Promiscuidade gay


Continuando as ideias e questões que me colocam no espaço: Pergunta ao Crest©, aqui vai mais um texto. Este inspirado pela pergunta da: Van

"Relações entre homossexuais? Porque é o meio homossexual tão promiscuo (ou essa é uma ideia errada que as elites homofóbicas querem fazer passar?)"

O meio homossexual é de facto promiscuo. Digo-o pois tenho diversos amigos com essa opção de vida. A promiscuidade é um facto e é dominante na homossexualidade masculina. Pelos exemplos que conheço as lésbicas são mais fieis.
O homem homossexual, vive com a ideia permanente que o sexo anal é bom e que quem experimenta uma vez, fica a gostar de tal maneira que não quer outra coisa.
Para ser sincero, acredito que sim. Acredito no que eles me dizem e não acho que o digam para que eu experimente, pois como amigos sabem bem das minhas convicções hetero.
A infidelidade homossexual masculina, é porque no fundo e apesar da diferenças, são homens e funcionam instintivamente como homens, que regra geral são de facto menos fieis.

A primeira vez que fui a um bar gay, após dois bares (um de homens e um de mulheres) terem sido fundidos num só espaço, fui acompanhado de lésbicas. O que elas me disseram foi, "não olhes os gay nos olhos".
Eu sempre me questionei em como, eles se identificam numa multidão e é mesmo por aí, pelo olhar.
Ora eu como hetero, ao sentir que estou a ser "comido com os olhos", fito os olhos do adversário para o enfrentar. Entre dois heteros, o olhar pode evitar uma briga, aquele com o olhar mais confiante acaba por dominar o outro, que acaba por se retirar. No mundo gay é uma confirmação de interesse que o motiva a investir. Aproximam-se e não respeitam os limites, usando sempre o toque.
Mais do que uma vez, estive perto de agredir um gay, que me tocou, fui sempre impedido por lésbicas que com voz firme dizem, "ele é hetero, baza". Os homens gay, respeitam de uma forma impressionante as lésbicas, mesmo as mais femininas.

Eles são de facto promiscuos, pois o seu mundo é promiscuo e é a única maneira de sobreviver nele. Acabam é por ser promíscuos para com os hetero, mas não acho que seja com maldade. O mundo deles funciona assim e como gay, não percebem muitas vezes o ponto de vista hetero.

O maior problema que vejo na homossexualidade masculina é a invasão e o insulto causado, pelo facto de recorrer ao toque após uma curta troca de palavras.
Um excelente exemplo é a Gay Parede de Hamburgo, realizada todos os anos, sendo uma das maiores da Europa. Durante os festejos nocturnos, gays e heteros partilham festivais de rua sem problemas, mas durante a parada em si (o desfile), o abuso por parte deles em relação ao publico, tocando, beijando é um insulto, é uma invasão de privacidade e é uma estupidez. Sejam quanto gay quiserem, mas não vejo necessidade de fazer uma festa, sobre esse facto.

97 Comentários:

  Incesticide

terça-feira, dezembro 09, 2008 8:30:00 da manhã

"O meio homossexual é de facto promiscuo."

E' certo, mas pelos exemplos homossexuais casados que conheco (sim, ca e' legal eles casarem-se), eles teem tendencia a serem mais fieis que os demais.
E nesse caso tambem vejo que eles nao invadem o espaco dos hetero, de forma insultuosa, como no exemplo que deste.
Mas obviamente que o meio do acontecimento que descreveste e' propicio a que tal aconteca :-P

Concordo que a comunidade gay por vezes comete abusos. Mas, na verdade, todas as comunidades (sejam elas hetero ou gay) as cometem. E o que e' mais grave, para mim, e' a intolerancia por vezes criada, levando a conflitos, devido a certos abusos, que certamente, maioritariamente, poderiam ser evitados.

Disseste que estiveste perto de agredir um gay por causa de ele te ter tocado. Opa, ja sabias onde 'e que estavas, num ja?
Certo que foi uma invasao de privacidade. Certo que provavelmente nem sabias que e' normal isso ser assim no meio deles. Mas mesmo assim, ha que lembrar que estavas num bar deles.
Claro que tambem ha tocar e "tocar".
Mas os hetero, quando se tentam aproximar de uma rapariga num bar, tambem lhe tocam (pelo menos eu falo por mim). E' um forma de causar proximidade entre os dois.
Mas la esta, ha tocar e "tocar". Certas formas de tocar tambem nao sao toleradas entre homem e mulher quando se conhecem.

Mas pronto, eu acabo o meu comentario com o facto de que um hetero, normalmente, tem serias dificuldades em lidar com um gay que se faz a ele. E, na maior parte das vezes, a resposta do hetero e' partir para a porrada.
E' o instinto, que se ha-de fazer.

  Pax

terça-feira, dezembro 09, 2008 10:59:00 da manhã

"Sejam quanto gay quiserem, mas não vejo necessidade de fazer uma festa, sobre esse facto."

Acontece o mesmo em relação a qualquer coisa que tenha sido muito reprimida antes: no momento da liberdade há sempre exageros e só muito mais tarde se refreia o entusiasmo.
Um dia passa-lhes e começam a agir muito mais "normalmente", sem essa necessidade que agora têm de chocar, de se evidenciarem na sua diferença de opções.

:)

  FATifer

terça-feira, dezembro 09, 2008 11:41:00 da manhã

Não posso falar com conhecimento de causa mas acredito que teria o mesmo “problema” que relatas pois, também gosto de olhar nos olhos e o desfecho talvez fosse o mesmo…

Concordo com a Pax mas não deixo de concordar contigo, se querem ser aceites porquê marcarem a diferença dessa forma?

Não tenho mais nada a dizer sobre este tema…

Abraço,
FATifer

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 11:52:00 da manhã

Incesticide disse...

"E' certo, mas pelos exemplos homossexuais casados que conheço (sim, ca e' legal eles casarem-se), eles teem tendência a serem mais fieis que os demais."

Fidelidade mas não sexual. Fazem livremente troca de parceiros, uma espécie de swing homossexual com consentimento, frequentam regularmente hotéis gay de orgias sexuais. Ou seja a fidelidade consiste no facto de o casal de manter sentimentalmente fiel, mas não monógamos, pois isso é praticamente impossível no homossexual masculino. E isto não são eu que digo, são eles!

"Disseste que estiveste perto de agredir um gay por causa de ele te ter tocado. Opa, ja sabias onde 'e que estavas, num ja?"

Sim estava num bar frequentado por homossexuais de ambos os sexos onde não é vedada a entrada a heteros. Um bar não uma casa de putas homossexuais. Logo, não é propício isso acontecer.
Se estivesse em Londres, sim, seria culpa minha, pois os hetero não entram e os que se disfarçam para entrar terão de assumir os riscos.
Os acontecimentos que relato, foram em Portugal onde a reserva ao direito de admissão é ilegal, logo os gay não podem fazer de uma casa aberta ao publico uma casa de engate onde violam direitos fundamentais.

"Mas mesmo assim, ha que lembrar que estavas num bar deles."

Isso em Portugal não existe. Existem bares que eles frequentam e não "bares deles", para serem deles teria de haver uma reserva ao direito de admissão.

"Claro que tambem ha tocar e "tocar"."

Tocar é tocar, há quem não goste de ser tocado, seja de que maneira for e tem o direito de não o ser. Tocar é um invasão, seja em que sentido for.

"Mas os hetero, quando se tentam aproximar de uma rapariga num bar, tambem lhe tocam (pelo menos eu falo por mim)."

Há quem recorra ao toque e regra geral falham mais. O toque surge quando há interesse e antes de constactar o interesse, o toque é um risco que poderá deitar tudo a perder.

"E' um forma de causar proximidade entre os dois."

Pode ser que sim, mas no toque há extremos e uma grande parte das mulheres, preferem que eles guardem as maozinhas para eles e digam alguma coisa de jeito antes de terem permissão para tocar.
Tocar, pressupõe permissão!

"Mas pronto, eu acabo o meu comentario com o facto de que um hetero, normalmente, tem serias dificuldades em lidar com um gay que se faz a ele. E, na maior parte das vezes, a resposta do hetero e' partir para a porrada."

Nao concordo. Um gay que se aproxime com interesse, fale seja rejeitado e aceite, tudo bem, aí não há insulto. Agora quando ouve um não e insiste, um soco é um bom argumento para quem não percebe palavras.
Em tribunal o acto do gay é uma agressão e o soco uma resposta a uma agressão.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 11:58:00 da manhã

Pax disse...

"Acontece o mesmo em relação a qualquer coisa que tenha sido muito reprimida antes: no momento da liberdade há sempre exageros e só muito mais tarde se refreia o entusiasmo."

Nao brinques. Os gay teem na Alemanha, Bélgica, Holanda, onde fazem as maiores festas, liberdade há mais tempo que muita gente que foi reprimida.
Se os gay andam a festejar à mais de 20 anos. Ainda vamos levar com uma Chinese parade, Russian Parade e de todos os povos reprimidos durantes anos ou séculos.

Nao vamos desculpar exibicionismo puro, com repressao, pois a maior parte dos exibicionistas, sao novos demais para saber o que é repressao.

Se pelo facto de os gay terem sido reprimidos, um gay de 18 anos faz uma celebracao abusiva com o direito de fazer.
Entao pelo facto de o meu pai ter sido vitima do lápis azul do governo fascista, eu tenho de fazer uma festa exagerada da liberdade de expressao escrita?

Há limites. Uma coisa é um homem com 105 anos falar bem do Hitler e dos Nazis (como aconteceu recentemente aqui na Alemanha), outra totalmente diferente é um puto de 20 anos vir dizer o mesmo.

"Um dia passa-lhes e começam a agir muito mais "normalmente", sem essa necessidade que agora têm de chocar, de se evidenciarem na sua diferença de opções."

Nada do que envolve milhões de euros "passa" de um momento para o outro.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 12:01:00 da tarde

FATifer disse...

"Concordo com a Pax mas não deixo de concordar contigo, se querem ser aceites porquê marcarem a diferença dessa forma?"

Porque eles não querem ser incluídos na sociedade, querem ser mais do que aceites nas diferenças, abusando da aceitação já existente.
Neste caso não refiro a toda a comunidade homossexual, mas sim às bichas histéricas!

  Afrodite

terça-feira, dezembro 09, 2008 12:08:00 da tarde

Eu não ando a apalpar pilas no meio da rua nem a ser apalpada também por isso era de bom tom que também não fizessem o mesmo. Têm necessidade de se mostrar, de chocar pois chegam ao ridiculo da coisa. Epa que sejam felizes à grande dentro das 4 paredes que é como a maioria dos straigh fazem, não custa nada e poupa crianças de verem cenas fora do dito normal, é esta a sociedade em que vivemos, deverá ser respeitada! Digo eu digo eu que nisso sou muito conservadora! Mas pode ser culpa do SPM este mau feitio, não sei! A ver vamos...

Abreijinhos se preferires

  Pax

terça-feira, dezembro 09, 2008 12:16:00 da tarde

"os gay andam a festejar à mais de 20 anos."

Depois de 2000 anos, 20 não é nada.

"Se pelo facto de os gay terem sido reprimidos, um gay de 18 anos faz uma celebracao abusiva com o direito de fazer."

A liberdade dele acaba onde começa a tua. Não o estou a justificar, estou só a tentar encontrar as suas motivações.

  Incesticide

terça-feira, dezembro 09, 2008 12:42:00 da tarde

Crest© disse...

"Fidelidade mas não sexual"

Esse tipo de pormenores desconhecia.

"Isso em Portugal não existe. Existem bares que eles frequentam e não "bares deles", para serem deles teria de haver uma reserva ao direito de admissão."

Ok, em primeiro lugar assumi que estavas a falar daqui de Hamburgo. Falha minha.
No entanto, quando falei em bar "deles", referia-me a um bar maioritariamente frequentado por homossexuais. E nesse caso, acontece como em bares hetero: homem ve mulher bonita, ela olha para ele, ele vai la tentar a sua sorte.
Foste o fardo de palha.

"Tocar é tocar, há quem não goste de ser tocado, seja de que maneira for e tem o direito de não o ser. Tocar é um invasão, seja em que sentido for."

Certo, no sentido em que veem ter contigo com determinado intuito e te tocam. Ate ai concordo contigo. Eu tambem nao gostaria que o que te aconteceu, me acontecesse a mim.

"Há quem recorra ao toque e regra geral falham mais. O toque surge quando há interesse e antes de constactar o interesse, o toque é um risco que poderá deitar tudo a perder."

Novamente, totalmente de acordo contigo. Nem me estava a referir a outra coisa. Claro que chegar ao pe de alguem e imediatamente lhe tocar, certamente, nao e' boa ideia.
Estou a ver que o tipo que te abordou imediatamente te pos as maos em cima. Nao tinha apanhado essa parte.

"Pode ser que sim, mas no toque há extremos e uma grande parte das mulheres, preferem que eles guardem as maozinhas para eles e digam alguma coisa de jeito antes de terem permissão para tocar.
Tocar, pressupõe permissão!"

Acho que nao me expliquei convenientemente. Eu tambem nao disse nada em contrario ao que dizes aqui. Alias, acho que isto nao passa de um bom senso, que todas as pessoas deveriam ter.

"Nao concordo. Um gay que se aproxime com interesse, fale seja rejeitado e aceite, tudo bem, aí não há insulto. Agora quando ouve um não e insiste, um soco é um bom argumento para quem não percebe palavras.
Em tribunal o acto do gay é uma agressão e o soco uma resposta a uma agressão."

Nao explicaste esta parte no teu post. Assim o caso ja muda de figura. Mesmo assim nao vou dizer que fizeste muito bem, porque considero que a violencia apenas gera mais violencia. E apesar de tudo, se desta vez percebi bem, o tipo nao usou violencia fisica contra ti. Portanto continuo a discordar da atitude de querer bater nele.
Mas tambem consigo perceber a tua reaccao, pois apesar de pensar desta forma, eu costumo ferver em pouca agua, apesar de me tentar controlar ao maximo.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 12:52:00 da tarde

Afrodite disse...

