Quadro da lágrima, parte 2

Neste segundo texto irei mostrar alguns detalhes que se destacam, por exemplo, os dois quadros que se seguem as crianças retratadas não mostram a tristeza das outras, mas sim um outro tipo de sentimento, raiva, fúria. O da esquerda, famoso em Espanha é considerado o mais assustador de todos, no da direita mais famoso na Republica Checa representa a única criança que parece não chorar (clicar nas fotos para aumentar):


Os três quadros que se seguem, foram destacadas uma sombra em cada um deles, peritos encontraram sombras destas em quase todos os quadros. Na minha opinião poderá ser devido ao facto de vermos o que queremos ver e na verdade não passam de sombras. Apesar dos inúmeros exemplos, mostro estes 3. No quadro principal o que destaquei parece ser um olho que observa a criança em lágrimas.


Nos quadros que se seguem destaquei o que acreditam serem demónios a engolir as crianças:


O slide que se segue, foi algo que eu reparei e que não encontrei qualquer referencia a este assunto. Grande parte dos quadros representa uma criança com um ombro descaído ou mais largo que o outro, como se estivesse partido ou deslocado, por coincidência as roupas na maioria dos casos estão rasgadas nesses sítios:



Para terminar esta segunda parte, um quadro com os sinais óbvios dos motivos pelos quais chora a criança. Ela apresente um olho negro, parte da cara vermelha e inchada e marcas de sangue pisado nos braços de possivelmente ter sido agarrada com força demais.


Adenda: No texto de ontem perguntaram-me o que eu queria dizer com "os quadros trazerem infortúnio". Isto foi um rumor iniciado em Inglaterra onde em várias casas que arderam, os quadros de Bragolin saíram ilesos. Foi até iniciada uma campanha de destruição destes quadros nos anos 80, quadros que dificilmente ardiam, demonstrando uma invulgar resistência ao fogo.

Mais tarde após analise os bombeiros esclareceram que o material usado para estes quadros era resistente às chamas, suportando elevadas temperaturas.


O próximo texto será o terceiro e último desta série, com os 3 quadros mais macabros deste estranho pintor.

77 Comentários:

  Mel

segunda-feira, março 23, 2009 10:58:00 da tarde

Reparei no primeiro quadro que mostras neste post, é um olhar nítido de ódio.
Também reparei nas nódoas negras da menina do último quadro.

Isto é horrível, eu nem tenho palavras para o descrever...

  Mel

segunda-feira, março 23, 2009 10:58:00 da tarde

Mas quem são estas crianças, nunca ninguém se preocupou em saber?

  provocação

segunda-feira, março 23, 2009 11:16:00 da tarde

A menina está toda magoada! Quem no seu perfeito juízo pintaria uma criança assim? Foi ele! Foi ele que para conseguir o tão ansiado realismo lhes fazia mal! Pequenos Olivers Twist nas mãos de um pintor sem mérito que não o aproveitar-se da dôr alheia. Pois que todos esses quadros sejam enviados por um rio abaixo numa noite de lua cheia a um domingo. E que nunca se pronuncie o nome de tal pintor ou se evoque o mesmo no jogo do copo pois nunca se sabe o que pode acontecer...

  Catwoman

segunda-feira, março 23, 2009 11:19:00 da tarde

Aiiii Bruno pára com isto... já não consigo tirar estas imagens da cabeça :(

  Rapariga do Batom Vermelho

segunda-feira, março 23, 2009 11:31:00 da tarde

Estou parva com isto... Fico atenta à espera do próximo post!

E desde já deixa-me felicitar-te pelo trabalho!;)

  Sanxeri

segunda-feira, março 23, 2009 11:45:00 da tarde

Queres ver que eu tenho uma coisa amaldiçoada em casa e nao sabia? Ja nao basta ser feio, ainda é amaldiçoado. :S


Bruno, inteligente e interessante, as always. ;)

  forteifeio

segunda-feira, março 23, 2009 11:57:00 da tarde

Bruno

só quero deixar uma nota. Provavelmente não são cópias, ou seja nem são quadros. São posters. O material utilizado é outro, não são telas que permitem pintar a óleo ou a acrilico. É papel.

