Vacina H1N1 - Portugal, Polónia e Suécia

Não posso deixar esquecer o discurso do médico mais famoso da TV Americana no primeiro vídeo deste texto, que aconselha a vacina mas diz que os seus filhos não serão vacinados porque, apesar de ele ser médico, a sua mulher não deixa (a sua mulher não é médica). Um homem que usou na TV uma técnica chamada de "double speak" que consiste em dizer na mesma frase duas coisas que entram em contradição mas que na memória da maioria das pessoas fica unicamente a segunda parte da frase, isto quando disse: "Ao vacinar algumas centenas milhões de pessoas, vai haver problemas, nunca saberemos se esses problemas estarão relacionados com a vacina". É lógico que se a vacinação massiva causará problemas, esses problemas estão relacionados com a vacinação. Mas há dúvidas?
E isto porque caso após caso de problemas pós vacinação, aparecem peritos, que ninguém conhece, a negar qualquer relação entre o caso e a vacina.

Mas nao é só nos EUA que há casos, é em todo o mundo.




Portugal:
Todos devem conhecer o caso de Portalegre quando uma  mulher grávida de 8 meses perdeu o bebé após levar a vacina. Quer dizer, leva a vacina e no dia seguinte perde o bebé e afirmam não existir relação mesmo antes da autópsia? Isto é ciência equivalente aos "peritos" que acusaram a senhora de quem falei neste texto de criar a sua doença, unicamente vendo o vídeo dela na televisão. Isto não é ciência é brincar na areia atirando-a para os olhos de quem passa.
Agora a família está sob suspeita de negligencia.
Mas este caso não é único, 3 dias depois aconteceu também na CUF com mais uma mãe vacinada e mais uma vez os peritos dizem que não há ligação com a vacina mas que só a autópsia o poderá confirmar. Então, se só a autópsia o poderá confirmar, como é que não há, à partida, relação com a vacina?
O resultado dessa autópsia foi inconclusivo, se foi inconclusivo não se pode dizer que a vacina foi a responsável nem se pode dizer que a vacina não foi a responsável, mas como seria de esperar esta morte foi considerada acidental e a DGS diz não acreditar que vacina tenha sido a responsável. Ora o facto de não acreditarem que tenha sido, não retira a possibilidade de ter sido, no entanto avançam com a propaganda dizendo: "Vacinem os vossos filhos". Agora, que garantias temos nós? Temos a garantia de que a DGS não tem a certeza mas acredita que a vacina é segura... eu conheço quem acredite que o sexo anal é bom mas não é essa fé que me fará virar para Meca. Apesar de a DGS simplesmente acreditar, o Secretário de Estado Adjunto, um secretário que por acaso é do Estado, afirma que vacina é segura... pois sim, quando eu era pequeno uma empregada-a-dias, que por acaso era empregada  lá de casa, dizia-me que comer cenouras fazia os olhos bonitos e eu fartei-me de as comer, e adivinhem... tenho uns olhos tão bonitos quanto os de qualquer outra pessoa. O secretário trabalha para o Estado como a empregada trabalhava para mim, no entanto a ciência no que toca à saúde vai muito para além da formação de qualquer um deles.

Se nos vamos vacinar baseados nas certezas de um secretário, acho que isso diz muito sobre a nossa sanidade mental!

Adenda: Terceiro caso no prazo de uma semana com mais uma mulher a perder o feto no Hospital de Leiria. Podem argumentar que só em Portugal estão a ocorrer estes casos com grávidas, mas é preciso saber que Portugal é o país Europeu que está mais avançado na vacinação. A maioria dos países Europeus ainda estão a vacinar os delegados de saúde e nem em todos os países essa vacinação é obrigatória. A Suécia começou recentemente pelos enfermeiros e idosos. A Alemanha ainda só disponibilizou a vacina ao público e irá começar pelas crianças. A Bélgica ainda nem sequer começou a vacinação.



Polónia:

Já falei aqui do caso da Polónia que é o único país da Europa que ainda não autorizou a vacinação indo contra as ordens da OMS. O Primeiro-Ministro Polaco afirmou que o seu país não irá adquirir vacinas não testadas sem que as farmacêuticas assumam responsabilidade pelos seus efeitos. Foi neste país que 21 sem abrigo foram pagos para testar a vacina H1N1 e de 350 vacinados 21 faleceram. Aqui houve crime  já oficializado pois disseram aos sem abrigo que iriam vaciná-los contra a gripe sazonal e ainda por cima lhes davam dinheiro. Para um sem abrigo a protecção grátis contra a gripe e ainda dinheiro para uma sandes era o melhor de dois mundos. Esta noticia foi por várias vezes negada por diversos anónimos neste blogue por eu não fornecer o link, pois a página desta noticia estava fora de serviço. O jornal Telegraph já recuperou a página e aqui está ela.
É por isso que reafirmo que os comentários de anónimos que negam tudo à partida sem apresentar dados contrários devem ser completamente ignorados.



Suécia:

Estou a seguir com atenção o crescente problema na Suécia, onde todo o véu para manter as pessoas sem acesso à informação está a fazer com que este caso não seja noticiado internacionalmente, tal como o caso Português não chegou à Alemanha. O povo está a insurgir-se contra a vacina após a quinta morte pós vacinação ter sido confirmada. O governo Sueco afirma que se pelo menos 80% da população não for vacinada poderão morrer 100 pessoas de H1N1, esta afirmação é outro motivo  gerador de revolta visto que a gripe sazonal mata entre 2000 e 5000 pessoas todos os anos na Suécia. Além das 5 mortes há 350 casos de pessoas a sofrer de efeitos secundários após tomarem a Pandemirx. É esta a vacina que contém os adjuvantes mais perigosos de entre a 7 criadas. Só encontrei a noticia publicada em fonte segura em Sueco mas se duvidam dos meus conhecimentos de línguas Escandinavas quer sejam Norte-Germânicas ou Fino-Húngaras poderão tentar obter a vossa própria tradução, isto no caso de acharem que todos o sites privados que abordem este assunto são conspiracionistas mas existem imensos a falar deste assunto em Ingles.

Destas 5 mortes, os oficiais de saúde disseram: “nenhuma destas mortes teve ligação confirmada com a vacina", argumento que já é conhecido de todos nós.
Há 3 mortes confirmadas de H1N1 contra 5 mortes após a vacinação. Poderiam argumentar que o vírus ainda não atacou com força e por isso só há 3 mortes, mas devem ficar calados pois a Suécia também não deu ainda inicio à vacinação massiva.

Alguns dos argumentos governamentais Suecos são: “Há menos mercúrio na vacina do aquele que consomem em peixe contaminado”, “Podem ficar doentes por causa da vacina mas é um risco que devem tomar para salvar quem poderá morrer deste vírus passado por vós, pois seria como se tivessem morto alguém”, “O mercúrio não é perigoso e o Escaleno não é perigoso”. Esta última citação é uma ofensa à inteligência de qualquer pessoa!
Jan Liliemark do Instituto Sueco de controlo de doenças infecciosas (SMI), enrolou-se todo dizendo: "Nada aponta para uma ligação. Vão haver mais mortes. Estamos em busca de um padrão que aponte para uma ligação". Não há dados que liguem as mortes à vacina mas certamente morrerá mais gente pós-vacinação?

Iain McGillivary avançou com um pedido junto da Organização Mundial de Saúde, ao abrigo do Acto de liberdade de informação que obriga qualquer instituição a revelar informação para fins noticiosos. Como resposta obteve as estatísticas mundiais da OMS no que toca à vacinação, de onde se concluía que: "de todos os casos conhecidos de efeitos secundários de todas as vacinas H1N1 a Pandemirx é responsável por 91% deles". É de salientar que a vacinação massiva ainda não começou, está unicamente a ser disponibilizada a vacina.

Quando se trata de um caso, aceita-se. Dois casos é coincidência mas a partir de 3 casos temos um problema que está a ser negado na nossa cara.
Ainda há dias um comentador disse-me que ao vacinar muita gente obviamente haverá efeitos secundários mas que não vê "novela" nenhuma na questão do vírus H1N1, eu sei que imensa gente não vê mas não podemos negar o problema devido à cegueira pessoal, mas em forma de resposta eu pergunto: Será que é preciso sermos nós as vitimas desses efeitos para vermos o problema?


Está mais do que na hora de deixarmos de pensar que o mal só acontece aos outros, pois para os outros os outros somos nós!







