Maciça vs Massiva

Lembro-me das maravilhosas notícias do Canal 1, TVI e SIC aquando da segunda invasão do Iraque. Nos noticiários falava-se armas de destruição maciça para aqui, armas de destruição maciça para ali e eu nunca percebi que espécie de arma é essa.
Eu tenho conhecimento das armas de destruição massiva porque é relativo a um grande numero de pessoas, agora maciça? Uma arma maciça seria uma bigorna lançada de um avião, que só mataria alguém se lhe acertasse na tola.
Cheguei a enviar um mail para as redacções desses 3 canais. A SIC dias depois falava em armas de destruição em massa, o que está correcto, o canal 1 precisou de quase um mês para perceber o erro, enquanto a TVI acho que nem ler mails sabem.

Agora é a revista Visão, quem para além de uma estúpida repetição de palavras, repete também um erro que já é ofensivo: "...um submarino transportando armas de destruição maciça colidir com outro submarino transportando armas de destruição maciça..."


(Clique na imagem para aumentar)

Algo maciço é algo compacto, espesso, sólido. Uma arma maciça seria um taco de basebol, mas nunca um pedaço de tubo. Que se diga, armas de destruição massiva ou armas de destruição em massa, agora maciças são as bigornas!
Claro que estes submarinos poderiam estar carregados de bigornas, mas aí surgiria uma nova questão, porque raio lhes chamam nucleares?



111 Comentários:

  Sad Tear

terça-feira, março 17, 2009 12:08:00 da manhã

"... enquanto a TVI acho que nem ler mails sabem..."


É por essas e por outras que eu me recuso a ver o telejornal da TVI...

  Mel

terça-feira, março 17, 2009 12:16:00 da manhã

Não li o post, só me interessavam mesmo os bonecos da imagem. Só isso!
:P

  Mel

terça-feira, março 17, 2009 12:17:00 da manhã

Ai que nervos estas moderações, pahhhhhh

  ..:: LiaSimpson® ::..

terça-feira, março 17, 2009 12:27:00 da manhã

lol... a tvi quer estar tanto ah frente que acaba ficando para tras!

  Mulheka

terça-feira, março 17, 2009 12:28:00 da manhã

Uma vez li qualquer coisa num blog (acho que foi aqui) e a partir desse dia nunca mais cometi o mesmo erro! Lembro-me de ver nas notícias e pensar: "Xiii, que burros. Nem falar/escrever sabem"

  Pronúncia

terça-feira, março 17, 2009 1:14:00 da manhã

Nunca tinha reparado neste erro, talvez por não perceber nada de armas, nem querer perceber. Só de pensar nelas arrepio-me.

Se me referisse ao assunto, o mais certo era cair no mesmo erro, por força de o ouvir tantas vezes.

Faz todo o sentido. A partir de agora é erro em que já não caio. :)

  Stiletto (prev My Space)

terça-feira, março 17, 2009 1:45:00 da manhã

Oh meu Deus! Absolutamente delicioso! Acho que devias mandar para lá este post.
A comunicação social tem umas gaffes de chorar a rir. E de tristeza também porque isto é o espelho da nação.
E não tens nada a dizer sobre o acordo ortográfico? Hã? Também é um bonito tema (ou um tema interessante, se quisermos ser correctos).

  Silvia F.

terça-feira, março 17, 2009 1:45:00 da manhã

A expressão correcta é de facto "arma de destruição maciça". Massiva vem do francês massif e ou muito me engano ou essa palavra nem aparece no nosso dicionário.

Não acho ser completamente errado utilizar a palavra (massiva) mas será apenas mais um estrangeirismo desnecessário.
O adjectivo maciço não é só apenas para referir a algo compacto, sólido mas também refere-se à massa (grande quantidade).

O correcto será então armas de destruição em massa ou armas de destruição maciça.
Nessa matéria é escusado pensares em teimar que tens razão, aliás nem preciso argumentar. Basta fazeres uma pesquisa e verás que afinal os nossos jornalistas são asnos sim mas não tanto.

  ipsis verbis

terça-feira, março 17, 2009 1:48:00 da manhã

Ahahahahah. Muito bem visto! :)

  Treze

terça-feira, março 17, 2009 1:53:00 da manhã

Todo o mal da TVI fosse não saberem ler mails (E olha que os outros já andam na peugada. Façam só um pequeno esforço e deixem ficar um pouco no programa da Fátima - agora com a Merche e o Carlos Ribeiro ainda está melhor).

Só não me lembrava de carregarem tanto nas "armas maciças".

  Stiletto (prev My Space)

terça-feira, março 17, 2009 1:57:00 da manhã

maciço (adjectivo)
1. que não é oco; compacto; sólido
2. que tem uma constituição robusta; corpulento
3. que apresenta grande densidade; espesso

massivo (adjectivo)
1. relativo a um grande número de pessoas; referente a massa
2. sólido; volumoso
3. significativo

In "Dicionário Porto Editora"
Portuguesinho, Portuguesinho...

  Treze

terça-feira, março 17, 2009 2:03:00 da manhã

Eh pá, afinal "maciça" existe (pelo menos actualmente).

(Segundo a Porto Editora)
É o feminino singular de "maciço", que por sua vez pode ser, entre os sinónimos que referiste, "conjunto de coisas ou pessoas muito juntas; massa"

  vita

terça-feira, março 17, 2009 2:11:00 da manhã

Alguns bem precisavam de levar com as armas maciças na tola;P

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:19:00 da manhã

Sad Tear:

Já nem sei o que isso é...

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:19:00 da manhã

Mel:

Eu sei, é normal.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:20:00 da manhã

..:: LiaSimpson® ::..:

Eu estou desactualizado sobre os canais portugueses.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:20:00 da manhã

Mulheka disse...

"Uma vez li qualquer coisa num blog (acho que foi aqui) e a partir desse dia nunca mais cometi o mesmo erro!"

Sim já falei nisto aqui em 2007.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:20:00 da manhã

Pronúncia:

É um erro que gera uma imensa discussão por dizerem que Massiva é estrangeirismo vindo do Francês, ignorando que Maciço é estrangeirismo vindo do Castelhano...

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:22:00 da manhã

Stiletto (prev My Space):

Sobre o acordo ortográfico já falei, aqui:

http://so-me-apetece-cobrir.blogspot.com/2008/01/desacordo-ortogrfico.html

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:23:00 da manhã

Silvia F. disse...

"A expressão correcta é de facto "arma de destruição maciça". Massiva vem do francês massif e ou muito me engano ou essa palavra nem aparece no nosso dicionário."

Estás enganada, Massiva é de facto um estrangeirismo que vem do francês, mas é uma palavra que vem nos dicionários, por isso deve ser usada e neste contexto massiva, substitui maciça com todo o mérito.

Estrangeirismo por estrangeirismo maciça é um adjectivo Castelhano, portanto...

O único erro que existe (para não variar) é no dicionário de sinónimos da Porto Editora, onde massivo e maciço são sinónimos.

Massivo: significativa; relativo a um grande número de pessoas.

Maciço: significa compacto, que não é oco; que representa grande densidade, espesso.

Ora se adoptamos uma nova palavra, com uma definição mais correcta, é para ser usada correctamente.

"Não acho ser completamente errado utilizar a palavra (massiva) mas será apenas mais um estrangeirismo desnecessário."

Ambas são estrangeirismos, mas se lhes damos definições diferentes, nenhuma dela é desnecessária.

"Nessa matéria é escusado pensares em teimar que tens razão, aliás nem preciso argumentar. Basta fazeres uma pesquisa e verás que afinal os nossos jornalistas são asnos sim mas não tanto."

