H1N1 - Jane Bürgermeister

Na sequência do meu texto sobre o vírus H1N1, está na altura de fazer um update informativo pois desde então obtive mais informações.

Em 3 meses os EUA passaram de mais ou menos 2.000 casos para mais de 1 milhão. Seguindo este ritmo incrível de 500%/mês de contágio, que contrasta com os 20% no México (país onde o vírus foi detectado e onde deveria estar a contagiar mais pessoas), e os 10% na Europa, em Setembro deste ano haverão 25 milhões de contagiados só nos EUA.

Nos EUA estão a morrer 10 pessoas a cada 6.000 casos, o que é numero baixo, mas apesar da proporção ser a mesma, hoje morrem 1.666 pessoas, e seguindo esta tendência em Setembro morrerão 41.666 pessoa. Mas será muito pior do que isto. Em Setembro começa a época da gripe comum que só por si já mata. Eu pergunto quais os efeitos destes dois vírus no mesmo corpo? Quais os efeitos da vacinação da gripe comum no vírus H1N1? Alguém estudou isto? Não, pois não há interesse que seja estudado.
Por coincidência em Outubro o exército americano começa a patrulhar as ruas fazendo o serviço da policia... coincidências? Não, 30.000 soldados estão a treinar para uma emergência interna, e se estão a treinar não será em vão. Os soldados a ser usados são soldados já domados, são todos retornados do Iraque, havendo mais 20.000 em reserva prontos a serem chamados.

Os governos Americano e Inglês querem iniciar uma campanha de vacinação contra o H1N1, essa vacinação poderá ser obrigatória com punição, detenção e vacinação compulsiva e quarentena a quem não o fizer.

A vacina poderá afectar gravemente e até causar a morte, a pessoas com determinadas doenças, além disso ela contém um nível perigoso de mercúrio (tal como a maioria das vacinas obrigatórias). A vacina não foi convenientemente testada e o único teste feito em humanos matou 5 pessoas na Republica Checa, onde as vacinas H1N1 estavam contaminadas com o vírus H5N1. Os laboratórios responsáveis por esse "acidente impossível", são os fornecedores de 70% das vacinas para a Europa, EUA e Austrália.

Jane Bürgermeister é alguém que eu considero uma mulher fantástica pela sua coragem de após investigar o vírus H1N1 ter avançado com um processo em tribunal. Esta jornalista Austríaca, está a acusar a Organização Mundial de Saúde, as Nações Unidas, e diversos governos de Bioterrorismo, referindo que o H1N1 é o vírus preparado para o maior crime contra a humanidade até hoje.
Jane Bürgermeister preparou também uma injunção contra a vacinação obrigatória.
Estes processos são acumulados com os processos que ela instaurou em Abril contra a Baxter AG Australiana e a Avir Green Hills Biotechnology da Áustria, por ambos em laboratórios diferentes em estudos diferentes terem cometido o mesmo "acidente" de contaminarem as suas vacinas com o vírus H5N1.

Além das instituições processadas ela avançou com processos a indivíduos em particular, entre eles:
Barack Obama - presidente dos EUA
David Navarro - Coordenado do departamento de contágio das Nações Unidas
Margaret Chan - Directora-Geral da Organização Mundial de Saúde
Kathleen Sibelius - Secretaria do Departamento de Saúde e serviços humanos
Janet Napolitano - Secretaria do Departamento da Homeland Security
David Rotschild - Banqueiro e dono do Banco de Inglaterra (sim é privado)
David Rockefeller - Banqueiro e dono da Reserva Federal Americana (também é um banco privado)
George Soros - banqueiro e especulador financeiro
Werner Faymann - Chanceler Austríaco
Alois Stoger - Ministro da Saúde Austríaco

Em resposta a estes processos e por recusa de os retirar, Jane Bürgermeister foi despedida das suas funções de Correspondente Europeia do site mundial de energias renováveis.

Partilho aqui os documentos tornados públicos por Jane Burgermeister, os mesmos que estão a levar centenas (quando deveriam ser milhares) de pessoas a instaurarem os mesmos processo. Sim, porque qualquer cidadão mundial o pode fazer:

Provas do uso da gripe pandémica para despopular os EUA.

Acusações criminais

Versão original do site de Jane Burgermeister onde ela disponibiliza mais documentos para download (a maior parte está em Alemão)

Este é um estudo completo onde até o nome de Manuela Ferreira Leite é incluído.

A vacinação poderá ser perigosa daí a ideia de a tornar obrigatória. Ela deverá ser uma escolha pessoal de cada um de nós. Eu não digo para recusarem a vacinação, eu digo que ela é perigosa e poderá tornar real o: "se não se morre da doença, morre-se da cura". Eu pessoalmente recuso-a independentemente das retaliações que possa vir a sofrer.

Termino com uma entrevista a Jane Bürgermeister (a entrevista é unicamente ÁUDIO):

Entrevista parte 1
Entrevista parte 2
Entrevista parte 3
Entrevista parte 4

Com base na análise da documentação recolhida por Jane Bürgermeister, a Barbara Loe Fisher - Presidente do Centro Informativo Nacional de Vacinação (EUA), veio a público alertar para os perigos da vacinação e apelar à luta contra a sua obrigatoriedade:



Que fique claro que não estou a tentar impor as minhas ideias, estou sim a noticiar o que não aparece nas TV's, tudo o que não nos é dito, tudo o que há interesse em que se mantenha desconhecido das grandes massas que recolhem da TV e jornais a informação que necessitam. A escolha é no fundo vossa, as minha conclusões são pessoais, que quero partilhar e não passa disso mesmo, uma partilha. Da mesma maneira que uma suposta cura deverá ser disponibilizada, partilhada mas nunca imposta.

Nota: Dois dos maiores apoiantes de Jane Bürgermeister é e foi: Sheikh Abdullah bin Hamad al-Khalifa e Michael Jackson! Logicamente isto dará um texto próprio.



60 Comentários:

  Jane Doe

terça-feira, julho 14, 2009 11:26:00 da tarde

Grande Jane!!

(Eheheheh)

Com tempo vou investigar, claro que não me fico pela leitura do teu texto, como quase nunca fiquei.

Por agora... quantidade perigosa de mercúrio como em todas as vacinas?

Com os dois vírus no corpo, o aparecimento de uma nova estirpe por mutação é mais provável. Assim, também pode acontecer com o contacto entre a h5n1 e a vacina do h1n1.

Tudo isto vai acontecer. Tudo. Não vale de muito espernear, porque até agora eles podem sempre mais.

  Jane Doe

terça-feira, julho 14, 2009 11:26:00 da tarde

Este comentário foi removido pelo autor.
  Fada

quarta-feira, julho 15, 2009 12:11:00 da manhã

Mercúrio, é?...

Olha que bom............. :(

Só para que conste, a do tétano não tem, já perguntei ao infarmed. :D
O que não quer dizer que me apeteça tomá-la... Hummm...
Por outro lado, é obrigatória... Hummm

Beijitos

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 12:29:00 da manhã

Jane Doe:

"Por agora... quantidade perigosa de mercúrio como em todas as vacinas?"

Mercúrio em todas, quantidade perigosa nesta. Encontras também mercúrio em comidas em lata, apesar do mercúrio não entrar na composição dos alimentos ou embalagens, tal como não é necessário nas vacinas... mas no produto final está lá.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 12:31:00 da manhã

Fada:

"Só para que conste, a do tétano não tem, já perguntei ao infarmed. :D"

Então faz outra pergunta ao infarmed: Por que motivo te dizem que não tem, se tem?

A vacina do tétano tem mercúrio sim, tem <0.3 mcg residual após a retirada do thimerosal, isto é sabido mas as farmacêuticas acrescentam que estes níveis de mercúrio não possuem qualquer efeito biológico. Isso a mim não me diz nada, gostava de saber é, como é que o mercúrio vai parar onde não é chamado.

Comes uma sandes de atum (atum em lata) = mercúrio, vais levar uma vacina = mercúrio, acabas o dia a comer marisco e levas com mais mercúrio... são quantidades inofensivas em separado, mas neste caso é um envenenamento lento e uma das razoes que nos levam a viver menos tempo que os nossos avós.

Há 100 anos chegar aos 100 anos era difícil, há 50 anos era perfeitamente possível, para mim e para a minha geração e mais novas, é impossível.

  Jane Doe

quarta-feira, julho 15, 2009 12:37:00 da manhã

"Mercúrio em todas, quantidade perigosa nesta. Encontras também mercúrio em comidas em lata, apesar do mercúrio não entrar na composição dos alimentos ou embalagens, tal como não é necessário nas vacinas... mas no produto final está lá."

Sim, o timerosal, um produto usado como desinfectante e adjuvante.

É também usado em elixires em conjunto com a clorohexidina.

Mas não em quantidades tóxicas, e é um derivado de mercúrio e não o hg propriamente dito. Se nessa vacina está em quantidades consideradas tóxicas é porque existe uma segunda intenção.

  Fada

quarta-feira, julho 15, 2009 12:39:00 da manhã

Excerto do mail que recebi:
"Em resposta à vossa solicitação, informa-se que a vacina contra o tétano administrada actualmente é a Ditanrix-Adulto a qual não contém nenhum composto à base de mercúrio."

Então:

http://www.infarmed.pt/infomed/download_ficheiro.php?med_id=9955&tipo_doc=fi

Não preciso de comer peixes enlatados, basta comer peixes criados em águas com mercúrio.

  Treze

quarta-feira, julho 15, 2009 1:01:00 da manhã

Este comentário foi removido pelo autor.
  Treze

quarta-feira, julho 15, 2009 1:03:00 da manhã

Em relação às notícias que dizes que acabam por não passarem para o conhecimento geral ou massificado o que me faz questionar é o porquê (para além do óbvio) de não fazerem o trabalho deles.

Diz-me só uma coisa, fazes algo em relação a isso? Envias notificações aos responsáveis das estações, por exemplo? Alerta-los de alguma forma?
É que me faz confusão não noticiarem certos acontecimentos. Não falo relativamente aos programas de tv acerca das conspirações, mas sim desse último vídeo ou a questão da (possivel) lei marcial e as movimentações que se estarão a verificar...

  Silvia F.

quarta-feira, julho 15, 2009 7:12:00 da manhã

Lembro-me vagamente alguém me ter falado numa 3ª guerra mundial, guerra essa que se ditinguiria das outras duas por ser silenciosa: a guerra química. A destruição já não seria material mas sim humanitária...
Pensei, pensei e não consigo me lembrar de quem disse essa $#@%&#@%&%!! Antes estivesse calado!
É que vendo bem as coisas, pelo teu exposto e pelo que já li algures por aí, até parece estar a acontecer... espero bem que não fosga-se!

Embora não esteja nos meus planos tomar essa vacina porque nunca acreditei nessa porra para a gripe (seja ela qual for), ainda quero acreditar que isto tudo não passa de ficção.
Já li qualquer coisa do Michael Jackson e a CIA... Nem morto tem sossego! Isto é, se ele de facto estiver morto porque daqui a nada dizem que ele está num resort qualquer com o ex sogro Presley.
Não faria mais sentido mandar "calar" a Jane Burger-qualquercoisa
do que assassinar o MJ e o Sheikh?
Enfim...

  João

quarta-feira, julho 15, 2009 10:59:00 da manhã

Bruno,
Mas qual poderia ser o "objectivo maior" para a morte de milhares de pessoas, com esta nova doença? Criar uma nova "raça ariana"?

  Mistal

quarta-feira, julho 15, 2009 11:57:00 da manhã

Sabes que mais? pena que a fome tambem não seja algo que se possa escolher como tomar ou não a vacina ou tomar tamiflu para aliviar os sintomas se ja estiverse com gripe. Pena não have um remediozinho para aliviar isso aos milhoes que morrem de fome e doença diariamente.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 2:01:00 da tarde

Jane Doe:

"Mas não em quantidades tóxicas, e é um derivado de mercúrio e não o hg propriamente dito. Se nessa vacina está em quantidades consideradas tóxicas é porque existe uma segunda intenção."

Aqui a questão é que a forma em que o mercúrio se apresenta na vacina não é "muito" prejudicial, o que é prejudicial é a quantidade de produtos que ingerimos com mercúrio e as transformações de alguns derivados de mercúrio em mercúrio ao entrar no no nosso sistema.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 2:01:00 da tarde

Fada:

É o infarmed. Se a Eugénics vier afirmar que quer salvar vidas, tu acreditas? A Eugenics defende a Eugenia e toda a medicação mundial responde à Eugenics, o Infarmed é um pequena gota num oceano chamado Eugenics.

"Não preciso de comer peixes enlatados, basta comer peixes criados em águas com mercúrio."