59 Comentários:

  Vani

quinta-feira, novembro 19, 2009 10:47:00 da tarde

Não te preocupes, eu não me vacinei, não me vacino, nem me irei vacinar. E como eu, há muitos.

  Mistral

quinta-feira, novembro 19, 2009 11:28:00 da tarde

O Secretário, que por acaso é Secretário e é de Estado, e por acaso até é da Saúde, é Médico. E por acaso até tem muito mais autoridade e conhecimento para emitir opinião sobre algo de que ele tem mais conhecimento do que tu, que és simplesmente um blogueiro, que fala destes assuntos sem ter conhecimentos sobre eles, e sem os ter estudado como as pessoas que acusas de não terem conhecimentos.

Faço a pergunta que já alguém terá feito: se eu for tomar a vacina e logo a seguir partir uma perna a culpa será da vacina?

Quanto mais gente for vacinada, mais casos surgirão de gente que adoeceu, morreu, ou perdeu filhos depois de ter sido vacinada. É uma questão estatística. Se zero pessoas fossem vacinadas, zero pessoas morreriam, adoeceriam ou perderiam filhos depois de terem sido vacinadas. Morreriam, adoeceriam ou perderiam filhos, isso sim, antes de terem sido vacinadas. Ou se quisermos manipular na mesma medida em que o fazes: morreriam, adoeceriam ou perderiam filhos por não terem sido vacinadas. O tipo raciocínio é o mesmo, e o resultado é uma manipulação e uma conclusão apresentada sem dados concretos que a comprovem.

Como bem escreves, se os exames preliminares, a autópsia, não apresentaram resultados conclusivos, não se pode dizer que a vacina é responsável, nem o contrário. Não vejo estranheza que alguém diga que o a morte foi acidental (porque foi, um acontecimento não previsto), nem acho estranho que alguém diga que não acredita que a vacina tenha relação com as mortes dos fetos.

Mais grávidas vão perder os fetos. Como perderiam se não estivessem vacinadas. Não há nenhum dado científico que estabeleça uma relação de causa / efeito entre a vacina e problemas para os fetos. Pode ser que apareça, mas por enquanto não existe. E pode nunca existir. Por enquanto é tudo especulação, tal como eu poderia especular que agulhas em braços de grávidas são nefastas para os fetos ou que o álcool no braço da grávida antes de ministrarem a vacina faz mal ao feto. É fácil manipular. Mas precisamos de provas científicas.

E entre as pessoas que falam e divulgam o que dizem ser os efeitos perigosos desta vacinas deve haver excelentes cientistas, mas para além de especulação e manipulação nenhum até hoje apareceu com provas científicas daquilo que alegam. E seria importante que o fizessem para dar consistência ao que argumentam. Fico à espera...

  Jane Doe

sexta-feira, novembro 20, 2009 12:08:00 da manhã

Primeiro, eu não vou tomar a vacina nem à "lei da chapada".

Segundo, é VERGONHOSO e CRIME usar seres HUMANOS como ratos de laboratório, trocando a vida deles por uns tostões furados.

Dizer que o esqualeno não é perigoso não é, necessariamente um insulto à inteligência. Pode ser à tua ou à minha, porque tu sabes e eu sei que esqualeno injectado é ácido, e pode ser bastante perigoso afectando o sistema nervoso. Agora, a maioria das pessoas não tem esse conhecimento pois das duas uma: não sabem o que é sequer, ou pensam que é um suplemento alimentar (e é), e por isso tudo bem. Por isso dizer que é um insulto à inteligência... É isso sim, uma vergonha alguém esconder a informação, mas no meio de isto tudo, isto é pequeno...

O senhor Jan Lilemark deveria tentar a carreira de vidente. Mas convém treinar um pouco melhor a comunicação verbal. Nada aponta para a ligação mas vai haver mais mortes. Claro. Mas não há ligação. As mortes vão ser porque o pessoal se atirou da ponte. É uma piada interessante.

Enfim...

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 12:49:00 da manhã

Vani:

O problema é: Primeiro todas as grávidas, depois todas as crianças, depois todos os velhos e depois?
É mais fácil separar as pessoas por grupos e impor a vacinação de um grupo, assim haverá menos resistência.

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 12:49:00 da manhã

Mistral:

"O Secretário, que por acaso é Secretário e é de Estado, e por acaso até é da Saúde, é Médico."

E então? O que sabe ele da vacina a mais do que nós? Nada, pois ninguém sabe nada da vacina, nem quem a criou. Ela está agora a ser testada em nós!

"que és simplesmente um blogueiro, que fala destes assuntos sem ter conhecimentos sobre eles"

Esta frase é um tiro no escuro.

"se eu for tomar a vacina e logo a seguir partir uma perna a culpa será da vacina?"

Dou-te um exemplo aqui na Alemanha, um cidadão Espanhol vacinado levou a vacina e bateu com a cabeça numa secretária ao desmaiar poucos minutos depois, encontra-se hospitalizado há 3 dias. Sim a culpa do galo na cabeça dele é da vacina.

"Quanto mais gente for vacinada, mais casos surgirão de gente que adoeceu, morreu, ou perdeu filhos depois de ter sido vacinada. É uma questão estatística."

Que se fodam as mortes, são só um numero num gráfico. O caso só muda de figura se for contigo, não é?

"Como bem escreves, se os exames preliminares, a autópsia, não apresentaram resultados conclusivos, não se pode dizer que a vacina é responsável, nem o contrário."

E por isso não podem afirmar que a vacina é segura baseados em resultado inconclusivos. Eu explico-me bem, tu é que percebes aos zig-zags.

"Mais grávidas vão perder os fetos. Como perderiam se não estivessem vacinadas."

Ou seja 2 casos em 3 dias é normal? 3 casos numa semana, é normal? Parecem-me estatísticas do terceiro mundo!

"Não há nenhum dado científico que estabeleça uma relação de causa / efeito entre a vacina e problemas para os fetos."

Não existe nenhuma dado cientifica que afirme o contrário.

"Por enquanto é tudo especulação"

Nem eu nunca disse serem certezas, mas há que especular pois sem especular só haverá marketing governamental pró-vacina.

"E entre as pessoas que falam e divulgam o que dizem ser os efeitos perigosos desta vacinas deve haver excelentes cientistas, mas para além de especulação e manipulação nenhum até hoje apareceu com provas científicas daquilo que alegam."

Errado, antes de existirem esses estudos precisariam existir estudos sobre a segurança da vacina, e como sabes, e se não sabes deverias saber que o primeiro trabalho sobre a segurança da vacina H1N1 será publicado em Dezembro de 2010! Ou seja 13 meses após o inicio da vacinação.

Tendo em conta isto, é hilariante alguém ter o descaramento de exigir estudos que provem que vacina é perigosa, não existindo UM que de certezas sobre a segurança da vacina. O que existe é a imunidade criminal Norte Americana e na UE dada à GSK. Inocentes, certos da qualidade do seu produto não precisam de imunidade criminal.

E relembro o teu comentário no texto sobre Joseph Moshe, apontaste 3 erros no meu textos e todos eles falsos... ainda defendes esse ponto de vista?

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 12:50:00 da manhã

Jane Doe:

"Segundo, é VERGONHOSO e CRIME usar seres HUMANOS como ratos de laboratório, trocando a vida deles por uns tostões furados."

Nós somos as cobaias, pois o primeiro relatório de segurança da vacina está agendado para Dezembro de 2010.

"Dizer que o esqualeno não é perigoso não é, necessariamente um insulto à inteligência. Pode ser à tua ou à minha, porque tu sabes e eu sei que esqualeno injectado é ácido"

Não percebo como muita gente pensa, mas se eu ouvisse na TV a dizerem que xpto não é perigoso e eu não soubesse o que é o xpto que me querem injectar, eu iria tentar saber o que é, aí qualquer pessoas sabendo ler percebe o perigo.

"O senhor Jan Lilemark deveria tentar a carreira de vidente. Mas convém treinar um pouco melhor a comunicação verbal."

A técnica é "double speak" é extremamente eficaz e qualquer bom maçon a sabe usar. É o mesmo principio que os adultos usam nas crianças para lhe dar a escolher dois objecto sabendo de antemão qual ela irá escolher. Pergunta a uma criança: queres um chocolate? Ela dirá que sim. Depois como queres dar um Nestlé e comer tu o Milka, dás a escolher, primeiro o Milka e depois o Nestlé, 9 em cada 10 crianças irão escolher o que dizes em último, pois é esse que lhes fica na memória não lembrando a primeira parte da pergunta.

