O desafio de pensar!

"Um estudo cientifico afirma que um cálice de absinto ao pequeno almoço aumenta o seu nível de concentração além de ter propriedades antibióticas e previne algumas formas de cancro!"


Esta afirmação tem a única intenção de testar os leitores pois não é verdade. Inventei-a neste momento! No entanto tenho a certeza que alguns de vós aceitaram a informação como verdadeira curiosos, ou não, de ler mais sobre o estudo. Ora o facto de acreditarem em mim, além de ser um voto de confiança, significa que o que escrevi conseguiu ultrapassar o vosso ceticismo e nada, nenhuma informação externa o deve conseguir fazer. O ceticismo é o que de mais importante temos e é o que nos permite realizar a atividade mais difícil e cada vez mais rara em sociedade: Pensar.

Desde o momento em que nascemos somos educados a não pensar. Desde crianças, aprendemos a aceitar toda a comida vinda da mão dos adultos como sendo segura para comer. A confiança cega que não nos vão deixar cair quando entre gargalhadas nossas nos atiram ao ar. Na escola onde somos ensinados a decorar e a assumir como verdades ideias e pensamentos de malucos, muitos deles já falecidos, como sendo verdades universais. A assimilar o que ouvimos na TV, Radio e lemos em jornais como sendo verdade por serem historias rotuladas como noticias, e até ao mais simples "não penses mais nisso" quando algo nos preocupa ou simplesmente estamos a olhar para o vazio divagando. Tudo nos bloqueia, impede a atividade de pensar.

Podem dizer que a ciência nos diz verdades inegáveis e que não temos capacidade de as confirmar ou negar e portanto não vale a pena pensar nisso. Mas vale!

"A ciência é a fé na ignorância dos peritos", pois tudo que é ciência é sempre verdade inegável até ao momento em que é negada e quando o é, é porque alguém pensou nisso. O melhor exemplo e conselho para levar as pessoas a pensar é a frase filosófica, "pensar confunde, pense nisso". Isto porque seja, cientista, jornalista, investigador, teorista, etc, ninguém deve conseguir por palavras derrubar o vosso ceticismo, pois é ele que vos fará pensar e desta forma estimular o cérebro e destacar o vosso intelecto no meio do rebanho que segue ideias, ideais, tendências, ídolos e lideres.

O tabaco já foi rotulado como saudável para tempos depois ser rotulado de mortal. Os adoçantes nas atuais bebidas sempre foram considerados seguros e agora tenciona-se colocar avisos nas bebidas, semelhantes aos do tabaco, alertando para os perigos da sua ingestão em excesso.
Qualquer estudioso consegue encontrar argumentos para justificar as suas conclusões pré-definidas com exemplos existentes. Como por exemplo: se quiser estabelecer uma ligação direta entre pastilhas elásticas de sabor a banana e o suicídio, certamente vou encontrar imensos exemplos de suicidas que mastigavam pastilhas elásticas de sabor a banana, podendo afirmar que 587 pessoas em todo o mundo que comiam pastilhas de sabor a banana se suicidaram num determinado ano. Este exemplo é ridículo mas serve disso mesmo, de exemplo, em  que eu tendo uma conclusão, posso ir buscar factos que a sustentem sem que sejam os factos a levar-me a uma conclusão. Além disso uma estatística fundamentada, mesmo que de forma questionável, iria fazer muita gente acreditar que a pastilha elástica de sabor a banana pode ser mortal. Conhecem a teoria da pastilha de mentol tirar a ereção? 
Isto assenta na fraca teoria de Causa/Efeito em que A causa B, ignorando que por vezes não existe relação entre A e B. O João foi atropelado porque não olhou para os dois lados ao atravessar a rua. A – não olhar para os dois lados causou B o efeito de ser atropelado, mas se o João atravessar a rua em 1645 dificilmente A causaria B pois não haviam carros. C que sendo a estrada faz com que sua existência tenha causado A e B e também permita a existência de D, o carro.

Mas não é de ciência que quero falar, foi só um exemplo, no meio de exemplos, da informação que consegue passar o nosso ceticismo.
Cada vez mais (e sempre) muitos leitores optam pelo caminho fácil, o de me pedir factos e provas, o que permitiria, caso a minha intenção fosse vos convencer do que escrevo, de buscar informação variada que de uma forma ou outra pudesse sustentar o que escrevo e desta forma derrubar o vosso ceticismo. Não é essa a intenção. A única intenção do que escrevo é estimular o vosso ceticismo, levando o leitor a investigar por si ou pelo menos a pensar. Independentemente de ver ou não validade no escrevo, pensou, e com isso retirou algo de positivo da interação comigo.