Claro que argumento se não tivesse argumentos nunca teria escrito o post. Já assisti a esta discussão e já a tive neste blogue.
A língua está em constante evolução e se uma nova palavra é adoptada e se o significado de outra passa a ser limitado, deveremos usar a que define melhor a situação, logo, massiva.

http://www.ciberduvidas.pt/pergunta.php?id=11578

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:23:00 da manhã

ipsis verbis:

Reparo porque é um caso que me irrita.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:23:00 da manhã

Treze:

Ambas as palavras existem o único erro é a Porto Editora as apresentar como sinónimos, quando não o são.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:23:00 da manhã

Stiletto (prev My Space) disse:

"maciço (adjectivo)
1. que não é oco; compacto; sólido
2. que tem uma constituição robusta; corpulento
3. que apresenta grande densidade; espesso

massivo (adjectivo)
1. relativo a um grande número de pessoas; referente a massa
2. sólido; volumoso
3. significativo

In "Dicionário Porto Editora"
Portuguesinho, Portuguesinho..."

Folgo em saber que o erro da porto editora no seu dicionário de sinónimos é compensado por definições correctas dos dois termos.

Acho que este teu comentário é esclarecedor, para os que contestam a existência da palavra "massiva".

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 2:23:00 da manhã

vita:

Eu até tenho uns alvos em vista...

  Treze

terça-feira, março 17, 2009 2:34:00 da manhã

Queria dizer "também" existe "maciço". "Massivo" já sabia que existia.

  pepita chocolate

terça-feira, março 17, 2009 9:58:00 da manhã

O que me ri com a troca destas palavras tão parecidas mas tão diferentes. Acho que basta que alguém diga isto uma vez e logo todos pegam na expressão. Existem fases da comunicação social, que determinadas expressões são usadas só porque a expressão circula, sem que realmente saibam o que estão a dizer.Acho que este foi o caso. Na altura também reparei no erro, mas não tive a tua atitude.
todos somos humanos, todos erramos. Mas há coiss que antes de serem publicadas/divulgadas deviam ter um pouco de bom senso de serem avaliadas com olhos de ver e não simplesmente ir na onda do que os outros dizem e que é inquestionável.
Eu tive um colega na Universidade que resolveu contestar a teoria da Relatividade de Einstein.Não era porque o Einstein tinha dito aquilo, que ele ia atrás.Existem verdades demasiado absolutas até no mundo jornalístico, que poucos se lembram de contestar.
E num país em que as pessoas têm fracos recursos lingísticos, muitas vezes, nem notam nestes pequenos grandes lapsos.

  Ms. Myself

terça-feira, março 17, 2009 10:34:00 da manhã

Não se pode ser mauzinhos... Coitados... Aquilo não deve dar para mais... Muitas das pessoas que estão a tratar dos textos, devem estar a pensar mais no ordenado no final do mês do que propriamente a ver se escreveram bem...

  VCosta

terça-feira, março 17, 2009 11:24:00 da manhã

O mal é que as pessoas acabam por confiar/assumir o que eles transmitem!!!
É realmente triste tanto povo a trabalhar numa empresa de informação e ninguém dizer:
- Oh pá, olha que isso tá "male"!!!
E tu ainda te deste ao trabalho de os corrigir!!! A TVI foi mal agradecida e estúpida!!!

  Lady_M

terça-feira, março 17, 2009 11:28:00 da manhã

Ahahahahahah;)
O que não falta no jornalismo em Portugal são pérolas dessas... Depois admiram-se de existir gente a escrever tão mal, pudera, com exmplos destes!

  provocação

terça-feira, março 17, 2009 12:20:00 da tarde

Eu acho é que alguns jornalistas são demasiado maçadores, com a massa que ganham bem podiam massacrar menos a malta...bigornas nas cabeças deles já!

  anatcat

terça-feira, março 17, 2009 12:29:00 da tarde

lol

há gente que merecia levar com uma arma de destruição maciça nas trombas, por cometerem esses erros nos cargos que exercem... enfim...

bjs

  Solita

terça-feira, março 17, 2009 2:20:00 da tarde

Fiquei esclarecida, embora o tipo de armas pouco me importa, mas como á obvio o k ouvimos na tv achamos sempre que tá correcto, pelo menos devia ser assim,

Jinhos

  Silvia F.

terça-feira, março 17, 2009 3:24:00 da tarde

No meu dicionário "massiva" não existe, ok?
Para ti faz mais sentido "massiva", ok boa, para mim não. Aprendi e li durante anos sobre armas de destruição m-a-c-i-ç-a. Queres ver que os historiadores, dirigentes políticos, analistas político erraram todos e me enganaram? Com franqueza!

Concordo que os jornalistas erram imenso, aliás uns dos erros que me enerva é dizerem constantemente "lidres" em vez de "líderes" por exemplo, entre muitos outros.

No meio disto tudo confesso que adorava ter o teu tempo livre. Acho que já o disse algures. Enviar emails para as redacções dos 3 canais sobre algo, diga-se sem fundamento, fantástico!

Triste é ver gente que, como já é habitual concordam contigo porque... olha sei lá, deve ficar bem! Aposto que alguns nem nunca ouviram essa expressão mas concordam com tudo porque assim o disseste.
Tens uma expressão engraçada que os define bem: lambe-quê? Afinal também os tens aqui :)

De salientar que estou a escrever de forma bem humorada. Contigo, há que dizê-lo!

  Who Am I

terça-feira, março 17, 2009 3:39:00 da tarde

Maciço,também quer dizer “basto” e assim sendo, será arma de destruição em grande escala, não? Ou estou a inventar muito?

  Sandra Oliveira

terça-feira, março 17, 2009 4:52:00 da tarde

Isso só aconteceu porque os tais observadores não encontraram as outras.
Como tinham que apresentar serviço, prontos, resolveram assim a questão.
Ai, tenho que explicar tudo...:P

  Cristina

terça-feira, março 17, 2009 5:22:00 da tarde

QUERES GANHAR DINHEIRO COM O TEU BLOG?

Entra no blog “O Mundo dos Bloggers Portugueses” em http://omundodosbloggers.blogspot.com e torna-te afiliado na rede NetAffiliation onde ganharás dinheiro com o teu blog.
Não percas esta oportunidade para tornares o teu blog mais atractivo e útil pois no http://omundodosbloggers.blogspot.com encontrarás diariamente um vasto conjunto de dicas e ferramentas para melhorares o teu blog.

  Espiral

terça-feira, março 17, 2009 5:35:00 da tarde

Sílvia F. , eu não conheço o Bruno de lado nenhum, nem a ti, mas o teu último comentário fez-me confusão.

Eu conheço desde sempre as palavras massiva e maciça e uso-as.

E sim, têm significados diferentes, e o Bruno tem toda a razão no que disse.

Ah, o teu argumento de "toda a vida ouvi assim" é uma pérola. E o do "no meu dicionário não tem, ok?" outra pérola.

Acho que te devias cultivar mais, ler uns livrinhos... aumentar o vocabulário.

Atentamente

Espiral

  Espiral

terça-feira, março 17, 2009 5:40:00 da tarde

Acabei agora de ler (ver teu perfil) que afinal até lês umas coisas. Portanto, Silvia F., Corrijo-me, não leias umas coisinhas, lê umas coisinhas com atenção. =)

(sem ofensa, estou a brincar)

Espiral

  Joaninha

terça-feira, março 17, 2009 5:51:00 da tarde

O mais incrível é que a TVI agora tem um canal só de noticias...imagina a arma letal que ali está...brrrr arrepios é o que eles me provocam!!!Bom menos ma...só assim se sabem quantos gatinhos ficaram presos na arvore do sr Manuel das couves, quantas mais operações fez a Maya e por ai fora...epah de facto shame on me, tudo muito interessante!
ah ah ah ah ah ah
P.S - ainda bem que qd chego a casa não tenho pachorra pa ver tv e no maximo ligo a coisa na fox life pa papar series de enfiada!!!

  T

terça-feira, março 17, 2009 6:03:00 da tarde

Ora aqui está levantada uma grande questão, com a qual, eu, como operária da escrita, já várias vezes me deparei. É que jornais e orgãos públicos credíveis dizem à boca cheia maciça... quando maciça só mesmo a madeira. Enfim... valham-nos os dicionários.

  alfabeta

terça-feira, março 17, 2009 6:58:00 da tarde

Porque vai directamente para o núcleo da terra, lol

  Sanxeri

terça-feira, março 17, 2009 7:13:00 da tarde

Tu és muito engraçado. :p

Infelizmente os nossos orgaos de comunicaçao social nao sao os melhores. Deixa lá... Quando eu for jornalista, prometo ler os emails que me mandares. :D

  Paula

terça-feira, março 17, 2009 7:44:00 da tarde

podemos lembrar-mo-nos dos os massive attack.....
a palavra é a mesma, ou não?

