que é!) Tem de se ir jantar fora, ofercer prendas só porque é dia de S.Valentim. Prefiro oferecer algo ou ir jantar um outro dia qualquer só porque me apetece (e a ele também) ou então no nosso dia. tem mais lógica. Tem mais sentido. tem mais magia.

  Joana

sábado, fevereiro 14, 2009 1:55:00 da tarde

De pé, mão com mão aplaudo o que escreveste.

Concordo com cada palavra.

Para mim o Dia dos Namorados é o dia do comércio e da obrigação de dar uma prenda ou ir jantar fora.

Dia dos namorados é sempre... e o mais importante são as datas que consideramos especiais.

Beijinhos

  Fia

sábado, fevereiro 14, 2009 3:10:00 da tarde

Não podia estar mais de acordo com o que foi dito.

Bruno, este texto levou-me a pensar a pensar não só no Dia de S.Valentim, mas também nas Celebrações em geral.

Celebrações massificadas e com data marcada, que entendo por todas as datas celebradas por meio mundo, e que para mim pouco ou nenhum siginificado têm. Soam-me a algo forçado.

Não preciso de datas para me fazerem lembrar ninguém, para ter vontade de fazer seja o que for, ainda mais do que me acontece naturalmente.

Há sim datas com uma carga emocional associada muito grande que me fazem parar mais um pouco, que as sinto e vivo de forma particularmente intensa. Mas essas datas têm um significado pessoal.

Eu mais que comemorar, alimento bons sentimentos. Se estivesse à espera de uma data para os alimentar, há muito que estariam esquecidos, magrinhos, definhados, tadinhos... muitos deles mortos e esquecidos. Daí que os maus sentimentos que já nutri, os acabe por esquecer. Não os alimento, nem dou hipótese a que os alimentem.

Uma relação, seja ela qual for, para mim é isso mesmo. É um dar e receber, um trabalho contínuo, e não de um dia. Há dias especiais, sim, dias que uma relação merece um pouco mais de mimo. Porque ambos o querem, ambos o sentem. Seja uma relação de amizade, de amor, profissional, ou até mesmo de saudade por alguém que já faleceu.

Uma relação faz-se de grandes e pequenos gestos a meu ver.

Pessoalmente, nunca gostei de grandes exibições, quer de afecto ou de outra índole, raramente me surpreendem grandes presentes.

Sempre me marcaram mais pela qualidade ( e não me refiro a valores $$$ ), que pela quantidade, pela subtilidade, pela coerência e consistência de quem dá, pelo significado daquilo que me foi dado ou manifestado, e no contexto em que aconteceu.

Faço da minha vida e procuro fazê-lo da vida daqueles que me são queridos, um somatório de pequenissimas, quase insignificantes atitudes e gestos, palavras, que muitas vezes até passam desapercebidas, que na altura até damos pouca importância, mas que ficam e nos marcam.

Falo por mim. Da quantidade de coisas que já ofereci, das palavras que já proferi, porque vi, porque tive vontade de dizer, e me lembrei de imediato de uma pessoa, com um gosto imenso só de imaginar a alegria, o sorriso a quem iria oferecer. E não é isto uma celebração verdadeira?

A quantidade de vezes, que a presença de alguém é por si só um presente. :) Eu já desejei tantas vezes que como presente, o melhor que poderia receber e o que mais feliz me faria, seria a presença de uma certa pessoa. :)

Muitas, muitas vezes, e já fui acusada de insensível, fria, distante, por não comparecer casamentos, aniversários, a funerais, a missas de 7º dia... Não sou pior amiga nem menos chegada à familia se não o faço.

Há datas de datas, eu sei. Mas mesmo reconhecendo significado a uma data em particular, o siginificado pode não ser o mesmo para todos que a partilham. E cada um tem o direito de a viver coerentemente consigo mesmo, em atitudes, na forma como o faz. Lamento é que muita gente não seja capaz de compreender isso, e não respeite a atitude de quem foje à regra.

