A crise pelos olhos de uma criança


Se uma menina Canadiana de 12 anos, curiosa e com sede de informação resolveu desligar a TV e investigar, acabando por perceber como o sistema financeiro funciona, perceber o que os governos aliados aos bancos privados estão a fazer, perceber que estamos a ser roubados e que basta uma única decisão parlamentar para acabar com este crime, perceber que a crise é propositada e virtual e que se mantém porque o permitimos, perceber que estamos a ser escravizados e obrigados a pagar uma divida inexistente... que espécie de bloqueio mental impede os adultos de perceberem?


Observando o vídeo, basta substituir a palavra Canada pelo nome do vosso pais, basta substituir o Banco do Canada pelo banco nacional do vosso país e o problema e solução estão correctos a nível mundial. Porque sim, os bancos alegadamente nacionais estão neste momento nas mãos de grupos privados e de nacional possuem unicamente o nome.

Deixa esta criança de ser criança por ter passado mais horas a investigar do que a ver TV? Claro que não, mas certamente que se todos os adultos vissem este vídeo, possivelmente iriam perceber que possuem um grave problema mental que os impede de ver o mundo como ele realmente é! Mas na verdade este vídeo é um grito da nova geração chamando-nos e aos nossos pais: Burros, pois no tempo dos nossos avós não era assim que a economia e sistema financeiro funcionavam.

Enquanto os nossos pais da geração peace and love pensam em ganza e poligamia. Enquanto a minha geração, geração rasca pensava em ganza e provas gerais de acesso. Enquanto a geração agora na casa dos 20,a geração fantástica pensava em ganza, skates e iPods todo o caos económico que vemos agora estava a ser criado na nossa cara. Pode ser que seja a geração desta menina a finalmente resolver a situação. O mínimo que podemos fazer é motivar a que se informem, aplaudir quando se exprimem e apoiar quando agirem.





Black Block, Agentes provocadores!

As raízes do grupo são em Hamburgo e Schleswig-Holstein e remontam aos anos de 1977-1980 durante uma era de ocupações, por parte de pessoas sem casa, de edifícios públicos abandonados. Uma pratica ainda hoje comum e legal, que a policia tenta ilegalmente impedir.
Inicialmente o grupo defendia o seu "território" ocupado, barrando o acesso ao edifício e lutando contra a policia com todas as armas disponíveis, até serem expulsos ou resistirem o tempo suficiente para que a ocupação fosse legalizada devido ao apoio popular e pressão política para terminar os conflitos. Hamburgo está repleto de exemplos de edifícios públicos ocupados há mais de 20 anos e que hoje servem de sedes a grupos de esquerda radical.

 (Kein mensch ist illegal - Foi numa guerra contra a policia por este prédio que em 1977-1980 nasceu o Black Block, residência atual de diversos movimentos de protesto em nome da esquerda radical)

Hoje em dia os Black Block são chamados de anarquistas, apesar de na verdade terem apoio político e financeiro da esquerda radical. Pois em sociedade a anarquia é vista como uma ridícula utopia, ao passo que a esquerda radical é vista com um inimigo a combater. Portanto a escolha do termo "anarquista" não passa de um manobra de marketing.

Estes pseudo-anarquistas, e claro verdadeiros mas raros anarquistas la pelo meio, usam táticas de guerrilha durante manifestações, devidamente planeadas. Vestem-se de negro pois dificulta a identificação individual. Usam de violência para gerar o caos e esse caos cria a camuflagem ideal para saírem impunes mas não só...

Por incontrolável curiosidade em busca de fatos, aliada a uma extrema capacidade de me meter em confusões, privei com um grupo black block e reparei que os organizadores estão todos fortemente politizados, possuem agendas políticas de alegado protesto. A simples mistura entre a política dos organizadores e o tema anárquico do grupo, seria o suficiente para fazer uma porta pensar, mas todos sabemos que a maioria dos jovens é mais burro que uma porta.
Na verdade estes gajos não passam de um grupo e como qualquer grupo, há os que sabem o que estão a fazer e lideram um grupo de tolinhos em atos criminosos.
Todo o ideal anárquico perde a validade ao estarem organizados num grupo com uma definida liderança interna. Anarquistas que seguem lideres para impor a anarquia... só pode ser anedota pois insulta a inteligência de qualquer pessoa ao dar um novo significado a anarquia.



(este vídeo faz parte de uma reportagem Alemã sobre agentes provocadores, um dos países que mais os usam mas que também os expõem.)

O Black Block junta-se a protestos mas não estão lá a protestar ao vosso lado. Não estão lá a exprimir a sua liberdade de expressão, nem estão lá para garantir a vossa liberdade de protesto publico.
Os Black Block são o elo mais fraco da sociedade e atrativo para agentes provocadores, um vírus na sociedade moderna.

Os agentes provocadores são usados regularmente em missões militares. Como ex-militar tive formação nesta área como parte de treinos que consistiam em destabilizar zonas ocupadas com o fim de justificar intervenção militar sob civis. Imensos movimentos revolucionários são agentes provocadores, como os rebeldes Libaneses e Sírios, apoiados por potencias externas com o intuito de destabilizar uma zona de forma a justificar uma intervenção armada desejada.

Na sociedade de hoje, a policia foi completamente redesenhada e militarizada. Já não temos policias de segurança publica pois eles não estão la para garantir a segurança do publico mas sim a segurança do estado e das grandes corporações. Um edifício ou terreno publico abandonado/desocupado pode ser ocupado pelo povo, mas se o for a policia de segurança publica coloca o publico em risco, garantido que o estado ou corporação ligada ao estado mantém propriedade do que na verdade é publico.

O black block funciona da mesma forma. A policia para poder justificar o uso de força sobre o publico precisa que o publico crie desordem e é aqui que entra o black block, eles penetram uma manifestação, passando a fazer parte dela e portanto parte do publico. Iniciam uma campanha de caos e destruição pela cidade, evitando inicialmente o confronto direto com as autoridades. Durante esta campanha algum do publico segue estes palhaços e normalmente a policia com poucos efetivos recua ficando só a observar. Antes da retirada do black block da cena, iniciam o confronto direto com a policia e a policia recebe assim a justificação para avançar e destruir por completo a manifestação. Nesta altura a maioria do Black Block está em casa a ver pela TV.

 (Depois de expostos como agentes provocadores a policia encenou a detenção dos 3 agentes provocadores, expostos finalmente pela coincidência de todos os envolvidos terem botas da policia. Podem ver os acontecimentos no vídeo abaixo.)

(Este caso foi assumido pelas autoridades e emitido um comunicado oficial, desculpabilizando as autoridades.)

Este vídeo que se segue, não é um vídeo do black block mas sim um exemplo de como a violência da Grecia é alimentada pela policia:


O Black block não apoia ninguém a não ser uma agenda, um objetivo, o de rotular o povo em protesto como violento e merecedor de punição e a policia faz o resto. O povo inocente em protesto é atacado e destruído. O povo em casa só vê nas noticias a violência do black block e isso acaba por fazer com que a opinião publica desculpe a violência da policia, pois o black block é visto em casa como parte podre do povo que justifica a existência e necessidade de uma policia cada vez mais militarizada..

Recentemente tivemos um excelente exemplo, onde 8 elementos do black block tiveram de fugir de alguns manifestantes fartos de os ver a causar caos, esses elementos fugiram na direção da policia que abriu um corredor para eles passarem e o fechou aos cidadãos em perseguição. Isto aconteceu no G20 em Toronto, onde existem também vídeos de homens vestidos de negro a saírem de dentro de uma carrinha da policia e a juntarem-se aos manifestantes. Mais recentemente no Occupy Oakland que após a violência de elementos do Black Block durante o dia, o povo sofreu um dos mais brutais ataques policiais ao cair da noite.



(Neste vídeo podemos ver elementos que participarem em tumultos e que no dia seguinte estavam vestidos de policia.)

Este ano em Ocupy Oakland, ao cair da noite a policia realizou o ataque mais agressivo e brutal de entre todos os movimentos de ocupação que estão a acontecer nos EUA. Após 6 semanas de ocupação pacifica, chegaram os membros do black block e após o inicio da destruição, manifestantes começaram a enfrentar o black block, no entanto ao cair da noite e com o black block ausentes a policia atacou indiscriminadamente os manifestantes.

Em qualquer manifestação, a única violência justificada é aquela que impede este grupo de se infiltrar num protesto. Todos possuem o direito ao protesto, mas este grupo não pretende protestar, pretende unicamente criar a circunstancias para colocar a vossa integridade física em questão.
No dia em que um grupo Black block for severamente corrido de uma manifestação, será um passo decisivo para o fim destes agentes provocadores e as autoridades políticas vão ter de inventar outras formas de justificar a violação dos vossos direitos.