  Jane Doe

sexta-feira, novembro 20, 2009 1:07:00 da manhã

Bruno Fehr:

"Não percebo como muita gente pensa, mas se eu ouvisse na TV a dizerem que xpto não é perigoso e eu não soubesse o que é o xpto que me querem injectar, eu iria tentar saber o que é, aí qualquer pessoas sabendo ler percebe o perigo."

Exacto. Porque para haver a necessidade de o virem dizer na TV significa que algo vai mal. Ninguém vai à TV dizer que o paracetamol não é perigoso. Mas temos de ver que nem toda a gente é tu ou eu e as continuam a confiar na TV e no senhor que diz isso. Isso não faz delas, necessariamente, burras, faz delas pessoas adormecidas e sem vontade de querer saber.
(Que também pode ser alguma forma de burrice... )


Bela técnica.

  L.

sexta-feira, novembro 20, 2009 1:23:00 da manhã

Pois eu sou daquele tipo de pessoas estúpidas, com a mania da conspiração, que gostam de especular e de fazer das coisas novelas, e por isso arrebitei a orelha, ao ouvir o caso da primeira grávida, depois desconfiei quando ouvi da segunda e olhem, lamento, hoje de manhã ao ouvir da terceira, fiquei assustada. 1 caso é azar, 2 casos coincidência e 3 já é padrão, ainda para mais sabendo que o intervalo entre os 3 foi de uma semana.
Há sim casos e casos de grávidas que perdem os fetos, há casos de nados mortos. Ando aqui à procura de estatísticas, para saber exactamente qual o número de nados mortos em Portugal, e quando descobrir logo faço a associação. Mas não acho normal haver 3 casos numa semana. E recuso-me a aceitar que, acontecendo um dia comigo, que me digam que é normal. Normal é engravidar se não usar protecção. Anormal é engravidar, querer ter o filho, senti-lo crescer na barriga, fazer mil e um planos para o futuro, e de repente, após ser vacinada para a "minha própria segurança", ter que lidar com um luto para o qual nunca estaria nem estarei preparada.

Segundo o que ouvi hoje, uma grávida morreu com gripe A, tendo no entanto sido induzida uma cesariana que salvou o feto. De acordo com a lógica do senhor, se a mãe tivesse sido vacinada, o bebé não era hoje órfão de mãe. Isso é a lógica da batata. Se a minha avó tivesse rodas era um camião, não? Pois se as autoridades podem fazer esse constructo com legitimidade, eu posso fazer o mesmo. Posso dizer que se estas tres gravidas não tivessem tomado a vacina não teriam abortado. E ai daquele que me disser que estou a especular, porque especulamos todos, enquanto não souberemos (se é que vamos mesmo saber) em que terreno pisamos.

Como poderemos ter a certeza? Se ainda não foram feitos testes a estas vacinas, como poderemos afirmar com tanta certeza que estes casos não estão relacionados?

Oh pá, claro que me podem dizer perfeitamente que não estão relacionados. E eu posso perfeitamente dizer que estão. Agora provem-me que estou errada e terei todo o gosto em dar a mão à palmatória.

A criação de vacinas já salvou muita gente. É por haver vacinas que hoje é possível viver até aos 80 anos sem sobressaltos de maior. Não sou contra as vacinas. Mas sou altamente contra injectarem uma merda qualquer que eu não faço ideia do que seja, no meu braço, que pode não matar-me, mas hipotecar o meu futuro. E não, não estou a ser alarmista. Estou apenas a exercer os meus direitos, nomeadamente a liberdade de escolha.

  Mistral

sexta-feira, novembro 20, 2009 1:59:00 da manhã

Em Portugal morre cerca de um feto diariamente. As causas são diversas. O número de grávidas vacinadas é cada vez maior. Se vacinarmos toda a população, será que é legítimo dizer que as pessoas que morram no dia seguinte foram vítimas da vacina. Não me parece.

Embora isto não queira dizer nada, a senhora que perdeu o bebé no Hospital de Leiria já tinha sofrido um aborto espontâneo de uma gravidez anterior. Hoje, em Lisboa, uma senhora fez uma cesariana de emergência. Ela tinha sido vacinada contra a Gripe A. E existindo mais gente vacinada é ilegítimo e abusivo dizer que a vacina é responsável sem ter quaisquer dados concretos e científicos que certifiquem o que se diz.

Se fazem mal, que venham os estudos científicos. Dizer que não se apresenta e não se estuda, porque se está à espera que alguém prove que não fazem mal é fraquinho. E revela desconhecimento dos estudos científicos publicados nesta área.

Sobre o texto do Joseph Moshe, não percebo quais sao as tuas dúvidas. Fiz alguns esclarecimentos, tu disseste que eram falsos. Eu fico na minha, tu ficas na tua, amigos como dantes. Se os teus comentários tivessem sido de modo a levantar alguma dúvida, alguma incerteza, valeria a pena responder e ripostar. Mas as tuas respostas não têm outra resposta que menosprezar.

Escrevi que na Ucrânia não há um milhão de doentes com pneumonia, tu respondeste que há um milhão de contaminados com uma bactéria e que é OFICIAL.

Nem a minha observação está errada, nem a tua resposta está certa. Não há nenhum dado oficial que fale em 1 milhão de contaminados com uma bactéria na Ucrânia. Nem qualquer sistema de saúde no mundo tem capacidade para examinar um milhão de pessoas para lhe despistar a presença de qualquer bactéria.

Escrevi que a Ucrânia não instituiu a Lei Marcial, nem Estado de Sítio, nem nada parecido. Respondeste que accionou o Estado de Emergência. Nem a minha afirmação está errada, nem a tua está certa.

Escrevi que uma pneumonia pode ter várias origens, entre as quais viral, para esclarecer o erro do texto que tinhas publicado, quando dizias que uma pneumonia não pode ter origem num virus. Nem a minha afirmação está errada, nem a tua estava certa.

Escrevi também que NÃO É IMPOSSÍVEL que uma gripe seja responsável pela contracção de uma pneumonia, e que uma pneumonia pode ter TUDO a ver com uma gripe, porque dizias ser impossível tal acontecer. Nem a minha afirmação está errada, nem a tua estava certa.

Comentei o teu texto, apontei alguns esclarecimentos, e não creio que as minhas afirmações possam ser desmentidas.

Os meus esclarecimentos não têm nada de falso, tudo de verdadeiro.

Mas fico curioso sobre as tuas fontes, relativamente aos dados oficiais das autoridades ucranianas, o milhão de pessoas contaminadas com uma bactéria (que dizes ser um dado oficial), e o Estado de Emergência que as autoridades terão decretado na Ucrânia. Se puderes apresenta um documento ou uma notícia que mostre isso.

  Keep Walking

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:06:00 da manhã

Hoje no site do Sapo li sobre o 3 caso Português e lá o Presidente da Ordem dos Pediatras também diz ser contra o uso da Vacina enquanto não tivermos mais dados.
A ministra Francesa também diz que vão ser vacinadas as gravidas mas sem adjuvantes pq os estudos em gravidas nao estão concluídos.

Eu nao tomo e prontos.

Saudações.

  Jane Doe

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:10:00 da manhã

Mistral:

Epah, desculpa, mas o teu primeiro parágrafo é um atentado à inteligência. Quem te garante que, mesmo sendo médico e pertencendo ao SMI ele tem informação suficiente sobre a vacina?

Olha e tu por acaso não és um simples anónimo, que comenta os assuntos com relativo conhecimento dos mesmos? Para que pões em causa o conhecimento alheio? O mesmo se aplica a ti!

"Faço a pergunta que já alguém terá feito: se eu for tomar a vacina e logo a seguir partir uma perna a culpa será da vacina?"

Pah, mas uma grávida, saudável perder o feto logo a seguir a levar a vacina, sem ter tido complicações e SEM ter sido atropelada por um camião, a culpa é de quÊ? Uma corrente de ar?! A essa pergunta já feita por alguém, eu respondo com o mesmo tom: Estás a dizer que calças e cú são IGUAIS.

"Não há nenhum dado científico que estabeleça uma relação de causa / efeito entre a vacina e problemas para os fetos. Pode ser que apareça, mas por enquanto não existe. E pode nunca existir. Por enquanto é tudo especulação, tal como eu poderia especular que agulhas em braços de grávidas são nefastas para os fetos ou que o álcool no braço da grávida antes de ministrarem a vacina faz mal ao feto. É fácil manipular. Mas precisamos de provas científicas."