"Eu não ando a apalpar pilas no meio da rua nem a ser apalpada também por isso era de bom tom que também não fizessem o mesmo."

Exactamente.

"Têm necessidade de se mostrar, de chocar pois chegam ao ridiculo da coisa. Epa que sejam felizes à grande dentro das 4 paredes que é como a maioria dos straigh fazem, não custa nada e poupa crianças de verem cenas fora do dito normal, é esta a sociedade em que vivemos, deverá ser respeitada!"

Concordo novamente.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 12:54:00 da tarde

Pax disse...

"Depois de 2000 anos, 20 não é nada."

Nao me parece que tenhas lido a minha resposta ao teu comentário.
Mostra-me um gay com 2.000 anos e aí ele terá razoes para festejar.
Mostra-me um gay que já nasceu livre e eu apresento-te um parvo!


"A liberdade dele acaba onde começa a tua. Não o estou a justificar, estou só a tentar encontrar as suas motivações."

Então, obrigado por acabares de me dar razão!

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 1:07:00 da tarde

Incesticide disse...

"Esse tipo de pormenores desconhecia."

Existe um leitor deste blogue que é homossexual assumido e este facto foi por ele referido, julgo que no texto que escrevi sobre o "direito" homossexual à adopção.

Ele próprio como homossexual, nao concorda com a adopção por parte dos homossexuais, devido à promiscuidade onde a fidelidade é rara.

"Ok, em primeiro lugar assumi que estavas a falar daqui de Hamburgo. Falha minha."

Em Hamburgo entrar num bar gay é por nossa responsabilidade e não há bares onde gays homem e mulher se misturem, os raros exemplos são em bares onde a entrada a heteros tem de ser respeitada.

"homem ve mulher bonita, ela olha para ele, ele vai la tentar a sua sorte."

Sim, agora agarra-lhe o cu, coloca-lhe a mao numa coxa após a segunda frase e irás perceber o significado de "invasão". Isto aplica-se a homens, mulheres, sejam gays ou nao.

"Estou a ver que o tipo que te abordou imediatamente te pos as maos em cima. Nao tinha apanhado essa parte."

Mas é um acto normal de engate gay.

"Mesmo assim nao vou dizer que fizeste muito bem, porque considero que a violencia apenas gera mais violencia."

Claro que sim, considero certos ataques violentos sem agressão e violência gera violência. A minha violência é gerada pela violência de terceiros, tudo que seja uma invasão do meu espaço é violência à qual eu respondo da pior maneira que possas imaginar, assumindo os meus actos e tendo consciência dos efeitos.

"E apesar de tudo, se desta vez percebi bem, o tipo nao usou violencia fisica contra ti. Portanto continuo a discordar da atitude de querer bater nele."

Cada um responde com as argumentos que tem. Se agarras o cu a uma gaja e ela te dá um estalo, a violência dela é justificada pela violência dele, qualquer tribunal concorda. Ora se um gajo me agarra o cu e eu lhe dou um soco, o principio mantém-se em tribunal não irá fazer distinções entre estalo e murro.

Sabias que em tribunal, um estalo justifica um murro? Um apalpão justifica um estalo?
Violência gera violência, mas a própria lei considera injustificada a primeira e nao a segunda.

  João

terça-feira, dezembro 09, 2008 1:34:00 da tarde

Viva
Estive a ler este post e gostaria de comentar a seguinte frase:

"...Digo-o pois tenho diversos amigos com essa opção de vida."

Sinceramente não sei se é bem uma opção de viva. Infelizmente sou homossexual e não é por minha opção! Em alguma altura da tua vida te foi dado a escolher se queres gostar de homens ou de mulheres?
Também não considero que seja uma doença. É simplesmente algo que nasce connosco e que penso que se consolida com base no meio em que vivemos...
Talvez seja uma opção de vida pelo facto de queres esconder isso ou não. Podes sempre esconder isso e tentar levar uma vida normal, mas acabas por te enganar a ti e aqueles que te são mais próximos.

Putas homossexuais!? Concordo que há muitas, mas acredita que nem todos são assim!

É apenas a minha humilde opinião

Cheers

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 1:55:00 da tarde

Anónimo João disse...

"Sinceramente não sei se é bem uma opção de viva. Infelizmente sou homossexual e não é por minha opção! Em alguma altura da tua vida te foi dado a escolher se queres gostar de homens ou de mulheres?"

A opção de vida não está na escolha da orientação sexual, mas sim na aceitação do próprio homossexual. Optas por viver escondido ou assumir.
Considero que viver escondido, só trás dissabores, sendo a melhor opção "sair do armário". Na verdade são opções.

"Talvez seja uma opção de vida pelo facto de queres esconder isso ou não. Podes sempre esconder isso e tentar levar uma vida normal, mas acabas por te enganar a ti e aqueles que te são mais próximos."

Correcto.

"Putas homossexuais!? Concordo que há muitas, mas acredita que nem todos são assim!"

Em tudo há excepções, mas o que vemos mais são putas homossexuais, devido aos homossexuais com uma postura de vida correcta, estarem inseridos na sociedade e passarem despercebidos.

  André

terça-feira, dezembro 09, 2008 1:59:00 da tarde

Ser homossexual NÃO é uma opção de vida!
Cai-se sempre no mesmo erro, sempre que se fala em homossexuais, os heteros só se lembram das marchas de orgulho gay e das tais bixas histérias! Mas isso é uma minoria! Os gays assumidos são outra minoria. E os que não o são, infelizmente não têm outro remédio do que se esconder entre 4 paredes para serem respeitados numa sociedade. Eu sou gay e não frequento bares gays porque não me identifico, não gosto e não festejo a minha homossexualidade, não há motivo para isso, mas vocês heteros insistem em meter tudo no mesmo saco. Ainda se está muito longe da sociedade dita normal aceitar a homossexualidade, este post e os comentários estão cheios de homofobia camuflada por palavras bonitas.

  Incesticide

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:06:00 da tarde

Crest© disse...

"Existe um leitor deste blogue que é homossexual assumido e este facto foi por ele referido, julgo que no texto que escrevi sobre o "direito" homossexual à adopção."

Nao li esse post. Sigo o teu blog ha pouco tempo.

"Em Hamburgo entrar num bar gay é por nossa responsabilidade e não há bares onde gays homem e mulher se misturem, os raros exemplos são em bares onde a entrada a heteros tem de ser respeitada."

Sim, tanto quanto sei e' assim mesmo. Eu, pelo menos, nunca tive ca tais problemas.

"Sim, agora agarra-lhe o cu, coloca-lhe a mao numa coxa após a segunda frase e irás perceber o significado de "invasão". Isto aplica-se a homens, mulheres, sejam gays ou nao."

Obviamente. Tas a dar um exemplo extremo. Penso que ja tinha deixado claro que concordo contigo nesse ponto, pra mais ainda neste exemplo que das!

"...assumindo os meus actos e tendo consciência dos efeitos."

Ao menos isso.

"Cada um responde com as argumentos que tem. Se agarras o cu a uma gaja e ela te dá um estalo, a violência dela é justificada pela violência dele, qualquer tribunal concorda. Ora se um gajo me agarra o cu e eu lhe dou um soco, o principio mantém-se em tribunal não irá fazer distinções entre estalo e murro."

Certo. Tens logica. E como sabes que sim, sabes que tens razao.
Tambem fui (sou) assim.

"Sabias que em tribunal, um estalo justifica um murro? Um apalpão justifica um estalo?
Violência gera violência, mas a própria lei considera injustificada a primeira e nao a segunda."

Certo. E para ti essa e' a justificacao. Pronto.

"Olho por olho, dente por dente".

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:13:00 da tarde

Anónimo André disse...

"Ser homossexual NÃO é uma opção de vida!"

Quem disse isso? Nao o leste no meu texto, com toda a certeza.
Como homossexual há a opção de o esconder e de o assumir e SIM, são opções de vida!

"Cai-se sempre no mesmo erro, sempre que se fala em homossexuais, os heteros só se lembram das marchas de orgulho gay e das tais bixas histérias!"

Que no fundo sao gays e é uma marcha que nao contestada pelos gay que se sentem ofendidos, mas sim pelos hetero.
No dia em que a comunidade gay, se imponha contra este tipo de marchas, poderá ser que os hetero deixem de ser vistos como xenófobos. Eu sou contra a estupidez e não contra os gay ou bichas histéricas. As marchas gay pride são ridículas.

"Mas isso é uma minoria! Os gays assumidos são outra minoria. E os que não o são, infelizmente não têm outro remédio do que se esconder entre 4 paredes para serem respeitados numa sociedade."

Será mesmo assim? Bolas em Hamburgo o presidente da câmara assumiu a sua homossexualidade nas eleições anteriores e foi re-eleito. Será que existe assim tão grande discriminação ou são os gays que se limitam? A sociedade está pronta a receber os gay, eles é que não estão prontos a saírem de armário e depois disparam contra tudo e todos.

Recentemente foi até criada uma Associação Nacional de policia para policias gay e o respeito por eles é igual. Simplesmente estamos perante homens e mulheres de coragem que libertam um grito de "it's ok to be gay".

"mas vocês heteros insistem em meter tudo no mesmo saco."

Nao. Os leitores desatentos é que insistem que em tudo o que escrevo eu tenha de colocar entre parentices (há excepções). Eu não tenho de dizer que há excepções, pois toda a gente sabe que as há.
Mas se os gay que mais se expõem são as putas histéricas, eles sao a regra, sendo a excepção os outros que estão escondidos ou inseridos na sociedade de uma forma assumida.

"Ainda se está muito longe da sociedade dita normal aceitar a homossexualidade, este post e os comentários estão cheios de homofobia camuflada por palavras bonitas."

Nao, meu caro, o seu comentário é que está cheio de homofobia e de preconceito. A sociedade está pronta, vocês é que ainda optam por atirar pedras enquanto escondidos.
O comentário antes do seu, é também de um gay, com uma mente muito mais aberta.

Eu diria até que ele assumiu já a sua homossexualidade e você ainda não. Digo isto pela forma clara com que ele se exprime sem atirar pedras, e a forma camuflada com que você se exprime, culpando heteros e a sociedade por uma questão na verdade está nas vossas mãos!

Cada qual consegue ver o que lhe interessa no que bem entender.
Você vê xenofobia no meu texto eu vejo homossexualidade reprimida no seu comentário.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:25:00 da tarde

Incesticide disse...

"Sim, tanto quanto sei e' assim mesmo. Eu, pelo menos, nunca tive ca tais problemas."

É fácil pois estão todos devidamente identificados e os próprios porteiros teem um bom faro para não gays.
O problema em Hamburgo são muitos bares de prostituição que parecem bares normais, uma gajo entre, pede uma cerveja e aparecem logo duas ou três a foderem-nos a cabeça com garrafas de champanhe e fornecimento de serviços.
Neste tipo de bares, temos de ser nós a fazer um mapa, pois não estão identificados.

"Olho por olho, dente por dente".

Se assim não for abusam de nós, quer seja por palavras ou acções.
Quem dá a outra face, leva outro estalo! Que o diga o JC que acabou pregado na cruz depois de nao ter mais faces para dar!

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:29:00 da tarde

Uiii, tens aqui um heterofóbico que não percebeu nada da conversa...

compreendo a tua reacção no bar sob esta medida: eu tenho um circulo de segurança à minha volta. Quem o transpõe sem autorização, apanha. Já várias vezes armei escabeche por causa de apalpões ou toques indesejados, mesmo de amigos. Há amigos que gostam de tocar, ora, não gosto de ser tocada a não ser em certas ocasiões e por certas pessoas. Há logo merda. :-p Porquê? Porque não me sinto confortável e porque interpreto muitos desses toques como sexuais: tal como tu nesse bar.
Não concordo que fosse uma questão de "estás no bar deles já devias saber ao que vais". Nas discotecas hetero ou mistas também há comportamentos desses.

Quanto aos homossexuais, há aqueles que se querem integrar e há aqueles que se querem destacar. Mas muitos acabam por discriminar os hetero, tal como este comentador acabou de fazer. Tenho amigos gay assumidos que não fazem paradas nem exibem a sua sexualidade mais do que um hetero.

Há exibicionistas em todos os lados. Temos as peruas, os macho man, as bichonas e os castelos brancos. Sejam hetero, sejam homo, sejam bi.

Sempre acreditei que todos temos uma maior ou menor tendencia para um ou outro sexo. Uns dão para um lado exclusivamente, outros para outro. Mas a maioria, penso, está no meio e dá para os dois lados. Na verdade, até acho que muitos hetero é que são os verdadeiros reprimidos...se a sociedade visse com bons olhos o comportamento bi, quase toda a gente se assumiria como tal, e acredito que mais mulheres que homens.

Quanto à promiscuidade,não conheço o ambiente masculino, apenas o feminino, e já o achei bastante promiscuo, apesar de tudo.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:30:00 da tarde

"A sociedade está pronta a receber os gay, eles é que não estão prontos a saírem de armário e depois disparam contra tudo e todos."

Ora aí está!!

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:36:00 da tarde

Van disse...

"Quanto aos homossexuais, há aqueles que se querem integrar e há aqueles que se querem destacar."

E há aqueles que se manteem escondidos atacando tudo e todos.

"Mas muitos acabam por discriminar os hetero, tal como este comentador acabou de fazer."

Sim, este é o mau exemplo, sendo o comentário anterior ao dele, um bom exemplo.


"Mas a maioria, penso, está no meio e dá para os dois lados."

Bi-sexuais? Isso sim é um mito. Neste aspecto hetero, gay e lésbicas na sua maioria concordam. O bi-sexual nao existe, existe é gente muito confusa e indecidida.

Tu pode gostar de duas comidas mas gostas mais de uma do que de outra, se um dia te disserem que só podes comer de uma, tu escolhes. Os bi sao assim curiosos até terem de escolher.