A policia existe por consentimento popular e este tipo de ações não possuem consentimento e portanto toda e qualquer atitude da policia sem o poder do consentimento é ilegal. O trabalho de um militar é ser educado para entrar em ação disposto a matar quem for rotulado como inimigo, a policia esta a receber uma educação semelhante onde o povo é o inimigo.
Termino com a citação na apagada pagina pessoal de Facebook de um policia Canadiano que esteve em imensas manchetes de jornais por prender uma protestante que lançava bolas se sabão, acusando-a de assalto a um agente da autoridade.


Um policia com um tijolo na mão (como no segundo vídeo) não é detido, mas uma mulher lançando bolas de sabão, é! A culpa não é só do agente pois ele foi treinado a ver o povo como lixo, servindo a elite e por isso temos dicotomia de nomes, onde a policia de segurança publica coloca a segurança do publico em risco e os peace officers causam o caos.

O desafio de pensar!

"Um estudo cientifico afirma que um cálice de absinto ao pequeno almoço aumenta o seu nível de concentração além de ter propriedades antibióticas e previne algumas formas de cancro!"


Esta afirmação tem a única intenção de testar os leitores pois não é verdade. Inventei-a neste momento! No entanto tenho a certeza que alguns de vós aceitaram a informação como verdadeira curiosos, ou não, de ler mais sobre o estudo. Ora o facto de acreditarem em mim, além de ser um voto de confiança, significa que o que escrevi conseguiu ultrapassar o vosso ceticismo e nada, nenhuma informação externa o deve conseguir fazer. O ceticismo é o que de mais importante temos e é o que nos permite realizar a atividade mais difícil e cada vez mais rara em sociedade: Pensar.

Desde o momento em que nascemos somos educados a não pensar. Desde crianças, aprendemos a aceitar toda a comida vinda da mão dos adultos como sendo segura para comer. A confiança cega que não nos vão deixar cair quando entre gargalhadas nossas nos atiram ao ar. Na escola onde somos ensinados a decorar e a assumir como verdades ideias e pensamentos de malucos, muitos deles já falecidos, como sendo verdades universais. A assimilar o que ouvimos na TV, Radio e lemos em jornais como sendo verdade por serem historias rotuladas como noticias, e até ao mais simples "não penses mais nisso" quando algo nos preocupa ou simplesmente estamos a olhar para o vazio divagando. Tudo nos bloqueia, impede a atividade de pensar.

Podem dizer que a ciência nos diz verdades inegáveis e que não temos capacidade de as confirmar ou negar e portanto não vale a pena pensar nisso. Mas vale!

"A ciência é a fé na ignorância dos peritos", pois tudo que é ciência é sempre verdade inegável até ao momento em que é negada e quando o é, é porque alguém pensou nisso. O melhor exemplo e conselho para levar as pessoas a pensar é a frase filosófica, "pensar confunde, pense nisso". Isto porque seja, cientista, jornalista, investigador, teorista, etc, ninguém deve conseguir por palavras derrubar o vosso ceticismo, pois é ele que vos fará pensar e desta forma estimular o cérebro e destacar o vosso intelecto no meio do rebanho que segue ideias, ideais, tendências, ídolos e lideres.

O tabaco já foi rotulado como saudável para tempos depois ser rotulado de mortal. Os adoçantes nas atuais bebidas sempre foram considerados seguros e agora tenciona-se colocar avisos nas bebidas, semelhantes aos do tabaco, alertando para os perigos da sua ingestão em excesso.
Qualquer estudioso consegue encontrar argumentos para justificar as suas conclusões pré-definidas com exemplos existentes. Como por exemplo: se quiser estabelecer uma ligação direta entre pastilhas elásticas de sabor a banana e o suicídio, certamente vou encontrar imensos exemplos de suicidas que mastigavam pastilhas elásticas de sabor a banana, podendo afirmar que 587 pessoas em todo o mundo que comiam pastilhas de sabor a banana se suicidaram num determinado ano. Este exemplo é ridículo mas serve disso mesmo, de exemplo, em  que eu tendo uma conclusão, posso ir buscar factos que a sustentem sem que sejam os factos a levar-me a uma conclusão. Além disso uma estatística fundamentada, mesmo que de forma questionável, iria fazer muita gente acreditar que a pastilha elástica de sabor a banana pode ser mortal. Conhecem a teoria da pastilha de mentol tirar a ereção? 
Isto assenta na fraca teoria de Causa/Efeito em que A causa B, ignorando que por vezes não existe relação entre A e B. O João foi atropelado porque não olhou para os dois lados ao atravessar a rua. A – não olhar para os dois lados causou B o efeito de ser atropelado, mas se o João atravessar a rua em 1645 dificilmente A causaria B pois não haviam carros. C que sendo a estrada faz com que sua existência tenha causado A e B e também permita a existência de D, o carro.

Mas não é de ciência que quero falar, foi só um exemplo, no meio de exemplos, da informação que consegue passar o nosso ceticismo.
Cada vez mais (e sempre) muitos leitores optam pelo caminho fácil, o de me pedir factos e provas, o que permitiria, caso a minha intenção fosse vos convencer do que escrevo, de buscar informação variada que de uma forma ou outra pudesse sustentar o que escrevo e desta forma derrubar o vosso ceticismo. Não é essa a intenção. A única intenção do que escrevo é estimular o vosso ceticismo, levando o leitor a investigar por si ou pelo menos a pensar. Independentemente de ver ou não validade no escrevo, pensou, e com isso retirou algo de positivo da interação comigo.

O fato de não pensar leva-nos a outro erro, o de escolher lados. Escolher lados é algo que nos ensinam desde pequeninos: Certo ou errado, bonito ou feito, bom ou mau, Benfica ou Sporting, Religião ou ateísmo, Socialista ou Social Democrata e qualquer debate onde perguntam ao publico de que lado está
Matar é errado, mas e se a vossa vida estiver em causa? Se ambos os candidatos são corruptos, pois é o atributo básico para se ser político, porque haveremos de escolher um? Se existe o agnosticismo porque motivo deveremos defender ou negar a existência de um ser que não podemos provar que existe ou que não existe? Por que motivo nos devemos colocar de um lado, se ao fazê-lo estamos a sair do único lado importante, o nosso?
O fato de não acreditarem/concordarem em um dos lados não significa que o lado que se opõe a ele seja o vosso lado e muito menos o correto. Dois lados podem estar errados, algo muito comum em política! Até em desporto de onde nada retiramos a não ser uma momentânea, banal e ilusória satisfação de estar do lado de quem vence, exceto quando perde! Não devemos pressupor que devemos defender B só porque sustenta a nossa oposição a A. O inimigo do teu inimigo não tem de ser teu amigo, pode simplesmente estar-se a cagar para ti e por isso podemos cagar para ele.

Investiguem ou não investiguem, pensem, sejam céticos pois irão tirar proveito disso. Não acreditem em nada só porque soa plausível. Por exemplo: sabiam que que existe uma probabilidade acima dos 70% das pessoas acreditarem numa estatística só por ela conter valores decimais? Isto mesmo sabendo que a maioria das estatísticas são feitas numa comunidade com mais semelhanças do que diferenças e onde a forma como a pergunta é formulada pode influenciar a resposta desejada.Um bom exemplo é perguntar a uma criança pequena se quer um chupa de morando ou de laranja, a maioria escolhe laranja, mas se perguntarmos se preferem laranja ou morango a maioria escolhe morango. OK, não é de uma forma tão simples que se guiam os adultos a dar a resposta que desejamos mas é possível e exemplo disso são os advogados cuja função é fazer a mesma perguntas de formas diferentes para obter a resposta desejada e imediatamente salienta-la.

Certo é que que não podemos evitar a forma como fomos educados e é muito complicado em sociedade, em particular na Europa, de submeter os nossos filhos ao home schooling. Devido a uma escravatura voluntaria chamada de emprego, ser impossível educarmos os nossos filhos e por isso, temos de os entregar a domadores profissionais que em vez de os ensinarem a pensar, os injetam com noções pré-concebidas mascaradas de verdades absolutas. Com isto não quero demonizar os professores que como qualquer trabalhador cumprem ordens, programas, com os quais muitos deles nem sequer concordam mas que precisam de obedecer e é este o centro da questão: Obedecer bloqueia o ato de pensar.