O fato de não pensar leva-nos a outro erro, o de escolher lados. Escolher lados é algo que nos ensinam desde pequeninos: Certo ou errado, bonito ou feito, bom ou mau, Benfica ou Sporting, Religião ou ateísmo, Socialista ou Social Democrata e qualquer debate onde perguntam ao publico de que lado está
Matar é errado, mas e se a vossa vida estiver em causa? Se ambos os candidatos são corruptos, pois é o atributo básico para se ser político, porque haveremos de escolher um? Se existe o agnosticismo porque motivo deveremos defender ou negar a existência de um ser que não podemos provar que existe ou que não existe? Por que motivo nos devemos colocar de um lado, se ao fazê-lo estamos a sair do único lado importante, o nosso?
O fato de não acreditarem/concordarem em um dos lados não significa que o lado que se opõe a ele seja o vosso lado e muito menos o correto. Dois lados podem estar errados, algo muito comum em política! Até em desporto de onde nada retiramos a não ser uma momentânea, banal e ilusória satisfação de estar do lado de quem vence, exceto quando perde! Não devemos pressupor que devemos defender B só porque sustenta a nossa oposição a A. O inimigo do teu inimigo não tem de ser teu amigo, pode simplesmente estar-se a cagar para ti e por isso podemos cagar para ele.

Investiguem ou não investiguem, pensem, sejam céticos pois irão tirar proveito disso. Não acreditem em nada só porque soa plausível. Por exemplo: sabiam que que existe uma probabilidade acima dos 70% das pessoas acreditarem numa estatística só por ela conter valores decimais? Isto mesmo sabendo que a maioria das estatísticas são feitas numa comunidade com mais semelhanças do que diferenças e onde a forma como a pergunta é formulada pode influenciar a resposta desejada.Um bom exemplo é perguntar a uma criança pequena se quer um chupa de morando ou de laranja, a maioria escolhe laranja, mas se perguntarmos se preferem laranja ou morango a maioria escolhe morango. OK, não é de uma forma tão simples que se guiam os adultos a dar a resposta que desejamos mas é possível e exemplo disso são os advogados cuja função é fazer a mesma perguntas de formas diferentes para obter a resposta desejada e imediatamente salienta-la.

Certo é que que não podemos evitar a forma como fomos educados e é muito complicado em sociedade, em particular na Europa, de submeter os nossos filhos ao home schooling. Devido a uma escravatura voluntaria chamada de emprego, ser impossível educarmos os nossos filhos e por isso, temos de os entregar a domadores profissionais que em vez de os ensinarem a pensar, os injetam com noções pré-concebidas mascaradas de verdades absolutas. Com isto não quero demonizar os professores que como qualquer trabalhador cumprem ordens, programas, com os quais muitos deles nem sequer concordam mas que precisam de obedecer e é este o centro da questão: Obedecer bloqueia o ato de pensar.

Todos somos obrigados a obedecer a leis, regras sociais, de etiqueta, aos mais velhos, a uma suposta autoridade que não é autoridade mas sim um mecanismo de fazer valer a lei. Aceitar a informação que nos é dada sem pensar é obedecer. Temos uma casa um carro e dinheiro no bolso porque obedecemos e em muitos casos não temos nada e obedecemos na mesma.
Neste momento a mais poderosa arma de obediência é a TV que nos injeta com informação de uma forma em que não existe a possibilidade de pensar e sem pensar a assimilamos, na maioria dos casos, como verdade.
Reparem que durante as noticias além do Pivot nos bombardear com supostas verdades ainda existem outras a correr em rodapé! Isso serve para isso mesmo, para assimilarmos sem pensar.
O ser humano tem um cérebro que serve para pensar e o ato de mentalmente concordarmos ou discordarmos de algo não é pensar mas sim um ato de fé que como qualquer fé, em particular a religiosa, condena o pensamento pois ele leva a questionar. 
O cérebro é um órgão que existe para mais do que ser estimulado pelas ondas eletromagnéticas da TV que não passam de um anestesiante, que ao afetar o cérebro afetam todo o corpo.

