Lawrence King

Lawrence King era um menino de 15 anos que foi morto com dois tiros na cabeça, dado por um outro menor de 14 anos, no dia 12 de Fevereiro de 2008. Ele foi morto porque perguntou ao amigo se ele queria ser o seu "Valentine", visto que o dia dos namorados se aproximava. O outro adolescente, sentiu-se tão ofendido, tão ameaçado na sua masculinidade que achou que a solução seria matar a outra criança!

O que é que isto nos diz?
Diz-nos que sim, que uma pessoa já nasce gay. Mas será que uma pessoa já nasce xenófoba? Não acredito. A xenofobia nasce em casa, e na minha opinião, se uma criança de 14 anos não é juridicamente responsável, os pais são-no pois a xenofobia não é genética.


Ninguém tem de gostar da homossexualidade, ninguém é obrigado sequer a ver a homossexualidade como normal. As pessoas podem criticar, falar, espernear, mas toda a gente tem de aceitar que ela existe, que é uma realidade, que não é contagiosa.
Eu não tenho o mínimo de curiosidade no que toca à homossexualidade, sou hetero e sei bem do que gosto, gosto de mulheres; altas, baixas, gordas, magras, louras, morenas, ruivas, com chantily ou a seco. Gosto e pronto. Mas, certo dia fui abordado por um gay num bar que se mostrou interessado em mim, eu não me senti ameaçado na minha sexualidade, eu disse não. Usei o mesmo lema que dizem para usar em relação às drogas, "just say no". Nós estamos a falar de homens e mulheres que gostam do mesmo sexo e não de extra-terrestres portadores de um vírus terrível que nos irá torna gays também. Podemos dizer não e o homossexual terá de aceitar o não, tal como nós temos de aceitar a homossexualidade como uma realidade social.

Será que mesmo após 25 a 30 mil anos de existência na terra e da constante presença da homossexualidade, ainda nos é assim assim tão difícil de a aceitar? Bolas, as pessoas aceitam um homem que passou a sua vida na companhia de mais 12 homens e veneram-no como o filho de Deus, mas a homossexualidade é inaceitável ao ponto de matar?

Lawrence King após levar os dois tiros na cabeça, foi declarado como cerebralmente morto, apesar do seu coração ainda bater. Ele foi mantido vivo até ao dia 14 de Fevereiro de maneira a poder doar os seus orgãos. O seu pai disse: "Se o meu filho tivesse de dar o seu coração a alguém, ele gostaria de o dar no dia dos namorados". E assim foi... pena que o tenha dado literalmente...

65 Comentários:

  Mel

quarta-feira, março 18, 2009 12:25:00 da manhã

Agora não passei para ver só os bonecos.
Conheço uma tipa que já me disse na cara vezes sem conta que se um dia tivesse um filho, preferia mil vezes que ele fosse um drogado a ser gay.
Este tipo de pensamento faz-me uma confusão do caraças, mas sinto que a pouco e pouco as mentalidades se vão alterando.
Não tenho filhos, mas se o meu sobrinho chegasse perto de mim, um dia, a dizer-me que é homossexual, acho que só lhe perguntaria se era feliz.

  Miss Me

quarta-feira, março 18, 2009 12:47:00 da manhã

A homossexualidade, em termos biológicos e evolutivos, não tem muita razão de existir, é certo (foi estudado e re-estudado, ainda que muito houvesse a dizer sobre isso, talvez um dia...). Pode fazer confusão a alguns, urticária a outros, etc. e etc. Há décadas que, felizmente, a homossexualidade foi abolida do DSM, a "bíblia das perturbações mentais".
Conseguimos adorar um homem que viveu entre 12 por motivos completamente diferentes, passo a provocação, mas aproveito-a: mesmo na igreja católica, o amor é universal e estende-se a todos, independentemente da orientação sexual. Esta orientação apenas define o objecto (nunca gostei desta palavra aplicada nestes caso) do nosso afecto, nada mais.
O meu primeiro caso clínico, já lá vão uns aninhos, versava precisamente esta temática, da aceitação por parte dos outros e da própria pessoa... Gostaria de saber quantas crianças teriam a coragem de fazer o que essa criança fez, arriscar (talvez não soubesse bem o quanto iria arriscar) em nome do que realmente importava: o amor.
Quanto à bestinha inimputável, aos 14 anos já se sabe muita coisa, como a diferença entre certo e errado. Sobre os pais, nem me ocorre comentário...

