Generalização


Eu tenho reparado que há pessoal que adora dizer: "estás a generalizar", "olha que generalizar é errado", "eu acho que existem excepções".
Eu acho que quem escreve isto de toda a vez que abordo um tema mais controverso, é alguém que:

- Não conhece a regra básica, de todas as regras terem uma excepção.

- Não sabem o que dizer, mas precisam de contrariar o texto.

Eu não acredito que exista um ser humano que não saiba que a excepção está implícita em qualquer regra. Acredito sim, que existam seres humanos que achem que é errado eu escrever alguma coisa certa.

Se disser que "O Português é racista", eu nem imagino quantas pessoa me vão acusar de generalizar, não querendo ver que a generalização é cultural e não individual. Sim, pois culturalmente ainda somos racistas. Menos que há 50 anos e muito menos que há 200 anos, mas somos.
Quando escrevo de uma forma generalizadora, num tema sensível, é sempre visto como erro no meu discurso, pois parece que o meu discurso mesmo quando é correcto tem de ter um erro e esta "generalização" por vezes é o único erro no meu raciocínio.

Agora, se eu disser "Enquanto cago, canto o Mahna mahna dos marretas", aqui a malta percebe que eu por vezes canto, mas certamente não sempre que cago. Visto que o assunto não é sensível, o perigo da generalização, já não é um factor importante.
Pessoalmente, tenho de afirmar que o segundo comentário é bem mais grave em termos gerais, pois coloca em causa a minha sanidade mental. Mas para quem lê, e sente um desejo incontrolável de discordar e não tem como, já não é argumento.

Escrever é generalizar. Não há necessidade de a cada afirmação escrever "
excepções", pois além de tornar o texto horrível, eu teria de a usar, depois de cada afirmação fosse ela qual fosse, pois tudo tem excepções, excepto a estupidez humana, que é infinita, total e dominadora. Um estúpido é sempre estúpido, pode não ser burro, mas a estupidez é geral.
Por vezes sinto a necessidade de escrever adendas a informar que estou a ser tendencioso, generalizador, irónico, etc, etc. Estas adendas além de parecer que não resultam, o que coloca em causa a maneira como as pessoas lêem (que acredito ser na diagonal), mas é também um insulto a quem interpreta correctamente, que irá pensar "Lá está este com a mania que é mais inteligente que os outros". Desculpem. Não tem a ver com isso, mas sim, com o simples facto de o argumento mais comum usado contra mim, é este.

Escrever é generalizar, ponto. A excepção está incluída em qualquer raciocínio, em qualquer resultado. Até na matemática que é uma ciência exacta existem excepções, pois o resultado está sempre certo, excepto quando está errado, pois as pessoas erram.
N
ão vejo qualquer problema em generalizar. Qualquer texto generaliza. O que não entendo é que as pessoas não percebam que a excepção existe e que está implícita em tudo o que é dito, escrito, criado.

Não sei... talvez esteja a generalizar sem excepção aqui, mas é que não encontro excepção para a minha teoria.

80 Comentários:

  Sanxeri

terça-feira, março 10, 2009 9:22:00 da manhã

Todos nós generalizamos várias vezes ao dia. Quando dizemos que os ciganos são ladrões, que os brasileiros só vêm para Portugal gamar, que as mulheres que se vestem de maneira provocante querem engatar homem... Enfim. Baboseiras. :P

  I.D.Pena

terça-feira, março 10, 2009 9:29:00 da manhã

É certo Bruno, mas tb o que seria da racionalização se não fosse a generalização ?

O problema é que as pessoas não gostam de ouvir verdades, quanto mais ler, mexe com as suas crenças estupidas de coisa nenhuma. Mas nada como um facto para validar um argumento.

A estupidez é infinita mas não é geral.

Por isso não concordo completamente com "escrever é uma generalização" acredito que seja mais uma racionalização. Pois o propósito da generalização é esse.

É costume acharem que o pensar muito faz mal, e isso é estupido, desde quando que pensar faz mal?

Para além do mais as pessoas estupidas terão sempre algo estupido para dizer.

Ó para mim a estupidificar :D

  Allie

terça-feira, março 10, 2009 9:54:00 da manhã

Todos nós generalizamos mesmo sem dizer que "todos são assim ou assado". Observar o comportamento de alguém em determinada situação e presumir que de seguida fará isto ou aquilo, tendo em conta que é o que a maioria faz, não será generalizar? Assumir que reunidas certas condicionantes o nosso comportamento será igual ao dos outros?

  vício

terça-feira, março 10, 2009 10:10:00 da manhã

será que o problema não é haver pessoas com uma visão tão limitada que apenas olham para elas próprias?
e por causa disso acho que deves começar a escrever, depois de qualquer generalização, "excepto X, Y, Z,..." (e mesmo assim não vais agradar)

  AP

terça-feira, março 10, 2009 10:11:00 da manhã

Tens toda a razão.
Subscrevo e assino por baixo. Se bem que por vezes, não é o teu caso, há pessoas cuja escrita parece demasiado redutora e pouco fundamentada, dando a imagem que são demasiado rígidos e dogmáticos nos seus argumentos, nos quais não parece caber a excepção. Mas aqui remeto-me para o teu excelente post sobre o escrever bem e bem escrever.
Mais uma vez parabéns pelo excelente texto.

