A queda da máscara!


Este texto poderá ser dos mais estranhos, contudo é real.
Nos últimos dias tem-me surgido uma duvida, uma duvida que sempre tive mas que factores externos, fizeram com esta duvida caísse sobre mim como se de uma tempestade se tratasse. Um segundo, um único segundo criou em mim um conflito interno.

Por segundos vi um pouco de tudo, sem nada ver. Passaram-me pela mente flashs de memórias passadas a uma velocidade que não me permitiu concentrar em um concreto.

Quem sou eu?
Sempre soube a resposta, olhado para o o espelho e dizendo "aquele sou eu", mas não sou só aquele e por não ser só aquele, com a ajuda da minha bipolaridade criei o Crest, que como já disse sou eu, sem o ser. Ou seja, eu não sou só o Crest nem o Crest é tudo o que eu sou.

Agora serei eu mais o que vejo ao espelho, ou mais o crest que não tem corpo?
Serei eu um corpo, uma cara, um sorriso, uma lágrima, um gesto, um suspiro? Eu serei eu a forca, o medo, a segurança, a duvida, a alegria, a tristeza? A resposta logicamente seria, que sou um pouco de ambos. Mas se assim é, porque escondo o Crest de mim? Porque é que o Crest diz o que eu nunca diria e porque é que eu, me escondo do Crest, ouvindo falar dele e ficando em silencio, só a escutar.

"Quem és tu?"
Perguntam-me e eu não tenho resposta, não sei a resposta, mas procuro-a.


Seria justo eu responder, "sou quem tu vês à tua frente", enquanto escondo o Crest que grita dentro de mim, "fala de mim também, eu sou tu". Ignoro-o, pois ele acaba por dizer mais do que o que quero. O Crest é sentimentos e verdades eu sou forca e certezas. O Crest liberta-se na escrita fala dele como entidade e fala de mim como ser. Eu falo de mim, ignoro o Crest.

Se eu na minha vida real, libertar o Crest, passarei a andar nu, serei transparente.
Se o Crest na minha vida virtual, me liberta ele ganha corpo e torna-se eu.

Preciso dos dois, mas não sou nenhum e ainda não encontrei o meio termo. Um acordo entre mim e o Crest em que eu possa dizer, "Ok, eu deixo-te sair, mas não fales demais, não brinques com as palavras numa tentativa de dominar toda a gente". O Crest tenta trazer-me para o seu mundo e mostrar-me como se fosse um trofeu.

É uma luta entre mim e eu, tal como este blogue sempre foram conversas entre eu e mim.

No meio disto tudo um inocente que me conhece sem me conhecer, conhece um de nós enquanto o outro continua escondido, espreitando ao longe, "anda cá, deixa-me ver-te a ti também", mas ele não sai dali, teme misturar-se consigo próprio, como se da mistura pudesse sair algo que nem eu nem o Crest desejam. Confio em mim, confio no Crest, não confio em nós.


Crest: Lá estás tu escondido atrás da mascara.
EU: Mas sabem que estou lá. Eu escondo-te onde ninguém vê.
Crest: Mas eu exponho quem tu és em palavras. E tu? Que fazes?
Eu: Nada, eu sou eu.
Crest: Também és eu.
EU: Mas tu não tens de ser mostrado, falas demais.
Crest: Cuidado!
Eu: Estás a ameaçar-me?
Crest: Não estou a prometer-te que se me irritas, eu coloco no blogue aquela foto, que tu sabes.
EU: Atreve-te e eu fecho-te o blogue, enterrando-te novamente de onde nunca te deveria ter tirado.
Crest: Tu precisas de mim.
Eu: Eu vivo sem ti, tu não és nada sem mim.
Crest: Um dia morrerás e tudo o que fica, sou eu.
EU: Nesse dia e só nesse dia, tu serás eu.


A discussão continuou durante horas, dias enquanto ela observava sorrindo, alheia a à minha luta interior e eu sorria por a ver sorrir. A certa altura a expressão na cara dela mudou, ficou triste, senti que iria chorar e parei. Foi aqui que tudo mudou, como posso eu esconder parte de mim a alguém que me percebe de uma estranha forma?
Não quero lágrimas, quero aquele sorriso de volta, mas já não o vi, na minha mente ficou só gravada a cara triste, lábios rasgados num sorriso forcado, testa franzida, combatendo algo que não me queria mostrar.

Por isso chegou a hora de lhe dizer, este sou eu mas sou este outro também.

E a máscara finalmente cairá e poderei dizer, "aqui estou".


Este texto é dedicado. A quem? Digamos que é só dedicado!

84 Comentários:

  Pax

quarta-feira, outubro 15, 2008 10:33:00 da manhã

Não sei se isso terá muito valor para ti mas este texto é um dos que mais gostei, teus, ultimamente.

Eu acho (e sempre achei) que o Crest é o mensageiro de tudo o que tu gostarias de poder dizer.
Eu não separo tanto assim o Crest de ti. Tu és o ser principal, o Crest apenas uma das tuas vozes. Não há motivo para luta nem diálogo.
O lado Crest só diz o que tu quiseres. O lado Crest não vai fazer ninguém gostar mais ou menos de ti pelo simples facto de o ligar a ti, ninguém que realmente importe, pelo menos.
O Crest não te domina, és tu quem o controla. Tem o valor que tu lhe queiras dar.
O lado Crest desnuda-te parcialmente, é verdade, mas só até ao ponto que tu queiras.

E, se queres uma opinião, acho que só devemos desnudar-nos perante alguém realmente especial, que tenhamos a (quase) certeza de que não nos fragilizará ainda mais nessa nudez.
E a nudez a que nos vamos expondo junto às pessoas especiais deve ser progressiva e não conseguida em meia duzia de horas de leitura.

De qualquer modo, para quem gostar de TI, o Crest nunca te ofuscará.
É o que acho.

Beijos :)

  Vício

quarta-feira, outubro 15, 2008 11:18:00 da manhã

engraçado! eu já passei o mesmo com o Vício!
mas ao contrário de ti, eu já deixei o Vício sair um pouco...

  Foi Bom

quarta-feira, outubro 15, 2008 11:44:00 da manhã

Nao faças isso, nao te des a descobrir demais. Todos precisamos de ter uma coisa so nossa, que so nos conhecemos, ate ao dia em que apareça alguem que mereça tudo. E tu ja te deste a descobrir a esse alguem. Portanto fica quietinho e nunca mostres a tal foto...as tuas fans iriam ficar escandalizadas, em estado de choque. Nao sejas mauzinho!

  Afrodite

quarta-feira, outubro 15, 2008 12:08:00 da tarde

Er...pois...não sei...talvez...e se...podes sempre...hmmm...pois...se não te sentes confortável nesse cair da máscara, não a deixes cair. Olha que as fans ficam desiludidas ehehehehhe...aborrecido!

A bipolaridade é boa, permito-nos ser o que queremos ser sem medos, resta saber qual te faz mais feliz, se o EU se o Crest...ou se o mix dos dois não seria fabuloso! Não vejo que o teu EU possa ser muito diferente do Crest que vais mostrando a cada palavra que escreves. A imagem que se vê a um espelho é apenas uma embalagem e como já ouvi "dizer", há embalagens que upa upa ehehhhe!

Todas as situações que descreves têm o Crest lá dentro :)...cada obstáculo que passaste, cada romance que viveste...foi o Crest no EU ehehhe. Se tiveres muitas dúvidas mete um todoooo lá dentro do outro que pode facilitar na fusão. :)

"Preciso dos dois, mas não sou nenhum e ainda não encontrei o meio termo. Um acordo entre mim e o Crest em que eu possa dizer, "Ok, eu deixo-te sair, mas não fales demais, não brinques com as palavras numa tentativa de dominar toda a gente". O Crest tenta trazer-me para o seu mundo e mostrar-me como se fosse um trofeu." - Afinal o EU é que domina o Crest ;). Da-lhe de força que ele precisa de uns tau taus :).

"A discussão continuou durante horas, dias enquanto ela observava sorrindo, alheia a à minha luta interior e eu sorria por a ver sorrir." - Olha a sortuda, só ter isso de ti já é uma benção não? Quantas fans não dariam o cu e a psfifia por momentos assim como descreves? :)

"A certa altura a expressão na cara dela mudou, ficou triste, senti que iria chorar e parei." - Tens a certeza que foi isso? Podia ser sono, vai na volta! :)

"Foi aqui que tudo mudou, como posso eu esconder parte de mim a alguém que me percebe de uma estranha forma?" - Xarammmm dares tanto de ti assim já é o que chegue, não és obrigado a dar mais. Ela por certo compreenderá.