"se a sociedade visse com bons olhos o comportamento bi, quase toda a gente se assumiria como tal, e acredito que mais mulheres que homens."

Nunca me iria assumir como indeciso. Os bi não são equilibrados. Os bi são como o Humptidumpti que anda em cima do muro, de um lado os gay do outro os bi e ele não sabe onde prefere ficar, ora cai de um lado, ora cai do outro, mas volta sempre para a sua indecisão, ou seja para cima do muro.

Felizmente os Bi são uma minoria.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:37:00 da tarde

"Infelizmente sou homossexual"

perecebo o infelizmente no contexto de se ter de lutar contra os preconceitos sociais, mas não no contexto daquilo que se é. Não há felizmentes ou infelizmentes, há pessoas! Somos como somos e não podemos mudar muito do que somos, como a orientação sexual, o qi alto ou baixo, se somos altos ou baixos, se somos cegos, ou surdos, ou mudos, ou inválidos...
Penso que infelicidade é ter-se alzeihmer, parkinson, cancro, ser-se tetraplégico, morrer-se à fome... ser-se homossexual, transsexual, hermafrodita, whatever, é dificil, é. Mas não o é assim tanto, não é nenhuma doença. :)

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:39:00 da tarde

Van disse...

"perecebo o infelizmente no contexto de se ter de lutar contra os preconceitos sociais, mas não no contexto daquilo que se é. Não há felizmentes ou infelizmentes, há pessoas!"

Julgo que aquela escolha de palavras é mais profunda do que o facto de ser gay, tem mesmo a ver com a sua insercao social que os leva a pensar que teem um problema.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:40:00 da tarde

E chegou a Van...

Ra-ta-ta-ta-ta, disparou 3 comentários de rajada e eu que me oriente :)

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:42:00 da tarde

Mmmm, não vejo isso assim. Sei que a comunidade gay assume que a bisessualidade é um mito, mas já vi um gay assumidíssimo de repente apaixonar-se pelo sexo oposto.

Acho a bissexualidade tão natural como a homo ou hetero e não consigo ver onde é que está o desequilibrio de gostar de estar tanto com uns como com outros.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:42:00 da tarde

Ah, sim, algum dia tem de se escolher. Mas escolhem-se pessoas, não sexos. Acho eu.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:44:00 da tarde

E ora toma mais outro loooool! :D oh páh, eu leio o texto, comento. Depois ponho-me a ler comentários, comento. Por alguma razão tinha a alcunha de grafonola :-p :D. Mas já é mais fama que proveito... :D

  Incesticide

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:50:00 da tarde

Crest© disse...

"Se assim não for abusam de nós, quer seja por palavras ou acções.
Quem dá a outra face, leva outro estalo! Que o diga o JC que acabou pregado na cruz depois de nao ter mais faces para dar!"

Eu tambem nao disse deixar abusar. Se me tentarem agredir, vao ter resposta minha da forma mais rapida que eu puder reagir.
Mas tu proprio disseste que se trata de um acto normal de engate gay.
Portanto, a parte em que nao te dou razao e' no facto de quereres partir a cara a um tipo que te apalpou o cu, devido ao facto dele se ter enganado e ter pensado que estavas interessado nele, devido a teres trocado um olhar com ele, e ainda por cima estares num bar que sabias ser frequentado por homossexuais.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:50:00 da tarde

Van disse...

"Mmmm, não vejo isso assim. Sei que a comunidade gay assume que a bisessualidade é um mito, mas já vi um gay assumidíssimo de repente apaixonar-se pelo sexo oposto."

A comunidade gay e hetero concordam em relação aos bi. O facto de um gay se apaixonar pelo sexo oposto, não faz dele um Bi.

"Acho a bissexualidade tão natural como a homo ou hetero e não consigo ver onde é que está o desequilibrio de gostar de estar tanto com uns como com outros."

Porque nunca em situação alguma se gosta de duas coisas distintas por igual. Mesmo no caso de pais para filhos, há sempre um que consciente ou inconscientemente acaba por ser favorito. Por mais que tentem gostar e agir como se fossem iguais.


"Ah, sim, algum dia tem de se escolher. Mas escolhem-se pessoas, não sexos. Acho eu."

Ao escolheres uma pessoa, invariavelmente escolhes um sexo.

"E ora toma mais outro loooool! :D oh páh, eu leio o texto, comento. Depois ponho-me a ler comentários, comento. Por alguma razão tinha a alcunha de grafonola :-p :D. Mas já é mais fama que proveito... :D "

Ahahahaha, pois sim :D

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:52:00 da tarde

Não, escolhes a pessoa. O sexo dessa pessoa é um acréscimo.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:53:00 da tarde

Incesticide disse...

"Mas tu proprio disseste que se trata de um acto normal de engate gay.
Portanto, a parte em que nao te dou razao e' no facto de quereres partir a cara a um tipo que te apalpou o cu, devido ao facto dele se ter enganado e ter pensado que estavas interessado nele, devido a teres trocado um olhar com ele, e ainda por cima estares num bar que sabias ser frequentado por homossexuais."

Porque nada, nem mesmo o interesse de uma mulher, justifica que eu lhe coloque as mãos em cima.
Se for a um bar de toureiros, não lhes dá o direito de me espetar uma bandarilha nas costas, só por eu ser touro de signo... eu sei que é uma comparação exagerada, mas lógica.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:54:00 da tarde

Van disse...

"Não, escolhes a pessoa. O sexo dessa pessoa é um acréscimo."

Visto que essa pessoa só tem um sexo, o sexo é directa ou indirectamente escolhido!

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:56:00 da tarde

Incesticide, isso é o mesmo que dizer que se eu vou a uma discoteca tenho de esperar e aceitar ser apalpada... no way, é murraço logo, seja numa tromba heterossexual seja numas ventas homossexuais.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:58:00 da tarde

Van disse..

"Incesticide, isso é o mesmo que dizer que se eu vou a uma discoteca tenho de esperar e aceitar ser apalpada... no way, é murraço logo, seja numa tromba heterossexual seja numas ventas homossexuais."

Correcto, visto que um bar hetero, passa a ser um local de engate hetero.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 2:59:00 da tarde

Pois, mas continuas a ser bi, porque és capaz de te relacionar sexualmente com ambos os sexos. O facto de teres escolhido uma pessoa de determinado sexo não te retira a bissexualidade.
Visto de uma perspectiva hetero ou homo, quando escolhes uma pessoa e escolhes manter-te leal e fiel, isso não te retira a capacidade de te relacionares com outras pessoas. Uma pessoa bi, que é fiel e leal, continurá a ser bi, mesmo tendo escolhido uma pessoa com determinado sexo.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:02:00 da tarde

Bem, não compreendo mesmo o facto de os homos e heteros dizerem que a bissexualidade é um mito. Se olhares para a Natureza, vês vários exemplos de comportamento bissexual, ou seja, de seres capazes de se relacionarem com ambos os sexos.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:07:00 da tarde

Van disse...

"Pois, mas continuas a ser bi, porque és capaz de te relacionar sexualmente com ambos os sexos."

Isso não é ser Bi continua a ser indeciso e se depois de escolherem uma pessoa se continuarem a relacionar sexualmente com ambos os sexos, então são infiéis.

"O facto de teres escolhido uma pessoa de determinado sexo não te retira a bissexualidade."

Porque a bissexualidade não é mais do que indecisão e curiosidade até ao momento da escolha. Bi não é opção sexual, mas sim um processo que leva à opção.

Nao gostas de pão de milho e pao de trigo da mesma forma. Nao gostas da noite e do dia da mesma forma. Nao gostas de sexo anal e vaginal da mesma forma. Nao gostas de homens e mulheres da mesma forma.
Gostas de um SEMPRE mais do que o outro, mas muitos precisam de testar para ter a certeza. É como que por as mãos no fogo para ver está mesmo quente.

"Visto de uma perspectiva hetero ou homo, quando escolhes uma pessoa e escolhes manter-te leal e fiel, isso não te retira a capacidade de te relacionares com outras pessoas."

Correcto.

"Uma pessoa bi, que é fiel e leal, continurá a ser bi, mesmo tendo escolhido uma pessoa com determinado sexo."

Nao concordo, pois ninguém se pode identificar como Bi. Para isso tinha de provar algo que não possível, gostar de ambos os sexos de forma igual.
Um "BI" é um curioso, gosta de variar mas não gosta de ambos os sexos por igual.
Bissexualidade é mais promiscua ainda que o homossexualidade quando continuada após a escolha de uma preferência sexual.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:10:00 da tarde

Van disse...

"Bem, não compreendo mesmo o facto de os homos e heteros dizerem que a bissexualidade é um mito. Se olhares para a Natureza, vês vários exemplos de comportamento bissexual, ou seja, de seres capazes de se relacionarem com ambos os sexos."

Se estiveres a falar dos símios, a Bi sexualidade não existe. Eles são hetero que usam a homossexualidade como forma de imposição social, algo que os humanos não precisam.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:14:00 da tarde

Seja por que razão a usem, usam-na. Ela existe.
Mas percebo o que queres dizer, que bissexualidade é indecisão. Vou ter de acreditar em ti porque não me movo no meio :-p.

E há coisas q não é preciso experimentar pra saber que não se vai gostar... :D

  João

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:15:00 da tarde

Olá outra vez...

"O comentário antes do seu, é também de um gay, com uma mente muito mais aberta.

Eu diria até que ele assumiu já a sua homossexualidade e você ainda não. Digo isto..."

Bem, a verdade é que não me assumi. Ou melhor, assumi apenas comigo próprio. Ninguém além de mim sabe disso. Vocês têm conhecimento de um individuo que escreve neste Blog, que se esconde por detrás do nome João, e que é homossexual. É uma opção minha não o fazer e por várias razões.
Não disparo em todas as direcções, como referiram, porque tenho consciência daquilo que sou, e ninguém tem a culpa.
Por vezes sinto-me revoltado com o facto de ser como sou, mas guardo só para mim, embora nunca me tenho sentido um reprimido.

O "infelizmente", tem a ver com o facto da minha família e do meio onde vivo. Tenho perfeita consciência que se me assumisse perante a minha família iria causar um desgosto enorme, o que não é do meu agrado. Se pudesse escolher acreditem que escolheria ser alguém hetero.

Os meus objectivos de vida passam por fugir... Vou sair do seio familiar em breve e tentar viver num sitio (longe) onde possa assumir o que sou sem, no entanto, andar nas ruas a gritar o que sou. Gosto de passar despercebido. E se conseguir eternamente esconder a minha homossexualidade, especialmente da minha família, será perfeito.

Em relação ás bichas histéricas, até eu próprio as condeno. Mas isso não tem a ver com o facto de serem gays, mas pelo facto de serem gente parva, e gente parva há de todas as raças e orientações sexuais!

Cheers

  Incesticide

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:17:00 da tarde

Van disse...

"Incesticide, isso é o mesmo que dizer que se eu vou a uma discoteca tenho de esperar e aceitar ser apalpada... no way, é murraço logo, seja numa tromba heterossexual seja numas ventas homossexuais."

La estao voces com a mania de generalizar. Eu nao disse nada disso.
Tu se fores apalpada por uma besta, prega-lhe no focinho de maneira a que ele nao se levante sem ajuda!

Crest© disse...

"Correcto, visto que um bar hetero, passa a ser um local de engate hetero."

Pra comecar, gostei do teu exemplo dos touros. Foi engracado.
Eu nao estou a dizer que o que o tipo fez e' correcto. Nao, nao acho que seja.
O que eu quero dizer com isto tudo e' que, para ti, e' normal nao te invadirem o teu espaco, e com muita razao. Dessa forma, ninguem quer ver o seu espaco invadido. Para o tipo, e' normal esse tipo de comportamento entre homossexuais. Ele pensou que eras homossexual. Errou. Por isso nao acho que mereca levar uma murraca nos olhos por um erro.
Mas claro que se ele se armou em peste, e te continuou a assediar, qualquer um se passa dos carretos...

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:18:00 da tarde

Van disse...

"Seja por que razão a usem, usam-na. Ela existe."

Eles não podem recorrer ao dinheiro, nem a regras legais, muito menos ao dialogo.
E são animais não violentos, se formos observar simios maiores, recorrem já à forca como forma de imposição social.


"E há coisas q não é preciso experimentar pra saber que não se vai gostar... :D"

Há, mas isso não se aplica ao sexo. Eu jogo pelo seguro, nunca neguei que posso gostar e por não querer gostar é que não experimento.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:23:00 da tarde

Anónimo João disse...

"Bem, a verdade é que não me assumi. Ou melhor, assumi apenas comigo próprio. Ninguém além de mim sabe disso. Vocês têm conhecimento de um individuo que escreve neste Blog, que se esconde por detrás do nome João, e que é homossexual. É uma opção minha não o fazer e por várias razões."

Assumir perante ti próprio é o primeiro passo para a libertação sexual.
Os homossexuais mais agressivos em relação aos hetero, são os que nem consigo próprios assumiram.

"O "infelizmente", tem a ver com o facto da minha família e do meio onde vivo. Tenho perfeita consciência que se me assumisse perante a minha família iria causar um desgosto enorme, o que não é do meu agrado."

Esse "infelizmente" foi entendido por mim, nesse campo e nao por ser homossexual.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:25:00 da tarde

Incesticide disse...

"Pra comecar, gostei do teu exemplo dos touros. Foi engracado.
Eu nao estou a dizer que o que o tipo fez e' correcto. Nao, nao acho que seja."

Sim, acredito. O que estamos a dizer é que o local não define a violação de liberdades.

  Incesticide

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:39:00 da tarde

Crest© disse...

"Sim, acredito. O que estamos a dizer é que o local não define a violação de liberdades."

Sim, concordo. Mas estavas a dizer que um erro define a necessidade de uma punicao fisica.

  Crest©

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:43:00 da tarde

Incesticide disse...

"Mas estavas a dizer que um erro define a necessidade de uma punicao fisica."