  Teté

terça-feira, março 10, 2009 10:34:00 da manhã

Fiz bem em não acreditar... :)))

Então vamos lá às tuas generalizações:

1º Também concordo que a maior parte do pessoal lê em diagonal, mas há excepções (ah, ah, ah, esta era só brincadeirinha, OK?);

2º Já concordei muitas vezes com o que escreves, muitas vezes polémico, outras a dar para o exagerado, mas parece-me a tua maneira de pensar e de escrever, sem as ditas "papas na língua";

3º "O Português é racista"? Chamar-lhe-ia "selectivo" ou "maniqueísta": diz muito mal de si próprio, como povo em geral; mas acha-se superior a negros, ciganos, brasileiros, muçulmanos e a mais uns quantos que professam outras culturas e religiões, mas inferior a quase todos os restantes povos europeus, que bajula, idolatra e copia, como se isso fosse uma grande benesse e fizesse de si próprio um ser mais culto e inteligente; taco a taco, talvez só com "nuestros hermanos", nas cantigas de mal e bem dizer;

4º Se cantares enquanto estás na sanita ou no duche, epá, problema teu!; :D

5º A estupidez humana também me espanta sempre! Escrever pode ser opinar, inventar, generalizar, informar, etc. e tal, mas nunca o ponto de vista é totalmente isento de subjectividade...

E pronto, já me alonguei! ;)

  mjf

terça-feira, março 10, 2009 10:36:00 da manhã

Olá!
Acho que deves continuar a escrever, fazendo muitos bons textos, e não dares tanta importância a quem não te consegue acompanhar intelectualmente ;=)

Beijocas

  Sandra Oliveira

terça-feira, março 10, 2009 11:21:00 da manhã

Pronto, agora vou andar o dia todo a cantar o manha manha, tutururu..

  Pax

terça-feira, março 10, 2009 11:34:00 da manhã

- Eu acho que tu generalizas muitas vezes, parecendo que esqueces (tu próprio) que existem excepções.

- Pronto, já contrariei mas é o que acho muitas vezes. Muitas, não todas, que eu detesto gerenalizar :)

  provocação

terça-feira, março 10, 2009 12:26:00 da tarde

Não sei....olha que estou aqui a pensar e acho que estás a generalizar.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:01:00 da tarde

Sanxeri:

É verdade, mas é preciso generalizar não podemos agora dizer que os ciganos são ladroes excepto o André, o João, a Susana, o Filipe, etc, etc, etc, etc...

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:01:00 da tarde

I.D.Pena disse...

"É certo Bruno, mas tb o que seria da racionalização se não fosse a generalização ?"

Então gostaria de ver mais racionalização. Eu estive num texto antigo em que encontrei 10 comentários a um texto a dizer que eu estava a generalizar... será que não percebem que eu sei que estou?

"Por isso não concordo completamente com "escrever é uma generalização" acredito que seja mais uma racionalização."

Mas é sempre um genralizacao. Se um cantor escreve "love hurts", está a generalizar como se o amor doesse sempre ou a toda a gente. Quando dizem que os Portugueses bebem demais estão a generalizar porque muitos não bebem. Não importa o lês, o que ouves, estará lá um generalização, porque tem de estar.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:09:00 da tarde

Allie disse...

"Todos nós generalizamos mesmo sem dizer que "todos são assim ou assado". Observar o comportamento de alguém em determinada situação e presumir que de seguida fará isto ou aquilo, tendo em conta que é o que a maioria faz, não será generalizar?"

Claro que sim, ao dizer "o homem é parvo" estou a generalizar mesmo sabendo que nem todos os homens o sao. Mas ser parvo não deixa de ser regra, pois a maioria é-o.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:09:00 da tarde

vício disse...

"e por causa disso acho que deves começar a escrever, depois de qualquer generalização, "excepto X, Y, Z,..." (e mesmo assim não vais agradar)"

Pois, terei de escrever, primeiro nome, nome de família e cidade de residência.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:09:00 da tarde

AP disse...

"Subscrevo e assino por baixo. Se bem que por vezes, não é o teu caso, há pessoas cuja escrita parece demasiado redutora e pouco fundamentada, dando a imagem que são demasiado rígidos e dogmáticos nos seus argumentos, nos quais não parece caber a excepção."

No entanto "estás a generalizar" é a frase mais repetida nos perto de 27.000 comentários deste blogue.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:10:00 da tarde

Teté disse...

Mesmo que nao fosse polémico ou exagerado (o que prefiro chamar, radical), iria generalizar.

