À conversa com Mário Cordeiro

"Se Maomé não vai à montanha a montanha vai a Maomé", e por isso resolvi eu próprio questionar o Professor Dr. Mário Cordeiro. Não que me considere uma montanha, mas sim por considerar este médico como um Messias. A discussão foi unilateral, eu apresentei os meus argumentos e como resposta... eu queria dizer NADA, mas deixo-vos com o print screen da primeira troca de palavras para que possam retirar as vossas conclusões.

Eu dei o mote para a discussão usando de argumentos conhecidos e documentados. Como podem ver no comentário, dei até a este médico algo que ele deveria conhecer, e que deveria ter verificado de forma a responder ao meu comentário. Qualquer médico interessando em esclarecer a população teria verificado os documentos de forma a poder dar a sua opinião.
Este senhor não leu pois respondeu ao meu comentário em menos de 6 minutos, dizendo o que podem ler no print screen que se segue:


Mas quem é que disse que a OMS, UE, AEM, CDC, e o (des)governo Português querem liquidar a população mundial? O que pedi foi documentação de segurança da vacina. Você afirma e reafirma que ela é segura, mas é incapaz de sustentar as suas afirmações com factos. Eu sou agnóstico por isso é para mim tão difícil acreditar na verdade do que diz só porque é médico, como me é difícil acreditar nas palavras de Jesus só porque dizia ser filho de Deus. A medicina não é religião e por isso a fé deverá ser colocada em estudos científicos e não na sua opinião pessoal. Você é médico e cheio de certezas, o meu arquitecto também era cheio de certezas no entanto a pedra mármore da lareira partiu com o calor.

Como é que se tentou matar com a vacina? Tomou uma dose de cavalo? Não sei se percebeu que o facto de você se ter vacinado não prova a segurança da vacina, pois é mais do que sabido e assumido pelas farmacêuticas que os testes foram insuficientes e por isso os relatórios de segurança só serão lançados dentro de 13 meses.

O que é que você quer dizer com: "É preciso ir um bocadinho além e perceber o processo de fabricação, validação, extrapolação de dados, etc, bem como as diversas fases"? Estará por ventura a dizer que você conhece esses processos e que a Baxter e a GSK que fabricaram a vacina não os conhecem? É que eles não defendem o seu ponto de vista e o meu ponto de vista tem como base a informação tornada pública por eles.

Quanto ao dizer "Bulas há muitas", é grave! É mesmo muito grave um médico dizer para não ligarmos às bulas como se elas servissem unicamente de decoração. Elas são escritas pelos criadores das vacinas e são algo a ter em conta pelos médicos.
Bulas há muitas mas espero que médicos que ignorem as bulas sejam poucos. Ter um médico a ignorar as bulas é um médico demais.
Você fala muito, ironiza muito mas parece haver uma grande falta de argumentos e documentos para defender o que diz.

Após esta resposta deste médico, que entrou em campos que nada tinham a ver com as perguntas por mim colocadas tendo fugido a todas elas, eu tentei mais uma vez ser esclarecido por tão aclamada autoridade em virologia:




A minha fé numa discussão racional terminou aqui, as minhas perguntas ficaram sem resposta. Este médico continua a defender "as opiniões das agências científicas nacionais e internacionais", mas sem partilhar qualquer tipo de documentação, preferindo referir-se às minhas questões como "masturbação mental".

O senhor tentou mais uma vez colocar um fim à discussão dizendo que eu não o convenci. Apesar de ter dito que não comentaria mais, tive de lhe responder dizendo que nunca foi a minha intenção convencer o autor do blogue. Ora este tipo de respostas vindas de um médico coloca as capacidades intelectuais desse médico em causa.
O que fez este médico de modo a poder continuar a iludir quem busca informação? Ele moderou os comentários. Eu também o faço, mas neste blogue comentam insanidades desde: que um dia me apanham numa rua escura até tentativas de ofensas à minha mãe e pai . Eu modero para prevenir comentários que nada tenham a ver com o texto, mas não faço como esse doutor que passou a moderar para impedir que se conheça o outro lado da questão. É claro que comentários que não levantem questões sobre a segurança da vacina são permitidos, só os meus precisam de ser seleccionados, pois parece que dos dois o ofensivo fui eu... e não havendo mais nada a apontar ao que disse, fui rotulado de "busca publicidade":




Termino com uma outra frase usada por este médico que me fez lembrar um clássico literário: "tenho andado a lutar contra os vírus". O que é que esta frase vos faz lembrar? A mim lembra-me o herói Don Quixote que lutava contra terriveis monstros que afinal eram moinhos de vento...

59 Comentários:

  Anónimo

segunda-feira, novembro 30, 2009 4:51:00 da tarde

Gostei do comentário dessa Musa. Quem não merece desprezo é porque merece atenção.

Tenho vindo a reparar que os "malucos" das conspirações fazem algo que os "sãos" não fazem, que é apresentar dados que podem mostrar o outro lado da questão.

Não sei quem é mais louco, se quem se tenta informar e tem uma opinião que vai contra a corrente, ou aqueles que acreditam em tudo o que alguém munido de uma etiqueta "Dr." diz.

É já sabido que os estudos superiores não curam a estupidez, e regra geral a aumentam e certificam, certificação essa que torna a estupidez inocente em estupidez arrogante.

É claro que se confrontar os defensores da vacina será acusado de várias coisas nem que seja de buscar publicidade. Mas de que lhe vale ela, se você não tem um produto para vender? O problema é que você poderá estar a "roubar" clientes da vacina que eles querem vender!

  Vani

segunda-feira, novembro 30, 2009 5:19:00 da tarde

E pronto, não vale a pena continuar a discussão porque quem está certo, certo está e ponto final... uma coisa é verdade, a discussão já está tão "gasta" que a maioria já não se dá ao trabalho de ler com atenção e começa logo a catalogar. Não vale a pena insistir porque quem questiona é logo um conspirador...

  Joao

segunda-feira, novembro 30, 2009 6:57:00 da tarde

O mário até é esperto.
Termina a discussão, antes que ponha (ainda mais) os pés pelas mãos. :P

  Ricardo Klein

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:03:00 da tarde

Ele admitiu ter mais dúvidas que certezas... Ora, uma pessoa que diga que a vacina é segura e eficaz, repetindo a mesma, não pode de maneira nenhuma ter mais dúvidas que certezas. Bom post, estás de parabéns. Se não te importasses gostaria de pôr este post no meu, com o teu blog devidamente creditado. Gostava que mais pessoas vissem estas débeis respostas.

  ortomixovirus

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:10:00 da tarde

Surgiu-me uma dúvida. Se há tantas certezas que isto tudo não passa de um plano para envenenar a população, para as Baxter encher os bolsos. Se têm provas que vos convencem disso, porque é que não fazem como a tão famosa Jane Burgmeister e processam o governo português?

Ao falar em "vocês" refiro-me ao autor do blog (que entretanto vai dizer que estou a inventar e a por-lhe palavras na boca) e aos seus seguidores (gente que se considera "iluminada" e "acordada").

Já agora Bruno, podias por o link do blog do senhor. Assim era mais fácil ler a conversa toda, em vez de ler as tuas citações (por vezes interrompidas de uma forma incorrecta).

