O que é a crise (parte 1/2)


1% do mundo detém 40% da riqueza mundial.
34.000 crianças morrem todos os dias de fome e de doenças curáveis.
50% da população vive com menos de 1,5 euros por dia.
A cada dia que passa há mais pobres.
A cada dia que passa há menos ricos, mas cada um desses ricos está mais rico.

A culpa de tudo é o nosso sistema financeiro virtual, virtualizado e viciado pelos bancos centrais com regras suportadas pelos bancos centrais de todos os países. Se um governo precisa de dinheiro contacta o banco central e pede-o. O sistema funciona assim:

1- O Estado pede ao banco central 1.000.000.000 (mil milhões de euros).

2- O banco "compra" a mesma quantia em certificados do estado, papeis parecidos com acções que funcionam como letras de pagamento.

3- Após o banco receber esses certificados, imprime ele próprio uns papeis com valor facial que nós conhecemos como notas.

4- O Estado pega nesse dinheiro corrente e deposita-o numa conta bancária. Ao fazer isto o dinheiro passa a ser legal, passa a ser dinheiro utilizável em sociedade.

E assim nasce o dinheiro. A teoria de que os bancos centrais possuem reservas em ouro equivalentes ao dinheiro em circulação é uma mentira, temos uma economia de dívida. Na verdade só 3% a 5% do dinheiro existe em papel tudo o resto é dinheiro virtual em trocas informáticas que nunca chega a existir em papel.

O certificados que os governos passam não valem nada, não passam de letras de dívida. Dívida que os governos se comprometem a pagar. Ou seja, o dinheiro em circulação, o dinheiro nas nossas mãos neste momento, alguém o deve a alguém.

5- Como o Estado teve de depositar esse dinheiro num banco, esse dinheiro por magia passa a pertencer às reservas do banco central e entra nas estatísticas com tal. Não é como dizem "que os bancos possuem ouro no valor do dinheiro em circulação", pois o ouro tem o seu valor em dinheiro e não é o dinheiro que vale ouro. Na verdade eles possuem dinheiro igual ao dinheiro em circulação e estabelecem o valor de 10% de reserva contra o valor em circulação.

6 - 10% desses 1.000.000.000 de euros, ficam no banco central como reserva e os outros 90% 900.000.000 são chamados de reserva em excesso, dinheiro que pode ser usado para créditos...mas não é.

7- Agora é quando se dá a magia, esses 90% 900.000.000 não são usados para créditos, são sim inventados mais 90% 900.000.000 que são somados aos 100% que o Estado pediu ficando 1.900.000.000. Esses novos 90% 900.000.000 é que vão para créditos e o estado fica com uma quantia equivalente nas suas reservas. Este dinheiro é inventado, e é inventado porque existe gente a querer pedir esse dinheiro emprestado e o estado tem esse dinheiro em reserva. Ao emprestar, empresta o dinheiro que inventou mantendo o dinheiro real nas suas reservas.

8- Eu vou ao banco e peço 900.000.000 euros, ao receber esse dinheiro assino um contrato com o banco e vou depositar esse dinheiro na minha conta num banco. Aqui o processo é repetido, esse novo depósito é contabilizado como as reservas do banco e 10% desse dinheiro é a reserva que fica no banco e 90% é a reserva excedente, aqui o banco inventa mais 90% (duplica a reserva excedente), valor que o meu banco irá usar para novos créditos.
Eu uso o meu, o banco usa o inventado para novos créditos.

Continuando: Eu gasto o dinheiro, qualquer pessoa que peça um crédito gasta o seu, mas há sempre alguém fica com ele e deposita-o na sua conta passando a ser contado como reserva 10% ficam, 90% é excedente que volta a ser duplicado e emprestado e o processo repete-se infinitamente. Dos 1.000.000.000 que o Estado pediu podem ser criados do nada, mais 9.000.000.000, dinheiro esse que não existe mas que todos os dias gastamos. Na verdade ele existe mas não nos bancos, esse dinheiro existe sob a forma de dívida a esses bancos. Eles inventaram dinheiro para o receber de quem contrai dívidas.