Se falamos em ciencia então vejamos a coisa assim: A ciência para provar uma teoria parte de hipóteses, para acontecimentos que podem estar ou não relacionados entre si, e a isto chama-se especulação. É no sentido de provar ou não a validade das hipóteses para explicar os fenómenos que nasce o processo de experimentação que leva a resultados concretos. Estamos na fase de especulação, fase integrante da elaboração de hipótese que leva à experimentação e depois à comprovação - ou não - da mesma. Tu pedes provas científicas, então espera. Deixa esses tais cientistas de que falas fazer o seu trabalho, de qualquer forma se eles alertam para os perigos, devem saber um pouquinho do assunto, não?

Pah eu só consigo ver o teu comentário como: Desinformação.

Desculpa mas é a minha opinião, tal como tu tens a tua.

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:48:00 da manhã

Jane Doe:

"Ninguém vai à TV dizer que o paracetamol não é perigoso."

Este ministro Sueco proferiu esta palavras num dos principais jornais de Suécia.

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:48:00 da manhã

L.:

"Pois eu sou daquele tipo de pessoas estúpidas, com a mania da conspiração, que gostam de especular e de fazer das coisas novelas, e por isso arrebitei a orelha, ao ouvir o caso da primeira grávida"

Eu sempre me diverti a destruir conspirações e ainda o faço, só ainda não publiquei textos a destruir mais pois este caso não me dá tempo mas tenho alguns textos de conspirações falsas bem recentes. Mas neste caso não consigo provar que esta "conspiração" é falsa, e por isso abordo-a.

"Como poderemos ter a certeza? Se ainda não foram feitos testes a estas vacinas, como poderemos afirmar com tanta certeza que estes casos não estão relacionados?"

Irão sempre haver pessoas a negar tudo o que é dito só porque sim, a exigir provas do que dizemos sem que apresentem provas do contrário e mesmo que documentação seja apresentada como fiz já dezenas de vezes, alegam que a informação não esclarece nada só porque não diz: "vou-te matar este inverno".

Eu considero que negar tudo à partida sem apresentar factos contrários é ou agenda ou ignorância.

Quanto ao resto do teu comentário, acho que diz tudo e não tenho nada mais a acrescentar.

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:49:00 da manhã

Mistral:

"Em Portugal morre cerca de um feto diariamente."

Existem dados de que morreram 7 esta semana? Se assim foi a estatística está normal, se morreram 9 então temos um problema.
Tu pedes dados, mas tens dados?

"Se vacinarmos toda a população, será que é legítimo dizer que as pessoas que morram no dia seguinte foram vítimas da vacina. Não me parece."

Será legitimo dizer que nenhuma dessas mortes está relacionada com uma vacina que não possui ainda relatório de segurança? É que não possui mesmo, no entanto queres ver um relatório de insegurança.

Será legitimo que não se possa processar um laboratório por um produto que se disponibiliza? No entanto é essa a realidade e a razão recentemente dada pelo Presidente Polaco para não adquirir vacinas. Se ele se recusa a aceitar a responsabilidade por achar que ela é dos laboratórios, por que motivos os laboratórios não assumem a qualidade do produto?

"Embora isto não queira dizer nada, a senhora que perdeu o bebé no Hospital de Leiria já tinha sofrido um aborto espontâneo de uma gravidez anterior."

Então e é legitimo dizer que uma pessoa que teve um aborto tenha de ter outro. Existem factos que liguem o segundo aborto ao primeiros. Tu queres factos e eu quero factos. O resultado da autópsia foi inconclusivo e isso significa que não foi estabelecida ligação com a vacina ou com o aborto anterior, pois os abortos possuem uma causa e essa causa é inconclusiva.

Por que motivo a tua especulação ao ligar os dois abortos é menos especulativa que a minha?

"Hoje, em Lisboa, uma senhora fez uma cesariana de emergência. Ela tinha sido vacinada contra a Gripe A."

E com isso sustentas o que dizes ou o que eu digo? Essa criança seria menos uma a nascer de uma mãe vacinada aumentando os casos para 4.

"E existindo mais gente vacinada é ilegítimo e abusivo dizer que a vacina é responsável sem ter quaisquer dados concretos e científicos que certifiquem o que se diz."

É da mesma forma abusivo sem ter quaisquer dados concretos e científicos dizer que a vacina não é responsável.

Eu NUNCA disse que a vacina foi responsável, eu disse que poderá ter sido, pois não existem dados que digam que sim ou que não. No entanto tu comentas com a certeza de que é tudo natural e que os casos não são seres humanos mas sim simples estatísticas.

Considerar outros seres humanos como estatísticas, como um numero diz muito sobre a nossa pessoa.

"Se fazem mal, que venham os estudos científicos."

Se não fazem mal que venham os estudos científicos. Para que seja feito um estudo cientifico para provar o contrário é preciso haver um contrário a provar, mas não há estudos de segurança, nem sequer forneceram amostras da vacina para teste em laboratórios independentes. Mas tenho a certeza que os estudos que pedes irão aparecer primeiro do que os estudos que seriam exigidos, ou seja os da seguranças que só saem dentro de 13 meses.

"Dizer que não se apresenta e não se estuda, porque se está à espera que alguém prove que não fazem mal é fraquinho."

Fraquinho? Não haver estudos ainda disponibilizados sobre a segurança da vacina é um argumento fraquinho? Desculpa mas é o maior argumento que há, pois a resposta é que a vacina não teve tempo ainda de ser devidamente testada pois era urgente "salvar vidas" de pessoas que não estão a morrer, pois desde o aparecimento do H1N1 morreram mais pessoas atropeladas do que do vírus.

(cont.)

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:49:00 da manhã

(cont.)

"Sobre o texto do Joseph Moshe, não percebo quais sao as tuas dúvidas. Fiz alguns esclarecimentos, tu disseste que eram falsos. Eu fico na minha, tu ficas na tua, amigos como dantes."

Achas? O ponto 3 e 4 do teu comentário foi destruído no texto seguinte, pois é uma bactéria e não um vírus e é uma peste e não uma gripe. Quanto aos pontos 1 e 2 era só para saber se estás a com atenção ao que se passa na Ucrânia, mas se não estás, no próximo texto deitarei esses dois pontos por terra.

"Mas as tuas respostas não têm outra resposta que menosprezar."

Menosprezar pois não há forma de contra-argumentar, uma bactéria não é vírus, uma peste não é gripe e uma epidemia não é uma pandemia. Deste 6 termos, 3 pertencem ao vírus H1N1 e 3 à peste pneumónica.

"Escrevi que na Ucrânia não há um milhão de doentes com pneumonia, tu respondeste que há um milhão de contaminados com uma bactéria e que é OFICIAL."

Palavras do Presidente Ucraniano, entre 250.000 a 500.000 contaminados num só dia.

"Escrevi que a Ucrânia não instituiu a Lei Marcial, nem Estado de Sítio, nem nada parecido. Respondeste que accionou o Estado de Emergência. Nem a minha afirmação está errada, nem a tua está certa."

E ao que disse acrescento que a Ucrânia está sob Lei Marcial tendo as eleições sido suspensas. Terás de procurar muito bem estes dados pois a imprensa está ignorar tudo isto. Se tiverem preguiça, volta cá dentro de algumas horas que terei o texto terminado. Mas antes de comentares busca, ou pelo menos confirma o que será dito. Fica melhor.

"Escrevi que uma pneumonia pode ter várias origens, entre as quais viral, para esclarecer o erro do texto que tinhas publicado, quando dizias que uma pneumonia não pode ter origem num virus."

Nunca disse isso, disse que a peste pneumónica não pode ter origem num vírus pois é causada por uma bactéria e que a peste pneumónica não é uma pneumonia.

Isto prova que não comentas o que eu escrevo, comentas acrescentando ou retirando coisas.

"Escrevi também que NÃO É IMPOSSÍVEL que uma gripe seja responsável pela contracção de uma pneumonia"

E continuas... a peste pneumónica não é uma pneumonia.
O que dizes não está errado, simplesmente não tem nada a ver com o que foi escrito.

"e que uma pneumonia pode ter TUDO a ver com uma gripe, porque dizias ser impossível tal acontecer."

É impossível um vírus ser responsável pela peste pneumónica, pelo que escrevi já dezenas de vezes. Ela é causada por uma bactéria e não um vírus e não é uma pneumonia.

"Nem a minha afirmação está errada, nem a tua estava certa."

Uma pequena busca em qualquer enciclopédia médica ou mesmo online por "peste pneumónica" irá dizer-te que a tua afirmação está errada e a minha certa. Eu falo de alhos e tu argumentas bugalhos.