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:40:00 da tarde

Anónimo:

Tenho dados de mais que uma fonte (no entanto não são muitos, são 3) de que os pediatras parecem não poder desaconselhar a vacina independentemente da sua opinião.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:40:00 da tarde

Vani:

Nem por a discussão estar gasta, é por as pessoas analisarem tudo como se fosse um debate televisivo. Nos primeiros minutos escolhem o orador que mais gostam e adoptam a opinião dele como sua. Mesmo que os factos surjam do outro lado, o orgulho impede a maioria de mudar de opinião, pois isso seria um sinal de fraqueza. Se alguém um dia admitir a suas fraquezas, o mundo acaba!

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:40:00 da tarde

Joao:

Ele gosta de por pontos finais antes do discurso terminar, pois não lhe convém continuar a discussão.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:40:00 da tarde

Ricardo Klein:

Este senhor está repleto de dúvidas mas segue uma agenda pré-definida se defender a vacina.

Poderá usar este texto pois estas gente tem de ser exposta como abusadores de confiança, que usam da sua posição para influenciar terceiros, quando sabem estar errados.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:40:00 da tarde

ortomixovirus:

"Surgiu-me uma dúvida. Se há tantas certezas que isto tudo não passa de um plano para envenenar a população, para as Baxter encher os bolsos. Se têm provas que vos convencem disso, porque é que não fazem como a tão famosa Jane Burgmeister e processam o governo português?"

Dúvidas, você tem imensas, é um buraco sem fundo delas e por isso eu esclareço-o.

1- Nunca disse neste blogue que a vacina era para envenenar a população e desafio-o a citar-me. O que digo é que versus uma gripe benigna não vale a pena arriscar efeitos secundários mortais de uma vacina assumidamente não testada, por parte dos fabricantes.

2- Nunca foi aqui dito que a vacina era para encher os bolsos da Baxter, acho que anda a ler outros sites e depois comenta neste. Está com azar pois eu sei tudo o que escrevi neste blogue desde o primeiro texto. Por que motivo acusaria a Baxter quando a vacina em questão é da GSK?

3- Eu avancei sim, com o processo de acordo com a onda de processos criminais começado pela Jane Bürgermeister (e se for necessário posso identificar quem processei em nome individual), o que obviamente não incluiu o governo Português pois ele não passa de um prestador de serviços sexuais internacionais. O meu processo foi o 238° de mais de 6 mil já instaurados na Alemanha.

"Ao falar em "vocês" refiro-me ao autor do blog (que entretanto vai dizer que estou a inventar e a por-lhe palavras na boca) e aos seus seguidores (gente que se considera "iluminada" e "acordada")."

Ler o que disse anteriormente. Obviamente que você trás para aqui coisas que eu não disse, não é uma acusação é um facto. Poderá tentar argumentar, mas só se quiser ser ridicularizado. Pois apesar dos seus comentários ridículos não merecerem atenção, eu não sou perfeito e até gosto de bater em ceguinho voluntários.

"Já agora Bruno, podias por o link do blog do senhor."

Obviamente que não farei publicidade a um blogue manipulador e criminoso. Publicitar esse blogue seria como publicitar a vacina H1N1.
Meu caro, esse pedido de publicidade grátis vai directo para o lixo.

"Assim era mais fácil ler a conversa toda, em vez de ler as tuas citações (por vezes interrompidas de uma forma incorrecta)."

Se quer ler a conversa toda e se tem o cérebro, basta fazer uma busca no Google, tem o nome do dono do blogue, tem o assunto, tem até a ovelha que ironicamente é o tag dele. Uma alusão para que as outras ovelhas o sigam.

Não sei como é que eu consegui interromper citações quando publiquei os print screen com os comentários. Eu sou radical mas não editei os print screens.

Mas afinal, você leu mesmo o texto ou cagou aqui directo?

  Anónimo

segunda-feira, novembro 30, 2009 9:56:00 da tarde

Ortomixovirus:

Clap! Clap! Clap!

Um aplauso. O autor deste blogue conseguiu uma vez mais enterrar-se todo.

Processar o Estado Português!?!? Ah não, isso não que é feio. Tem muita garganta, mas depois não faz nada.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:17:00 da tarde

Anónimo:

"Um aplauso. O autor deste blogue conseguiu uma vez mais enterrar-se todo."

Um aplauso a si próprio?
Enterrei-me em que pontos? Seria giro esclarecer.

"Processar o Estado Português!?!? Ah não, isso não que é feio. Tem muita garganta, mas depois não faz nada."

Processar o estado Português seria um idiotice por diversos motivos:

1- Não moro em Portugal e Portugal não tinha qualquer influencia nesta questão nem sequer tinha plano de vacinação aquando dos primeiros processos. O meu teve inicio em Julho de 2009 e sobre o qual já fui ouvido no meu país de residência em Agosto de 2009.

2- Portugal cumpre recomendações de entidades externas.

3- Portugal é minúsculo e só parece grande a quem nunca daí saiu, como você. A importância de Portugal no mundo, é tão grande como a importância de um individuo perante a sociedade.

Os processos foram feitos contra quem na altura estava a cometer um crime: OMS, Baxter AG, Ministério da Saúde Austríaco e Alemão, Ministros da Saúde Austríaco e Alemão, CDC, UE, FEMA e Casa Branca.

É graças a estes processos que a grávidas Alemãs não serão vacinadas e não existirá nenhum programa de vacinação. A vacinação aqui é o como deveria ser em todo o mundo, voluntária. Não há grupos de risco, o que há são várias centenas de processos que impedem a obrigatoriedade da vacina.

Se por ventura este vírus realmente matasse as centenas de milhões que a OMS referiu inicialmente, eu tal como todos os que deram um passo em frente contra esta farsa, seriam responsabilizados criminalmente. Obviamente estávamos e estamos certos, a gripe é benigna e até a lerda da ministra da saúde portuguesa admitiu isso recentemente.

Os documentos internacionais sobre o processo até foram publicados neste blogue.

Mais alguma questão? Ou ainda se está a aplaudir?

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:17:00 da tarde

"O meu" refiro-me a processo obviamente.

  Vani

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:18:00 da tarde

Ora bem, cá está a prova mais do que viva, dada pelo caro anónimo e pelo caíssimo ortomixovírus de que o que é importante é catalogar as pessoas e arrumá-las na prateleira do seu mundo sedento de classificações. Não se pode discordar com as excelências, nem se pode tão pouco duvidar da eficácia da vacinazeca, e muito menos se pode desconfiar das intenções das farmaceuticas...não vale a pena, o latim já foi demasiado gasto...

Qual é a parte de NINGUÉM ESTÁ A FALAR EM EXTERMINAR A POPULAÇÃO que os senhores ainda não perceberam?... mmm, expliquem lá isso bem explicadinho e fundamentadozinho.

Claro, os médicos que não aconselham a vacina também são um bando de agitadores conspiradores que acham que o mundo é governado por uma data de répteis com pele humana clonada e, já agora, fazem parte de uma resistência armada destinada a expulsar os Visitantes.

E depois quem tem o desplante de discordar de ALGUNS PONTOS é que vê filmes a mais...

Querem referencias? que tal profissionais de saúde com mais de 30 a 50 anos de experiência no meio?? Não servem, pois não? Claro...como não concordam com as excelências, não passam de um bando de alucinados...

O autor do blogue é que se enterrou??? ahahahahahah! Se repararem bem, eu até tenho estado a discordar em vários pontos do autor do blogue. Temos discutido. E em lado nenhum se instalou animosidade, sabem porquê?...pensem um bocadinho, vá, tenho a certeza que chegam lá.