"Não quero lágrimas, quero aquele sorriso de volta, mas já não o vi, na minha mente ficou só gravada a cara triste, lábios rasgados num sorriso forcado, testa franzida, combatendo algo que não me queria mostrar." - Crest Crest...acho que foste apanhado na curva ehehheh. Já estás...passaste-te para o outro lado, já não há volta a dar...TAU!

Essa de fechar o blogue é que não...ao menos espera até teres uns 3 filhos e uma mulher ciumenta que te venha aqui correr com as fans à vassourada e pronto, podem sempre criar um dos dois "E como tudo começou" ou coisa assim. Digo eu digo eu, que adoro vir aqui ao teu cantinho e perder-me na tua escrita. Seria uma perda para a humanidade :)!

Obrigado por esta partilha...tão pessoal! You are indeed one of a Kind!

Abreijos ao Crest e ao EU

  ceptic

quarta-feira, outubro 15, 2008 1:31:00 da tarde

"Se eu na minha vida real, libertar o Crest, passarei a andar nu, serei transparente."
Se estas transparente ninguém vê nada a mais, 'ta descansado :P

Mas acho que há certas coisas que merecem ser partilhadas apenas com certas pessoas. De certa forma até valoriza o que está a ser partilhado e a ligação que se tem com quem se partilha.
E se depois de saberem da existência do Crest e dos seus devaneios, não se assustarem, melhor!É sinal que 'tao preparados p qualquer coisa! :P

E o "quem sou?" nunca vai ser totalmente clarificado...

bjs

  turbolenta

quarta-feira, outubro 15, 2008 5:30:00 da tarde

Gostei da maneira autêntica como a questão foi posta.
Gostei do que li.
Cada dia é uma surpresa neste blogue. Este hoje "cheira-me" ,não a imaginação mas ao verdadeiro Crest. Aquele que quer desvendar um pouco o mistério sobre a sua pessoa.
Escrita séria, verdadeira que me encheu ainda mais de curiosidade sobre a verdadeira pessoa que se esconde(ou melhor) está por detrás desta bela escrita.
boa semana

  São

quarta-feira, outubro 15, 2008 5:33:00 da tarde

Deve haver poucas pessoas que nunca se tenham perguntado "Quem sou eu?"
Penso que todos temos essa dualidade, “o outro eu”, mesmo que alguns nem se apercebam que a tem.
Não conhecemos os outros, nem nos conhecemos a nós mesmos completamente, ao vivermos em sociedade somos “obrigados” a ser mais contidos nas nossas emoções, actos, palavras, etc. à maioria das pessoas só mostramos uma pequena parte do nosso eu a uma minoria bem restrita mostramos bem mais, a alguém, realmente importante para nós mostramos ainda mais.
O grande problema ao expormo-nos, é que ficamos mais frágeis, mais susceptíveis de nos poderem magoar, uma vez que ficam a conhecer os nossos pontos fracos, por isso é tão difícil expormo-nos, principalmente no que toca a sentimentos.
Ao falar ou escrever para quem não nos conhece, podemos ser mais sinceros, autênticos menos contidos, pois mesmo que conheçam os nossos pontos fracos não nos podem magoar.
No entanto não me parece que seja possível esconder uma parte de nós de alguém de que gostamos.
Quem sou eu para opinar mas parece-me uma boa decisão deixar cair a mascara, também penso que ela vai entender.

  Foi Bom

quarta-feira, outubro 15, 2008 6:00:00 da tarde

Ah, e ja que estamos em questoes existencialistas, normalmente nao me pergunto quem sou eu, pergunto porque e' que eu sou eu, e nao outra pessoa. E' mais confuso, mas pronto!

  Afrika

quarta-feira, outubro 15, 2008 10:59:00 da tarde

Apaixonaste-te? :D

  Miss F.

quinta-feira, outubro 16, 2008 12:39:00 da manhã

Parece-me que conheces melhor o Crest do que o EU. O Crest é o sem máscaras o EU é o que tem a máscara que cobre o Crest e se o cobre, cobre também algo mais do que isso, senão o EU não quereria manter o Crest na sombra quando dá jeito nem autodominar-se a ele mesmo.Meaning, O EU nem deixa que as outras cobrições, para além do Crest venham ao de cima. Logo, como podes saber "quem és?". No fundo, acho que falta dar espaço ao EU, deixar o EU viver e falar. Dizes que o Crest é que fala (no sentido de falar demais portanto suponho que seja dizer demasiado o que verdadeiramente pensas ou és). Mas o EU só não fala porque não se sente confortável consigo mesmo. Não se conhece... Parece que se conhece a ele mesmo. É verdade que só devemos ser transparentes com quem merece. Mas se não nos conhecemos por completo estaremos a ser transparentes para alguém ou nós mesmos? Não, estamos a magoar-nos. Essa é a diferença entre o ser transparente e o expor-nos. É subtil, poucos ou nenhuns a notam. Mas ela está lá. Let yourself, whoever you are or who is in you, just be... Não te esqueças que a máscara só é de facto uma máscara se o quisermos e quando quisermos.

  Teté

quinta-feira, outubro 16, 2008 12:51:00 da manhã

Eh, eh, eh, fizeste-me lembrar um antigo namorado, que um dia estava eu a derivar com uma dúvida existencial (nada semelhante) e ele rematou: "Tu pensas demais!"

Enfim, mas faz parte, não é? A cabeça não serve só para usar chapéu... :)

  vita

quinta-feira, outubro 16, 2008 12:59:00 da manhã

Mais um texto teu magnifico.

Para mim o que o crest me dá, chega-me, sempre bons textos, um ponto de vista sobre muito assuntos de muito bom gosto, a simpatia, e até a generosidade que te leio, portanto, sendo o crest ou tu, continua a dar o que nos habituaste, qualidade.;P

  Anónimo

quinta-feira, outubro 16, 2008 1:26:00 da manhã

Resumindo o Bruno tem uma “amiga” e tem medo que o Crest foda tudo!

Ora bem o Crest faz parte de ti, com bipolaridade ou sem ela, um precisa do outro para funcionar.

Nunca, jamais abandones o Crest, se ele existe por algum motivo é... deixa que seja ele a deixar-te... quando um dia deres por ti acordas e ele já não estará lá, passará a ser só uma agradável lembrança...

Depois quem manda nessa relação simbiótica és tu, porque tu é que és real!
Tu é que controlas o Crest, ele sem ti não existe, mas tu sem ele existes, incompleto talvez e com uma existência deplorável mas existes e sobrevives.

O Crest não come, o Crest não toma banho, o Crest não tem aspirações, o Crest é só pensamentos, reflexões, opiniões e palavras escritas.
Tu tens que ter força suficiente para o dominar, subjugar e mantê-lo no seu devido lugar. Ensina-lo a pronunciar-se quando tu autorizas e deixar ele ensinar-te a viver com ele, coisa que tu ainda não sabes fazer, depois de tantos anos negas-te a fazer isso... Tens medo dele, receio, temor, o Crest não é assim tão mau quanto isso, fala demais é certo... Mas tem opinião, tem presença, é aquilo que tu queres ser mas não és... porque simplesmente não és assim.
Aprende com ele e abre o teu cérebro apenas aquilo que dele se aproveita :)

Eu tenho pena mas não conheço o Bruno, gostava, mas tu não deixas... Daquilo deixas ver tenho a certeza que o Bruno é mais interessante, mais agradável e mais autêntico que o Crest.
O Crest é irritante, desafiador e por vezes “plastificado”...

Se ela gosta de ti, mostra-lhe o Crest, apresenta-lho, fala-lhe sobre ele, conta-lhe o que ele significa para ti, como se manifesta e principalmente como o exteriorizas. Diz-lhe que não tem de ter medo dele, que é uma extensão do teu ser, uma espécie de alter-ego...

Tem presente o que aconteceu com a outra rapariga mas não faças disso regra.
Tal como vocês não são todos iguais, nós também não somos todas putas nem fritas da tola :)

No fim arrisca ser feliz.... seja lá o que isso for!!! :)


Chii

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:34:00 da manhã

Pax disse...

"Não sei se isso terá muito valor para ti mas este texto é um dos que mais gostei, teus, ultimamente."

é sem duvida o mais estranho.

"O lado Crest só diz o que tu quiseres. O lado Crest não vai fazer ninguém gostar mais ou menos de ti pelo simples facto de o ligar a ti, ninguém que realmente importe, pelo menos."