"Comentei o teu texto, apontei alguns esclarecimentos, e não creio que as minhas afirmações possam ser desmentidas."

Podem ser contraditas.

"Os meus esclarecimentos não têm nada de falso, tudo de verdadeiro."

Neste comentário provo o contrário.

"Mas fico curioso sobre as tuas fontes, relativamente aos dados oficiais das autoridades ucranianas"

Se não encontras informação, poderás comentar o próximo texto.

"Se puderes apresenta um documento ou uma notícia que mostre isso."

Podes contar com isso!

  Stiletto

sexta-feira, novembro 20, 2009 3:00:00 da manhã

Do que li, o estado de emergência ainda não foi declarado na Ucrania. fala-se nisso, caso a gripe não seja controlada.
Mas também já li que essa declaração de estado de emergência é uma manobra política para adiar as presidenciais.
Estou errada?

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 3:01:00 da manhã

Keep Walking:

"Hoje no site do Sapo li sobre o 3 caso Português e lá o Presidente da Ordem dos Pediatras também diz ser contra o uso da Vacina enquanto não tivermos mais dados."

Muita gente pede esses dados mas só a Ministra da Saúde Polaca os exigiu publicamente, o resto dos políticos mundiais aceitam tudo o que a Baxter diz.

"A ministra Francesa também diz que vão ser vacinadas as gravidas mas sem adjuvantes pq os estudos em gravidas nao estão concluídos."

Sem adjuvantes só existe a Celvapan e segundo o laboratório que a criou ela será distribuída em numero limitado a cada país, na Alemanha só haverá 200.000 que estavam destinadas a médicos, políticos e elites financeiras.
Não estou a par do que se passa em Franca pois estou atento ao que se passa na Ucrânia, Polónia e Suécia, no entanto acho que a única maneira de Franca fazer o que diz é recusando as vacinas disponibilizadas na Europa e recorrer a uma das 4 disponíveis nos EUA e Canadá, pois nenhuma delas tem adjuvantes.

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 3:01:00 da manhã

Jane Doe:

Excelente explicação sobre especulação.

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 3:21:00 da manhã

Stiletto:

"Do que li, o estado de emergência ainda não foi declarado na Ucrania."

O estado de emergência foi declarado quando as escolas foram fechadas e as máscaras aconselhadas a toda a população. A polémica é se o Presidente declarou ou nao a lei marcial, estou neste momento a confirmar fontes sobre isso e tudo aponta, incluindo um comunicado Presidencial para o facto da lei marcial ser neste momento uma realidade.

"fala-se nisso, caso a gripe não seja controlada."

Não é uma gripe é a peste pneumónica. A gripe é um vírus, a peste pneumónica é uma bactéria.

"Mas também já li que essa declaração de estado de emergência é uma manobra política para adiar as presidenciais.
Estou errada?"

O comunicado do Presidente delegou os poderes decisão ao o conselho de segurança e defesa nacional de acordo o comunicado Presidencial publicado no site governamental do Presidente. Ora se o poder de decisão passa para esse grupo militar, isto significa que o governo perdeu o poder de decidir. A primeira-ministra é a candidata que está a concorrer contra o actual Presidente. Num estado de lei marcial onde o conselho de segurança tem o poder de decisão o Presidente como chefe supremo das forcas armadas mantém e reforça o poder.

As eleições foram já adiadas por tempo indeterminado e de acordo com a Interfax Ukrainia (equivalente à Agência Lusa), processos judiciais irão avançar contra os responsáveis por esta epidemia, o Presidente acusa os activista anti-vacina e vários membros da oposição de contribuir para o estado actual da Ucrânia.

No entanto os cépticos podem argumentar que nao há lei marcial porque ninguém declarou lei marcial. Ora, ninguém na história da humanidade alguma vez declarou lei marcial dizendo "eu declaro lei marcial". A lei marcial é a transferência de poderes do governos para os militares. Mas há quem precise de ouvir palavras que ninguém usa, para acreditar.

Isto é só um cheirinho do ponto em que me encontro na investigação, quero confirmar mais alguns dados antes de escrever um texto.

  AlfmaniaK

sexta-feira, novembro 20, 2009 4:41:00 da manhã

Dilema de uma realidade cruel: todas as grávidas vacinadas que perderem o bebé, têm um bode expiatório. Todas as outras terão que viver na amargura da dúvida do porquê perderem o bebé... é fodido! (talvez até valha a pena ser-se vacinada).

Entretanto, todas aquelas que perderem o bebé depois de terem a gripe A, além de terem outro bode expiatório, terão que lidar com a dúvida cruel se tudo seria diferente caso fossem vacinadas.

(por bode expiatório, aqui, aplico-o como uma razão que faça a mamã acreditar que a perda da criança não foi dela - por vezes é difícil ultrapassar isso)

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 5:34:00 da manhã

AlfmaniaK:

"Dilema de uma realidade cruel: todas as grávidas vacinadas que perderem o bebé, têm um bode expiatório. Todas as outras terão que viver na amargura da dúvida do porquê perderem o bebé... é fodido! (talvez até valha a pena ser-se vacinada)."

Este comentário é do mais cruel e insensível que tenho visto.
Achas mesmo que culpar algo diminui a dor de perder um filho? Achas mesmo que poder culpar a vacina irá fazer a mulher sentir-se menos atormentada?

Mas tu estás bom da cabeça?
Uma coisa é o teu prazer em vir aqui atirar postas de pescada na tentativa inútil e sem qualquer tipo de sustentação de refutar o que escrevo, outra é este comentário insultuoso não só para aquelas mulheres mas também para com qualquer mãe ou pai, em principal as mães que sabem o que ter uma vida dentro delas.

Achas que uma mãe vai culpar a vacina? Ou será que vai passar o resto da vida a torturar-se, culpando-se a si própria?

Uma mãe ou um pai que perde um filho culpa-se A SI E SÓ A SI por não ter feito mais, por não ter tomado a decisão certa, por não ter protegido o seu filho.

Este teu comentário nem merecia publicação, merecia ir directamente para o lixo, mas quero que se veja o tipo de raciocínio das pessoas que adoram vir aqui tentar refutar o que digo.

Pois este é um comentário claro de um menino que olha o mundo através de um véu protector de uma mãe e de um pai que o protegeram de tudo e todos inclusivamente da realidade. E hoje tornou-se no ser que demonstras ser com este comentário.

  Anónimo

sexta-feira, novembro 20, 2009 6:44:00 da manhã

que comentario faz a este artigo? http://mobile.publico.pt/shownews.aspx?canalid=62&id=1410509

APCV

  Anónimo

sexta-feira, novembro 20, 2009 6:56:00 da manhã

Obrigado por Blog intiresny

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 7:37:00 da manhã

Anónimo APCV:

Só posso comentar o óbvio e passo a citar:

No ponto 1, ele vai buscar o nome de uma mulher que foi publicamente desacreditada mas não fala de uma outra que não tem como desacreditar, como é Jane Bürgermeister a maior activista a nível mundial e a primeira a apresentar queixa crime contra a OMS, Baxter, CDC, entre outros.
Isto é o mesmo que eu atacar a reforma do ensino usado o exemplo da maneira como o Sócrates fez o exame de Inglês. Ou seja, pegar no pior exemplo de forma a criar uma argumentação superior.

No ponto 2, esse senhor afirma que a vacina é segura e eficaz quando não há dados dos próprios laboratórios quer sobre a sua segurança quer sobre a sua eficácia. Esse dados estão previstos para Dezembro de 2010 de acordo com a Baxter. Tudo o que temos até agora é uma garantia verbal da OMS e uma imunidade criminal dada aos laboratórios responsáveis pela Pandemirx.
Ele refere também os efeitos em adolescentes ciente de que esta vacina apesar de estar a ser administrada a grávidas e crianças, não foi testada nesses grupos. Ciente também de que a Suíça considerou esta vacina insegura para menores de 18 anos.

No ponto 3, ele fala de grávidas dizendo: "No nosso país, ocorrem todos os anos, em média, 300 mortes fetais após as 22 semanas de gestação. Em muitos destes casos não é possível encontrar uma explicação. Como o número de grávidas vacinadas com a vacina anti-gripe A está felizmente a aumentar, é natural que os casos como os relatados nestas duas últimas semanas - morte fetal em grávida vacinada - sejam cada vez mais frequentes, sem que isso permita extrair qualquer relação de causa-efeito."