Vamos ver a missa, o padre ensina que "Deus é bondoso", depois vamos à bíblia e vemos com iremos arder nos fogos do inferno por ter comido um exagero de chocolate.
Mostra-me um texto e eu mostro-te uma generalização.

  André

terça-feira, março 10, 2009 1:18:00 da tarde

Por isso é que as regras existem para serem quebradas, por que tem que haver excepções. Generaliza-se muitas vezes também como forma de ser mais vasto no que se diz ou escreve, e nunca podemos apontar directamente a um individuo, pois todos os restantes também o fazem.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:19:00 da tarde

mjf:

Continuar nao está em questao, mas torna-se irritante quando muitas vezes o comentário me acusa de generalizar e me dao um outro ponto de vista generalizador... parece-me leitura selectiva.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:19:00 da tarde

Sandra Oliveira disse...

"Pronto, agora vou andar o dia todo a cantar o manha manha, tutururu.."

Nao serás a única :)

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:20:00 da tarde

Pax disse...

"- Eu acho que tu generalizas muitas vezes, parecendo que esqueces (tu próprio) que existem excepções."

Eu não generalizo muitas vezes, eu generalizo sempre e posso encontrar generalizações em 75% dos teus textos ou dos textos de qualquer pessoa.
Eu sou dos únicos que sabe que há excepções, pois não sou a comentar "estás a generalizar". Só me dá vontade responder, "Obrigado senhora óbvio.

"- Pronto, já contrariei mas é o que acho muitas vezes. Muitas, não todas, que eu detesto gerenalizar :)"

No teu último texto quando dizes "Barrigas encostadas ao balcão", não será generalizar? Claro que pode afirmar que todas tinham a barriga encostada ao balcão, mas eu duvido. Ou "Toda mole e às fatias?!", não será o toda uma generalização visto que ainda não tinha comido?

A verdade é que quem comentar "Acho que estás a generalizar", pode usar esta frase em 90% dos textos na blogosfera, pois será uma verdade, mas quem escreve sabe que o faz, quem lê deveria saber que ele sabe também que poderá haver excepções.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:20:00 da tarde

provocação disse...

"Não sei....olha que estou aqui a pensar e acho que estás a generalizar."

Acho que o teu comentário é generalizador da minha generalização.

  Who Am I

terça-feira, março 10, 2009 1:22:00 da tarde

A tendência que tenho, para te ver escrever que existem excepções, para te ler nas adendas, para te contrariar, tem a ver com o lado obstinado que grita em alguns textos teus...como se fosses criança a quem é preciso relembrar:

"Eh menino, não é necessariamente assim!"

Se bem, que também pode haver a vertente, deixa-me saber contigo...

O resto...preciosismos...

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:24:00 da tarde

André disse..

"Generaliza-se muitas vezes também como forma de ser mais vasto no que se diz ou escreve, e nunca podemos apontar directamente a um individuo, pois todos os restantes também o fazem."

Claro que sim:

"Os politicos sao corruptos", dizem isto e sabemos que haverá algures no mundo um politico honesto.

  Bruno Fehr

terça-feira, março 10, 2009 1:28:00 da tarde

Who Am I disse...

"A tendência que tenho, para te ver escrever que existem excepções, para te ler nas adendas, para te contrariar, tem a ver com o lado obstinado que grita em alguns textos teus...como se fosses criança a quem é preciso relembrar:

"Eh menino, não é necessariamente assim!""

Porque motivo quando escrevo o meu lado tem de ser obstinado e não o meu lado radical por ter opinião formada? Porque é esse o problemas, as pessoas cada vez menos formam opiniões, limitando-se a esperar que alguém forme uma e depois elas adoptam-na como sua.

"Se bem, que também pode haver a vertente, deixa-me saber contigo..."

Para apresentar um outro ponto de vista, dizer "estás a generalizar", nao contribui nada para a ideia apresentada.

  Manuel de Jesus

terça-feira, março 10, 2009 1:53:00 da tarde

Acho que estás a generalizar:)

Eu por defeito sou do contra, isso faz de mim um chato e numa discussão que se queira produtiva, um elemento dinamizador, porque argumento as minhas objecções e tenho uma pequenina capacidade de reconhecer quando estou mesmo errado, o que acontece muito raras vezes, embora seja sempre do contra.

Já o afirmaste várias vezes, que te orgulha ter um blog onde o mais interessante são os comentários e os comentadores, se não fossem aparecendo por aqui os chatos como eu, este espaço depressa se converteria numa casa do Benfica (ou do Sporting ou do Porto, que eu sou “agnósticódesportivo”) onde a culpa da derrota nunca é do nosso clube, tenho a certeza que não é isso que te motiva. Por outro lado este espaço perdeu muito da dinâmica que tinha por teres activado a moderação de comentários, entendo que pretendas exercer uma actividade profilática antiparasitas, mas acho que devias ser superior e reconsiderares esta situação, não generalizes os teus ouvintes pá.