Faço as minhas homenagens, à minha maneira, e não menos sentidas, nem pior, a quem já partiu.

Simplesmente faço-o quando o sinto e da forma que me sai do coração. Com vontade, com gosto :)

Não NO DIA, mas NOS DIAS, NOS NOSSOS DIAS, em que não celebro UM DIA, por dever, por obrigação, como querem ou esperam que o faça.

Nesta situação e em muitas outras.

Como no caso dos casamentos, aniversários e afins. Adoro e faço-o com um gosto imenso, participo dos preparativos, como se a homenageada, o mote da festa fosse eu. Não faço por menos para aqueles que me são queridos, do que faria por mim. Mas faço-o apenas até onde e o que me faz sentir bem.

Já organizei muitas festas, já fui motivo de celebração e de festa, como o mesmo já sucedeu com tantos que me são queridos. Já estive presente e distante, porque quiz ou por falta de vontade ou de um motivo, sempre celebrei desde que haja algo que me mova. :) Com vontade :)

  Van

sábado, fevereiro 14, 2009 4:43:00 da tarde

Apoiado!!! e agora vou dar um passeio de mão dada à beira mar. :D mas porque é sábado e está bom tempo!!! (cof cof) LOOOOOOOL

  Pronúncia

sábado, fevereiro 14, 2009 5:18:00 da tarde

Conseguiste expressar neste texto tudo aquilo que eu penso sobre o "Dia dos Namorados".

Ir jantar fora, ao cinema, seja onde for, neste dia é a coisa menos romântica que pode existir. Diria até que é deprimente, filas para tudo e mais alguma coisa. Para mim, não obrigada!

Destacaria do texto:
"Uma celebração privada tal como é o sentimento. Uma celebração sem pensar em celebrar, tal como se ama, sem se pensar em amar.", porque resumes em duas frases aquilo que eu penso sobre este dia (e todos os outros dias do ano que queiramos dedicar ao namoro)

  yargo

sábado, fevereiro 14, 2009 7:24:00 da tarde

Concordo contigo a 200%...
E até acrescento... O dia dos namorados é o dia mais deprimente para as pessoas que se sentem sós. Eu que o diga, sempre desejei passar este dia a dormir para esquecer e nem ver os casalzinhos que andam por aí! Mesmo indo a jantares de solteiros, no fundo era deprimente. Hoje estou acompanhada, mas neste dia não estou com o meu par... Ele foi jogar para o continente, mas eu não estou triste. Amanhã ele faz anos e aí sim, temos motivos para comemorar... E ele vai cá estar! O dia em si, é uma fantuchada comercial!

  Noivo

sábado, fevereiro 14, 2009 9:55:00 da tarde

tens toda a razão no que dizes. no entanto, talvez porque também o queria festejar e não posso por motivos profissionais, sinta alguma nostalgia....mas amanhã..... :)

  afectado

domingo, fevereiro 15, 2009 2:06:00 da manhã

Gostei do texto! Abordaste a questão pelo sitio certo... a demonstração de amor que deve ser permanente e não no dia 14 de fevereiro apenas!

Há muita gente que acha bonito falar mal deste dia e então como não sabem mais vão pela via do consumismo bla bla bla. Ou seja, a conversa do costume que toda gente sabe.

Dos textos que fui recebendo no google reader hoje sobre este dia, sem dúvida que o teu foi o melhor...