Um erro nunca, uma agressão sim.

Uma ofensa justifica um abanão.
Uma ameaça justifica um estalo.
Uma apalpão justifica um murro.

Mas isto sou eu, que tenho pavio curto para a estupidez e estou disposto a lidar com a justiça nos termos da lei.

  Feitiozinho

terça-feira, dezembro 09, 2008 3:48:00 da tarde

Ora aí está uma bela verdade!

Sempre achei que o facto de uma pessoa gostar de outros do mesmo sexo não é impedimento para nada. Só não compreendo a confusão e o barulho que muita gente faz em relação aos comportamentos, direitos e/ou deveres resultantes de uma opção sexual.

Até acho que sou uma tipa com uma mentalidade mas quando sou seguida até ao WC do lux por uma idiota com idade para ser minha mãe, que literalmente me fez uma espera, mesmo sabendo que eu não estava interessada começa a ser compliado não reagir de uma forma homofóbica.

Se vejo um tipo e uma tipa em a comerem-se literalmente vivos no meio da rua incomoda-me, acho intrusivo... o mesmo se passa quando vejo um casal gay, sejam eles homens ou mulheres.

Sempre achei que há uma diferença em ser homosexual e ser uma bicha louca, o primeiro grupo é perfeitamente normal, o segundo não se suporta! (a meu ver, claro!)

  blackstar

terça-feira, dezembro 09, 2008 4:45:00 da tarde

Huummm... dado à violência, o senhor...

Só para chatear: se fosse uma mulher que visualmente de desagradasse completamente, tinhas a mesma atitude?!

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 4:57:00 da tarde

Incesticide, não pretendia generalizar, mas dizer o que o crest já disse: que o local não interessa, haverá sempre parvos e parvas a meterem as mãozinhas onde não devem. No fundo tavamos todos a dizer o mesmo, mas já sabes, é esta mania de querer debater tudo :D.

João, eu tb percebi o infelizmente no contexto familiar e social. Estava apenas a querer "mostrar" (olha a minha pretensão!) que não há nada de errado em ninguém só porque tem algo que o torna diferente da maioria dominante, seja isso o que for.
Compreendo que queiras poupar a tua familia e poupar-te também ao desgosto e aos problemas que uma assumição perante eles iria acarretar. Mas olha, fugir nunca foi solução para nada. Nem escondermo-nos.
Não é preciso fugir nem nos escondermos dos outros para sermos aquilo que queremos e precisamos. Os outros, verão aquilo que lhes interessar. Podes ser tu próprio, sem lhes contares: verão aquilo que querem ver.
Eu sei que falar é fácil, especialmente quando não se está na pele da pessoa. No fundo estava só a tentar dizer que entendo.

  Teté

terça-feira, dezembro 09, 2008 5:05:00 da tarde

Promiscuidade depende de orientação sexual? Não me parece, mas quem sou eu para o afirmar?!

Exibicionismos também existem de todo o tipo de gente, desde a bicha mais espalhafatosa, ao novo rico que passa a vida a evidenciar as suas posses, à beata que não consegue dizer uma frase sem meter o nome de Deus à mistura, benzendo-se por tudo e por nada.

Os poucos homossexuais assumidos que conheci irritavam-se com bichas e aquilo que designavam de trichas. Ou seja, só saberias que eles eram homossexuais se te dissessem, não andavam de dedo mindinho no ar, a rebolar as ancas e a falar em voz afectada de falsete. Nem a apalpar ninguém.

Agora, como todos os outros homens/mulheres, nem sempre o desenrolar de uma relação amorosa é duradoura. Cada vez menos, até! Daí até à promiscuidade, já é outra conversa... ;)

  Skynet

terça-feira, dezembro 09, 2008 7:04:00 da tarde

Por isso no início ficaram definidos como o grupo de risco no que respeita à SIDA, e os fundamentalistas religiosos pregaram logo que se tratava de castigo divino. Aleluia!

Mas na realidade o problema era os comportamentos de risco, principalmente essas promiscuidades. Ao que parece já tomaram mais juízinho, pois já têm menos infecções que os heterossexuais...

  André

terça-feira, dezembro 09, 2008 8:47:00 da tarde

“O meio homossexual é de facto promiscuo. Digo-o pois tenho diversos amigos com essa opção de vida.”

Não li? Se te estás a referir ao assumir ou não a homossexualidade, é melhor reformulares a frase porque pelo menos a mim não dá essa impressão. Assumir ou é realmente uma opção, agora ser ou não homossexual está bem longe de ser uma opção.
“As marchas gay pride são ridículas.”
E são mesmo, por isso mesmo é que não quero ter nada a ver com isso. E sim até gostava de me insurgir contra isso mas não me quero expor, ser alvo de discriminações, que existem! Não vale a pena negar ou dizer que estou rodeado das pessoas erradas, eu ao longo dos anos vi muita coisa e ouvi outras tantas que mostram tudo menos uma predisposição do mundo hetero para aceitar a diferença.



“Será mesmo assim? Bolas em Hamburgo o presidente da câmara assumiu a sua homossexualidade nas eleições anteriores e foi re-eleito.”
Aqui foi o Manuel luís Goucha e consta-me que continua com a mesma popularidade, mas sinceramente não são o meu exemplo nem sinto propriamente orgulho nisso.
“ Será que existe assim tão grande discriminação ou são os gays que se limitam?”
Pior seria se não nos limitássemos! O meu futuro profissional estaria completamente comprometido! Já para não falar em novas amizades e etc etc Estás um pouco fora da realidade nesse aspecto.
“A sociedade está pronta a receber os gay, eles é que não estão prontos a saírem de armário e depois disparam contra tudo e todos.”
Isto é tão mentira que eu nem sei por onde começar! A sociedade está pronta? Desde quando? Nem à minha mãe consigo dizer quanto mais à “sociedade” e quem o fez passou por momentos bem difíceis. Chamas disparar contra todos o que? Juntarem-se a uma marcha de orgulho gay? Abanarem-se na rua? Lá está, não podemos fazer isso porque vamos chocar as criancinhas que não estão prontas pra ver algo fora do dito normal.

“Recentemente foi até criada uma Associação Nacional de policia para policias gay e o respeito por eles é igual.”
É bonito sim senhor, como tu arranjas-te um exemplo de integração de homossexuais na sociedade eu arranjo-te mil onde isso não acontece, por exemplo, porque razão se eu quiser dar sangue ou ser dador de medula óssea a orientação sexual é um critério de selecção?


“Eu não tenho de dizer que há excepções, pois toda a gente sabe que as há. “
Mas tu só falas-te precisamente das excepções!

“Mas se os gay que mais se expõem são as putas histéricas, eles sao a regra, sendo a excepção os outros que estão escondidos ou inseridos na sociedade de uma forma assumida.”
Mas em que mundo é que isso é verdade? É precisamente o contrário!

“Nao, meu caro, o seu comentário é que está cheio de homofobia e de preconceito. A sociedade está pronta, vocês é que ainda optam por atirar pedras enquanto escondidos.
O comentário antes do seu, é também de um gay, com uma mente muito mais aberta.”

Eu não devia atirar pedras, eu devia atirar blocos de betão armado se me quisesse vingar do que os heteros nos atiram! Eu só sou tão agressivo a defender estas ideias porque realmente fico muito indignado com as opiniões que aqui li, porque são reveladoras de uma ignorância que eu não queria acreditar que exista. Eu sinceramente tenho pena que não haja nenhuma humildade para reconhecer que desconhecem muito da realidade homossexualidade e insistirem na ideia que nós é que estamos errados, se a sociedade estivesse realmente pronta não existiam gays “escondidos” deixaria de fazer sentido existirem.

  Van

terça-feira, dezembro 09, 2008 9:36:00 da tarde

ANDRÉ,

não podes tirar as frases do contexto. A pergunta era se o meio homossexual é promiscuo. A resposta: é. O que não invalidada que o meio heterossexual também seja.
Se tivesses lido com atenção, inclusive os comentários, verias que a opção de que se fala é da opção de se assumir a orientação sexual, seja ela qual for. Não da opção de se ser ou não gay. Essa opção é para aqueles a quem eu chamo bi e outros chamam confusos.

"eu ao longo dos anos vi muita coisa e ouvi outras tantas que mostram tudo menos uma predisposição do mundo hetero para aceitar a diferença"
Acredito, aliás todos sabemos que isso é uma realidade em certos meios, e em portugal então nem se fala, especialmente nas escalas etárias mais velhas e nos meios mais rurais e fechados. Mas as mentalidades são mais abertas hoje em dia, isso são, os jovens são mais abertos. Mas, nem toda a gente é assim, sabes?...não podes partir do principio que todos somos homofóbicos, nem interpretar assim todas as frases.
Ninguém nega que a discriminação existe, claro que existe, até eu já a senti na pele por motivos vários. Mas, de facto, só posso concluir que estás rodeado pelas pessoas erradas...

"Mas tu só falas-te precisamente das excepções!" - mas todos percebemos que eram as excepções e não a regra! Porque, como foi dito, era das excepções que estávamos a falar!

"“Mas se os gay que mais se expõem são as putas histéricas, eles sao a regra, sendo a excepção os outros que estão escondidos ou inseridos na sociedade de uma forma assumida.”
Mas em que mundo é que isso é verdade? É precisamente o contrário!"
André, o que o Crest quis dizer foi que se só são essas trichas que se expõem, imediatamente o mundo pensará que são a regra e não a excepção.

"Eu só sou tão agressivo a defender estas ideias porque realmente fico muito indignado com as opiniões que aqui li, porque são reveladoras de uma ignorância que eu não queria acreditar que exista"
Mais uma vez andré, estás a atirar pedras e a ser preconceituoso. Percebeste as coisas da forma que a tua raiva permitiu. Ou seja, percebeste ao contrário. E foste o único que o percebeu assim.

"Eu sinceramente tenho pena que não haja nenhuma humildade para reconhecer que desconhecem muito da realidade homossexualidade?" E eu tenho pena que vejas as coisas assim, porque vês homofóbicos onde eles não existem e interpretas mal as palavras, toldado pelo medo que tens da sociedade.
Ninguém disse que era fácil ser-se homossexual em portugal. Mas, mesmo que não seja essa a tua intenção, estás a ter a mesma atitude que têm os preconceituosos. E, mais uma vez, antes que digas que quem fala não percebe o que é preconceito, eu repito que sei muito bem o que é.
O dia em que todos os homossexuais deixarem de ter medo da sociedade, da familia e etc, será o dia em que estes mesmos não terão mais nenhuma hipótese senão aceitar. É fácil? Não, não é. É possível? Sim, é possível. Existem mentes abertas por aí e são mais do que aquelas que julgas...

  Pronuncia

terça-feira, dezembro 09, 2008 10:30:00 da tarde

Respeito a homossexualidade, da mesma forma que respeito a heterossexualidade.
Tenho tanto respeito por um casal heterossexual como por um casal homossexual. Para mim um casal são duas pessoas que se escolheram mutuamente, independentemente do sexo, ponto parágrafo.
Quanto à questão: “Porque é o meio homoxessual tão promíscuo (ou essa é uma ideia errada que as elites homofóbias querem fazer passar)?”
Sinceramente, sou de opinião que a comunidade homossexual não é mais promíscua que a comunidade heterossexual. Apenas a primeira tem mais visibilidade do que a segunda, é mais mediática e é mais discriminada.
Já aqui foram referidos os “bares gay”, e eu pergunto e então as “casas de alterne”? Não haverá mais casas de alterne do que bares gay?
Quem é mais promíscuo, o casal gay que passa despercebido, porque tem uma relação discreta, onde as demonstrações de carinho públicas são raras ou inexistentes (porque a “sociedade” vai condenar”, ou o Sr. Fulano de Tal que todos os fins de semana, vai “jantar” com amigos e acaba a noite numa casa de alterne, enquanto a companheira está em casa.
O que importa no casal é que cada um respeite o outro, tanto faz se o outro é do mesmo sexo ou do sexo oposto.
Tenho amigos homossexuais, que são pessoas perfeitamente comuns, onde a única coisa que distingue o estilo de vida deles do meu, é o facto de que escolheram amar uma pessoa do mesmo sexo, enquanto eu escolhi amar uma do sexo oposto.
O que me “choca” não é a homossexualidade, o que me “choca” é a hipócrisia.
Profissionalmente movo-me num meio maioritariamente masculino onde a homossexualidade não é aceite, antes é gozada. Quando o assunto é este, a discussão é acesa, porque afirmo sempre que aceito tanto um casal hetero como um casal homo. O que não percebo é que, perante um beijo público entre homossexuais, me digam “Que nojo! Esses gajos deviam ser todos enforcados” e quando pergunto “E se forem duas mulheres?”, aí a resposta é maioritariamente “Até é giro!”.
O que não aceito é que me digam, “Ir ver um concerto do George Michel, desse paneleiro, nem pensar!”, aceito se disserem “Não vou ver, porque não gosto da música dele”. Não aceito que me digam “O Primeiro Ministro é uma besta porque é maricas”, aceito que me digam que é uma besta porque é incompetente.
Não aceito o “macho” que condena os gays, que “deviam morrer todos”, mas acha o máximo ir passar o Carnaval ao Brasil, sem a companheira, claro, porque levá-la “É como levar areia para a praia!”. Qual é a diferença entre uma parada gay e uma parada de carnaval no Brasil? Tão promíscua é uma como outra, pessoalmente não gosto de nenhuma.
Quando ponho a questão no masculino, é só porque conheço mais homens a pensar desta forma do que mulheres, só por isso.
Resumindo, penso que tão promíscuo pode ser o meio homossexual como o meio heterossexual. As únicas diferenças residem no facto de a promiscuidade hetero até ser “bem aceite” pela sociedade enquanto que a homo é discriminada, a primeira não é mediática a segunda é (agora até está na moda, filme ou livro que se preze tem que ter um casal homossexual), a primeira é considerada “normal” a segunda é vista como “anormal”.
Só há um tipo de promiscuidade, mas isto sou eu a falar!