Todos somos obrigados a obedecer a leis, regras sociais, de etiqueta, aos mais velhos, a uma suposta autoridade que não é autoridade mas sim um mecanismo de fazer valer a lei. Aceitar a informação que nos é dada sem pensar é obedecer. Temos uma casa um carro e dinheiro no bolso porque obedecemos e em muitos casos não temos nada e obedecemos na mesma.
Neste momento a mais poderosa arma de obediência é a TV que nos injeta com informação de uma forma em que não existe a possibilidade de pensar e sem pensar a assimilamos, na maioria dos casos, como verdade.
Reparem que durante as noticias além do Pivot nos bombardear com supostas verdades ainda existem outras a correr em rodapé! Isso serve para isso mesmo, para assimilarmos sem pensar.
O ser humano tem um cérebro que serve para pensar e o ato de mentalmente concordarmos ou discordarmos de algo não é pensar mas sim um ato de fé que como qualquer fé, em particular a religiosa, condena o pensamento pois ele leva a questionar. 
O cérebro é um órgão que existe para mais do que ser estimulado pelas ondas eletromagnéticas da TV que não passam de um anestesiante, que ao afetar o cérebro afetam todo o corpo.

A educação, em particular a universitária não passa de um treino da mente com vista a seguirmos uma profissão, e ao conseguirmos essa profissão seguimos programas, cumprimos prazos e fazemos o que o patrão nos manda onde o ato de pensar é praticamente ignorado pois o facto de perderem tempo a buscar a solução de um problema de escola ou de trabalho, não passa de um ato de memoria, recordar de como se resolve a questão seguindo regras impostas por regulamentos internos. Pensar é mais do estabelecer uma ordem de ideias mentalmente sobre o que vamos fazer amanhã ou decidir sem falar se vamos ver um debate político num canal ou um reality show noutro, mesmo que o reality show vos faça sentir inteligentes devido ao nível rasteiro de intelecto dos intervenientes. Ao ver TV a atividade básica do nosso cérebro é uma simples escolha do personagem de uma série de quem gostamos e que torcemos para que vença e um outro que escolhemos odiar só porque sim. No entanto achamos que pensamos, pois no final da noite estamos realmente cansados e vamos dormir achando que pensamos no que iremos vestir ou fazer no dia seguinte, quando na verdade isso são meras escolhas automáticas e não um raciocino útil.

Pensar é chegar a uma conclusão que pode concordar ou discordar de um certo tema, mas que é a vossa conclusão e portanto é a verdade, no termo correto de verdade como valor pessoal e não universal. Esta atividade banal a que chamamos pensar não é na verdade pensar, pois é uma atividade cerebral não factual e por isso não nos leva lado a nenhum.

Como podemos realmente evoluir como seres humanos quando aceitamos toda a informação que nos rodeia unicamente através dos olhos e ouvidos e tentando evitar problemas para não os ter de resolver?
Passar uma vida inteira sem pensar é possível, algo que na verdade, se pensarmos nisso (não custa tentar) percebemos que no fundo é um desperdício total de uma dádiva, sendo a dádiva a capacidade de pensar e não a vida. A frase "penso logo existo" foi dita por quem pensou nisso mas que não invalida que uma pedra, que não pensa, não exista. Exceto se acreditam que criamos tudo o que nos rodeia unicamente por pensarmos, uma conclusão a que só pode chegar quem pensa.
Seguindo a teoria de "penso logo existo" como verdade absoluta só prova que não pensam e simplesmente seguem o pensamento de terceiros e portanto a vossa existência, de forma justificada, acaba sendo colocada em causa a nível pessoal, pois não pensam, seguem pensamentos de terceiros. Complicado? Claro que é! Por ser complicado é que por vezes, quem pensa, chega a concluir que não chegou a conclusão nenhuma e no entanto retirou frutos do processo. 

A rotina, casa-trabalho-casa-TV-cama, coloca-nos ao nível intelectual dos animais em que neste caso os animais fazem algo mais produtivo nem que seja o cão que olha 2 minutos para a TV e resolve ir para trás do sofá lamber os tomates. Ele pelo menos realiza uma atividade normal justificativa da sua existência e não vegeta perante um retângulo luminoso estupidificador de massas. O cão ficou pelo menos com os tomates limpos, o homem não fez mais do que passar tempo que na verdade é perder de tempo. 1-0 ganha o cão!

Precisamos de desligar a TV pois há um mundo de coisas para fazer. Desde ler, conversar, aprender ou treinar um instrumento, desporto, desenhar, escrever seja diário ou ficção, qualquer coisa que estimule ambos os hemisférios do cérebro para escaparmos a um rotineiro uso de metade do cérebro. Fugir ao pensamento linear onde tudo é se centra em detalhes ordenados e usar o holístico de onde partimos do todo para os detalhes. Fugir ao sequencial e usar o aleatório. Largar por momentos o simbólico e usar o concreto, ou o lógico experimentando o intuitivo. Fugir da realidade entrando na ficção (ficção como criação pessoal e não filmes). No fundo, por momento estará o homem a pensar como uma mulher e uma mulher como um homem, não para inverter os papeis mas sim porque temos um cérebro inteiro com dois hemisférios e não faz sentido os homens usarem metade e as mulheres a outra metade. Aqui entram os hobbys, os passatempos e assim que arranjarem um não mais vão sentir necessidade de se deixarem hipnotizar pela TV, e se a ligarem tempos depois ouçam o que é dito, desliguem-na e pensem nisso.

Escrever é uma forma de usar ambos os hemisférios e se este texto foi escrito usando maioritariamente o hemisfério esquerdo do meu cérebro, de seguida poderei ir tocar um pouco de guitarra ou escrever uma historia sobre a carreira profissional e ambições de um herpes genital. 
Nada é mais saudável e agradável do que ao ler um livro sentirmos a necessidade de desviar os olhos das paginas só para refletir sobre uma frase. Terminarmos um texto e ficarmos simplesmente em busca de uma conclusão pessoal.

Com isto não quero salientar uma vã pseudo-superioridade alegando que escrever este texto envolveu um ato concertado de pensamento, pois não é verdade. Possivelmente não passou de um exercício holístico de onde parti do geral (o tema) em busca de detalhes (o texto) e no fundo ele unicamente representa metade do objetivo, sendo a outra metade a opinião de quem perdeu ou ganhou tempo a ler esta treta. Perdeu tempo porque não chegou a conclusão nenhuma. Ganhou tempo pois pelo menos não estive a ver TV.

"Aprender sem pensar é tempo perdido. Pensar sem aprender é perigoso".

Muito interessante...

Já disse várias vezes que estamos a viver uma década interessante, onde por um lado nos assusta e por outro nos deixa curiosidade do que acontecerá de seguida.

Nos EUA o secretário de estado de tesouro Americano, Timothy Geithner foi preso, algo que me chocou, por ele fazer parte do grupo que quer impor a Nova Ordem Mundial. 



Este homem estava no topo da Reserva Federal Americana, que é um banco privado fundado por Rockefeller com financiamento da família Rothschild e que imprime dinheiro do nada e o empresta a governos e bancos a troca de 100 cêntimos por cada dólar de juros (e o dinheiro é gerado do nada sendo 100 cêntimos de lucro) e um dos maiores responsáveis pela atual crise mundial e que levou os governos a darem centenas de milhões aos bancos corruptos para os salvar da falência apesar de terem roubado triliões mundialmente. Apesar do nível de corrupção em que esteve envolvido as elites colocaram-no no governo de Obama, sendo o responsável pela economia Americana. A farsa que gerou esta crise nasceu de um quarteto: Reserva Federal Americana, AIG, Lehman Brothers e Goldman Sachs. Numa segunda fase, o Banco Mundial, FMI e Banco Central Europeu.

Sinceramente ainda não consegui fazer uma leitura sobre quem está por detrás disto, pois estamos a assistir a um ataque ao grupo criminoso mais poderoso do mundo, a Maçonaria. Geithner parece ter cooperado e está em liberdade aguardando julgamento, não pode sair do país e tem escolta policial 24 horas por dia. Depois de ele sair em liberdade condicional mais três prisões foram feitas: George Bush sénior o ex-presidente Americano que no dia 11 de Setembro de 1991 enquanto Presidente apresentou ao mundo a Nova Ordem Mundial, que deu um passo gigante em frente exatamente 10 anos depois (11 Setembro 2001) com o seu filho George W.Bush no poder. Outro detido foi Bill Gates e por ultimo Henry Kissinger, um criminoso de guerra que foi julgado por crimes contra a humanidade na guerra do Vietname e perdoado pelo Presidente Nixon para quem Kissinger trabalhava e por isso se manteve até hoje nos governos Americanos. Estas detenções possuem o objetivo de encontrar os 15 triliões de dólares desaparecidos e que causaram a crise e a consequente sabotagem do sistema financeiro internacional por forma a facilitar os ideais da Nova Ordem Mundial.


O mais interessante é que ninguém quer comentar. A Microsoft recusa-se a comentar tal como a família Bush mas também ninguém desmentiu.
Coincidentalmente Silvio Berlusconi também cooperou e também está em liberdade condicional e também acompanhado pelas autoridades 24 horas por dia.