E o contrário? Se é o Crest que controla a situação e o Eu é que nao aparece porque o Crest não deixa?
Há os dois lados, o lado do Eu é mais fácil de lidar, do que o lado do Crest.

"O lado Crest desnuda-te parcialmente, é verdade, mas só até ao ponto que tu queiras."

E aí está a questão!

"E, se queres uma opinião, acho que só devemos desnudar-nos perante alguém realmente especial, que tenhamos a (quase) certeza de que não nos fragilizará ainda mais nessa nudez."

Ora, o teu comentário avança e aproxima-se do que estou realmente a falar :)

"De qualquer modo, para quem gostar de TI, o Crest nunca te ofuscará.
É o que acho."

E quem gostar do Crest? Será que eu o ofuscarei?

Este texto tem dois lado e não só um!

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:34:00 da manhã

Vício disse...

"engraçado! eu já passei o mesmo com o Vício!
mas ao contrário de ti, eu já deixei o Vício sair um pouco..."

E o Vicio, deixa-te sair totalmente?

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:37:00 da manhã

Foi Bom disse...

"as tuas fans iriam ficar escandalizadas, em estado de choque. Nao sejas mauzinho!"

Nunca será uma exposição publica, mas sim privada :)

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:46:00 da manhã

Afrodite disse...

"Olha que as fans ficam desiludidas"

Nunca seria um exposição publica!

"Não vejo que o teu EU possa ser muito diferente do Crest que vais mostrando a cada palavra que escreves."

Abordaste os texto pelo lado do Crest exposto e não o Eu. Está lá a senhora!

"A imagem que se vê a um espelho é apenas uma embalagem e como já ouvi "dizer", há embalagens que upa upa ehehhhe!"

E podes por upa nisso!

"Todas as situações que descreves têm o Crest lá dentro :)...cada obstáculo que passaste, cada romance que viveste...foi o Crest no EU ehehhe. Se tiveres muitas dúvidas mete um todoooo lá dentro do outro que pode facilitar na fusão. :)"

Ora aí está uma ideia :)

"Afinal o EU é que domina o Crest ;). Da-lhe de força que ele precisa de uns tau taus :)."

Domina e duvida dele por vezes.

"Olha a sortuda, só ter isso de ti já é uma benção não? Quantas fans não dariam o cu e a psfifia por momentos assim como descreves? :)"

A pafifia? ahahahaahah

"Tens a certeza que foi isso? Podia ser sono, vai na volta! :)"

Ainda sou novato nas expressões dela, mas foi o que senti nesse momento.

"Xarammmm dares tanto de ti assim já é o que chegue, não és obrigado a dar mais. Ela por certo compreenderá."

E eu quero que ela compreenda? Essa é a questão, quero dar o que recebi!

"Já estás...passaste-te para o outro lado, já não há volta a dar...TAU!"

O lado dos cozidos da tola?

"Essa de fechar o blogue é que não...ao menos espera até teres uns 3 filhos e uma mulher ciumenta que te venha aqui correr com as fans à vassourada"

3 é um bom numero!

"e pronto, podem sempre criar um dos dois "E como tudo começou" ou coisa assim. Digo eu digo eu, que adoro vir aqui ao teu cantinho eObrigado por esta partilha..."

Quem sabe... quem sabe :P

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:48:00 da manhã

ceptic disse...

"Se estas transparente ninguém vê nada a mais, 'ta descansado :P"

Transparente não é totalmente invisível...

"Mas acho que há certas coisas que merecem ser partilhadas apenas com certas pessoas. De certa forma até valoriza o que está a ser partilhado e a ligação que se tem com quem se partilha."

Correctíssimo.

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:51:00 da manhã

turbolenta disse...

"Cada dia é uma surpresa neste blogue."

Se assim nao fosse, eu já nao aqui estaria :)

"Este hoje "cheira-me" ,não a imaginação mas ao verdadeiro Crest. Aquele que quer desvendar um pouco o mistério sobre a sua pessoa."

Sim, o texto tinha dois pontos de vista e apanhaste o que procurava resposta.

"Escrita séria, verdadeira que me encheu ainda mais de curiosidade sobre a verdadeira pessoa que se esconde(ou melhor) está por detrás desta bela escrita."

Ora é exactamente essa a questão.

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:53:00 da manhã

São disse...

"Ao falar ou escrever para quem não nos conhece, podemos ser mais sinceros, autênticos menos contidos, pois mesmo que conheçam os nossos pontos fracos não nos podem magoar."

Até ao momento em que decidimos mostrar o Eu.

"Quem sou eu para opinar mas parece-me uma boa decisão deixar cair a mascara, também penso que ela vai entender."

A máscara caiu e agora vamos ver :)

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:55:00 da manhã

Foi Bom disse...

"porque e' que eu sou eu, e nao outra pessoa. E' mais confuso, mas pronto!"

Se outra pessoa fosses tu ou tu outra pessoa, será que mudaria alguma coisa?

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 2:55:00 da manhã

Afrika disse...

"Apaixonaste-te?"

Ahahahaah, não te sei responder, é cedo ainda :D

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 3:00:00 da manhã

Miss F. disse...

"Parece-me que conheces melhor o Crest do que o EU."

É verdade!

"O Crest é o sem máscaras o EU é o que tem a máscara que cobre o Crest e se o cobre, cobre também algo mais do que isso, senão o EU não quereria manter o Crest na sombra quando dá jeito nem autodominar-se a ele mesmo.Meaning, O EU nem deixa que as outras cobrições, para além do Crest venham ao de cima."

O Crest sao as palavras, mas tem de facto uma máscara que me esconde. Eu nao escondo o Crest, simplesmente nao o deixo falar demais. O Crest é que me esconde totalmente.

"No fundo, acho que falta dar espaço ao EU, deixar o EU viver e falar."

É isso mesmo!

"É verdade que só devemos ser transparentes com quem merece."

E essa resposta ser-me-há dada a seu tempo.

"Não te esqueças que a máscara só é de facto uma máscara se o quisermos e quando quisermos."

E aí está a questão!

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 3:01:00 da manhã

Teté disse...

"Eh, eh, eh, fizeste-me lembrar um antigo namorado, que um dia estava eu a derivar com uma dúvida existencial (nada semelhante) e ele rematou: "Tu pensas demais!""

Ora aí está um comentário tipicamente masculino!

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 3:02:00 da manhã

vita disse...

"Para mim o que o crest me dá, chega-me, sempre bons textos, um ponto de vista sobre muito assuntos de muito bom gosto, a simpatia, e até a generosidade que te leio, portanto, sendo o crest ou tu, continua a dar o que nos habituaste, qualidade.;P"

Obrigado

  Crest©

quinta-feira, outubro 16, 2008 3:17:00 da manhã

Anónimo chii disse...

"Resumindo o Bruno tem uma “amiga” e tem medo que o Crest foda tudo!"

O texto pode ser abordado de duas formas. E se for o Crest que a tem a amiga?

"Nunca, jamais abandones o Crest, se ele existe por algum motivo é... deixa que seja ele a deixar-te... quando um dia deres por ti acordas e ele já não estará lá, passará a ser só uma agradável lembrança..."

Eu não quero perde-lo, ela é a minha maior arma. Quando um dia morrer de velho, serei uma memória mas a maior marca que fica é do Crest, que sente o que escreve, é ele que deixa as pessoas tristes ou alegres, assim que o Eu não estiver à vista.
Com os anos piora, pois a imagem do Eu desaparece das memórias, ficando só o Crest nos corações de quem nos ama ou amou.

"Depois quem manda nessa relação simbiótica és tu, porque tu é que és real!"

Mando, mas questiona-me antes de decidir.

"Tu é que controlas o Crest, ele sem ti não existe, mas tu sem ele existes, incompleto talvez e com uma existência deplorável mas existes e sobrevives."

Sim o corpo sobrevive, mas sem ele é um corpo, uma embalagem vazia.

"O Crest não come"

Alimenta-se de sentimentos e emocoes.

"o Crest não toma banho"


Lá nisso ele é um porcalhao!

"o Crest não tem aspirações, o Crest é só pensamentos, reflexões, opiniões e palavras escritas."

E é a esponja de sentimentos.

"Tu tens que ter força suficiente para o dominar, subjugar e mantê-lo no seu devido lugar."

Mas aqui ele domina.

"Eu tenho pena mas não conheço o Bruno, gostava, mas tu não deixas..."

O Crest é que neste mundo virtual nao deixa. Na vida real eu domino o Crest, ele fica quietinho e só diz o que eu quero. Mas aqui quem manda é ele, pois eu dei-lhe este espaço, por isso me questionei se deveria interferir no seu território.