  André

terça-feira, dezembro 09, 2008 11:53:00 da tarde

“André, o que o Crest quis dizer foi que se só são essas trichas que se expõem, imediatamente o mundo pensará que são a regra e não a excepção.”
Então estás-me a dar razão! Tu dizes mundo eu digo sociedade… e é exactamente o que acontece, mas o problema é que ninguém acha que está nesse mundo, todos acham que são muito liberais e modernos, mas na prática não o são.

Van, és homossexual? Acho que tens aí a resposta a tudo o resto.

Eu peço desculpa a quem se sentiu mais ofendido pela violência das minhas palavras, não pretendo ofender ninguém. E convido os interessados a visitar o fórum da rede ex aequo para conhecerem melhor a realidade homossexual, apesar de acharem que já conhecem muito bem. http://www.rea.pt/forum

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:00:00 da manhã

Feitiozinho disse...

"Só não compreendo a confusão e o barulho que muita gente faz em relação aos comportamentos, direitos e/ou deveres resultantes de uma opção sexual."

Mais direitos pressupõe mais deveres, mas toda a gente quer direitos sem deveres.

"Até acho que sou uma tipa com uma mentalidade mas quando sou seguida até ao WC do lux por uma idiota com idade para ser minha mãe, que literalmente me fez uma espera, mesmo sabendo que eu não estava interessada começa a ser compliado não reagir de uma forma homofóbica."

Pois... o Lux, por acaso tenho saudades das misturas que lá há. Putas e intelectuais, gays e macho man's, ricos e tesos, betos e góticos, VIP e trips, tudo no mesmo sitio :)

  Abobrinha

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:02:00 da manhã

Crest

Eu também não vejo necessidade de fazer uma festa acerca da sexualidade seja de quem for. Mas se fores a pensar no assunto, todos os dias são celebrações da "nossa" sexualidade, a "normal". Não da outra. Talvez o dia bom seja aquele em que seja absurdo e pateta mesmo fazer esta parada, porque se encara tão bem a diferença.

Quanto à promiscuidade, tenho amigos homossexuais que têm a ideia tipicamente feminina da fidelidade numa relação. E sofrem como uma menina (leia-se: com intensidade) com a situação. Cada qual é como cada qual e que o meio em si seja promíscuo não é desculpa para traições.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:03:00 da manhã

blackstar disse...

"Huummm... dado à violência, o senhor..."

Nada disso, eu aviso sempre na esperanca que tenham o bom senso de me deixar em paz. É que eu nao tenho 1,90 e 100kg de peso, o que leva muita gente a subestimar-me. Só que nao permito que abusem, só isso!

"Só para chatear: se fosse uma mulher que visualmente de desagradasse completamente, tinhas a mesma atitude?!"

Logicamente que não, as mulheres são muito mais sensíveis e viram costas quando educadamente dizemos que não estamos interessados. Os homens são mais abusadores da confiança dada ou não dada.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:05:00 da manhã

Van disse...

"Mas olha, fugir nunca foi solução para nada."

No fundo acho que a altura certa para se assumir é depois da independência. Acho que ele está a agir correctamente.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:07:00 da manhã

Teté disse...

"Promiscuidade depende de orientação sexual? Não me parece, mas quem sou eu para o afirmar?!"

Alto lá! Eu nao disse isso, eu disse que a maioria dos gays assumidos do sexo masculino sao promiscuos. Pois a maioria nao se quer integrar na sociedade mas sim destacar-se. Os que se integram passam despercebidos.

"Os poucos homossexuais assumidos que conheci irritavam-se com bichas e aquilo que designavam de trichas."

Exactamente, as trichas. No mundo homossexual eles sao uma minoria, mas no meio dos assumidos eles destacam-se.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:08:00 da manhã

Skynet disse...

"Mas na realidade o problema era os comportamentos de risco, principalmente essas promiscuidades. Ao que parece já tomaram mais juízinho, pois já têm menos infecções que os heterossexuais..."

Correcto.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:19:00 da manhã

André disse...

"Não li? Se te estás a referir ao assumir ou não a homossexualidade, é melhor reformulares a frase porque pelo menos a mim não dá essa impressão."

Ora, nao preciso de reformular, pois se digo que tenho amigos homossexuais é porque o sei que sao e se o sei, eles sao assumidos.

"E sim até gostava de me insurgir contra isso mas não me quero expor, ser alvo de discriminações, que existem!"

Mas eu nao digo que devem ser os homossexuais individualmente, mas por exemplo a ILGA.

"Pior seria se não nos limitássemos! O meu futuro profissional estaria completamente comprometido! Já para não falar em novas amizades e etc etc Estás um pouco fora da realidade nesse aspecto."

Estou fora da realidade Portuguesa, visto que em Hamburgo a discriminação sexual ou de orientação sexual é crime.


"Isto é tão mentira que eu nem sei por onde começar! A sociedade está pronta? Desde quando? Nem à minha mãe consigo dizer quanto mais à “sociedade” e quem o fez passou por momentos bem difíceis. Chamas disparar contra todos o que?"

A sociedade nao é só o grupo que te rodeia, o mundo é grande.
Disparar contra todos é culpabilizar os hetero, vendo xenofobia em todas as palavras.

"Juntarem-se a uma marcha de orgulho gay? Abanarem-se na rua? Lá está, não podemos fazer isso porque vamos chocar as criancinhas que não estão prontas pra ver algo fora do dito normal."

Nao acho que milhares de homens com calcas de cabedal e cu à mostra ou vestidos de bailarina, seja a solucao. E sim é algo que as criancas nao precisam de ver.


"como tu arranjas-te um exemplo de integração de homossexuais na sociedade eu arranjo-te mil onde isso não acontece, por exemplo, porque razão se eu quiser dar sangue ou ser dador de medula óssea a orientação sexual é um critério de selecção?"

Devido aos comportamentos de risco, até as trixas se aprenderem a controlar no seu "show", os gay serao vistos como iguais. As associações gay deveriam distanciar-se da má publicidade causada por esse grupo de risco.


"Mas tu só falas-te precisamente das excepções!"

Nao, eu falei da regra. Se reparares bem, dentro do mundo homossexual as trixas sao uma minoria, mas dentro dos assumidos, ele sao a maioria. A maioria cria a imagem e a regra, daí os homossexuais que se queiram assumir e integrar na sociedade teem tantos problemas.

O vosso inimigo nao sao os heteros, mas sim alguns grupos gay.

"Eu não devia atirar pedras, eu devia atirar blocos de betão armado se me quisesse vingar do que os heteros nos atiram! Eu só sou tão agressivo a defender estas ideias porque realmente fico muito indignado com as opiniões que aqui li, porque são reveladoras de uma ignorância que eu não queria acreditar que exista."

Eu penso exactamente o mesmo das suas opcoes. Voces está cego de uma raiva injustificada, pois a sua orientacao sexual, só o afecta a si. Para se assumir, tem de o escolher fazer e lutar pelo seu direito. Se nao se assume por receio, terá de enfrentar as consequencias, mas a culpa nao é minha nem dos hetero.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:21:00 da manhã

Van disse...

"A pergunta era se o meio homossexual é promiscuo. A resposta: é. O que não invalidada que o meio heterossexual também seja."

Curto, simples e correcto!

"André, o que o Crest quis dizer foi que se só são essas trichas que se expõem, imediatamente o mundo pensará que são a regra e não a excepção."

Na verdade acabam por ser a regra, quer queiramos quer nao.

  afectado

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:22:00 da manhã

não tenho nada contra os homossexuais.

contra as bichas tenho!


acho que me fiz entender :)

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:32:00 da manhã

Pronuncia disse...

"Já aqui foram referidos os “bares gay”, e eu pergunto e então as “casas de alterne”? Não haverá mais casas de alterne do que bares gay?"

Calma, as casas de alterne, sao casas onde se vende sexo. Os bares gay, sao locais frequentados por gay, tal como a taberna da esquina é frequentada por bêbedos. Nao podemos comparar um bar gay a uma casa de putas, apesar de muitos gay fazerem desses bares casas de putas.

"Quem é mais promíscuo, o casal gay que passa despercebido"

Ninguém falou em casais gay, falei em gays fora de casais e em principal as trixas que sao do mais promiscuo que há, na opiniao hetero e gay.

"Profissionalmente movo-me num meio maioritariamente masculino onde a homossexualidade não é aceite, antes é gozada."

Isso do gozar a homossexualidade é regra geral feita por machos que de volta e meia só atingem o orgásmo com um dedo e mais tarde um vibrador no cu.
Quem desdenha quer comprar e conheco muitos machos que gozam os gay, com um dildo lá em casa, para os ajudar quando estao com a namorada e estas merdas sabem-se quando as namoradas passam a ex.

"Não aceito que me digam “O Primeiro Ministro é uma besta porque é maricas”, aceito que me digam que é uma besta porque é incompetente."

O Sócrates é uma besta. Nao aceito que digam porque, ele é, ponto final :)

"Qual é a diferença entre uma parada gay e uma parada de carnaval no Brasil? Tão promíscua é uma como outra, pessoalmente não gosto de nenhuma."

Qual é a diferenca? Bolas... Ora vamos ver. Na carnaval do Brasil temos um desfile de samba com homens e mulheres a dancar, nus.
Numa parada gay temos um desfile de gays nus, com uma luva em forma de tromba de elefante na pila, que provocam o publico ao ponto de agarrar e beijar elementos do publico. De os puxar para o meio da parada, em particular velhos fisicamente mais fracos. É isto que vejo todos os anos em Hamburgo. Abusos gay, sobre a populacao curiosa. No desfile, beijam-se, apalpam-se e simulam sexo em cima dos carros alegóricos. Nao é em nada comparável a um desfile de carnaval.

"Resumindo, penso que tão promíscuo pode ser o meio homossexual como o meio heterossexual. As únicas diferenças residem no facto de a promiscuidade hetero até ser “bem aceite” pela sociedade enquanto que a homo é discriminada"

Errado. A promiscuidade hetero de agarrar mulheres num bar nao é aceite, tal como a gay nao deve ser desculpada. Este é o tema do texto.
Em ponto nenhum eu me referi aos hetero nao serem promiscuo, pois o texto nao é sobre eles. Nem eu falei de casais gay.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:34:00 da manhã

Anónimo André disse...

"todos acham que são muito liberais e modernos, mas na prática não o são."

Eu nao me acho, nem liberal nem moderno, pois a homossexualidade nao contribui nada para o meu bem ou mau estar.

"Van, és homossexual? Acho que tens aí a resposta a tudo o resto."

Noto aqui, um certo extremismo...

  André

quarta-feira, dezembro 10, 2008 1:13:00 da manhã

Eu não concordo contigo. Eu considero-te homofóbico e tu consideras-me um homossexual retraído, seja, não vou comentar mais declarações porque perdi-me no meio de tanta incoerência. Extremismo? Talvez, mas não deixa de ser verdade. Não faz sentido discutir um assunto com alguém que não está disposto a ceder um milímetro nas suas opiniões. E devido às circunstancias, considero que conheço bem melhor que tu o mundo homossexual, por isso mesmo só agora é que comentei o blog.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 1:22:00 da manhã

Abobrinha disse...

"Eu também não vejo necessidade de fazer uma festa acerca da sexualidade seja de quem for. Mas se fores a pensar no assunto, todos os dias são celebrações da "nossa" sexualidade, a "normal". Não da outra. Talvez o dia bom seja aquele em que seja absurdo e pateta mesmo fazer esta parada, porque se encara tão bem a diferença."

Mas a parada, impede a aceitação devido a exageros.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 1:23:00 da manhã

afectado disse...

"não tenho nada contra os homossexuais.

contra as bichas tenho!


acho que me fiz entender :)"

Sem sombra de duvidas.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 1:24:00 da manhã

Anónimo André disse...

"Eu não concordo contigo. Eu considero-te homofóbico e tu consideras-me um homossexual retraído, seja, não vou comentar mais declarações porque perdi-me no meio de tanta incoerência. Extremismo? Talvez, mas não deixa de ser verdade. Não faz sentido discutir um assunto com alguém que não está disposto a ceder um milímetro nas suas opiniões."

Nem eu nem tu estamos dispostos.

  Van

quarta-feira, dezembro 10, 2008 1:27:00 da manhã

Não percebeste o que eu queria dizer, André. Não estavamos a dizer a mesma coisa.
Não sou homossexual mas, sabes, sei que muitos tetraplégicos, cegos, surdos profundos que preferiam ser homossexuais a ter deficiencias físicas que os tornam alvo de tanta discriminação como um homossexual. Sei que muitos doentes terminais, doentes alzheimer, seropositivos, whatever, que secalhar preferiam mil vezes ser apenas homossexuais. Sei que a criança que morre em agonia de sede e fome, ou de tortura, ou numa guerra, secalhar preferia ser apenas homossexual. Com isto apenas quero dizer que tá certo, em Portugal a sociedade ainda está nos primeiros passos para uma maior abertura; mas não esqueças que temos uma polução velha. Os jovens são muito mais abertos.
Por outro lado, não tens razão nenhuma ao acusar o Crest de ser homofóbico, visto que leste as palavras dele com um véu de raiva em cima. Só tu é que entendeste as coisas assim...mas se queres continuar a ser assim, a ver maldade em todo o lado, é lá contigo.

Pois eu sei muito bem o que é ser alvo de discriminação. Mas nunca me escondi e sempre me defendi e me orgulhei disso. Nem que para isso tivesse de processar alguém por discriminação muahahahahah!

  Van

quarta-feira, dezembro 10, 2008 1:29:00 da manhã

NO meio disto perdi-me...eu queria dizer: com isto quero dizer que, apesar das dificuldades que o ser-se homossexual em Portugal implica, não é o fim do mundo e há lutas bem piores. E, quem está mal, muda-se.