  Afrodite

quarta-feira, março 18, 2009 1:25:00 da manhã

Chocante...mas infelizmente é aquilo que o mundo onde vivemos tem para nos oferecer. Tenho pena do puto, muita pena...o outro provavelmente agora vai sentir que ser macho é levar no cu na prisão...estou certa que o vão fazer sentir, principalmente os panilas que por lá existirem.
Como costumo dizer, que atire a primeira pedra quem nunca pecou...já fui tentada por várias mulheres e um NÃO basta...amigas como sempre. Aliás, com homens é igual...uiii se desse tiros a todos aqueles que não me interessam ehehehehe...estava tudo fdd!

Está provado que há vários animais paneleiros portanto não é só o homem que apresenta este comportamento, ao contrário do que um ministro qualquer afirmou...golfinhos, macacos e por ai fora...gostam de levar na anilha e??? Tenho as minhas convicções e preferências, desde que não interfiram com este meu espaço, também não vou chatear os deles.

:) e este comentário é sério...

Abreijinhosssssss

  Nanda Assis

quarta-feira, março 18, 2009 2:01:00 da manhã

gostei desta aboradagem.

bjosss...

  Treze

quarta-feira, março 18, 2009 2:20:00 da manhã

É dificil mesmo! E não sei se alguma vez deixará de ser. Comentários como os que ouvi de um colega retiram-me alguma fé nessa matéria:
"Entreguem isto aos gays, entreguem..." (relativamente ao poderem casar)
Ao qual respondi (à altura e nos mesmo modos da estupidez) que "os heterossexuais que nos puseram em situações de merda".
Recebi uma a um nivel ainda mais elevado:
"Se não fossem os "electrossexuais" (foi mesmo isto, sem ironia) tu não tinhas nascido"

Argumentos?

Só um aparte. Ao escreveres "Diz-nos que sim, que uma pessoa já nasce gay" lembrei-me do que tinha lido anteontem de uma troca de comentários ao post "Direitos dos homossexuais".
Nem fazes ideia do tempo que "perdi" (bem empregue) à procura - tudo porque fui bem ceguinho para com a barra do lado esquerdo - e à procura dos respectivos comentário e resposta.

Comentário: "Uma criança já nasce gay. Está provado."

Resposta: Nao, nao está. Ainda é uma teoria, comprovada em alguns casos devido a uma diferenca de cromossomas, mas que na maioria dos casos, essa teoria é deitada por terra.

Nem sequer é para contrariar ou chatear, é mesmo para esclarecimento. O que se passou entretanto para afirmares agora isto de hoje?

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 2:52:00 da manhã

Mel:

Ainda não percebi bem toda essa problemática e acho que nem quero perceber.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 2:52:00 da manhã

Miss Me disse...

"mesmo na igreja católica, o amor é universal e estende-se a todos, independentemente da orientação sexual."

Uma das imensas contradições da igreja.

"Gostaria de saber quantas crianças teriam a coragem de fazer o que essa criança fez, arriscar (talvez não soubesse bem o quanto iria arriscar) em nome do que realmente importava: o amor."

O que me impressionou, foi a certeza de alguém tão jovem, quanto à sua orientação sexual. Mas julgo que a inocência aliada à homossexualidade é uma mistura perigosa para o homossexual, pois não é ainda aceite, se é que alguma vez será.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 2:52:00 da manhã

Afrodite disse...

"o outro provavelmente agora vai sentir que ser macho é levar no cu na prisão..."

Aos 14 anos, não é julgado como adulto, logo não irá preso. Irá para um reformatório até aos 18 e depois dependerá da avaliação dos psicólogos se é libertado ou se passa para uma prisão normal.

"golfinhos, macacos e por ai fora...gostam de levar na anilha e???"

Ahahaha, mas por outros motivos, não pela busca de prazer mas sim como uma maneira de se imporem na sociedade, o macaco que leva no cu, submete-se ao poder do enrabador.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 2:52:00 da manhã

Nanda Assis:

Obrigado.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 18, 2009 2:52:00 da manhã

Treze disse...