Como vês, acabo de te dar razão, como não tinha nada de interessante para dizer fui do contra e não consegui ser a excepção à tua generalização:)

Já agora, acho que devias explicar aos poucos dotados como eu, o funcionamento da tua janela de comentários, que até resulta muito bem, se em vez de “clicarmos” com o botão da esquerda, “clicarmos” com o botão da direita e fizermos “open in a new tab”, aqui o Scolari demorou uma semana a perceber:)

  Van

terça-feira, março 10, 2009 2:51:00 da tarde

Lá tá ele a generalizar... :D (era só pra não ficar calada...o meu cérebro hoje não funciona...)

  Afrodite

terça-feira, março 10, 2009 5:22:00 da tarde

Porrrrr favooorrrr, quando estiveres a cantar a cagar, liga-me...sim??? Quero tanto ouvir a musica dos marretas enquanto cagas. Prometes???
Eu quando cago canto: "Caiiii cagalhãooooo caiiiii, cagalhãooooo caiiiiiiii!" ehehehehhe! Partilhamos???

Deixei de ter anónimos, estou aborrecida e triste ehehehehhe!

Abreijinhossssssssssssssssss generalizados mas em particular um direccionado no local que escolheres :)

  caditonuno

terça-feira, março 10, 2009 5:40:00 da tarde

e a questão imõe-se: és tu mais inteligente que os outros ou são eles que se esforçam demais?

  Maguita

terça-feira, março 10, 2009 5:50:00 da tarde

Boa tarde!
Vim aqui meter o bedelho e gostei dos textos na sua generalidade :)
Eu acho que a generalização existe a par da excepção... muitas vezes a generalização é uma banalização e outras a excepção é banal por ser usual... portanto usa generalizações e excepções a teu belo prazer e a prazer do texto... que de prazer a quem lê e quando não der... pode ser uma excepção...

  Fada

terça-feira, março 10, 2009 5:52:00 da tarde

Ainda bem que generalizas e que admites a existência das excepções... Já fico muito mais descansada acerca do post dos cabrões e dos lambe-conas....

ahahahahah

Beijitos :D

  vita

terça-feira, março 10, 2009 5:58:00 da tarde

Pronto, um bom texto a gerenalizar todo o leitor;)

Ah espera, fazes excepções aos intelectualmente abastados;P

haahahahhahahaahha

  Paula

terça-feira, março 10, 2009 6:11:00 da tarde

por acaso, mas só por acaso concordo contigo.
às vezes estou a ler textos de outros blogs e naquela generalização óbvia eu acabo sempre por me identificar com alguma das coisas descritas, seja bom ou menos bom. o máximo que faço é tentar argumentar com o seu autor a minha opinião.
e já tinha reparado que as pessoas usam muito essa expressão. claro que tem de se generalizar, senão falar-se-ía apenas de um assunto particular e específico. e seria uma chatice provavelmente

  coisas minhas

terça-feira, março 10, 2009 6:22:00 da tarde

noutro dia estava a ter uma conversa com um amigo sobre esse tema.. ele era da mm opniao que tu e dps de muito falar descubri que ele tal como tu tens razao **

  afectado

terça-feira, março 10, 2009 6:54:00 da tarde

Até na matemática que é uma ciência exacta existem excepções, pois o resultado está sempre certo, excepto quando está errado, pois as pessoas erram.

Aqui misturaste conceitos diferentes dos que expões no resto do texto. Na matemática existem excepções às regras tal como quando dizes "os portugueses são racistas". Mas um resultado errado nunca foi/é/será uma excepção à regra. É um erro, não uma excepção. As excepções à regra na matemática são coisas muito diferentes de erros.

Quando tu dizes "os portugueses são racistas", estás certo. Todos sabemos que estás a generalizar e que há excepções pois é óbvio que nem todos os portugueses o são. Mas dizeres que 2+2=4 não é uma generalização com excepções. É um facto, um cálculo objectivo que não tem qualquer tipo de excepção. Pode vir alguém e dizer que o resultado é 5, mas isso não é excepção, é erro. Neste âmbito a generalização que poderias fazer era dizer "toda gente sabe calcular 2+2". Lá está, nem todos saberiam, mas esses seriam a excepção. Mas isto já não é matemática...

As excepções à regra na matemática existem mas são conceitos mais complicados e complexos que não interessa estar aqui a explicar pois não acrescentam nada ao post em si.

Tirando este apontamento sobre aquela frase da matemática, tens toda a razão. Eu quando digo que os políticos portugueses são uns merdas também estou a generalizar. Sei bem que em 1000 é capaz de haver 1 que até seja um gajo de jeito :)

  Kohinoor

terça-feira, março 10, 2009 7:34:00 da tarde

Tive uma cadeira onde tive de provar teoremas tipo, 1+1 = 2, e outras coisas assim "ridículas". Toda a matemática é fundada em axiomas. Não são a verdade, são pressupostos, crenças adoptadas para se poder efectuar cálculos de modo lógico e racional, e obter-se resultados mensuráveis e precisos.