  João

quarta-feira, dezembro 10, 2008 2:44:00 da manhã

Van disse:

"Mas olha, fugir nunca foi solução para nada. Nem escondermo-nos. "

e:

"E, quem está mal, muda-se."

Vês onde estava a querer chegar? Sinto que estou mal, e a soução passa por me mudar. Obviamente que não quero emigrar apenas pelo facto de ser homossexual. Existem vários outros factores determinantes neste meu objectivo de vida.
Em relação ao esconder-me... Bem, se me quisesse esconder não seria necessário sair de Portugal. A questão é que não pretendo esconder-me, daí optar por viver num local mais liberal, onde a homossexualidade seja aceita de uma forma mais correcta.

Em relação ao tema do post - O meio homossexual é de facto promiscuo?
Sim, a meu ver sim.

As pessoas só têm que compreender que ser homossexual não é uma opção que se toma, não é uma escolha que se faz. É algo de que os "portadores" não se podem livrar, é algo que está nos genes, e como tal ninguém deve ser discriminado por isso.
A única opção que se pode tomar é a de aceitação, ou não, de tal característica perante a sociedade.

Cheers

  Pronuncia

quarta-feira, dezembro 10, 2008 2:53:00 da manhã

Crest disse:
“Calma, as casas de alterne, sao casas onde se vende sexo....”
Aceito que a comparação não tenha sido feliz.

“Ninguém falou em casais gay, falei em gays fora de casais e em principal as trixas que sao do mais promiscuo que há, na opiniao hetero e gay.”

A questão do texto era “Porque é o meio homossexual tão promiscuo” e a determinada altura tu escreves: “A infidelidade homossexual masculina …”. Presumo que para haver infidelidade tem que haver um que traí e um que é traido, logo um casal. E a minha opinião hetero é a mesma que a tua “as trixas são do mais promiscuo que há”. Mas, mais uma vez a questão inicial era se o meio homossexual é tão promiscuo ou se essa é a ideia que as as elites homofóbicas querem fazer passar? A minha opinião continua a ser a mesma. Tão promíscuo pode ser o meio homossexual como o meio heterossexual.
“Isso do gozar a homossexualidade é regra geral feita por machos que de volta e meia só atingem o orgásmo com um dedo e mais tarde um vibrador no cu.”
Tal como tu condeno o gozo dirigido a gays, só porque tem uma orientação sexual diferente da minha. Quando ao modo como esses “machos” atingem o orgasmo, o problema é deles, não tenho nada com isso.
“O Sócrates é uma besta. Nao aceito que digam porque, ele é, ponto final :)”, perfeitamente de acordo, o homem é uma besta :)
“Abusos gay, sobre a populacao curiosa. No desfile, beijam-se, apalpam-se e simulam sexo em cima dos carros alegóricos. Nao é em nada comparável a um desfile de carnaval.”
Num desfile de Carnaval também há abusos gay e não gay sobre a população curiosa. Quando falo de paradas de carnaval no Brasil, não me estou a referir ao Desfile no sambódromo, no Rio, falo de todas as outras paradas de carnaval que não devem diferir em muito de uma “Gay Parade” como tu a descreves, presumo que nesta última também participam mulheres gay (como só te referiste à indumentária masculina), fiquei na dúvida.
“Errado. A promiscuidade hetero de agarrar mulheres num bar nao é aceite, tal como a gay nao deve ser desculpada. Este é o tema do texto.”
Uasndo as tuas palavras “O maior problema que vejo na homossexualidade masculina é a invasão e o insulto causado, pelo facto de recorrer ao toque após uma curta troca de palavras.” não escreves-te ser agarrado, falas-te em ser tocado. Quantos hetero “recorrem ao toque após uma curta troca de palavras”? Pessoalmente para mim também é uma invasão e insulto que me tentem tocar após uma curta troca de palavras, ou como já fizeram mesmo sem troca de palavras. E como tu também sou capaz de ameaçar com um murro (já ameacei, e até me esqueci de que com o meu tamanho e peso a “luta” de certeza que não ia correr nada bem para o meu lado).
Em nenhum ponto do meu comentário eu desculpei a homossexualidade gay, apenas afirmei que há tanta promiscuidade hetero como gay, condeno ambas.
“Em ponto nenhum eu me referi aos hetero nao serem promiscuo, pois o texto nao é sobre eles. Nem eu falei de casais gay.”
É verdade nunca te referiste aos hetero não serem promíscuos, fui eu que me referi a eles, mas para responder à pergunta que era tema do teu texto. Quanto ao não falares de casais gay, discordo, pela razão já apontada, quando escreves sobre infidelidade gay, para mim só há infidelidade se houver uma relação assumida entre duas pessoas (gay ou não), e sempre que há uma relação há um casal.
E, sim não gosto de bichas exatamente do mesmo modo que não gosto do “macho” tipo “Zézé Camarinha”.

  lontra=)

quarta-feira, dezembro 10, 2008 5:41:00 da manhã

Eu arriscava dizer que no futuro as pessoas vão poder escolher quem desejam livremente e ponto, sem ser necessário todas estas considerações. Será uma escolha realizada de forma natural, assim como é o desejo (mas eu não sou a Maia).
Quando digo escolher livremente refiro-me de uma forma saudável ou seja abominando claro as parafilias que não fazem parte das variações normais e aceitáveis do comportamento sexual.

Parece-me ainda que só através de conversas como esta que eu acho importantíssimas e de honrar vão permitir a desmitificação de certos assuntos, acredito mesmo que um dia todas estas considerações possam vir a ser desnecessárias por já serem por todos aceites e tomadas como obvias em que o obvio é que todos devemos e temos o direito de ser felizes independentemente da nossa identidade sexual.
(sussurrando…diria só mais uma coisinha em que acredito: o futuro é dos Bi. Eles desejam não (só :P) o sexo da outra pessoa mas a pessoa em si enquanto fonte de desejo.

O meu comentário não tem muito a ver com a promiscuidade gay, mas sim mais com os comentários que foram surgindo que achei também como o texto bastante interessantes.

Mas….soa-me a desculpa que eles são mais promíscuos “porque apesar de tudo são homens e tem os seus instintos”?!

Não me quero iludir com isso...podem ser mais infiéis por algum motivo que ainda desconheço, mas isso era irónico demais, não? Talvez que não se entreguem ou não idealizem o amor com tanta “facilidade” como a maioria das mulheres, ou no facto de não terem uma visão tão romântica e idílica de uma relação a dois como elas tudo bem agora…que está nos instintos? (que é penso eu procriar com várias fêmeas para a humanidade sobreviver). Hmm…perdoa-me por dizer isto mas acho que é a velha desculpa de homens para homens.

Obrigada pelo texto. =)

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 6:35:00 da manhã

Van disse...

"Não sou homossexual mas, sabes, sei que muitos tetraplégicos, cegos, surdos profundos que preferiam ser homossexuais a ter deficiencias físicas que os tornam alvo de tanta discriminação como um homossexual. Sei que muitos doentes terminais, doentes alzheimer, seropositivos, whatever, que secalhar preferiam mil vezes ser apenas homossexuais."

Ora aí está um ponto de vista interessante...

"Por outro lado, não tens razão nenhuma ao acusar o Crest de ser homofóbico, visto que leste as palavras dele com um véu de raiva em cima. Só tu é que entendeste as coisas assim...mas se queres continuar a ser assim, a ver maldade em todo o lado, é lá contigo."

Eu não sou homofóbico, não tenho nada contra homossexuais, sou sim Homemofóbico, acho que todos os homens são idiotas, eu incluído!
Se ele sente algum ataque em relação a ele, é porque ataco os homens no geral, gays ou heteros, por serem um empecilho constante na evolução do ser humano.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 6:41:00 da manhã

João disse...

"Vês onde estava a querer chegar? Sinto que estou mal, e a soução passa por me mudar. Obviamente que não quero emigrar apenas pelo facto de ser homossexual. Existem vários outros factores determinantes neste meu objectivo de vida."

Jovem, ser homossexual é um detalhe numa mudança. Nao são só os homossexuais que estavam mal, eu sou hetero e estava mal. Adoro o meu país tinha objectivos lá, mas não me sentia bem na sociedade em que estava inserido e mudei-me. Nao há um sonho meu que não possa realizar em qualquer parte do mundo. O que importa é que me sinta bem e neste momento sinto, numa sociedade mais livre, mais inteligentes, mas discreta, menos metida, mais independente.

Nao é por seres gay, alto, baixo ou louro que tens de mudar, é por não te sentires bem! Só isso!

"As pessoas só têm que compreender que ser homossexual não é uma opção que se toma, não é uma escolha que se faz. É algo de que os "portadores" não se podem livrar, é algo que está nos genes, e como tal ninguém deve ser discriminado por isso."

Claro que não, mas a conquista de direitos é uma luta e sem lutar nada se consegue. A mulher passou do sexo fraco ao sexo forte em 60 anos, após muita luta. Agora elas dominam, quer o homem queira quer não, elas teem a faca e o queijo na mão e sabem o poder que teem.

Claro que elas fizeram burradas, como a queima dos soutiens, burradas equivalentes às paradas gay, mas cada vez mais mulheres se juntaram e lutaram. A luta dos gays será igual.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 6:49:00 da manhã

Pronuncia disse...

"A questão do texto era “Porque é o meio homossexual tão promiscuo” e a determinada altura tu escreves: “A infidelidade homossexual masculina …”. Presumo que para haver infidelidade tem que haver um que traí e um que é traido, logo um casal."

Sim e se fores ao meu texto "Direitos homossexuais" verás lá comentários gay a concordarem com a infidelidade como uma realidade.
Da experiencia que tenho ao falar com amigos gay, existe uma fidelidade sentimental, mas nao sexual, a busca de novos parceiros de sexo nao invalida a fidelidade sentimental.

Eles veem a fidelidade de uma outra forma, nao trair sentimentos. Sexo é sexo e o amor fica à porta.

"Num desfile de Carnaval também há abusos gay e não gay sobre a população curiosa. Quando falo de paradas de carnaval no Brasil, não me estou a referir ao Desfile no sambódromo, no Rio, falo de todas as outras paradas de carnaval que não devem diferir em muito de uma “Gay Parade” como tu a descreves"

As outras nao vejo, já tenho ataques de sono ao ver a do sambodromo.

"presumo que nesta última também participam mulheres gay (como só te referiste à indumentária masculina), fiquei na dúvida."

Sim, sao as discretas e raras. Os gay e lésbicas discretos seguem normalmente no final da parada, depois de toda a merda ter passado, vemos um verdadeira desfile de orgulho gay, com casais simplesmente de mao dada na rua.

"não escreves-te ser agarrado, falas-te em ser tocado."

O acto de apalpar o cu de outra pessoa é a fronteira entre o toque e o agarrar, o termo, foi contido!

"É verdade nunca te referiste aos hetero não serem promíscuos, fui eu que me referi a eles, mas para responder à pergunta que era tema do teu texto."

Mas isso é sabido.

"Quanto ao não falares de casais gay, discordo, pela razão já apontada, quando escreves sobre infidelidade gay, para mim só há infidelidade se houver uma relação assumida entre duas pessoas (gay ou não), e sempre que há uma relação há um casal."

Correcto usando o termo casal como se usa em heteros. Mas no caso das trixas os casais nao sao sentimentais, sao fisicos e nao há qualquer tipo de fidelidade, nao entanto é aceite e o casal continua a sua promiscuidade.

  Crest©

quarta-feira, dezembro 10, 2008 6:57:00 da manhã

lontra=) disse...

"Parece-me ainda que só através de conversas como esta que eu acho importantíssimas e de honrar vão permitir a desmitificação de certos assuntos, acredito mesmo que um dia todas estas considerações possam vir a ser desnecessárias por já serem por todos aceites e tomadas como obvias em que o obvio é que todos devemos e temos o direito de ser felizes independentemente da nossa identidade sexual."

Há radicalismos de parte a parte que sao ainda impossíveis de ultrapassar.
A mulher efectuou uma luta activa e constante de 60 anos, para chegar onde está hoje.
Os homossexuais vao precisar de mais tempo e o motivo é simples, OS HOMENS! Já repararam que as lésbicas sao mais aceites na sociedade?

Simples, elas sao mais aceites pois nao dao shows e as trixas, as putas masculinas estao a foder a luta dos homossexuais. A culpa é como sempre dos Homens que só fazem merda com os seus radicalismos. Ou culpam a sociedade e todos quanto sao diferentes, ou chocam pela negativa. Diplomacia ZERO.


"(sussurrando…diria só mais uma coisinha em que acredito: o futuro é dos Bi."

Bi é mito, sao uma cambada de indecisos curiosos ainda na idade anal, nao sabem se entram se saem, se comem se poem para o lado. Os Bi, ou sao hetero ou sao gay, ainda nao decidiram. Ser Bi vai contra toda a lógica, pois é impossível gostar de branco e preto da mesma maneira, gostamos sempre mais de um do que de outro.

"Mas….soa-me a desculpa que eles são mais promíscuos “porque apesar de tudo são homens e tem os seus instintos”?!"

Homens, sao mais promiscuos, mais infieis, pensam mais merda e fazem mais merda, nao é teoria, é facto. Eu sou homem, eu sei. E contra mim falo.

"Não me quero iludir com isso...podem ser mais infiéis por algum motivo que ainda desconheço, mas isso era irónico demais, não?"

Claro que é irónico, mas eu nao sou o unico homem a afirmar isto, há mais, poucos mas há mais. Se ataco os homens, ataco-me a mim próprio, mas faco-o porque acredito no que digo.