A economia é virtual pois toda a gente tem de gastar dinheiro, temos de pagar os créditos, temos de comprar comida, roupa, água e esse dinheiro volta a entrar nos bancos para sair em mais créditos. O Equilíbrio existe porque é garantido que o dinheiro circule e passe pelos bancos.

Conclusão: Por cada euro que entra num banco, ele poderá criar até 9 euros, 9 vezes o valor depositado. Os bancos inventam novo dinheiro do nada que volta a entrar no mercado em forma de créditos e volta ao banco a cada mensalidade da dívida.

Pergunta: O que dá valor a este novo dinheiro injectado no mercado?

Resposta: O velho dinheiro que já existe em circulação. Este novo dinheiro criado, retira valor ao dinheiro que temos e é por isso que existem variações no valor das moedas de cada país. Quanto mais dinheiro um Estado cria, menos irá valer o dinheiro existente. A essa perda de valor dá-se o nome de inflação, onde os preços aumentam e para essa perda de valor existir, os aumentos salariais serão sempre inferiores à inflação para evitar que este mundo virtual rebente.

Continua...

35 Comentários:

  loira

segunda-feira, abril 20, 2009 1:23:00 da manhã

Estou a gostar da descrição podes continuar. Além de puderes sugerir a solução para a crise.

Conluindo-se toda a gente fosse levantar o seu dinheiro o mundo ia à falência.

  Bruno Fehr

segunda-feira, abril 20, 2009 1:35:00 da manhã

loira disse...

"Estou a gostar da descrição podes continuar. Além de puderes sugerir a solução para a crise."

O texto terá uma segunda parte, mas a crise não tem solução pois ela sempre existiu e existirá sempre até à quebra total do sistema. É um sistema falso baseado em mentiras para que uma minoria controle tudo.

A crise actual é só a verdade a mostrar-se, até que se encontre uma forma de a esconder por mais umas décadas, pelos menos uma vez por século existe uma grande crise e é preciso tempo para a camuflar mais uma vez.

"Conluindo-se toda a gente fosse levantar o seu dinheiro o mundo ia à falência."

Nunca toda a gente poderia levantar todo o seu dinheiro, pois esse dinheiro não existe em forma de papel, só 3 a 5% do dinheiro mundial existe em papel, o restante são números em computadores. As transacções de milhões entre empresas são trocas de números e não de papel moeda.

É por este motivo que no caso de falência de um banco, só podes levantar entre 10 a 20% do dinheiro que tens depositado (dependendo do banco).

Não há uma única pessoa no mundo sem dívida. Mesmo que alguém não tenha 1 cêntimo e nunca tenha contraído uma dívida, deve dinheiro ao estado, pois a divida externa de um país é dividida entre todos os seus habitantes, por isso toda a gente deve algo a alguém, divida essa paga sob a forma de impostos.

  Who Am I

segunda-feira, abril 20, 2009 2:35:00 da manhã

Vou ali e venho quando estiver um post mais cor de rosa...acho que a minha insónia depois disto vai-se prolongar. ODEIO dinheiro (ok, não odeio) mas gostaria que ele fosse meu escravo e não o contrário.

  Fada

segunda-feira, abril 20, 2009 9:18:00 da manhã

Bom dia...

Demasiado cedo para me debruçar sobre este assunto, volto mais tarde, de preferência depois de ler uns outros assuntos semelhantes que me vieram à memória...