  Catwoman

terça-feira, março 24, 2009 12:00:00 da manhã

Mesmo assim forteifeio... nunca fiando!! É lançá-los à água!!!!!!!!!!! A todos!!!!!!!

Medo... muito medo...

  ipsis verbis

terça-feira, março 24, 2009 12:03:00 da manhã

Isto não é nada mais que perspectivas, sombras e coincidências. Como dizes e bem, cada um vê o que quer, e depois de se ter criado tamanho alarido em torno disto, até os casacos parecem (?) demónios... Eheheh. O que me assusta mais nisto tudo, são as pessoas que acreditam nisto. Mas enfim... :)

  Stiletto (prev My Space)

terça-feira, março 24, 2009 12:09:00 da manhã

Ainda piora.... O quadro 26, se virado de lado, representa uma menina que parece estar morta e com um braço deslocado.
Isto é perfeitamente horroroso. Estas pinturas são completamente macabras.
Quero crer que não passem de pinturas, sem qualquer fundamento real, no que diz respeito à criança que posa.
Repare-se que quer as roupas, quer os próprios locais onde aparecem as crianças não são típicos das décadas de 80/90. Parecem antes cenários de 1800 e troca o passo.
Mas a verdade é que as pinturas me provocam um imenso mau estar. Talvez por ter filhos desta idade.

  forteifeio

terça-feira, março 24, 2009 12:16:00 da manhã

Provocação

Muito bem analisado.


Catwoman

Há loucos para tudo, e é bem possivel que ele tenha provocado dor, como forma de atingir um maior realismo de sofrimento.

Por outro lado podemos considerar que ele quis despertar nos adultos o respeito pelas crianças maltratadas. E dessa forma apresentar uma pintura que chocasse para proteger.

Qual será a versão verdadeira??

Será que alguém sabe...

  Joanna

terça-feira, março 24, 2009 12:17:00 da manhã

A menina está toda magoada! Quem no seu perfeito juízo pintaria uma criança assim? Foi ele! Foi ele que para conseguir o tão ansiado realismo lhes fazia mal! Pequenos Olivers Twist nas mãos de um pintor sem mérito que não o aproveitar-se da dôr alheia. Pois que todos esses quadros sejam enviados por um rio abaixo numa noite de lua cheia a um domingo. E que nunca se pronuncie o nome de tal pintor ou se evoque o mesmo no jogo do copo pois nunca se sabe o que pode acontecer...

Ihhhh, onde isto já vai...

  Mel

terça-feira, março 24, 2009 12:21:00 da manhã

Eu acredito, não nos mitos que são demónios, e bla bla bla, mas que foi um louco que retratou e matou crianças.
E não me considero nenhuma totó, nem pseudo-inteligente.
Óbvio que para desaparecerem tantas crianças em 2 décadas, com idades idênticas, alguém teria que ter dado por isso.
Ou então, como já discuti com o autor do blog, se estão vivas, já teriam vindo a público dar a cara.
Ou então nada disto aconteceu mesmo.
Mas eu não excluo nenhuma hipótese.

  ipsis verbis

terça-feira, março 24, 2009 12:29:00 da manhã

"O quadro 26, se virado de lado, representa uma menina que parece estar morta e com um braço deslocado". o mesmo que virado de pernas para o ar, mostra uma menina a fazer o pino... :|

"parece estar morta"? por favor...

  Jane Doe

terça-feira, março 24, 2009 12:42:00 da manhã

Gostei muito de ler, uma vez mais...

Clap Clap Clap.

Estes mitos que se criam são muitas vezes fundados em falsos rumores,ou pequenos pormenores e aumentados muitas vezes por algum sentimento irracional. Acho que é assim que se cria o mito.

Agora, é possivel que sejam crianças maltratadas, sim.

Pergunto... O que separa a Genialidade da loucura?

O Bruno talvez ja tenha respondido a isso, mas pergunto ao resto do pessoal. Porque seguramente aqui há uma mistura das duas, ou não?

  Fada

terça-feira, março 24, 2009 12:56:00 da manhã

Bem... Estava à espera de pior, confesso... Mas nunca gostei desse género de quadros, tal como não fui capaz de ver a "Cidade de Deus", tudo aquilo que implica sofrimento e violência gratuita já me choca, então com crianças... Horroriza-me.