""Se não fossem os "electrossexuais" (foi mesmo isto, sem ironia) tu não tinhas nascido"

Argumentos?"

Essa palavra "electrossexuais" é exemplificativa do intelecto dessas pessoas. Acho que não dá para ter uma discussão nem se deve dar atenção.

"Comentário: "Uma criança já nasce gay. Está provado."

Resposta: Nao, nao está. Ainda é uma teoria, comprovada em alguns casos devido a uma diferenca de cromossomas, mas que na maioria dos casos, essa teoria é deitada por terra."

Exactamente, mas essa diferença cromossómica define a sexualidade, apesar de haver os homossexuais por escolha ou por trauma. Mas uma criança homossexual já nasce assim, pois terá essa diferença. No entanto há os que descobrem mais tarde, regra geral esses são-no por escolha.

"Nem sequer é para contrariar ou chatear, é mesmo para esclarecimento. O que se passou entretanto para afirmares agora isto de hoje?"

Pois no texto que escrevi, falei nos dois casos, os que nascem assim e os que escolhem esse caminho. Nada mudou.

  Ms. Myself

quarta-feira, março 18, 2009 10:23:00 da manhã

Estas cenas revoltam-me tanto!
Eles são pessoas como nós, só gostam é de pessoas do mesmo sexo... Não é por causa disso que devem ser descriminadas... Coitado do Lawrence nem chegou a viver por causa de gente estúpida que dão um belo exemplo aos filhos... A educação começa mesmo dentro de casa, para tudo! E sem sombra de dúvida que o "assassinador" o fez influenciado pela sua querida família...

  Sanxeri

quarta-feira, março 18, 2009 10:45:00 da manhã

Que monstruosidade.

Uma criança assim tão má, choca-me imenso.

Pobre rapaz, que não soube que neste mundo é culpado por ser diferente.

  HAZEL

quarta-feira, março 18, 2009 11:02:00 da manhã

E ainda falta questionar o que fazia um menor com uma arma de fogo, ainda por cima carregada.

  Joaninha

quarta-feira, março 18, 2009 11:27:00 da manhã

Pfff ainda estou a bater mal com o que li, como mas como é que isto é possível?!Fiquei revoltada com a atitude da crianaça que deu os tiros, mas mais revoltada com os papás que deve ter em casa e maravilhada com a bondade dos pais da criança que sofreu os tiros que tiveram coragem para doar os orgãos do filho e de entenderem o que se passava no coraçaozinho pequenino daquela criança inocente. To triste!

  Paula

quarta-feira, março 18, 2009 11:31:00 da manhã

bom, isto é de facto um caso grave e às vezes tenho as minhas dúvidas quanto à evolução da humanidade em termos de aceitação das diferenças.
na américa há crianças que mal nascem os pais já lhes arranjam licenças para uso e porte de arma...o que não deixa de ser chocante o culto da arma.
a homossexualidade não me faz confusão nenhuma, apesar de não estar provado acho que devem haver os que nascem assim e os que o são por escolha e sinceramente é para o lado que eu durmo melhor!
também tenho um amigo que fica em pânico só de pensar que o seu filho pode ser gay. não compreendo!
há coisas tão piores para se ser neste mundo!

  VCosta

quarta-feira, março 18, 2009 11:40:00 da manhã

Nada do género justifica uma morte destas... é triste pensar que já se mata na adolescência por situações destas!!!
Quanto à homossexualidade nada a favor nem contra...

  Jo

quarta-feira, março 18, 2009 11:52:00 da manhã

Nao sou contra a homossexualidade e respeito as opçoes de cada um, independentemente de o perceber ou nao (nao percebo).
Ja a xenofobia é condenavel. E sinceramente esta situaçao que contaste revoltou-me o estomago... as pessoas estao habituadas a serem clones uns dos outros, nao aceitam as diferenças sejam estas quais forem... hoje em dia, se nao vestimos a mesma roupa e calçamos os mesmos ténnis ja somos "isto e aquilo"... enfim...