Volto mais tarde, mas volto, sim? Que este blog já é paragem obrigatória :D , até em assuntos dos quais não sou muito fã nem entendida... :s

Beijitos

  I.D.Pena

segunda-feira, abril 20, 2009 11:36:00 da manhã

Humm, soube destes factos através de uns documentários que se encontram disponiveis na internet. Interessante teres usado a palavra virtual, essa é a verdade, criam dinheiro porque podem.
A verdade é simples, mas tb crua, os bancos imprimem dinheiro e o problema é o facto de ser dinheiro legal, quanto mais dinheiro injectado na economia, mais cresce a divida.
Muita gente sabe disso, mas ninguém faz absolutamente nada. Aliás até acho que se evita falar disso.
Eu acho que é porque ninguém individualmente consegue fazer muito.
É também um assunto que muita gente não gosta de ouvir falar, pelo menos isso aconteceu comigo. É um assunto chato, mas a Who am I tem razão. Todos inclusive os ricos são escravos do dinheiro, só que os pobres, para além de serem escravos do dinheiro também são escravos do trabalho.
O texto está claro e conciso e parece-me audaz falares disto no teu blogue.
Mas sabes o que me impressiona mais?
É que se a maioria das pessoas soubessem e entendessem todas estas contas, mesmo assim não se decidiriam no que fazer para lutar contra este sistema viciado, para não dizer burlão.
Quando deveriamos estar mais unidos contra estes sistemas é quando os humanos se separam mais.
Como qualquer moeda de troca o dinheiro flui e desagua sempre nos mesmos rios. Para mim, enquanto existir dinheiro impresso por bancos centrais não existe espaço para a evolução da humanidade...

  Mistal

segunda-feira, abril 20, 2009 11:59:00 da manhã

A proposito de pobreza....
http://www.newsoftheworld.co.uk/news/271325/Slumdog-Millionaire-star-Rubina-Ali-who-played-Latika-is-offered-for-sale-by-dad-Rafiq-Qureshi-to-the-News-of-the-Worlds-Fake-Sheikh.html

  Anónimo

segunda-feira, abril 20, 2009 12:34:00 da tarde

Se este blog continuar assim deixo de te seguir, os temas são chatos. O crest tinha mais piada, o bruno fehr é uma seca.
Já ninguém comenta e os que comentam são chatos. É pena fica a minha opinião anónima para não ser perseguida e levar com palavrões.

Atentamente

  caditonuno

segunda-feira, abril 20, 2009 1:17:00 da tarde

nao sei o que é que fizeste pra nao deixar copiar o teu texto (espeeeertoo!), mas na 3ª frase não será 50% DA POPULAÇÃO VIVE COM MENOS DE 1.5 EUROS POR DIA?

abraço

  NTG

segunda-feira, abril 20, 2009 2:11:00 da tarde

Eu também vi o Zeitgeist, ao menos podias ter referido a fonte original.

De qualquer maneira, deixa-me dizer-te que tens um blogue bastante interessante e que acompanho com regularidade.

Parabéns!

  HAZEL

segunda-feira, abril 20, 2009 2:22:00 da tarde

Olá, Bruno
Tenho um prémio para ti. Eu sei que não publicas prémios, mas ele traz uma missão, que me parece perfeita para ti...

Engano-me?

  Bruno Fehr

segunda-feira, abril 20, 2009 2:49:00 da tarde

Who Am I:

Cor-de-rosa não é a minha cor :)

  Bruno Fehr

segunda-feira, abril 20, 2009 2:49:00 da tarde

Fada:

ok :)

  Bruno Fehr

segunda-feira, abril 20, 2009 2:50:00 da tarde

I.D.Pena:

"A verdade é simples, mas tb crua, os bancos imprimem dinheiro e o problema é o facto de ser dinheiro legal, quanto mais dinheiro injectado na economia, mais cresce a divida.
Muita gente sabe disso, mas ninguém faz absolutamente nada. Aliás até acho que se evita falar disso."