Nem eu, que tenho uma imaginação fértil, vejo "demónios" nos quadros, vejo, sim, dor, mágoa, tristeza, há um que mostra uma resignação como se merecesse toda e qualquer desgraça que lhe aconteça; o 1º que mostras tem um ar vingativo e assustador, o 2º tem um ar de quem tenta compreender (e não consegue) o porquê de tanta miséria...

O que eu reparo, é que o cenário de quase todos faz-me lembrar masmorras... Portas pesadas em madeira e paredes de pedra, pouca luz...

Bem... Estes quadros fazem-me dor de cabeça... Emanam dor.

Já estou a escrever um testamento, desculpa.

Beijitos

  Silvia F.

terça-feira, março 24, 2009 12:57:00 da manhã

E quem manda-me ser curiosa, quem? Quem me mandou pesquisar sobre o assunto, quem? Porque não me limitei a ficar quietinha, porquê??
Coisa macabra desde mãos a apertar o pescoço até braços amputados, porra!!

Há muitas teorias sobre o assunto e francamente não consigo ver nenhum demónio nos desenhos, vai muito na perspectiva de cada um. Se não tivessem falado no assunto niguém iria dar por isso.
De salientar que são quadros pintados à óleo ou acrílico não são perfeitos, não são fotografia logo as diferentes cores utilizadas podem dar a ilusão de formas ocultas.

Bom enfim, não quero acreditar em nada disso. Qual pacto qual quê? Essas crianças nunca existiram e pronto... é mais uma lenda popular sem qualquer fundamento. E que ninguém diga o contrário, sefachabor, quero dormir com a luz apagada.

Sr. Bruno, dizer "boa noite" não faz parte dos seus costumes? (Se é que me faço entender) Tssss

  Teté

terça-feira, março 24, 2009 1:17:00 da manhã

Para ser muito franca, acho este assunto um bocado tétrico. Por se tratarem de crianças que provavelmente foram maltratadas para chorarem e estar com ar de sofrimento.

Quanto lá aos rituais satânicos, são adultos, façam o que bem entenderem sem prejudicar ninguém (rezas e velas e maus olhados não contam neste capítulo), mas com crianças indefesas fia mais fino.

Mas é como tudo: muitos destes rituais urbanos não são verídicos, pôr a circular umas historietas dessas pode ter sido ideia de alguém - quiçá do próprio autor - para tornar os quadros mais vendáveis. Até porque este mundo está cheio de gente maluca, que quer acreditar em qualquer coisa... ;)

Beijocas, Bruno!

  Sophie

terça-feira, março 24, 2009 4:46:00 da manhã

Aquilo das sombras para mim já é treta a mais..mas as imagens das crianças são realmente muito tristes..

  Nanda Assis

terça-feira, março 24, 2009 5:22:00 da manhã

ai que medo!!!

bjosss...

  Sara

terça-feira, março 24, 2009 10:10:00 da manhã

então o outro post fugiu??
olha, quando estava no canadá jogava imenso o jogo com meu irmão e pai, pelo menos n era o d galaxy :P
Só à terceira é que reparei nos brilhos. muito estranho!

  Jo

terça-feira, março 24, 2009 10:57:00 da manhã

Parabéns Bruno... ja o post anterior tinha achado extraordinario...agora este ainda mais...
Ja conhecia... muitas copias foram feitas e a minha avo tinha um quadro destes que muito me arrepiava quando miuda... Ha uns tempos atras, numa feira de antiguidades aqui na Bélgica, a minha irma comprou um. Sao rostos lindos e puros, mas sem duvida magoados, infelizes... nao acredito nisso dos demonios, mas acredito sim que tenham sido vitimas de maus tratos, que tenham realmente existido e que um doente qualquer tenha visto no sofrimento delas uma arte... Porque muitos artistas, pintores, musicos, principalmente de tempos que ja la vao, tinham uma certa tendencia a associar dor a arte... e nao havia nada que nao valesse a pena em nome da arte... bizarro...
aguardo o terceiro post com ansiedade...