Não, não é o autor do blogue que se está a enterrar...

Mas, claro, que sei eu, estou perdidamente apaixonada pelo autor do blogue, é mais do que óbvio, por isso irei sempre prestar a minha reverência cega a tal deus... LOOOOOOOL!!!

Aprendam a esgrimir argumentos assertivamente e depois conversamos.

  Jane Doe

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:31:00 da tarde

Ahahahahahahah

Ahahahahahahah

Processar o Estado Português! Isso é de RIR!!!!

Ora, claro, eu não tenho mais nada que fazer que é andar a perder papelada e a encher dinheiro ao estado e advogados em processos que não levam a lado nenhum!

Pensem lá um bocadinho: Quem é que no seu perfeito juízo, sem ter um suporte quer monetário, quer de defesa, se vai por a processar o Estado Português? Só loucos. Eu como sou iluminada - E não louca - dispenso perder tempo com uma coisa que não me leva a lado nenhum. E depois... Processar contra o quê?! A informação existe - é só as pessoas procurarem. Em Portugal não existe a obrigatoriedade de vacinação.

Oh foda-se, só se processar o Estado Português por deixar respirar o mesmo ar que eu gente tão tacanha!

Quanto ao texto, a dinâmica é sempre a mesma. Um tem argumentos - o outro patina e despacha, e depois vem uma criatura dizer que o primeiro quer é publicidade, e depois vêm uns e defendem e outros e dizem mal.

Acho que já sei a lenga lenga de cor...

  Luis

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:31:00 da tarde

Acho que você está a fazer um excelente trabalho mas os cordeirinhos estão a trabalhar afincadamente, só lhes falta é um pouco de coragem em assumir os seus erros, ou em apresentar documentos contrários.

  Vani

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:40:00 da tarde

Jane, Jane, cuidado com eles!! vão dizer que estás apaixonada pelo autor do blogue!!!

  Susy

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:43:00 da tarde

Eu tenho dois filhos, uma menina de 2 anos e um menino de 6. O pediatra deles não aconselha a vacina h1n1 e consultei mais dois que também não a aconselham, no entanto aconselham a vacina da gripe sazonal.

Ao procurar informações online encontrei ainda mais confusão. Fui dar ao blogue do Doutor Mário Cordeiro mas fiquei com a impressão de que ele não está ali no papel de médico mas sim de brincalhão.

Eu quero o melhor para os meus filhos, por isso no meio de tantas dúvidas só irei dar a vacina da gripe sazonal e nada mais.

  Jane Doe

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:48:00 da tarde

Vani:

Não serie nem a primeira nem a última a ser rotulada de frita, só por defender no que acredito (e não autores de blogues ou o que os valha).

Os comentários ficam com quem os faz, e só eu sei de mim.

;)

  mike shinoda

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:53:00 da tarde

É um gosto vir a este blog e ver um "John Doe" no campo da medicina como o Bruno Fehr (perdoe-me a expressão) e dar uma coça tremenda num pseudo-médico-pseudo-especialista-não sei-bem-em-quê com argumentos válidos e ainda ter como resposta insultos e moderação à lá PIDE no seu blog pessoal!

Parabéns Bruno, cada vez mais entendo o porquê de teres "fugido" deste portugalinho..

Quanto ao "senhor mário" deixo aqui expresso um valente LOL para as suas capacidades, médicas e de argumentação.

  Anónimo

segunda-feira, novembro 30, 2009 10:59:00 da tarde

Mais aplausos para o Ortomixovirus.

E já agora, uma coisa que não entendi, quem é o ventura?
O problema é que os textos que apresenta não provam nada daquilo que o senhor diz provar.

Aliás, apostaria que você não leu sequer metade do que apresenta, é mais um carneiro a embarcar de forma ceguinha nas teorias de alguns manipuladores.

Porque é que o senhor em vez de insultar e pôr em causa tudo e todos não processa essas pessoas que diz serem incompetentes. O médico Mário Cordeiro, a Ministra da Saúde, o Director-Geral de Saúde, o Primeiro-ministro, as pessoas que apelam ao uso da vacina. Se você tem provas, é muito fácil os tribunais darem-lhe razão e essas pessoas serem todas sentenciadas por irresponsabilidade e comportamento negligente. Processe-os todos. Se tem tanta certeza do que afirma.

Isso sim, era de homem. Assim, é de menino.

  Vani

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:18:00 da tarde

LOL, e mais uma vez o Sr anónimo prova que não leu nem metade do que o Bruno Fehr escreve... olhe, e porque é que não processam todos os médicos do mundo que estão contra esta vacinação? mmm? "Isso era de homem. Assim, é de menino".

  Vani

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:18:00 da tarde

Oh Bruno, vais mesmo perder tempo a responder?... empregarias melhor esse tempo a discutir comigo :-p.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:34:00 da tarde

Jane Doe:

Se processar o Estado Português tivesse algum resultado internacional, sem dúvida que o faria. Pago há anos um seguro é para ser usado :)

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:34:00 da tarde

Luis:

Há uma necessidade de tomar partidos, o interessante é que muitos dos que tomam partido da vacina não se vacinam.

O próprio Mário Cordeiro deu a entender que não vacina os filhos, pois, passo a citar "quando chegar a altura já tiveram a gripe A". Ele afirma que vão morrer milhares mas não vacina JÁ os filhos, vai esperar para ver...

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:34:00 da tarde

Vani:

Este blogue está neste momento com uma avassaladora maioria de seres pensantes, que sabem ler. As interpretações como essa sao exclusividade de anónimos parvinhos que são cada vez mais raros.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:35:00 da tarde

Susy:

Do meu lado, pois não sou médico só lhe posso dizer o que o meu médico me disse. Se que quiser a vacina que ele me receita a que eu quiser com ou sem adjuvantes mas que não me recomenda nenhuma, mas recomenda tal como os médicos que você contactou a vacina da gripe sazonal.

No que toca à medicina devemos pedir sempre uma segunda opinião, você pediu uma terceira, agora decida.

Lembre-se que Mário Cordeiro é um médico pediatra que é professor de saúde publica e tal como diz o ditado, "quem sabe faz, quem não sabe ensina".

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:35:00 da tarde

Jane Doe:

Isso nem é tema, qualquer pessoa que pareça unicamente concordar com algo que eu diga será atacado e receberá até e-mails de um anormal.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:36:00 da tarde

Vani:

O importante para o ortomixovírus, e isso já ficou claro, é desmentir tudo o que eu disser pois vai contra toda a sua agenda pessoal. E faz isso comentado coisas que nunca disse, prova de que já está a misturar os sites e blogues por onde anda a espalhar propaganda.

"Não se pode discordar com as excelências, nem se pode tão pouco duvidar da eficácia da vacinazeca, e muito menos se pode desconfiar das intenções das farmaceuticas...não vale a pena, o latim já foi demasiado gasto..."

Mas ainda falta documentação de segurança, aquela que dá as certezas a estes anónimos e médicos, para mim ela pode vir em Latim, Germânicas, Normandas ou Escandinavas, não sou esquisito na língua.
Quero é ver a fonte de tantas certezas.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:36:00 da tarde

mike shinoda:

"É um gosto vir a este blog e ver um "John Doe" no campo da medicina como o Bruno Fehr (perdoe-me a expressão) e dar uma coça tremenda num pseudo-médico-pseudo-especialista-não sei-bem-em-quê com argumentos válidos e ainda ter como resposta insultos e moderação à lá PIDE no seu blog pessoal!"