Porque quem tenta mudar o sistema é destruído. Portugal já teve uma economia de controlo de moeda quando tínhamos o escudo. Cada escudo em circulação era um escudo em ouro no banco, havia equilíbrio e meios para combater a crise. Com a entrada do sistema virtual usado pelos Ingleses e adoptado pelos americanos, esse ouro já não é necessário e foi vendido ao banco Suíço.

Hitler criou um sistema financeiro novo, em que cada Marco era contabilizado em trabalho e não em dívida, foi aqui que a América entrou na segunda guerra mundial. Hoje a Alemanha tem o sistema dívida.

"Todos inclusive os ricos são escravos do dinheiro, só que os pobres, para além de serem escravos do dinheiro também são escravos do trabalho."

Claro que sim.


"É que se a maioria das pessoas soubessem e entendessem todas estas contas, mesmo assim não se decidiriam no que fazer para lutar contra este sistema viciado, para não dizer burlão."

Mas aí entra quem está por detrás do Crown, Reserva Federal e World Bank, pois são eles que controlam os governos, que financiam eleições e os governos não vão mudar nada.

  Bruno Fehr

segunda-feira, abril 20, 2009 2:50:00 da tarde

Mistal:

"A proposito de pobreza....
http://www.newsoftheworld.co.uk/news/271325/Slumdog-Millionaire-star-Rubina-Ali-who-played-Latika-is-offered-for-sale-by-dad-Rafiq-Qureshi-to-the-News-of-the-Worlds-Fake-Sheikh.html"

Não é caso único e só irá piorar.

  Bruno Fehr

segunda-feira, abril 20, 2009 2:50:00 da tarde

Anónimo disse...

"Se este blog continuar assim deixo de te seguir, os temas são chatos. O crest tinha mais piada, o bruno fehr é uma seca."

Eu não tenho dupla personalidade, o Crest e o Bruno Fehr são a mesma pessoa. Se o que procuras são temas fáceis para dares respostas banais, tens de visitar cabeças ocas banais, recomendo-te a Pipoca mais doce e o Arrumadinho que reabriu o seu esgoto e claro o blogue da psicopata MAD. Coisas fáceis de ler, podem não ter piada mas permitem comentários dos que buscas.

"Já ninguém comenta e os que comentam são chatos. É pena fica a minha opinião anónima para não ser perseguida e levar com palavrões."

Ninguém comenta? O que é que estás a fazer entao?

  Bruno Fehr

segunda-feira, abril 20, 2009 2:50:00 da tarde

NTG:

"Eu também vi o Zeitgeist, ao menos podias ter referido a fonte original."

Bem, este texto termina com um "continua", ele nao termina e as fontes sao colocadas no final do texto.

Além disso o documentário que fala neste assunto é o "Zeitgeist: Addendum", o Zeitgeist fala de religião e terrorismo.

"De qualquer maneira, deixa-me dizer-te que tens um blogue bastante interessante e que acompanho com regularidade."

Muito obrigado.

  jardinsdeLaura

segunda-feira, abril 20, 2009 3:10:00 da tarde

Bruno Fehr,
Sabes que mais? Não sei se gosto mais dos teus Posts se das tuas respostas!!!São ambas tão, tão, tão... certeiras que tenho imensa dificuldade em me decidir!
Isto só para te dizer que espero com expectativa a segunda parte deste texto!
Voltarei sempre que puder!

  Who Am I

segunda-feira, abril 20, 2009 3:29:00 da tarde

Bruno, tu não ligas a cores. Cores são cores. Como podes saber a que atribuo a cor? Hum? E se não é a tua cor, qual é?

Agora informação económica:
"A tendência recessiva da economia da Alemanha aprofundou-se após uma queda do Produto Interno Bruto [PIB] de 2,1%” no último trimestre de 2008, avisa o Bundesbank no seu boletim mensal" ehehehheh

Alguns do teus anónimos são como os da Patrícia Villar, divertidos, vá...não resisti.

  indomável

segunda-feira, abril 20, 2009 4:18:00 da tarde

Bruninho,
O zeitgeist também já vi, não vi porém esse adendum de que falas e vou já procurar via youtube.
Esta tua teoria, bastante explicadinha e muito real, eu já a tinha discutido com outros bloggers, daqueles bem chatinhos e muito centrados em problemas que são aborrecidos e não têm metade dos teus comentários...