  Van

terça-feira, março 17, 2009 7:58:00 da tarde

A mesma visão que no top mais saude disse que investigadores em coimbra (mentira) estavam a desenvolver um medicamenro (2ªa mentira) anti-diabético (nem especificando qual o tipo de diabetes), baseado num mineral chamado vanadio (3ª calinada,o vanadio é um metal pesado que forma, juntamente com outros elementos, carradas de minerais diferentes) que imita a insulina (4a calinada,não imita coisa nenhuma...mimetiza as acções desta, por caminhos distintos...).
Eu já nem leio a visao.

  Mel

terça-feira, março 17, 2009 8:10:00 da tarde

O que é que é normal?
:S

  Van

terça-feira, março 17, 2009 8:33:00 da tarde

Mas onde raio está a porra da duvida?????? ARMAS DE DESTRUIÇÃO MASSIVA!!!!!!!!!!!! Em massa!!! Massiva!!!

  Van

terça-feira, março 17, 2009 8:39:00 da tarde

do Cast. macizo


s. m.,
qualidade do que é compacto;
conjunto de montanhas que se ramificam em vários sentidos;
conjunto de pessoas ou coisas muito juntas;

adj.,
compacto;
espesso;
cercado;
basto;
sólido;
inabalável

ora bem, no meio disto tudo onde é que se encaixa a destruição em massa????no conjunto de pessoas e coisas juntas?? ah quer dizer que a bomba atomica so funciona se houverem pessoas e coisas juntas...

DEstruiçõa em massa = destruição massiva, de MASSA!!!!!!!!!!!!!!!

POrra, quantas vezes é preciso bater na mesma tecla????

sim, tou com tpm. :-P

  Van

terça-feira, março 17, 2009 8:40:00 da tarde

ah, e essa mnoderação de comentarios está a pedir um arroz!!! :-p
:-D

  Treze

terça-feira, março 17, 2009 10:25:00 da tarde

Há a questão do feminino e masculino.

http://www.infopedia.pt/

Tirem as vossas conclusões...

  Blue Mayfly

terça-feira, março 17, 2009 10:27:00 da tarde

1. Ah... O telejornal da TVI é um "tesourinho deprimente".
2. Gosto da ideia do taco de basebol, às vezes dava cá um jeito :).
3. Pessoalmente pensava que eram armas de destruição maciça. Já não volto a cometer a mesma gaffe linguística.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:29:00 da tarde

pepita chocolate disse...

"Existem fases da comunicação social, que determinadas expressões são usadas só porque a expressão circula, sem que realmente saibam o que estão a dizer."

A minha expressão favorita é, "ainda bem que me fez essa pergunta", quando a pergunta é inconveniente.

"Eu tive um colega na Universidade que resolveu contestar a teoria da Relatividade de Einstein."

Qualquer pessoa a pode contestar, até porque a teoria da relatividade foi plagiada por Einstein! Ele tornou-a famosa, mas nao foi o seu criador.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:30:00 da tarde

Ms. Myself disse...

"Muitas das pessoas que estão a tratar dos textos, devem estar a pensar mais no ordenado no final do mês do que propriamente a ver se escreveram bem..."

Isso é uma triste verdade.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:30:00 da tarde

VCosta disse...

"É realmente triste tanto povo a trabalhar numa empresa de informação e ninguém dizer:
- Oh pá, olha que isso tá "male"!!!"

Ninguém se importa, o que importa é falar.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:30:00 da tarde

Lady_M:

A verdade é que a disciplina de Português deveria ter mais relevo no curso de jornalismo.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:31:00 da tarde

provocação:

Acho que nao havia bigornas suficientes.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:31:00 da tarde

anatcat:

Sim, e nao se perdia nada.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:31:00 da tarde

Solita:

Eu sou o oposto duvido de tudo o que passa na tv.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:31:00 da tarde

Silvia F. disse...

"No meu dicionário "massiva" não existe, ok?"

Todos os anos sai um dicionário novo. Se no teu não existe é porque é um dicionário antigo do final dos anos 80, pois a palavra encontra-se na gramática portuguesa há perto de 20 anos.

"Aprendi e li durante anos sobre armas de destruição m-a-c-i-ç-a. Queres ver que os historiadores, dirigentes políticos, analistas político erraram todos e me enganaram? Com franqueza!"

É isso mesmo que afirmo e repito. Lá porque tu aprendeste assim, não quer dizer que esteja certo. Eu aprendi que existe uma diferença entre estória e história e hoje em dia estória não existe. O meu pai estudou que se escreve "dize, conduze, seduze, etc" e eu aprendi "diz, conduz, seduz". Eu aprendi "anecdota" o meu irmão aprendeu "anedota". Os livros de história já escritos não podem ser alterados, mas os dicionários e gramáticas sim.

Tens imensos recursos online em que podes confirmar, eu dei-te um link de interesse.

A língua está em constante evolução e os nossos filhos vão aprender algo novo como certo que torna aquilo que aprendemos como erro.

A inclusão da palavra "massivo" foi para isso mesmo para tirar a ambiguidade de maciço, pois armas de destruição maciça, parece referir-se à composição da mesma e não ao efeito. Não existe actualmente nenhuma definição aceite de maciço como um referencia a um grande grupo de pessoas. Massivo é um adjectivo útil que veio tirar a ambiguidade sem sentido de armas de destruição maciça.

Claro que podes ter uma opinião purista e ser contra a palavra, eu sempre fui contra a inclusão da palavra Bué no dicionário Português, mas ser-se purista é uma derrota, pois ninguém pode lutar contra a evolução da língua, esteja ela certa ou errada.

"No meio disto tudo confesso que adorava ter o teu tempo livre. Acho que já o disse algures. Enviar emails para as redacções dos 3 canais sobre algo, diga-se sem fundamento, fantástico!"

O meu tempo livre, é um problema, ou não meu e o fundamento é devidamente fundamentado, eu não sou purista e actualizo os meus dicionários, não acho que a língua Portuguesa seja estática e tu também não deveria achar.

"Triste é ver gente que, como já é habitual concordam contigo porque... olha sei lá, deve ficar bem! Aposto que alguns nem nunca ouviram essa expressão mas concordam com tudo porque assim o disseste."

Não, se tivesses lido os comentário, terias visto que alguns leitores fizeram mais investigação que tu, e realmente encontraram as definições das palavras. Tu baseias-te naquilo que aprendeste. Tu és da minha geração, muito do que aprendemos é hoje incorrecto e não há nada que possamos fazer.

"Tens uma expressão engraçada que os define bem: lambe-quê? Afinal também os tens aqui :)"

Nunca disse que não os tinha, mas o que acho que se passa aqui é que te irrita tremendamente sempre que discordas de mim, que alguém concorde. Podes discordar, mas tem de aceitar que concordem, até porque tu nem a palavra "massiva" procuraste como deve de ser, no dia em vires a definição de ambas, talvez compreendas, até lá estarás a teimar sobre um pressuposto antiquado.

"De salientar que estou a escrever de forma bem humorada. Contigo, há que dizê-lo!"

Eu já percebi isso, já sei que és dura de roer, mas para teimosa, teimoso e meio.

De maneira a largares esse teu dicionário, deixo-te o link do mais completo site de Português com dicionário online:

http://www.priberam.pt/dlpo/dlpo.aspx

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:32:00 da tarde

Who Am I disse...