A expressão está perdoada, mas sendo John Doe poderão pensar que sou um desconhecido ligado à medicina. Eu sou menos que um John Doe da medicina, e é triste que um simples informado consiga fazer um médico perder o controlo ao discutir medicina. É como que fazer um padre dizer que admira Lucifer.

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:36:00 da tarde

Anónimo:

"Mais aplausos para o Ortomixovirus."

Ele não voltou a comentar, ou será que você falhou um comentário para se poder auto-aplaudir?

"E já agora, uma coisa que não entendi, quem é o ventura?"

Eu não escrevi "por Ventura", portanto não é uma pessoa. Eu escrevi "por ventura" que significa "por sorte". Se tivesse escrito "porventura" significaria "por acaso".

Por ventura está correcto, pois seria só por ventura que o vírus mataria e eu seria punido por ser um de muitos a avançar com um processo que impediu a vacinação obrigatória na Alemanha.

O assunto não é a língua Portuguesa é o vírus H1N1.

"O problema é que os textos que apresenta não provam nada daquilo que o senhor diz provar."

Os meus textos não pretendem provar nada! Pretendem levar as pessoas a investigar as informações que dou. Os defensores da vacina não fazem mais do que falar ou escrever. Eu apresento sustentação documental se não lhe chega, poderia dizer que tenho pena, mas não tenho.

"Aliás, apostaria que você não leu sequer metade do que apresenta"

Quer testar-me? É que você vai terminar o seu comentário demonstrando que nem leu a resposta que dei ao seu comentário anterior. Como posso esperar que tenha lido o meu blogue?

"é mais um carneiro a embarcar de forma ceguinha nas teorias de alguns manipuladores."

Não são teorias é informação! Quando forem teorias eu aviso.

"Porque é que o senhor em vez de insultar e pôr em causa tudo e todos não processa essas pessoas que diz serem incompetentes."

Não insultei ninguém! Mas ainda vai a tempo de ser o primeiro.

"O médico Mário Cordeiro, a Ministra da Saúde, o Director-Geral de Saúde, o Primeiro-ministro, as pessoas que apelam ao uso da vacina."

Eu processei a fonte, não vou processar os fantoches. Se os processos que estão a decorrer por um acaso chegarem a julgamento, o resultado irá afectar Portugal, ao processar Portugal os resultados nem sequer afectariam Portugal pois o tratado com a OMS sobrepõe-se a qualquer resolução nacional de um tribunal Português.

"Se você tem provas, é muito fácil os tribunais darem-lhe razão e essas pessoas serem todas sentenciadas por irresponsabilidade e comportamento negligente."

Fácil não é, mas é de tentar e se é para processar vamos processar o patrão e não o varredor.

"Isso sim, era de homem. Assim, é de menino."

Processar o governo Português é de homem mas processar a OMS, UE e CDC é de menino? Mas quem é você, o Dom João V? É que há séculos que ninguém tem uma ideia tão grande do poder de Portugal no mundo!

  Bruno Fehr

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:43:00 da tarde

Vani.

"LOL, e mais uma vez o Sr anónimo prova que não leu nem metade do que o Bruno Fehr escreve...olhe, e porque é que não processam todos os médicos do mundo que estão contra esta vacinação? mmm? "Isso era de homem. Assim, é de menino"."

Se lesse estava calado. E se tem tanta certeza daquilo que diz e tanta certeza de que eu minto, processava-me também!

Isso sim era de homem, comentar anónimo aplaudindo o que ele próprio diz é de menino.

"Oh Bruno, vais mesmo perder tempo a responder?... empregarias melhor esse tempo a discutir comigo :-p."

Pega comigo e eu discuto!

  AlfmaniaK

segunda-feira, novembro 30, 2009 11:48:00 da tarde

Achei muito pertinente a participação do blogger Lucifer. Aliás, julgo que soube questionar melhor esse médico. Aguarda-se resposta.

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 12:03:00 da manhã

AlfmaniaK:

"Achei muito pertinente a participação do blogger Lucifer. Aliás, julgo que soube questionar melhor esse médico. Aguarda-se resposta."

Nunca disse questionar melhor que os outros, mas de que vale questionar quando não há respostas?

No que toca a ti, quero dizer-te que só comentas aqui enquanto fores educado para com os leitores deste blogue. Não irei admitir um comentário insultuoso como o teu último de há dias.

  Vani

terça-feira, dezembro 01, 2009 12:10:00 da manhã

Quem não tem argumentos limita-se a insultar... :-p

Aqui não tenho por onde pegar :D. De facto, acho escandaloso que um médico pediatra não saiba argumentar nem ser coerente...

Outra vez: se estão assim tão certos da eficácia da vacina, vacinem-se. Desafio-vos, mários cordeiros deste mundo.

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 12:23:00 da manhã

Vani:

"Aqui não tenho por onde pegar :D. De facto, acho escandaloso que um médico pediatra não saiba argumentar nem ser coerente..."

Por algum motivo ele é docente de saúde pública na universidade de Lisboa, além de receber o ordenado do Ministério da Educação tem de leccionar a propaganda do Ministério da Saúde e lá se vai a ética médica...

"Outra vez: se estão assim tão certos da eficácia da vacina, vacinem-se. Desafio-vos, mários cordeiros deste mundo."

O Mário nem os filhos vai vacinar. Num comentário disse que ainda não tinha sido vacinado mas no meu disse que já...

  AlfmaniaK

terça-feira, dezembro 01, 2009 12:32:00 da manhã

Bruno Fehr:

Não objectei, na altura, a opinião que se formou. Concordo que posso ter sido ofensivo, e espero não voltar a ferir susceptibilidades alheias.

Relativamente ao assunto, apenas achei interessante e construtiva, a participação do outro blogger, que sugere ter a mesma posição, quando questionou o tal médico.

Relativamente à vacina que é perigosa, ou incerta nos seus resultados: apenas discordo com o debate que se gera à sua volta, porque ambas as posições (tomar ou não tomar) são incertas. Se por um lado temos as instituições a fugiram à responsabilidade, por outro temos um vírus que pode vir a ser um sério problema.
Até pode haver negócios, interesses e afins por trás da vacina, mas se a mesma for "claramente" ineficaz e perigosa, tenho sérias dúvidas que a mesma fosse tolerada e implementada em programas de vacinação.

Pessoalmente tenho muitos motivos para estar preocupado, e este debate parece não apresentar soluções de prevenção e reacção ao vírus, e ao risco da sua propagação ser pior no futuro!

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 12:58:00 da manhã

AlfmaniaK:

"Relativamente à vacina que é perigosa, ou incerta nos seus resultados: apenas discordo com o debate que se gera à sua volta, porque ambas as posições (tomar ou não tomar) são incertas."

Claro que são, mas é por ambas serem incertas que se deve discutir. Se não existirem pessoas a discutir com estes médicos a população recebe só metade da informação incerta e irá decidir com base nela. Desta forma poderá beber informação dos dois lados e escolher.

Quer um lado quer o outro dizem para as pessoas decidirem, mas por outro lado há médicos a dar certezas absolutas da segurança da vacina, enquanto do outro lado há médicos que unicamente questionam essa segurança.