"Daquilo deixas ver tenho a certeza que o Bruno é mais interessante, mais agradável e mais autêntico que o Crest."

Eu controlo-o.

"O Crest é irritante, desafiador e por vezes “plastificado”..."

Porque aqui libertei-o e perdi o controlo, passando ele a controlar, mas só aqui!

"Se ela gosta de ti, mostra-lhe o Crest"

E se gostar do Crest? Nao será mais complicado, por ser estranho?

"Tal como vocês não são todos iguais, nós também não somos todas putas nem fritas da tola :)"

Disso eu tenho a certeza absoluta! A mulher é fantástica no seu todo, mesmo as fritas ou as putas.

"No fim arrisca ser feliz.... seja lá o que isso for!!! :)"

Disseram-me que é: Kids and house with a white picket fence :D

  marta

quinta-feira, outubro 16, 2008 11:23:00 da manhã

Para mim faz sentido o “o Crest que tem uma amiga”!

Há cerca de um ano e meio atrás escrevi um post em que perguntava se a Marta existia. Perguntava-me, porque a Marta tinha um “amigo” que começava a descobrir a Helena, eu, que talvez de forma inconsciente queria continuar a esconder-me. Era de alguma forma injusto. Ele tinha aparecido pela Marta, tinha gostado da Marta, conhecia a Marta, a Helena era demasiado desinteressante pensei na altura. Sentia-me um embrulho elaborado com uma prendinha medíocre lá dentro.
...
Continuo a achar a Marta mais apelativa, mais adora-se ou odeia-se, mais o que eu gostaria de ser, mas é também enjoativa, tonta, armada em esperta... eu apesar de ser idêntica a ela, sou ligeiramente mais moderada, mais ponderada. Sou real e o amigo da Marta acabou por me escolher a mim e não a ela, ao contrário de tudo o que pensei no inicio.
Como ele me disse outro dia, a Marta tinha muita piada, porque a lia noutro contexto. Agora não consegue achar-lhe a mesma graça. A Marta sozinha teria acabado por cilindrar qualquer hipótese de aproximação do amigo.

Agora é o meu tempo. Embora aqui seja o seu espaço. Um dia será apenas ela como dizes, mas para já, sou eu e ela. Uma espécie de trabalho de equipa. Eu sinto e ela conta-o.

  Pax

quinta-feira, outubro 16, 2008 11:59:00 da manhã

"E o contrário? Se é o Crest que controla a situação e o Eu é que nao aparece porque o Crest não deixa?
Há os dois lados, o lado do Eu é mais fácil de lidar, do que o lado do Crest."

Para quem inspirou este texto, quem achas ser o mais importante, tu ou o Crest?
Quem conhece ou pensa conhecer, a ti ou ao Crest?
Com quem queres que partilhe, essencialmente, algo? Contigo ou com o Crest?

"E quem gostar do Crest? Será que eu o ofuscarei?"

Para quem valer mesmo a pena, não. O Crest é apenas um pequeno lado de ti. Faz parte de ti mas não és tu. Quem gostar de ti respeita o Crest e vice-versa. Quem de nós gosta de verdade não quer que nenhuma das nossas partes seja ofuscada. Fazem parte do todo do que amam.

E agora fiquei eu com uma duvida, que duvido que ma queiras esclarecer, mas coloco-a na mesma:
Quem te inspirou este texto conhece o Crest e a ti e esperas que com este texto os relacione ou só conhece o Crest e receias não estares tu ao nivel da admiração que ele está? Ou conhece-te só a ti e não queres que o Crest se intrometa na relação, mas sentes-te mal por esconderes essa parte de ti?

Beijos :)

  anatcat

quinta-feira, outubro 16, 2008 1:01:00 da tarde

Nada a temer quanto a revelar o Crest.

Pelo menos quer eu quer anatcat gostamos muito dele :)

  São

quinta-feira, outubro 16, 2008 1:11:00 da tarde

Então a questão que se põe é:
Quem gostar do Crest será que gostará do Bruno? E quem gostar do Bruno será que gostará do Crest?
Pois eu penso que a resposta é sim para as duas perguntas, embora me pareça que se resume mais à primeira questão.

“O Crest são palavras, mas tem de facto uma máscara que me esconde”
Mas não totalmente e só preciso ler nas entrelinhas, o Eu está lá de uma forma subtil, mas está, depois a maioria que lê este blogue também lê o “Amar é Perder”.

O Crest é inteligente, com uma bela imaginação e tem sentido de humor, ”é sentimentos e verdades diz o quê o Eu nunca diria”, mas é só o Eu sem autocensura, sem medo de sofrer, é uma parte de um todo.

“A máscara caiu”
Parece que os dados foram lançados, por isso Boa Sorte!

  Naturezas

quinta-feira, outubro 16, 2008 1:31:00 da tarde

Crest© disse...

" (...)olhando para o espelho e dizendo "aquele sou eu", mas não sou só aquele(...) "

Dá-me a sensação que já não te olhavas ao espelho à muito...

"Preciso dos dois, mas não sou nenhum e ainda não encontrei o meio termo."

Espero que encontres o teu meio termo.

"É uma luta entre mim e eu, tal como este blogue sempre foram conversas entre eu e mim."

Gosto destes diálogos contigo próprio, duma coisa não te podem acusar, tu ao menos tentaste. :)

"No meio disto tudo um inocente que me conhece sem me conhecer"

Quem será ?

"(...)enquanto o outro continua escondido, espreitando ao longe, "anda cá, deixa-me ver-te a ti também", mas ele não sai dali, teme misturar-se consigo próprio, como se da mistura pudesse sair algo que nem eu nem o Crest desejam. Confio em mim, confio no Crest, não confio em nós."

Esta passagem fez-me lembrar um livro de HH, o Lobo das Estepes, adorei a forma e claro o conteudo.

Até diria que o teu Eu é um bocado cobarde , mas n digo , lollllll (santana lopes - mode) porque o Crest parece ser um gajo duro e ainda me dá uma naifada.
Hehe , brincadeira :P

Quanto a essa luta entre a tua parte mais lógica e a parte mais entuitiva , só se quiseres é que escolhes uma ou outra , eu escolhi as duas , não me importo se me questiono mais vezes, pensa-se um bocado mais esquece-se mais vezes do tempo , mas os alarmes servem é para isso. Sinceramente também ando a equilibrar esses dois lados, já houve lutas interiores e hoje em dia acho que n vivem um sem o outro.

Expressaste-te de uma forma maravilhosa neste texto, e surpreendes todos os dias. :) Obrigada.

  Afrodite

quinta-feira, outubro 16, 2008 3:39:00 da tarde

Cum catano...sabes...se fosse a ti pegava na Senhora Gaja e dava-lhe uma valente...contra a parede, almofadada ou não. Ehehehehhehe...e pronto, acabam-se as confusões de ser ou não ser, ter ou não ter. Boa????

Uma sugestãozita...

Abreijos lindãoooooo

  Afrodite

quinta-feira, outubro 16, 2008 3:40:00 da tarde

Dá-lhe de forçaaaaa...estamos contigo! :)

Ok vou parar...entusiasmei-me! Upppsss!

Abreijosssssss

  Anónimo

quinta-feira, outubro 16, 2008 8:12:00 da tarde

“E se for o Crest que tem a amiga?“
“E se gostar do Crest? Nao será mais complicado, por ser estranho?”

Hmm… acho que já entendi onde queres chegar…
Sabes que isto das dicotomias e bipolaridades tem destas coisas :)

Nesse caso muda tudo, deixo de pactuar que lhe mostres o Bruno.

Quem gosta do Bruno merece conhecer o Crest, mas quem gosta do Crest não tem o direito de conhecer o Bruno.

O Crest não existe, tal como anteriormente referi ele é só pensamentos, reflexões, opiniões, palavras escritas e como tu muito bem finalizas-te é uma esponja de sentimentos.

O que se passa é que a “amiga” foi apanhada nessa esponja e criou uma imagem baseada naquilo que leu e fantasiou… lá está a imagética…. Gajas….
Lembras-te de uma troca de impressões que tivemos sobre a imagética e amores platónicos?
É basicamente disso que isto se trata….