  Nomyia

domingo, fevereiro 15, 2009 7:09:00 da tarde

Exacto. Se for mais um dia para 'justificar' ou 'dar sentido a uma relação' é porque a relação já não tem razão de ser. Um namoro, união, casamento, seja lá o que for pode e deve ser celebrado todos os dias através de pequenos gestos, só porque sim. É tão ridicula a existência deste dia, que ao não oferecermos o que está convencionado que se dê neste dia estamos a cometer uma gafe! Mais, se não o comemorarmos somos uns ET's, não somos românticos, não prestamos a devida atenção à pessoa amada...Desculpem? E menos pressão não? Acredito que muitos casais cedam à brincadeira devido à culpabilidade que sentem, mesmo sem querem, devido à enorme pressão que é exercida sobre eles. Apenas mais uma prova de que não passa dum dia, acima de tudo dos comerciantes...
*****

  sexy hot

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 12:14:00 da manhã

Confesso que não li o post tudo, mas podes ter a certeza que por tudo o que li assim muito por alto concordo plenamente contigo. Por acaso ontem fui jantar fora com o mais que tudo, mas só fui porque a minha avó fazia anos e quis ir jantar fora, bem... Eu nunca vi aquele restaurante tão cheio aquilo era só casais e mais casais, tantos que até metia um bocado de nojo. Parece que tudo se lembra de ir jantar fora naquela dia e todos os outros dias é para se ficar em casa sem fazer um cu. Presentes? Que? Só se oferece presentes em dias como aquele, ou nos anos, ou no natal ou sei lá... Eu não gosto do dia dos namorados. Não preciso de um dia com um nome todo catito para dizer que o amo e julgo que ele também não precisa. Enfim... mas cada um é quem é. E sou menina para dizer que muitos desse casais que saem de casa para jantar fora naquele dia só o fazem porque acham que fica mal ficarem em casa, há que ser igual aos outros! Bagh Poupem-me!

  Cor do Sol

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 12:55:00 da manhã

Não penso nesse dia como sendo o dia dos namorados e só me lembrei dele porque fui a um restuarante que adoro e ele estava completamente transformado e atolhado, com serviço lento e sem a atençao habitual dispensada pelos empregados, atenção que gosto de ter...é o meu mimo de fim de semana. Um bom restaurante, um bom serviço, uma optima companhia seja ela do namorado ou do namorado e de vários amigos.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:49:00 da manhã

Jane Doe disse...

"Que seja, não um dia, mas um reflexo de todos os dias."

Exactamente.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:49:00 da manhã

Eu mesma! disse...

"o amor devia de ser celebrado anualmente... e não apenas um dia do ano!"

Diariamente queres tu dizer :)
Sim, festejar um dia por ano é errado.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:50:00 da manhã

JS disse...

Obrigado.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:50:00 da manhã

Sanxeri disse...

"O dia dos Namorados (o oficial) deveria ser somente mais um pretexto para se mostrar ao nosso parceiro que o amamos. Nada mais do que isso. Não deveria ser a obrigaçao de comprar uma prenda, nem a obrigaçao de jantar fora."

Exactamente, essas obrigações, matam o dia.

"o primeiro beijo, a primeira noite, a troca de chaves de casa, tudo aquilo que realmente mostra o quanto o casal se ama."

Essa da troca das chaves de casa, tocou-me lá bem no fundo... é que nunca o fiz nem me imagino a fazê-lo.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:50:00 da manhã

forteifeio disse...

Obrigado.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:50:00 da manhã

Mr. Z disse...

Muito obrigado.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:51:00 da manhã

vita disse...

"Certissimo Bruno, para festejar deve ser os dias que nos marcaram de algum modo com a pessoa do momento."

Sim, pelos menos esses dias, são realmente pessoais.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:51:00 da manhã

Manuel de Jesus disse...

"Ironicamente e sobre o tal Valentim, festeja-se a data em que um homem perdeu literalmente a cabeça…"

É verdade, eu até festejaria isso, mas de uma outra forma.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:51:00 da manhã

Ana GG disse...

"Compararo-o também ao festejo, ridículo, do dia das mulheres."

Ui, nessa noite, ela parecem loucas. Pare que só saem uma vez por ano de casa... na verdade é o que acontece com algumas.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:51:00 da manhã

Teté disse...