  Van

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:36:00 da tarde

João, eu queria dizer fugires de ti mesmo :) isso é que nunca foi solução para nada. E quando digo que quem está mal muda-se, falo de mudar a vida e própria atitude para com ela. Não digo que tenha de se mudar de continente, mas podemos ser nós mesmos sem q outros o saibam propriamente, porque tb vêm aquilo que querem ver.
Pelo menos aqui ninguém disse que ser gay era uma escolha, mas sim que se pode optar por uma vida escondida ou por uma vida de liberdade. Dê por onde der e tenha isso as consequencias que tiver. Há alturas em que a nossa felicidade e sanidade é mais importante que tudo o resto. Falar é fácil? É. Sou homossexual? Não. Mas sei o que é a discriminação.
Em todo o caso, força. :)

  Van

quarta-feira, dezembro 10, 2008 12:42:00 da tarde

"Nao é por seres gay, alto, baixo ou louro que tens de mudar, é por não te sentires bem! Só isso!"

Ora aí está! Não podemos passar a vida a esconder quem somos e a sentirmo-nos bem com isso! Sejamos nós quem formos, tenhamos nós seja que particularidades forem! Mas nunca ganhámos nada em desistir de lutar à partida. É dificil? É! É impossivel? Sem luta, é, é impossível.

  Crest©

quinta-feira, dezembro 11, 2008 12:24:00 da manhã

Van disse...

"Ora aí está! Não podemos passar a vida a esconder quem somos e a sentirmo-nos bem com isso!"

Poder, até podemos, mas seremos sempre um caco de revolta e infelicidade.

  lontra=)

quinta-feira, dezembro 11, 2008 2:31:00 da manhã

“Já repararam que as lésbicas sao mais aceites na sociedade?
Simples, elas sao mais aceites pois nao dao shows e as trixas, as putas masculinas estao a foder a luta dos homossexuais.”

CONCORDO.

“Bi é mito, são uma cambada de indecisos curiosos ainda na idade anal, não sabem se entram se saem, se comem se põem para o lado.”

Eu diria diferente uma “cambada” de pessoas que escolhem ter sexo livre, e que gostam de explorar as suas potencialidades… mesmo que essa descoberta traga certas verdades menos convenientes, “olha foda-se gostei, queres ver que sou gay”, claro que muitos são resistentes na procura da verdade mesmo sendo a “sua” verdade porque apesar de tudo ainda assumir-se como diferente é muito difícil na nossa sociedade.

“Ser Bi vai contra toda a lógica, pois é impossível gostar de branco e preto da mesma maneira, gostamos sempre mais de um do que de outro.”

A célula humana é constituída por 46 cromossomas, sendo 23 pares herdados da parte da mãe e 23 da parte do pai, ou seja partilhamos geneticamente metade de cada um dos sexos...para mim tem toda a lógica que nos possamos sentir atraídos por uma pessoa do sexo oposto pelo menos uma vez na vida e não tem quem ter nada a ver com uma fixação na fase anal.
Quanto ao gostar mais de um do que outro não nos podemos esquecer que
devemos ser livres de juízos de valor, de preconceitos e de hipocrisias para conseguir-mos perceber uma nova era de amor onde o pudor não é dar-nos sexualmente mas sim dar-nos emocionalmente…e essa entrega tanto pode ser a “preto ou a branco” utilizando todos aqueles factores que referi o desejo sem eles surge livre e pode oscilar entre os dois sexos perfeitamente.

Talvez como homem seja mais difícil conceber a bissexualidade, mas sendo eu mulher acho perfeitamente aceitável sou hetero, mas tenho amigas que namoram com rapazes mas quando podem e desejam comem-se uma a outra e são muito felizes com eles, e eles que estão com elas…não se queixam nada. :P

  Crest©

quinta-feira, dezembro 11, 2008 10:30:00 da manhã

lontra=) disse...

"Eu diria diferente uma “cambada” de pessoas que escolhem ter sexo livre, e que gostam de explorar as suas potencialidades… mesmo que essa descoberta traga certas verdades menos convenientes, “olha foda-se gostei, queres ver que sou gay”, claro que muitos são resistentes na procura da verdade mesmo sendo a “sua” verdade porque apesar de tudo ainda assumir-se como diferente é muito difícil na nossa sociedade."

Defines curioso e indeciso ou sejam uma incompatibilidade para ser Bi. Ser-se Bi caso existisse pressupunha certezas.
Bi-sexual é ao contrário da homossexualidade uma opção, a opção de não se querer limitar a um sexo, mas não são Bi's ou são gay ou são hetero, simplesmente não aso esquisitos.
Conheço pessoalmente duas pseudo-bi's que nao se consideram Bi's, aliás concordam com a idiotice da categoria Bi. Elas sabem sabem a sua orientação sexual. Uma como hetero, assume as suas relacoes lésbicas por curiosidade, nao deixando ser hetero por isso. A outra lésbica, assume-se como lésbica mas admite que sente prazer com um homem, no entanto nunca trocaria uma mulher por um homem, sendo o homem ultimo recurso.

E aqui está. Esses pseudo-bi's que por aí andam, querem simplesmente ter uma categoria cool, pois ser gay era cool nos anos 90 mas agora já ninguém lhes acha piada.
Se hetero é muito antiquado e ser gay já nao tem tanto impacto, portanto bora lá ser Bi.

Uma coisa que prova a mentira em ser-se Bi é a preferencia, TODA a gente tem uma preferencia, pelo sexo masculino ou feminino, sendo o outro sexo, recurso e nao opcao. E isto define a pessoa como hetero ou gay.

Um Bi-sexual seria como um jornalista imparcial, ou um juiz neutro e isso não existe. A imparcialidade e neutralidade, são duas coisas impossíveis no ser humano. Por tudo isto a Bi-sexualidade é um mito.

Faz-me lembrar um colega meu que gosta de dar nas vistas, ele assume-se como tri-sexual, homens mulheres, ET's, ele diz que come tudo.


"A célula humana é constituída por 46 cromossomas, sendo 23 pares herdados da parte da mãe e 23 da parte do pai, ou seja partilhamos geneticamente metade de cada um dos sexos...para mim tem toda a lógica que nos possamos sentir atraídos por uma pessoa do sexo oposto pelo menos uma vez na vida e não tem quem ter nada a ver com uma fixação na fase anal."

Então se essa possibilidade existe, ou somos todos Bi, ou não é ninguém.

"Quanto ao gostar mais de um do que outro não nos podemos esquecer que devemos ser livres de juízos de valor, de preconceitos e de hipocrisias para conseguir-mos perceber uma nova era de amor onde o pudor não é dar-nos sexualmente mas sim dar-nos emocionalmente…e essa entrega tanto pode ser a “preto ou a branco” utilizando todos aqueles factores que referi o desejo sem eles surge livre e pode oscilar entre os dois sexos perfeitamente."

Claro que a entrega pode ser a preto ou a branco, mas é A preto OU A branco. Uma pessoa não se entrega de igual forma a duas pessoas, portanto ou preto ou branco e será a escolha entre o preto e o branco a definir a sua sexualidade, que não será com certeza Bi, pois a entrega a preto/branco não é 50/50.

"Talvez como homem seja mais difícil conceber a bissexualidade, mas sendo eu mulher acho perfeitamente aceitável sou hetero, mas tenho amigas que namoram com rapazes mas quando podem e desejam comem-se uma a outra e são muito felizes com eles, e eles que estão com elas…não se queixam nada. :P"

Ou seja, tem amigas hetero, curiosas com a homossexualidade. Um experiência homossexual por parte de um hetero, torna tanto uma pessoa Bi, como o facto de eu entrar numa mesquita me torna muçulmano. Se curioso não define a personalidade ou orientação sexual, politica ou religiosa, é sim uma investigação pessoal para chegar a conclusões.

Nao é o facto de me ser impossível aceitar a Bi-sexualidade, simplesmente, sempre foi algo que me intrigou por o principio, ou seja a definição da palavra não fazer qualquer sentido. Até hoje, após ter discutido este assunto com muita gente. Gay e heteros concordam que a bi-sexualidade é mito. Os bi-sexuais admitem sempre serem mais gay ou hetero. Ou seja esse "mais" define a sua sexualidade. Só há duas orientações sexuais, pois só há dois sexos.

  lontra=)

quinta-feira, dezembro 11, 2008 6:54:00 da tarde

“Nao é o facto de me ser impossível aceitar a Bi-sexualidade, simplesmente, sempre foi algo que me intrigou por o principio, ou seja a definição da palavra não fazer qualquer sentido.”

Eu admiro a forma e respeito como “bates o pé” ao Bissexualismo mas ajuda-me então a entender só mais uma coisa porque eu continuo a achar que se é bissexual quando uma pessoa encontra prazer e desfruta dele com os dois sexos, ainda que haja um “mais” preferido isso não o faz só hetero ou só homo, como aqueles que só desfrutam do sexo com um dos dois...percebes-me?
Claro que se depois do sexo a pessoa “encontrar” o amor terá que se fidelizar a um dos dois conforme, e aí pode o amor influenciar a escolha do “mais” preferido sexualmente ou e também o contrário, não pode isso acontecer?


“Ser-se Bi caso existisse pressupunha certezas.”

Talvez então a definição da palavra Bi não seja o mais adequado… para a tal oscilação mas eles que oscilam oscilam e que há quem não oscile também há, a meu ver não deveriam estar no mesmo conceito de orientação. Que se mude a palavra bi para uma que faça mais sentido aos “osciladores”. Utilizando o exemplo do “papão” do teu amigo ele não é só uma coisa com toda a certeza, ou será só alguém mais para o exibicionista e só?

Não descures que o ser humano é muito mais do que aquilo que possamos imaginar e todos somos diferentes, então para ti a Bipolaridade também não existe porque a definição da palavra não faz sentido? Existe a certeza de gostar dos dois (ok de um mais), mas há quem tenha a certeza de só gostar de um e esses não deveriam fazer parte da mesma orientação dos que gostam dos dois.

  Van

quinta-feira, dezembro 11, 2008 11:33:00 da tarde

"Então se essa possibilidade existe, ou somos todos Bi, ou não é ninguém. "

Somos todos! Uns mais que outros. :D

  Van

quinta-feira, dezembro 11, 2008 11:40:00 da tarde

Concordo totalmente com a(?) lontra. :-p

Sempre achei, mais uma vez, que todos temos uma escala interna de sexualidade. Uns gostam do mesmo sexo apenas. Outros do oposto. Outros tendem para o mesmo sexo mas apreciam também o oposto. Outros, assumem-se como apreciadores do sexo oposto mas dão as suas curvas com o mesmo sexo. A outros é-lhes indiferente o sexo do amante.

Não existe preto e branco no que respeita ao ser humano. Existe cinzento.
Somos demasiado complexos para sermos ou só preto ou só branco.

A bissexualidade não é um mito, existe. Tanto que existem relações "poliamorosas" onde os elementos têm relações assumidas com um sexo e outro.

  Crest©

quinta-feira, dezembro 11, 2008 11:55:00 da tarde

lontra=) disse...

"Eu admiro a forma e respeito como “bates o pé” ao Bissexualismo mas ajuda-me então a entender só mais uma coisa porque eu continuo a achar que se é bissexual quando uma pessoa encontra prazer e desfruta dele com os dois sexos"

Mas sentir prazer com os dois sexos não é ser-se bissexual. Eu sinto prazer numa boa salada e isso não faz de mim vegetariano. Nada impede um heterossexual de sentir prazer homossexual e vice versa, mas se tiverem de escolher entre um dos sexos, eles escolhem consoante a sua orientação sexual, ou hetero ou homo.

"ainda que haja um “mais” preferido isso não o faz só hetero ou só homo, como aqueles que só desfrutam do sexo com um dos dois...percebes-me?"

Mas é isso mesmo que define a sexualidade, o que se gosta mais.
Eu adoro o clube de futebol da minha terra e gosto do Benfica. Isso faria de mim um bi-clubistico até ao dia em que o Benfica joga contra o meu clube, aí vi, que sou mesmo do Benfica, pois quis ver o Leiria a perder.
Estás a ver onde quero chegar? Podemos gostar de muita coisa contrária, mas quando temos de escolher, escolhemos e é essa escolha que nos define.

"Claro que se depois do sexo a pessoa “encontrar” o amor terá que se fidelizar a um dos dois conforme, e aí pode o amor influenciar a escolha do “mais” preferido sexualmente ou e também o contrário, não pode isso acontecer?"

Nao. Tal como já aqui escrivi. A minha amiga lésbica que de vez em quando come um homem, come-o, porque também sente prazer, mas como lésbica nao existe a possibilidade de se envolver sentimentalmente com um homem. Daí ela dizer que é Lésbica e nao Bissexual. Tal como a minha amiga hetero que é normal ter casos bi e até convidar alguns desses casos, para um partilha com o marido dela, no entanto ela é hetero. Sexo é sexo e é só isso que ela busca no mesmo sexo. É heterossexual.

"para a tal oscilação mas eles que oscilam oscilam e que há quem não oscile também há, a meu ver não deveriam estar no mesmo conceito de orientação. Que se mude a palavra bi para uma que faça mais sentido aos “osciladores”."

Nao há palavra, eles são heterossexuais e homossexuais que não são esquisitos no que toca ao sexo. A minha definição é mesmo essa, "não são esquisitos, o que vier morre".

"Utilizando o exemplo do “papão” do teu amigo ele não é só uma coisa com toda a certeza, ou será só alguém mais para o exibicionista e só?"

Tal como disse, são insaciáveis, promiscuos (pois acho que este meu colega, até galinhas cobria se lhe aparecessem à frente), chamem o que bem entenderem, mas o termo bissexual é incorrecto pois eles não são neutros no meio de ambas as orientações sexuais.

Ainda estou para conhecer um unico auto-intitulado bissexual que nao se decida por uma preferência sexual, após 10m de conversa comigo.

"Não descures que o ser humano é muito mais do que aquilo que possamos imaginar e todos somos diferentes, então para ti a Bipolaridade também não existe porque a definição da palavra não faz sentido?"

O que é que a Bipolaridade tem a ver? A bipolaridade não são duas personalidades mas sim dois estados de espírito que não se manifestam ao mesmo tempo.

  Crest©

quinta-feira, dezembro 11, 2008 11:57:00 da tarde

Van disse...

"Somos todos! Uns mais que outros. :D"

Ok, entoa ganhei, pois se somos todos e não sou, visto que eu sou um de todos, então ninguém é.