Ou seja, ele começa por dizer que não é possível encontrar uma explicação para a morte dos fetos, depois diz que com o aumento das mulheres vacinadas este tipo de mortes terá tendência a aumentar e termina dizendo que não haverá causa-efeito.
Pois eu digo que o que ele diz está claro, se com a vacinação as mortes de fetos terão tendência a aumentar a causa-efeito é lógica e está clara nas suas próprias palavras.
Se as mortes aumentam pós-vacinação a vacinação é a causa. Há dúvidas?

No ponto 4 eles diz "As doenças matam, as vacinas não" que é como que uma adulteração da frase "as armas não matam pessoas, as pessoas matam pessoas", mas se a pessoa não tem arma como é que dá um tiro noutra? No entanto o que ele diz tem piada pois a vacina H1N1 nos anos 70 matou milhares e foi estabelecida uma relação directa. A vacina da Gripe Espanhola em 1918 acelerou a propagação do vírus, onde a Grécia que foi o único país da Europa a não vacinar a sua população não teve praticamente casos dessa gripe. Ou até a vacina da gripe sazonal que matou imensos alérgicos nos primeiros anos e continua a matar, pois não são feitos testes a possíveis alergias.

Eu no lugar deste senhor diria: As vacinas não matam, mas podem morrer pessoas ao serem vacinadas. As doenças matam tirando a maioria delas que não mata ninguém... moem mas não matam.

Esse senhor termina dizendo que há dois tipos de atitudes a tomar de forma a optar pela vacinação ou não, que são: "a que é lógica, científica, lúcida e isenta, ou a que é sensacionalista, mal informada e não fundamentada". Chamem-me esquisito mas acho que só há uma forma de optar ou não pela vacina e essa é a que é lógica, científica, lúcida, isenta e em plena consciência, tendo em conta os dois lados da questão.

O que esse senhor pede é fé. Ter fé na ciência, acreditar que todo o medicamento é bom e que todos os cientistas e lideres políticos querem o nosso bem. As vacinas são como o ser humano que as faz, há bons e maus.

Mas juro que de deu um arrepio ao ler no final quem é esse senhor e o que ele faz. Sendo quem é deveria ter publicado algo que estivesse melhor escrito, melhor argumentado e não tão irresponsável quanto o que li.

Não sei se o comentário correspondeu às suas expectativas mas eu tenho tendência a dissecar este tipo de artigos que estão sempre repletos de falhas graves.

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 20, 2009 7:45:00 da manhã

Anónimo:

"Obrigado por Blog intiresny"

Jennifer-Tool

  I.D.Pena

sexta-feira, novembro 20, 2009 12:15:00 da tarde

Mas a mim revolta-me profundamente ver na tv em todos os canais o incentivo à vacinação, revolta-me profundamente que os médicos decidam o que é normal e o que é anormal.
Esta epidemia foi implantada pelo humnano. EXISTE provas disso mesmo. E de seguida milagre, surgiu a vacina e a sua patente.

Revolta-me a hipocrisia dos politicos , revolta-me a hipocrisia dos jornalistas, revolta-me a passividade dos povos quando confusos.

Se uma vacina fosse boa não era necessario vir um ministro defendê-la.

Mete-me nojo que se faça dinheiro à custa da saúde dos outros.

Pronto, desculpa a minha dureza.

  provocação

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:13:00 da tarde

Somos todos uns carneiros do caraças, põe-se os media a fazer campanha juntamente com o governo, não aparece uma alma a ter direito de antena na questionização das coisas e viva a política do logo se vê. A mim niguém me vacina. Relembro que a idoneidade de alguns médicos levou a que nos anos 70 quando algumas pessoas começaram a responsabilizar o tabaco por cancros no pulmão e mortes, houve deles devidamente pagos pelas tabaqueiras a contrariarem relatórios de colegas. A profissão é nobre, as pessoas que a exercem são hummanas.

  lunatiK

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:19:00 da tarde

Viva

tal como a I.D. Pena também me revolta bastante toda a publicidade que fazem á merda da vacina, no entanto e pelo menos com as pessoas com quem me dou, ninguém tomou nem vai tomar a dita, no fundo julgo que aos poucos a verdadeira informação vai passando e o povo vai abrindo os olhos.
Realmente se a vacina fosse mesmo algo de bom e de útil não necessitava de tanta publicidade, imagino quando chegar a Primavera e o estado tiver milhões investidos para ir para o lixo, sim, não tenho dúvidas que vai sobrar muita coisa.
Quanto ao comentador Mistral diz que não há provas de que a vacina faça mal, e agora pergunto eu, e provas de que faça bem, há?
Cumps.

  L.

sexta-feira, novembro 20, 2009 2:48:00 da tarde

Alfmaniak, esse teu comentário só é comparável aos comentários daquelas bestas que dizem que por aborto ter sido liberalizado, passa imediatamente ser escolhido como método contraceptivo. Qual é a mãe que perde um filho e não sofre tremendamente com isso? Achas que é por haver "bodes expiatórios", como lhes chamas que a dor é atenuada? Em última instância, a culpa é sempre da mãe. Vai pensar sempre que poderia ter feito mais, poderia ter-se protegido mais, poderia não ter bebido o café que bebeu (isto já sou eu a ridicularizar). Seja responsabilidade de uma gripe, de uma vacina, de uma bactéria ou de simplesmentemente ter caído da cama de manhã, a culpa, aos olhos de uma mãe, há-de ser sempre dela. Mas se pensas assim, só tenho a dizer que miséria de mundo é este em que vivo e que raio de gente é esta que me rodeia...

  L.

sexta-feira, novembro 20, 2009 4:05:00 da tarde

provocação:

Por algum motivo é que os médicos fazem o juramento de Hipócrates. E por algum motivo é que "hipócritas" tem a mesma raíz etimológica.

  Jane Doe

sexta-feira, novembro 20, 2009 4:14:00 da tarde

Esta do bode expiatório é de rir.

Acho que é mesmo só isso que consigo fazer, eu...

Ahahahaah

  shaun

sexta-feira, novembro 20, 2009 5:41:00 da tarde

L.:

Uma das frases desse juramento diz:

"Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto."

http://pt.wikipedia.org/wiki/Juramento_de_Hip%C3%B3crates

curioso...

  Vani

sexta-feira, novembro 20, 2009 9:16:00 da tarde

"nenhum até hoje apareceu com provas científicas daquilo que alegam"

então eu pergunto-lhe o seguinte: sabendo que existem excelentes cientistas a trabalhar em terapêuticas alternativas de, por exemplo, diabetes mellitus, com provas dadas e cabais da eficácia dessas terapêuticas, porque é que não há nenhuma farmacêutica (entenda-se, empresa) interessada numa terapia muito mais eficaz que a administração de insulina?...

Acho que muitos perceberão onde quero chegar.

  Vani

sexta-feira, novembro 20, 2009 9:20:00 da tarde

Alfamaniak, lê bem o que escreveste. Como mulher e futura mãe, acho o teu comentário ofensivo.

  Vani

sexta-feira, novembro 20, 2009 9:34:00 da tarde

Cuidado com as generalizações, L.

  Anónimo

sábado, novembro 21, 2009 1:25:00 da manhã

Em tempos, antes de existirem blogs e blogosfera (o que quer que seja que esta palavra queira dizer), tambem andei imerso na temática da "teoria da conspiração". Reconheci nos teus textos grande parte das fontes onde foste beber inspiração. Jeff Rense e Alex Jones devem ser nomes que conheces bem.

Já dominas decentemente a documentação, demagogia e retorica. Falhas redondamente na isenção ideologica. O que te retira alguma credibilidade.

Porque perdi interesse por esta temática?
Porque a máxima "Business as usual" responde universalmente a todas as teorias da conspiração.

Parabens pelo blog. Gosto da tua redacção e virei cá mais vezes.
Deixo uma sugestão para um artigo: "Majestic 12".

Os melhores cumprimentos.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:56:00 da manhã

I.D.Pena:

"E de seguida milagre, surgiu a vacina e a sua patente."

Surgiu primeiro a patente da vacina, depois a patente do vírus (existe uma patente para criar o vírus H1N1) e agora surgiu a patente para criar uma vacina contra a peste penumónica.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:56:00 da manhã

provocação:

"põe-se os media a fazer campanha juntamente com o governo, não aparece uma alma a ter direito de antena na questionização das coisas e viva a política do logo se vê."