Mas águas com mercúrio é poluição, o mercúrio nos enlatados é colocado lá sob a forma de aditivo, sem nunca ter feito parte do processo de fabrico. Aceito melhor a poluição devido à industrialização, do que o envenenamento público devido a interesses de redução populacional e diminuição de esperança de vida.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 2:01:00 da tarde

Treze:

"Em relação às notícias que dizes que acabam por não passarem para o conhecimento geral ou massificado o que me faz questionar é o porquê (para além do óbvio) de não fazerem o trabalho deles."

Para controlares os governos precisas de controlar o dinheiro, e os bancos praticamente todos estão nas mãos de meia dúzia de pessoas, ao controlar os governos contras também a população, mas não controlas opiniões. Para que as opiniões sejam controladas é preciso controlar a informação. Daí o empenho das famílias Rothschild e Rokefeler em comprar tudo o que seja imprensa.

Em Portugal não temos um canal de televisão livre. A RTP é estatal to influencia maçónica o seu símbolo até há poucos anos era um olho, tal como o canal dos illuminati CBS.
A SIC é do Balsemão um Bilderberger que detém grande parte da imprensa nacional. A TVI foi financiada pela Igreja e depois vendida a um Bilderberger (Belmiro de Azevedo), que a voltou a vender, mas a igreja nunca largou o seu poder decisivo nem faria sentido largar.

"Diz-me só uma coisa, fazes algo em relação a isso? Envias notificações aos responsáveis das estações, por exemplo? Alerta-los de alguma forma?"

Alertar para? Eles estão alertados, eles sabem o que noticiar e não noticiar. O que faço é o que a lei me permite fazer, solicitar informação a departamentos governamentais sob o pretexto de querer noticiar o assunto na imprensa livre. Obviamente que não me vão esclarecer a 100% mas não me podem recusar a informação.

Essa informação passa depois por várias mãos e é divulgada dentro do possível, visto que ao contrário de imensas pessoas que divulgam estes assuntos, eu e as pessoas com que lido e colaboro, não pedimos donativos a ninguém. Pois isso nem sequer faz sentido. Se alguém tenta expor a verdade porque acredita nela, deverá fazê-lo dentro das suas possibilidades e não fazer como o Alex Jones que consegue reunir entre 250.000 a 400.000 dólares em donativos. O que faz ele? Expõe corrupção em panfletos de ouro?

"Não falo relativamente aos programas de tv acerca das conspirações, mas sim desse último vídeo ou a questão da (possivel) lei marcial e as movimentações que se estarão a verificar..."

Ninguém acredita que o "país da liberdade" poderá ser um país de escravos, só por isso.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 2:02:00 da tarde

Silvia F.:

"Lembro-me vagamente alguém me ter falado numa 3ª guerra mundial, guerra essa que se ditinguiria das outras duas por ser silenciosa: a guerra química. A destruição já não seria material mas sim humanitária..."

Isso não é a terceira guerra mundial é unicamente o caminho para ela. Que não existam dúvidas que a terceira guerra mundial será atómica. Os EUA estão a desenvolver tecnologias de primeiro ataque, um tecnologia que lhes garante em caso de guerra atacarem primeiro.
Para isso estão a construir barreiras de defesa nuclear em torno da Rússia que fica cercada depois das bases na Polónia e Republica Checa.

A tecnologia de que falo será testada este ano em Outubro quando os EUA lançarem um míssil contra a lua a partir de um satélite. Se isso resultar, nenhum país tem defesa para misseis vindos do espaço.

"Já li qualquer coisa do Michael Jackson e a CIA... Nem morto tem sossego!"

Essa história surgiu na Russia, um satélite Russo detectou tecnologia EMR na área da casa do Michael Jackson e isso é tecnologia desenvolvida pelos Russos para assassinatos e duplicada pelos EUA, foi testada no Iraque e poderá ser usada em manifestações, sendo uma violação do tratado de Genebra e direitos humanos.

"Isto é, se ele de facto estiver morto porque daqui a nada dizem que ele está num resort qualquer com o ex sogro Presley."

Tenho já uma pasta sobre o assunto e irei fazer um texto sobre a teoria de ele estar vivo, bem como da teoria de ele ter sido assassinado e ainda da teoria de enfarte. Todas elas ainda estão cheias de buracos que tenho de esclarecer.

"Não faria mais sentido mandar "calar" a Jane Burger-qualquercoisa
do que assassinar o MJ e o Sheikh?"

Não. Ela processou as organizações e homens mais poderosos do mundo, se ela morre muita gente que não acredita nela, passará a ver verdade no que ela afirma.
Matar o MJ, impede-o de chegar a milhões de pessoas, se ele abrisse a boca chegaria a todos os cantos do mundo. E foi o próprio MJ que disse que a sua tourné mundial seria de revelações, além disso a tourné tinha como tema a sua música "they don't really care about us", em que o vídeo original foi banido dos EUA.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 2:02:00 da tarde

João:

"Mas qual poderia ser o "objectivo maior" para a morte de milhares de pessoas, com esta nova doença? Criar uma nova "raça ariana"?"

Rockerfeller, Rothschild e ao Eugenics defendem que para a raça humana sobreviver terá de haver uma redução populacional. Defendem a Eugenia para atingir esse fim, se bem que um vírus é mais rápido. Eles falam em reduzir a população mundial em 80%.

Imagina que és pastor e tens 100 ovelhas e todos os dias as conduzes ao pasto, em pouco tempo elas reproduzem-se e ficas com 300 ovelhas e já não as consegues conduzir ao pasto, pois muitas fogem ao teu controlo. Quanto maior é o rebanho mas difícil é de controlar.

Apesar do domínio da informação generalista, empresas de musica e cinema, a Internet está a revelar uma imensidão de pessoas não controladas, não adormecidas e alerta sobre as intenções deles.

Menos pessoas, significa maior controlo e um controlo mais estável, além disso quanto menos pessoas existirem, mais riqueza haverá para as elites.

É um questão de ganancia e conveniência.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 2:02:00 da tarde

Mistal:

"Sabes que mais? pena que a fome tambem não seja algo que se possa escolher como tomar ou não a vacina ou tomar tamiflu para aliviar os sintomas se ja estiverse com gripe. Pena não have um remediozinho para aliviar isso aos milhoes que morrem de fome e doença diariamente."

Não nem irá haver. O processo de despopulacao de África é um processo que vem já do tempo dos descobrimentos. As pessoas de África não interessam às elites porque:

1- Não são consumistas.
2- Ocupam uma terra muito rica.

África tem e terá sempre fome, algo que só irá ser agravado, pois as elites querem o caminho aberto para a exploração total do continente e as pessoas estão no caminho.

A Fome não é um consequência da sobre-população nem isso existe. Só para teres uma ideia, se cada Americano recebesse 4km² de terreno no Texas, seriam auto-suficientes e o resto do país ficaria deserto. Isto acontece em todos os países, existe terra para alimentar todos, só que essa terra está nas mãos de poucos.

  Fada

quarta-feira, julho 15, 2009 2:40:00 da tarde

Bruno, disseste:

"uma das razões que nos levam a viver menos tempo que os nossos avós."

Uma de milhares. Nesse caso, não comas marisco, nem carne, nem peixe, "just in case". Além disso, vegetais (sejam legumes, frutos ou cereais), só de agricultura biológicos, MAS já li algures no teu blog que não tens os alimentos dessa proveniência em grande consideração. Daí que terias de ter a tua própria quinta para produzir os teus alimentos. SÓ QUE a água que forneceria a tua quinta teria de ser isenta de flúor, e não ter indústrias ou culturas não biológicas a montante, além de teres que ter uma protecção contra as chuvas, que estariam contaminadas pela poluição.
Não é fácil. É possível, mas não é fácil. Queres tentar?...

Além de tudo, erros antigos já nos prejudicaram, e esses erros já surgiram na época da Industrialização... Pelo menos.

Só o facto de respirarmos torna-nos passíveis de contaminação por qualquer porcaria, logo... Não podemos deixar de respirar, ou podemos?...

Compreendo as tuas preocupações, mas acho que não devemos ser tão extremistas em algumas coisas.


"É o infarmed. Se a Eugénics vier afirmar que quer salvar vidas, tu acreditas? A Eugenics defende a Eugenia e toda a medicação mundial responde à Eugenics, o Infarmed é um pequena gota num oceano chamado Eugenics."

Já SABIA que me ias responder assim. Nesse caso, teríamos de fazer uma análise em busca de mercúrio num laboratório independente, que aceitasse analisar uma vacina. Além disso, poderia ter de ser um laboratório com alguém amigo, que o fizesse "por baixo do pano", pois não creio que um pedido desses passasse desapercebido.
Eu não tenho meios, neste momento, para o fazer, mas se tiveres ou se souberes de alguém que o faça, avisa-me. Já mencionei que o meu problema é ser, especificamente, alérgica ao mercúrio.

Apesar de não concordar com todas as vacinações, também não me parece que sejamos assim tão frágeis que qualquer quantidade mínima de qualquer veneno (seja mercúrio, seja flúor,...) nos afecte irremediavelmente, pois também temos, no nosso organismo, capacidade de excretar e eliminar várias coisas.

Além do mais, creio que foi aqui neste blog que se mencionou haver algumas pessoas (dentro dos "senhores do mundo") que não concordam com algumas coisas, daí haver uma espécie de dissidentes mais ou menos declarados. Logo, nem todos são "maus", e assim, quem nos garante que, de facto, algumas vacinas não sejam MESMO para ajudar?? Principalmente estas mais "antigas"?

"Mas águas com mercúrio é poluição, o mercúrio nos enlatados é colocado lá sob a forma de aditivo, sem nunca ter feito parte do processo de fabrico."

Nunca vi aditivos nos enlatados que eu como... Aliás, já vi nalguns, mas não no atum, nem nas sardinhas, nem na cavala, nem nos cogumelos, milhos, feijões ou grão, só naqueles que têm comida pré-feita, tipo feijoada, e esses não são aditivos à base de mercúrio, muitas vezes são apenas conservantes, à base de extractos de plantas...

O mundo está cheio de "maus", mas também há gente "boa". Seja quais forem os propósitos de ambos, há que tentar atingir o equilíbrio.

Beijitos

  Bruno

quarta-feira, julho 15, 2009 3:12:00 da tarde

Achei piada a isto.
Já agora, onde é que foste viste que ha (foram) 1 Milhão de infectados por H1N1 nos EUA?

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 4:26:00 da tarde

Fada:

Mas eu é que tenho de deixar de comer, ou de lutar para pararem de me envenenar?

Agricultura biológica é uma farsa, não existe, é uma invenção ridícula e injustificada, a única agricultura biológica seria o nosso quintal onde produzimos alimentos para nós próprios. Tudo o que é produzido para venda não é biológico pois de uma forma ou outra violam as regras. Só na Alemanha já dezenas de empresas foram fechadas por coisas simples como usar uma insignificância de tecnologia. Se se afirmam biológicos trabalhem como os Amish e aí eu pagarei os preços incríveis que eles pedem por um ovo.

"SÓ QUE a água que forneceria a tua quinta teria de ser isenta de flúor, e não ter indústrias ou culturas não biológicas a montante, além de teres que ter uma protecção contra as chuvas, que estariam contaminadas pela poluição."

Resumindo por causa de 10,000 criminosos eu teria de mudar de planeta...
As pessoas só precisam de perceber que eles são 10,000, nós somos milhares de milhões.

"Só o facto de respirarmos torna-nos passíveis de contaminação por qualquer porcaria, logo... Não podemos deixar de respirar, ou podemos?..."

Respirar... ainda bem que falas nisso, será o assunto de sexta-feira :)

"Compreendo as tuas preocupações, mas acho que não devemos ser tão extremistas em algumas coisas."

Avisar de uma tentativa de holocausto não é extremismo é o combate ao extremismo, além disso o final do meu texto é claro. Não estou aqui para convencer ninguém.

"Nesse caso, teríamos de fazer uma análise em busca de mercúrio num laboratório independente, que aceitasse analisar uma vacina."

1- Se um cidadao pedir e pagar, tem o direito a receber uma amostra para análise.

2- Se um cidadão pedir e pagar qualquer laboratório a analisa, não é preciso dizer o que é, basta pedir um relatório de composição.

"Apesar de não concordar com todas as vacinações, também não me parece que sejamos assim tão frágeis que qualquer quantidade mínima de qualquer veneno (seja mercúrio, seja flúor,...) nos afecte irremediavelmente, pois também temos, no nosso organismo, capacidade de excretar e eliminar várias coisas."

Claro que sim, NÓS temos, porque já recuperámos de milhentas gripes. A geração que tem hoje 50 anos está ainda mais bem preparada que nós, pois ultrapassaram gripes piores. Mas a vacinação obrigatória começa onde?
Nas escolas!! Se eles vacinarem as crianças estão a vedar-lhes a oportunidade de criar anti-corpos e eles são o objectivo, pois eles são os trabalhadores de amanha, quanto mais frágeis forem mais fáceis serão de dominar.

"Além do mais, creio que foi aqui neste blog que se mencionou haver algumas pessoas (dentro dos "senhores do mundo") que não concordam com algumas coisas, daí haver uma espécie de dissidentes mais ou menos declarados."