Mas este meus comentário servia mesmo para te dar uma péssima notícia. Pois é, recebi um prémio, o primeiro na minha vida de blogger e como sou virgem nestas coisas, tive, como deves saber, de presentear outros 10 blogs. eu bem tentei fugir ao teu, mas depois de vasculhar bem no meu baú de visitas diárias, não pude evitar, tive mesmo de nomear o teu.
Se quiseres saber qual, vai lá à biblioteca...
Um abraço e uma bejoca e continua assim chatinho, aborrecido e muito, muito realista...

  aNGie

segunda-feira, abril 20, 2009 7:02:00 da tarde

estou ciderada com as coisas que tu sabes!! ;)

bem.. estas trocas e baldrocas de dinheiros deixam-me tonta e angustiada.. infelizmente, dependo dele para subsistir, senão barrar-lhe-ia a entrada na minha vida..

seremos sempre meros números? dependeremos sempe de números?
qual é afinal o valor real de um número?

bahhhh

desta vez nem consigo fazer um comentário decente.. confesso, estes assuntos trazem à tona de água a minha imensa ignorância.. na qual, por vezes, gostaria de manter-me..
como dizia Sofia, "adormecida no pêlo do coelho branco"! (GAARDER, Jostein. 1991. O Mundo de Sofia. Companhia das Letras)
ou isso, ou entregar-me "into the wild", como uma filha das flores!

bahhhh
não gosto de falar sobre a crise.. é como uma corda à volta do pescoço, que tem vindo a apertar mais e mais a cada dia.. (palavra de recém-licenciada desempregada)

  Skynet

segunda-feira, abril 20, 2009 11:35:00 da tarde

Bastou ler as primeiras linhas para perceber que alguém andou a ver o Zeitgeist... ;)

Um documentário muito interessante, que toca em algumas verdades como a treta dos bancos centrais e do nosso sistema financeiro que não passa de um grande esquema em pirâmide, ou ainda, dos interesses financeiros por detrás das guerras.

No entanto não aconselho a seguires tudo o que lá diz sem cruzar com outras fontes antes, porque aquilo também têm uma certa dose de ficção e teorias da conspiração à la carte. Uma opinião minha que ficou reforçada quando vi o Zeitgeist Addendum, onde o gajo fala do projecto Venus e recomenda a formação de uma espécie de utopia anarquista.

  Jubylee

segunda-feira, abril 20, 2009 11:36:00 da tarde

O ano passado vi o segundo Zeitgeist onde o autor falava em pormenor deste assunto. Ficou-me na cabeça e é aquilo que penso cada vez que vejo a crise nos telejornais, os Bancos a falirem, o BCE a tentar resolver as coisas quando supostamente quem deveria controlar estas coisas devíamos ser nós, representados pelos nossos governos (que à partida são eleitos por nós) e não por gente que vai parar a essas organizações de forma nada democrática e assim têm os nosso futuros nas mãos. Um cenário nada agradável...

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 12:44:00 da manhã

caditonuno:

Correcto faltava o "de".

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 12:48:00 da manhã

HAZEL disse...

"Tenho um prémio para ti. Eu sei que não publicas prémios, mas ele traz uma missão, que me parece perfeita para ti..."

Já publiquei os prémios mas deixei de ter espaço na barra lateral para eles, ainda o guardo. No entanto não me agrada a publicidade feita na maioria dessas tags, é como um presente criado por um bloguer, espalhado pela blogosfera com fins publicitários.

Quanto à pergunta feita no prémio, hmmm é possível que diga algo sobre isso, possivelmente não o que quem teve a ideia espera ouvir/ler.