  Afrodite

quarta-feira, março 18, 2009 11:52:00 da manhã

Eheheheh desculpa que te pergunte mas quem é que diz que o golfinho ou o macaquinho não sente prazer??? Cá para mim essa da explicação que é por luta pelo poder é uma desculpa de cientistas machistas :). Não estou a ver um macaco a arrancar uma orelha a outro para mostrar quem manda, vão ao rabinho e quem leva nele sabe que é bom...portanto...vai na volta essa teoria não é a certa :)! Gostam sim e MUITOOOOO! Até se esquecem da fêmea, vão lá só para procriar. Ahhh e mais...os golfinhos sofrem violações, os mais novos dos mais velhos. Isto há coisas na natureza upa upa...e eles que têm um ar tão querido e fofo! :)

Abreijinhossss...e sim eu vejo sempre o National Geografic :)

  Diabólica

quarta-feira, março 18, 2009 1:59:00 da tarde

Para mim nada justifica um crime destes, muito menos a homossexualidade. Cada ser humano tem direito à sua orientação sexual, seja ela qual for, e só tem de ser respeitado por isso, e mais nada.

Tenho dito.

Beijinhos.

  Green Eyes

quarta-feira, março 18, 2009 3:37:00 da tarde

para mim o mais greve(dentro do grave) é uma "criança" de 14 anos resolver os seus problemas com tiros :{

  André

quarta-feira, março 18, 2009 3:38:00 da tarde

O miúdo até que (e será o mais certo de pensar) terá tido tal atitude por aquilo que foram alguns valores transmitidos pelos pais, mas depois também há o outro lado, como por exemplo se um miúdo vê na rua algum tipo de intimidade entre duas pessoas do mesmo sexo e não tem que lhe explique que é algo 'normal' de acontecer, não poderá também fazer com que o miudo pense qu também ele o deve de 'fazer' com algum amigo!

A homossexualidade continua a ser um tema muito delicado e muito por que as pessoas preferem apontar o dedo e condenar é mais fácil para elas de 'convirem' com isso. Eu mesmo me sinto muitas vezes incomodado por ver dois homens a terem certo tipo de intimidades, mas entendo como eu gosto de estar com uma mulher, gostem de estar com alguém do mesmo sexo, mas é uma situação com que as pessoas tão cedo não conseguirão conviver facilmente.

  Sandra Oliveira

quarta-feira, março 18, 2009 3:47:00 da tarde

Um à parte:

Com que então bully...


A propósito da noticia, é, no minimo, chocante.

  Izzi

quarta-feira, março 18, 2009 3:47:00 da tarde

Concordo em pleno com o que escreveste sobre a homossexualidade, mas como já se escreveu por aqui, o preconceito ainda é tão forte. Essa dos pais preferirem que o filho seja drogado a ser gay já eu ouvi várias vezes, algumas em tom de brincadeira, mas que de brincadeira não tem nada...

Deixei-te um desafio AQUI.

**

  Allie

quarta-feira, março 18, 2009 4:43:00 da tarde

Sabes, a minha mãe era uma mulher crente, de muita fé. E educou-nos para sermos como ela. As minhas irmãs ainda são praticantes, eu afastei-me disso vai para 10 anos, e só não me digo ateia porque é dificil dissociar-me de 18 anos (os primeiros da minha vida)a seguir essa formação e crença. No fundo, acho que ficarei sempre com a dúvida, ou pelo menos deixarei em aberto a hipótese de não ter razão. :)

Quero com isto dizer que concordo contigo quando dizes que o xenofobismo começa em casa, no entanto, como seres racionais que somos, essa desculpa deixa de fazer sentido a partir de uma certa altura. No caso específico o homicida é ainda jovem, mas não tão jovem que não soubesse que estava a agir de forma errada. Não falo em aceitar os homossexuais, pois isso já está claramente enraizado na mente dele, mas fazer o que ele fez. Porque pode não os aceitar, mas ele vive em sociedade e terá semrpe de cumprir as regras de boa cidadania.

Isto faz-me pensar que é urgente a inclusão no programa educacional de aulas de cidadania e educação cultural. Especialmente, se levarmos em conta que hoje em dia, lidamos com pessoas dos mais variados países e existe muita ignorância acerca do seu modo de vida. A incompreensão leva ao medo, e o medo a acções desmedidas.