Caso um dia descubram uma nova maneira de fazer matemática que invente novos axiomas, todo o material matematico leccionado poderia sofrer alterações. É implicito que tem excepções e seria fanatismo assumir ser verdade absoluta.

As generalizações são a mesma coisa. São maneiras de abordar-mos o mundo e interpretá-lo, coisa que começámos a fazer desde miudos. O diferente da matemática é que cada um tem o seu próprio modelo do mundo, o seu conjunto de pressupostos e crenças. Por isso ao escrever, está a partilhar algo do autor, coisa que poderá não estar em concordancia com outros modelos.

Gosto de ler este blog, aborda vários temas e podem haver boas discuções e clarificações. O meu ego por vezes queixa-se de eu ainda não ter algumas opiniões formadas sobre certos assuntos aqui falados, mas é uma boa maneira de aprender!

  Pax

terça-feira, março 10, 2009 7:49:00 da tarde

"posso encontrar generalizações em 75% dos teus textos ou dos textos de qualquer pessoa."

Não concordo.
Eu considero as generalizações uma enorme injustiça e tento não o fazer. Poderás encontrar alguma, sim, mas nunca nessas percentagens.

"No teu último texto quando dizes "Barrigas encostadas ao balcão", não será generalizar? Claro que pode afirmar que todas tinham a barriga encostada ao balcão, mas eu duvido."

Errado. Não duvides.
Eramos três. Estavamos as três com a barriga encostada ao balcão.
De qualquer modo, não chamaria a isto generalizar. É um facto (e facilmente comprovavel visto as outras duas serem blogguers também).

"Toda mole e às fatias?!", não será o toda uma generalização visto que ainda não tinha comido?

Não. Quando muito seria uma previsão.
Aquelas rodelas de banana estavam embebidas em molho (calda de açucar); via-se perfeitamente que estariam moles. É outro facto.

Eu não disse que todas os portugueses estavam de barriga colada ao balcão ou que todas as bananas de Portugal são moles (Deus nos livre e guarde! Lol), portanto, foram exemplos, por ti, mal escolhidos. Terei posts com outros bem melhores.

"quem escreve sabe que o faz, quem lê deveria saber que ele sabe também que poderá haver excepções."

Eu sei que tu saberás. O que acontece é que nem sempre transmites que o sabes.
E para transmitir não é necessário enumerar as excepções. Basta escrever "há alguns...", "há pessoas que...", "certas pessoas...", etc. E tu também sabes bem disso.

:)

  forteifeio

terça-feira, março 10, 2009 8:17:00 da tarde

Tens muita razão. Os gajos que dizem isso normalmente não tem nada para dizer, então arranjam uma maneira de dizer mal de criticar. É os chamados engomadinhos..... Nunca construiram, mas estão sempre prontos para complicar. E Geralmente é o que eles fazem, destruir, aí não há excepção porque eles só sabem fazer porcaria.

  Filipa

terça-feira, março 10, 2009 8:50:00 da tarde

acho que tás a generalizar... ; a não ser que esta seja a excepção à generalização da qual falas. Ou será que a excepção generaliza as regras? Dizer que existe uma excepção à regra já é generalizar, e haver regras é generalizar. :) Eu sou do contra.lol. Sou a excepção à (d)excepcionante generalização que há em generalizar. tiririri. um beijinho grande e resto de uma boa noite *

  anatcat

terça-feira, março 10, 2009 10:13:00 da tarde

Bruno Fehr,

acho que estás a generalizar :D :D :D :D

bom, mas voltando ao nosso casamento :D, pá! eu não quero passar por aquelas dietas malucas da katie se um dia quizermos ter um/a filho/a :D :D :D :D

(Espero que percebas que estou a ironizar - quando num comentário te disse que sabia que ías pesquizar sobre cientologia porque tinha brincado contigo, levaste a sério. Pelo menos a tua resposta, "já tinha escrito/pensado/pesquizado sobre o tema" assim me levou a crer. Mas se calhar devido à seriedade do post estou errada, simplesmente não te apeteceu brincar com o meu comentário)

bjs "homem" e não te irrites por tão pouco, como é a opinião de quem não te conhece, mas se sente incomodado por teres alguma notoriedade

continua a escrever, que isso é que a malta quer :)

  CS

terça-feira, março 10, 2009 10:29:00 da tarde

E tu ainda ligas aos que os malucos dizem?

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:01:00 da manhã

Manuel de Jesus disse...

"Eu por defeito sou do contra, isso faz de mim um chato e numa discussão que se queira produtiva, um elemento dinamizador, porque argumento as minhas objecções e tenho uma pequenina capacidade de reconhecer quando estou mesmo errado, o que acontece muito raras vezes, embora seja sempre do contra."

Mas eu também, escrevi alguns textos sobre o que o nazismo teve de positivo e sobre o que os Judeus têm de negativo, só porque a maioria das pessoas só vêem o contrário.