Poderá haver uma imensa discussão sobre se uma pessoa sobrevive ou não ao saltar de um terceiro andar, mas em caso de dúvida... o que é aceitável fazer?

"Se por um lado temos as instituições a fugiram à responsabilidade, por outro temos um vírus que pode vir a ser um sério problema."

O H5N1 ia matar 150 milhões e afinal nem 300 matou. Este vírus é benigno algo que a própria Ministra da Saúde já admitiu. Contagioso é com toda a certeza mas não é mortal, não chega sequer aos calcanhares da gripe sazonal nesse campo.

"mas se a mesma for "claramente" ineficaz e perigosa, tenho sérias dúvidas que a mesma fosse tolerada e implementada em programas de vacinação."

Aconteceu em 1976. Aconteceu em 1918. Tendo em conta que as farmacêuticas admitem não terem testado a vacina em certos grupos, o programa de vacinação é o teste e isso é inadmissível.

"Pessoalmente tenho muitos motivos para estar preocupado, e este debate parece não apresentar soluções de prevenção e reacção ao vírus, e ao risco da sua propagação ser pior no futuro!"

Já escrevi um texto sobre a prevenção e um sobre o reforço do sistema imunitário. No fundo quer a prevenção que esse reforço é em tudo igual a uma gripe normal, pois este vírus é uma gripe.

Se o vírus pode mutar e tornar-se extremamente mortal? Pode, em particular se se misturar com o H5N1 possibilitando a transmissão entre humanos, mas se isso acontecer a vacina H1N1 não surtirá qualquer efeito e a vacina H5N1 desenvolvida foi declarada tóxica e continuam a investigar.

Nada é certo, o que é certo é que este vírus não é o monstro mau com o pintam, temos a ignorada gripe sazonal a matar dezenas de milhares todos os anos e ninguém impõe a vacinação.

  Vani

terça-feira, dezembro 01, 2009 1:13:00 da manhã

Ora bem, agora é que a discussão está salutar.
No entanto, de notar que o objectivo destas discussões bloguisticas não é avançar com soluções para o fim da gripe...trata-se de partilha de informação. De qq forma, é uma gripe que se pode prevenir como qq outra gripe com o "bónus" de não ser tão patogénica como o influenza sazonal.
A única coisa que torna este vírus potencialmente perigoso, é o facto de se propagar rapidamente, aumentando o número de mortes por uma doença que nem é mortal nem perigosa (a não ser para os grupos de risco identificados que, já agora, tb são os que apresentarão maior susceptibilidade aos efeitos secundários da vacina pandermrix...a própria bula o diz...). O argumento de que o vírus é perigoso porque tem uma elevada capacidade de mutação não me convence no que se trata de avaliar a utilidade da vacina pandermrix...porque, assim que o bicho sofrer mutação, a vacina deixará de ser eficaz por, isso, não é um argumento válido.
Mais uma vez, repito que já falei com médicos (praticantes há muitos anos...) que não estão de acordo com esta campanha de vacinação e que torcem o nariz às empresas farmaceuticas que comercializam as vacinas...andarão a ler demasiadas teorias da conspiração, é??...mmm...

  salgados

terça-feira, dezembro 01, 2009 1:22:00 da manhã

Passe por lá e verifique se, de facto, os comentários estão a ser moderados...

Gabo-lhe a 'paxorra' e perda de tempo com esta 'especie' de desafiar e provocar discussão a quem tem mais que fazer do que andar a replicar consigo.

(hehehehe)

  AlfmaniaK

terça-feira, dezembro 01, 2009 1:29:00 da manhã

Bruno Fher:

"Quer um lado quer o outro dizem para as pessoas decidirem, mas por outro lado há médicos a dar certezas absolutas da segurança da vacina, enquanto do outro lado há médicos que unicamente questionam essa segurança."
E por outro lado só há documentos que certificam a insegurança da vacina. Parece que a partir daqui nem vale a pena questionar tomar ou não tomar.
Eu equaciono a questão em função de um único propósito: O mundo está contra mim?
Prefiro acreditar que não.

"Poderá haver uma imensa discussão sobre se uma pessoa sobrevive ou não ao saltar de um terceiro andar, mas em caso de dúvida... o que é aceitável fazer?"
Se o prédio estiver em chamas...

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 1:41:00 da manhã

Vani:

"No entanto, de notar que o objectivo destas discussões bloguisticas não é avançar com soluções para o fim da gripe..."

Correcto, caso contrário a blogosfera seria trabalho e não passatempo.

"porque, assim que o bicho sofrer mutação, a vacina deixará de ser eficaz"

Exacto, mas a ideia que passa é que quem é vacinado "vai para o céu", que não é arderá no inferno.

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 1:42:00 da manhã

salgados:

"Passe por lá e verifique se, de facto, os comentários estão a ser moderados..."

Quando os comentários são aprovados eu recebo um mail, nem preciso ir lá.

"Gabo-lhe a 'paxorra' e perda de tempo com esta 'especie' de desafiar e provocar discussão a quem tem mais que fazer do que andar a replicar consigo."

Ou não percebeu o texto, ou não conhece este blogue. Eu não tenho a menor intenção de discutir de "espécie" alguma com médicos sem ética com propaganda falsa. A intenção deste blogue é apresentar dados, informação, para que as pessoas decidam em consciência. Decidir em consciência não é dar ouvidos ao primeiro que aparece, mas sim ouvir vários e vários pontos de vista.

Seria perda de tempo se o meu trabalho fosse ignorado, mas obviamente e como poderá verificar, não é.

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 1:49:00 da manhã

AlfmaniaK:

"E por outro lado só há documentos que certificam a insegurança da vacina. Parece que a partir daqui nem vale a pena questionar tomar ou não tomar."

Se tiveres conhecimento de um documento sobre a segurança da vacina, partilha, pois nem os documentos da Baxter e GSK dão certezas.
Eu gostaria de saber em que é que assentam as certezas de certos defensores da vacina, só isso, pois todos sabem já em que é assenta a minha incerteza.

"Eu equaciono a questão em função de um único propósito: O mundo está contra mim?
Prefiro acreditar que não."

Mas isso nem é questão. O mundo não está contra ninguém, mas haverá certamente pessoas que se preocupam contigo e pessoas para quem não passas de um numero.

"Se o prédio estiver em chamas.."

E onde estão a chamas? Nos milhões de mortes calculadas para este inverno nem fumo há, muito menos fogo. Além disso o inverno no hemisfério sul passou antes do nosso se iniciar e nada aconteceu, mas isso também não apareceu nos jornais.

  AlfmaniaK

terça-feira, dezembro 01, 2009 2:06:00 da manhã

Bruno Fehr:

Mas antes,
"Exacto, mas a ideia que passa é que quem é vacinado "vai para o céu", que não é arderá no inferno."

Pergunto-me onde é que se viu essa ideia explícita ou mesmo implícita. Em todo o caso, o objectivo do título "pandemia" e dos programas de vacinação será mesmo controlar a propagação do vírus. Pelo menos é assim que vejo as coisas.
Quanto mais depressa se reagir, parece-me razoável concluir que melhor se poderá controlar o pseudo-monstro H1N1.

"Se tiveres conhecimento de um documento sobre a segurança da vacina, partilha, pois nem os documentos da Baxter e GSK dão certezas."