A educação, em particular a universitária não passa de um treino da mente com vista a seguirmos uma profissão, e ao conseguirmos essa profissão seguimos programas, cumprimos prazos e fazemos o que o patrão nos manda onde o ato de pensar é praticamente ignorado pois o facto de perderem tempo a buscar a solução de um problema de escola ou de trabalho, não passa de um ato de memoria, recordar de como se resolve a questão seguindo regras impostas por regulamentos internos. Pensar é mais do estabelecer uma ordem de ideias mentalmente sobre o que vamos fazer amanhã ou decidir sem falar se vamos ver um debate político num canal ou um reality show noutro, mesmo que o reality show vos faça sentir inteligentes devido ao nível rasteiro de intelecto dos intervenientes. Ao ver TV a atividade básica do nosso cérebro é uma simples escolha do personagem de uma série de quem gostamos e que torcemos para que vença e um outro que escolhemos odiar só porque sim. No entanto achamos que pensamos, pois no final da noite estamos realmente cansados e vamos dormir achando que pensamos no que iremos vestir ou fazer no dia seguinte, quando na verdade isso são meras escolhas automáticas e não um raciocino útil.

Pensar é chegar a uma conclusão que pode concordar ou discordar de um certo tema, mas que é a vossa conclusão e portanto é a verdade, no termo correto de verdade como valor pessoal e não universal. Esta atividade banal a que chamamos pensar não é na verdade pensar, pois é uma atividade cerebral não factual e por isso não nos leva lado a nenhum.

Como podemos realmente evoluir como seres humanos quando aceitamos toda a informação que nos rodeia unicamente através dos olhos e ouvidos e tentando evitar problemas para não os ter de resolver?
Passar uma vida inteira sem pensar é possível, algo que na verdade, se pensarmos nisso (não custa tentar) percebemos que no fundo é um desperdício total de uma dádiva, sendo a dádiva a capacidade de pensar e não a vida. A frase "penso logo existo" foi dita por quem pensou nisso mas que não invalida que uma pedra, que não pensa, não exista. Exceto se acreditam que criamos tudo o que nos rodeia unicamente por pensarmos, uma conclusão a que só pode chegar quem pensa.
Seguindo a teoria de "penso logo existo" como verdade absoluta só prova que não pensam e simplesmente seguem o pensamento de terceiros e portanto a vossa existência, de forma justificada, acaba sendo colocada em causa a nível pessoal, pois não pensam, seguem pensamentos de terceiros. Complicado? Claro que é! Por ser complicado é que por vezes, quem pensa, chega a concluir que não chegou a conclusão nenhuma e no entanto retirou frutos do processo. 

A rotina, casa-trabalho-casa-TV-cama, coloca-nos ao nível intelectual dos animais em que neste caso os animais fazem algo mais produtivo nem que seja o cão que olha 2 minutos para a TV e resolve ir para trás do sofá lamber os tomates. Ele pelo menos realiza uma atividade normal justificativa da sua existência e não vegeta perante um retângulo luminoso estupidificador de massas. O cão ficou pelo menos com os tomates limpos, o homem não fez mais do que passar tempo que na verdade é perder de tempo. 1-0 ganha o cão!

Precisamos de desligar a TV pois há um mundo de coisas para fazer. Desde ler, conversar, aprender ou treinar um instrumento, desporto, desenhar, escrever seja diário ou ficção, qualquer coisa que estimule ambos os hemisférios do cérebro para escaparmos a um rotineiro uso de metade do cérebro. Fugir ao pensamento linear onde tudo é se centra em detalhes ordenados e usar o holístico de onde partimos do todo para os detalhes. Fugir ao sequencial e usar o aleatório. Largar por momentos o simbólico e usar o concreto, ou o lógico experimentando o intuitivo. Fugir da realidade entrando na ficção (ficção como criação pessoal e não filmes). No fundo, por momento estará o homem a pensar como uma mulher e uma mulher como um homem, não para inverter os papeis mas sim porque temos um cérebro inteiro com dois hemisférios e não faz sentido os homens usarem metade e as mulheres a outra metade. Aqui entram os hobbys, os passatempos e assim que arranjarem um não mais vão sentir necessidade de se deixarem hipnotizar pela TV, e se a ligarem tempos depois ouçam o que é dito, desliguem-na e pensem nisso.