  Silvia F.

quarta-feira, março 18, 2009 5:11:00 da tarde

Este comentário foi removido pelo autor.
  Ana C. Nunes

quarta-feira, março 18, 2009 5:23:00 da tarde

Parece realmente inacreditável que uma coisa destas ainda aconteça nos dias de hoje, com a informação que há. Mas a verdade é mesmo essa. O mundo continua tão ou mais retrógrada que há 20 anos atrás.
Os pais do Lawrence é que devem ter ficado de rastos. E, na minha muito sincera opinião, uma criança (que já não é bem criança) de 14 anos sabe muito bem o que faz e deve ser responsabilizada pelos seus actos, especialmente em casos tão graves como este.

Só não concordo com uma coisa que disseste ... para mim a homossexualidade não vem de nascença! Vai do tipo de mentalidade que nos rodeia, do que vemos, do que absorvemos e de como decidimos interpretar tudo isso.

  anatcat

quarta-feira, março 18, 2009 6:00:00 da tarde

Se há coisa que eu não consigo conceber, é o preconceito.

Aliás torno-me violentamente protestadora quando me deparo com preconceituosos.

Tenho preconceito contra qualquer tipo de preconceituoso. Sério. Acho-os estúpidos e nada ou menos que zero inteligentes e com uma falta de personalidade ou de saberem o que querem da vida elevado ao infinito.

Bom, desculpa o desabafo,
Bjs

(queres que te faça gargalhar outra vez? cá vai: you're own my personal jesus! lol lol lol)

  Afrika

quarta-feira, março 18, 2009 7:23:00 da tarde

Acho que nunca estive tão plenamente de acordo contigo!

  Maya Gaarder

quarta-feira, março 18, 2009 8:12:00 da tarde

Ainda ha bem pouco tempo numa conversa com colegas, um deles disse a mesma barbaridade que a Mel referiu: que preferia um filho drogado a um gay.
Ficou escandalizado quando respondi que se o meu filho algum dia me disser que o é ou demonstrar essa preferência serei a primeira a apoia-lo.
O que interessa é que seja feliz e se sinta em paz com aquilo que é e sente.
Se em vez de uma nora tiver um genro, na boa!
Mas infelizmente acredito que o preconceito não vai desaparecer facilmente.
Ah, esse meu colega tem 21 anos. Nem sequer tem a desculpa da mentatlidade antiquada.
Como sempre, estiveste bem :)

  São

quarta-feira, março 18, 2009 9:02:00 da tarde

É assustador ver um miúdo de 14 anos com uma mentalidade que o leva a ficar ofendido na sua masculinidade por causa da homossexualidade do colega, e também o facto de ele ter acesso a uma arma e partir logo para a violência disparando sobre o colega em vez de resolver o assunto conversando.
Penso que os pais deviam ser mais responsabilizados, pelas atitudes dos filhos menores, pois devem ser eles primeiramente a incutir valores, a ensinar os filhos a respeitarem-se e a respeitar os outros, a aceitar todos e cada um nas suas diferenças.

  claudia oliveira

quarta-feira, março 18, 2009 9:29:00 da tarde

um tema polemico. um texto mto bem escrito. acho que deveriam ler este txto. mtas pessoas que conheço. tenho pena que seja assim. tenho pena dos ignorantes

  Fada

quarta-feira, março 18, 2009 9:32:00 da tarde

Pobres garotos...
Um porque levou um tiro, outro porque se achou no direito de o fazer...

Tristeza... :(

Beijito

  Blue Mayfly

quarta-feira, março 18, 2009 10:39:00 da tarde

Ainda existe um caminho muito longo a percorrer até que situações de diferença face à norma instituída sejam completamente aceites (podemos falar desde o microssistema familiar até ao sistema mais abrangente de sociedades e culturas específicas). Muitas vezes pergunto-me porque razão as pessoas têm dificuldade em aceitar determinado tipo de características. A única conclusão a que chego é que as pessoas perante a diferença tendem a colocar-se em perspectiva, o que não é um processo fácil.
Por outro lado, o modo como as pessoas lidam com o que é diferente de si também é curioso. Ou existe uma rejeição exacerbada, que pode chegar a uma reacção extrema como esta, ou existe a chamada discriminação positiva em que há uma tentativa não genuína de aceitação/integração em que a pessoa é vista como frágil ou merecedora de tratamento diferenciado/especial devido a essa característica. No caso da homossexualidade lembro-me de exemplos como: "eu aceito perfeitamente gays, tenho amigos meus aue são, ah, mas nada de se fazerem a mim"; "o meu melhor amigo é homossexual, ah é tão querido, sensível e fofo para homem, percebes?"; "É gay? Coitadinho, sempre soube que ia ser, afinal a mãe só lhe dava bonecas e nunca lhe deu amor. Bem que o podiamos convidar para jantar... mas sozinho"...
Enfim. Era bem melhor se as pessoas desligassem o complicómetro.