"Maciço,também quer dizer “basto” e assim sendo, será arma de destruição em grande escala, não? Ou estou a inventar muito?"

basto do Lat. vastu adj., espesso; denso; compacto; numeroso; farto.
do Cast. Basto

Pode sim. A incorrecção tem a ver com a evolução da inclusão de uma nova palavra que veio neste caso substituir uma antiga. Maciço parece referir-se à composição e não à função da arma. Basto iria criar a mesma ambiguidade. Temos a palavra massivo que é clara e não deixa dúvidas? Há razão para a contestar? Se é assim tão importante barrar a entrada de novas palavras passaremos a dizer "aquela doença estrangeira que não tem palavra em Português" em vez de dizer "stress".

Claro que eu não sou, nem concordo com ideais puristas.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:53:00 da tarde

Sandra Oliveira:

Ahahahahahaha

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:53:00 da tarde

Cristina disse...

"QUERES GANHAR DINHEIRO COM O TEU BLOG?"

Não, mas obrigado pela pergunta.

"Não percas esta oportunidade para tornares o teu blog mais atractivo e útil"

Mais inútil, quer você dizer...

"encontrarás diariamente um vasto conjunto de dicas e ferramentas para melhorares o teu blog."

Piorar, quer você dizer...

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:53:00 da tarde

Espiral disse...

Eu aceito que existam puristas, que acham que a língua deve ser fechada a 7 chaves, mas não os aceito, pois se há novas palavras e palavras com que melhor definem algo, elas devem ser usadas.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:54:00 da tarde

Joaninha disse...

"O mais incrível é que a TVI agora tem um canal só de noticias...imagina a arma letal que ali está..."

Um canal de destruição maciço, pois são burros como uma bigorna

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:54:00 da tarde

T disse...

"Ora aqui está levantada uma grande questão, com a qual, eu, como operária da escrita, já várias vezes me deparei. É que jornais e orgãos públicos credíveis dizem à boca cheia maciça... quando maciça só mesmo a madeira. Enfim... valham-nos os dicionários."

Que felizmente fiquei positivamente surpreendido com o facto de me darem razão. Excepto o dicionário de sinónimos da Porto Editora que diz que maciço e massivo são sinónimos.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:54:00 da tarde

alfabeta:

Ahahahahaha

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:54:00 da tarde

Sanxeri disse...

"Deixa lá... Quando eu for jornalista, prometo ler os emails que me mandares. :D"

Ahahahahahaha, boa!

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:55:00 da tarde

Paula disse...

"podemos lembrar-mo-nos dos os massive attack.....
a palavra é a mesma, ou não?"

Ora aqui está uma verdade. É que há malucos linguistas que acham que os nossos estrangeirismos são na sua maioria de origem Francesa e que massivo e maciço tiveram origem em massif, isto é errado pois massivo é um anglicismo e vem de massive!

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:55:00 da tarde

Van disse...

"A mesma visão que no top mais saude disse que investigadores em coimbra (mentira) estavam a desenvolver um medicamenro (2ªa mentira) anti-diabético (nem especificando qual o tipo de diabetes), baseado num mineral chamado vanadio (3ª calinada,o vanadio é um metal pesado que forma, juntamente com outros elementos, carradas de minerais diferentes) que imita a insulina (4a calinada,não imita coisa nenhuma...mimetiza as acções desta, por caminhos distintos...)."

Ahahahaha, sim é verdade. Eles são uma espécie de "super interessante", mas ao contrário...

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:55:00 da tarde

Mel:

Que vens aqui ver os desenhos.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:55:00 da tarde

Van disse...

"Mas onde raio está a porra da duvida?????? ARMAS DE DESTRUIÇÃO MASSIVA!!!!!!!!!!!! Em massa!!! Massiva!!!"

Einverstanden :)

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:55:00 da tarde

Van disse...

"do Cast. macizo
s. m.,
qualidade do que é compacto;
conjunto de montanhas que se ramificam em vários sentidos;
conjunto de pessoas ou coisas muito juntas;

adj.,
compacto;
espesso;
cercado;
basto;
sólido;
inabalável

ora bem, no meio disto tudo onde é que se encaixa a destruição em massa????no conjunto de pessoas e coisas juntas?? ah quer dizer que a bomba atomica so funciona se houverem pessoas e coisas juntas...

DEstruiçõa em massa = destruição massiva, de MASSA!!!!!!!!!!!!!!!"


Parece que nunca é demais lembrar as definições.


"sim, tou com tpm. :-P"

Ahahahahahahaha

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:56:00 da tarde

Treze disse...

"Há a questão do feminino e masculino.

http://www.infopedia.pt/

Tirem as vossas conclusões..."

Fica o link para quem quer realmente tirar conclusões. Acrescento também o seguinte link, onde em 1 em cada 3 professores insistem em maciça, felizmente uma minoria purista:

http://ciberduvidas.sapo.pt/

  Bruno Fehr

terça-feira, março 17, 2009 11:56:00 da tarde

Blue Mayfly disse...

"3. Pessoalmente pensava que eram armas de destruição maciça. Já não volto a cometer a mesma gaffe linguística."

Não é totalmente uma gafe, pois arma (bomba) pode ser maciça no que toca à composição, mas não é no que toca à utilização.

  Blue Mayfly

quarta-feira, março 18, 2009 12:08:00 da manhã

Percebo o que queres dizer. Como dizia o outro, "eu é mais bolos", o que quer dizer que sobre este assunto de armas de destruição maciça ou massiva não percebo nada e como tal, tais diferenças para mim são imperceptíveis. Contudo, ficou registada a informação. ;)

  johny

quarta-feira, março 18, 2009 1:00:00 da manhã

Por acaso, a mim, esta nunca me fez espécie... acho que há erros bem piores nas televisões e jornais. Quanto à questão em causa, eu sempre disse armas de destruição maciça, porque me soa melhor do que massiva.

Para dar mais achegas à discussão, levanto dois problemas:

Dizer armas de destruição maciça não qualifica as armas de maciças, mas sim a destruição, logo, a piada das bigornas deixa de fazer sentido... ahahaha

Tudo isto surge daquilo que no inglês se chamava, quando eu estudava de false friends, que é o fenómeno linguístico mais responsável pelos erros na tradução.

Para elucidar e confirmar a minha opinião, recorri à página das ciberdúvidas, mais concretamente:

http://ciberduvidas.sapo.pt/pergunta.php?id=21569

Agora, cada um que se desenrasque.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 1:28:00 da manhã

Blue Mayfly;

E safas-te nos bolos?

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 1:41:00 da manhã

johny disse...

"Dizer armas de destruição maciça não qualifica as armas de maciças, mas sim a destruição,logo, a piada das bigornas deixa de fazer sentido... ahahaha"

A destruicao dessas armas nao é sólida nem compacta é geral, portanto segundo a definição de massiva, sim, a destruição de massas é um termo mais correcto e a piada mantém-se boa.

"Para elucidar e confirmar a minha opinião, recorri à página das ciberdúvidas, mais concretamente:

http://ciberduvidas.sapo.pt/pergunta.php?id=21569"

Ao que respondo com a melhor desse site:

http://ciberduvidas.sapo.pt/pergunta.php?id=11578

  Silvia F.

quarta-feira, março 18, 2009 7:37:00 da manhã

Não percebeste, quando digo que no meu dicionário não existe, refiro-me ao facto de, para mim, fazer muito mais sentido aplicar a palavra maciça do que massiva. Repara que nunca disse que "massiva" estava errada. Poderia ter calhado "massifa", foram buscar a versão inglesa.

O que para mim não faz sentido é dizeres "erro ofensivo" a quem aplica "maciça" pois esse adjectivo também qualifica as armas em termos de quantidade.

Sei que tenho imensos recursos online (embora alguns duvidosos) mas no que diz respeito ao tema em questão, se tenho as ideias claras sobre a matéria, não faz sentido pesquisar algo que para mim está explicado. Alías, nem fazia ideia que "massiça" e "massiva" estava na ordem do dia.

Opinião purista? Não. Só tenho pena a língua portuguesa assimilar tão facilmente os estrangeirismos.