Claro que há sempre quem não concorde, mas eles nunca irão arriscar a sua posição e as suas vidas por ovelhas adormecidas. Quando o povo acordar e vir que está a ser levado para o matadouro, aí e só aí esses dissidentes poderão aparecer, pois aí terão quem defender e quem os defenda.

"Logo, nem todos são "maus", e assim, quem nos garante que, de facto, algumas vacinas não sejam MESMO para ajudar?? Principalmente estas mais "antigas"?"

Quem garante? A Eugenics garante, pois se nao for aprovado pela Eugenics, simplesmente não entra no mercado. A Eugenics são as nações unidas da medicina, nada é feito sem o seu aval.
Já tentaram, basta procurares informações dos 11 virulogistas assassinados entre 2000 e 2001, todos de topo mundial.


"Nunca vi aditivos nos enlatados que eu como... Aliás, já vi nalguns, mas não no atum, nem nas sardinhas, nem na cavala, nem nos cogumelos, milhos, feijões ou grão, só naqueles que têm comida pré-feita, tipo feijoada, e esses não são aditivos à base de mercúrio, muitas vezes são apenas conservantes, à base de extractos de plantas..."

Terás de repetir as análises, pois estão erradas. 60% dos enlatados de exportação a nível mundial possuem aditivos à base de mercúrio ou derivados, derivados que mutam ao entrar no organismo.

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 4:32:00 da tarde

Bruno:

"Achei piada a isto.
Já agora, onde é que foste viste que ha (foram) 1 Milhão de infectados por H1N1 nos EUA?"

Piada? Mas isto tem piada?
Por que motivo me pergunta? Gostaria de saber se me pergunta devido a não ter encontrado dados, ou se me pergunta como que pondo em causa o que digo?
É que se é a segunda, neste blogue corre sempre um risco elevado.

Mas pronto aqui ficam algumas fontes:

Los Angeles Times:
http://www.latimes.com/news/science/la-sci-swineflu26-2009jun26,0,7526407.story

Business 24/7:
http://www.business24-7.ae/Articles/2009/6/Pages/Over1millionH1N1infectedpeopleinUS.aspx

Forbes:
http://www.forbes.com/feeds/hscout/2009/06/25/hscout628467.html

Discovery Channel:
http://dsc.discovery.com/news/2009/06/26/swine-flu-million.html

Se estas fontes de reputação internacional não chegam... então não sei o que dizer...

  angelodias

quarta-feira, julho 15, 2009 5:45:00 da tarde

Mas pronto aqui ficam algumas fontes:

Los Angeles Times:
http://www.latimes.com/news/science/la-sci-swineflu26-2009jun26,0,7526407.story

Business 24/7:
http://www.business24-7.ae/Articles/2009/6/Pages/Over1millionH1N1infectedpeopleinUS.aspx

Forbes:
http://www.forbes.com/feeds/hscout/2009/06/25/hscout628467.html

Discovery Channel:
http://dsc.discovery.com/news/2009/06/26/swine-flu-million.html

Se estas fontes de reputação internacional não chegam... então não sei o que dizer...


Fontes?
Agora já acreditas no que lês? ou só acreditas no que te convêm?
Get a life instead...

  Bruno Fehr

quarta-feira, julho 15, 2009 5:57:00 da tarde

angelodias:

"Fontes?
Agora já acreditas no que lês? ou só acreditas no que te convêm?"

Fontes, tanques, torneiras, chame o que entender, é de onde vem a informação.
Meu caro, é visível que o senhor não percebeu nada. Eu não acredito nem deixo de acreditar no leio, eu confirmo as fontes, cruzo as fontes e chego a conclusões sobre as quais escrevo. Há sempre fontes para quem sabe procurar mas se encontrou fontes contrárias, partilhe.

"Get a life instead..."

A definição de vida é muito subjectiva e eu estou contente com a minha, mas se acha que devo buscar uma como a sua e passo a citar: "em frente à televisão a assistir ao Preço Certo em Euros enquanto emborcam um garrafão de 5 litros do mais belo tinto", não obrigado. Você que vê TV demais.

Obrigado pelo seu comentário mas gosto de criticas argumentativas e você, só perdeu tempo a comentar, deve ter mesmo muito tempo livre para dispensar. É isso ter vida?

  Ricardo

quarta-feira, julho 15, 2009 8:38:00 da tarde

Bruno:

"...em frente à televisão a assistir ao Preço Certo em Euros enquanto emborcam um garrafão de 5 litros do mais belo tinto"

tito ou branco??... Cheio!!!! ahahahahah brutal!!!!

Todos os "contra-factos" que expões tanto neste como em todos os teus posts são muito bem fundamentados, que a meu ver deitam por terra qualquer notícia que nos é chapada pela TV nos telejornais. Sobretudo aquelas em primeira mão, que usam estatégias de marketing jornalistico para transmitirem os que mais lhes convém, quer por caprichos das chefias quer por apenas querererem ser líders de audiência.

Vi recentemente o "State of Play" que apesar de achar que não tem um grande argumento, deixam-nos intrigados sobre a confiança que depositamos na imprensa. Aconselho vivamente.

Infelizmente a maioria de população não tem nem capacidade para questionar, questionar, preferindo ficar na indiferença e acreditar no lhes aparece à frente em letras garrafais (sim porque as consultas de oftalmologia estão caras!! eheheh).

Já agora já lêste a historia sobre "Akrit Jaswal" um puto sobredotado indiano que quer descobrir a cura pra sida?

Cumps

  MPSPM

quarta-feira, julho 15, 2009 8:49:00 da tarde

Este link pode ser interessante:
http://ezinearticles.com/?A-H1N1-Swine-Flu-Likely-Originated-in-US-Lab&id=2526695
Vale o que vale.
MPSPM

  MPSPM

quarta-feira, julho 15, 2009 9:09:00 da tarde

Há tambem um dado interessante a referir, segundo a última actualização da OMS sobre o H1N1, apenas estão reportados 33.902 casos nos EUA dos quais resultaram 170 mortes. Este update é de 6 de Julho. Estes dados contrastam em absoluto com essas informações sobre ser já 1 milhão o número de infectados só nos EUA. Numa primeira análise parece haver algo de muito errado com estes números, uma vez que seria de esperar que sendo as fontes de informação da OMS os serviços de saúde de cada País, estes dados deveriam ser exactos. A menos que se trate de um cover-up, ou que estes números estejam propositadamente a ser passados a conta-gôtas para dar uma imagem mais soft da capacidade de contágio do vírus.

  Fada

quarta-feira, julho 15, 2009 10:54:00 da tarde

Bruno, disseste:

"Mas eu é que tenho de deixar de comer, ou de lutar para pararem de me envenenar?"

Eu não te disse para deixares de comer. Mas as carnes, os peixes e os mariscos têm mais toxinas do que as plantas. Têm antibióticos, têm hormonas, têm substâncias para a engorda E as toxinas (agroquímicos e outros contaminates ambientais)provenientes das plantas de que se alimentam e do meio em que vivem. Apenas te digo que deves ter cuidado com o que comes, com a proveniência do que comes.
Eu raramente como porco branco, de suinicultura, porque me cai mal, muitas vezes. Assim, se me apetecer carne de porco, opto por porco preto criado em montado. Acho que não é coincidência o de suinicultura fazer-me mal e o de montado, não.

Além disso, na nossa sociedade e vida actual, abusamos das proteínas de origem animal. Mas creio teres uma comentadora (pelo menos), vegetariana, capaz de te explicar melhor as desvantagens inerentes a essa alimentação rica em proteínas animais.

E sim, lutar pelo fim do envenenamento. Sempre.

"Agricultura biológica é uma farsa, não existe, é uma invenção ridícula e injustificada, a única agricultura biológica seria o nosso quintal onde produzimos alimentos para nós próprios. Tudo o que é produzido para venda não é biológico pois de uma forma ou outra violam as regras. Só na Alemanha já dezenas de empresas foram fechadas por coisas simples como usar uma insignificância de tecnologia. Se se afirmam biológicos trabalhem como os Amish e aí eu pagarei os preços incríveis que eles pedem por um ovo."

Então, em primeiro lugar, vai reler o comentário que te fiz neste post: http://so-me-apetece-cobrir.blogspot.com/2008/02/o-plastico-e-biologico-so-pode.html e ao qual nunca respondeste, mas espero que tenhas lido.
Em 2º lugar, explica-me o que entendes por Agricultura biológica.
Em 3º lugar, quais foram as "coisas simples" que levaram ao fecho dessas empresas alemãs e que empresas foram essas.

Trabalhar como os amish poderá ser biológico, mas não é, de forma alguma, sustentável para as nossas exigências actuais de mercado. Mas se estiveres disposto a pagar preços alucinantes, diz, não esquecendo que nem toda a gente teria acesso a esses alimentos.

Se tiveres alguma alternativa interessante à agricultura biológica ou ao Modo de Produção Integrado, apresenta-ma. Terei todo o gosto em discuti-la contigo. :)


"Resumindo (...) eu teria de mudar de planeta..."

Pois, tu e eu. Mencionei isso para perceberes a dificuldade no que toca a alimentos contaminados. Porque é fácil algo ser contaminado apenas pela água da chuva.


"Respirar... ainda bem que falas nisso, será o assunto de sexta-feira :)"
Fico à espera, mas cheira-me a "vírus" ou a imposto sobre o ar (Carbono)... :p

"Avisar de uma tentativa de holocausto não é extremismo é o combate ao extremismo, além disso o final do meu texto é claro. Não estou aqui para convencer ninguém."

Eu também não, mas se não quiseres que comente, avisa. Agora, se é para comentar, dou-te a minha opinião sincera. Sempre com jeitinho, mas doa a quem doer. :D

(continua)

  Fada

quarta-feira, julho 15, 2009 10:54:00 da tarde

(continuação)
"1- Se um cidadao pedir e pagar, tem o direito a receber uma amostra para análise.
2- Se um cidadão pedir e pagar qualquer laboratório a analisa, não é preciso dizer o que é, basta pedir um relatório de composição."

Não creio que seja assim tão fácil, pois estamos a falar de vírus e toxinas. Nem todos poderão estar preparados para isso, em termos de material, reagentes ou segurança.


"Mas a vacinação obrigatória começa onde?
Nas escolas!! Se eles vacinarem as crianças estão a vedar-lhes a oportunidade de criar anti-corpos e eles são o objectivo, pois eles são os trabalhadores de amanha, quanto mais frágeis forem mais fáceis serão de dominar."

Acerca disso já te pus os links relacionados com a vacinação obrigatória em PT, creio que no 1º post da Gripe A. Actualmente, só a de difteria e do tétano é que são obrigatórias; tu, como Pai, podes-te recusar a vacinar os teus filhos e a lei protege-te.


"Claro que há sempre quem não concorde, mas eles nunca irão arriscar a sua posição e as suas vidas por ovelhas adormecidas. Quando o povo acordar e vir que está a ser levado para o matadouro, aí e só aí esses dissidentes poderão aparecer, pois aí terão quem defender e quem os defenda. "

Que sejam bons pastores e nos vão alertando dos perigos/acordando. Porque se apenas "se deixam estar" à espera, serão tão culpados como os outros, que mais não seja pela inactividade e pela permissividade.


"Quem garante? A Eugenics garante, pois se nao for aprovado pela Eugenics, simplesmente não entra no mercado. A Eugenics são as nações unidas da medicina, nada é feito sem o seu aval."

Mas continuas a ter a possibilidade de não vacinar as tuas crianças. Ou de, eventualmente, antes de as vacinares, pedires uma análise à vacina.
Mau, é se vierem a ser impostas umas quantas mais vacinas obrigatórias... :s


"Já tentaram, basta procurares informações dos 11 virulogistas assassinados entre 2000 e 2001, todos de topo mundial."

Procurei um pouco, mas preciso de ajuda nisto. Links, nomes, mais dados? Não me sobra tempo, e se tiveres esses dados, facilitas-me muito a vida, sff.


"Terás de repetir as análises, pois estão erradas. 60% dos enlatados de exportação a nível mundial possuem aditivos à base de mercúrio ou derivados, derivados que mutam ao entrar no organismo."

Continuo sem encontrar nada disso. O que encontrei é o facto do peixe enlatado apresentar mercúrio, mas em que a fonte é o peixe E NÃO aditivos ou a lata, propriamente dita (a polémica das latas prendia-se mais com o Alumínio).
Também existem referências a aditivos alimentares que possam conter mercúrio, MAS esses aditivos não são á base de mercúrio, são à base de Algas (alginatos) e outras plantas (Guar, por ex) passíveis de terem sido contaminadas por mercúrio (pelas águas).
Se souberes de algum estudo que mencione o que dizes, mostra, que eu sou curiosa com tudo o que tem mercúrio... :p

E eu não faço análises, não preciso: consumo alguns enlatados (atum, cavala, sardinha, enguias, tomate, feijões, grão, milho, cogumelos) de vez em quando, e se tivessem mercúrio, acredita, eu dava conta... :s

Encontrei estes links, com algum interesse para esta conversa:

-http://www.nrdc.org/health/effects/mercury/hightower.asp (uma médica que fala na 1ª pessoa sobre os perigos do mercúrio)

-http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20612001000100002 (um estudo sobre o mercúrio no atum em lata)

-http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:2009:044:0062:01:PT:HTML (legislação sobre aditivos que mencionam os limites máximos de mercúrio, onde se referem os alginatos e cia..)