"Já o afirmaste várias vezes, que te orgulha ter um blog onde o mais interessante são os comentários e os comentadores, se não fossem aparecendo por aqui os chatos como eu, este espaço depressa se converteria numa casa do Benfica (ou do Sporting ou do Porto, que eu sou “agnósticódesportivo”) onde a culpa da derrota nunca é do nosso clube, tenho a certeza que não é isso que te motiva."

Gosto de ler opiniões contrárias, mas que não se limitem a "estás a generalizar", gostaria que fossem mais objectivos.

"Já agora, acho que devias explicar aos poucos dotados como eu, o funcionamento da tua janela de comentários, que até resulta muito bem, se em vez de “clicarmos” com o botão da esquerda, “clicarmos” com o botão da direita e fizermos “open in a new tab”, aqui o Scolari demorou uma semana a perceber:)"

O problema é que tenho um template do wordpress no bloguer, daí os comentário aparecerem desta forma peculiar.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:02:00 da manhã

Van:

Grrrrr

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:02:00 da manhã

Afrodite disse...

"Porrrrr favooorrrr, quando estiveres a cantar a cagar, liga-me...sim???"

Acabei de cagar, mas nao cantei :S

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:02:00 da manhã

caditonuno disse...

"e a questão imõe-se: és tu mais inteligente que os outros ou são eles que se esforçam demais?"

Nao tem a ver com isso. Acho que já é mania de quem nao concorda, em vez de apresentar o seu ponto de vista, simplesmente deixar um comentário, dizendo "mas há excepções". Duh, é claro que há.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:03:00 da manhã

Fada disse...

"Ainda bem que generalizas e que admites a existência das excepções... Já fico muito mais descansada acerca do post dos cabrões e dos lambe-conas..."

Claro que sim, eu tenho consciência de que os meus textos sao radicais.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:03:00 da manhã

vita disse...

"Ah espera, fazes excepções aos intelectualmente abastados;P"

Nao tem a ver com intelecto, acusar-me de generalizar é o comentário do preguiçoso.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:03:00 da manhã

Paula disse...

"às vezes estou a ler textos de outros blogs e naquela generalização óbvia eu acabo sempre por me identificar com alguma das coisas descritas, seja bom ou menos bom. o máximo que faço é tentar argumentar com o seu autor a minha opinião."

Claro que sim, é isso que se pretende, pois o autor sabe que generaliza, mas parte do principio que toda a gente sabe que a regra tem excepções.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:04:00 da manhã

coisas minhas disse...

"noutro dia estava a ter uma conversa com um amigo sobre esse tema.. ele era da mm opniao que tu e dps de muito falar descubri que ele tal como tu tens razao **"

Toda a regra tem excepção, e generalizar é normal, radicalizar uma generalização torna os nossos pontos de vista claros.
Nos textos em que não generalizo, normalmente a malta interpreta tudo mal.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:04:00 da manhã

afectado:

Correcto, entrei no exagero de forma a deixar o ponto de vista claro. É recorrente.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:04:00 da manhã

Kohinoor:

Lembro-me de um exercício em que me pediam para justificar uma soma, não me lembro qual era, lembro-me que era a soma de dois números pares que dava um resultado ímpar errado.

"Gosto de ler este blog, aborda vários temas e podem haver boas discuções e clarificações. O meu ego por vezes queixa-se de eu ainda não ter algumas opiniões formadas sobre certos assuntos aqui falados, mas é uma boa maneira de aprender!"

O meu ego é afectado por não ter opinião sobre certos assuntos que leio noutros blogues, em particular políticos.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:07:00 da manhã

Pax disse...

"Não concordo."

Se concordasses iria estranhar.

"Eu considero as generalizações uma enorme injustiça e tento não o fazer."

Injustiça? Generalizar é regra em que todos sabemos que há excepção.

"Poderás encontrar alguma, sim, mas nunca nessas percentagens."

Vale uma aposta?

"Não. Quando muito seria uma previsão."

Ahahaha, se queres brincar com as palavras vamos a isso!

"Eu sei que tu saberás. O que acontece é que nem sempre transmites que o sabes."

Muitas vezes interpretam o que querem.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:07:00 da manhã

forteifeio disse...

"Tens muita razão. Os gajos que dizem isso normalmente não tem nada para dizer, então arranjam uma maneira de dizer mal de criticar. É os chamados engomadinhos..."

Ahahahaha é verdade.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:07:00 da manhã

Filipa disse...

"Ou será que a excepção generaliza as regras? Dizer que existe uma excepção à regra já é generalizar, e haver regras é generalizar. :)"

Ahahahahaha, correcto :)

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:07:00 da manhã

anatcat disse...

"bom, mas voltando ao nosso casamento :D, pá! eu não quero passar por aquelas dietas malucas da katie se um dia quizermos ter um/a filho/a"

Eu nao sou o Tom Crazy, nao quero Katies.