"Nunca celebrei o dia, que esta comemoração em Portugal é relativamente recente. E depois porque os meus sogros fazem anos de casados nesse dia e lá tínhamos de ir comemorar a data com eles (este ano fazem o 55º aniversário)."

55°? Bolasssssssssssss

"resolvemos fazer uma saída a dois e jurámos para nunca mais: salas de cinema com bilhetes esgotados, restaurantes apinhados com filas de espera, parecia que estava tudo doido!"

E nesse dia, está mesmo. Sair de casa parece ser obrigatório.

Acabámos a comer umas sandocas e a alugar um dvd para ver em casa...

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:51:00 da manhã

Daniel Silva disse...

"tal como o dia da criança, etc etc. Como bem dizes, importa o dia em que cada casal retém assuas boas lembranças: quando se conheceram, por exemplo, e namorar sempre, mesmo em relações já consumadas há muito."

Claro que sim, há aqueles dias que dão muito mais gozo festejar.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:52:00 da manhã

*Joana* disse...

"Toda a gente critica e diz que "sim, é apenas comercial blá blá blá grande hipocrisia blá blá blá eu não dou muita importância a essas coisas porque o que conta são os outros dias blá blá blá"...
O que é certo é que vejo todas as pessoas com namorados a INVARIAVELMENTE irem jantar fora e depois um cafezito num local acolhedor, um cinemazito quem sabe (de preferência um daqueles filmecos chochos) e claro um belo ramo de flores (ou no mínimo uma delicada rosa vermelhona) e um postal cheio de corações já com uma frase ou um poema lá dentro pa não ter de se puxar muito pela imaginação e só ter de completar com um "amo-te muito" ou um magnifico "gmdt"..."

Toda a gente nao... eu nunca entrei nessa.

"começava o burburinho: "estes já não aguentam muito"... Aliás todas as minhas amigas comprometidas acham uma hipocrisia mas imagino o tamanho das trombas delas se não houvesse presentinho..."

Sempre tive acordos de nao tocar presentes forcados. Em particular neste dia.
as torna melhores!


"Viva o solteirismo!!"

Singles rule!!!!

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:52:00 da manhã

Ana disse...

"Eu festejo o dia em que conheci o mu namorado, festejo o dia em que começámos o nosso relacionamento, festejo o dia em que começámos pela 2ª vez e festejo outras pequeninas coisas nossas..."

Pequeninas mas grandes, ou pelo menos maiores que o dia de S.Valentim.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:52:00 da manhã

I.D.Pena disse...

"Sinceramente. Acho que vou ter um melhor dia se me afastar da lamechisse pegada que este dia força a ter ."

E fazes tu muito bem.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:52:00 da manhã

provocação disse...

"Será que o S. Valentim tinha namorada?"

Acho que era padre ou frade ou uma coisa qualquer ligada à igreja. Por isso nao tinha namorada, só mulheres casadas e beatas :)

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:52:00 da manhã

provocação disse...

"Ia agora lêr o blogue do Arrumadinho e dei com o nariz na porta, só para convidados! Toma que é para não chatearem o menino..."

Tadito. Acho que vou chorar compulsivamente.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:53:00 da manhã

Mel disse...

"Passa-me ao lado."

Por quanto tempo? Love is in the air, lala la lala

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:53:00 da manhã

provocação disse...

"Já te disse, a mim só me falha o Euromilhões :p"

Hmmm, arranjas uma cunha para mim?

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:53:00 da manhã

Sad Tear disse...

"O amor tem de ser celebrado todos os dias... e não deve ser uma imposição comercial (que a meu ver é o que é!)"

E é mesmo, em particular neste dia.

"Prefiro oferecer algo ou ir jantar um outro dia qualquer só porque me apetece (e a ele também) ou então no nosso dia. tem mais lógica. Tem mais sentido. tem mais magia."