Quem quer o Bruno, assimila o Crest visto ser uma extensão deste, quem quer o Crest provavelmente não compreenderá o Bruno porque ele não é assim…

Será uma espécie de decepção, ela vai estar à espera do irritante, desafiador e plastificado Crest quando na realidade só verá o interessante, inteligente, agradável e autêntico Bruno…

Mas ela quer é o Crest!
Não é o Bruno, não te iludas…

Poderá até impor que se fundam os dois ou que deixes de ser o Bruno e passes a ser o Crest mas o resultado não será lá muito recomendado … irias perder a tua identidade…

Por muito que insistas que o Bruno é uma embalagem desprovida e indefesa sem o Crest (coisa que não fomento...) acredito que o Bruno é mais forte que o Crest e que sem ele não é oco muito pelo contrario!
O Bruno tem muito mais substancia que o Crest.

E não é isso que ela vai querer… e vai-te magoar desnecessariamente…

Procura alguém que te queira por ti e por aquilo que tu és não pela extensão do teu ser, o teu alter-ego… isso será apenas um apêndice, um acréscimo à tua pessoa…
Tu és um homem completo não só de corpo mas também de cérebro, o Crest não é…


“Com os anos piora, pois a imagem do Eu desaparece das memórias, ficando só o Crest nos corações de quem nos ama ou amou.”

Aqui é que tu falhas! Quem vai permanecer vai ser o Bruno.
O Bruno é que se vai demorar por cá :)

O Crest é uma extensão de ti, olha um exemplo burlesco mas que não me lembro de mais nenhum… O Fernando Pessoa, dos 70 e tal heterónimos que teve, só nos recordamos de alguns… damos mais valor a ele como pessoa e como autor do que propriamente à doença que tinha e à forma de como esta se manifestava.

Quando fores mais cota do que aquilo que já és =P a tua embalagem, o teu invólucro vai começar a ceder… e só ficará o Bruno… o Crest não vai aguentar a queda.

Ele espera que tu com o teu aparente vigor realizes tudo aquilo que ele idealiza, quando isso deixar de acontecer ele vai-te deixar… e ela também o fará…

Crest deixa as gajas... taz a por o Bruno confuso! :D

Chii

  ipsis verbis

quinta-feira, outubro 16, 2008 9:43:00 da tarde

"Por isso chegou a hora de lhe dizer, este sou eu mas sou este outro também."

Rufos de tambor e arritmias.

"E a máscara finalmente cairá e poderei dizer, "aqui estou"."

Poderás dizer, "sou".

"Este texto é dedicado. A quem? Digamos que é só dedicado!"

Tu e o suspense. Chiça!

  Van

sexta-feira, outubro 17, 2008 4:35:00 da tarde

Acho que todos os bloggers têm um pouco dessa luta interna. Não somos apenas o blog, tal como o blog não é tudo o que somos. O blog é uma parte de nós, a parte que tenta compreender-se a si mesma, a parte que tenta entreter os outros, a parte que é brincalhona, a parte que é depressiva...
No blog podemos libertar-nos mais do que na vida dita real, podemos ser aquilo que gostariamos de dizer na vida real. Na vida real não tens abertura para dizer, "estou farto desta merda, nunca mais chega a hora de me ir para sempre" porque vais magoar quem intervém contigo na vida real. Na vida virtual, já podes dize-lo, porque os intervenientes virtuais sabem que é um desabafo, um pensamento que precisa de ser gritado.
O Crest não és tu, é só uma parte do que tu és. E tu não és o Crest, és um todo no qual o crest representa uma fatia. E, como já outros disseram, és tu quem domina o crest, e não o contrário.

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 2:40:00 da manhã

marta disse...

"Sentia-me um embrulho elaborado com uma prendinha medíocre lá dentro."

Mas é o oposto, a Helena é o embrulho, a Marta é que está lá dentro. Se gostou da Marta, sabe que a Helena a tem consigo sempre.

"Sou real e o amigo da Marta acabou por me escolher a mim e não a ela, ao contrário de tudo o que pensei no inicio."

Mas ele sabe que leva as duas, sempre. A Marta nao desaparece.

"A Marta sozinha teria acabado por cilindrar qualquer hipótese de aproximação do amigo."

Claro que sim, mas isso aconteceu porque ele aceitou a Helena, isso nem sempre acontece.

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 2:48:00 da manhã

Pax disse...

"Para quem inspirou este texto, quem achas ser o mais importante, tu ou o Crest?
Quem conhece ou pensa conhecer, a ti ou ao Crest?
Com quem queres que partilhe, essencialmente, algo? Contigo ou com o Crest?"

Eu e o Crest. Visto que o Crest sou eu, mas eu nao sou só o Crest.
Conhece o Crest e conheceu-me a mim através dele.
Ambos, pois ele e eu fazemos 1!


"Quem de nós gosta de verdade não quer que nenhuma das nossas partes seja ofuscada. Fazem parte do todo do que amam."

Nao quer, mas nem sempre fazemos o que queremos. Os sentimentos mudam à medida que se vai avancado e conhecendo melhor.

"Quem te inspirou este texto conhece o Crest e a ti e esperas que com este texto os relacione ou só conhece o Crest e receias não estares tu ao nivel da admiração que ele está? Ou conhece-te só a ti e não queres que o Crest se intrometa na relação, mas sentes-te mal por esconderes essa parte de ti?"

Bem, eu não me sinto ao nivel da admiração mostrada pelos leitores ao Crest, porque o Crest controla na vida real as suas opiniões. Primeiro porque a maioria das pessoas são tão banais que é impossível terem uma conversa como o Crest deseja. O Crest quer pessoas que o desfiem e não as encontrando, ele cala-se desiludido.
Quem me conhece a mim, conhece o Crest mais tarde ou mais cedo.

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 2:49:00 da manhã

anatcat disse...

"Pelo menos quer eu quer anatcat gostamos muito dele :)"

O Crest está revelado, eu é que nao :P

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 2:53:00 da manhã

São disse...

"Quem gostar do Crest será que gostará do Bruno? E quem gostar do Bruno será que gostará do Crest?
Pois eu penso que a resposta é sim para as duas perguntas"

Eu nao acho, pois o Crest cria imagens mentais.
É lógico que se a imagem mental criada é de um Africano e se esse Crest idealizado agrada... e eu sou um chines, será que o fascinio se mantém?
Acho que depende da pessoa, mas normalmente desilude e eu compreendo.

É por isso que tento nao criar imagens mentais dos leitores e bloguers.

"Mas não totalmente e só preciso ler nas entrelinhas, o Eu está lá de uma forma subtil, mas está, depois a maioria que lê este blogue também lê o “Amar é Perder”."

Sim, mas leiam o que lerem, eu posso passar por todos vocês na rua, incógnito :)


"Parece que os dados foram lançados, por isso Boa Sorte!"

Nao é uma questao de sorte :)

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 2:59:00 da manhã

Naturezas disse...

"Dá-me a sensação que já não te olhavas ao espelho à muito..."

Tirando a higiene pessoal, nao me olho no espelho.


"Quem será ?"

Ehehehe, isso continuará um mistério.


"Até diria que o teu Eu é um bocado cobarde , mas n digo , lollllll (santana lopes - mode) porque o Crest parece ser um gajo duro e ainda me dá uma naifada."

Ahaha, ele nao é cobarde, eu é que sou :) Ele está completamente exposto sem medos :)

"Expressaste-te de uma forma maravilhosa neste texto, e surpreendes todos os dias. :) Obrigada."

Este é um de muitos, mas talvés o unico que publiquei. O meu blogue tem mais de 50 textos gravados e nunca publicados, pois quando termino, fico indeciso entre o save e o publish. Ainda a noite passada, escrevi o que mais me expos e ainda bem que nao o publiquei, hoje arrepender-me-ia.

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 3:01:00 da manhã

Afrodite disse...

"Cum catano...sabes...se fosse a ti pegava na Senhora Gaja e dava-lhe uma valente...contra a parede, almofadada ou não. Ehehehehhehe...e pronto, acabam-se as confusões de ser ou não ser, ter ou não ter. Boa????"

Essa era boa, uma parece almofada ou qualquer peca de mobília que estivesse a jeito.

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 3:15:00 da manhã

Anónimo chii disse...

"Nesse caso muda tudo, deixo de pactuar que lhe mostres o Bruno."

Pode ser que tenhas razao, mas se há coisa que o Bruno nao suporta é "e se's". Se nao mostrar ficarei a pensar "e se tivesse mostrado? Seria tudo diferente"
Pois o Bruno prefere ser magoado do que viver na duvida.

"Quem gosta do Bruno merece conhecer o Crest, mas quem gosta do Crest não tem o direito de conhecer o Bruno."

You get what you give!
Será justo que alguém na mesma situacao que eu, se mostre e eu nao?