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 1:12:00 da manhã

jardinsdeLaura disse...

"Sabes que mais? Não sei se gosto mais dos teus Posts se das tuas respostas!!!São ambas tão, tão, tão... certeiras que tenho imensa dificuldade em me decidir!"

Se o comentário tem a ver com o texto, eu estou preparado para responder, se são ataques banais, eu preparo-me com rapidez.

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 1:12:00 da manhã

Who Am I disse...

"Cores são cores. Como podes saber a que atribuo a cor? Hum? E se não é a tua cor, qual é?"

Não dou significados a cores, pois elas recebem o significado que eu bem entender, o teu verde poderá não ser o meu verde.

"Agora informação económica:
"A tendência recessiva da economia da Alemanha aprofundou-se após uma queda do Produto Interno Bruto [PIB] de 2,1%” no último trimestre de 2008, avisa o Bundesbank no seu boletim mensal" ehehehheh"

Segundo os dados que recolhi na minha empresa, essa informação é falsa e falsamente difundida nos meios jornalísticos Europeus para que se acredite que crise económica está a afectar de forma igual todos os países. A situação na Alemanha tem sido de impasse nos últimos 3 quartais, houve um desvio de investimentos para o leste da Europa e Ásia, tendo os investimentos, importações e exportações com os parceiros Europeus sido reduzida em perto de 30%, o que define a redução do produto interno bruto SÓ em relação à União Europeia. O que não é dito aos europeus é que o aumento em 60% das trocas comerciais com a Ásia e Rússia, irão no próximo quartal colocar novamente a Alemanha como o único país com crescimento económico.

Na verdade o que o Bundesbank deixou, foi um aviso aos parceiros europeus que nada estão a fazer para combater a crise.

"Alguns do teus anónimos são como os da Patrícia Villar, divertidos, vá...não resisti."

O anónimo que comentou este texto, não é anónimo :)

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 1:12:00 da manhã

indomável disse...

"O zeitgeist também já vi, não vi porém esse adendum de que falas e vou já procurar via youtube."

O Addendum tem sido apagado constantemente pelo YouTube, no final do próximo texto, nas fontes, darei o link do site onde pode ser visto.

"Pois é, recebi um prémio, o primeiro na minha vida de blogger e como sou virgem nestas coisas, tive, como deves saber, de presentear outros 10 blogs. eu bem tentei fugir ao teu, mas depois de vasculhar bem no meu baú de visitas diárias, não pude evitar, tive mesmo de nomear o teu.
Se quiseres saber qual, vai lá à biblioteca..."

Já passo lá, posso não os expor no meu blogue, mas vou coleccionando :)

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 1:13:00 da manhã

aNGie disse...

"seremos sempre meros números? dependeremos sempe de números?
qual é afinal o valor real de um número?"

Seremos sempre mero números, enquanto não criarmos um sistema económico decente. Um sistema económico com base nos recursos (que já usámos antes da globalização) ou um sistema económico com base no trabalho (usado com sucesso por Hitler na Alemanha).

"não gosto de falar sobre a crise.. é como uma corda à volta do pescoço, que tem vindo a apertar mais e mais a cada dia.. (palavra de recém-licenciada desempregada)"

Houve uma crise que parecia ser o fim deste sistema, em 1929 e há outra agora, da qual a Ásia parece imune pois é lá que estão os países que ainda controlam o seu dinheiro com base nos seus recursos, ignorando o sistema Euro-Americano.

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 1:13:00 da manhã

Skynet disse...

"No entanto não aconselho a seguires tudo o que lá diz sem cruzar com outras fontes antes, porque aquilo também têm uma certa dose de ficção e teorias da conspiração à la carte. Uma opinião minha que ficou reforçada quando vi o Zeitgeist Addendum, onde o gajo fala do projecto Venus e recomenda a formação de uma espécie de utopia anarquista."