  Joaninha

terça-feira, março 24, 2009 11:00:00 da manhã

Me-dooo parte II...God Bruno se eu tiver pesadelos uma destas noites com estes quadros descubro a tua morada e envio-te um :p

  Sandra Oliveira

terça-feira, março 24, 2009 11:06:00 da manhã

Desde que me lembro, sempre existiu um quadro destes em casa dos meus avós.
Eu sempre gostei muito do quadro, mas lá está, eu não regulo bem.. hehehehe

  Abobrinha

terça-feira, março 24, 2009 11:51:00 da manhã

Ouve, não achas que estás a fazer um bocado de filmes a mais? Não será possível que sejam só quadros um bocadinho para o pimba e sem significado nenhum? Ou isso será muito rebuscado?

  Papinha

terça-feira, março 24, 2009 12:00:00 da tarde

Em primeiro lugar, estou a adorar esta tua investigação!! Ontem depois de ler o teu primeiro Post, e como a curiosidade é lixada, dei um giro pequenino pela net e encontrei alguma informação... isto para dizer que no que toca aos ombros ( partidos/deslocados/atrofiados), encontrei algumas referencias no site Brasileiro ( sobrenatural.org), é realmente algo que salta à vista, quanto a mim muito mais do que as sombras ou imagens de caveiras ou bichos comedores de crianças...isso para mim é o que as pessoas querem ver...ou tentam!!

Obrigada por este Bocadinho, sempre tão agradável, por aqui!!!

Beijinhos
P@pinh@

  I.D.Pena

terça-feira, março 24, 2009 12:44:00 da tarde

Espectáculo. Muito bem apresentado. O texto só mostra uma coisa lucidez e boa vontade para informar.

Mto bom mm.

(e pergunto-me , em quem terá sido o teu mestre ? O teu pai ?)

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:31:00 da tarde

Mel:

"Mas quem são estas crianças, nunca ninguém se preocupou em saber?"

Tendo em conta quando estes quadros foram pintados, todos ele deveriam ter entre os 33 e os 46 anos.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:31:00 da tarde

provocação:

Essa é a questão mais pertinente, o que leva alguém a pintar uma chanca desta maneira.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:32:00 da tarde

Catwoman:

Não leves isto tão a sério.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:32:00 da tarde

Rapariga do Batom Vermelho:

Muito obrigado.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:32:00 da tarde

Sanxeri:

Maldiçoes, são muitos, nada mais.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:32:00 da tarde

forteifeio:

Sei que os originais são em tela normal as cópias para ser sincero nunca tive uma na mão.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:33:00 da tarde

Catwoman:

Ahahaha

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:33:00 da tarde

ipsis verbis:

É esse o objectivo dos mitos, levar muita gente a acreditar e sem dúvida que este caso é um excelente exemplo disso.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:33:00 da tarde

Stiletto (prev My Space):

"Ainda piora.... O quadro 26, se virado de lado, representa uma menina que parece estar morta e com um braço deslocado."

O quadro 26, será a estrela do último texto, pois é sem dúvida o quadro com mais interpretações.

Continuo a dizer que as roupas são normais para os anos 70 e 80, o local não passa de uma qualquer cave de Barcelona cheia de casas do inicio do século.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:33:00 da tarde

forteifeio:

Não acredito que ele tenha tido a intenção de despertar qualquer respeito a forma como pintou é de facto macabra. A tristeza com factor de imposição de respeito teria mais impacto de a criança estivesse a chorar num local feliz, como um jardim. Estando numa cave, é macabro mesmo.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:34:00 da tarde

Joanna:

Nos mitos, tudo pode ser mentira mas há sempre um fundo de verdade!

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:34:00 da tarde

Mel disse...

Não tenho dúvidas de que ele foi um louco.
Quanto ao desaparecimento de crianças, não. Ninguém teria dado por isso. Relembro que nos EUA no inicio dos anos 90 foi encontrada um quinta de caca humana, onde todos os fins-de-semana era libertadas na quinta crianças raptadas e homens armados partiam minutos depois para a caca.
A quinta foi descoberta por denuncia e não pelas dezenas de crianças desaparecidas por ano.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:34:00 da tarde

ipsis verbis:

Fantástico, eu virei uma quadro ao contrário e não é que tens razão? Ela ficou mesmo a fazer o pino!