"bjs "homem" e não te irrites por tão pouco, como é a opinião de quem não te conhece, mas se sente incomodado por teres alguma notoriedade"

Nao estou irritado.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:07:00 da manhã

CS disse...

"E tu ainda ligas aos que os malucos dizem?"

Nao falo de malucos, falo de uma boa parte dos comentadores mais activos dente blogue.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 12:13:00 da manhã

Bruno:

Os meus parabéns por aquele que foi o teu comentário mais educado dos últimos tempos. Mas a minha decisão mantém-se e não publico os teus comentários.

"Mas é possível discordar apenas porque não se concorda. Mal estaríamos se tivéssemos de concordar apenas porque não podemos discordar..."

Mas o que raio é que isto tem a ver com o texto. Discordem, não se limitem é a comentários do tipo: "estás a generalizar, há excepções", estes comentários não acrescentam nada ao textos nem apresentam um novo ponto de vista.

"Uma pequena chamada de atenção para esta incorrecção:
"mas certamente que não sempre cago"... que raio de formulação!
Provavelmente seria: "mas certamente que nem sempre cago""

Obrigado pela correcção, mas a correcção está errada. Realmente esqueci-me troquei o "que", sendo a frase correcta: "Mas certamente não sempre que cago".

  anatcat

quarta-feira, março 11, 2009 1:12:00 da manhã

'home' (ómém)
tu és uma máquina
bjs

(and thanks)

saludos cordiales

un beso

anatcat

  ipsis verbis

quarta-feira, março 11, 2009 1:16:00 da manhã

Então mas se há sempre excepções, qual o porquê de generalizar? Eu falo por mim, quando digo que não gosto que me metam no mesmo saco da outra que não tem nada a ver comigo, mas que só porque é mulher, pimbas, somos duas! Não gosto de generalizar, e tento, confesso que tento não o fazer.

  Nanda Assis

quarta-feira, março 11, 2009 1:34:00 da manhã

boa noite meu querido.

bjoss...

  Pax

quarta-feira, março 11, 2009 1:42:00 da manhã

"Vale uma aposta?"

Sempre ouvi dizer "teima sempre mas nunca apostes" :)

"Ahahaha, se queres brincar com as palavras vamos a isso!"

Chamas brincar com as palavras ao que eu chamo saber defini-las correctamente. Diferentes conceitos.

:)

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:44:00 da manhã

anatcat:

Tento ser!

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:45:00 da manhã

ipsis verbis disse...

"Então mas se há sempre excepções, qual o porquê de generalizar?"

Porque generalizar é humano. Porque generalizar é a regra. Porque generalizar faz parte de qualquer discurso em maior ou menor escala.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:46:00 da manhã

Nanda Assis:

:)

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:48:00 da manhã

Pax disse...

"Chamas brincar com as palavras ao que eu chamo saber defini-las correctamente. Diferentes conceitos."

Define lá previsão!

Prever é uma generalização de um futuro que é tão provável como improvável onde a excepção é o futuro real!

  ipsis verbis

quarta-feira, março 11, 2009 1:59:00 da manhã

Bruno Fehr disse:

"Porque generalizar é humano."

Errar é que é humano. Generalizar é apenas preguiça em separar o trigo do joio. :P

"Porque generalizar é a regra."
Não. A excepção é que a faz.

"Porque generalizar faz parte de qualquer discurso em maior ou menor escala."

Esta não percebi. :)

  gabrielle

quarta-feira, março 11, 2009 3:23:00 da manhã

Deixo beijinhos, especificamente a TI.

P.S. - geralmente não comento, mas há excepções... (risos)

  anatcat

quarta-feira, março 11, 2009 3:34:00 da manhã

Não queiras assim tanto.

Acima de tudo, tenta ser razoável e boa pessoa, como tens sido (apesar do mau/péssimo feitio)

(livra, que só mesmo os teus amigos - e eu- para te aturarem)

:D

  Sophie

quarta-feira, março 11, 2009 3:36:00 da manhã

Secalhar tens razão, quem lê, lê-te na diagonal ou não fica com argumentos.
Evidente que é sempre a generalizar. A maioria das coisas que dizemos o é.
Pode ser que com este post as pessoas fiquem esclarecidas.

Beijinho

  I.D.Pena

quarta-feira, março 11, 2009 12:18:00 da tarde

"Mas é sempre um genralizacao. Se um cantor escreve "love hurts", está a generalizar como se o amor doesse sempre ou a toda a gente. Quando dizem que os Portugueses bebem demais estão a generalizar porque muitos não bebem. Não importa o lês, o que ouves, estará lá um generalização, porque tem de estar."

Claro.

Por isso é que se usa expressões como, geralmente, basicamente , etc, porque interessa generalizar, o que não interessa mesmo é amesquinhar com excepções, ou contrariar só para ter atenção.

Para se chegar a algum conceito é necessário generalizar para depois racionalizar, aliás o acto de generalizar é 1 dos primeiros passos para chegar a um esclarecimento, mesmo que não seja do consenso de todos.