-http://msn.bolsademulher.com/corpo/materia/corpo_contaminado/5450/3
e
http://sucuri.cpd.ufsm.br/noticias/files/arq/16249.doc
(que mencionam outros contaminantes)

Beijitos

  Nandez

quinta-feira, julho 16, 2009 1:02:00 da manhã

bem bruno pode dizer.se que esmeraste neste post. so nao percebo bem essas analogias digamos assim com o MJ e a russia, é que se isso for verdade bem, penso que ainda estamos pior do que eu pensava, mas bruno continua nesse teu "acordar" de mentes,é pena é que o peixe miudo se lixa sempre. como diziam os mais velhos: anda meio mundo a fazer mal a outro meio mundo, penso que hoje é bem mais que isso... ficarei à espera dos textos que mencionaste em relação a este tema.
abraço

  Bruno Fehr

quinta-feira, julho 16, 2009 2:56:00 da tarde

Ricardo:

"Todos os "contra-factos" que expões tanto neste como em todos os teus posts são muito bem fundamentados, que a meu ver deitam por terra qualquer notícia que nos é chapada pela TV nos telejornais. Sobretudo aquelas em primeira mão, que usam estatégias de marketing jornalistico para transmitirem os que mais lhes convém, quer por caprichos das chefias quer por apenas querererem ser líders de audiência."

Esse é um dos motivos pelos quais evito escrever quando a noticia é fresca, eu não quero ser o primeiro da blogosfera a falar do assunto, eu quero ser um dos que possui dados para fazer certas afirmações ou levantar questões e para isso tenho de deixar todos falarem, buscar argumentos de ambos os lados e cruzar factos.
Acabo por escrever já sobre assuntos de semanas ou meses antes, mas isso acontece pois não sou um profissional nem do jornalismo nem da blogosfera.

Somos estimulados a acreditar na imprensa... já agora já reparaste no aumento de vezes em que "Nova Ordem Mundial" é mencionada? Isso é uma forma de impor o termo para que entre nas mentes e deixe de ser um papão.

A imprensa manipula e quem perceber isso, pega em informações dessas em primeira mão e aparentemente com imagens de suporte, e busca mais dados. Muitas vezes encontra o oposto, ou até não encontra nada, pois a noticia não existe.

"Já agora já lêste a historia sobre "Akrit Jaswal" um puto sobredotado indiano que quer descobrir a cura pra sida?"

Quer descobrir o que é possível, enfrentando a industria farmacêutica e colocando em causa o maior negócio de medicação, o AZT.
Ele poderá encontrar a cura, como até poderá e deverá ter já sido encontrada mas chegará tanto a nós como o carro que um Português inventou andava a água e que como não conseguia investimento para continuar o trabalho, vendeu a patente à Ford. Tal como a invenção de como retirar energia eléctrica da terra, mais uma patente comprada e colocada na gaveta.

  Bruno Fehr

quinta-feira, julho 16, 2009 2:56:00 da tarde

MPSPM:

"Este link pode ser interessante:
http://ezinearticles.com/?A-H1N1-Swine-Flu-Likely-Originated-in-US-Lab&id=2526695
Vale o que vale."

Não tenho dúvidas que o vírus surgiu nos EUA, é a única forma de explicar o motivo da contaminação ser superior à do México.

"Há tambem um dado interessante a referir, segundo a última actualização da OMS sobre o H1N1, apenas estão reportados 33.902 casos nos EUA dos quais resultaram 170 mortes. Este update é de 6 de Julho."

Está correcto. 33.902 casos tratados, a CDC (Central Desease Control), diz o mesmo mas foram os que lançaram a noticia que serão 1 milhão de infectados, mas obviamente que nem todos se dirigem a um hospital. Por isso criaram já os "centros de contenção", campos de quarentena que consistem em tendas de campanhas fazendo de hospitais improvisados em parques por todo o país. Até agora estão vazios.

"Numa primeira análise parece haver algo de muito errado com estes números, uma vez que seria de esperar que sendo as fontes de informação da OMS os serviços de saúde de cada País, estes dados deveriam ser exactos."

Eles são exactos, existe é discrepância entre os tratados e os contaminado. Além disso se a intenção é a vacinação obrigatória antes do inicio da época de gripe eles irão anuncia um numero assustador, seguido da abertura de centros de vacinação, que para mim são esses chamados "campos de contenção".

"A menos que se trate de um cover-up, ou que estes números estejam propositadamente a ser passados a conta-gôtas para dar uma imagem mais soft da capacidade de contágio do vírus."

Não me parece que seja isso, a própria Wikipédia fala nesse assunto, refere o numero de tratados e numero médio de possíveis contaminados estabelecido num milhão, mas que é um numero modesto segundo o centro da vacinação Americano.

  Bruno Fehr

quinta-feira, julho 16, 2009 2:57:00 da tarde

Fada:

Não vale de muito falar com vegetarianos, tenho amigos do mais radical que há são Vegan. Isso é um discussão sem lógica para ter comigo pois eu afirmo que o ser humano não é vegetariano, pode escolher se-lo. Não sei até que ponto a soja substitui alguma coisa, mas sei que vivo sem soja enquanto um vegetariano precisa de encontrar substitutos para a carne que não come.

O simples facto de teres de encontrar substitutos é prova da alimentação deficiente do vegeterianismo.
E nem me venham falar que não comem carne porque os animais sentem, pois não há dados que a plantas não sintam. Aliás há dados que existem reacções que poderão ser consideradas sentimentos. Num campo de couves, cortas uma e todas as outras emitem vibrações.

Até há pouco tempo dizíamos que os animais não pensam, que não são inteligentes, são unicamente espertos e usam do instinto de sobrevivência. Depois vemos animais a salvar a vida de humanos e outros animais. O cão que salvou um puto de morrer afogado. O cão do Chile que entrou numa autoestrada para retirar um cão que tinha sido atropelado. Um cão que atacou um touro que iria matar um homem.
Hoje sabemos que há inteligência nos animais, em que o golfinho é mais inteligente do que o ser humano, pelo menos sabe viver e nunca abandonam outro golfinho.
Em breve iremos admitir que as plantas sentem. E mais tarde iremos admitir que toda a vida é inteligente.

Nesse dia, os Vegan terão de dar um tiro na cabeça, pois o próprio oxigénio contém formas de vida :)


"Então, em primeiro lugar, vai reler o comentário que te fiz neste post: http://so-me-apetece-cobrir.blogspot.com/2008/02/o-plastico-e-biologico-so-pode.html e ao qual nunca respondeste, mas espero que tenhas lido."

Reparei agora que não respondi, mas a tua explicação para os preços mais altos não TEM razão de ser. Estás a tentar dizer-me que um cultura biológica tem de ter preços 3 vezes mais altos só porque produzem 3 vezes menos? Essa é a teoria da Portugal Telecom que disseram "Portugal só tem 10 milhões de habitantes a Alemanha tem 60 milhões", e isto para justificar as chamadas serem 6 vezes mais caras. Como temos menos pessoas temos de vender mais caro para ganhar o mesmo. Isso não faz qualquer sentido a nível económico, até porque as despesas de uma cultura biológica são centenas de vezes inferiores. Não possuem maquinaria por exemplo.

"Em 2º lugar, explica-me o que entendes por Agricultura biológica."

100% ausente de maquinaria, químicos ou aditivos.

"Em 3º lugar, quais foram as "coisas simples" que levaram ao fecho dessas empresas alemãs e que empresas foram essas."

Tapetes rolantes de transporte de ovos, maquinaria de empacotamento de frutas (pode ser usada para fechar embalagens, mas não para colocar a fruta dentro delas), tal como o uso de maquinaria e o contacto humano com animais em comida dita Kosher.

"Trabalhar como os amish poderá ser biológico, mas não é, de forma alguma, sustentável para as nossas exigências actuais de mercado."

Exactamente, entao nao lhe chamem biológico, chamem-lhe tradicional, até porque a palavra biológico significa que tem vida e em nada distingue um tipo de cultura. O próprio termo não faz sentido. O que há é produção industrial e tradicional e NUNCA o tradicional poderá competir, muito menos com preços 3 vezes mais altos de forma injustificada pois não possuem as mesmas despesas nem a nível de infraestruturas, nem equipamentos, nem recursos humanos. Os lucros são injustificáveis.

O que tu defendes é a cultura tradicional que em nada é mais ou menos biológica que qualquer outra. O próprio termo é uma treta de todo o tamanho.

(continua)

  Bruno Fehr

quinta-feira, julho 16, 2009 3:01:00 da tarde

"Mas se estiveres disposto a pagar preços alucinantes, diz"

Os preços já são alucinantes, saídos de mentes alucinadas. Um preço tem de ter justificação com base nas despesas de produção e não com os lucros de mercado. Pois isso assenta nas novas teorias de mercado de empresas de curta duração, "fazer o máximo de lucro com o mínimo de despesas e fechas esta merda depois de pedir uns subsídios e ir viver a reforma para o Brasil".

"Se tiveres alguma alternativa interessante à agricultura biológica ou ao Modo de Produção Integrado, apresenta-ma."

Tenho sim, se usas a cultura tradicional aplica os preços de venda aos gastos de produção e não ao lucros de mercado. Adapta o sistema à tua realidade e não ao mercado nacional ou internacional. Além disso deixem de ser referir a essa cultura e alimentos como biológicos pois por definição isso não faz qualquer sentido. Se é biológico é vida e esses produtos são tanto vida como qualquer outro.

"Porque é fácil algo ser contaminado apenas pela água da chuva."

Nunca uma contaminação de água da chuva atinge os níveis de contaminação dos aditivos colocados a não ser que sejam chuvas ácidas.

"Não creio que seja assim tão fácil, pois estamos a falar de vírus e toxinas. Nem todos poderão estar preparados para isso, em termos de material, reagentes ou segurança."

Não, estamos a falar de uma vacina supostamente livre de mercúrio. Uma analise num laboratório à composição dessa vacina não coloca ninguém em risco, aliás eles analisam tudo e qualquer coisa que leves lá, desde águas de nascentes ou furos, até amostras de comida de um restaurante e até mesmo um medicamento.

Fazem é as pessoas acreditar que isso não é possível, é, podes analisar qualquer produto que suspeites e os laboratórios facultam-te esses dados.

"Acerca disso já te pus os links relacionados com a vacinação obrigatória em PT, creio que no 1º post da Gripe A. Actualmente, só a de difteria e do tétano é que são obrigatórias; tu, como Pai, podes-te recusar a vacinar os teus filhos e a lei protege-te."

Parcialmente, pois se não tiveres a vacina contra o tétano não entras em diversos países no mundo, sem essa vacina é-te recusado trabalho em muitas empresas. Podes dizer não e a lei protege-te, mas a lei não está do teu lado quando precisares dela novamente.
Nas minhas viagens em trabalho à Ásia, não só eu tinha de ter essa vacina para entrar no país como teria de levar outras para me deixarem voltar sem ter ficar em quarentena.
Podes dizer não, mas tens de arcar com as consequências.

"Que sejam bons pastores e nos vão alertando dos perigos/acordando. Porque se apenas "se deixam estar" à espera, serão tão culpados como os outros, que mais não seja pela inactividade e pela permissividade."

Pode ser que eu um dia publique aqui um longo estudo sobre as elites, nele pode-se perceber que o problema deles é educativo e que nós somos só gado. Por mais que achem que é errado eles terão sempre um conflito de valores e não irão defender escravos que não lutam.

"Mas continuas a ter a possibilidade de não vacinar as tuas crianças. Ou de, eventualmente, antes de as vacinares, pedires uma análise à vacina."

No caso de H1N1 obrigatória não tens escolha, a vacinação é obrigatória ou compulsiva, ou levas, ou levas. Estamos a fugir ao assunto. Eu digo que esta tem mercúrio com todas, mas se esta for obrigatória não há fuga e quem vai sofrer são os velhos e doentes que representam despesas para o estado e as crianças na sua vida adulta.

"Procurei um pouco, mas preciso de ajuda nisto. Links, nomes, mais dados? Não me sobra tempo, e se tiveres esses dados, facilitas-me muito a vida, sff."

Por exemplo:
http://www.chemtrailcentral.com/ubb/Forum6/HTML/000623.html


"Continuo sem encontrar nada disso"

Sem saber o teu método de detecção não posso dizer mais sobre o assunto.