Não tenho. Nem procurei. E, concordando com a premissa que a indústria farmaceutica é isso mesmo - uma indústria, a opinião deles é-me indiferente.
Uma coisa é certa, não há garantias de nada. E até ver, a hipótese de que a vacina é pior que a doença não me parece ser consistente. Há mais casos de morte relacionados com a doença (de forma subjacente, e em muitos casos de forma coincidente) que mortes relacionadas com a vacina na mesma medida. Mas ainda só estamos no início.

"(...) mas haverá certamente pessoas que se preocupam contigo e pessoas para quem não passas de um numero."

Ora, nessa perspectiva, aos olhos do tal médico dirias que somos números ou seres humanos. Isto dita toda a perspectiva sobre um determinado assunto.
Se somos números, então estamos condenados.

Sobre a analogia do 3º andar e das chamas. Não me parece possível fazer uma analogia entre um vírus e as chamas... mas o fumo seria, na melhor das hipóteses, o número crescente de infectados.

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 3:18:00 da manhã

AlfmaniaK:

"Pergunto-me onde é que se viu essa ideia explícita ou mesmo implícita."

No blogue do senhor em questão. Ele não apresenta dados que sustentem as suas certezas, querendo fé nas suas palavras e com previsões apocalípticas de 2 mortos versus 5000 entre vacinados e não vacinados. Números dignos de um qualquer livro de cultos obscuros sem sustentação cientifica.

"Em todo o caso, o objectivo do título "pandemia" e dos programas de vacinação será mesmo controlar a propagação do vírus. Pelo menos é assim que vejo as coisas."

Correcto.

"Quanto mais depressa se reagir, parece-me razoável concluir que melhor se poderá controlar o pseudo-monstro H1N1."

Correcto, mas não apressando colocar uma vacina no mercado testando-a nos nossos filhos, pois é isso que está em questão, não há uma única vacina testada nos "grupos de risco" que em vez de serem os doentes com sistema imunitário mais fraco, são grávidas e crianças (isto em PT e UK).

"E, concordando com a premissa que a indústria farmaceutica é isso mesmo - uma indústria, a opinião deles é-me indiferente."

A mim não é quando eles assumem a falta de testes e a falta de tempo para testar e os governos dão certezas de segurança que não existem. Isso é red flag!

"E até ver, a hipótese de que a vacina é pior que a doença não me parece ser consistente. Há mais casos de morte relacionados com a doença (de forma subjacente, e em muitos casos de forma coincidente) que mortes relacionadas com a vacina na mesma medida."

Correcto não existe nenhuma relação estabelecida entre vacinas e mortes mas essa relação também não foi excluída devido aos resultados terem sido inconclusivos.
Do mesmo modo nem todos os casos de gripe contabilizados podem ser chamados de H1N1, pois na Alemanha falam em 2 milhões e 500 mil (uma subida de 300% em 3 dias), mas não foram testados todos e muitos médicos afirmam que os contaminados com gripe sazonal são muitas vezes incluídos nesses números.
Diagnosticar 2 milhões de pessoas em 3 dias seria um feito.

"Mas ainda só estamos no início."

O Canadá afirma ter atingido o ponto máximo de contaminação e que está agora a baixar. Eu sou da opinião que estamos no fim, no fim do pânico e no inicio do esclarecimento. Antes de nós já o hemisfério sul ultrapassou o seu inverno com H1N1 sem problemas nem polémica e o sistema de saúde deles é muito inferior ao nosso.

"Ora, nessa perspectiva, aos olhos do tal médico dirias que somos números ou seres humanos."

Aos olhos dele somos obviamente números, ratos de laboratório para os seus testes virológicos, dá certezas que podem levar pessoas desinformadas a vacinarem-se, certezas pessoais não documentadas.

"Se somos números, então estamos condenados."

Correcto, para ele somos obviamente números e daí as suas previsões apocalípticas de milhares de mortos não vacinados.

"Não me parece possível fazer uma analogia entre um vírus e as chamas... mas o fumo seria, na melhor das hipóteses, o número crescente de infectados."

Para o fumo ser o numero crescente teria de haver um fogo de dimensões que justificassem esse fumo, ou seja mortos.

  AlfmaniaK

terça-feira, dezembro 01, 2009 4:47:00 da manhã

Quando questionei onde era implícita a ideia, referia-me à ideia de que uma vez vacinados estariamos safos para sempre, o que não é verdade dada a natureza do vírus.

"Isso é red flag!"
Confesso que não consigo contextualizar o que pretendes dizer com isso. Mas se é porque se trata de algo mal intencionado, isso parece ser coisa de teoria da conspiração, que já percebi não ter lugar no debate. (eu pelo menos só me interessa a aplicação da vacina se sim, ou não)

"Antes de nós já o hemisfério sul ultrapassou o seu inverno com H1N1 sem problemas nem polémica e o sistema de saúde deles é muito inferior ao nosso."
Espero passar um inverno igualmente tranquilo. Mas sobre isso, julgo ser mais interessante perceber porque é que não é no hemisfério Sul que se verifica um maior crescimento da infecção.

"Aos olhos dele somos obviamente números, ratos de laboratório para os seus testes virológicos, dá certezas que podem levar pessoas desinformadas a vacinarem-se, certezas pessoais não documentadas."
É este tipo de posição que me assusta. Se optamos por aceitar uma sociedade que é feita de interesses, então de nada vale a opinião dos outros. O homem é médico e a opinião dele nada vale, porque os documentos feitos por cientistas são mais verdadeiros. O princípio é o mesmo, e estamos a discutir a validade dos títulos.
Convenhamos que o facto de ter um documento a dizer que não é seguro e que são cientistas competentes a fazer o trabalho que origina esse documento, é tão verdadeira como acreditar que a opinião do tal médico é verdadeira, e que só fala para o nosso bem!
Ora como não é possível haver duas posições opostas, então um desses grupos está a enganar-nos...

Eu acredito que a farmaceutica faça de tudo para fugir a qualquer responsabilidade, e acredito que o estado não queira afectar a sua população de forma tão vil.
Também acredito que o tal médico não queira ser fantoche de ninguém, e custa-me a acreditar que ele tenha sido manipulado ou enganado por outrém.
Que a eficácia da vacina seja incerta, que haja muitos interesses e que tudo isto possa sugerir um risco inútil ao tomar a vacina(?), concordo... mas com que vontade é que amanhã me levanto da cama se aceitar viver nesse dogma?
No dia em que houver, por mais pequeno que seja, interesse em destruir/controlar parcialmente o ser humano, julgo que há métodos bem mais eficazes que o recurso à economia/saúde/legislação...
Estes problemas, muitas vezes confundidos com teorias de conspiração, são problemas que carecem de soluções, e não de conversa sobre "acordar", estar atento, desconfiar que os abutres andam aí. Eles andam, é certo e sabido. Mas dificilmente conseguirão ir longe.

Enfim, divaguei demais... mas em suma a vacina não é tão negra como a pintam, nem o vírus é tão fatal como agoiraram. Mas que há riscos para alguns, isso há!

"Para o fumo ser o numero crescente teria de haver um fogo de dimensões que justificassem esse fumo, ou seja mortos."
Bom, salvo erro, a ideia da vacinação é evitar isso mesmo. O que pareces dar a entender é: que se façam vacinas e se testem e estudem com tempo. Depois enterremos os mortos. (mas claro, não há mortos, logo temos tempo)

  Bruno Fehr

terça-feira, dezembro 01, 2009 6:04:00 da manhã

AlfmaniaK:

"referia-me à ideia de que uma vez vacinados estariamos safos para sempre, o que não é verdade"

Claro que não mas a vacina que é um remendo está a ser apresentada como solução.