Escrever é uma forma de usar ambos os hemisférios e se este texto foi escrito usando maioritariamente o hemisfério esquerdo do meu cérebro, de seguida poderei ir tocar um pouco de guitarra ou escrever uma historia sobre a carreira profissional e ambições de um herpes genital. 
Nada é mais saudável e agradável do que ao ler um livro sentirmos a necessidade de desviar os olhos das paginas só para refletir sobre uma frase. Terminarmos um texto e ficarmos simplesmente em busca de uma conclusão pessoal.

Com isto não quero salientar uma vã pseudo-superioridade alegando que escrever este texto envolveu um ato concertado de pensamento, pois não é verdade. Possivelmente não passou de um exercício holístico de onde parti do geral (o tema) em busca de detalhes (o texto) e no fundo ele unicamente representa metade do objetivo, sendo a outra metade a opinião de quem perdeu ou ganhou tempo a ler esta treta. Perdeu tempo porque não chegou a conclusão nenhuma. Ganhou tempo pois pelo menos não estive a ver TV.

"Aprender sem pensar é tempo perdido. Pensar sem aprender é perigoso".

22 Comentários:

  nazunia

quarta-feira, abril 25, 2012 12:52:00 da manhã

É isso mesmo Bruno, é por falares na televisão [que eu acho que também é um dos hipnotizadores mais eficientes da elite]. Lembrei-me há uns dias de uma notícia muito breve sobre o caso da vacinação em que morreu uma criança a seguir à tomada - eles disseram basicamente que a entidade tal que investigou concluiu que não houve relação caisa-efeito... blá blá bla e está o assunto arrumado. Aonde é que está o aprofundamento da notícia?... Alguém ouviu a opinião dos pais? Ou de quem é contra as vacinas?. Este é um exemplo perfeito do que falas com as informações a ser passadas à velocidade da luz de modo superficial. Ou seja, as pessoas não têm tempo de pensar no que está a ser transmitido e vão armazenando dados no subconsciente que os vão transformando em computadores que se limitam a reagir de modo mecânico. E é isso que eles querem: colocar toda a gente na mesma frequência para ser domesticados... E já reparaste que a forma que nós vemos que essa gente está presa na matrix (por assim dizer) é quando dizes algo diferente do convencional, logo te atacam de um modo reactivo sem mesmo querer pensar ou dialogar a respeito?

Mais uma vez parabéns pelos textos, e acredita que há muita gente desperta por aí; já agora um à parte: já viste o documentário "Thrive"?

  Anónimo

quarta-feira, abril 25, 2012 2:41:00 da tarde

Post sensacional... dá que pensar :) Para mim dos melhores que já escreveste, senão o!

Parabéns!

PJMJ

  Bruno Fehr

quarta-feira, abril 25, 2012 8:01:00 da tarde

nazunia disse...

"quando dizes algo diferente do convencional, logo te atacam de um modo reactivo sem mesmo querer pensar ou dialogar a respeito?"

Isso é muito comum e identifica imediatamente quem não quer pensar. Tudo não passa de um ato defensivo de opor a algo que as assusta.
Como se dissermos a alguém que um emprego é a escravatura voluntaria e que na verdade ninguém precisa de um emprego para que existam bens e alimentos para todos... Outra pessoa mesmo que odeie o seu emprego vai defender o ato de obedecer a um patrão como se fosse uma real necessidade e motivo de orgulho. Aceitar que podemos viver sem obedecer pressupõe mudanças e as mudanças assustam a maioria dos conformados que são 90% da população.

"Mais uma vez parabéns pelos textos, e acredita que há muita gente desperta por aí; já agora um à parte: já viste o documentário "Thrive"?"

Tenho em lista para ver, mas para ver como forma de assimilar informação pois é um documentário do Thrive movement e tudo o que é movimento é questionável em particular quando nos pedem dinheiro para continuarem a mover...

  Bruno Fehr

quarta-feira, abril 25, 2012 8:01:00 da tarde

Anónimo disse...

Se é o melhor ou não, não sei. Sei que quando o publiquei vi que era enorme e sem imagens para o quebrar (bonecos para distrair) e por isso pensei que ninguém o fosse ler e muito menos comentar.

  Sérgio

quinta-feira, abril 26, 2012 5:03:00 da manhã

Mesmo não tendo os "bonecos para distrair" como dizes, não deixa de ser um excelente e actual texto/reflexão.