Nunca conheci um homem que me levasse a pensar "se fosse bicha, era com este".

O comentário em que tu pegaste, era o comentário que eu queria que pegassem :D

  Crest©

sexta-feira, dezembro 12, 2008 12:25:00 da manhã

Van disse...

"Concordo totalmente com a(?) lontra. :-p"

Sim, A lontra.

"Sempre achei, mais uma vez, que todos temos uma escala interna de sexualidade. Uns gostam do mesmo sexo apenas. Outros do oposto. Outros tendem para o mesmo sexo mas apreciam também o oposto. Outros, assumem-se como apreciadores do sexo oposto mas dão as suas curvas com o mesmo sexo. A outros é-lhes indiferente o sexo do amante."

Então usa-se um ciência certa, a matemática e arredonda-se esse indecisos, ou não esquisitos, ou curiosos, ou papa-tudo, por defeito ou excesso, dentro das únicas duas categorias que existem.

É que se ser bissexual faz sentido, após essa pseudo-bissexualidade estar banalizada, já não ser novidade. Vai aparecer um ou uma parva a dizer que é quadri-sexual, "ah e tal, eu como heteros homem, heteros mulher, gay homem, gay mulher" ou então o quinti-sexual que come também bissexuais. E se comer também animais e extra-terrestres ui, é a puta da loucura.

Nao espero que concordem comigo, mas a minha opinião neste aspecto está mais do que formada, e eu, sou um gajo que já considerou a bissexualidade uma tendência sexual, hoje vejo-a como tretas de quem se quer destacar pela diferença, querendo um etiqueta nova. A minha etiqueta a quem quer ser bissexual é "Parvos".

"Não existe preto e branco no que respeita ao ser humano. Existe cinzento."

Claro que existe. Homem ou mulher é preto e branco, não existe cinzento. Vagina ou pénis é preto e branco, não existe cinzento. A não ser que chamem cinzento ao cu, mas junto ao cu, está ou um pénis ou uma vagina, logo, continua a ser preto ou branco!

"Somos demasiado complexos para sermos ou só preto ou só branco."

A complexidade é a outros niveis, nao no que toca a tendencias sexuais.

"A bissexualidade não é um mito, existe."

Prova-o. Eu consigo provar que um bissexual é hetero ou gay e espero que alguém me mostre um que nao consiga escolher. Esse ao ver um homem e uma mulher prontos para sexo, se tivesse de escolher um e nao conseguisse, escolher seria um verdadeiro Bissexual. Mas a carne é fraca, a escolha seria feita e o bissexual nao existe.

"Tanto que existem relações "poliamorosas" onde os elementos têm relações assumidas com um sexo e outro."

Sim, relações heterossexuais em orgia, mas são relações heterossexuais. Pois para serem relações homossexuais só poderia estar presente um sexo.
É muito engraçado ver as coisas pelo lado romântico ou sentimental, mas as palavras teem definições que não podem ser alteradas consoante os nossos gostos.

  vita

sexta-feira, dezembro 12, 2008 11:43:00 da tarde

Ai crest, tu arranjas cada tema homem.;P

Para não me repetir, deixo aqui um texto que escrevi sobre o assunto há uns meses, ilustra bem a minha opinião sobre o assunto.;P


"Já aqui falei de homossexuais, no caso masculinos, hoje vou falar outra vez, mas numa vertente mais pessoal.


E isto a propósito de um "post" da ju em que apresentava uma foto de um homem (por sinal até jeitoso) com o lápis (acho que é lápis, pode ser também eyeliner) da YSL para homem.
Até aqui tudo bem, eu fiz um comentário que dizia,"Não gosto, homem para mim é homem.", o que parece que ofendeu um dos comentadores habituais da ju , e depois de uma "lição" sobre géneros, masculinidade e feminidade tudo isto envolto em palavras floreadas que em comentário me fez eu respondi ao dito senhor.


Mas não fiquei satisfeita, e achei por bem fazer um texto sobre o assunto, não sei se a pessoa em questão lê o meu blogue, nem me interessa, mas este texto devia ler, não que eu ensine algo, mas sim porque pode aprender algo, quanto mais não seja a não interpretar o que quer e como quer.


Portanto começando o assunto.
Quem me conhece por aqui pessoalmente e priva comigo sabe que tenho um irmão homossexual.


O meu irmão tinha doze anos de idade quando disse há família que gostava de homens, ora isto há trinta anos atrás não foi fácil, eu tinha dez anos e para mim passou-me um pouco ao lado, até porque na altura não percebia ainda muito bem a dimensão da "coisa".
Mas para os nossos pais, não foi de todo "normal" uma situação destas, até porque o meu irmão, disse-o com toda a certeza.


Acontece que o aceitaram, hoje com quarenta e três anos o meu irmão vive com outro homem, já há dezasseis anos e é feliz com a vida que tem, participam os dois nos jantares semanais em família, e o tratamento que recebe é o dito "normal"inclusive o meu irmão vive no andar por baixo do meu, em cima do da minha mãe, logo o contacto é diário.


Acreditem ou não o meu irmão é um homem,não é feminino, não pinta os olhos, não veste saias e não pensa que é mulher.
A não ser em pequenos que ele vestia os meus vestidos no Carnaval, mas isso o outro irmão também o fazia e é o que se chama um "macho", eu nunca vi o meu irmão com atitudes de mulher.


Portanto não basta, parecer, convém ser, antes.


E conto isto não porque goste de expor a minha vida particular, mas sim, porque não tenho problemas em dizer que o meu irmão é homossexual e tenho orgulho nele como pessoa, é um excelente irmão,um óptimo filho e um ser humano bom.


Eu quando disse que homem para mim é homem, incluía o meu irmão nos homens, as preferências sexuais dele não lhe retiram em nada a sua condição como homem.


Enquanto os "gays" assumirem a postura de "ai sou tão descriminado" serão sim, toda a vida, porque antes de tudo, têm de se respeitar como seres humanos e respeitar os outros,o respeito é algo que se adquire,temos de o ter perante nós, e respeitar as preferências de cada um,só assim deixarão de ser os próprios os grandes discriminadores das suas preferências.


E como detesto "floreados" e "florzinhas" continuo a preferir homens."

Crest© :)

  Anónimo

sábado, dezembro 13, 2008 7:14:00 da tarde

"Isso em Portugal não existe. Existem bares que eles frequentam e não "bares deles", para serem deles teria de haver uma reserva ao direito de admissão."
amigo crest:
mais uma x te visito, com agrado.
isso em portugal existe, o trumps, o finalmente e tantos outros sao bares "gays" nao heteros, sao bares nossos sim, alias os heteros sao bem vindos, mas esta escrito na porta para quem quiser ler, sao bares gays!

aquele abraço, beto

  Anónimo

sábado, dezembro 13, 2008 7:24:00 da tarde

" afrodite disse:Epa que sejam felizes à grande dentro das 4 paredes que é como a maioria dos straigh fazem, não custa nada e poupa crianças de verem cenas fora do dito normal, é esta a sociedade..."
mas porque é k eu tenho de levar com um homem e uma mulher a beijarem-se no meio da rua, quando tu achas que eu nao o posso fazer?
poupar crianças???
afrodite... poupa-me!
aflige-te sim , quando existem crianças a serem abusadas, crianças a serem maltratadas pelos pais(heteros),crianças que nao teem o direito a ser criança porque sao obrigadas a trabalhar, crianças que sao abandonadas, passam fome, isso sim aflige-me!
agora que a minha sobrinha me veja a beijar o meu namorado,nao vejo onde a possa chocar, alias nao é e nunca sera o meu beijo que fara com que a minha sobrinha seja "gay".
verem cenas fora do normal???
minha querida os gays sao pessoas normais, tao normais como tu.
e sim, infelizmente é esta a sociedade em que sobrevivemos.

aquele abraço, beto

  Anónimo

sábado, dezembro 13, 2008 7:27:00 da tarde

afrodite disse:Eu não ando a apalpar pilas no meio da rua nem a ser apalpada também por isso era de bom tom que também não fizessem o mesmo."
novamente volto a frizar minha querida, que eu tb nao ando na rua a apalpar pilas (por muito que isso me deixa-se muito feliz).
quem tem telhados de vidro....
nao se esqueça que a afrodite esta feita... mas nao acabada!

aquele abraço, beto

  Crest©

domingo, dezembro 14, 2008 5:57:00 da manhã

vita disse...

"mas sim porque pode aprender algo, quanto mais não seja a não interpretar o que quer e como quer."

Mas isso é um mal geral. As pessoas sem capacidade argumentativa, interpretam como lhes convém e retiram frases do contexto para os ajudar.

"e o tratamento que recebe é o dito "normal"inclusive o meu irmão vive no andar por baixo do meu, em cima do da minha mãe, logo o contacto é diário."

Bolas, saíram de casa, mas não saíram da mesma casa, ahahahaha

"Eu quando disse que homem para mim é homem, incluía o meu irmão nos homens, as preferências sexuais dele não lhe retiram em nada a sua condição como homem."

Correcto.


"Enquanto os "gays" assumirem a postura de "ai sou tão descriminado" serão sim, toda a vida, porque antes de tudo, têm de se respeitar como seres humanos e respeitar os outros,o respeito é algo que se adquire,temos de o ter perante nós, e respeitar as preferências de cada um,só assim deixarão de ser os próprios os grandes discriminadores das suas preferências."

Ora. muito bem dito, concordo!

  Crest©

domingo, dezembro 14, 2008 6:16:00 da manhã

Anónimo beta disse...

"isso em portugal existe, o trumps, o finalmente e tantos outros sao bares "gays" nao heteros, sao bares nossos sim, alias os heteros sao bem vindos, mas esta escrito na porta para quem quiser ler, sao bares gays!"

Meu caro, não me venha com cartazes ilegais nas portas, pois eles não teem qualquer valor. Na Marinha Grande à porta da discoteca Império Romano, há um cartaz que diz "admissão negadas a emigrantes de leste", em milhares de bares há um artigo sobre a maneira como as pessoas estão vestidas, que dá ao porteiro a poder de ser critico de moda, MAS em 1996 a reserva ao direito de admissão foi declarado ILEGAL, logo não há em Portugal bares gay, bares de bombeiros ou bares de cinderelas. Há locais frequentados por eles, mas que são casas PUBLICAS!

Mostra-me um artigo na lei, que contenha um excepção, para bares gay. E mesmo que fosse legal ter um bar exclusivo de gays, a partir do momento que os "hetero são bem vindos", os gay não teem nem se devem comportar como putas e todos sabemos a grande quantidade de putas que há no T.

Nao se virem contra mim, virem-se contra as putas gay, que nao mau nome e má imagem aos Gay!


"mas porque é k eu tenho de levar com um homem e uma mulher a beijarem-se no meio da rua, quando tu achas que eu nao o posso fazer?"

A Afrodite disse isso? É pá beijem-se, mas não é preciso andar todo nu pela rua com uma meia a tapar a pila com a cabeça do rato mickey na ponta. Nem andar de jeans de cabedal com o cu de fora.
Será que o gay tem o direito de andar com o cu de fora, se mais ninguém o faz?
Será que um gay, tem o direito de durante uma parada gay, beijar ou agarrar que observa. A Afrodite tem razão, POUPEM-NOS e se queres atacar, ataca essas trixas, essas borboletas malucas que são a verdadeiras responsáveis por todo o preconceito em relação aos gay.

"aflige-te sim , quando existem crianças a serem abusadas, crianças a serem maltratadas pelos pais(heteros)"

Mas, tu estás a comentar ou a gozar com a nossa cara? Como podes falar em pais hetero como abusadores? Lá porque um homem tem um filho ele é hetero? Se um homem tem um filho e abusa desse filho é um pedófilo GAY!
Nao me fodam, com pedófilos hetero, pois a pedofilia não é hetero, é hetero é gay, tem tudo o que de mais nojento existe em nós.

"verem cenas fora do normal???
minha querida os gays sao pessoas normais, tao normais como tu.
e sim, infelizmente é esta a sociedade em que sobrevivemos."

És meu convidado para vires a Hamburgo na próxima Gay Parade e se achares os comportamentos dos gay, normais e aceitáveis quando querem ser aceites pela sociedade, mas fazendo questão em chocar e destacar-se... eu retiro tudo o que disse.
Sujeito-me a isto, com a certeza de quem afirma que os Gay, só serao realmente aceites pela sociedade, no dia em que se tentarem inserir e nao destacar. Muita da comunidade gay gosta de dar nas vistas e isso joga contra todos vós.

E o que é o que gay faz? Atira-se à sociedade e aos hetero, quando os vossos maiores inimigos sao muitos gay, como vos!
Já há gays a perceber isto, mas a maioria prefere apoiar um puta histérica, só porque é gay e é discriminada... tadinha!


"afrodite disse:Eu não ando a apalpar pilas no meio da rua nem a ser apalpada também por isso era de bom tom que também não fizessem o mesmo."
novamente volto a frizar minha querida, que eu tb nao ando na rua a apalpar pilas (por muito que isso me deixa-se muito feliz).
quem tem telhados de vidro....
nao se esqueça que a afrodite esta feita... mas nao acabada!"

Meu caro, neste meu blog eu estou atento e não permito que pegue em frases dos comentadores, as retire do contexto e as use para seu proveito.
A Afrodite não disse que os Gay andam pela rua a apalpar pilinhas, MAS QUE ISSO É UM FACTO NAS PARADAS GAY.

Acho que deveria ler com mais atenção os comentários antes de comentar um comentário ou atacar algum dos comentadores.

Dito, isto, prefiro que comente os textos, pois esses você lê-os. Para comentar os comentários, terá de ler TODOS os comentários, pois nem todos estão relacionados com o texto, mas sim com outros comentários. Este da Afrodite é exemplo disso.

  Anónimo

domingo, dezembro 14, 2008 7:18:00 da tarde

as minhas desculpas á afrodite

aquele abraço, beto