O teu tempo livre só a ti diz respeito, é óbvio que estava a brincar ohhh. Quero lá saber da vida dos outros mas que gostaria de ter esse teu tempo, sim :)

Claro que a língua portuguesa não é estática mas alguma coisa na vida é estática? Passando a filosofia posso é não aceitar a inclusão de certas palavras. Aqui poderia entrar no âmbito do acordo ortográfico mas se bem me lembro foi precisamente neste tema que entrámos em conflito. Não vale a pena lançarmo-nos armas de destruição maci-Ç-A novamente :)

Somos da mesma geração? Olha não fazia ideia. As coisas que tu sabes.

Como é que é? Irrito-me sempre que discordo de ti e que alguém concorda? Completamente errado. Pensei que me "conhecias" um pouco melhor do que isto, bolas! Isto já é insultuoso.
Acho muito bem que concordem contigo e que o digam mas pelo menos que tentem demonstar que saibem do que se está a falar.
Eu próprio não gosto desse tipo de comentários no meu blog, completamente infrútiferos e ocos.
Faz um levantamento dos comentários que recebes (não todos, óbvio) e diz-me muito sinceramente, muito do que aqui se comenta não é lambe-pila? (Há que aplicar o que melhor se adapta).

Pois, realmente a teimosia é terrível! Que maçada (ou será massada) :)

  Silvia F.

quarta-feira, março 18, 2009 7:46:00 da manhã

Pareceu-me ter ouvido uma "espiral" a zurrar por aqui... credo!

  Blue Mayfly

quarta-feira, março 18, 2009 7:52:00 da manhã

Safo, pois. :)

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 7:59:00 da manhã

Silvia F. disse...

"O que para mim não faz sentido é dizeres "erro ofensivo" a quem aplica "maciça" pois esse adjectivo também qualifica as armas em termos de quantidade."

Maciça só se aplica em termos de quantidade de acordo com uma das inúmeras definições, que é "basto", em todas as outra define qualidade, composição.

"Sei que tenho imensos recursos online (embora alguns duvidosos)"

Ciberdúvidas e o dicionário online, sao 100$ fiáveis.

"Opinião purista? Não. Só tenho pena a língua portuguesa assimilar tão facilmente os estrangeirismos."

A qual te referes ao estrangeirismo "Massiva" de deriva ou do Francês "massif" ou do Inglês "Massive", ou a Maciça que deriva do Castelhano "Macizo". Sim, pois ambas são estrangeirismos.

"Passando a filosofia posso é não aceitar a inclusão de certas palavras. Aqui poderia entrar no âmbito do acordo ortográfico mas se bem me lembro foi precisamente neste tema que entrámos em conflito. Não vale a pena lançarmo-nos armas de destruição maci-Ç-A novamente :)"

Massiva não tem nada a ver com acordos ortográficos. E sim, não vale a pena entrar lançarmos armas de destruição, até porque para lançares bigornas, tens de me acertar e se lançar armas nuclear dou cabo desta merda toda incluindo de mim.

"Somos da mesma geração? Olha não fazia ideia. As coisas que tu sabes."

Acho que é óbvio que sim, a menos que tenhas menos de 25 e se os tens, certamente não estudaste armas maciças. Se tens mais de 40 essas armas nem eram discutidas ainda com nenhum desses termos.

"Completamente errado. Pensei que me "conhecias" um pouco melhor do que isto, bolas!"

Não conheço mesmo, és "estranha" o que é que eu hei-de fazer?

"Faz um levantamento dos comentários que recebes (não todos, óbvio) e diz-me muito sinceramente, muito do que aqui se comenta não é lambe-pila? (Há que aplicar o que melhor se adapta)."

Existem aqui e em todos os blogues, mas quando ouvires um homem dizer "pára de me chupar a pila ou eu chamo a policia", diz-me que será noticia em todo o mundo :)

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 8:01:00 da manhã

Blue Mayfly:

Ahahahahaha

  johny

quarta-feira, março 18, 2009 9:12:00 da manhã

O "melhor desse site" é uma "inclinação" de alguém que admite logo que é uma opinião que entra em desacordo com a maioria?

Continuo a não gostar da piada, porque a ouvi por alguém na Sic notícias aquando da invasão ao Iraque e pensei o mesmo... pena aquele comentador não ter um blogue para discutir com ele. na realidade, acho até que qualquer arma ou bomba terá componentes deveras maciços.

Mas gostos por piadas não relevo muito, se há coisa que respeito é o sentido de humor...

Quanto à discussão, que é a espuma dos nossos dias e deste blogue (para gosto dos que cá vêm e de quem escreve)...

Ambas as palavras provêm de massa, mas os defensores de massiva admitem que a massa dos que usam um termo (maciça/o) se refere à qualidade compacta e densa de algo, enquanto que a massa do outro termo (massivo) se refere ao número e quantidade.

Porquê?

Como derivam da mesma palavra, é essa que tem de gerar ou não os sinónimos.

Massa significa uma e outra coisa e apenas a construção e derivação das palavras, nomeadamente se pusermos um "em" ou um "de", difere.

Como apontaste para a Silvia o Priberam, que é o dicionário que eu costumo usar, lembro que foi a minha primeira consulta e que não apresenta nenhuma definição para massiva. Ao procurares massiva, o Priberam remete para o masculino da palavra, que por sua vez não contém nenhuma definição. "A palavra não foi encontrada" diz ele, o Priberam.

O facto é que esta palavra surgiu em Portugal de forma errada. Não é a questão de ser um estrangeirismo, mas sim o facto de ser um estrangeirismo desnecessário, por facilitar a importação de uma palavra quando já existia uma para designar o mesmo.

Claro que massiva, como uma nova palavra até pode vir a ser aceite como diferenciadora de conceitos neste e nalguns outros casos que possam existir, mas não compreendo o porquê de isso acontecer se vêm da mesma palavra.

Só contesto o facto de se chamar um erro a quem usa maciço, quando não o é. E é aqui que reside o busílis da questão.

Por isso...

...Tendo em conta o que aqui leste - tu e aqueles que defendem o mesmo que tu -, com as dúvidas entre um lado e o outro, as dúvidas nos dicionários e tudo isso... podes afirmar - ou alguém pode - que o uso da terminologia "armas de destruição maciça" é um erro?

  Paula

quarta-feira, março 18, 2009 11:31:00 da manhã

fosga-se que me enganei no verbo!
"lembrarmo-nos"

  Paula

quarta-feira, março 18, 2009 1:31:00 da tarde

os comentários da Sílvia F. também me fizeram um pouco de confusão. entrou logo a matar!
a palavra maciço é de facto associada a massas mas sempre a coisas compactas, densas, como montanhase e afins. nunca em termos de população.
quando se fala em destruição, fala-se em relação a pessoas logo é massiva.
é que está no dicionário!!!

  Paula

quarta-feira, março 18, 2009 3:26:00 da tarde

mas de estrangeirismo está a nossa língua cheia, por isso não compreendo essa justificação ou o que quiserem chamar

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 3:50:00 da tarde

johny disse...

"O "melhor desse site" é uma "inclinação" de alguém que admite logo que é uma opinião que entra em desacordo com a maioria?"

Hein? Se navegaste o site descobres que é a opinião da maioria, só um professor afirma que massiva é erro por ser um estrangeirismo. Ora maciça é também um estrangeirismo e com os mesmo pressupostos + definição, eu considero-a erro.

"Continuo a não gostar da piada, porque a ouvi por alguém na Sic notícias aquando da invasão ao Iraque e pensei o mesmo pena aquele comentador não ter um blogue para discutir com ele...."

Mas quem referiu isso tinha um blogue, EU. Contactei as redacções dizendo "Maciças são as bigornas". Como vês tiveste o teu desejo realizado.

"Ambas as palavras provêm de massa"

Será? Se acabaste de dizer que é um estrangeirismo, não provem de nada a não ser de um língua estrangeira. Mas realmente provém de massa, parece-me que deixa de ser estrangeirismo e passa a ser uma palavra portuguesa que ainda nao tinha sido descoberta.

"mas os defensores de massiva admitem que a massa dos que usam um termo (maciça/o) se refere à qualidade compacta e densa de algo, enquanto que a massa do outro termo (massivo) se refere ao número e quantidade.