As informações, foram cruzadas. O documentário tem diversos erros, pois fala na Reserva Federal como se fosse a origem do problema, mas a origem está em Londres e com ligações ao Vaticano.

Quanto às teorias da conspiração, não encontrei uma com a qual discordasse, discordo sim do mau da fita que até neste documentário é camuflado como "grupos financeiros".

  Bruno Fehr

terça-feira, abril 21, 2009 1:13:00 da manhã

Jubylee disse...

"o BCE a tentar resolver as coisas quando supostamente quem deveria controlar estas coisas devíamos ser nós, representados pelos nossos governos (que à partida são eleitos por nós) e não por gente que vai parar a essas organizações de forma nada democrática e assim têm os nosso futuros nas mãos."

O BCE segue as regras do novo sistema monetário europeu, que na verdade continua ligado ao Crown em Inglaterra que é sem duvida a fonte de todos os problemas. No Crown eles são Deus, não respondem a ninguém no mundo e são mais poderosos que a Rainha, são um edifício que é um país independente dentro de Inglaterra, uma espécie de Vaticano mas mais pequeno.

O BCE está para o Crown, como o World Bank está para a Reserva Federal Americana, marionetas.

  jardinsdeLaura

terça-feira, abril 21, 2009 5:22:00 da tarde

Bruno Fehr,
"...se são ataques banais, eu preparo-me com rapidez"(??????)
Juro-te que essa não percebi!!! Ataques!! que ataques??? será que não percebeste mesmo que se tratava de um elogio?! Esclarecimento precisa-se e com urgência!

  HAZEL

quarta-feira, abril 22, 2009 12:34:00 da manhã

Caro Bruno

Compreendo a tua posição.
Mas quero que saibas uma coisa: não te nomeei para o prémio com intenção de fazer publicidade ao meu blog.

Nomeei-te, porque te considero inteligente e irreverente o suficiente para ficar curiosa por saber o que responderias a uma pergunta destas.

Não precisas de fazer qualquer referência ao meu blog se decidires publicar o prémio ou a pergunta. Não era isso que estava em causa.

Um abraço

  Bruno Fehr

quinta-feira, abril 23, 2009 3:54:00 da tarde

jardinsdeLaura disse...

"Juro-te que essa não percebi!!!"

Refiro-me à saudável discussão de pontos de vista versus comentários como o anónimo no inicio desta caixa de comentário.

"Ataques!! que ataques??? será que não percebeste mesmo que se tratava de um elogio?! Esclarecimento precisa-se e com urgência!"

Eu percebi, mas os meus comentário a comentários não se referem exclusivamente a quem comentou mas sim a todo um assunto e a todos os comentários anteriores.

Peco desculpa se não me fiz entender.

  Bruno Fehr

quinta-feira, abril 23, 2009 3:55:00 da tarde

HAZEL disse...

"não te nomeei para o prémio com intenção de fazer publicidade ao meu blog."

Nem eu pensei isso, eu refiro-me aos prémios em si onde está indicado o link do criador desse prémio, é a essa publicidade que me refiro.


"Não precisas de fazer qualquer referência ao meu blog se decidires publicar o prémio ou a pergunta. Não era isso que estava em causa."

Quando menciono prémios dou referencia a quem me deu, acho isso certo e normal, não gosto é de colocar no meu blogue aquelas tags com o url do criador do blogue.

A minha critica é para esse tipo de marketing e não à tua atitude que só teve boas intenções. Que isso fique claro.

  jardinsdeLaura

sábado, abril 25, 2009 12:58:00 da manhã

Bruno Fehr,
Obrigado pelo esclarecimento! É que nem sequer tinha feito qq tipo de associação com o comentário do Anónimo (que aliás não devo ter lido com muita atenção). Por isso não só fiquei bastante surpreendida como não percebi nada da sua resposta!