  Femme Fatale

quarta-feira, março 18, 2009 11:07:00 da tarde

Nem estou a acreditar no que estou a ler! Se fossem 2mulheres ja era normal não? este mundo está perdido... completamente mesmo!

  Treze

quinta-feira, março 19, 2009 2:04:00 da manhã

Então vê isto. Desculpa, mas nem de animais podem ser qualificados.

http://www.actionaid.org/pages.aspx?PageID=34&ItemID=447

  Sophie

quinta-feira, março 19, 2009 2:11:00 da manhã

É realmente uma situação muito triste.
:(

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:27:00 da manhã

Ms. Myself:

Eu acho isso mesmo, pois a nossa forma inicial de ver o mundo e lidar com ele vem dos nossos educadores, só muito mais tarde desenvolvemos opiniões nossas.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:27:00 da manhã

Sanxeri:

Claro que ele cometeu um crime, mas por exemplo aqui na Alemanha há uma lei que prevê a punição dos pais pelos crimes dos filhos, se ficar provado que esse crime foi motivado pela educação ou pressão em casa.

Há imensos casos de filhos a matar as mães sob influencia do pai. Regra geral na comunidade muçulmana.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:28:00 da manhã

HAZEL:

Em países como os EUA, Alemanha e Finlândia (entre outros), cada lar tem uma ou mais armas.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:28:00 da manhã

Joaninha:

Os pais deste rapaz entendiam e aceitavam-no como ele era. Como se pode ver pela foto era normal ele pintar-se e por vezes vestir alguns artigos femininos. Nem ao (por vezes) usar roupas femininas ele tinha sido censurado na escola, parecia ser aceite.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:28:00 da manhã

Paula:

Sim nos EUA só podes beber álcool aos 21 anos, mas podes tirar a carta e pedir uma licença de arma aos 16.

Há casos que a nível cromossómico a criança já nasce gay, são casos raros mas são casos reais. Se bem que a maioria ainda é por opção consciente ou inconsciente.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:28:00 da manhã

VCosta:

Eu também sou indiferente à homossexualidade.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:28:00 da manhã

Jo:

Cada noticia destas, perco um pouco mais de fé na evolução humana.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:29:00 da manhã

Afrodite:

Fui ao Zoo e perguntei a um macaco, ele diz que não curte mas se não deixa levas sovas que doem ainda mais.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:29:00 da manhã

Diabólica:

Estou curioso no que toca à punição, estou a investigar.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:29:00 da manhã

Green Eyes:

Isso só acontece porque tem acesso a armas e já sabe trabalhar com elas.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:29:00 da manhã

André:

Isso é que deveria ser investigado, se a criança o fez porque foi educado com base no ódio pela diferença ou se o fez por medo da diferença.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:29:00 da manhã

Sandra Oliveira:

Sim, demorei muito tempo a admitir.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:30:00 da manhã

Izzi:

Falarei no desafio amanha.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:30:00 da manhã

Allie:

Sim, tem de haver informação e essa informação só pode ser dada nas escolas pois ela é muitas vezes vedada em casa. Mas para ser dada nas escolas tem de ser imposta pelo estado e isso é que é difícil, pois o próprio estado é conceituoso.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:30:00 da manhã

Ana C. Nunes:

Acontece porque há muitos pais com mentalidades retrógradas a vedar a informação aos filhos.

A criança deve e vai ser responsabilizada, possivelmente irá passar os próximos 7 anos preso até atingir a maioridade. Mas é importante saber se os pais não o ensinaram a agir com base no ódio. Aí, a culpa é partilhada.

"Só não concordo com uma coisa que disseste ... para mim a homossexualidade não vem de nascença!"

Eu não disse que vinha, eu disse que há casos onde está provado vir, ou seja nas anomalias cromossómicas.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:30:00 da manhã

anatcat:

Eu sou preconceituoso em relação à estupidez humana e sempre o serei, mas daí a tentar exterminar os estúpidos, vai um longo caminho.