"O Crest não existe, tal como anteriormente referi ele é só pensamentos, reflexões, opiniões, palavras escritas e como tu muito bem finalizas-te é uma esponja de sentimentos."

Tudo o que pensa e sente, existe. Quem me conhece, conhece o Crest, só nao sabe que ele se chama Crest.

"O que se passa é que a “amiga” foi apanhada nessa esponja e criou uma imagem baseada naquilo que leu e fantasiou… lá está a imagética…. Gajas…."

Mas eu sei disso.

"Lembras-te de uma troca de impressões que tivemos sobre a imagética e amores platónicos?
É basicamente disso que isto se trata…."

É exactamente isso. Mas é como digo, acho melhor desiludir-me e ficar com uma certeza a iludir-me e viver na duvida.


"Mas ela quer é o Crest!
Não é o Bruno, não te iludas…"

Bom argumento!

irias perder a tua identidade…

"O Bruno tem muito mais substancia que o Crest."

Mas a imagética, a eterna imagética.
Houve uma leitora que causou imensos problemas que imaginava o Crest como um Deus Grego, um Apolo um Brad Pitt melhorado e Lusitano.
Essa imagética é para mim assustadora :)

"E não é isso que ela vai querer… e vai-te magoar desnecessariamente…"

Mas se nao for ela a magoar-me, mogoo-me eu próprio, ficando numa eterna duvida.

"Procura alguém que te queira por ti e por aquilo que tu és não pela extensão do teu ser, o teu alter-ego…"

Mas é aí que reside o problema, Eu nao procuro ninguém, eu nao tenciono nutrir sentimentos por ninguém, gosto da minha vida como ela está. MAS, o que (raramente) acontece é que aparace do nada, alguém que acaba por me fascinar.
Pode desiludir-me e com o tempo posso eu desiludir-me, agora ficar na duvida, nao dá para mim!

"Aqui é que tu falhas! Quem vai permanecer vai ser o Bruno.
O Bruno é que se vai demorar por cá :)"

Vai demorar mas nao é eterno. Um dia tudo o que sobra de mim é o Crest. É ele que deixa memórias, sentimento e palavras.


"Crest deixa as gajas... taz a por o Bruno confuso!"

Mas é o que elas fazem de melhor e adoro que me deixem confuso, pois essas, sao raras!

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 3:16:00 da manhã

ipsis verbis disse...

"Tu e o suspense. Chiça!"

Expor-me é uma escolha, expor alguém que respeito é uma ofensa!

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 3:19:00 da manhã

Van disse...

"O Crest não és tu, é só uma parte do que tu és. E tu não és o Crest, és um todo no qual o crest representa uma fatia. E, como já outros disseram, és tu quem domina o crest, e não o contrário."

Domino o Crest, é verdade, mas quem me conhece, conhece sempre o Crest, quem conhece só o Crest é que nao me conhece a mim, mesmo que me sente num café frente-a-frente a outro bloguer ou leitor.

  São

sábado, outubro 18, 2008 4:41:00 da manhã

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 5:07:00 da manhã

São disse...

"Mas ai só entra o aspecto físico, sendo africano ou chinês a pessoa continua a ser a mesma, dão demasiada importância ao aspecto físico"

Mas vivemos actualmente num mundo de aparencias.


"Penso que os homens dão mais importância ao aspecto físico que as mulheres."

Isso é um erro.
Na verdade os homens na sua larga maioria, só se interessam por mulheres belas, mas sao honestos ao ponto de o afirmarem publicamente.
As mulheres são menos honestas nesse aspecto, dizem querer um homem "inteligente, com sentido de humor, carinhoso, blá, blá, blá", mas no final, se não aparece um dentro dos seus paramentos de beleza o conteúdo deixa de ser importante.


"Passar na rua sim, mas não sei se convivendo com a pessoa sem se saber quem é, não se chega lá."

Posso garantir por experiência pessoal que não se chega lá.

Se revela-se o mistério, teria de lhe dar outro nome que não mistério. Deixo claro que na verdade é um "a" e que não se chega lá assim com essa facilidade.

  São

sábado, outubro 18, 2008 5:24:00 da manhã

Peço desculpa pelo comentário anterior, gostaria de o ter eliminado, mas por mais que pesquise não consegui descobrir como se faz.
Sorry (:

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 5:30:00 da manhã

São disse...

"Peço desculpa pelo comentário anterior, gostaria de o ter eliminado, mas por mais que pesquise não consegui descobrir como se faz.
Sorry (:"

Ehehe, nao tem problema. Os comentários eliminam-se clicando no pequeno caixote do lixo, que vez após publicares um.

Mas mesmo que se apaguem, eu consigo-os ler sempre, visto que os recebo também por e-mail :)

  São

sábado, outubro 18, 2008 5:42:00 da manhã

Obrigada pela informação :)

  São

sábado, outubro 18, 2008 5:50:00 da manhã

Pois parece que não resulta, no meu computador não aparece nenhum pequeno caixote de lixo apôs pulicar um comentário :(

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 6:02:00 da manhã

São disse...

"Pois parece que não resulta, no meu computador não aparece nenhum pequeno caixote de lixo apôs pulicar um comentário :("

Possivelmente por não seres utilizador registado. Não é grave :)

  São

sábado, outubro 18, 2008 6:18:00 da manhã

"Não é grave"
Não só tenho que ter mais atenção e não comentar quando tenho estes momentos de insanidade mental.
Sei que isto não é um chat por isso talvez o Crest possa apaga pelo menos estes últimos :)

  Crest©

sábado, outubro 18, 2008 6:33:00 da manhã

São disse...

"Não só tenho que ter mais atenção e não comentar quando tenho estes momentos de insanidade mental.
Sei que isto não é um chat por isso talvez o Crest possa apaga pelo menos estes últimos :)"

Apaguei unicamente o comentário dessa "insanidade" que tenho de admitir que me assustou e que tive dificuldade em dar a volta à questão sem ter de mentir.

Mas devo dizer, que deverás de ter cuidado com esse teu sexto sentido, pois ele é de uma perspicácia assustadora.

Dito isto, para descargo de consciência, podemos seguir em frente, pois só nós dois sabemos o conteúdo desse comentário :)

  São

sábado, outubro 18, 2008 6:49:00 da manhã

Não me parece que seja um sexto sentido e também se fosse para adivinhar adivinhava o euromilhões é só ler nas entrelinhas acho até que está muito claro de certeza que queres falar do assunto :)

  Van

sábado, outubro 18, 2008 1:05:00 da tarde

oh páaaaaaaaaaaaaaaaah agora estou a morrer de curiosidadeeeeeeee páhhhhhhhhhhh, deixa a gente leeeeeeeer o comentáriooooooo!

;-)

Mas pronto. Há partes de nós que não queremos que sejam conhecidas, provavelmente por nós mesmos termos medo delas.

  Van

sábado, outubro 18, 2008 1:06:00 da tarde

Mas, já tive o mesmo dilema que a Marta, mas noutro sentido. A Van é só uma fatia da Ana, que por acaso tem andado adormecida...acho que é uma epidemia mesmo...

  Van

sábado, outubro 18, 2008 1:07:00 da tarde

Mas, é como a são diz. É preciso saber ler nas entrelinhas ;-).

  Anónimo

sábado, outubro 18, 2008 10:12:00 da tarde

"Houve uma leitora que causou imensos problemas que imaginava o Crest como um Deus Grego, um Apolo um Brad Pitt melhorado e Lusitano.
Essa imagética é para mim assustadora :)"

Bolas só eu é que não me lembro destas coisas!
Agora tambem já é tarde, ja não tenho o elemento surpresa =D

"Mas é aí que reside o problema, Eu nao procuro ninguém, eu nao tenciono nutrir sentimentos por ninguém, gosto da minha vida como ela está. MAS, o que (raramente) acontece é que aparace do nada, alguém que acaba por me fascinar.
Pode desiludir-me e com o tempo posso eu desiludir-me, agora ficar na duvida, nao dá para mim!"

Se não estás interessado em nutrir sentimentos por ninguem porque é que te vais apresentar a alguem só porque te fascina?
Tendo em conta claro que não se nutre apenas sentimentos de amor pelas pessoas.

Agora tambem pensa... achas justo mostrares-te a alguem que gosta do Crest sem intenção nenhuma de lhe dares alguma coisa em troca? Apenas para satisfazer a tua curiosidade e a dela!

E se te desiludires? Como é que fica o Crest?
E se o crest for o desiludido, como é que fica o Bruno?

Chii

  Crest©

domingo, outubro 19, 2008 3:28:00 da manhã

São disse...