Exactamente e ser expontaneo tem muito mais piada.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:53:00 da manhã

Joana disse...

"Dia dos namorados é sempre... e o mais importante são as datas que consideramos especiais."

Isso mesmo, sejam elas quais forem, qualquer data é mais importante.

Lembro-me de ter uma vez convidado uma ex para jantar por faziam 23 dias da nossa primeira discussão. Ok, nao fez sentido, mas foi original.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:53:00 da manhã

Fia disse...

"Bruno, este texto levou-me a pensar a pensar não só no Dia de S.Valentim, mas também nas Celebrações em geral."

Sim, as que falei e as que acrescentaram em comentários, como o dia da mulher entre outros.

"Não preciso de datas para me fazerem lembrar ninguém, para ter vontade de fazer seja o que for, ainda mais do que me acontece naturalmente."

E o que acontece naturalmente tem muito mais piada.

"Uma relação, seja ela qual for, para mim é isso mesmo. É um dar e receber, um trabalho contínuo, e não de um dia. Há dias especiais, sim, dias que uma relação merece um pouco mais de mimo. Porque ambos o querem, ambos o sentem. Seja uma relação de amizade, de amor, profissional, ou até mesmo de saudade por alguém que já faleceu."

Claro que sim, seja o que for que se festeja, mas que seja algo com significado pessoal e nao o dia em que um gajo morreu.

"A quantidade de vezes, que a presença de alguém é por si só um presente. :) Eu já desejei tantas vezes que como presente, o melhor que poderia receber e o que mais feliz me faria, seria a presença de uma certa pessoa. :)"

Ora lá está. Por vezes recebemos um presente caro, quando nos basta um abraço.

"Não NO DIA, mas NOS DIAS, NOS NOSSOS DIAS, em que não celebro UM DIA, por dever, por obrigação, como querem ou esperam que o faça."

Fazer o que se quer, quando se quer da forma que se quer.

Nesta situação e em muitas outras.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:54:00 da manhã

Van disse...

"Apoiado!!! e agora vou dar um passeio de mão dada à beira mar. :D mas porque é sábado e está bom tempo!!! (cof cof) LOOOOOOOL"

Pois sim, mente-me que eu gosto!

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:54:00 da manhã

Pronúncia disse...

"Destacaria do texto:
"Uma celebração privada tal como é o sentimento. Uma celebração sem pensar em celebrar, tal como se ama, sem se pensar em amar.", porque resumes em duas frases aquilo que eu penso sobre este dia (e todos os outros dias do ano que queiramos dedicar ao namoro)"

Eu acho que tudo o que é feito a dois, sem exibicoes publicas e de uma forma sentida, expontanea, tem muito mais valor.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:54:00 da manhã

yargo disse...

"E até acrescento... O dia dos namorados é o dia mais deprimente para as pessoas que se sentem sós. Eu que o diga, sempre desejei passar este dia a dormir para esquecer e nem ver os casalzinhos que andam por aí! Mesmo indo a jantares de solteiros, no fundo era deprimente. Hoje estou acompanhada, mas neste dia não estou com o meu par... Ele foi jogar para o continente, mas eu não estou triste. Amanhã ele faz anos e aí sim, temos motivos para comemorar... E ele vai cá estar! O dia em si, é uma fantuchada comercial!"

Sim é um desfile de aves raras :)

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:54:00 da manhã

Noivo disse...

"no entanto, talvez porque também o queria festejar e não posso por motivos profissionais, sinta alguma nostalgia....mas amanhã..... :)"

Ora, dia 15 nao é 14, logo será algo de diferente e voluntário.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:54:00 da manhã

afectado disse...

"Há muita gente que acha bonito falar mal deste dia e então como não sabem mais vão pela via do consumismo bla bla bla. Ou seja, a conversa do costume que toda gente sabe."

O dia nao tem nada de errado, o que se celebra também nao. Só nao concordo com a forma como este dia é abordado.

