2012 - Versão de 2009

Este é o texto sobre o filme 2012 versão de 2009.

Neste filme gostei de aos 07 minutos, às portas de uma reunião do G8, os manifestantes estarem a gritar "no G8, no G8", isto é uma forma de retratar os manifestantes como idiotas sem causa. Nunca num encontro do G8 ou G20 eu vi algum manifestante a gritar tal coisa, aliás nunca vi um manifestante contra o G8 pois com ou sem reuniões é um grupo legal que existe. O protesto é sobre as decisões tomadas nestas reuniões, pois quem se fode é quem está lá fora!



Este filme tem detalhes mais importantes do que a fantochada religiosa do seu homónimo de 2008. Primeiro porque fala do actual aquecimento do sol e das suas cada vez mais poderosas tempestades, o que é uma forma de dizer ao Al Gore: "you are wrong, bitch!". Segundo, porque refere, não que o mundo irá acabar mas sim que o mundo como nós o conhecemos irá acabar. Ora esta frase é tão ambígua que acaba por ser verdadeira, pois seja uma tragédia ou seja só uma mudança de ciclo solar e terrestre, é uma mudança que irá afectar a nossa forma de vida e por isso tudo muda, pois a nossa percepção muda. Não é o fim do mundo. A verdade neste filme está nas palavras e ilusão, está nas imagens, mas cada imagem vale por 1.000 palavras e a mensagem real é perdida. E no fim milhões saem dos cinemas a pensar "ainda bem que é ficção". Será?


Muitos falam online dos famosos bunkers como um DUMB nos EUA e o Noé na Noruega e que o espaço dentro deles e de milhares em todo o mundo que podem ser usados em caso de catástrofe são obviamente de espaço limitado e portanto não podem ir para lá todos. Logicamente governos, elites vão lá estar, obviamente precisam de médicos, cientistas, engenheiros que possam reconstruir, em terceiro lugar precisam de mão de obra qualificada e vemos no filme essa selecção a ser feita perguntando às pessoas, por exemplo se sabem soldar. Em caso de catástrofe, a mão de obra é precisa e obviamente que tem de ser qualificada.

Neste filme as pessoas acham que os governos possuem naves que os levam para o espaço, mas afinal são arcas de Noé, no entanto a entrada na quinta era, a era éter pressupõe uma destruição pelo fogo e não pela água pois isso já aconteceu, portanto só acertaram no nome: Noé, nome do segundo maior bunker construído nos últimos anos depois do D.U.M.B. nos EUA.



Não sei se repararam mas o Presidente Americano no filme, ou seja em 2012 é... negro. Achei interessante pois estes acontecimentos são em Dezembro de 2012 e as eleições para a presidência são a 6 de Novembro de 2012. Ou acham que Obama será reeleito quando as sondagens afirmam o contrário, ou não haverá eleições devido à catástrofe eminente...

No encontro entre o actor principal e um conspiracionistas, o conspiracionista é retratado de forma a parecer louco e dizendo loucuras como a de um alinhamento de planetas que ocorre unicamente a cada 30.000 anos. Ora isso é falso, pois conseguimos prever os alinhamentos de planetas e nada disso irá acontecer. O alinhamento que poderá acontecer em 2012 é entre o Sol que é o centro do nosso sistema solar, a terra que é o centro da vida humana e um buraco negro que dizem ser o centro do universo. No entanto ele revela uma verdade, a verdade do motivo que torna possível guardar grandes segredos... pois quem os tenta revelar morre acidentalmente. Ficamos a saber também, que apesar dos teoristas de conspirações não estarem sempre certos, eles estão longe de estarem totalmente errados, mas sim, são loucos, todos são loucos e ficam ainda mais loucos a cada investigação que fazem devido aos resultados obtidos. Mas um louco só por o ser não tem de estar errado!



Um outro facto interessante é a mudança de posição do pólos, algo que teoricamente já aconteceu por 4 vezes desde que a terra foi formada pois 2012 será teoricamente a entrada na quinta era, a era éter. A ciência afirma isto, e é isto que justifica as alterações que estamos a assistir nos pólos.

Apesar de visualmente o filme ser uma idiotice tem mensagens interessantes como:
- Quando houver merda o governo está-se a cagar para o povo. E esta é a mensagem mais forte do filme.
Não pensem que haverá um atitude honrada de deixar entrar o povo num local seguro como vemos no filme, o povo que se foda foi uma frase proferida não só em Portugal mas um pouco por todo o mundo, recentemente foi dita por um politico Brasileiro.