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:35:00 da tarde

Jane Doe:

Os mitos não são fundados em rumores, mas quer um mito quer um rumor tem um fundo de verdade que por vezes se perde ao fim de uns anos. Quem conta um conto, acrescenta um ponto e neste caso acrescentei uma teoria pedófila.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:35:00 da tarde

Fada:

Primeiro pegas num dos quadros em ponto grande, observas, rodas e continuas a observar. Toda a gente irá ver demónios nos quadros, pois estão à procura deles.

"O que eu reparo, é que o cenário de quase todos faz-me lembrar masmorras... Portas pesadas em madeira e paredes de pedra, pouca luz..."

É o que guarda menos mistério, pois é uma cave típica de uma casa secular de qualquer cidade Europeia, neste caso de Barcelona.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:35:00 da tarde

Silvia F. disse:

"Quem me mandou pesquisar sobre o assunto, quem? Porque não me limitei a ficar quietinha, porquê??"

Porque és curiosa e ao pesquisar poderias encontrar algo para me dares nas orelhas :)

Só encontra demónios quem os procura. E sim, na minha terra diz-se boa noite.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:35:00 da tarde

Teté:

Seja como for há um toque de loucura e um genialidade neste trabalho.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:36:00 da tarde

Sophie:

As sombras transportam um mensagem importante, dizem que encontramos sempre o que procuramos, se queremos ver demónios iremos ver, se buscar-mos nas sombras o Rato Mickey, iremos encontrá-lo.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:36:00 da tarde

Nanda Assis:

Não é preciso ter.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:36:00 da tarde

Sara:

O post apareceu sem querer, ainda não está fundamentado, preciso da versão da empresa.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:36:00 da tarde

Jo:

A questão dos demónios é uma radicalização de um mito, pois quem conta um conto, acrescenta um ponto. Mas acho estranho alguém só pintar crianças em lágrimas e tantas. Além disso no meio de tanto talento pintar erros grosseiros com os ombros deslocados.
Qualquer mito começa numa pequena verdade, o problema é que a história muda de boca em boca e esse verdade é a primeira a perder-se.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:37:00 da tarde

Joaninha:

Se me enviares um, envia um Bragolin original :)

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:37:00 da tarde

Sandra Oliveira:

É normal, o quadro cria repulsa ou atrai.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:40:00 da tarde

Abobrinha disse...

"Ouve, não achas que estás a fazer um bocado de filmes a mais?"

Eu? Isto tem a ver comigo?
O que eu estou a fazer é a contar um mito urbano e não só um mito qualquer, mas sim o maior mito da pintura do século 20.
Se encontrares nos textos "filmes" feitos por mim, por favor salienta-os para eu saber do que falas.

"Não será possível que sejam só quadros um bocadinho para o pimba e sem significado nenhum?"

Eu referi-me a este assunto como mitos, referi que vemos muitas vezes o que queremos ver.

"Ou isso será muito rebuscado?"

Rebuscado foi o teu comentário, pois não comenta o texto mas sim a capacidade do autor fazer filmes. Eu não fiz nada mais do que o trabalho de um contador de histórias.

Acho que a verdadeira questão é, onde anda o teu sentido de humor ultimamente?

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:40:00 da tarde

Papinha:

Eu estive nesse site, o que gostei foi mesmo dos comentários e de tudo o que as pessoas resolvem achar no quadro.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 1:40:00 da tarde

I.D.Pena:

Mestre? I have no Master!

  Jo

terça-feira, março 24, 2009 2:04:00 da tarde

Alias... o quadro que a minha irma comprou na tal feira é o retrato do mesmo menino do quadro do incendio... no entanto, felizmente nao somos infelizes naquela casa... é o misticismo...
mas sem duvida que é qualquer coisa esta historia toda... mais uma vez obrigado Bruno por partilhares...