"julgo ser mais interessante perceber porque é que não é no hemisfério Sul que se verifica um maior crescimento da infecção."

Isso é lógico, é verão e as campanhas de pânico já não pegam.

"É este tipo de posição que me assusta."

Se um cientista cria um medicamento que é testado por médicos e cientistas e depois todos eles dizem que ele não foi testado em certos grupos e temos um médico que não esteve envolvido na criação do medicamento e se recusa a ler informação que lhe dão e se refere às bulas como algo banal, e esse médico diz que é seguro, então, estamos na presença de uma pessoa perigosa.

"e estamos a discutir a validade dos títulos."

Não, eu estou a discutir a ética incutida a esse títulos.

"o facto de ter um documento a dizer que não é seguro e que são cientistas competentes a fazer o trabalho que origina esse documento, é tão verdadeira como acreditar que a opinião do tal médico é verdadeira"

Eles não dizem que não é seguro, eles dizem que não recomendam ou que não foi testado e isso não pode dar certezas de segurança pois é contra-censo.

"Ora como não é possível haver duas posições opostas, então um desses grupos está a enganar-nos..."

Não há posições opostas. Para serem posições opostas eles diriam que a vacina é segura e eu diria que ela não é segura.
O que há é um grupo a radicalizar a segurança da vacina e um outro a dizer que não há dados concretos sobre essa segurança. Mas sim, os defensores da segurança absoluta da vacina estão a tentar enganar toda a gente.

Lá para Março teremos uma vaga ideia da realidade até lá o que temos é especulação e teoria. Eles sobrevalorizam um produto dizendo que é seguro sem haver dados que o confirmem e eu como muitos apresentamos a teoria, que é o conhecimento especulativo pois todos os dados apontam para a dúvida.

"Eu acredito que a farmaceutica faça de tudo para fugir a qualquer responsabilidade, e acredito que o estado não queira afectar a sua população de forma tão vil."

As farmacêuticas não serão responsabilizadas devido à salvaguarda nas especificações da vacina. A Pandemirx NÃO é recomendada menores de 6 meses, ao vacinar uma grávida um menor de 6 meses está a ser vacinado. A menores de 18 a Pandemirx não foi testada e deverá ser administrada SE NECESSÁRIO, sendo essa uma decisão governativa ou médica.

Obviamente fazer de nós cobaias é um ataque vil.

"Também acredito que o tal médico não queira ser fantoche de ninguém"

Crenças pessoais relevantes só para ti.
É difícil acreditar em manipulação em Portugal? Estamos a falar de um médico ligado a dois Ministérios...

"mas com que vontade é que amanhã me levanto da cama se aceitar viver nesse dogma?"

Eu levanto-me todos os dias com a motivação de que pode ser um dia melhor, de que algo pode mudar. E pode basta saíres da cama.

"No dia em que houver, por mais pequeno que seja, interesse em destruir/controlar parcialmente o ser humano, julgo que há métodos bem mais eficazes que o recurso à economia/saúde/legislação..."

Sem dúvida que há, mas não é isso que está em questão.

"Estes problemas, muitas vezes confundidos com teorias de conspiração, são problemas que carecem de soluções, e não de conversa sobre "acordar", estar atento, desconfiar que os abutres andam aí"

Claro que é uma questão de estar acordado e atento, se não estivermos confiamos cegamente nos governos e aí surgem os abusos de poder.

"que se façam vacinas e se testem e estudem com tempo. Depois enterremos os mortos. (mas claro, não há mortos, logo temos tempo)"

Correcto e de preferência sem campanhas de vacinação como se o vírus fosse o fim do mundo.

  Anónimo

terça-feira, dezembro 01, 2009 8:35:00 da manhã

Olá bruno,
Tenho visto o teu blog todos os dias e dou imenso valor a todo o teu trabalho, porem, a malta não quer ver a verdade. A verdade ofende as ovelhas e elas não querem ser acordadas. Por isso elas acham que as incomodamos e somos doidinhos. O meu problema é que diáriamente sou atacado, atingido, roubado, humilhado, intelectualmente insultado e rejeitado pela ignorância sonolenta desses zombies. A questão já não é descobrir a verdade, porque só não a vê quem não quer ver. A questão agora tem sido: Como viver saudavelmente numa sociedade profundamente doente?
Abraço
Luís

  Jane Doe

terça-feira, dezembro 01, 2009 9:36:00 da manhã

Bruno Fehr:

"Isso nem é tema, qualquer pessoa que pareça unicamente concordar com algo que eu diga será atacado e receberá até e-mails de um anormal."

Eu sei, já me aconteceram, por acaso, as duas situaçoes.

  I.D.Pena

terça-feira, dezembro 01, 2009 11:07:00 da manhã

Santa paciencia a tua para aturares, seja anónimos ou drs , que tentam difamar e descredibilizar a tua opinião , e mesmo assim mantens o nivel ao ser educado.

Amén Bruno Feh lol

  Susy

terça-feira, dezembro 01, 2009 4:07:00 da tarde

É incrível como consegue responder a anónimos mal educados sem perder a calam e mantendo o sentido de humor:

"Isso sim, era de homem. Assim, é de menino."

"Processar o governo Português é de homem mas processar a OMS, UE e CDC é de menino? Mas quem é você, o Dom João V? É que há séculos que ninguém tem uma ideia tão grande do poder de Portugal no mundo!"

Esta resposta deixou-me a rir uns bons minutos. Obrigada.

  Mário

quarta-feira, dezembro 02, 2009 10:59:00 da manhã

É fácil retirar frases do contexto, e a argumentação não foi bem como o autor deste Blogue diz. Aliás, a entrada que refere, no meu Blogue, teve 106 comentários e não apenas o do iluminado Bruno Fehr.

Não vou discutir mais o assunto, excepto repor a verdade de um facto: nunca afirmei que não iria vacinar os meus filhos, apenas que os meus filhos não fazem parte do grupo de risco maior (fase A ou B) nem estão abrangidos pelo plano até dois anos porque têm mais. Assim, apanharam gripe A na escola. Quanto aos meus netos, abrangidos pela idade vacinal, recomendei aos meus filhos mais velhos que os vacinassem. Pode discutir o que quiser, mas não ponha em causa a minha coerência: o que advogo para as crianças é exactamente o que faço com os meus filhos.
E, sabe, Bruno, a defesa da vacina da meningite C, em 2002, custou-me o emprego e ainda processos disciplinares e ataques do extinto Independente, acusando-me de corrupção. Tudo veio a ser dirimido em Tribunal, a Inspecção de Saúde deu-me razão, o mesmo ministro que me demitiu veio, passados dois anos, pôr a vacina no PNV, assim desapareceu a meningite C de Portugal e a Directora do Independente, Inês Serra Lopes, e o jornalista que fez as notícias, Fernando Esteves, vieram dizer publicamente que tinham sido manipulados pelo poder político e que tinham feito parte de uma orquestração para me silenciar.
Estou, pois, habituado a ser atacado e, confesso, tanto me faz. Cada um sabe de si, se vacina ou não, se bebe ou não, se fuma ou não, e desde que não chateie os outros nem seja lesivo para terceiros até pode dar um tiro na cabeça ou ingerir estricnina, que não é da minha conta. Agora, quando estão envolvidos menores, outro galo canta - diz a Convenção sobre os Direitos da Criança, que tem FORÇA DE LEI em Portugal.