Porquê?"

Pela própria definição das palavras, tal como disse várias vezes, a única definição de maciça referente a ao efeito é em "basto", todas as outras referem composição, daí a necessidade do termo mais claro que é massivo.

"Como derivam da mesma palavra, é essa que tem de gerar ou não os sinónimos."

O sinónimo deriva não da palavra de origem mas sim da origem. Ora a palavra que defines como origem é "massa" a origem da palavra é "massive". Daí maciço e massivo nem sinónimos serem.

"Como apontaste para a Silvia o Priberam, que é o dicionário que eu costumo usar, lembro que foi a minha primeira consulta e que não apresenta nenhuma definição para massiva. Ao procurares massiva, o Priberam remete para o masculino"

De facto remete para o masculino, mas estarás tu a dizer que a palavra nao existe? :O

""A palavra não foi encontrada"
diz ele, o Priberam."

Se o dissesse dar força à tua teoria, na verdade não é isso que nos diz e deves usar esse website novamente. O que nos diz é:

Foi detectada 1 forma.

fem. sing. de massivo

Ora o site detectou a forma em masculino, mas afirma que massiva é o feminino singular de massivo que, não curiosamente tem a mesma definição.

"O facto é que esta palavra surgiu em Portugal de forma errada."

A forma pela qual surgiu não poderia estar mais certa e justificada pela sua própria definição. Maciço não é, nunca foi e nunca será referente a um grande numero de pessoas, dizer-se uma manifestação maciça é quase que anedótico.

"Não é a questão de ser um estrangeirismo, mas sim o facto de ser um estrangeirismo desnecessário"

Lá está, o que afirmas não é facto nenhum.

"por facilitar a importação de uma palavra quando já existia uma para designar o mesmo."

Não, essa palavra é "bué", em que já havia imensas para dizer o mesmo. Na língua Portuguesa não existia uma palavra que tivesse a definição que massiva tem hoje. A única que o faria correctamente não é maciça mas sim um dos seus significados "basto". No entanto também não serviria por tornar-se-ia estúpido gritar "basta de armas bastas".

"Claro que massiva, como uma nova palavra até pode vir a ser aceite como diferenciadora de conceitos neste e nalguns outros casos que possam existir, mas não compreendo o porquê de isso acontecer se vêm da mesma palavra."

Lá estás tu! Não pode vir, já é! Não deriva da mesma palavra, pois tem origens diferentes.
Como é que uma palavra como maciço que deriva do Castelhano, tem a mesma origem de uma palavra que deriva do Inglês? São línguas de origens diferentes.

"Só contesto o facto de se chamar um erro a quem usa maciço, quando não o é. E é aqui que reside o busílis da questão."

Com os mesmo pressupostos de quem considera massivo um erro, ou mesmo inaceitável.

"...Tendo em conta o que aqui leste - tu e aqueles que defendem o mesmo que tu -, com as dúvidas entre um lado e o outro, as dúvidas nos dicionários e tudo isso..."

Não existem dúvidas em dicionários, só em pessoas que são contra estrangeirismos defendendo um estrangeirismo com uma definição insuficiente. Este é que é o verdadeiro busílis da questão!

"podes afirmar - ou alguém pode - que o uso da terminologia "armas de destruição maciça" é um erro?"

Julgo que não é preciso repetir-me! Mas sim é, devido a deficiente definição de maciça e ao significado muito mais adequado de massiva.

Quanto a estrangeirismos necessários e desnecessários. Porque motivo é maciço necessário e massivo desnecessário? Só porque maciço foi um estrangeirismo adicionado antes? Não tínhamos já palavras com o mesmo significado? Tínhamos sim.

Uma coisa é certa, já sei que aí vem um longa discussão contigo onde serão escritos, repetidos e massacrados elementos, mas antes de o fazeres, revê as falhas no teu discurso e volta a comparar os significados. Obviamente não espero que alguma vez concordes comigo neste assunto, pois eu sei que não concordarei contigo, por achar o teu ponto de vista tendencioso e assente em falsos pressupostos. Claro que podes dizer o mesmo dos meus, por isso deixo à consideração de cada um tirar as suas conclusões e escolher a palavra que achar mais correcta.


PS: O comentário depois do teu tem um apontamento interessante, o de dizer o correcto, que massiva é uma palavra ligada a massas e não o teu erro de que deriva dela. Está ligada pois é um estrangeirismo adoptado que foi ligado a um termo Português do qual obviamente não deriva.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 3:51:00 da tarde

Paula disse...

"os comentários da Sílvia F. também me fizeram um pouco de confusão. entrou logo a matar!"

Só irei estranhar quando ela entrar de mansinho. Entrar a matar é típico dela e já é esperado :)

"a palavra maciço é de facto associada a massas mas sempre a coisas compactas, densas, como montanhase e afins. nunca em termos de população."

Correcto e gostei do detalhe que usas da palavra ser "associada a massas" e não incorreres no erro de muito de dizerem que "deriva" ou "tem origem em". É um detalhe importante a destacar do teu comentário.

"quando se fala em destruição, fala-se em relação a pessoas logo é massiva.
é que está no dicionário!!!"

Lentamente as pessoas vão aceitando que a palavra está no dicionário e que existe, por isso só lhes resta agarrarem-se à opinião de que é um estrangeirismo desnecessário, mas todos nós sabemos o que dizem sobre as opiniões...

  Ana C. Nunes

quarta-feira, março 18, 2009 5:26:00 da tarde

Olha que se não tivesses dito nada eu continuaria a usar o termo maciça sem pensar muito nisso. Realmente está mal, muito mal! E depois o povo ouve isto e repete (olhem bem para mim). Sinto-me desapontada comigo mesma ... ai ai ...

  johny

quarta-feira, março 18, 2009 7:19:00 da tarde

Eu não gosto de discutir assim tanto, principalmente quando sei que ninguém muda de opinião (o outro, porque é teimoso e eu, porque tenho razão). Isso aconteceu uma vez e poderá acontecer mais... mas acho que não é este o caso e se eu discuto muito contigo, é apenas porque encontro coisas para refutar... e também porque gosto do debate.

Por exemplo...

O comentador na Sic Notícias eras tu? É que eu VI alguém dizer isso no estúdio da Sic Notícas nesse ano de 2003... mas eras mesmo tu?
Tinha a ideia que eras mais novo, mas na realidade não sei a tua idade.

Quando eu falo da origem da palavra, falo da etimologia da palavra e não da última estadia linguística antes de chegar até Portugal. Se eu digo que tanto uma como a outra vêm de massa, é porque me informei e vi que tanto massive, como massif, como macizo, advêm do Latim massa... Essa é a origem. Portugal foi buscar macizo a Espanha, mas não lhe deu um significado novo, adoptou a palavra e a sua origem, a sua etimologia.

Eu não minto e quando afirmo uma coisa tento que seja informada. Massiva, no Priberam, aponta para massivo, que não tem definição... diz que a palavra não foi encontrada. É mentira?

Podes dar voltas e voltas à discussão, pegando em coisas que nada terão a ver com a discussão - como fazes habitualmente, seja nos foguetes de artifício que mandas a meio de uma discussão, como o "bué" que eu nunca mencionei ou da complicação exagerada do discurso, para dares ares de argumento válido. Eu não me perco! -, mas por acaso, acho que esta discussão não vai chegar aos números da outra.

O que eu queria saber era se achavas que era um erro usarem maciça. Já disseste que sim.

Eu não acho que seja e como sou boa pessoa, gosto de avisar os mais incautos.

Note-se que até posso aceitar a contaminação galopante do termo massivo - não acho que quem usa esse termo esteja a errar... muito! Posso é achar que se estão a armar... -, mas a questão - para mim claro - é a da existência ou não de erro no uso do termo maciço quando nos referimos às tais armas.

Os argumentos estão lançados e agora quem quer usar um termo, usa... quem não quer, usa o outro... ou diz, por exemplo, para utilizar uma palavra que gostas muito, armas que matam bué.