  Bruno Fehr

terça-feira, março 24, 2009 2:10:00 da tarde

Jo:

Na verdade estes textos teriam dado imenso trabalho, mas a investigação fez parte do estudo para a tese. Na verdade o que precisava mesmo era de perceber o autor e não de interpretar os quadros :S

  provocação

terça-feira, março 24, 2009 2:47:00 da tarde

Aham, se não fôr pedir muito depois fala lá nessa quinta de caça à criança que nunca tinha ouvido falar... :)

  DeusaMinervae

terça-feira, março 24, 2009 3:17:00 da tarde

Não sei é quem teria um quadro pendurado em casa com uma criança a chorar... Alguém terá, mas faz-me confusão.
È estranho é a obsessão do pintor! Seria ele o causador da tristeza das crianças que depois as esforçava a posar para ele?

Uma coisa é certa,tem perfil de obsessivo compulsivo.

  Abobrinha

terça-feira, março 24, 2009 3:19:00 da tarde

Bruno

Não generalizei aos teus outros posts: só estava a falar deste post e do anterior e a contrariar os comentários que estavam a engolir toda a parte do mito urbano e todos arrepiados como se isto fosse toda a verdade.

Era nesse sentido o "protesto" e mesmo o "fazer filmes": não gosto de mitos urbanos, mas é uma coisa pessoal. Se fores a ver, não é sequer "contra" ti, mas uma reacção contra o aceitar todo o "filme" como uma verdade quando o mais prático é mesmo aceitar que... são quadros pimba. Não sei se é a verdade, mas faz sentido.

O meu comentário não foi rebuscado. Quando muito podes protestar contra ser muito simples. Mas tenho dificuldade em argumentar coisas como que algo parece indicar um demónio a comer uma criança.

Quanto ao meu sentido de humor... nestes dois últimos dias anda pelas ruas da amargura. Tenho que o voltar a encontrar. Prometo que volta, mas realmente não anda muito bem.

  Silvia F.

terça-feira, março 24, 2009 3:37:00 da tarde

Desta vez não pesquisei para te dar nas orelhas, não :)
Fiquei muito curiosa com essas histórias. É impressionante as interpretações que as pessoas fazem dos quadros.

Pessoalmente toca-me muito mais ver uma criancinha a chorar do que uma a sorrir. Dá vontade de enxugar-lhe as lágrimas, abraçá-la e reconfortá-la. Não terá sido essa a ideia do autor para despertar sentimentos?
Curiosamente todas têm um ar angélico, e as lágrimas representadas são quase todas exageradamente grossas, aquilo não são lágrimas são calhaus, bolas!
As roupas gastas e usadas de algumas dão a ideia de serem criancinhas da rua, abandonadas o que eleva o sentimento de pesar dos que contemplam os quadros.

Essa é a minha interpretação sem as tais forças do mal pois eu também pinto quadros à óleo. Provavelmente com um pouco de esforço lá arranjo um demoniozito numa das minhas telas :))

Onde pára o autor? Não há informações sobre o seu paradeiro. Faleceu? Ou retirou-se estrategicamente fazendo o povo acreditar nessa tese demoníaca?
Se calhar está num resort de 6 estrelas a viver no anonimato, dos rendimentos dos quadros e a rir-se das visões maquiavélicas das pessoas. Nunca se sabe e francamente preferia que assim fosse :)

Então uma boa tarde, sim? ;)

  Hanokh

terça-feira, março 24, 2009 3:38:00 da tarde

que macabro...e pensar que na casa de cada português existe um quadro destes...xiçaaaa!!!

  ipsis verbis

terça-feira, março 24, 2009 5:42:00 da tarde

Isto está lindo. Faz-me lembrar um outro "mito urbano", o das mensagens de azar ou corrente, que muita gente envia a x pessoas com medo de ao não enviarem a exactamente x pessoas, algo de mal acontecerá.
É claro que as pessoas podem e devem acreditar no que quiserem, mas também é claro que eu também posso e devo achar tudo isto muito estúpido. :)

E agora, uma pequena piada acerca das mensagens corrente:

Se odeias mensagens corrente, envia este e-mail a 25 pessoas. AHAHAH

  Portaria ILEGAL

terça-feira, março 24, 2009 10:10:00 da tarde

Este comentário foi removido pelo autor.
  I.D.Pena

terça-feira, março 24, 2009 10:15:00 da tarde

"I.D.Pena:

Mestre? I have no Master!"