Admito que à uns anos atrás pertencia ao grupo dos "cegos"; basicamente comia com todas as noticias que vinham na TV, os que os professores diziam, etc. Mas agora posso afirmar que mudei, e que muito se deveu aos teus textos. No inicio quando comecei a ler o blog os 1ºs posts que li estavam ligados a "teorias da conspiração". Tentativa de desmascarar certos acontecimentos como o homem na lua, 11/9 e por aí além. Na altura 'acreditei firmemente' no que escrevias, pela maneira como apresentavas as provas, mas principalmente pelas respostas nos comentários. Depois de ver vários documentários cheguei à conclusão que é possivel, com o mesmo material de pesquisa, conseguir resultados opostos, ou seja, a composição dos dados pode ser feita de várias maneiras para chegar a um fim pré-definido, seja ele qual for.
Apercebi-me depois que esse não é o teu objectivo, criar 'teorias da conspiração', mas sim lançar a duvida, tentar mostrar os dois lados da moeda, as interlinhas, o que não foi dito e saúdo-te por isso.
Aproveito desde já por este blog que manténs e pelas horas que investes em pesquisa e ligação dos dados, que acredito que não sejam poucas!

Em certo ponto do texto dizes "Precisamos de desligar a TV pois há um mundo de coisas para fazer. Desde ler, conversar, etc" Eu acrescentaria que se saia da zona de conforto! Que se visite outros lugares, e isto tanto engloba outros países como outro restaurante diferente ao do que costumamos ir!..

Bem, na realidade só queria partilhar um filme que vi recentemente que retrata a "estupificação" trazida pela TV. Um pouco duro é verdade, mas necessária do meu ponto de vista, para realçar a diferença de lados
http://www.imdb.com/title/tt1912398/

Por fim gostaria de perguntar que órgãos de comunicação podem ser considerados 'livres'? Com a quantidade de (contra)informação a circular fica difícil filtrar o que realmente interessa..

  Madalena

quinta-feira, abril 26, 2012 7:20:00 da tarde

Bruno,
Grande aplauso para este texto!!!
Continue, que água mole em pedra dura...

  Bruno Fehr

quinta-feira, abril 26, 2012 8:03:00 da tarde

Sérgio disse...

"Apercebi-me depois que esse não é o teu objectivo, criar 'teorias da conspiração', mas sim lançar a duvida, tentar mostrar os dois lados da moeda, as interlinhas, o que não foi dito e saúdo-te por isso."

O objetivo é unicamente esse, trazer assuntos para a mesa de discussão. Assuntos em que após investigar tirei conclusões em que acredito e outros em que não acredito mas quem devem ser abordados. Todas as discussoes possuem um outro lado e nenhum dos lados tem de estar certo, a verdade encontra-se algures no meio termo.

"Bem, na realidade só queria partilhar um filme que vi recentemente que retrata a "estupificação" trazida pela TV. Um pouco duro é verdade, mas necessária do meu ponto de vista, para realçar a diferença de lados
http://www.imdb.com/title/tt1912398/"

Irei dar uma olhada, obrigado.

"Por fim gostaria de perguntar que órgãos de comunicação podem ser considerados 'livres'? Com a quantidade de (contra)informação a circular fica difícil filtrar o que realmente interessa.."

A imprensa livre encontra-se online, mas a nível de TV recomendo a quem acompanha noticias que acompanhe também o canal noticioso RT (Russian Television), por enquanto ainda são livres e apresentam o outro lado das noticias bem como as noticias que Reuters e AP ignoram.
The Daily show é também uma boa fonte com excelente humor.

  Bruno Fehr

quinta-feira, abril 26, 2012 8:04:00 da tarde

Madalena disse...

"Continue, que água mole em pedra dura..."

... tanto bate que perdemos a paciência de esperar :)

  ceptic

quinta-feira, abril 26, 2012 11:48:00 da tarde

:)

Cá para mim, tu experimentaste o absinto de manhãzinha para comarçar bem o dia e resultou numa epifania filosófica :D, mas ainda bem!