Começar de novo é a bela mensagem final e esse recomeçar seria o menor dos nossos problemas. Como poderíamos construir um mundo melhor se a corrupção governamental sobreviveu? Apesar de tudo seriam vistos como heróis por todos os sobreviventes que depressa esqueceriam os biliões de mortos e os deixariam continuar a governar.

No caso de algo se semelhante acontecer em 2012, as elites salvam-se e depende de nós construir um mundo melhor ou não, e está nas nossas mãos deixar ou não esses gajos manterem o poder, dar ou não um valor irreal a pedaços de papel emitidos por um banco, continuar ou não a odiar o próximo pelas suas diferenças quando sabemos que as devemos respeitar.

Este filme foi obviamente manipulado por Hollywood, mas quem ler nas entrelinhas encontrará pedaços de verdade, pois há verdade em toda a mentira pois a mentira nasce dela.

9 Comentários:

  Maya Gaarder

quinta-feira, março 11, 2010 2:26:00 da tarde

Não vi nenhum dos filmes, portanto não posso opinar!
Fazem-me confusão os filmes como este, com o fim do mundo anunciado que afinal não acontece devido à intervenção dos super herois americanos que estão sempre la para salvar o dia.
Se realmente chegarmos a isso, não espero estar entre os que sobrevivem, se isso acontecer, sera por pura sorte. Não faço parte da elite nem da mão de obra necessaria à reconstrução. Pelo sim pelo não, acho que vou pôr o meu filho a aprender a soldar:)

  Marta

quinta-feira, março 11, 2010 4:36:00 da tarde

Vi os dois filmes.
Quanto à versão 2008, concordo plenamente. É uma merda!!!! Penoso de ver.

Este, é um bocadinho melhor, embora também não tenha gostado.

Não vejo a possibilidade de um começar de novo melhor... as arcas foram cheias com quem podia pagar o bilhete. Sem dinheiro não haveria arcas e com dinheiro entra apenas a elite actual. Não vejo dai um bom inicio.

Dizes que os sobreviventes depressa esqueceriam os mortos, não foi esse o fim do filme?

No caso de acontecer em 2012 algo com o grau de destruição apresentado no filme, a nós não nos cabe nada, porque não estaremos cá para construir.
Este foi o principal motivo pelo qual não gostei do filme. A mensagem de que nada posso fazer não me agrada de todo!

  Diogo

quinta-feira, março 11, 2010 7:55:00 da tarde

Achei enternecedor o presidente americano, com lugar de honra numa das arcas, ter tido no último minuto um rebate de consciência e cedido o seu lugar a outro.

  mike shinoda

sexta-feira, março 12, 2010 2:34:00 da manhã

bom comentário bruno, parabéns. também vi o filme e reparei em algumas singularidades muito parecidas com aquilo que tenho para mim que será o nosso futuro a curto prazo.

Em todo o caso obrigado por voltares "ao activo" no só me apetece cobrir, espero ansiosamente por mais textos, sejam eles séries ou não..já agora um colega ao qual divulguei este blog disse-me que estava com saudades do médico de famílias deformadas, também conhecido por doutor Crest..vê se falas com ele!;)

abraço

  ceptic

sexta-feira, março 12, 2010 8:47:00 da tarde

nao vi a versão de 2008, e adormeci no de 2009...


Logo para mim, não teve grande interesse.
Se o fim do mundo vier, nos entretantos, como boa tuga que sou devo recorrer a lei do desenrasca e logo se vê como corre!:P

  ceptic

sexta-feira, março 12, 2010 8:47:00 da tarde

nao vi a versão de 2008, e adormeci no de 2009...


Logo para mim, não teve grande interesse.
Se o fim do mundo vier, nos entretantos, como boa tuga que sou devo recorrer a lei do desenrasca e logo se vê como corre!:P

  lunatiK

terça-feira, março 16, 2010 2:40:00 da tarde

Viva Bruno
ainda não vi o filme, e a verdade é que nem sei se tenho vontade de o ver...
Cumps.

  Gandim

quinta-feira, março 25, 2010 3:43:00 da tarde

seja como for, se o mundo acabar para todos ou para a maioria, é uma pena porque vai ser um excelente ano de produção vinicola devido ao alinhamento planetario!! :(

  André

quarta-feira, setembro 08, 2010 3:45:00 da tarde

No filme Deep Impact (1998), a vida no planeta Terra é ameaçada por asteróides e o presidente dos eua também é negro. O actor é Morgan Freeman.