(para que saiba, nunca recebi nem tenciono receber um tostão para defender ideias - a mania de que quem defende com entusiasmo alguams ideias tem de estar a ser pago por poderes ocultos é própria de algumas mentalidades que, afinal, projectam o que iriam fazer se o assunto lhes tocasse a eles...).

  Bruno Fehr

quarta-feira, dezembro 02, 2009 1:15:00 da tarde

Anónimo:

"O meu problema é que diáriamente sou atacado, atingido, roubado, humilhado, intelectualmente insultado e rejeitado pela ignorância sonolenta desses zombies."

Sempre que isso acontece sem que sofra danos físicos, antes de responder pare e pense antes de responder. Todo o ataque que lhe fazem com raiva irá fazer com que a sua primeira reacção seja defender-se e irá responder também com raiva.
Quem não quer acordar merece compaixão.

  Bruno Fehr

quarta-feira, dezembro 02, 2009 1:16:00 da tarde

I.D.Pena:

Se responder com raiva à raiva, o que é que ganho? Nada, só perco.

  Bruno Fehr

quarta-feira, dezembro 02, 2009 1:17:00 da tarde

Jane Doe:

E acontecerá mais vezes.

  Bruno Fehr

quarta-feira, dezembro 02, 2009 1:18:00 da tarde

Susy:

Usar do humor ajuda a manter a minha calma e a calma de certa forma faz o alvo da mensagem pensar e pesar fará com que desista de tanta agressividade mal aplicada.

  Bruno Fehr

quarta-feira, dezembro 02, 2009 2:01:00 da tarde

Mário:

"É fácil retirar frases do contexto"

Visto que os comentários estão sobre a forma de print screen na sua totalidade, nenhuma frase poderá ter sido retirada do contexto. Esse seu argumento é falso e revelador de que não deu a atenção necessária ao texto escrito sobre si.

"e a argumentação não foi bem como o autor deste Blogue diz. Aliás, a entrada que refere, no meu Blogue, teve 106 comentários e não apenas o do iluminado Bruno Fehr."

A minha iluminação não está em questão, a nossa troca de palavras foi exactamente assim, poderá comparar os print screens que apresento com os meus comentários e suas respostas. A argumentação foi esta e os comentários de terceiros nada afectam as palavras que trocámos. A minha argumentação tem como base o que eu disse e o que você disse dirigindo-se a mim, para este texto só isso é relevante.

"Quanto aos meus netos, abrangidos pela idade vacinal, recomendei aos meus filhos mais velhos que os vacinassem. Pode discutir o que quiser, mas não ponha em causa a minha coerência: o que advogo para as crianças é exactamente o que faço com os meus filhos."

A sua coerência não foi colocada em causa por mim apenas a salientei, foi você que a colocou em causa não ligando sequer às recomendações dos criadores das vacinas, pois "bulas há muitas" e as suas crenças pessoais levam-no a afirmar que a vacina é segura, não para um certo grupo etário, é segura e ponto final. Essa é uma afirmação não coerente digna de intenções governamentais mal definidas, pois os criadores não a consideram estabeleceram a sua seguranças em alguns casos e não a recomendam noutros. Mas para sim ela é incoerentemente e injustificadamente, segura.

"E, sabe, Bruno, a defesa da vacina da meningite C, em 2002, custou-me o emprego e ainda processos disciplinares"

Não conheço o caso, por isso não me posso pronunciar. Não sou médico sou unicamente alguém que se debruça intensivamente sobre os acontecimentos relacionados com a vacina H1N1.

No entanto eu e você somos humanos e sujeitos a errar, e por isso mesmo que tenha estado certo em 2003 nesse caso, pois foi uma vacina testada com sucesso, não faz com que esteja certo sempre. E particular quando agora defende uma vacina não testada.

Este comentário será divido em 2 por forma a não ser acusado de editar o que disse ou retirar algo do contexto.

(Cont.)

  Bruno Fehr

quarta-feira, dezembro 02, 2009 2:04:00 da tarde

Mário:

"a Inspecção de Saúde deu-me razão, o mesmo ministro que me demitiu veio, passados dois anos, pôr a vacina no PNV, assim desapareceu a meningite C de Portugal e a Directora do Independente, Inês Serra Lopes, e o jornalista que fez as notícias, Fernando Esteves, vieram dizer publicamente que tinham sido manipulados pelo poder político e que tinham feito parte de uma orquestração para me silenciar."

Se foram manipulados ou não, é outra coisa que não sei. Mas se se desculparam foi um acto nobre. Se eu estiver errado assumirei os meus erros e espero que você tenha a capacidade de fazer o mesmo.

"Estou, pois, habituado a ser atacado e, confesso, tanto me faz."

Assumo que os dois textos sobre sim, são de facto um ataque mas que não busca a sua reacção, unicamente o esclarecimento geral. Os dois textos sobre a sua contribuição para a defesa da vacina representam uma ínfima parte no meio de todos os que escrevi sobre o assunto onde ao contrário de si, apresento documentos públicos que levantam mais suspeitas que certezas.

"Cada um sabe de si, se vacina ou não, se bebe ou não, se fuma ou não"

Com toda a certeza, mas não influencio ninguém a não se vacinar como eu, nem a beber comigo nem a fumar comigo. Pago um copo a quem quer beber comigo, dou um cigarro se me pedirem e não dou discursos sobre vantagens e desvantagens respeitando a opinião pessoal.
Como médico deveria saber que mesmo o álcool e o tabaco são maus ou bons dependendo da quantidade ingerida.

"e desde que não chateie os outros nem seja lesivo para terceiros até pode dar um tiro na cabeça ou ingerir estricnina, que não é da minha conta."

Deveria saber que o suicídio é um crime contra aqueles que nos amam. Não é da sua conta, mas também não é correcto. É este tipo de comentários que lhe "escapam" que dão a entender que você vive no topo de um pedestal como se algo tendo ou não a ver consigo tornasse o assunto mais ou menos relevante.
Quero que saiba que você der um tiro na cabeça ou tomar estricnina não me será indiferente pois eu dou importância à vida humana que para mim é mais do um numero numa estatística.

"Agora, quando estão envolvidos menores, outro galo canta - diz a Convenção sobre os Direitos da Criança, que tem FORÇA DE LEI em Portugal."

Por favor, você é médico e não jurista, mas eu explico-lhe. Ter FORÇA DE LEI não é lei tem unicamente a força da lei dada por consentimento popular, se o consentimento não existir não à força de lei pois não é lei.

"(para que saiba, nunca recebi nem tenciono receber um tostão para defender ideias - a mania de que quem defende com entusiasmo alguams ideias tem de estar a ser pago por poderes ocultos é própria de algumas mentalidades que, afinal, projectam o que iriam fazer se o assunto lhes tocasse a eles...)."

Ninguém disse que você recebe por isto, disse sim que você está ligado a dois ministérios o da Educação e da Saúde onde através do primeiro lecciona propaganda do segundo.
Este assunto toca-me e não me vê a pedir nada a ninguém, peço unicamente bom senso e que leiam a informação disponível antes de falar.

Quero que fique claro que o meu texto não teve a intenção de retomar esta discussão consigo, mas sim esclarecer aqueles que você anda a iludir sem bases documentais. E neste caso o tempo provará qual de nós está certo.