-Bullshit !:D Quem n tem mestres?

Até porque tu já me disseste em privado que tens !

:)

  Luis

quarta-feira, março 25, 2009 7:38:00 da tarde

No quadro que diz respeito aos demónios, que está assinalado a vermelho, não entendo porque está associado a demónios.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:10:00 da manhã

provocação:

Irei recolher informações devo ter algures o filme inspirado no caso.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:11:00 da manhã

DeusaMinervae:

Milhões deles em todo o mundo, estão em casa.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:13:00 da manhã

Abobrinha disse...

"Não generalizei aos teus outros posts: só estava a falar deste post e do anterior e a contrariar os comentários que estavam a engolir toda a parte do mito urbano e todos arrepiados como se isto fosse toda a verdade."

Discordo, o que disseste foi se eu não estaria a fazer filmes, quando isto é um mito urbano que existe desde os meus 3/4 anos e não fui eu que o iniciei.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:17:00 da manhã

Silvia F. disse...

"Dá vontade de enxugar-lhe as lágrimas, abraçá-la e reconfortá-la. Não terá sido essa a ideia do autor para despertar sentimentos?"

Não teria mais impacto se fosse essa a intenção de colocar a criança a chorar numa ambiente alegre, como um parque, um jardim?
Ao pintas as crianças, mal vestida, sujas, magoadas e numa cave escura é mórbido demais para que possa ter uma intenção nobre.

"Onde pára o autor? Não há informações sobre o seu paradeiro. Faleceu?"

Quer um quer outro faleceram. Existem dados biográficos contraditórios, quando tiver mais certezas escreverei sobre isso.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:18:00 da manhã

Hanokh:

Nao só em Portugal.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:20:00 da manhã

ipsis verbis:

É só um mito, mas todos os mitos começam com uma pequena verdade que se perde algures no tempo, mas uma verdade por mais pequena que seja. A maneira como os quadros se difundiram a nível mundial é surpreendente.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:23:00 da manhã

Portaria ILEGAL:

Caro senhor, gostaria de lhe dizer que recusei todos os seus comentários em todos os textos, deixei este para que o possa avisar que não irei tolerar spam no meu blogue. Agradeço que deixe de o fazer, pois não sou a pessoa mais simpática ao cimo da terra.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:24:00 da manhã

I.D.Pena:

"-Bullshit !:D Quem n tem mestres?"

Eu!

"Até porque tu já me disseste em privado que tens !"

Bullshit, nunca disse tal coisa.

  Bruno Fehr

quinta-feira, março 26, 2009 11:24:00 da manhã

Luis:

Isso é pergunta para quem criou o mito urbano.

  Ana C. Nunes

segunda-feira, abril 13, 2009 4:52:00 da tarde

Eu pessoalmente acho que grande parte destes "pormenores" são visíveis porque as pessoas tem tendência a olhar demasiado para as coisas e tentar encontrar coisas onde elas não existem. A maioria dos pintores tem uma espécie de "assinatura", ou seja, sentem-se confortáveis a fazer um tipo de pintura e dedicam-se a isso, por isso não é de estranhar a série de quadros.
Eu pessoalmente nunca colocaria um quadro destes na minha casa. Podem estar muito bem pintados mas acho-os de um mau gosto ... (sem querer ofender ninguém). Crianças brutalizadas e a chorar, são um "Não" na minha sala.

  aNGie

terça-feira, abril 14, 2009 10:57:00 da tarde

Ainda hoje não entendo o prazer macabro em pintar as crianças num gesto de submissão e desespero.. será assim tão agradável? talvez no mundo da pedofilia, não no meu..

  Bruno Fehr

sexta-feira, maio 08, 2009 7:06:00 da manhã

Ana C. Nunes:

Sim, nós conseguimos ver tudo se procurarmos, mas não deixa de ser estranho as lágrimas, as roupas e os locais escuros e sombrios.

  Bruno Fehr

sexta-feira, maio 08, 2009 7:06:00 da manhã

aNGie:

A pedófilia tal como a homossexualidade não são coisas da sociedade moderna, mas sim coisas que já não se conseguem esconder tão bem.