"Não me parece que seja um sexto sentido e também se fosse para adivinhar adivinhava o euromilhões é só ler nas entrelinhas acho até que está muito claro de certeza que queres falar do assunto :)"

Achas que está claro? Bolas, então fiz algo de muito errado.

Resolvi hoje, essa questão comigo mesmo.

  Crest©

domingo, outubro 19, 2008 3:30:00 da manhã

Van disse...

"oh páaaaaaaaaaaaaaaaah agora estou a morrer de curiosidadeeeeeeee páhhhhhhhhhhh, deixa a gente leeeeeeeer o comentáriooooooo!"

Sorry, quando a Sao comentou, eu estava online, quando o li até um testículo me caiu no chão :)

"Mas, é como a são diz. É preciso saber ler nas entrelinhas ;-)."

Claro que si, e sei fazê-lo, por isso já resolvi o meu problema. Estive a rever mentalmente tudo prestando atenção unicamente a elas :) Fartei-me de ler. Loooool

  Crest©

domingo, outubro 19, 2008 3:35:00 da manhã

Anónimo chii disse...

"Bolas só eu é que não me lembro destas coisas!
Agora tambem já é tarde, ja não tenho o elemento surpresa =D"

E que surpresa, essa menina conseguiu acabar com 3 blogues, só com a sua insanidade por mim.


"Se não estás interessado em nutrir sentimentos por ninguem porque é que te vais apresentar a alguem só porque te fascina?"

Devolvendo o que recebo.

"Agora tambem pensa... achas justo mostrares-te a alguem que gosta do Crest sem intenção nenhuma de lhe dares alguma coisa em troca? Apenas para satisfazer a tua curiosidade e a dela!"

Como disse, há (raríssimas) pessoas que nos fazem rever todas as nossas prioridades e colocam em causa, todos os meus principios sentimentais.

Mas esse problema para mim, já está resolvido.

"E se te desiludires? Como é que fica o Crest?
E se o crest for o desiludido, como é que fica o Bruno?"

Como está neste momento, confuso. No entanto sem arrependimentos.

  São

domingo, outubro 19, 2008 4:19:00 da manhã

“Achas que está claro?” Foi o que me apercebi ao ler.
“Bolas, então fiz algo de muito errado.” Não me parece.
“Resolvi hoje, essa questão comigo mesmo” Ainda bem, porque essas são as que mais custam a resolver.
Espero que tenhas recuperado o que te caiu:D

  Crest©

domingo, outubro 19, 2008 6:12:00 da manhã

São disse...

"Ainda bem, porque essas são as que mais custam a resolver.
Espero que tenhas recuperado o que te caiu:D"

Eu resolvo sempre os meus dilemas sozinhos e de formas estranhas.

O que me caiu foi rapidamente recuperado, "a fruta nunca cai longe da árvore", neste caso os vegetais...

  Pax

domingo, outubro 19, 2008 4:41:00 da tarde

"Conhece o Crest e conheceu-me a mim através dele."

E estás à espera de quê para lhe apresentares o "Eu"?

"Bem, eu não me sinto ao nivel da admiração mostrada pelos leitores ao Crest, porque o Crest controla na vida real as suas opiniões. Primeiro porque a maioria das pessoas são tão banais que é impossível terem uma conversa como o Crest deseja. O Crest quer pessoas que o desfiem e não as encontrando, ele cala-se desiludido.
Quem me conhece a mim, conhece o Crest mais tarde ou mais cedo."

Eu acho que estás a sobrevalorizar o personagem e a fundir demasiado o Crest em ti, embora acredite que o Crest pode suscitar admiração, que será admiração A TI.
És tu quem controla as opiniões, não o Crest.
Não é o Crest que se desilude com as pessoas banais. És tu quem o cala quando isso acontece.

Eu acredito que a maioria das pessoas (tenham ou não gato), saibam separar o personagem (ainda que principal) do autor.
(Depois deste post já não sei se me poderia incluir nessa maioria, pois o post (ou o Crest) já me deve ter dado um nó ao cérebro quase tão grande quanto o que te deu a ti).

:/

  Crest©

segunda-feira, outubro 20, 2008 1:23:00 da manhã

Blogger Pax disse...

"E estás à espera de quê para lhe apresentares o "Eu"?"

Mas eu disse, conheceu-me a mim através dele, se me conheceu através do Crest é porque já me apresentei.


"Eu acho que estás a sobrevalorizar o personagem e a fundir demasiado o Crest em ti, embora acredite que o Crest pode suscitar admiração, que será admiração A TI."

Atencao, que o Crest nao é personagem, eu dou-lhe o nome de Crest para identificar a parte de mim que racionaliza as coisas.
O Crest é que sente é quem ama e é quem fica confuso e deprimido quando sao sabe lidar com esses sentimento. Por isso escreve, pensa e faz tudo para resolver as questoes. O Crest é a melhor parte de mim, pois é ele que ama, quem sente. O Eu é a armadura que tenta impedir que magoem o Crest.

O Crest é tao eu como Eu.


"Eu acredito que a maioria das pessoas (tenham ou não gato), saibam separar o personagem (ainda que principal) do autor."

Continuo a dizer que é errado, chamar ao Crest personagem. Ele vive dentro de mim, tal como este tipo de ser vive dentro de todos nós.
Nunca te sentiste nas nuvens por causa de outra pessoa, enquanto a tua cabeca te diz, "estupida, isto nao vai dar certo"

Eu sou quem me chama estupido, o Crest é quem ve a alma das pessoas e se apaixona pelo que elas sao.

  Pax

segunda-feira, outubro 20, 2008 3:11:00 da tarde

"Nunca te sentiste nas nuvens por causa de outra pessoa, enquanto a tua cabeca te diz, "estupida, isto nao vai dar certo"

Claro que sim! E essas coisas, normalmente, acontecem quando menos se esperam.
A diferença talvez seja na nomenclatura que estamos a usar. Eu chamo "razão" e "emoção" ou "cabeça" e "coração", tu consideras o "Eu" e o "Crest". Talvez eu até consiga ver, assim, a lógica no que dizes.
A relação do meu "Eu" com a "Pax" não é tão antiga e certamente não tão profunda quanto a tua com o Crest, talvez também por isso não compreenda completamente essa vossa relação, por exemplo isto: "o Crest é quem ve a alma das pessoas e se apaixona pelo que elas sao."
Para mim és tu quem te apaixonas pelo que elas são, ainda que através do Crest. O Crest nunca teria essa capacidade. No máximo gostarias que fosse assim para em caso de lesão... te doer menos a ti.
Eu vejo mais o Crest como sendo o teu filtro, que vice-versa.
Ou será que estou errada e, afinal, é o Crest quem mais sofre?

Beijos :)

  Van

segunda-feira, outubro 20, 2008 4:01:00 da tarde

CREDUUUUUUUU, mas que imbróglio existencial que anda para aqui páh!!! Bem diz a sabedoria popular que a vida é simples, nós é que a complicamos!!

Ora bem, eu acho que vejo a coisa assim... (acho, porque ando um bocado miope ultimamente... loool)... o Crest é o Bruno (já vi que se pode usar aqui o teu nome supostamente real). Mas o Bruno não é o Crest. Esclarecido????? =D

O Crest é uma parte do Bruno, não é o Bruno todo! Onde é que está a dúvida? O Crest são escritos, pensamentos, imbróglios, ideias, devaneios, avacalhações, teimas, whatever, do Bruno. E nem por isso são tudo aquilo que o Bruno é! São só uma parte!

Quem te conheça pessoalmente ou te vá conhecer pessoalmente através do que é lido no blogue, vai com o Crest em mente, é certo, mas depois conhece o Bruno! Que é um todo e não só uma parte como é o Crest.
Quem se sinta atraído pelo Crest, de certeza que também o será pelo Bruno. O resto, evolui como qq outra atracção!
Quando se conhece alguém num bar, numa semana académica, no psiquiatra, no supermercado, whatever, só se conhece uma parte da pessoa, ou não? O resto vem como tempo e também com o tempo se decide gostar ou não do pacote inteiro.
É verdade que na net podemos ser mais desinibidos. Falo por mim ;-). É verdade que na net podemos adoptar mais uma faceta nossa que a vida real não permite que se escape tanto quanto gostariamos. Mas continua a ser uma faceta nossa!
É válido termos algum receio que nos conheçam por inteiro e que não gostem do pacote todo. Mas esses receios existem, por ex, no primeiro ano de um namoro. Confesso-te, eu no meu primeiro ano de namoro fingi ser quem na realidade não era...dito de outro modo, fingi que era uma gaija muito porreira que fazia as vontades todas ao home, e que era muito equilibrada, quando na verdade era mas era uma frita do caraças loooooooooool! Mas, olha, ele gostou do pacote todo. E sabes o que é mais cómico? Até nem acha assim muita piada à Grafonola LOOOOOOOOOOL!