Existem ainda poucas a nenhumas noticias sobre este assunto e na imprensa internacional unicamente se falou da prisão de Berlusconi e Geithner. Mas o pouco que se fala, é de uma campanha de centenas de prisões que podem acontecer durante os próximos dois meses nos EUA, Europa e Ásia.
Na Europa o único nome que surgiu depois da libertação de Berlusconi foi o do atual Papa ainda recentemente envolvido juntamente com o seu irmão num caso de pedofilia na Alemanha. Um jornal Italiano chegou a dizer que o Papa se iria demitir ainda no mês de Abril, algo que o Vaticano negou.
Na Ásia em particular na China e Japão mais de 200 diretores de bancos e instituições financeiras foram detidos e houve mais 450 demissões em Março bem com alguns chefes de policia foram detidos. Na China, o tido como certo futuro Presidente Chinês, Xi Xinping não é visto em publico desde o dia 31 de Março. No meio de toda esta confusão apareceu Naoshi Onodera no Japão, dizendo que agora existem as condições de segurança ideais para se apresentar como Imperador do Japão, acusando o actual imperador de ser um impostor colocado no poder depois da segunda guerra mundial, como prova apresentou uma das 3 relíquias mais antigas do mundo, a joia imperial (de origem Suméria) e pede para que a joia imperial do actual imperador seja investigada, pois é falsa.



Lord James Blackheath foi o responsável pela exposição final da corrupção financeira internacional e que levou Geithner a ser preso. Um dos casos expostos eu já falei dele, a detenção de dois japoneses a tentar sair de Itália a caminho da Suíça com 6 Triliões em títulos Americanos falsos, dias depois mais 2 Triliões encontrados nas Filipinas e tudo isto somado aos 15 Triliões que os Americanos perderam e não sabem onde estão e ainda disse ter provas que 759.000 toneladas de ouro foram roubadas da Reserva Federal.  Isto aconteceu num discurso em Londres no dia 16 de Fevereiro de 2012 tendo no dia 29 de Fevereiro sido assassinado. Por um lado ele é dado como morto, por outro é dito que está bem e de saúde mas sobre proteção até ao final das investigações.



Outra morte estranha aconteceu no dia 1 de Março de 2012, Andrew Breitbart foi encontrado morto se haver ainda nenhuma causa oficial. Este homem era um jornalista investigador fixado em expor burlas e crimes políticos e que expôs o escândalo sexual que levou o poderoso Anthony Weiner a demitir-se bem como o escândalo ACORN que levou Shirley Sherrod a demitir-se, por coincidência foi esta a primeira a dar as suas condolências publicas. Este homem estava na altura da sua morte a investigar o mesmo caso que Lord James Blackheath, os 15 Triliões desaparecidos. Ele tinha também anunciado ir publicar dentro de uma semana umas cassetes do tempos de estudante de Obama que iram mostrar quem ele é na verdade e como resultado vetar a sua reeleição. Ele morreu na noite em que iria lançar um novo website e 5 semanas depois ainda não há cassetes nem website.



O maior problema neste momento é a falta de dados, pois só 3 canais de televisão abordaram este assunto e a imprensa livre normalmente pronuncia-se quando há factos, que neste momento são poucos. 90% da informação online neste momento, sobre estes casos, baseia-se no site de Benjamin Fulford, um homem que apesar de publicar algumas informações corretas, espalha também muitas previsões malucas as detalhe de datas de futuras e nada acontece. Ele é um critico das elites mas quase fez um felátio a Rokefeller quando o entrevistou.

Vamos esperar para ver. Temos neste momento a crise financeira, tentativas de criar guerras, revoluções pelo médio oriente e Europa, possibilidade de regresso a moedas nacionais, Euro2012, jogos Olímpicos de Londres recheados de simbolismo e suspeita, a teoria de Nibiru que a existir poderá ser visto a olho nu a partir de Maio, coisas que se vão arrastar até Dezembro em que termina o calendário Maia e quem sabe, depois de tudo isto, 2013 será um ano de verdadeira mudança, pois para mudar algo, as mentalidades precisam de mudar e para mudar as mentalidades é preciso chocar os TV-dependentes para que acordem.

Claro que tudo isto a ser verdade, não significa que o mundo vai mudar pois isto é um ataque de gente como poder a outras pessoas com poder mas se um destes homens cair é inevitável que arrastem consigo dezenas ou centenas de outros. O mundo não fica limpo mas vem provar que enquanto houver estes malucos das conspirações a expor o que as elites escondem, falando sem medos, eventualmente algo acontece. E quando um destes homens cai, 10 tomam o seu lugar e será sempre assim. Não precisamos de acreditar no que dizem, simplesmente precisamos de ouvir e de nos informarmos para chegar a uma conclusão, fazendo uso de algo que o ser humano raramente usa, o cérebro.

A crise do Islão e Europa

Depois da minha série de 3 textos sobre as vontades políticas de atacar a Síria e Irão estamos em condições de fazer uma analise final.
O ocidente perdeu a guerra política e como disse, se eles falhassem em justificar um ataque ao médio Oriente iria procurar um novo alvo.

O objetivo real dos Estados Unidos é encontrar formas de atacar a economia Chinesa, mantendo uma retórica de medo em tempo de eleições.
O objetivo real Europeu é distrair o povo da crise Europeia enquanto se continua a campanha de seleção da União Europeia. Esta seleção tem em vista pilhar os países incapazes de suportar o Euro, financiando esses pais com intenção de os deixar em rutura. Assim que for atingida a rutura, o pais não terá capacidades económicas e mesmo saindo do Euro e não pagando as dividas, esses países vão ter, após de criarem uma moeda nacional, de se voltarem a endividar junto dos países ricos.
O objetivo Russo era impor a sua presença e poder na política mundial, bem como não perder a sua influencia no médio oriente e tal como nos EUA numa altura de eleições.
O objetivo de Israel era manter o clima de guerra fria no médio oriente, também em altura de eleições. Israel sabe que atacar o Irão significaria a destruição total de Israel mesmo tendo armas nucleares.
O objetivo do Irão era manter a face também em altura de eleições.
A Síria conseguiu provar que os rebeldes estavam a receber apoio internacional e provou que o povo apoia o governo e não os rebeldes após 51% do povo ter votado favoravelmente no governo no ultimo referendo.



A retórica de guerra falhou pois o ocidente precisava do apoio da Índia, que após muita hesitação, recusou reduzir a quantidade de petróleo importado do Irão e desta forma se terem juntado ao vizinhos China e Rússia. Isto ficou claro quando a China mandou retirar os 20.000 soldados colocados na fronteira entre Índia e Paquistão, pais que anunciou apoiar os irmãos muçulmanos.

Nesta guerra de palavras todos cederam. O Irão disponibilizou o acesso a todas as instalações que a comunidade internacional queria acesso. A China baixou as importações de petróleo do Irão em 45%. Os Russos pararam de falar na defesa militar da Síria, falando em impor um cessar fogo. A Europa recuou ao não impor um embargo total de petróleo e os Americanos recuaram ao isentar 10 países Europeus do embargo e ao afirmar não apoiar um ataque Israelita ao Irão. Israel recuou deixando de ladrar ao Irão e passando unicamente a rosnar.
Tudo isto não passou da velha retórica "tenho uma pila maior que a tua e tomates de aço", essencial em tempo de eleições em países que usam do nacionalismo como arma eleitoral aliada a fins económicos.

Tal como seria de esperar os cães de guerra Americanos viraram-se contra um novo alvo: Coreia do Norte, cortando a ajuda alimentar ao país, por causa de um lançamento de um satélite. Neste momento os Americanos assistem a Coreia do Sul na exibição do seu pénis ao realizarem conjuntamente treinos militares em aguas territoriais da Coreia do Norte e como seria de esperar a Coreia do Sul está em época de eleições.

Neste momento os EUA estão em crise económica e com a sua única industria, a militar parada, necessitam de uma guerra. Não podemos ignorar que em pouco mais de 200 anos de existência, os Estados Unidos da América estiveram envolvidos em mais de 180 guerras. Precisam de usar armas para fazer armas, alimentando a sua única industria e ao mesmo tempo distrair o povo Americano durante as atuais eleições, onde Estado após Estado estão a ser detetadas irregularidades eleitorais onde milhares de votos estão a ser apagandos do sistema ou simplesmente contados a favor de Romney e contra o único candidato Americano que poderia mudar os EUA, Ron Paul.



Mas as liberdades internacionais deram mais um passo em frente com as novas potencias mundiais Brasil, Rússia, Índia, China (BRIC), que agora de chamam BRICS depois da entrada da África do Sul, terem discutido esta semana alternativas ao dólar, querendo largar o dólar como moeda de reserva mundial e indo mais longe querendo criar uma alternativa aos grupos corruptos como Banco Mundial e FMI. Apesar de serem noticias que afetam diretamente a economia Europeia, afetam bem mais a economia Americana, mas são um sinal de esperança para o futuro de todos os países Europeus em crise que vão ter de abandonar o Euro.