  Bruno Fehr

quinta-feira, julho 16, 2009 3:01:00 da tarde

Nandez:

"so nao percebo bem essas analogias digamos assim com o MJ e a russia, é que se isso for verdade bem, penso que ainda estamos pior do que eu pensava"

Estou a preparar dois textos sobre isso, que irá abordar todas as teorias que correm por aí.

  Fada

quinta-feira, julho 16, 2009 9:56:00 da tarde

Ok, vamos por partes:

Mercúrio e vacina:

Tu: “Mas águas com mercúrio é poluição, o mercúrio nos enlatados é colocado lá sob a forma de aditivo, sem nunca ter feito parte do processo de fabrico. Aceito melhor a poluição devido à industrialização, do que o envenenamento público devido a interesses de redução populacional e diminuição de esperança de vida.”

Eu não aceito a poluição melhor, pois essa afecta tudo e todos, não apenas os humanos vitimas de “gente má”.


Tu: “Não, estamos a falar de uma vacina supostamente livre de mercúrio. Uma analise num laboratório à composição dessa vacina não coloca ninguém em risco, aliás eles analisam tudo e qualquer coisa que leves lá, desde águas de nascentes ou furos, até amostras de comida de um restaurante e até mesmo um medicamento.
Fazem é as pessoas acreditar que isso não é possível, é, podes analisar qualquer produto que suspeites e os laboratórios facultam-te esses dados.”

Ok, vou-me informar se é assim tão simples. E quais os custos, pois esses podem ser, sem dúvida, um factor bem limitante. E já agora, tens os resultados da quantificação de mercúrio dessa vacina?


Tu: “Parcialmente, pois se não tiveres a vacina contra o tétano não entras em diversos países no mundo, sem essa vacina é-te recusado trabalho em muitas empresas. (…)
Podes dizer não, mas tens de arcar com as consequências.”
Como em tudo na vida, é uma questão de se ponderarem riscos/benefícios.


Tu: “No caso de H1N1 obrigatória não tens escolha, a vacinação é obrigatória ou compulsiva, ou levas, ou levas. Estamos a fugir ao assunto. Eu digo que esta tem mercúrio com todas, mas se esta for obrigatória não há fuga e quem vai sofrer são os velhos e doentes que representam despesas para o estado e as crianças na sua vida adulta.”

Concordo, se essa ou outra forem obrigatórias, não saberemos o que lá vem, além de mercúrio. Mas aí, cabe-nos na mesma mandar fazer uma análise e bater o pé. És tu que dizes que se formos 5% de pestana aberta, que as coisas pendem a nosso favor.


Tu: "Terás de repetir as análises, pois estão erradas. 60% dos enlatados de exportação a nível mundial possuem aditivos à base de mercúrio ou derivados, derivados que mutam ao entrar no organismo."

Eu: “Continuo sem encontrar nada disso. O que encontrei é o facto do peixe enlatado apresentar mercúrio, mas em que a fonte é o peixe E NÃO aditivos ou a lata, propriamente dita (a polémica das latas prendia-se mais com o Alumínio).
Também existem referências a aditivos alimentares que possam conter mercúrio, MAS esses aditivos não são á base de mercúrio, são à base de Algas (alginatos) e outras plantas (Guar, por ex) passíveis de terem sido contaminadas por mercúrio (pelas águas).
Se souberes de algum estudo que mencione o que dizes, mostra, que eu sou curiosa com tudo o que tem mercúrio... :p”

Tu: “Sem saber o teu método de detecção não posso dizer mais sobre o assunto.”

Creio ter sido clara, pedi-te os estudos ou o resultado das análises que apoiam o que afirmas. E que os aditivos são à base de mercúrio, e não, como eu refiro, à base de produtos contaminados por mercúrio.

  Fada

quinta-feira, julho 16, 2009 9:59:00 da tarde

Agricultura Biológica 1:

Tu: “Não vale de muito falar com vegetarianos, (…), pois o próprio oxigénio contém formas de vida :)”

Não foi para isso que te disse para falares com os veganos, creio que percebeste perfeitamente que me estava a referir ao facto de alguém vegetariano te poder explicar as desvantagens das proteínas animas, e disse-o no contexto de evitares intoxicações por contaminações ambientais.

“Mas as carnes, os peixes e os mariscos têm mais toxinas do que as plantas. Têm antibióticos, têm hormonas, têm substâncias para a engorda E as toxinas (agroquímicos e outros contaminates ambientais) provenientes das plantas de que se alimentam e do meio em que vivem. Apenas te digo que deves ter cuidado com o que comes, com a proveniência do que comes.(…)
abusamos das proteínas de origem animal. Mas creio teres uma comentadora (pelo menos), vegetariana, capaz de te explicar melhor as desvantagens inerentes a essa alimentação rica em proteínas animais.”

Eu não sou vegetariana, muito menos, vegana, mas assumo que exageramos no facto de comer proteínas de origem animal a todas as refeições principais (almoço e jantar).

“Estás a tentar dizer-me que um cultura biológica tem de ter preços 3 vezes mais altos só porque produzem 3 vezes menos? (…) Isso não faz qualquer sentido a nível económico, até porque as despesas de uma cultura biológica são centenas de vezes inferiores. Não possuem maquinaria por exemplo.“

Não, não foi isso que eu disse. Na lei da oferta e da procura, quanto mais raro for um produto e mais procura houver, maiores serão os preços. E justifiquei porque razão há menos produto e custos elevados.
“Mas em relação a serem mais caros, isso explica-se pela lei da oferta e procura (que deves conhecer melhor que eu) e pelo seguinte: não consegues produzir em modo biológico a mesma quantidade (nalguns produtos) que noutro modo de produção agrícola. (…) Além disso, a realização de determinadas técnicas culturais encarece a produção, por exigir mais mão-de-obra, por ex.”

  Fada

quinta-feira, julho 16, 2009 10:02:00 da tarde

Agricultura Biológica 2:

Tu: “Não possuem maquinaria por exemplo”.
Eu: "Em 2º lugar, explica-me o que entendes por Agricultura biológica."
Tu: “100% ausente de maquinaria, químicos ou aditivos.”

Errado. A Agricultura Biológica ou Ecológica ou Orgânica, permite, duma forma simplificada, a utilização de maquinaria, de químicos que não sejam de síntese (ex: enxofre, sim, Milraz, não) e de aditivos, desde que em condições específicas.

http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:2007:189:0001:0023:PT:PDF

http://ec.europa.eu/agriculture/organic/home_pt


Eu: "Em 3º lugar, quais foram as "coisas simples" que levaram ao fecho dessas empresas alemãs e que empresas foram essas."
Tu: “Tapetes rolantes de transporte de ovos, maquinaria de empacotamento de frutas (pode ser usada para fechar embalagens, mas não para colocar a fruta dentro delas), tal como o uso de maquinaria e o contacto humano com animais em comida dita Kosher.”

Pela legislação acima, poderás verificar que o uso de maquinaria não seria impeditivo, logo, temos 2 hipóteses: ou essas empresas não respeitaram alguma regra nacional, OU não foi esse o verdadeiro motivo para o fecho delas.
Já a comida Kosher tem regras próprias na produção e manuseamento, e aí, mesmo que a comida Kosher seja biológica, não quer dizer que a biológica seja Kosher. Como exemplos, em Penamacor existe um lagar com uma linha de produção de azeite kosher e na Covilhã, vende-se vinho kosher.
http://www.centrofundao.com/mpcore.php?name=Noticias&file=article&sid=2128

  Fada

quinta-feira, julho 16, 2009 10:04:00 da tarde

Agricultura Biológica 3:

Tu: “Exactamente, entao nao lhe chamem biológico, chamem-lhe tradicional, até porque a palavra biológico significa que tem vida e em nada distingue um tipo de cultura. O próprio termo não faz sentido. O que há é produção industrial e tradicional e NUNCA o tradicional poderá competir, muito menos com preços 3 vezes mais altos de forma injustificada pois não possuem as mesmas despesas nem a nível de infraestruturas, nem equipamentos, nem recursos humanos. Os lucros são injustificáveis.
O que tu defendes é a cultura tradicional que em nada é mais ou menos biológica que qualquer outra. O próprio termo é uma treta de todo o tamanho.”

O termo “biológico”, tem sido objecto de debate, tanto mais que existem as versões “ecológico” e “orgânico”. No entanto, o termo foi legalizado e apenas pode ser utilizado perante determinadas condições de produção e manuseamento.

“Tradicional” significa?... Referes-te à agricultura praticada pelos nossos avós, bisavós, antepassados, até que ponto? Só se quiseres ir mesmo ao ponto da não mecanização, mas aí, acredita, a mão-de-obra encareceria mais ainda o produto final, e nem toda a gente quer ter animais de carga ou andar com eles a lavrar os campos. E ninguém quer ser escravo, também.
Agora, um pouco de história da agricultura (a partir do surgimento dos agroquímicos):
1º) Agricultura em que se praticava a Luta Química Cega (época de ouro dos pesticidas, usava-se tudo à toa)
2º) Agricultura com Luta Química Aconselhada (Vulgarmente conhecido por Avisos Agrícolas)
3º) Agricultura com Luta Química Dirigida (início de cuidados económicos e ambientais)
4º) Agr. com Protecção (ou Luta) Integrada (Um processo de luta contra os organismos nocivos utilizando um conjunto de métodos que satisfaçam as exigências económicas, ecológicas e toxicológicas e dando carácter prioritário às acções fomentando a limitação natural dos inimigos das culturas e respeitando os níveis económicos de ataque)
5º) Agr. com Produção Integrada (Um sistema agrícola de produção de alimentos de alta qualidade e outros produtos, utilizando os recursos naturais e os mecanismos de regulação natural em substituição de factores de produção prejudiciais ao ambiente de modo a assegurar, a longo prazo, uma agricultura viável. – aqui dá-se mais atenção ao solo e à água que na anterior).
6º) Agricultura biológica (cujo maior problema é a dificuldade em responder às exigências do mercado quer em quantidade quer em qualidade em tempo oportuno).
7º) Agricultura sustentável (A utilização de recursos de origem natural e humana que satisfaça as necessidades actuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades essenciais)

Esta última é a ideal, mas (ainda) difícil de atingir.

  Fada

quinta-feira, julho 16, 2009 10:11:00 da tarde

Agricultura Biológica 4 (e final):

Tu: “Os preços já são alucinantes, saídos de mentes alucinadas. Um preço tem de ter justificação com base nas despesas de produção e não com os lucros de mercado. (…)".”

Já te expliquei parte dos preços, não duvidando que alguns serão inflaccionados, essencialmente pelas grandes superfícies. Ou julgas que a maçã que tu compras a 1€ /kg (para não dizer mais), teve esse preço no produtor?... Nem metade… :(

Tu: “Tenho sim, se usas a cultura tradicional aplica os preços de venda aos gastos de produção e não ao lucros de mercado. Adapta o sistema à tua realidade e não ao mercado nacional ou internacional. Além disso deixem de ser referir a essa cultura e alimentos como biológicos pois por definição isso não faz qualquer sentido. Se é biológico é vida e esses produtos são tanto vida como qualquer outro.”

Pela definição legal de produto biológico, fazem sentido e é uma forma de distinguir de outros modos de produção.
Gastos de produção que tu afirmas serem inferiores: “até porque as despesas de uma cultura biológica são centenas de vezes inferiores”.

Então, fazemos contas:
Tens um pomar com bichado.
- Se és um agricultor convencional, vês uma borboleta, aplicas um insecticida de largo espectro de acção, daqueles que mata tudo e mais alguma coisa.
Custo: Tractor + tractorista + insecticida + água. Danos ambientais enormes.
- Se és um agricultor em Produção Integrada, montas uma armadilha para borboletas, verificas quantos frutos estão bichados e só quando atinges um determinado nível, é que ponderas um tratamento com um insecticida específico, isto mesmo se tiveres feito “confusão sexual” no teu pomar, se tiveres aplicado cintas de cartão canelado nas árvores na geração anterior para diminuir a incidência da praga e se as condições climáticas estiverem contra ti, favorecendo a praga, (mas como queres evitar o tratamento, fazes tudo até não ser possível evitá-lo).
Custo: operadores para a contagem de 1000 frutos/ha, armadilha + feromona + meia hora de operador, difusores sexuais (para a confusão) + operadores, cartão canelado + agrafos + operadores para a colocação, operadores para a retirada a cada geração (podem ser 2 a 3) de bichado, e, então, se necessário, Tractor + tractorista + insecticida (especifico, logo, mais caro) + água.
Danos ambientais bastante menores que o anterior.
- Se estiveres em agricultura biológica, fazes basicamente o mesmo que o anterior, excepto a aplicação do insecticida convencional (mas podes aplicar um “insecticida” à base de vírus ou bactérias) e dos difusores, E ainda adquires refúgios para as aves e os morcegos, compras aves se não as houver no teu pomar, as tuas árvores deverão ser de variedades regionais mais resistentes ao bichado, logo, mais caras que as convencionais.
Custo: operadores para a contagem de 1000 frutos/ha, cartão canelado + agrafos + operadores para a colocação, operadores para a retirada a cada geração (2 a 3) de bichado, refúgios + operadores para a colocação de refúgios, aves, árvores mais caras, e, então, se necessário, Tractor + tractorista + insecticida (biológico) + água.
Danos ambientais quase inexistentes, mas de certeza, não irreversíveis.