  Van

segunda-feira, outubro 20, 2008 4:03:00 da tarde

Mas, também eu tenho receio, quando me encontro com alguém que conheci através dos blogues, que vá à procura da Van e encontre algo totalmente diferente... :(

  Van

segunda-feira, outubro 20, 2008 4:03:00 da tarde

Portanto, é um imbróglio comum a todos os bloggers...ou quase todos.

  Foi Bom

terça-feira, outubro 21, 2008 9:40:00 da tarde

Ainda estou baralhada...:S

  Crest©

quarta-feira, outubro 22, 2008 1:16:00 da manhã

Pax disse...

"A diferença talvez seja na nomenclatura que estamos a usar. Eu chamo "razão" e "emoção" ou "cabeça" e "coração", tu consideras o "Eu" e o "Crest". Talvez eu até consiga ver, assim, a lógica no que dizes."

Eu, sou a razao, que me chama estúpido o crest e quem se deixa ir na emocao, o real estúpido. Tu e eu nao fazemos nada de diferente, a nao ser que eu dei um nome a esse outro eu.

"A relação do meu "Eu" com a "Pax" não é tão antiga e certamente não tão profunda quanto a tua com o Crest"

Claro que é. Simplesmente nao lhe chamavas Pax. Tude sempre lidaste com os teus dois lados, o raccional e o sentimenta. Eu simplesmente dei um nome a um deles.

"Para mim és tu quem te apaixonas pelo que elas são, ainda que através do Crest. O Crest nunca teria essa capacidade."

Eu sou quem se apaixona, mas é o Crest que as conquista. Percebes? Ele é que controla o que sou por dentro, logo só ele se pode mostrar, se elas obviamente estiverem à procura de mais do que uma embalagem, claro.

"Ou será que estou errada e, afinal, é o Crest quem mais sofre?"

Se um sofre, ambos sofrem :)

  Crest©

quarta-feira, outubro 22, 2008 1:23:00 da manhã

Van disse...

"Bem diz a sabedoria popular que a vida é simples, nós é que a complicamos!!"

Eu gosto de a complicar, assim torno o complicado simples evitando dissabores.

"Crest é o Bruno (já vi que se pode usar aqui o teu nome supostamente real). Mas o Bruno não é o Crest. Esclarecido?"

Exacto o Crest é todo eu, mas eu sou mais do que o Crest. Pois o Crest vive de sentimento e eu tenho de lidar com rótulos e embalagens.

"Quem te conheça pessoalmente ou te vá conhecer pessoalmente através do que é lido no blogue, vai com o Crest em mente, é certo, mas depois conhece o Bruno! Que é um todo e não só uma parte como é o Crest."

Ora lá está, é o Crest dentro de uma embalagem, um escudo que protege o Crest.

"no primeiro ano de um namoro. Confesso-te, eu no meu primeiro ano de namoro fingi ser quem na realidade não era...dito de outro modo, fingi que era uma gaija muito porreira que fazia as vontades todas ao home, e que era muito equilibrada, quando na verdade era mas era uma frita do caraças loooooooooool!"

Ora lá está, eu já fiz isso e deu sempre merda, por isso entrei numa de "what you see is what you get", se nao te agrada, vai plantar batatas :P

"Mas, também eu tenho receio, quando me encontro com alguém que conheci através dos blogues, que vá à procura da Van e encontre algo totalmente diferente... :("

Falo com pessoas da blogosfera fora dela, em chat e mail, acho que umas 5 pessoas. Mas só dois sabem exactamente como sou e um deles é amigo desde a faculdade.

  Crest©

quarta-feira, outubro 22, 2008 1:23:00 da manhã

Foi Bom disse...

"Ainda estou baralhada"

Eheheheh, eu para lá caminho :P

  Pax

quarta-feira, outubro 22, 2008 11:49:00 da manhã

"Tu sempre lidaste com os teus dois lados, o racional e o sentimental."

Vendo desse modo, não acho que tenhamos esses dois lados em separado. O que eu faço é usar esses dois lados em proporções diferentes dependendo da situação, do meu momento ou da pessoa que tenho à minha frente.
Há pessoas que conheço num dia e sinto que sempre as conheci, a quem poderia confiar a minha vida sem medo de a perder e a quem consigo mostrar o meu lado mais emocional sem receio de me expor demasiado. Há outras que nunca verão mais do que o meu lado racional.
Há as que me estimulam (até intelectualmente) e que me levam a partilhar o lado emocional mesmo sem ter a consciência de que o fiz, nesse momento. Outras nunca terão a capacidade para o conhecerem.
Para mim, pelo menos, os dois lados estão sempre juntos, nunca se separam, só permitimos (ou não) que os outros vejam mais ou menos de cada um deles; dependendo também da sua própria capacidade de observação.

"Eu sou quem se apaixona, mas é o Crest que as conquista. Percebes?"

Perfeitamente.
A ti só conhecem pelo filtro do Crest. É o Crest que tentam encontrar em ti. Que esperam encontrar, que seja identico, que tenha a parte das qualidades do Crest e que os defeitos que, eventualmente lhe possam encontrar, sejam a parte fictícia.

"Se um sofre, ambos sofrem :)"

Lá está: o lado emocional e o lado racional estão juntos, são um só. Revelar-se-ão (ou não) mais um ou mais o outro, dependendo de outros factores.

:)

  Crest©

quarta-feira, outubro 22, 2008 12:22:00 da tarde

Pax disse...

"Há pessoas que conheço num dia e sinto que sempre as conheci, a quem poderia confiar a minha vida sem medo de a perder e a quem consigo mostrar o meu lado mais emocional sem receio de me expor demasiado."

Tens sorte, então :)


"A ti só conhecem pelo filtro do Crest. É o Crest que tentam encontrar em ti. Que esperam encontrar, que seja identico, que tenha a parte das qualidades do Crest e que os defeitos que, eventualmente lhe possam encontrar, sejam a parte fictícia."

Mas é o Crest que encontram sempre, tal como está escarrapachado no blogue.

"Lá está: o lado emocional e o lado racional estão juntos, são um só. Revelar-se-ão (ou não) mais um ou mais o outro, dependendo de outros factores."

No entanto os ataques ao Bruno doem mais ao Crest, do que os ataques directos ao Crest, aos quais acho imensa piada :P

  Van

quarta-feira, outubro 22, 2008 1:09:00 da tarde

mmmm, eu tinha mais a ideia de que o crest é que é o escudo/embalagem do bruno... :D ok, ás vezes...

  Crest©

quarta-feira, outubro 22, 2008 1:26:00 da tarde

Van disse...

"mmmm, eu tinha mais a ideia de que o crest é que é o escudo/embalagem do bruno... :D ok, ás vezes..."

Nah, o Crest é um krido, eu é que sou a embalagem que o protege porque ele tem a mania de dar demais.

  Pax

quinta-feira, outubro 23, 2008 11:20:00 da manhã

Porque o Crest sabe que mesmo que se atire da ponte não se esborracha, é o Bruno a quem ele tem como missão proteger.

Beijos :)

  Crest©

quinta-feira, outubro 23, 2008 11:51:00 da tarde

Pax disse...

"Porque o Crest sabe que mesmo que se atire da ponte não se esborracha, é o Bruno a quem ele tem como missão proteger."

Protejo mas nao é de quedas de pontes, só de fritas da tola :P

  Van

sexta-feira, outubro 24, 2008 8:24:00 da tarde

menino, mesmo as que não são fritas, têm fritice. Da fritice nunca estarás livre... ;-)

  Crest©

sábado, outubro 25, 2008 10:18:00 da manhã

Van disse...

"menino, mesmo as que não são fritas, têm fritice. Da fritice nunca estarás livre... ;-)"

Óbvio, mas é isso ou dar em gay. Portanto venha de lá essa friticie!

  moi chéri

segunda-feira, outubro 27, 2008 1:04:00 da manhã

eu cá só me lembrei dó sá-carneiro (o mário)
"eu não sou eu, nem sou o outro.
sou qualquer coisa de intermédio"

  Crest©

segunda-feira, outubro 27, 2008 2:28:00 da manhã

"moi chéri disse...

"sou qualquer coisa de intermédio"

Acho que sou tipo champo, 2 em 1 :)