Um bom exemplo disso é a associação de 30.000 cientistas que vão processar Al Gore pela sua campanha mentirosa de aquecimento global, eles não recebem tempo de antena, só uma estação lhes deu voz e foi um pequena entrevista de alguns minutos. A Fox News e deu porque é um canal Republicano e o Al Gore é Democrata.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:56:00 da manhã

lunatiK:

"Realmente se a vacina fosse mesmo algo de bom e de útil não necessitava de tanta publicidade"

Os bons produtos vendem-se em grande propaganda. Ninguém faz publicidade à vacina do tétano e toda a gente a leva de 10 em 10 anos pois é útil e não precisamos que nos digam isso na TV todos os dias.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:56:00 da manhã

L.:

"Em última instância, a culpa é sempre da mãe."

Sempre, qualquer mãe ou pai se vai sempre culpar a si mesma/o mesmo que a culpa de outrem seja provada.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:56:00 da manhã

Jane Doe:

Eu nem ri nem chorei, li e fiquei sem reacção.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:57:00 da manhã

shaun:

"Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto."

Lol, parece parte do juramento maçónico... bem o símbolo deles é maçónico :)

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:57:00 da manhã

Vani:

"então eu pergunto-lhe o seguinte: sabendo que existem excelentes cientistas a trabalhar em terapêuticas alternativas de, por exemplo, diabetes mellitus, com provas dadas e cabais da eficácia dessas terapêuticas, porque é que não há nenhuma farmacêutica (entenda-se, empresa) interessada numa terapia muito mais eficaz que a administração de insulina?..."

Porque não dá tantos lucros, sem dar lucro que se lixe se o tratamento é bom :)

"Cuidado com as generalizações, L."

Toda a regra tem excepção, e como todos nós devemos saber isso não é preciso apontar a excepção em todas as afirmações. Ao generalizar atingimos todas as pessoas culpadas desse grupo, se simplificarmos muitas irão escapar à critica.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 1:57:00 da manhã

Anónimo:

"Reconheci nos teus textos grande parte das fontes onde foste beber inspiração. Jeff Rense e Alex Jones devem ser nomes que conheces bem."

Jeff Rense é alguém que não conheço bem, não gosto do site dele por permitir devaneios sem sentido por parte dos membros do seu fórum.
Alex Jones é um verme repugnante, mentiroso, falso e usa tudo isto para obter lucro com a sua money bomb, causa o pânico falando sobre certos assuntos como se fosse o fim do mundo e ataca com ofensas pessoais todos os que façam uma ligação entre a elites e o Sionismo.

"Já dominas decentemente a documentação, demagogia e retorica."

Estou neste meio há mais de 10 anos.

"Falhas redondamente na isenção ideologica."

Eu não tenho de ser isento, os jornalistas que o deveriam ser também não o são.

"O que te retira alguma credibilidade."

Se chegar a conclusões pessoais e ter opinião é sinónimo de perda de credibilidade então acho que temos um problema grave na nossa sociedade. Sofremos da mentalidade exemplificada por um provérbio Britânico que diz: "somos livres de criticar o Estado e por isso mesmo não o deveremos fazer"

"Porque a máxima "Business as usual" responde universalmente a todas as teorias da conspiração."

Uma resposta claramente insuficiente e se pensarmos assim não iremos nunca a lado nenhum.

"Deixo uma sugestão para um artigo: "Majestic 12"."

Sim, é um dos assuntos a abordar mas com todos os desenvolvimentos actuais é assunto adiado.

  Cirrus

sábado, novembro 21, 2009 2:21:00 da manhã

Desculpem-me a intromissão, mas o Estado de Emergência já foi declarado efectivamente na Ucrânia, tudo indicando que também a Lei Marcial foi declarada não há muito tempo. E isto a conselho da OMS, que já aconselhou a Áustria a fazer o mesmo, caso a doença se espalhe mais do país vizinho para o leste austríaco. Não há muitas fonte, nem as notícias se podem confirmar, mas uma coisa é certa: está algo muito grave a acontecer para aqueles lados e a OMS pondera uma acção de quarentena a todo o país.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 2:27:00 da manhã

Cirrus:

"o Estado de Emergência já foi declarado efectivamente na Ucrânia"

Correcto as escolas e locais públicos foram fechados no inicio do mês durante 7 dias. A zona Oeste ainda está sob quarentena.

"tudo indicando que também a Lei Marcial foi declarada não há muito tempo."

O Presidente passou poderes para o ministério da defesa e para o ministro da saúde no dia 4 de Novembro. Os militares passaram a ter poder de decisão, e isso é uma lei marcial. Isso está claro na declaração do Presidente no seu website.

Até agora só a Alemanha e Franca criticaram isso.

"Não há muitas fonte, nem as notícias se podem confirmar, mas uma coisa é certa: está algo muito grave a acontecer para aqueles lados e a OMS pondera uma acção de quarentena a todo o país."

Já há dados sobre quarentena numa cidade inteira, relatos de pessoas que fugiram para o Polónia.
Mas é verdade, pouco se sabe 2 blogues de Ucranianos que seguia desapareceram, um foi apagado o outro está online mas sem textos.

  Anónimo

sábado, novembro 21, 2009 5:19:00 da manhã

Vani : "porque é que não há nenhuma farmacêutica (entenda-se, empresa) interessada numa terapia muito mais eficaz que a administração de insulina?"

porque se calhar não vale a pena descobrir a cura para algumas doenças...imaginem que começam a descobrir (se é que já não descobriram) a cura para algumas doenças. Ou são "descobertas" doenças novas, ou então toda a gente envolvida no mundo da medicina começa a ficar sem emprego, ora, e ninguém quer perder o emprego...

o que falei é só especulação, uma opinião em relação ao mundo da medicina no geral. Se tem ponta de verdade...não sei. Será que tem?

APCV

  ortomixovirus

sábado, novembro 21, 2009 10:41:00 da manhã

Cada vez mais me espanto com a falta de lógica e sentido criticos de certas pessoas.
Primeiro a gripe era uma gripe normal, depois foi criada uma vacina má, depois apareceu uma vacina boa, a Baxter infectou uma data de sem abrigos na Polónia e agora anda a distribuir Peste bubónica pela Ucrânia. O que vem a seguir?

Meu caro...

Portugal: Há em média 1 aborto por dia em portugal. Acho que se vacina metade das grávidas de portugal, após a vacinação passa a haver uma gravida vacinada que aborta em cada 2 dias! Isto para mim é matemática do mais simples que existe, mas compreendo que não seja bem a tua área. Já agora, a partir do momento em que todas as gravidas forem vacinadas, todos os abortos seram pós vacinação. Na altura também vais dizer que a vacinação mata uma feto todos os dias?
Já agora, afirmas isto: [b]Podem argumentar que só em Portugal estão a ocorrer estes casos com grávidas, mas é preciso saber que Portugal é o país Europeu que está mais avançado na vacinação[/b]


Polónia:

o que o artigo do telegraph diz: Pobres e sem abrigos de um lar, foram tratados com o que lhes foi dito com a vacina para a gripe sazonal. As autoridades suspeitam que foi utilizado um MEDICAMENTO contra o H5N1.

o que tu percebeste do artigo: sem abrigos na polonia foram tratados com o que lhes foi dito ser a vacina para o H1N1 e no entanto era uma estirpe viva de H5N1.

Epah, para alguém com tanta "queda" para as letras e com tanta "formação" em ingles, andas a atirar um bocado ao lado.

Suécia:

pegando na tua citação; [b]Podem argumentar que só em Portugal estão a ocorrer estes casos com grávidas, mas é preciso saber que Portugal é o país Europeu que está mais avançado na vacinação[/b]; pela lógica também deveriamos ter os mesmos problemas que os suécos. Quantas grávidas é que já morreram? Quantas profissionais de saúde é que ja morreram em portugal depois de serem vacinados? Quais foram os casos de efeitos secundários da vacina em portugal?

Enfim.. Continuo a achar que devias pensar um pouco antes de fazeres os teus posts, em vez de acreditares em tudo o que lês.

  ortomixovirus

sábado, novembro 21, 2009 11:20:00 da manhã

se calhar também vão limpar o cebo a 11 milhoes de pessoas em africa. Ninguém fala disso!!!!!!!!

http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2009/yellow_fever_20091117/en/index.html

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 11:36:00 da manhã

ortomixovirus:

"Cada vez mais me espanto com a falta de lógica e sentido criticos de certas pessoas.
Primeiro a gripe era uma gripe normal, depois foi criada uma vacina má, depois apareceu uma vacina boa, a Baxter infectou uma data de sem abrigos na Polónia e agora anda a distribuir Peste bubónica pela Ucrânia. O que vem a seguir?"