Muitos acham que os apoios Alemães aos países em crise possuem a intenção de salvar o Euro, mas isso não é verdade pois eles sabem que é uma moeda impossível de ser mantida pela Grécia, Espanha, Irlanda, Itália, Portugal e Bélgica. Por isso a intenção é manter esses países endividados o mais tempo possível com o objetivo de pilhar as suas reservas de ouro e de os deixar numa posição em que necessitem de décadas para recuperar.
Prova disso são as recentes exposições publicas na Alemanha de dois problemas interessantes:

1- 60% do ouro Alemão está em bancos Americanos e suspeita-se que não existe mais. Peritos Americanos insinuam que o ouro foi gasto pelo governo Americano e o governo Alemão está hesitante em ceder aos pedidos do povo e pedir contas sobre esse ouro, pois ao confirmar-se que o ouro não existe o conflito político entre os dois países seria impossível de evitar.

2- Foi exposto pelo Der Spiegel que a Alemanha tem estado a imprimir DM2, ou seja, Deutsch Mark 2 uma nova versão do Marco Alemão largado pelo euro. Isto é prova de que a Alemanha sabe que a ilusão do Euro não vai ser mantida quando os países endividados decidirem não pagar a divida e abandonar o Euro. A Alemanha pode simplesmente do dia para a noite converter todas as dividas em Deutsch Marks 2, abandonar o Euro e manter viva a forte economia atual.



Agora pensem, porque motivo a Alemanha tem as suas 5 casas da moeda a imprimir Deutsch Marks não tendo sido afetada por esta crise, ainda mantendo acentuado crescimento económico, que em 2012 baixou o desemprego colocando no mercado de trabalho mais 3 milhões de Alemães, mantendo campanhas ativas na Grécia, Itália, Espanha e Portugal de aliciamento a trabalhadores qualificados em particular licenciados? Ao mesmo tempo os países que sabem que precisam sair do Euro se recusam a dar inicio a um plano B e preparar uma moeda nacional? Temos dois exemplos de como lidar com a crise:

O errado:
Espanha com o maior desemprego da Europa, 23%, gastou este mês 1 milhão de Euros em gás lacrimogéneo em vez de começar a imprimir Pesetas.

O certo:
O Reino Unido aumentou o numero de trabalhadores em Embaixadas e consulados por toda a Europa, preparando-os para dar apoio aos Imigrantes Britânicos em caso de motins e/ou encerramento dos bancos e consequente congelamento de fundos.

A Grécia viu todo o seu ouro roubado pelo FMI, após o Primeiro-Ministro Grego ter sido substituído por um homem do FMI e se isso acontecer também em Espanha e principalmente em Portugal, a capacidade de criar um nova moeda suportada por ouro vai ser impossível e vão ser obrigados a criar um nova moeda suportada pelos novos Marcos Alemães.



Como se diz popularmente: "à terceira é de vez" e no dia em que a Alemanha anunciar a nova moeda Alemã, a Europa estará oficialmente conquistada e desta vez ser armas.
Apesar de tudo, vivemos na altura muito interessante e iremos assistir a algumas das maiores mudanças do século que irão invariavelmente mudar o mundo em que os nossos filhos vão viver.

Kony 2012 (Parte Final) Sr. Punhetas

O Jason dos Invisible Children foi detido depois de durante um meltdown cerebral ter sido apanhado completamente nu, na rua e acusado de se masturbar em publico. Quanto a isso não tenho nada a dizer pois é óbvio que ele é controlado por grupos poderosos e estamos na presença de mais um que se passa da cabeça por não aguentar a pressão. Nos últimos anos tivemos muitos caso deste tipo, de pessoas que deixam de suportar o controlo e simplesmente de passam da cabeça, como por exemplo: 

Na musica: Britney Spears e Amy Winehouse: Por se quererem retirar da ribalta.
No cinema: Charlie Sheen e Mel Gibson: Depois de respetivamente terem dado as suas opiniões sobre o 11 de Setembro, e Holocausto passaram a acusados de violência domestica e iniciaram um processo auto-destrutivo. Charlie Sheen estava a tornar-se inconveniente depois da sua carta aberta ao Presidente Obama sobre o 11 de Setembro.
Na comédia: Richard Prior e Bernie Mac: O primeiro "matou" o seu próprio carro a tiro e o segundo saiu armado para a rua gritando que o queriam matar, Bernie Mac foi encontrado morto dias depois.
Temos os que escaparam como: Dave Chapell: simplesmente largou tudo, comprou uma quinta no meio do nada e desapareceu, tendo dado uma entrevista deixando no ar uma pergunta "O que acham que leva uma pessoa com dinheiro e sucesso a sair nu para a rua, de arma na mão, gritando querem matar-me?". Outra que escapou foi a dona de uma das melhores vozes do século, Joss Stone: Quando se conseguiu libertar disse que sabia que nunca mais a iam deixar ter sucesso, mas mesmo assim fundou a sua editora e lançou o seu novo disco, dias depois sofreu uma tentativa de assassinato.

Isto não serve para desculpar o líder dos Invisible Children, serve para explicar que quem vende a sua alma a estas elites manipuladoras não tem mais liberdade e não consegue sair sem um enorme prejuízo.
Outro exemplo é Michael Jackson que desapareceu depois de ter lutado contra a Sony Music e ter exposto a manipulação na industria, passou os seguintes anos em tribunais e quando ia voltar ao palco sem as elites, morreu.

Aqui esta parte do que Jason fez na rua, não acredito que se tenha masturbado mas é visível que ficou completamente louco:

video

No entanto os Invisible Children vão continuar com esta propaganda, continuar a recrutar o seu exercito de crianças ativistas para combater crianças soldado e precisam ser combatidos e ridicularizados sendo este o melhor exemplo de ridicularização feito a este grupo... simplesmente genial:



A comunidade do Youtube arrasou a campanha Kony 212 com centenas de vídeos de investigação e críticos, ao pontos dos Invisible Children fecharem os comentários os seus vídeos.
A comunidade Twitter segue o mesmo caminho havendo 3 twitts negativos por cada positivo e o campo de batalha final é o Facebook, onde KONY 2012 ainda tem poder mas ainda há tempo de travar a mais uma loucura, iniciando uma nova guerra de caça a mais um fantasma onde vai ser o povo do Uganda a sofrer. O inimigo do povo não são Hitlers, Sadams, Bin Ladens ou Konys mas sim a propaganda que a historia nos ensinou a identificar mas que a maioria consome como se fossem os seus cereais matinais.


(fim da série)  

Kony 2012 (Parte 3)

Nota: Antes de abordar a nova noticia do ativista que bate punhetas em publico, irei terminar a sequencia de textos:

O Presidente do Uganda que mantém o poder desde 1986, tomou o poder com um exercito de milhares de crianças. Tem o poder porque apoia o imperialismo ocidental e sua influencia em África. A questão não são as crianças mas sim quem está e não está recetivo a liderar sem poder real, a troco de dinheiro. Um pouco como o que se passa na Nigéria, onde o governo pro-ocidental é o bom da fita ao passo que o grupo que tomou controlo de uma zona rica em petróleo, porque quer que o dinheiro desse petróleo seja investido na Nigéria e não na Europa, são os terroristas. 

Em 1985, um ano antes de tomar o poder Yoweri Museveni deu uma entrevista ao ocidente explicando o uso de crianças na guerra, dizendo que faz parte da cultura do Uganda os rapazes desde os 4 anos aprenderem a lutar e usar armas. Existe também uma entrevista a Joseph Kony feita por Sam Farmar, que não permite que ninguém use a totalidade ou parte dessa entrevista em caso algum... eu quero que ele se foda e vou revelar o conteúdo da entrevista.

(Sam filho, este vídeo está no teu canal e isto não passa de um link. Se queres o vídeo fora deste blogue, retira-o do teu canal e... it's a kind of magic... deixo de o poder linkar)

Kony falava do que o motivava nesta guerra, a vontade de libertar o Uganda da presidência vitalícia de Yoweri e que nem haveria guerra se o Presidente se encontra-se com ele no mato. Nessa entrevista ele acusava Yoweni de usar imagens de crianças mutiladas como propaganda contra o LRA. O jornalista entrevistado admite que não viu criança nenhuma mas que ouviu dizer que havia 15 no grupo. QUINZE, ora conseguimos ver uma ligeira diferença entre 15 e os 30.000 mencionado pelos Invisible children (vejam a imagem do texto anterior), mas o jornalista refere que os seus soldados apesar de não serem crianças estão com ele desde criança, desde que foram raptados... seria um triste comentário para um jornalista, mas aceitável para um mercenário jornalístico. 