Um pomar não tratado, pode ter perdas até 78% devido ao bichado, dependendo de vários factores.
Ou seja, tens muito trabalho, muitos custos, e menor produção.

Portanto, não me venhas dizer que os custos são centenas de vezes INFERIORES, e já percebeste que a mecanização é possível e desejável, e os custos em mão-de-obra bastante maiores.
Até porque estou a por a hipótese duma única praga a ser tratada uma única vez. Porque na realidade, há mais pragas e há doenças e a alimentação (fertilização) das plantas também tem de ser efectuada.

Dúvidas?...

Também não quero converter ninguém. Mas poderei estar muito mais dentro deste assunto do que tu, e a minha realidade ser bem diferente da tua.
Creio que, se consigo "entender" o teu mundo e os teus pontos de vista, também és inteligente para "entender" o meu.

Beijitos

  Jane Doe

sexta-feira, julho 17, 2009 12:09:00 da manhã

Fada, Bruno Fehr:

Bruno:
A vacina do tétano tem mercúrio? Então porque é que isso não está especificado na composição do medicamento? E é sabido como assim? Do conhecimento geral? Do conhecimento do público? As substâncias residuais não aparecem na formulação por serem residuais, é isso? Posso saber a fonte desses dados?
É que assim, como é que vou saber o que realmente vem nos excipientes, na composição de um medicamento se os considerados residuais são simplesmente omitidos por não terem relevância química?

Fada, em relação aos aditivos alimentares e o mercúrio:
“Nunca vi aditivos nos enlatados que eu como... Aliás, já vi nalguns, mas não no atum, nem nas sardinhas, nem na cavala, nem nos cogumelos, milhos, feijões ou grão, só naqueles que têm comida pré-feita, tipo feijoada, e esses não são aditivos à base de mercúrio, muitas vezes são apenas conservantes, à base de extractos de plantas...”
Já viste, nesses produtos aqueles conservantes designados por E621, etc? A maior parte têm mercurio na composição, mas inferior a 1mg por quilo. O mercurio não é completamente excretado pelo organismo, sendo que o de origem orgânica se pode alojar no cérebro, com os devidos danos. (Não me obrigues a por aqui tudo...) Numa lata de feijoada pré feita, cá em casa, nos conservantes aparece nitrato de potássio, que tem um teor de mercúrio de 0.3mg/kg. E outros conservantes que não são especificados.
Logo, sim, existe mercúrio nos aditivos alimentares, mas não é do conhecimento do público pois aparecem como E430 e ninguém vai ver o que isso é.
(No atum não vi nada, de facto)
“E eu não faço análises, não preciso: consumo alguns enlatados (atum, cavala, sardinha, enguias, tomate, feijões, grão, milho, cogumelos) de vez em quando, e se tivessem mercúrio, acredita, eu dava conta... :s”
Alguns deles têm.
Fada:
“Errado. A Agricultura Biológica ou Ecológica ou Orgânica, permite, duma forma simplificada, a utilização de maquinaria, de químicos que não sejam de síntese (ex: enxofre, sim, Milraz, não) e de aditivos, desde que em condições específicas.”
Errado, segundo a definição comum aceite para agricultura biológica. Isso não invalida que essa definição não seja, na aplicação do termo, 100% correcta. Além disso, mais naturais ou menos naturais, os componentes químicos estão lá. A única diferença entre o ácido salicilico proveniente do salgueiro e o ácido acetilsalicilico sintético é o grupo acetil que neste caso dimunui a toxicidade do produto. Ora, um vem directamente da planta, o outro vem do laboratório, e o mais prejudicial é o que provém da planta.
Os compostos estão lá de qualquer forma, mas em laboratório são mais controlados e ao contrário do que se possa pensar, tornam-se mais inócuos.
Em conclusão, porque hei-de pensar que o aditivo vindo da planta é mais saudável e menos perigoso que o vindo do tubo?
Pronto, e é isto.

Sorry.

  Jane Doe

sexta-feira, julho 17, 2009 12:51:00 da manhã

Bruno Fehr:

"60% dos enlatados de exportação a nível mundial possuem aditivos à base de mercúrio ou derivados, derivados que mutam ao entrar no organismo."

Não à base de mas com teor em!

  Fada

sexta-feira, julho 17, 2009 1:19:00 da manhã

Jane Doe:

Em relação à vacina, nada a acrescentar (este assunto dá-me alergia... ehehe).


Em relação aos aditivos, andei a cuscar todas as latas que tenho ali e não encontrei nada que não conhecesse (comi a de feijoada há duas semanas e ainda não repus...lol). OU porque tenho cuidado na escolha e só compro quando sei a que se referem os "E" (e eu leio sempre os rótulos), OU porque é omitido pelso fabricantes (possível e comprovável, daí ter pedido estudos ao Bruno Fehr).

Mas apesar de não ter visto nas latas (e procurei nas de mexilhões em escabeche, sardinhas em tomate, atum ao natural e em azeite, feijões e enguias da Murtosa), fui cuscar as bolachas e encontrei uma série de "E", simplesmente identificados pela sua nomenclatura de "E-###" e a dizer as funções. Em seguida, cusquei o que eram e passo a mencionar:

E-422 – humectante - glicerina
E-460 – estabilizador – celulose
E- 330 – acidificante – ácido citrico
E-341 – antiaglomerante – fosfato de cálcio

Nenhum deles tem mercúrio na composição.
Mas reafirmo, não serão "à base de mercúrio", mas sim provavelmente contaminados "com mercúrio", tal como refiro noutro comentário sobre os alginatos e também referes no teu outro comentário.
E o facto de os consumir, não significa que concorde com todas as coisas que adicionam aos alimentos, MAS gosto muito destas bolachas e dão-me jeito para levar quando saio. Ehehe


Em relação à AB, disseste:

"Errado, segundo a definição comum aceite para agricultura biológica. Isso não invalida que essa definição não seja, na aplicação do termo, 100% correcta."

Segundo a definição comum (ERRADA, e eu já me tinha apercebido disso por várias conversas com várias pessoas), a AB é quase aquilo que se chama "abandonológica", porque as pessoas pensam que não se trata, é só uma actividade recolectora, o que é mentira. Exige muito mais, se quisermos produzir correctamente, a nível técnico.


"Além disso, mais naturais ou menos naturais, os componentes químicos estão lá."

Nunca disse o contrário, são proibidos os químicos de síntese, excepcionalmente aceites se não houver outra forma de salvar a cultura ou o animal.


"A única diferença entre o ácido salicilico proveniente do salgueiro e o ácido acetilsalicilico sintético é o grupo acetil que neste caso dimunui a toxicidade do produto.
Ora, um vem directamente da planta, o outro vem do laboratório, e o mais prejudicial é o que provém da planta.
Os compostos estão lá de qualquer forma, mas em laboratório são mais controlados e ao contrário do que se possa pensar, tornam-se mais inócuos."

Nem sequer questiono isso. Também já se verificou que um herbicida à base de exsudações de eucalipto é muito mais perigoso do que o glifosato, pois nada cresce naquela terra durante 20 anos.
Mas se eu não puder ou não quiser usar herbicidas, tenho duas soluções culturais/técnicas: mulching ou enrelvamento. :)
Ambas muito mais favoráveis ao ambiente. :D


"Em conclusão, porque hei-de pensar que o aditivo vindo da planta é mais saudável e menos perigoso que o vindo do tubo?"

Os aditivos (alguns) são permitidos na AB, em função de determinadas condições/necessidades. Tal como diz na legislação.
Não serei eu a dizer-te qual é mais saudável, nem me ouvirás a defender tudo o que é "natural" (em oposição ao que é "fabricado", "artificial"), com unhas e dentes, MAS eu prefiro saber de onde vêm as coisas e decidir em função disso E acredito que não se pode deixar de estudar tudo isto e manter as pessoas informadas.

Por exemplo, existe muita boa gente a apanhar hipericão para vender para chás, devido às suas propriedades medicinais. EU não compro sem saber da origem e se são apanhadores autorizados, pois o mais provável é terem sido apanhados à beira duma estrada e estarem contaminados com fumo de escape e outras porcarias.

"Pronto, e é isto."
That's all, folks! :D

"Sorry. "

Da minha parte não sei de que te "sorryas", por mim, se precisas da benção, estás "sorryada"... lol

Beijitos :)

  Bruno Fehr

sexta-feira, julho 17, 2009 1:28:00 da manhã

Fada:

"Eu não aceito a poluição melhor, pois essa afecta tudo e todos, não apenas os humanos vitimas de “gente má”."

A poluição é uma consequência da industrialização, que no fundo mata a vida na terra mas não a terra, o planeta está e estará cá sempre e sem nós regenera, por isso não, não é tão grave quanto um crime directo a um ser humano, pois ainda estamos cá. Uma coisa é eu fumar atirando o fumo para a cara de alguém, outra é eu dar-lhe um tiro na cara.

"Ok, vou-me informar se é assim tão simples. E quais os custos, pois esses podem ser, sem dúvida, um factor bem limitante."

Os laboratórios não existem para outra coisa. Se são independentes e não pertencem ao estado, para que raio serviriam?

"E já agora, tens os resultados da quantificação de mercúrio dessa vacina?"

A vacina do tétano para adultos contém 25 mcg, as de crianças contém 0,3 mcg residual. A da gripe também tem mercúrio mas existe uma versão livre de mercúrio que é administrada a pedido, é a única coisa dentro da área da saúde que não é grátis na Alemanha, se não queres ser envenenado tens de pagar.
E qual o motivo, é muito simples a vacina sem mercúrio é nova, sempre nova, não há stock, pois o mercúrio é o conservante e dizer que o conservante é residual é treta. É com este principio, teoria, ou treta que ele é adicionada à comida em lata e Mercúrio não é uma palavra bonita de se escrever no rótulo. Tal como ninguém escreve Aspartame nos alimentos e bebidas sem açúcar, e ele está lá, e sim, é um veneno.

“Continuo sem encontrar nada disso. O que encontrei é o facto do peixe enlatado apresentar mercúrio, mas em que a fonte é o peixe E NÃO aditivos ou a lata, propriamente dita"

O atum na Alemanha que vem na sua maioria de Portugal e Espanha apresenta valores de 0.118 mcg em forma de peixe ou posta, esse valor dispara para 0.852 em lata... de onde vem este valor? Reproduz-se em vácuo?

"Se souberes de algum estudo que mencione o que dizes, mostra, que eu sou curiosa com tudo o que tem mercúrio... :p”" Basta procurares por duas palavras chave "mercúrio e conservante", pois é como conservante que ele é usado em quase tudo.

  Jane Doe

sexta-feira, julho 17, 2009 1:45:00 da manhã

Fada:

E341: Teor em mercúrio não superior a 1mg/kg.

E330: Teor em mercúrio não superior a 1mg/kg

E460: Teor em mercúrio não superior a 1mg/kg.

Aqui: http://ec.europa.eu/food/fs/sfp/addit_flavor/flav14_pt.pdf

E eu falo em Teor. Não digo que seja a composição pois o teor destes metais pesados, tais como o mercúrio, o chumbo e etc, provavelmente não são considerados ainda que tenham de ser descritos e aprovados em decretos de lei.


Quanto ao E422, não vi mas não vou esmiuçar a net só por isso.

Quanto ao resto está tudo dito, eu acho.

  Fada

sexta-feira, julho 17, 2009 2:26:00 da manhã

Bruno:

Agora não tenho tempo para ver tudo como deve ser mas uma das hipóteses para o facto do mercúrio ser mais alto no enlatado pode-se prender com o processo de fabrico "normal", ou seja, cozido em água (contaminada com mercúrio, ou não) e pelo facto de 100 gramas de peixe fresco terem menos gordura do que 100 gramas de peixe enlatado, o que varia logo a concentração de tudo o que é lipossolúvel (como o metilmercurio), diria eu.

"Quanto à forma como este peixe é mais conhecido, vulgarmente, dentro de uma lata, diz Elsa Feliciano que «mantém as mesmas características a nível nutricional, mas o teor de sódio e a gordura são superiores à do peixe fresco»." in http://www.jasfarma.pt/artigo.php?publicacao=ms&numero=112&artigo=10&showcomments=1

Jane:

Os valores referem-se à pureza, e isso quer dizer que, para serem aceites como aditivos terão de ter, NO MÁXIMO, os valores apresentados. O que não significa que tenham mais que "0,000000mg/kg".