Ps - ( nada haver com o tema) desde quando é que aderiste ao AOD, fiquei com a sensação que não muito apologista da coisa

  nazunia

sexta-feira, abril 27, 2012 12:46:00 da manhã

Em relação àquilo dos "movements" cobrarem dinheiro ou não, estou-me a cagar para isso se queres que te diga. Para mim interessa-me essencialmente ver o programa de modo imparcial, filtrar aquilo que me interessa. Agora, quando as pessoas ficam adeptos de determinado movimento e defendem-no com unhas e garras desprezando tudo o resto, aí é que está o problema...
Há muita gente por aí que se encontra numa espécie de movimento sem o dizer abertamente - são fanáticos da anti-nova ordem mundial. Eu também sei que a NOM existe mas se me fechar num círculo temeroso apontando o dedo de forma descriminada a todas os indíviduos que aparentemente nasceram nas famílias «más», então também estou a criar um movimento religioso em torno. E por falar nisso, o "thrive" foi concebido por um tipo chamado Frost Gamble(um familiar da Procter&Gamble). Se fosse a agir em preconceito e dogma nem tinha começado a assistir o programa. Acusaria logo dizendo: isso é da seita dos Iluminattis.
Em contrapartida há aqueles que se identificam, tu uma vez disseste que entraste em contacto com o movimento Zeitgeist e ficaste decepcionado... Pois, também eu. Uma vez encontrei-me com um grupo deles num café em Sintra e também senti um pouco disso. Quer dizer,as pessoas acham engraçado pertencerem a algo, é fixe e tal como uma moda e enquanto estão lá parece que estão apaixonados e só vêem aquilo à frente. Uma pessoas contrapõe com um ponto de vista e olham-te logo de lado como a dizer "Este não se encaixa no movimento."... E muita vezes é só conversa e teorias, estão ali em discussões e depois dizem depois de muitos cigarros e cervejas: "Alguém quer ir colar uns posters?

  Bruno Fehr

sexta-feira, abril 27, 2012 12:56:00 da manhã

ceptic disse...

"Ps - ( nada haver com o tema) desde quando é que aderiste ao AOD, fiquei com a sensação que não muito apologista da coisa"

AOD pretende ser acrónimo de?
Alcohol and Other Drugs? Aderi a diversas drogas legais com moderação.
Army of Darkness? Desde que conheci o Darth Vader.
Available on Demand? Nunca!

Sinceramente não sei a que AOD te referes mas pressupor uma inscrição ou um grupo que partilha ideias ou ideais, estou fora.

  Madalena

sexta-feira, abril 27, 2012 1:26:00 da manhã

Bruno,
...mas eventualmente, onde antes estavam rochedos, eis que surge a praia:)

  ceptic

sexta-feira, abril 27, 2012 7:42:00 da tarde

LOL

AO = ACORDO ORTOGRÁFICO...

ups sorry! é da idade, acho que tenho que começar a dar no absinto!

  Anónimo

domingo, abril 29, 2012 12:28:00 da manhã

Sinceramente , eu acho que este texto veio-me mostrar que não estou assim tão fora do controlo da elite quanto isso... eu tenho umas dezenas de verdades absolutas que com este texto me levou a questionar e a pensar. Já sigo o teu blog desde sensivelmente 2010, e realmente como foi citado acima , provavelmente é o melhor texto que tens aqui, porque no meu caso me fez pensar o quanto manipulado ainda estou e ainda sou. Só tenho 18 anos, mas isso faz com que tenha a capacidade de mudar mais facilmente porque tenho menos tempo de manipulação... ou então não... tudo depende de nós, mas é muito difícil na sociedade de hoje em dia, não é que devemos aceita-la , mas como já tinha comentado aqui anteriormente , quando pus em questão certas coisas como o aquecimento global numa aula , fui ridicularizado, e enfim é triste e difícil mudar a mente das massas... aqui fica a minha opinião, que vale o que vale, a conclusão a que chego é que alguma verdade tem de haver, pois para chegarmos a algo isso tem de ser provado e quando é provado é verdade até ser provado o contrario, por isso só nos resta ir à procura da verdade , sabendo que é uma luta de uma vida pois nunca vai existir uma verdade absoluta e ela muda com a nossa forma de pensar e tirarmos a nossas próprias conclusões.

João Teixeira

  Anónimo

quinta-feira, maio 03, 2012 12:47:00 da tarde

isso é que foi capitalizar..

  Anónimo

sábado, maio 05, 2012 6:06:00 da manhã

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=c6M_6qOz-yw

A verdade sobre Camarate. Por que nenhuma estação de TV noticiou isto? lol

  Isabel G

quarta-feira, maio 16, 2012 9:54:00 da tarde

Olá! Cheguei ao seu blogue através de uma pesquisa sobre o Rik Clay.