"Dos textos que fui recebendo no google reader hoje sobre este dia, sem dúvida que o teu foi o melhor..."

Nao devem ter sido muitos, ahahahaha

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:55:00 da manhã

Nomyia disse...

"Exacto. Se for mais um dia para 'justificar' ou 'dar sentido a uma relação' é porque a relação já não tem razão de ser. Um namoro, união, casamento, seja lá o que for pode e deve ser celebrado todos os dias através de pequenos gestos, só porque sim."

Até podem sair juntos no dia 14, mas nao para fazer o que todos fazem.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:55:00 da manhã

sexy hot disse...

"Por acaso ontem fui jantar fora com o mais que tudo, mas só fui porque a minha avó fazia anos e quis ir jantar fora, bem... Eu nunca vi aquele restaurante tão cheio aquilo era só casais e mais casais, tantos que até metia um bocado de nojo."

É um exagero de gente. Pessoas que muitas delas só jantam fora nesse dia :)

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 10:55:00 da manhã

Cor do Sol disse...

"Não penso nesse dia como sendo o dia dos namorados e só me lembrei dele porque fui a um restuarante que adoro e ele estava completamente transformado e atolhado, com serviço lento e sem a atençao habitual dispensada pelos empregados, atenção que gosto de ter..."

Eu tive a triste ideia de ir às compras, as lojas tinham tantos corações que foi difícil passar ao lado :)

  silvestre

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 1:18:00 da tarde

Não concordei nada com este post. Acho que é uma data importante. E creio que o "fingir que se sente" é apenas um dos comportamentos que se observam. Como em tantas outras coisas. É como o Natal. Acho uma data muito importante. Quero lá saber da vertente comercial, da vertente publicitária.

É bom que existam dias que obriguem as pessoas a lembrar-se de algo. Dia do pai, dia da mãe, dia do filho, do avô... seja o que for. Porquê? Porque o mundo não é perfeito e as pessoas não são todas iguais.

Eu também não sou fã de música pimba ou da Margarida Rebelo Pinto, mas acho que são necessários porque há pessoas que funcionam com esses códigos e que são incapazes de compreender outros.

E quanto às pessoas dentro do restaurante. Ui... quantas vezes não temos os mesmos restaurantes cheios de pessoas com sentimentos verdadeiros e o contrário (casais) mas nunca reparamos porque não é o dia 14.

O dia de S. Valentim é o que quisermos que ele seja. Também é nosso se quisermos. Eu quero que ele seja meu, às vezes. Não é por isso que deixo de ter todas as outras datas especiais.

Se olhares para o dia de S. Valentim, da mesma forma que um sociólogo observa a glocalização, poderás perceber que até é um dia muito interessante com tudo o que se passa nele e nada lesivo para os sentimentos verdadeiros e para o amor.

  Van

segunda-feira, fevereiro 16, 2009 4:00:00 da tarde

Não devem ter sido muitos??? Toda a gente falou deste dia e dedicou-lhe poste, fosse a falar bem, fosse a falar mal!!
Pra dia que devia ser igual aos outros, acabou por ser muito notado ahahaha!

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 17, 2009 2:59:00 da manhã

silvestre disse...

"É bom que existam dias que obriguem as pessoas a lembrar-se de algo. Dia do pai, dia da mãe, dia do filho, do avô... seja o que for. Porquê? Porque o mundo não é perfeito e as pessoas não são todas iguais."

Eu não preciso de dias para dar valor a quem amo, talvez outros precisem, mas isso é um problema que não se resolve criando um dia oficial.

"Eu também não sou fã de música pimba ou da Margarida Rebelo Pinto, mas acho que são necessários porque há pessoas que funcionam com esses códigos e que são incapazes de compreender outros."

E a pergunta é: Se eles não existissem isso afectaria a nossa vida? Nao, portanto a não existência do festejo de um dia em que um padre foi decapitado, também não é essencial à nossa felicidade.