O E-422 está na página 74 do fivheiro que adicionaste e menciona os mesmos valores de "teor não superior a 1mg/kg".

beijitos a ambos e boa noite :)

  Fada

sexta-feira, julho 17, 2009 2:40:00 da manhã

Chiça, hoje não durmo.... :p

Lembrei-me de mencionar outra coisa acerca do atum.
Aquilo que tenho lido é que os enlatados, ao serem feitos com peixes mais pequenos, não têm tanto mercúrio quanto o peixe fresco, por este ser maior e ter-se alimentado mais (contaminado mais); além do mais, pode variar a proveniência entre o peixe que depois é enlatado e o peixe que é vendido fresco e só por isso fazer essa diferença.

Beijitos

  Bruno Fehr

sexta-feira, julho 17, 2009 2:58:00 da manhã

Fada:

"creio que percebeste perfeitamente que me estava a referir ao facto de alguém vegetariano te poder explicar as desvantagens das proteínas animas"

Não existem desvantagens, a única desvantagem é o exagero ou uma alimentação só de carne. Numa alimentação equilibrada a proteína animal é tão necessária como qualquer outra. A ultima vez que vi a roda dos alimentos ainda tinha lá o belo do bife e da costoleta de porco.

"Apenas te digo que deves ter cuidado com o que comes, com a proveniência do que comes.(…)"

É por ter esse cuidado e com as dicas que me dás em relação ao que leva os preços a serem elevados, que faço questão de cortar de vez tudo o que é rotulado de biológico, pois só o nome irrita de ser tão mal utilizado.

"Não, não foi isso que eu disse. Na lei da oferta e da procura, quanto mais raro for um produto e mais procura houver, maiores serão os preços."

Sim, se estivermos a falar de ouro, diamantes, petróleo porque são coisas que possuem uma tabela de mercado global que tem em conta a oferta e a procura. Isso não se aplica aos tomates.
Se eu tenho 10 diamantes e 10 compradores e tu tens 1 diamante e 10 compradores, só porque o teu diamante tem mais procura que os meus, ele não vale mais. Poderá valer mais se te oferecerem mais dinheiro por ele.
No supermercado não andamos a regatear preços.

A alimentação deverá basear-se sempre nos preços de produção e nunca quotizar a produção como se estivessem na bolsa de valores, é por isso que chamo à cultura "biológica" a venda da banha da cobra do séc XXI.

Quer dizer eu comprei todas as acções de uma empresa e só porque há procura pratico o perco que quero? Não, isso não me seria admitido, poderia vender ao preço que eu bem entender, mas isso seria viciação de mercado e iria preso 8 anos. Isto que porque existe a bolsa de valores que é a entidade reguladora, e é uma entidade reguladora que faz falta para controlar este negócio novo do "biológico".

(continua)

  Bruno Fehr

sexta-feira, julho 17, 2009 2:59:00 da manhã

Bonitos links sim senhora, ora o ponto (9) refere:
"Os organismos geneticamente modificados (OGM) e os
produtos obtidos a partir de OGM ou mediante OGM são
incompatíveis com o conceito de produção biológica e com
a percepção que os consumidores têm dos produtos
biológicos. Em consequência, não deverão ser utilizados
na agricultura biológica nem na transformação de produtos
biológicos."

Mas o ponto (10) refere:
"O objectivo é o de que a presença de OGM nos produtos
biológicos seja tão reduzida quanto possível."

Primeiro não pode, mas depois já pode e não estabelece limites o limite é o mínimo possível, mas não pode, ou pode? Sei lá, nem quem escreveu isto sabe pelos vistos.

Ponto (11)
"A agricultura biológica deverá utilizar sobretudo recursos
renováveis dentro de sistemas agrícolas organizados à escala
local. Com vista a minimizar a utilização de recursos não
renováveis, os desperdícios e subprodutos de origem vegetal
e animal deverão ser reciclados, a fim de restituir os
nutrientes à terra."

Por acaso o plástico é reciclável em plástico caso contrário...

Ponto (20)
"Os géneros alimentícios transformados só deverão ser
rotulados como biológicos se todos ou quase todos os
ingredientes de origem agrícola forem biológicos."

Mas afinal o que é que eles acham que significa biológico?
O meu dicionário diz: biológico adj. Da biologia ou a ela relativo.
Ora Bio é vida e logia é ciência
. Porque motivo a agricultura tradicional é mais viva que qualquer outra, é o mesmo produto abordado de forma diferente, mas TUDO é biológico.

"Ecológica ou Orgânica"

No então os rótulos dizem Bio, a comida industrial deveria dizer "morta". Com ecológica concordo, orgânica volto a discordar pois um tomate "bio" é tão orgânico como qualquer outro.

"Pela legislação acima, poderás verificar que o uso de maquinaria não seria impeditivo, logo, temos 2 hipóteses: ou essas empresas não respeitaram alguma regra nacional, OU não foi esse o verdadeiro motivo para o fecho delas."

O verdadeiro motivo foi esse mesmo, a fiscalização dos ovos mostraram quando iluminado com raios UV, marcas de uma passadeira que provam que as galinha colocavam os ovos directamente numa passadeira mecânica tal como em qualquer produção industrial. Isso não é legal em lugar nenhum.

Além disso não encontrei referencia nenhuma no documento à utilização de maquinaria, mas seguindo a regra do documento, deverá ser a mínima possível... (sim é ironia :))

Estes documentos possuem mais buracos que uma passador, para eles é tudo restringido ao mínimo possível, sendo esse mínimo possível, possivelmente diferente de produtor para produtor. Artigo 7b) reduzir ao mínimo os aditivos, lá está seria importante definir o máximo e não falar em mínimo e muito menos "possível".

e continua "a duração do transporte dos animais e´reduzida ao mínimo", é tudo mínimo e não sabemos que mínimos são esses.
Isto é como o meu patrão dizer para eu faltar ao trabalho o mínimo possível e eu ir uma vez por semana, pois é o meu mínimo. Visto que não há valores estabelecidos existe uma janela legal que é uma parede inteira deitada abaixo.

(continua)

  Bruno Fehr

sexta-feira, julho 17, 2009 3:01:00 da manhã

"Já a comida Kosher tem regras próprias na produção e manuseamento, e aí, mesmo que a comida Kosher seja biológica, não quer dizer que a biológica seja Kosher."

Por definição, toda a comida de origem animal ou vegetal é biológica, é melhor usar o termo ecológica mas só se a maquinaria que não deveria existir usar gasolina verde sem chumbo, pois regra geral é a diesel e aí lá se vai o ecológico.

"O termo “biológico”, tem sido objecto de debate, tanto mais que existem as versões “ecológico” e “orgânico”. No entanto, o termo foi legalizado e apenas pode ser utilizado perante determinadas condições de produção e manuseamento."

Um merecido debate que deveria abranger o termo orgânico também, pois até o Macdonalds é orgânico, o KFC já não, pois é sintético. Quanto ao ecológico, só se o tractores não forem a diesel :)

"Referes-te à agricultura praticada pelos nossos avós, bisavós, antepassados, até que ponto? Só se quiseres ir mesmo ao ponto da não mecanização, mas aí, acredita, a mão-de-obra encareceria mais ainda o produto final, e nem toda a gente quer ter animais de carga ou andar com eles a lavrar os campos."

Não querem ser ecológicos? Em opção arranjem tractores a água. É que se a maquinaria é a mesma, só se varia na utilização de químicos que são usados ao mínimo possível, os aditivos ao mínimo possível, etc, etc, no fundo o produto final é a mesma coisa mas 3 vezes mais cara.
E como resposta à tua pergunta, sim, pagaria mais se fosse um produto que fizesse jus ao termo.

"E ninguém quer ser escravo, também."

Se forem pagos não são escravos, se bem que tecnicamente todos o somos.
Cavar faz calo? E então? É um trabalho como qualquer outro.

"6º) Agricultura biológica (cujo maior problema é a dificuldade em responder às exigências do mercado quer em quantidade quer em qualidade em tempo oportuno)."

Ora lá está. A quantidade existe pois vejo o supermercado sempre cheio e só faço compras ao fim do dia, o que eu questiono é a qualidade dessa quantidade. Sempre questionei e ainda não encontrei respostas. Nem nunca vou encontrar, pois o controlo na produção é porto de zero, os problemas são detectados por associações de consumidores já com os produtos no mercado.

"Já te expliquei parte dos preços, não duvidando que alguns serão inflaccionados, essencialmente pelas grandes superfícies. Ou julgas que a maçã que tu compras a 1€ /kg (para não dizer mais), teve esse preço no produtor?... Nem metade… :("

Correcto, nem metade, mas a maca que compro a 50 cêntimos o quilo o produtor nem um terço recebeu. Não importa por onde lhe queiram pegar, os lucros por unidade são superiores ao lucros por unidade de qualquer outro tipo de agricultura enquanto as despesas não serão superiores, poderão usar produtos de fertilização e alimentação mais caros, mas são produções mais pequenas, menos maquinaria, menos funcionários, logo menos despesas.

Sei de fonte segura aqui na Alemanha que os supermercados inflacionam os produtos (pseudo)biológicos na mesma proporção dos não (ditos não)biológicos, em 35%. Isto significa que um produto Bio que é 3 vezes mais caro, já sai do produtor sendo 3 vezes mais caro e não é inflacionado no preço seguindo essa norma que referiste de oferta/procura. Isso é uma norma dos produtores por não haver um controlo querendo lucros disparatados.

Na minha opinião, uma abuso da confiança das pessoas que acham que é mesmo 3 vezes mais caro produzir esse produto.

(continua)

  Bruno Fehr

sexta-feira, julho 17, 2009 3:01:00 da manhã

"Se és um agricultor em Produção Integrada, montas uma armadilha para borboletas, verificas quantos frutos estão bichados e só quando atinges um determinado nível, é que ponderas um tratamento com um insecticida específico, isto mesmo se tiveres feito “confusão sexual” no teu pomar, se tiveres aplicado cintas de cartão canelado nas árvores na geração anterior para diminuir a incidência da praga e se as condições climáticas estiverem contra ti, favorecendo a praga, (mas como queres evitar o tratamento, fazes tudo até não ser possível evitá-lo)."

Pela lei, podes usar o o mesmo que o outro agricultor, desde que o facas até ao mínimo possível.
Então e as outras despesas do outro produtor, com várias vezes mais maquinaria, mais funcionários, possivelmente uma rede de transportes, o que aumenta despesas de água e luz, e como é um produtor maior consequentemente mais clientes e maior despesa telefónica.
Os gastos dele não são com toda a certeza 3 vezes menores.



"Dúvidas?..."

Todas, até porque a documentação que me facultaste deixou-me a pensar se quem escreveu aquilo, leu o que escreveu. Mas seguindo o mote desse documento, vou manter as dúvidas ao mínimo possível, ehehehehe

Sei perfeitamente que estou a ter um discussão no teu campo, uma discussão que está no texto errado, MAS não concordo com todo o mundo da cultura biológica, não é nada de pessoal, é desde as bases em que a teoria é assente, até ao preco final, passando pela regulamentação Europeia, há lacunas dignas de uma republica das bananas (biológicas claro).

Não há mínimos estabelecidos, não há limitações, tudo o que é por um lado proibido poderá ser permitido se o mínimo que ninguém sabe quanto é for respeitado. Em primeiro lugar terá de haver uma lista de produtos proibidos, estabelecer os mínimos aceitáveis, referir que maquinaria pode ou não ser usada e que tipos de combustível deverão usar e sobre tudo a regulamentação dos preços.

  Bruno Fehr

sexta-feira, julho 17, 2009 3:01:00 da manhã

Jane Doe:

"A vacina do tétano tem mercúrio? Então porque é que isso não está especificado na composição do medicamento?"

As vacinas levam mercúrio como conservante, acreditas que tudo o que está no rótulo é tudo o que está lá dentro?
Se recuares um pouco no tempo irás lembrar-te da polémica do Ferro. O Ferro é bom para as crianças, elas devem ter uma alimentação rica em Ferro e em pouco tempo todos os cereais matinais diziam na caixa RICO EM FERRO e na composição lá estava o Ferro em níveis altos para sermos fortes. Meses depois aparece outro estudo, "ah e tal, afinal o Ferro em excesso é cancerígeno", e num passo de magia o Ferro desaparece do destaque nas caixas E NA COMPOSIÇÃO.

Lembro-me perfeitamente disto nos meus Golden Grams.
Retiraram o Ferro? Adicionaram o Ferro? Mas onde no produto ou simplesmente na caixa?

"E é sabido como assim? Do conhecimento geral? Do conhecimento do público? As substâncias residuais não aparecem na formulação por serem residuais, é isso? Posso saber a fonte desses dados?"

Tiomersal, está na composição oficial e é parte mercúrio, além disso já foi considerado veneno e causador de autismo.

"É que assim, como é que vou saber o que realmente vem nos excipientes, na composição de um medicamento se os considerados residuais são simplesmente omitidos por não terem relevância química?"