O importante é aprender tanto com os outros como comnosco(n sei escrever esta palavra)

Respeitar as opiniões de cada um, é a melhor maneira de evoluir mentalmente.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:16:00 da tarde

ipsis verbis disse...

"Errar é que é humano."

Tudo o que um humano faz é humano, seja errar, generalizar, minimizar, idealizar, etc.

"Generalizar é apenas preguiça em separar o trigo do joio. :P"

Generalizar é radicalizar o discurso, sabendo que a excepção está implícita. Os discursos radicalizados passam a mensagem de uma forma mais clara.

"Não. A excepção é que a faz."

Isso são frases feitas. Dizer que "a excepção faz a regra" é tão acertado como dizer que "sem regras não há excepções".

""Porque generalizar faz parte de qualquer discurso em maior ou menor escala."

Esta não percebi. :)"

Escolhe o teu CD favorito e toca-o, ouve a letra e busca generalizações. Não reparamos nas generalizações em textos soft, como livros ou musicas, mas não as deixamos passar em branco em assuntos sérios.
Isto leva-me a pensar se as pessoas sabem o que é uma generalização.

"Os bancos estão a falir", não estão todos.

"A vida está mais cara", não em todos os aspectos.

"A internet é perigosa", não, não é.

"Love hurts", nem sempre.

"Ser poeta é ser mais alto", há exemplos de baixaria poética.

Seja onde for, como for há generalizações em todo o lado, mas só acusamos alguém de generalizar por dois motivos:
-Não sabemos o que dizer, mas temos de deixar um feedback negativo.
-Por o assunto é polémico e parece que não se pode generalizar a polémica. Tudo excepto a polémica.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:17:00 da tarde

gabrielle disse...

"P.S. - geralmente não comento, mas há excepções... (risos)"

Essa é uma excepção que pode ser salientada, visto que explicas ao dizer "geralmente não comento".

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:18:00 da tarde

anatcat disse...

"Acima de tudo, tenta ser razoável e boa pessoa, como tens sido (apesar do mau/péssimo feitio)"

Eu nao tenho mau feitio, desconfio é do bom feitio de quem pensa assim.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:20:00 da tarde

Sophie disse...

"Pode ser que com este post as pessoas fiquem esclarecidas."

Duvido, ainda há quem diga que generalizar é errado.

  Bruno Fehr

quarta-feira, março 11, 2009 1:22:00 da tarde

I.D.Pena disse...

"Por isso é que se usa expressões como, geralmente, basicamente , etc, porque interessa generalizar, o que não interessa mesmo é amesquinhar com excepções, ou contrariar só para ter atenção."

Usar "geralmente" e palavras semelhantes, retira o poder a um discurso. Se como patrão em momentos de crise eu disser "geralmente passam mais tempo a fumar que a trabalhar", o meu discurso nao terá o impacto, parece que minimizei o problema. Apesar de saber que nem todos passam 10 minutos a fumar de hora a hora, eu tenho de generalizar para que seja levado a sério.

  Van

quarta-feira, março 11, 2009 6:50:00 da tarde

Eu generalizo
Tu generalizas
Ele generaliza
Nós generalizamos
Vós generalizeis
Eles generalizam

:-p

:D

  alfabeta

quarta-feira, março 11, 2009 11:13:00 da tarde

No geral há sempre uma excepção, lol

  Fernanda Nakamura

sexta-feira, março 13, 2009 12:41:00 da tarde

Concordo em genero numero e grau!!!
A generalizaçao é necessaria pq vivemos em sociedade!!!!
Ja cansei de explicar para as pessoas q sempre existem exceçoes, é tao dificil ter o bom senso de entender q isso esta implicito em qualquer comentario?????

Agora perdoe-me a ignorancia mas oq é gamar??No primeiro comentario brasileiros só vêm para Portugal gamar???XD

  Bruno Fehr

segunda-feira, março 16, 2009 8:19:00 da tarde

Van:

Obrigado pela conjugação.

  Bruno Fehr

segunda-feira, março 16, 2009 8:19:00 da tarde

alfabeta:

É verdade.

  Bruno Fehr

segunda-feira, março 16, 2009 8:20:00 da tarde

Fernanda Nakamura disse...

"A generalizaçao é necessaria pq vivemos em sociedade!!!!
Ja cansei de explicar para as pessoas q sempre existem exceçoes, é tao dificil ter o bom senso de entender q isso esta implicito em qualquer comentario?????"

É isso mesmo. Eu acho que as pessoas sabem disso, mas quando não sabem o que dizer, esse parece ser um chavão usado.

"Agora perdoe-me a ignorancia mas oq é gamar??No primeiro comentario brasileiros só vêm para Portugal gamar???XD"

Gamar é calão Português para roubar. Foi uma generalização que apareceu nos anos 90 onde houve uma onda de emigração com imensas detenções por assalto e furto. A nova onda de emigração brasileira que teve inicio em 2000, limpou a imagem do imigrante brasileiro.