Simplesmente fantástico o seu blogue! Haja pessoas inteligentes e de olhos bem abertos!

Virei visitá-lo muitas vezes!

Posso colocar um link do seu blogue no meu?

Isabel G

  Renato Santos

quinta-feira, agosto 23, 2012 2:46:00 da tarde

Cheguei no seu blog através de uma pesquisa no Google por simbolos maçônicos e fiquei impressionado com a qualidade dos posts. Esse me chamou mais a atenção, pois nunca havia pensado nisso: o pensamento que conheço nada mais é do que uma rotina que sigo sem questionar.

A primeira coisa que pensei foi em mandar esse post para todos os meus amigos. Mas certamente não irão ler por ser longo demais, ou cansativo. E é exatamente isso que a maioria das pessoas fazem: evitam situações por simplesmente obrigá-las a pensar. Quando alguém pede que lhe comprem um sorvete e perguntam o sabor, a resposta é quase automática: traz qualquer um!

Um outro fato que tenho percebido é quando vou a algum estabelecimento comprar sanduíches. Quando o compro com um refrigerante, 99,9% dos atendentes perguntam: o refrigerante é coca-cola? Isso faz com que a gente não pense, e simplesmente diga "sim", achando assim que a resposta curta e imediata fará com que o sanduíche chegue mais rápido.

Realmente o seu blog me fez voltar a raciocinar. Certamente mudou a minha vida.

Muito obrigado! :)

  Anónimo

domingo, novembro 18, 2012 9:36:00 da tarde

Gostei deste artigo e reforça bastante a ideia que tenho e desprezo na sociedade actual - o condicionalismo imposto pelas TV´s, pelas religiões, pelo sistema educacional. Uma sociedade rodeada de supostas verdades absolutas, que nos formata, que nos recrimina por sermos e pensarmos de forma diferente. No entanto dou graças ao meu pai e "a conversa" que ele teve comigo quando era um jovem adolescente.
O discurso foi mais ou menos este :

"Filho, o mundo em que vivemos não é um conto de fadas, a realidade é mais dura e crua do que fazem transparecer na televisão, com as suas histórias de fantasia e manipulação, a TV é uma caixa de fazer idiotas cujos conteúdos tem objectivo de moldar e formatar uma sociedade que deixe de pensar e cujos membros tenham as mesmas ideias e opiniões. É a fábrica de uma sociedade de autómatos. Essa sociedade é mais fácil de controlar do que uma onde cada individuo tenha capacidade de opinar contra uma medida que os poderes que nos governam tentam impor.
Usa a tua racionalidade antes de aceitares uma verdade, estuda os factos, pesquisa por evidências. Não acredites em tudo o que te dizem só porque parece vir de uma fonte fidedigna, sem primeiro confirmares a verdade...e isso aplica-se tudo isto que acabaste de ouvir."

Apesar de fazer parte dessa sociedade, trabalhando por conta de outrem e pagando os meus impostos. Aquilo que muitos consideram de "escravidão consentida", eu vejo como uma forma de viver (ou sobreviver). Ganho o meu dinheiro, desempenho uma profissão que gosto (Desenvolvimento de Software) porque me faz usar o cérebro e desenvolver o meu raciocínio lógico, mesmo sabendo que sou apenas mais um individuo a vender o meu tempo em prol do capital.

Bem, mas isto já é conversa a mais sobre mim. Vim aqui só para dizer que gostei deste artigo e que vou fazer um bookmark do seu blog porque tem excelentes artigos. Continue o bom trabalho.

  MARCO

terça-feira, outubro 22, 2013 7:44:00 da tarde

Faz sentido.

Gostei de ler.

  Silva Mendes

terça-feira, outubro 22, 2013 10:26:00 da tarde

Boas gostei do texto para mim faz sentido, já ouviste em PNL (Programação Neuro Linguística)?

Aprofunda o assunto,

Cumprimentos

Silva Mendes

  angel

sexta-feira, dezembro 27, 2013 11:45:00 da tarde

No Brasil passamos boa parte do ano vendo coisas parecidas. P2 infiltrados. Black blocs e etc... O pior é que estão todos esperando que a panela de pressão exploda na copa do mundo. Espero que a maioria se informe e não vá pras ruas... Acho que o melhor jeito de protestar e se informando. Seu blog é muito bom. :)