Nesta entrevista, o jornalista aproveita quando o Kony fala na sua língua nativa para nos dar uma tradução que justifique os motivos que o levaram lá. Aceito que há crimes por parte dos LRA e há crimes por parte das tropas governamentais mas Kony diz que gostaria de ver eleições no Uganda e não um Presidente eterno como existe agora. Sinceramente isso sempre foi um desejo não só Africano mas em todo o mundo, por esse desejo se assassinou a família real em Portugal.

A diferença entre criminoso e justo está em quem tem o poder e por isso Kony é o único criminoso. Este jornalista tentou perpetuar a imagem de louco com a mania que é Deus perguntando „Foi Deus que lhe disse para lutar esta guerra?, esta pergunta é uma armadilha pois quer ele responda que sim ou não ele está correto. Um crente religioso que luta pela liberdade acha que Deus está do seu lado. Os Americanos dizem „God bless America“, „One nation under God“, „In God we trust“. Mas Kony mostrou não ser o preto burro que o jornalista tentou mostrar ao mundo e respondeu: „Não, não é assim, Deus não me disse para lutar“. Não desistindo o jornalista insiste perguntando a Kony, quantos espíritos falam com ele, e pronto, ele respondeu que muito espíritos falam com ele e ficou rotulado de louco sem importar que ele tenha esclarecido que a medicina africana depende dos espíritos, pois não existe medicina.

Em África ainda são os curandeiros, com ajuda de rezas e espíritos que selecionam ervas e misturas naturais criando medicamentos... tudo bem, placebos mas a nossa cultura evoluída também os tem... quem nunca tomou Melhoral... que nem faz bem, nem faz mal? Não faz nada, mas para quem acha que ajuda, certamente se sente melhor. 

Mas afinal quem esta a ser atraído por toda esta propaganda? Analisando as estatísticas online dos vídeos de promoção Kony 2012, eles estão a ser devastador nos rapazes e raparigas dos 13 aos 17 e nos rapazes o vídeo continua a atrair dos 19 aos 24 e isto tem uma explicação: Os homens não só possuem um atraso de 2 a 4 anos de maturidade em relação ao sexo feminino como também possuem uma estupidez prolongada de 5 a 7 anos depois da adolescência. Existem exceções mas eu adoro a regra.

Aqui temos o sucesso da campanha, pois são estes jovens que sem mais nada que fazer, tornam estes vídeos virais. Como já disse, depois das criticas terem começado os Invisible Children publicaram no seu website os relatórios anuais de contas mas continuam a recusar uma auditoria por parte de um grupo independente. Por isso possuem menos 50% de pontuação de confiança no que toca a transparência. Gastam menos de 37% nos programas que apresentam ao publico sendo o restante para ordenados e propaganda e no final sobra dinheiro como mostrei no primeiro texto. Os 3 lideres deste grupo que podem ver nesta bela fotografia com ar super cool armados no meio de rebeldes Sudaneses:

 (Ironicamente os rebeldes Sudaneses usaram e ainda usam crianças soldado mas eles estão numa onda cool demais, de armas na mão para se preocuparem com os novos amigos.)

Estes 3 afirmaram receber em 2011 como salário:
Ben Keesey – Diretor – 88.241 dólares 
Jason Russel – Co-fundador – 89.669 dólares (O Sr. Punhetas)
Laren Poole – Co-fundador – 84.337 dólares
Cada um deles recebeu 1% de todos os lucros de 2011 e como já disse só na primeira semana deste mês fizeram mais dinheiro do que em todo o ano de 2011. Neste momento alem de censurarem comentários nos seus vídeos e banirem certos utilizadores, entram com ações junto do YouTube e websites para retirar vídeos e estudos que exponham o projeto Kony 2012. Parece que este ano vão gastar muito dinheiro em ações judiciais e por isso África vai receber menos do que os 37%. 

Kony 2012 quer uma intervenção armada no Uganda onde está o petróleo e o ouro, ignorando que Kony está desaparecido há anos e os 400 rebeldes do grupo já nem estão no Uganda mas sim no Congo.

Não sigam lideres, não sejam ovelhas num rebanho. Leiam, ouçam, questionem e busquem as vossas respostas. Analisem os dados concluídos e chegam ao que importa, não a verdade mas sim a vossa verdade. Se querem apoiar apoiem, mas tendo a informação vão apoiar conscientes de que acreditam no protesto. Se não apoiam, falem, imponham-se. Sempre que um amigo vosso começar a soltar traques orais imaginando-se um bloquista de boina na cabeça e polegar no rabo, confrontem-no não para mudar a forma dele pensar mas para impedir que ele passe o vírus da idiotice mascarada de intelectualidade.


Kony 2012 (Parte 2)

Kony 2012 era suposto ser um único texto mas pelos visto merece mais atenção do que isso e vou continuar a abordar o tema.
Os vídeos sobre Kony referem que ele raptou, e os números dependem do vídeo, entre 30.000 a 60.000 crianças. Quem viu o vídeo ficou a pensar que o Kony tem um exercito de pelo menos 30.000 soldados, quando na verdade se trata do numero de crianças alegadamente desaparecidas no Uganda nos últimos 25 anos, sendo que existem imensos grupos guerrilheiros no Uganda e não existe um Census populacional. Outro facto importante é que ninguém sabe onde está Kony, ninguém o viu, ninguém ouviu falar dele há pelo menos 6 anos e as autoridades do Uganda alegam que ele foi morto por volta de 2006. Coincidentemente desde de 2006 não existe nenhum ataque do grupo LRA liderado por Kony. Kony é mais um fantasma para aterrorizar o mundo. Um pouco como o Bin Laden, que muitos anos depois de ter morrido foi capturado, assassinado e o seu corpo inexistente deitado ao mar. Kony pode assim ser a nova caça aos gambuzinos onde depois de matarem o morto... já que estão ali, o melhor é aproveitar aquele petróleo por explorar. 
A consciencialização da verdade por detrás de Kony 2012 está a ser gigantesca, a tal ponto que a maioria dos vídeos Kony 2012, em particular no youtube censuram comentários, pois estão diariamente a ser expostos.

(Vamos capturar um criminoso por ano. Apoiem o Bush 2012)

Na primeira semana de Março Kony 2012 recolheu 15 milhões de dólares em donativos. Numa só semana conseguiram mais dinheiro do que em todo o ano de 2011, aproveitando-se da estupidez mundial dos jovens que seguem ideias sem as estudar, sem as questionar. 
Recentemente o Diretor Geral do grupo Invisible Children deu um esclarecimento sobre a organização, pois já está mais do que provado que eles recebem dinheiro e não o partilham com ninguém. A forma encontrada para escapar a estas criticas foi dizendo a verdade. Jedidiah Jenkins disse que: „37% de todo o dinheiro é aplicado nos programas em África“, isto significa, manter os grupos que trabalham em África, quer neste projeto que nos projetos a serem inciados, pois este grupo tem uma lista de homens tipo Kony e Kony é só o primeiro. Ele continua dizendo: „20% vai para salários“... vamos fazer contas, 15 milhões numa semana são por volta de 60 milhões neste mês e 20% em salários significam 12 milhões! Parece que os diretores receberam um grande aumento de salário e já não recebem os +-80.000 dólares por ano como receberam em 2011. Por fim ele refere-se aos restantes 43% „usados em programas de consciencialização“, meus amigos aqui está a verdade: Metade dos donativos vão para propaganda. O rei da propaganda foi Hitler e os Nazis, em que Hitler disse algo que aplica a este projeto, Kony 2012, „Faz a mentira grande mas simples, insiste nela e eventualmente todos vão acreditar“, para isso se usam as redes sociais, pois todos os idiotas partilham imagens que colocam nos seus sites, em comentários ou em blogues fazem curtos textos de apoio ao projeto Kony, sem entrar em grandes detalhes dos motivos pelos quais apoiam esta insanidade, e isto porque nem eles sabem porque apoiam. Jedidiah Jenkins em vez de se calar continuou dizendo: „A verdade sobre os Invisible Children é que não somos uma organização de ajuda humanitária nem tencionamos ser. As pessoas pensam que andamos por África a dar sapatos ou comida mas somos unicamente uma organização de consciencialismo“ leia-se, propaganda.
Desses 43% que referi, 20% são gastos em viagens e filmagens e toda esta percentagem é gasta nos EUA. O que esta campanha busca é tornar os jovens apoiantes de guerras, se a propaganda for a favor de uma suposta guerra „justa“. As guerras da moda chamadas „preventivas“ em que se começa uma guerra para evitar que a guerra seja começada (por outros). As pessoas que esta campanha quer apanhar são pessoas que estão acordadas e a acordar. As pessoas que deixaram de acreditar na TV e que buscam informação por outros meios. Pessoas como eu e como vocês. Somos alvos porque estamos a vencer a guerra informativa. Varias vezes referi que 1% da população está acordada e a ver o mundo de outra forma, nos últimos meses esse numero disparou. Há agora milhares de blogues e sites a falar destes assuntos e diria agora que 10% da população está acordada ou a acordar e 10% é uma vitoria nossa, pois 1% é a elite e os 99% de adormecidos são agora 89% e esses não contam nem contra nem a favor da elite ou dos acordados, pois dormem o sono dos escravos.