"(queres que te faça gargalhar outra vez? cá vai: you're own my personal jesus! lol lol lol)"

No, I am really God!

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:30:00 da manhã

Afrika:

Tu de acordo? Ai!

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:31:00 da manhã

Maya Gaarder:

Pessoalmente preferia ter 10 filhos gay que 1 drogado.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:31:00 da manhã

São:

Eu acho que deveria haver uma investigação sobre os pais.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:31:00 da manhã

claudia oliveira:

O problema é que este garoto matou, mas quantos mais o pensaram fazer? Quantas pessoas acham que ele agiu correctamente?

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:31:00 da manhã

Fada:

Realmente, duas vidas destruídas e várias afectadas por algo evitável.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:31:00 da manhã

Blue Mayfly;

"lembro-me de exemplos como: "eu aceito perfeitamente gays, tenho amigos meus que são, ah, mas nada de se fazerem a mim"; "o meu melhor amigo é homossexual, ah é tão querido, sensível e fofo para homem, percebes?"; "É gay? Coitadinho, sempre soube que ia ser, afinal a mãe só lhe dava bonecas e nunca lhe deu amor. Bem que o podiamos convidar para jantar... mas sozinho"..."

A frase que acho mais grave e mais comum é quando dizem "eu nao tenho nada contra a homossexualidade, eu até tenho amigos gay".

Este "até" na frase é o seu cérebro a pregar-lhes uma partida mostrando que afinal existe um preconceito mas que é disfarçado de aceitação.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:32:00 da manhã

Femme Fatale:

Sim, a cada noticia destas eu acho que o ser humano não tem futuro, nem o deve ter.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:32:00 da manhã

Treze:

Já tinha visto isso, é chocante que essas pessoas tivessem durante anos lutado pela sua liberdade, lutando contra o preconceito racial, para agora iniciarem um preconceito sexual.

  Bruno Fehr

sexta-feira, março 20, 2009 6:32:00 da manhã

Sophie:

É sim.

  HCS

sexta-feira, março 20, 2009 7:58:00 da manhã

Bruno, francamente.Jesus andava no meio de 12 homens, mas nao quer dizer que tivesse relacoes com eles, por amor de Deus...

O facto de Jesus andar no meio de homens nao legitima a sexualidade.

Quando Jesus disse que deviamos amar os outros como a nos mesmos, certamente que se estava a referir tb. aos homossexuais. Mas uma coisa e ama-los e outra coisa e pactuar com as suas escolhas sexuais. Eu tenho muitos amigos, excelentes pessoas homossexuais, respeito-as mas nao posso dizer-lhes que acho que esta correcto, so porque esta na moda ou outra desculpa qualquer, simplesmente porque e contra-natura. O anus nao esta preparado para ser penetrado, nao possui lubrificacao e todos os homossexuais tem problemas de distensao anal, relaxamento dos esfincteres do anus, hemorroidas e outras coisas piores que nem digo.

Quando fazemos algo que coloca a nossa integridade fisica em jogo, e logico que nao devemos pactuar com isso, porque se assim fosse, nao amariamos os outros como a nos mesmos. Tu gostavas de ter hemorroidas, feridas anais, relaxamento muscular ao ponto de nao conseguires conter os gases em publico e tantas outras coisas? Penso que nao...

  Bruno Fehr

segunda-feira, março 23, 2009 8:04:00 da manhã

HCS disse...

"Bruno, francamente.Jesus andava no meio de 12 homens, mas nao quer dizer que tivesse relacoes com eles, por amor de Deus..."

Aí está o segredo de deixar as palavras serem interpretadas. Eu não disse que teve, mas ninguém pode provar que Jesus morreu virgem, seja hetero ou homo, pois ela era homem e por mais que o tentem fazer de Deus era mortal e passível de paixões, erros e desejos.

  aNGie

terça-feira, abril 14, 2009 10:53:00 da tarde

grande texto, senhor bruno..
este é, sem duvida, um mundo revoltante e sem escrupulos..

  Bruno Fehr

sexta-feira, maio 08, 2009 7:04:00 da manhã

aNGie:

Só o vejo com tendência a piorar...