Para ver se termino - como é que é aquele ditado de "presunção e água benta"? - lanço mais um apontamento, que espero que seja o último, e que pode ser também para a PAULA:

Quando se fala em armas de destruição maciça, fala-se de armas com capacidade para matar muita gente, sim, mas também e especialmente, da sua capacidade de destruir edifícios ou construções humanas, estruturas naturais e o ambiente ou a atmosfera em geral. Como certamente sabem, há índices de destruição pelos tipos de estruturas - deste tipo que mencionei -, que destroem, tal como os tornados para dizer se é de nível I, II, III e por aí fora, aliás, para facilitar, são armas que destroem em bloco, que destroem tudo de forma maciça, densa, compacta, indistinta.

E para mim, esta definição parece-me muito mais completa do que uma que apenas quer relevar o facto de matar muitas pessoas (as tais massas).

Destrói tudo, como uma massa, como um bloco... DE FORMA MACIÇA.

Se eu não receber hossanas de toda a gente (inclusivé do Bruno), tal a forma brilhante como argumentei... não sei, não.

  dualitate

quarta-feira, março 18, 2009 11:35:00 da tarde

Zurrar...lindo... é engraçado como as pessoas reagem a outras opiniões.
É logo para a ofensa. Mas tudo ok. Há pessoas e "pessoas" em todo o lado. Este mundo dos blogues não é diferente. Felizmente que a minha auto-estima não se joga à quarta à noite (altura em que li isto).
Mas choca-me a falta de nível. Choca-me, especialmente se é grosseiro.

Enfim...

Beijos a todos

Espiral

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 19, 2009 12:18:00 da manhã

Ana C. Nunes:

Não há motivos para desilusão.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 19, 2009 12:19:00 da manhã

johny disse...

"Eu não gosto de discutir assim tanto, principalmente quando sei que ninguém muda de opinião (o outro, porque é teimoso e eu, porque tenho razão)."

Tu porque tens razão? Ou seja porque és teimoso também!

"O comentador na Sic Notícias eras tu? É que eu VI alguém dizer isso no estúdio da Sic Notícas nesse ano de 2003... mas eras mesmo tu?"

Acho que o que disse é bastante lógico e fui claro, se eu enviei os e-mails antes da segunda invasão do Iraque, não seria coincidência demais um jornalista usar a mesma piada que eu usei no mail? Obviamente ele foi lido, portanto sim, melhor que discutires com o porta-voz da piada, podes discutir com o criador da mesma.

"Massiva, no Priberam, aponta para massivo, que não tem definição... diz que a palavra não foi encontrada."

Não diz que palavra não foi encontrada e posso dar-te o print screen se no teu PC diz isso. Ao buscar por Massiva diz-me que é o singular de feminino de Massivo e dá-me a definição de Massivo. Mas com a intenção de esclarecer e por estar registado nesse site, espero resposta a um e-mail que enviei a questionar isso mesmo. É lógico que a palavra Massiva existe, se não existisse não poderia ser o singular masculino de massivo, até um teimoso aceitaria isto.

"Podes dar voltas e voltas à discussão, pegando em coisas que nada terão a ver com a discussão - como fazes habitualmente, seja nos foguetes de artifício que mandas a meio de uma discussão, como o "bué" que eu nunca mencionei ou da complicação exagerada do discurso, para dares ares de argumento válido. Eu não me perco! -, mas por acaso, acho que esta discussão não vai chegar aos números da outra."

Não me facas rir, tu vens aqui discutir com teorias vagas e sempre mal preparado e depois dizes que eu fujo ao assunto. Eu argumento pois estou preparado para o fazer. Tu é que optas por discutir comigo sem fazeres os trabalhos de casa. E quanto a não te perderes, isso é normal, pois tu pegas numa teoria e passas os próximos 10 a 20 comentários a bater na mesma tecla.

"mas a questão - para mim claro - é a da existência ou não de erro no uso do termo maciço quando nos referimos às tais armas."

Erra por omissão à qual darei mais um detalhe mais à frente no teu comentário.

"ou diz, por exemplo, para utilizar uma palavra que gostas muito, armas que matam bué."

Eu disse que gostava? Eu odeio essa palavra, mas se queres entrar numa de gozar comigo durante a discussão, eu posso entrar no mesmo caminho. Já é sabido que se baixam o nível da conversa eu também o faço. A escolha é tua!

"Quando se fala em armas de destruição maciça, fala-se de armas com capacidade para matar muita gente, sim, mas também e especialmente, da sua capacidade de destruir edifícios ou construções humanas, estruturas naturais e o ambiente ou a atmosfera em geral."

As armas são de destruição MASSIVA, matam massivamente mas não destroem necessariamente edifícios. Aliás as favoritas hoje em dia, são essas mesmas as que deixam os edifícios intactos.
Ora mais um exemplo do quanto elas são massivas e não maciças.

"Destrói tudo, como uma massa, como um bloco... DE FORMA MACIÇA."

Podem deixar as construções intactas destruindo a vida humana de forma massiva.

"Se eu não receber hossanas de toda a gente (inclusivé do Bruno), tal a forma brilhante como argumentei... não sei, não."

Modéstia à parte a tua argumentação não deu luta de refutar.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 19, 2009 12:20:00 da manhã

dualitate:

Regra geral não interfiro em discussões entre comentadores, mas coloco um travão se as discussões passarem os limites do aceitável.
Tens o direito de ter defender.

  dualitate

quinta-feira, março 19, 2009 12:32:00 da manhã

Obrigada, mas no caso não preciso de me defender de nada. "Zurrar" é apenas insulto gratuito. Não respondo a insultos gratuitos, só fiz um comentário, para a outra comentadora pensar que esse tipo de comentário passa em branco.

Fora isso, gosto do teu blog e das tuas opiniões, Bruno, são coerentes e lógicas, independentemente de concordar ou não com elas.

Beijo*

Espiral

  Rubs

quinta-feira, março 19, 2009 12:33:00 da manhã

A Silvia F. diz que se diz maciça porque sim.
O johny começa bem mas acaba por se espalhar.
É como eu costumo dizer, são todos campeões nos 100 metros, mas na maratona espalham-se ao comprido.

Eu acho que posso tirar as teimas de quem estiver disposto a pensar. Se querem errar de vez em quando, digam armas de destruição maciça, se querem estar sempre certos jogando pelo seguro, digam armas de destruição massiva. Ninguém sabe que tipo de ogivas estão em causa, se forem nucleares maciça e massiva está correcto, se forem químicas, maciça está errado tendo em conta que temos massiva para definir os seus efeitos.

  Rubs

quinta-feira, março 19, 2009 12:40:00 da manhã

Em ultimo caso digam armas de destruição em massa e caguem nas outras duas palavras.

No que se refere à existência de massivo e à não existência de massiva, isso não faz sentido, o dicionário online na busca por massiva dá o resultado no masculino e refere que é o feminino singular dessa palavra. Fá-lo porque o significado é o mesmo e por defeito colocaram a definição no masculino como poderiam ter feito no feminino. Aqui não percebo qual é a confusão, acho que é mesmo só para terem o que dizer.

  Silvia F.

quinta-feira, março 19, 2009 4:28:00 da manhã

Quem diz o que quer, ouve ou lê o que não quer.
Dualite ou espiral ou lá o que é, convido-a a reler o seu 1º comentário. Já está? Sim? Onde é que está a tal opinião que diz ter escrito? Não será antes um insultozito? Claro que não, pois. Tsss... Mandar alguém cultivar-se não é nada ofensivo, nada! Cheio de nível e tudo, não é?
Eh pá, gente ridícula!


Estou em crer que sou das únicas aqui a dar literalmente a cara. Esconder-se atrás de um nick e cuspir opiniões da treta com ofensas à mistura é tão típico.
Gostava de ver essa gente a mandar bitaites sem ser através do anonimato, devia ser giro.

  johny

quinta-feira, março 19, 2009 2:29:00 da tarde

urghhh (arroto)! Com licença. Peço desculpa,

Eu uso armas de destruição maciça, mesmo que não destrua edifícios, porque continua a destruir outras coisas... nem que seja só pessoas, de forma indistinta... Como um bloco... de forma maciça.