Antes de terminar este texto vamos ver a imagem que os Invisible Children usaram para tentar ilustar os exercito de crianças de Kony:


Marquei por cores as mesmas crianças que aparecem vezes sem conta na imagem. Mesmas caras, mesmas roupas, mesma posição e por vezes com uma ligeira descoloração do tecido.


Próximo texto - Parte 3 (ultima parte) 

Kony 2012 (Parte 1)

Esta parece ser a luta da moda, um grupo de brancos usando de um dos seus filhos, pequenino, branco e lourinho, como todos nós gostamos, criaram um vídeo bonito, comovente que em 5 dias teve mais de 50 milhões visualizações. Para quem não viu o vídeo, vamos ver e pode ser que se comovam um pouco e depois continuamos a conversar: 

 
OK, limpem a lágrima!
No final do vídeo, nas descrições, há um detalhe importante: Antes de nos darem o link do website para obtermos mais informações, pois poderíamos ir também ao um motor de busca buscar informação externa. Eles dão-nos primeiro o link para doar uns trocos, os trocos inerentes a uma lágrima comovida ao ver este mini-filme dramático. Não! Primeiro informação e depois veremos se vale a pena abrir a carteira. Por isso fechem a certeira por uns momentos e deixem-me terminar. 
Kony 2012 é supostamente uma forma de protesto para „obrigar“ as autoridades a agir sobre um guerrilheiro criminoso no Uganda tornando-o conhecido internacionalmente através de um protesto global. Este grupo chamado de „Invisible Children“ trabalha na base „Problema, reacção, solução“, estão a pegar num criminoso, tornando-o conhecido como forma de nos apresentarem um problema, a população ao começar a falar disto vai exigir uma solução e tropas internacionais entram no Uganda tomando controlo dos recursos naturais e esta organização fica rica (vão perceber dentro de umas linhas).
Vamos ver o site deles http://www.invisiblechildren.com mais um vez temos a opção de „Doar“ antes da opção de ver „o que fazemos“

Mas o importante no site é a recente novidade, e digo recente pois só foi colocada há muito pouco tempo quando o grupo começou a ser exposto. A novidade é este gráfico de despesas: 

O gráfico é acompanhado por uma outra novidade: Os relatórios financeiros desde de 2009: http://www.invisiblechildren.com/financials.html Este grupo vende T-shirts a 25 dólares para ajudar a campanha, uma porcaria de kit de ativista com duas pulseiras uns autocolantes, uns cartazes, e acho que ficava bem um preservativo com a cara do Kony, por 30 dólares e ainda pedem uma pequena ajuda mensal para manter a campanha viva. Na verdade e na minha modesta opinião, estes gajos não passam de um grupo de filhos da puta que iniciaram mais um negócio da moda. Mais uma organização humanitária que nos enche de propaganda como forma de obter lucro fácil. Este grupo gerou em 2011 mais de 10 milhões de dólares e destes, menos de 2 milhões chegaram ao Uganda e dos 2 milhões que chegaram ao pais menos de meio milhão foi usado para os fins publicitados. As pessoas na frente desta organização possuem um vencimento de 80 mil dólares por ano e recusam-se a prestar contas a uma das instituições que investiga estes grupos "humanitários" onde por lei mais de 60% dos rendimentos devem de ir para a caridade anunciada. 

Mas como isto foi tornado publico resolveram publicar aquele gráfico e uns relatórios de despesas que não permitem que entidades reguladoras confirmem. Entidades como: http://www.bbb.org/charity-reviews/national/children-and-youth/invisible-children-in-san-diego-ca-4469, que não tiveram acesso a documentação nenhuma desta organização, pois a BBB investiga antes de dar a sua opinião e a sua opinião foi:


Por outro lado uma outra organização que não investiga e aceita tudo o que uma caridade lhes diz, publicou algo muito giro e que deixa passar uma imagem limpa dos Invisible Children: http://www.charitynavigator.org/index.cfm?bay=search.summary&orgid=12429. Parece tudo muito bem até perto do final onde lemos:


Parece que é uma caridade bem lucrativa tendo terminado o ano de 2011 com quase 5 milhões de dólares „assumidos“ no bolso, mesmo depois de gastar mais de 1 milhão em despesas „administrativas“. Isto em 2011 quando pouco se falava do Kony, mas agora em 2012 eles estão a atacar a sério, enchendo a net de vídeos e o mundo de T-shirts, pulseiras e cartazes. Na verdade as despesas não se alteraram pois um aumento de produção de cartazes e T-Shirts  é pago por um aumento das compras com os preços inflacionados a 1000%, mas os lucros nos donativos podem ser multiplicados por 5 ou por 10. 
Este grupo gaba-se de ter conseguido pressionar o governo Americano de Obama a colocar um grupo de 100 soldados Americanos no Uganda a treinar as tropas governamentais para que capturem Kony. Dizem ter conseguido isto após uma acção de sensibilização da opinião publica. Quando na verdade esse grupo de soldados já está no pais desde 2007, enviado por Bush, mais precisamente quando se descobriram poços de petróleo com uma capacidade 2,5 biliões de barris de petróleo junta da fronteira com o Congo e exatamente na zona onde está Kony. 
Isto só serve para mostrar a diferença entre activistas e propagandistas pois se o importante fosse realmente a ideia não seria necessário mentir por forma a reforçar essa ideia pois assim sendo não estamos na presença de uma ideia mas sim de propaganda. Eu conheço imensos activistas mas acreditem que há muitos mais a usar deste "titulo" para propaganda, para negocio.
  
Kony 2012 é uma farsa. Até ao dia 20 de Abril em que planeiam encher as capitais do mundo, na noite de 19 para 20 de Abril de cartazes Kony 2012. Grupos de jovens bem intencionados, mas completamente ceguinhos vão arranjar forma de comprar imensas quantidades de cartazes a esta organização para fazer esta palhaçada em que a maioria das pessoais ao ler "Kony 2012" vai achar que mais umas eleições estão próximas e depois da merda feita por um Sócrates um Kony não vai fazer pior.
Em todo o vídeo, o seu autor diz uma coisa muito acertada. Ele com isto quer proporcionar ao seu filho a oportunidade de crescer num mundo melhor do que aquele em que o pai cresceu e isto traduz-se como: No mundo dos milionários
Não há nada mais poderoso que uma ideia! Quando essa ideia é o que nos move! O problema é que raramente a ideia é o programa apresentado e se a minha ideia é ficar rico custe o que custar, o activismo mendigo é o negocio do século! 
O activismo, a vontade de espalhar informação e opinião é uma ideia bem formada e argumentada que nos move, mas quando fazemos dessa ideia uma profissão, acabou, toda a mensagem perde valor pois deixamos de dar a liberdade necessária para que a ideia cresça e passamos molda-la de acordo com o programa económico-financeiro ao qual nos rendemos.  
Querem ajudar alguém, ajudem! Ninguém vos impede. Mas devemos ajudar por quereremos ajudar e não abrir a carteira e dar uma nota de 50 Euros a um intermediario que primeiro faz uma pausa numa pastelaria e come uma tosta-mista e bebe um café, depois coloca 20 Euros de gasolina e passados 6 meses vai de Mercedes a vossa casa mostrar-vos uma fotografia de um puto na Somália com uma bola de futebol de 1,5 feita de preservativos reciclados na China e diz-vos que forma vocês que uniram a bola e o menino.  Depois pede-vos para imaginarem o que poderiam fazer com 100 Euros.
Dar dinheiro é uma forma de nos enganarmos a nos próprios: „eu fiz algo, dei 50 Euros um tipo que diz que deu uma bola e uma sandes de torresmo a um puto em África“. Se gostam de dar, podem dar,  começando pela vossa comunidade. Será que ajudar um menino em África que recebe 1 euro dos 50 que mandam (por vezes nem isso), da mais satisfação do que ajudar um idoso que passa um inverno a dormir na rua da vossa cidade? Será que o Kony sendo o filho da puta que é, é mais filho da puta do que o governo do Uganda que mantém o pais na miséria e que usa o Kony para causar medo e desta forma manter o poder? Não me lixem! Os Invisible Children não passam de uma versão moderna da Caritas, mas sem velhinhas a pedir na rua em troca de autocolantes. Estes possuem conhecimentos de Photoshop, edição de vídeo, Redes Sociais e a lábia necessária para se fazerem ouvir aliada a uma, economicamente útil, queda para o dramático.