Não sabes, tu és a cobaia. Daí ter morrido tanta gente nas primeiras vacinações da gripe, todos eles alérgicos a penicilina.

"Já viste, nesses produtos aqueles conservantes designados por E621, etc? A maior parte têm mercurio na composição, mas inferior a 1mg por quilo. O mercurio não é completamente excretado pelo organismo, sendo que o de origem orgânica se pode alojar no cérebro, com os devidos danos."

O mercúrio entra por ser conservante e sim, ele fica no corpo, por isso não importa o quanto a quantidade é pequena, pois de grande parte fica no corpo, ele é acumulável.

"Numa lata de feijoada pré feita, cá em casa, nos conservantes aparece nitrato de potássio, que tem um teor de mercúrio de 0.3mg/kg. E outros conservantes que não são especificados."

Eu gosto é desses não especificados? Sei lá Cianeto?


"A única diferença entre o ácido salicilico proveniente do salgueiro e o ácido acetilsalicilico sintético é o grupo acetil que neste caso dimunui a toxicidade do produto. Ora, um vem directamente da planta, o outro vem do laboratório, e o mais prejudicial é o que provém da planta."

Ui, a sério? Então é mais seguro chupar uma aspirina do que um Salgueiro?

"Em conclusão, porque hei-de pensar que o aditivo vindo da planta é mais saudável e menos perigoso que o vindo do tubo?"

Com isso concordo, por revoltei tanto naturalista na minha defesa dos transgénicos. Felizmente o que não faltou naquele texto foram biólogos e até um biólogo a formar-se em genética.


"Não à base de mas com teor em!"

No fundo o veneno está lá e visto que o corpo não o liberta e ele está presente nem que seja de forma residual, o que temos é um envenenamento lento. Juntas isso ao Fluor e ao Aspartame e estão todos fodidos, desculpem o meu Francês.

  Jane Doe

sexta-feira, julho 17, 2009 1:07:00 da tarde

Fada:

"Os valores referem-se à pureza, e isso quer dizer que, para serem aceites como aditivos terão de ter, NO MÁXIMO, os valores apresentados. O que não significa que tenham mais que "0,000000mg/kg"."

Pelo que li, nas composições dos aditivos alimentares, alguns não apresentam qualquer referência a teores de mercúrio. Ou seja, se tem teor, é porque tem algum valor de.

Bruno Fehr:

"As vacinas levam mercúrio como conservante, acreditas que tudo o que está no rótulo é tudo o que está lá dentro?"

Eu não digo que acredite, mas não deixa de ser grave que eu (neste caso a Fada) peça uma informação ao Infarmed e o Infarmed me minta, assim como mente a qualquer profissional de saúde. E sim, eu sei que isso é possível, claro que sei.

"Tiomersal, está na composição oficial e é parte mercúrio, além disso já foi considerado veneno e causador de autismo."

Mas que composição oficial?! No folheto cedido pelo infarmed temos formaldeido, hidróxido de aluninio e cloreto de sódio. Isto tem vestigios de mercurio?! (Ah, e a água para preparações injectáveis)

Eu estou a basear-me unicamente no folheto deixado pela Fada, mas que deveria ser o que está na bula e que deveria ser o oficial.

"Eu gosto é desses não especificados? Sei lá Cianeto?"

Nunca se sabe, mas uma pessoa fica a olhar e a perguntar-se, mas QUE conservantes?!

Ah, e os aditivos para além do teor em mercúrio que eu andei para ai a falar, têm teores em chumbo e arsénio e cádmio, tudo belos metais.

"O mercúrio entra por ser conservante e sim, ele fica no corpo, por isso não importa o quanto a quantidade é pequena, pois de grande parte fica no corpo, ele é acumulável."

Sim, se eu estiver a consumir 0.00001mg durante anos e anos, a coisa acaba por ter as suas consequências.

"Ui, a sério? Então é mais seguro chupar uma aspirina do que um Salgueiro?"

Sim por duas razões. Quando tomas uma aspirina sabes que estás a tomar 500mg de ácido acetilsalicilico, e quando chupas folhas de salgueiro não sabes a quantidade de composto que tem. Pode ter um teor super baixo como pode ter um teor super elevado. O ácido salicilico, extraído da folha de salgueiro em forma de álcool salicilico, tem propriedades queratolíticas, meaning esfoliantes,para além das anti inflamatórias, o que significa que se tomas ácido salicilico levas com um tratamento de esfoliação nas paredes do estômago, o que não é lá muito agradável.

"Juntas isso ao Fluor e ao Aspartame e estão todos fodidos"

E ao chumbo e ao arsénio que estão presentes em quase todos. Claro, em teores ínfimos. E é estamos, não estão, que tu não te escapas.

  Bruno Fehr

sexta-feira, julho 17, 2009 2:41:00 da tarde

Jane Doe:

"Eu não digo que acredite, mas não deixa de ser grave que eu (neste caso a Fada) peça uma informação ao Infarmed e o Infarmed me minta, assim como mente a qualquer profissional de saúde. E sim, eu sei que isso é possível, claro que sei."

Aqui a questão é que a Fada questionou sobre a vacina do Tétano, uma pergunta tão vaga que dá para escolher a resposta. E digo isto porque existe DEZENAS vacinas contra o tétano, e julgo que quando questionado o infarmed irá escolher a mais "suave" das CINCO usadas em Portugal para apresentar. Entao temos:

- DTP
- DTPa
- DT

Estas 3 são para crianças.

- dT
- ATT

Estas duas são para adultos.

Apesar da doença ser a mesma somos durante a vida injectados com 5 formulas diferentes para o mesmo efeito, um cocktail e isto não nos é dito, nós pensamos que estamos sempre a levar a mesma vacina. Ou seja cada vez que se vai levar uma vacina visto que não temos conhecimento das diferenças entre elas, fica à consideração do médico... na verdade fica à consideração de uma enfermeira pois não me lembro de em Portugal alguma vez um médico me ter administrado uma vacina.

A letra D designa difeteria, a T significa Tétano, as primeira 4 vacinas são 2 em 1.

"Mas que composição oficial?! No folheto cedido pelo infarmed temos formaldeido, hidróxido de aluninio e cloreto de sódio. Isto tem vestigios de mercurio?! (Ah, e a água para preparações injectáveis)"

É isso que diz? É engraçado pois mesmo que não tivesse Timerosal teria de ter derivados de
amónio quaternário. Visto que em 2001 dizem que o Timerosal foi retirado de várias vacinas nos EUA e Europa, mas ainda não todas e quando não há Timerosal terá de haver derivados de amónio quaternário, visto que é o que está a ser usado por alguns laboratórios para o substituir.
Ora se não falam nem num, nem no outro e um deles é preciso e visto que o amónio quaternário é em principio inofensivo... o que achas que está na vacina?

Quer queiram quer não, retirar um produto que se quer substituir do folheto de composição, faz milagres para com a opinião pública. Agora se as farmacêuticas não destroem produtos contaminados que sabem que estão a matar pessoas, iria destruir vacinas com Timerosal?

A pergunta interessante a fazer ao Infarmed, seria quais a vacinas em Portugal que NÃO possuem Timerosal, se a resposta for nenhuma das duas uma. Ou estamos na vanguarda no que toca a vacinação, ou estamos a ser enganados. Quando falo de Portugal não consigo aceitar a primeira opção.

Pois na verdade a norma de retirada de mercúrio e derivados das vacinas prende-se com o autismo e essa retirada foi UNICAMENTE FALADA nas vacinas infantis. Ou seja das 5 que apresento, as 3 primeiras são as únicas. Os EUA retiraram em 2001, na Europa em 2005 isso ainda se discutia, em Agosto de 2008 o Timerosal ainda era utilizado.

Em caso de interesse, aqui fica uma pergunta colocada à comissão Europeia que está desde o dia 4 de Agosto de 2008 à espera de resposta e não acho que queiram responder:

http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?pubRef=-//EP//TEXT+WQ+E-2008-4469+0+DOC+XML+V0//PT

Alem disso o Timerosal é só um nome giro para esconder um bem mais assustador que é Etilmercurio.


"Sim, se eu estiver a consumir 0.00001mg durante anos e anos, a coisa acaba por ter as suas consequências."

0.0001mg é um valor quase politico por ser minimalista demais, para mim está ao lado do valor 0% de Fluor na água. Pois se cada vez mais se encontra mercúrio e derivados em tudo e mais alguma coisa, o consumo diário será muito superior e esse processo de anos será em muito, reduzido.

  Fada

sexta-feira, julho 17, 2009 11:45:00 da tarde

Bruninho querido :) :

Estou a entrar num período em que não terei muito tempo para comentar blogues (especialmente o teu, que me rouba mais tempo e me dá mais trabalho a responder que os outros todos juntos :p), MAS estes assuntos (AC, MPRODI, AB, AS e Hg) não estão esquecidos nem ficarão, se não te responder nos próximos dias, responderei no próximo mês, ano, século... ;)
Ok? :)

Se entretanto quiseres, tenho todo o gosto em convidar-te para almoçar/jantar em minha casa, para discutirmos isto pessoalmente, um dia destes, e o menú será:

Entradas: Melão "Bio" com presunto "MProdi"

Prato principal:
Esparguete (Bio) de atum (enlatado) e cogumelos (Bio)

Sobremesa:
Tiramisú* (com queijo mascarpone da Galbani, palitos la reine, ovos, café, chocolate e açúcar, tudo AC)

O vinho, podes escolher e trazer tu! :p

O convite-desafio está lançado! :D


Beijitos :)



* lê-se "Tira-me-isso-da-frente-senão-eu-como", pois é... Delicioso!

  Jane Doe

sábado, julho 18, 2009 12:30:00 da manhã

"Bruninho querido": (Coisa tão fofa!)

"Apesar da doença ser a mesma somos durante a vida injectados com 5 formulas diferentes para o mesmo efeito"

Obrigada. Fui lá investigar e sim, aparecem as 5 versões da vacina. E realmente o Infarmed deu apenas um nome. Deviamos perguntar quais das vacinas têm mercúrio.
Quanto ao amónio quaternário nunca tinha ouvido falar, mas lerei sobre isso. O que já li dessa substância é que é tóxico mas ainda não fiz nenhuma pesquisa.

"o que achas que está na vacina?"

Não sei, mas devia saber!

Já conhecia o link.
Se não respondem é, de facto uma pena pois as perguntas são importantes e pertinentes.

"0.0001mg é um valor quase politico por ser minimalista demais, para mim está ao lado do valor 0% de Fluor na água. Pois se cada vez mais se encontra mercúrio e derivados em tudo e mais alguma coisa, o consumo diário será muito superior e esse processo de anos será em muito, reduzido."

Eu aqui expliquei-me mal. Queria dizer exactamente o que disseste.

  Vani

segunda-feira, julho 20, 2009 3:30:00 da tarde

Nada me tira da cabeça que o H1N1 não passou de um teste de controloe contenção de doenças, a todos os níveis. Quer tenha sido criado, que tenha sido aproveitado, o H1N1 foi e continua a ser um teste ou um estudo, chamem-lhe o que quiserem, sobre a capacidade que os países de hoje têm em controlar/conter uma possível pandemia, com tudo o que isso implica.
Claro que, pelo meio, ainda temos os interesses das multinacionais farmaceuticas, que tudo fazem para ganhar uns trocos...porque julgas que não existe ainda uma vacina para o HIV ou uma cura para a SIDA?...mmm...ah pois...não é por falta de informação, não...é pela mesma razão que as farmacêuticas se recusam a tornar a distribuição de retrovirais e afins grátis nos países de 3º mundo...não dá lucro.

  Bruno Fehr

segunda-feira, julho 27, 2009 3:35:00 da manhã

Fada:

"(especialmente o teu, que me rouba mais tempo e me dá mais trabalho a responder que os outros todos juntos :p)"

Isso é bom ou mau? Assim-assim?

  Bruno Fehr

segunda-feira, julho 27, 2009 3:36:00 da manhã

Jane Doe:

"Quanto ao amónio quaternário nunca tinha ouvido falar, mas lerei sobre isso. O que já li dessa substância é que é tóxico mas ainda não fiz nenhuma pesquisa."

Vi isso num pdf do site da EU.

  Bruno Fehr

segunda-feira, julho 27, 2009 3:36:00 da manhã

Vani:

"Nada me tira da cabeça que o H1N1 não passou de um teste de controloe contenção de doenças, a todos os níveis. Quer tenha sido criado, que tenha sido aproveitado, o H1N1 foi e continua a ser um teste ou um estudo, chamem-lhe o que quiserem, sobre a capacidade que os países de hoje têm em controlar/conter uma possível pandemia"

Mas o teste ainda não acabou, e poderá surgir a obrigação da cura. A OMS pode obrigar os 194 países a impor a vacina e até suspender os governos que não seguirem essas directivas, colocando no poder uma comissão de emergência.

Parece piada mas não é, uma directiva da ONU.