Certas pessoas nao escrevem neste blogue, logo, este seu primeiro parágrafo é irrelevante e uma parva tentative de despiste dos leitores e comentadores mais recentes. Neste blogue de forma a comentar deverá comentar únicamente o que é escrito e nao o que deseja que eu tivesse escrito. De modo a esclarecer, visto que nao leu, nao sabe interpretar o que le, ou gosta simplesmente de inventar, o que já aqui disse foi:

- H1N1 é uma gripe com sintomas mais fortes.
- H1N1 é altamente contagioso.
- H1N1 tem matado muito pouco.
- Há vacinas boas e há vacinas más, a H1N1 não tem testes de segurança e tudo aponta para se má.
- Tal como as vacinas há comentadores bons e comentadores maus e desconfiem sempre que defende não testado com a paixão de quem tem certezas documentadas. Em particular aqueles que inventam argumentos nunca usados neste blogue.

"Portugal: Há em média 1 aborto por dia em portugal."

Média que foi agravada na passada semana.

"Acho que se vacina metade das grávidas de portugal, após a vacinação passa a haver uma gravida vacinada que aborta em cada 2 dias!"

Na verdade foram e abortos em 3 dias, 3 numa semana. Todo o aborto acidental ou não, é um aborto a mais. Não entendo a sua lógica, mas é-me familiar pois você vê os seres humanos como estatísticas o que demonstra o tipo de pessoa que você é.

"Já agora, a partir do momento em que todas as gravidas forem vacinadas, todos os abortos seram pós vacinação."

Isto é do mais estúpido que já li e é colocado em segundo lugar após o comentário do Alfamaniak. Não é uma questão de se pós vacinação, mas assim imediatamente pós-vacinação com autopsias inconclusivas. Além disso resultados de autópsias e possíveis ligações morte/vacina não podem ser apresentadas pelos governos nacionais. O acordo EUA-UE/GSK obriga a que os resultados e possíveis ligações sejam mantidos longe do conhecimento público até que a GSK efectue a sua própria investigação.

"Na altura também vais dizer que a vacinação mata uma feto todos os dias?"

Se vai começar a insinuar o que eu irei dizer no futuro, os seus futuros comentários não serão publicados, ou comenta de forma séria consoante o que é dito, ou não comenta à professor Bambo.

(cont.)

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 11:36:00 da manhã

ortomixovirus:

"o que tu percebeste do artigo: sem abrigos na polonia foram tratados com o que lhes foi dito ser a vacina para o H1N1 e no entanto era uma estirpe viva de H5N1."

100% mentira, uma prova de que tem graves problemas de interpretação de leitura. O que disse foi que os sem abrigo foram informados que estavam a ser pagos para receber a vacina contra a gripe sazonal, quando sabiam que não era.
Comente com responsabilidade ou pergunte quando não percebe.

"Epah, para alguém com tanta "queda" para as letras e com tanta "formação" em ingles, andas a atirar um bocado ao lado."

A minha queda para as letras é o seu ponto fraco ao não interpretar correctamente o que é escrito de forma clara.
Sou eu com queda para as letras e ver todos os seres humanos como especiais e únicos e você com queda para os números que o fazem ver todo o ser humano como um numero numa estatística. Ainda bem que a minha queda é para as letras.

"pela lógica também deveriamos ter os mesmos problemas que os suécos."

Essa não é a minha lógica visto que a Suécia tal como a Alemanha não estão e nem planeiam vacinar grávidas. E por não haver vacinação de grávidas não existem casos pós vacinação. A este grupo acrescento também a Suíça que proibiu a Pandemirx a menores de 18 anos grupo onde incluíram as grávidas.

"Quantas grávidas é que já morreram?"

Nao há casos, pois nao há vacinacao.

"Quais foram os casos de efeitos secundários da vacina em portugal?"

Ligações não confirmadas nem desconfirmadas de 3 casos noticiados.

"Enfim.. Continuo a achar que devias pensar um pouco antes de fazeres os teus posts, em vez de acreditares em tudo o que lês."

Enfim, acho que deveria comentar dirigindo-se a mim comentado o que escrevo e não em tom de campanha pró-vacina usando atribuindo-me argumentos que não usei.

Leve a sua vacina mas não precisa de arrastar terceiros consigo pois quem tem medo compra um cão e não comenta com tantas certezas.
Toda a gente tem o direito de saber os prós e contras de maneira a decidir em consciência. O meu objectivo ajudar a que decidam em consciência e não se deixem levar por certezas em forma de palavras que não são sustentadas por qualquer documento de segurança da vacina, pois esses documentos incrivelmente não existem e o primeiro será divulgado em Dezembro de 2010, ou seja, deveria ser após esse documento que a vacinação deveria ser iniciada, excepto no caso que estamos a verificar que é esse documento ter como base o teste em humanos que estamos a verificar.

Não concorda? Então partilhe o documento de segurança que deveria ter sido a base de homologação da vacina.

  Bruno Fehr

sábado, novembro 21, 2009 11:40:00 da manhã

ortomixovirus:

"se calhar também vão limpar o cebo a 11 milhoes de pessoas em africa. Ninguém fala disso!!"

Infelizmente sou só um, mas informe-se melhor sobre o lote de vacinas enviadas para África e sobre as mais recentes campanhas de vacinação da OMS naquele país, uma relas responsável pelo infertilizacao de milhares de mulheres.

O caso de África será sempre o mais difícil de atribuir qualquer morte à vacina. Mas sim iremos ser responsáveis pelas futuras mortes em África pois somos responsáveis por todas as mortes de causa não natural em África.

  Vani

sábado, novembro 21, 2009 2:14:00 da tarde

#porque se calhar não vale a pena descobrir a cura para algumas doenças#

Ora bem, não vale mesmo. E porquê? Porque a cura não rende. O que rende são as doenças crónicas, onde o enfermo passará o resto da vida a comprar medicamentos. Claro que já há curas, vacinas, terapias, etc. Os bastidores da investigação médica e farmaceutica estão potencialmente cheios delas. Mas, como vivemos num mundo capitalista, só ganha a terapeutica que fizer ganhar mais dinheiro...

Os médicos ficarão sempre emprego?? duvido muito que isso venha a acontecer, pois é virtualmente impossivel impedir o aparecimento de novas doenças ou o re-acendimento das velhas. Os vírus e as bactérias são os organismos que mais rapidamente evoluem, seja natural, seja artificialmente. A doença só será erradicada no dia em que deixarmos de ter um corpo orgânico.

  Grafonola

domingo, novembro 22, 2009 2:31:00 da tarde

O meu comentário seguiu?...onde dei o link para um video?

  Grafonola

domingo, novembro 22, 2009 2:32:00 da tarde

no caso de não ter seguido (porque me apareceu a mensagem not found...):



http://www.youtube.com/watch?v=JpOB4xkpjgQ

  Vani

domingo, novembro 22, 2009 7:45:00 da tarde

ps - podes vir ajudar à discussão :D, já conheces o caminho :D

  Vani

domingo, novembro 22, 2009 7:46:00 da tarde

(ps - no sentido que sabes onde está a decorrer a discussão, hã?)

  Anónimo

domingo, novembro 22, 2009 8:47:00 da tarde

Como em tudo na vida, há riscos...

Se não tivessemos vacina em Portugal crucificavam o Estado por não termos. Assim crucificam por termos, mas TALVEZ não ser segura.

Cabe a cada um fazer o que está de acordo com a sua consciência...tendo em conta que há riscos de levar a vacina e há riscos de não levar a vacina.

Penso que não devemos atacar-nos, mas sim transmitir a maior quantidade informação, para que possamos formar uma opinião com consciência.
ninguém é obrigado a ter a mesma opinião que outréme todas as opiniões devem ser respeitadas.

Cumprimentos

  Vani

domingo, novembro 22, 2009 11:26:00 da tarde

Anónimo, uma vacina que TALVEZ não seja segura não deveria ser administrada massivamente. Ou é segura ou não é. Não há talvez, porque se talvez não for segura, então talvez mate algumas pessoas. Talvez. Logo se vê se mata ou não, enquanto se administra. Se matar, azarucho, não é? Talvez. Quem sabe? Bora fazer uns testes enquanto o povo acode à vacina (mas, por precaução, é melhor adminsitrar uma diferente às elites, só naquela de se dar o caso de a vacina ser, talvez, perigosa).

São muitos talvez para se brincar assim com a vida das pessoas, não achas?...

Mas, através das informações que recolhi, formulei a minha opinião: há mais riscos em "TOMAR" a vacina do que em ter gripe A...