Eu sei que não gostas de bué, tinhas dito isso um ou dois comentários atrás, por isso o disse... imagino que também não gostes de duhhh!

Já não se pode brincar.

E para o rubs, o que quer dizer armas de destruição em massa? Armas de destruição feitas em massa de bolos, armas de destruição maciças, porque em massa? não percebo a diferença entre uma coisa e a outra para além da vontade de cada um de que cada palavra tenha o sentido que se quer. Se querias diversificar, ao menos que dissesses armas de destruição de massas, mas mesmo aí...

Sinceramente, e para acabar, não vejo forma de fugirmos da subjectividade da definição. Eu consigo ver o sentido de todas as explicações, com todas as terminologias e ninguém pode negar nenhuma delas... acho.

Última frase da minha parte neste post:

Vou continuar a usar armas de destruição maciça.

(Claro que não pretendo insinuar que vou usar as ditas armas, mas sim a terminologia)

  Rubs

quinta-feira, março 19, 2009 3:05:00 da tarde

O primeiro comentário deste Johny foi bom, o segundo um acidente pessoal, o terceiro foi uma demonstração de "como perder uma discussão em 3 actos, mas ficar ainda mais presunçoso".

  johny

quinta-feira, março 19, 2009 9:23:00 da tarde

Não pretendo ser presunçoso, mas se sou, também acho que isso não tem muito a ver com a discussão.

Quando me dirijo a alguém, num comentário - tal como o fiz neste post à Paula ou ao Bruno ou ao Rubs -, fi-lo apontando referências ao que eles diziam e não a eles, como pessoas.

Os argumentos de um lado e do outro foram expostos e, a partir daí, cada um que retire as conclusões.

Basicamente, era isto que queria dizer.

  dualitate

quinta-feira, março 19, 2009 11:33:00 da tarde

Olá Sílvia.

Dei-lhe uma opinião, sim, que devia cultivar-se a ler. Sim, porque massiva não é propriamente uma palavra estranha nem complicada e que aparece em enne livros. Se o viu como insulto lamento, não era de tudo a ideia.

E em relação à minha identidade, assino como assina quase toda a gente na blogosgera. Com um nick. Se acha sem sentido, deve achar toda a gente na net sem sentido. Sim, assino Espiral. Dualitate é o nome de um dos meus blogs. Esclarecida. E já agora, se lhe faz confusão, digo-lhe o meu nome. Chamo-me Sónia, tenho 23 anos, moro perto de Lisboa. Quer saber mais alguma coisinha? Mais qualquer coisinha, é só procurar no hi5 ou facebook.

Nem vou comentar o facto de me ter chamado ridícula, nem o facto de nas entrelinhas me ter chamado cobarde por ter um nick e pelos vistos "anonimato".

Se considero as suas opiniões muito inválidas? Cada vez mais. Só responde com ofensas e com provocações. Sem contar dos comentários falaciosos.

Bem, não vou voltar a responder. Não tenho muita paciência nem personalidade para este tipo de conversa fiada e provocações de egos inflamados e despeitados (está à vontade para se ofender com isto).

Atentamente, e peço desculpa a todos os que tem que ler conversa tão sem sentido.

Espiral

  Silvia F.

sexta-feira, março 20, 2009 3:17:00 da manhã

Espiral

Sem dúvida que o seu nick faz jus ao estado do seu cérebro.
Não tem noção daquilo que acabou de escrever pois não? Realmente enganei-me não é ridícula é
estúpida. Qualquer crítica deve ser bem sustentada, senão fica profundamente patética.
Debita um palavreado enfadonho, nhánhánhi e nhónhónhó com laivos de encalhada e não sai de cima.

Mandar as pessoas cultivarem-se quando têm uma opinião diferente da sua é sem dúvida sinal de estabilidade e esclarecimento intelectual.

Contrariamente ao que mostra em relação a mim, estou-me nas tintas para a sua identidade pois no meu universo você não existe, ou melhor existe durante este tempo que estou a escrever, depois evaporou-se, entendido?

Claro que não tem nada a comentar sobre o que escrevi sobre si pois como já previra enfiou a carapuça até ao umbigo.

Vejo que tem-me seguido há bastante tempo para julgar-me dessa forma tão conveniente. Lamento desapontá-la mas não gosto de mulheres.

Pode até nem responder (acho que faz muito bem) mas vai estar atenta à minha resposta, óbvio. Se não tem paciência para este tipo de conversa porque me insultou sem eu lhe dirigir a palavra? Hum? Que tal um pouco de coerência? Se quer ser respeitada, respeite os outros.

Essa de pedir desculpa depois de escrever o que bem lhe apeteceu é a cereja no topo do bolo. Faz lembrar aqueles que largam os peidos e saiem a fugir para não serem alvo de chacota.

Hahahahahaha

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 5:23:00 da manhã

dualitate:

O concordar ou não é secundário. Gosto de ler outros pontos de vista.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 5:23:00 da manhã

Rubs:

Nem vale a pena dizer que concordo com esse ponto de vista, e sim o objectivo da utilização de armas de destruição em massa é sempre fazer baixas humanas e não danos em edifícios. Tal como o objectivo de um soldado é o de incapacitar e não de matar o inimigo.

E logicamente que massiva existe como palavra, dizer o contrário não faz sentido.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 5:24:00 da manhã

Silvia F.:

Tal como sempre referi, neste blogue todos podem discutir sem que os comentários me sejam dirigidos. Gostaria só de referir que mostrar a cara é opcional e não dá mais validade a qualquer argumento, não me refiro à vossa discussão, refiro-me a tudo o que se passa na blogosfera.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 5:24:00 da manhã

johny disse...

"Eu uso armas de destruição maciça, mesmo que não destrua edifícios, porque continua a destruir outras coisas... nem que seja só pessoas, de forma indistinta... Como um bloco... de forma maciça."

Blá, blá, blá, massiva define melhor pois esse "bloco" são pessoas, seres humanos que são dizimadas de forma massiva.

"imagino que também não gostes de duhhh!"

Duh!

"E para o rubs, o que quer dizer armas de destruição em massa? Armas de destruição feitas em massa de bolos, armas de destruição maciças, porque em massa? não percebo a diferença entre uma coisa e a outra para além da vontade de cada um de que cada palavra tenha o sentido que se quer."

Que se quer? Ou que lhe é dado pelos dicionários? Bolas, com os teus comentários perco-me!

"Vou continuar a usar armas de destruição maciça."

Fazes o que bem entenderes.

  HCS

sexta-feira, março 20, 2009 7:51:00 da manhã

Ola Bruno,

Tambem eu fico escandalizada com as bacoradas cada vez mais frequentes dos Media e tb. ja contestei. E triste, mas ainda bem que ha gente como tu que denuncia tais aberracoes.

  Vani

sexta-feira, março 20, 2009 10:34:00 da manhã

Quem quiser continuar a ser burro, que seja. Diz-se armas de destruição em massa. Certo? O adejectivo é MASSIVO,vem de massa! e não de maciço. Maciço é algo compacto,duro, forte.

Meninos e meninas,repitam comigo:armas de destruição massiva!

Não sei por que raio é que de cada vez q alguém concorda com a conclusao da discussao de determinado blogger, é logo acusado de carneirismo.

  Vani

sexta-feira, março 20, 2009 10:37:00 da manhã

#"maciça" pois esse adjectivo também qualifica as armas em termos de quantidade.#

quantidade remete para MASSA. Tá tudo dito.

  Bruno Fehr

segunda-feira, março 23, 2009 8:02:00 da manhã

HCS:

Não se pode denunciar muito, pois ainda há muita gente que acha que a língua deve estar fechada a 7 chaves.

Vani disse...

"Não sei por que raio é que de cada vez q alguém concorda com a conclusão da discussão de determinado blogger, é logo acusado de carneirismo."

Para muitos, muitos mesmo dos que acompanham este blogue, concordar comigo é estar errado :)