"E quanto às pessoas dentro do restaurante. Ui... quantas vezes não temos os mesmos restaurantes cheios de pessoas com sentimentos verdadeiros e o contrário (casais) mas nunca reparamos porque não é o dia 14."

Noutros dias temos mesas com famílias e não mesas de duas pessoas, todas apertadinhas para colocar o máximo de casais possível lá dentro e mais uma fila de casais à porta.
A hipocrisia está em me sentar ao lado de uma homem que vai jantar com a mulher naquele dia, porque tem de ir, o resto do ano é cada um para seu lado!


Para terminar, eu nunca disse que era contra o dia em si, mas sim contra a banalização do mesmo.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 17, 2009 2:59:00 da manhã

Van disse...

"Não devem ter sido muitos??? Toda a gente falou deste dia e dedicou-lhe poste, fosse a falar bem, fosse a falar mal!!
Pra dia que devia ser igual aos outros, acabou por ser muito notado ahahaha!"

O dia nao tem de ser igual, os comportamentos é que nao deveriam ser diferentes.

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 18, 2009 3:33:00 da tarde

gostei muito do que li, ate porque para mim dia dos namorados sao aqueles dias que sao poucos em que estou com o meu namorado, presentes? bem, presentes trocamos espontaneamente sem haver quaquer tipo de data a celebrar.curiosamente, completei 3 anos de namoro no dia 15 de fevereiro. taambem vos digo, nunca dou importancia a essas datas de dia de s.valentim dia da mae dia do pai bla bla bla, nao. gosto de celebrar todos os dias e presentear sempre que posso as pessoas que amo sem haver qualquer tipo de datas. eu sou assim celebro a vida com as pessoas que mais amo!!!

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 19, 2009 9:32:00 da manhã

Anónimo Anónimo disse...

"gostei muito do que li"

Muito obrigado.

"taambem vos digo, nunca dou importancia a essas datas de dia de s.valentim dia da mae dia do pai bla bla bla, nao. gosto de celebrar todos os dias e presentear sempre que posso as pessoas que amo sem haver qualquer tipo de datas."

E assim é que deve ser. Viver de uma forma expontanea e mostrar que se gosta, sem ser preciso ver publicidade na TV.

  Mauro

quinta-feira, fevereiro 19, 2009 8:57:00 da tarde

Gostei bastante do que disseste e concordo com quase tudo.

Confesso que sou dos que gosta de nesse dia sair, jantar, oferecer umas rosas..mas como faço isso noutras alturas do ano é algo natural para mim.

O dia dos namorados deve funcionar como um símbolo da relação..não deve ser a expressão máxima que ela tem..porque se assim fosse..só atingiria o clímax 1 vez por ano..

É um facto que muitos casais fazem coisas nesse dia que raramente fazem durante o ano e isso claramente está errado.

É certo que vivemos numa sociedade consumista e é em parte por ai que se estraga algo que é simples e sagrado.

Por outro lado e como dizes as pessoas pecam por nesse dia demonstrarem sentimentos, atitudes e comportamentos que quiça não demonstram no dia a dia..e isso é um pecado capital.

Todos sabem que as relações têm altos e baixos, mas para mim a média deve ser aquilo que se faz por exemplo num dia dos namorados como sair, ir jantar fora ou outra coisa semelhante.

Não deve nunca ser o acontecimento do ano..

  Bruno Fehr

terça-feira, março 03, 2009 7:04:00 da manhã

Mauro disse...

"Por outro lado e como dizes as pessoas pecam por nesse dia demonstrarem sentimentos, atitudes e comportamentos que quiça não demonstram no dia a dia..e isso é um pecado capital."

O errado nao está em demonstrar mas sim em fingir ao levar a sua esposa com a qual mal falam todo o ano, a jantar como se amor estivesse vivo.