Os senhores da guerra (Parte 5)

Os lideres mundiais são loucos, não só são perfeitamente capazes de iniciar a terceira guerra mundial, como não vão pensar duas vezes em usar armas nucleares. Pensem bem, eles não morrem nas guerras e não existe melhor estimulo económico do que uma guerra, e acima de tudo só uma guerra gigantesca pode acabar com uma crise mundial. Temos duas guerras mundiais para o justificar de onde destaco a segunda em que um país na miséria total e uma divida, imposta devido a uma primeira guerra, impossível de pagar destruiu a Europa e se auto-destruiu, criando uma nova idade de ouro económica de onde emergiu como a maior potencia económica e militar da Europa (se contarmos a Turquia, como ela deve ser contada, na Ásia Menor).


Mas se a guerra estava perto, nem consigo imaginar o quanto os EUA se devem estar a espumar de raiva após o Irão e a Rússia cancelarem todas as trocas comerciais em dólares. O Irão foi mais longe e não aceita dólares em troca de petróleo nas suas vendas a países como: China, Rússia, Índia e Japão. Isto significa uma desvalorização tremenda no petro-dólar e dois países que seguem a Venezuela na sua recusa em negociar em dólares. A Turquia e Índia já tinham feito esta proposta em conjunto com Rússia num acordo trilateral e a China que não usava dólares em trocas com a Rússia aliaram-se, largando o dólar como moeda de trocas e juntando esforços na defesa do Irão tendo já por duas vezes, em Outubro e Fevereiro, vetado as resoluções das Nações Unidas em fazer embargos ao governo Sírio, que fingem não ver que há também rebeldes armados a gerar o caos e que estão armados com equipamento ocidental. Com este ataque ao dólar os Americanos, se isto for seguido pois mais países, vão deixar de ter a capacidade de imprimir dólares a seu gosto, pois o que os permite imprimir dinheiro do nada é que o dólar é aceite em todo o mundo por ser a moeda de troca do petróleo e por conseguinte a moeda de reserva mundial. Deixando de ter o poder que ainda tem, o dólar cai, ou começam uma guerra para impor uma tão falada e desejada nova ordem mundial ou entram oficialmente em colapso e numa consequente guerra civil.
Só uma guerra pode acabar com uma crise e com os massivos protestos populares um pouco por todo o mundo mas sem o poder do dólar os EUA não vão conseguir suportar um guerra durante muito tempo mas uma guerra internacional, nunca uma segunda guerra civil Americana, pois isso seria a destruição do corrupto  sistema manipulativo Americano.



O ocidente tem uma visão romântica dos EUA, devido a décadas de filmes, series de televisão, livros, jogos de computador em que são sempre os bons da fita e os comunistas os maus, sendo considerados comunistas todos aqueles que falassem Russo ou uma língua parecida e também os Chineses ou qualquer outro como olhos em bico que não fosse Japonês. Mas na verdade, neste momento a nossa esperança reside nesses eternos maus da fita. Se Rússia e China conseguirem com sucesso fazer frente aos Americanos não teremos novos conflitos no médio oriente. Mas mesmo que os Americanos recuem, outra guerra será encontrada, quer seja com a Coreia do Norte ou com a pedra no sapato do Tio Sam, a Venezuela. Mas até que os Americanos recuem, se recuarem, iremos ver mais contos de fadas, não se admirem ao verem novos ataques “terroristas” em circunstancias suspeitas a serem atribuídos a movimento islâmicos e imediatamente ligados ao Irão e Síria, tudo para justificar um ataque com ou sem o consentimento das Nações Unidas, que com veto Russo e Chinês, não possui autoridade para sanções ou ataques... mas... os EUA podem sempre recorrer a uma NATO que não passa de um grupo pro-Americano que não lhes recusa nada.



Como se lembram, um drone Americano foi "abatido" no Irão. Os Americanos dizem que se despenhou ou pode ter aterrado (falar em aterragem nem faz sentido). Na verdade veio a saber-se que foi usada tecnologia Russa para detetar e apreender o drone intacto, o que prova que a tecnologia stealth Americana é detetável (os chineses provaram isso ao emergir vários submarinos bem no meio de uns exercícios militares Americanos no pacifico em 2010). Mas não tem sido noticia o que esse drone possuía. O drone possuía tanques para disseminação aerossol, algo essencial para espalhar químicos e vírus. Algo bem na nossa memoria depois de anos de sucessivos novos vírus mortais e propaganda de terror que não passam de programação do povo para aceitar um futuro vírus verdadeiramente mortal como sendo uma mutação de vírus anteriores, tal como os projetos da gripe asiática, gripe das aves e gripe suína. E isto aliado a uma noticiada construção de uma base de drones Americana, com capacidade de agir em qualquer ponto do planeta.

Noticia nos EUA sobre o drone em posse dos iranianos.


Sendo a Alemanha o maior parceiro comercial Chinês, Angela Merkel viajou recentemente para a China e as noticias eram interessantes. Nos EUA e Europa dizia-se que a delegação alemã iria pedir para China não aumentar e se possível reduzir a importação de petróleo do Irão. Ironicamente na Alemanha as noticias eram sobre os chorudos acordos comerciais que a gigantesca delegação alemã tinha conseguido.
Logicamente que a Alemanha não iria dar um tiro no pé, tanto que a China manteve a sua posição pro-Irão.



2012 vai ser um ano marcante por toda a fantasia que estamos a viver na política internacional, economia mundial e imprensa, aliadas a contos de fadas como o fim do calendário Maia e a perigos reais com a Nova Ordem Mundial já iniciada na Europa, com a eleição não democrática de um Presidente Europeu, as leis anti-terroristas com vista a convencer a população a abdicar das suas liberdades em troca de segurança, impondo documentação digital, vigilância nas vias publicas dia e noite, recolha de dados DNA, um aumento da repressão policial e as frequentes tentativas de controlo da Internet onde para alem de Facebook temos agora os loucos e inaceitáveis termos de privacidade do Goolge que entram em vigor dia 1 de Março e que todos vão aceitar só por usarem uma ferramenta Google. E ainda as novas leis SOPA que depois de ter sido rejeitada vai novamente a votação nos EUA pois eles precisam dessa lei aliada a uma outra que passou chamada ACTA para impedir que eu e todos vocês tenham o direito de se expressarem e terem acesso a noticias vinda de fontes livres, sem que passem pela censura estatal. Eles querem que toda a informação disponível seja aquela que eles nos querem dar.



Quando se fala de uma terceira guerra mundial, estamos a falar de conflito armado entre militares. Mas a terceira guerra mundial começou. A guerra contas as elites, a repressão do povo que protesta um pouco por todo o mundo. Novas leis Americanas como o Acto de defesa nacional, recentemente assinado pelo Presidente Obama e que permite que os militares possam deter civis indiscriminadamente, por tempo indefinido e sem direito a julgamento se forem rotulados como inimigos do estado. Todos o que falam abertamente são inimigos do Estado e portanto em risco de verem os seus direitos violados. A constituição Americana impede o usos das forças militares em território Americano, excepto em defesa nacional, exatamente o que esta lei acaba de autorizar. Ao declarar um cidadão Americano como inimigo do Estado, os militares passam a poder agir, passam a poder patrulhar as ruas, e só precisamos de esperar para ver quantos vão respeitar o seu juramento. Um militar defende em primeiro lugar a constituição, em segundo lugar o povo, território nacional e bandeira e só depois vem o Estado, desde que o Estado não seja o inimigo do povo.



Ao mesmo tempo que isto acontece nos EUA, em Inglaterra o governo está a tentar passar uma lei que legaliza o uso de armas químicas banidas dos cenários de guerra desde há décadas, para controlo populacional em território nacional. Armas consideradas desumanas em guerra passam desta forma a ser aceitáveis para uso em manifestações após ficar provado a incapacidade das forças de segurança (do Estado), em controlar a população, que seria suposto protegerem, quando ela se insurge contra o seu funcionário, o Estado que cada vez mais se quer fazer passar por patrão.

Com isto não quero dizer que vai começar uma guerra militar a nível mundial, pois na verdade já estamos em guerra. Estado contra o povo, pilhando a cada dia que passa toda a nossa economia. Piorando o nosso nível de vida. Obrigando o povo a revoltar-se para que possa ser controlado, dominado e se tudo correr bem, ligeiramente reduzido.



Podem dizer que isto são só palavras e palavras nada fazem. Mas historicamente as palavras são mais fortes do que qualquer arma. Com palavras nasceram nações, mudaram-se opiniões, criaram-se religiões. moveram-se multidões. Pois a arma mais poderosa é a informação, o conhecimento a base de toda e qualquer mudança.

(Final de série) Irei criar mais um texto como Adenda a esta serie.