Lancei um livro...


Sim é verdade lancei um livro. Hoje pela manhã quando vieram os homens da recolha do papel, lancei um livro pela janela em direcção ao meu caixote do lixo.

O livro: The God Dellusion
O autor:
Richard Dawkins

Quem é Richard Dawkins? A profissão que ele usa como rótulo para lhe dar uma certa credibilidade é:
Professor para a compreens
ão pública da ciência na universidade de Oxford. Mas o seu papel de activista Ateu, orador Ateu e escritor de livros Ateus, é que lhe dá a maior fatia dos seus rendimentos. É pago para falar mal mas raramente o faz de forma inteligente, sendo a sua especialidade, o discurso insultuoso.

O que é um professor para a compreens
ão publica da ciência? É um gajo que não percebe o suficiente de ciência para ensinar quem já sabe alguma coisa, por isso só lhe resta ensinar quem quase nada sabe... o público, a população em geral.

Os Ateus são na verdade Agnósticos, só que não sabem que o são e apresentam-se como Ateus. Os únicos verdadeiros Ateus, são os que são radicais e afirmam por a+b, que a não existência de Deus é um dado adquirido, porque os religiosos não conseguem apresentar provas de que ele existe... Bem... se eu fosse religioso pediria aos Ateus para apresentarem provas de que ele não existe! Acho que é um pedido válido!

No seu livro, Dawkins ofende os Agnósticos, chamando-lhes de "fence sitters". Ora um "fence sitter" é uma espécie de Humpty Dumpty que está em cima de um muro. De um lado os Ateus, do outros os Crentes e o Agnóstico está em cima do muro a ver quem ganha para se juntar ao vencedor. ERRADO e está errado porque o Agnóstico n
ão é radical e sabe que nem os Ateus nem os Crentes vão conseguir provar as sua teorias.
Ser Agnóstico é ser o oposto de Gnóstico. Portanto um Agnóstico n
ão acredita em Deus, e isto separa-o dos Gnósticos, mas o Agnóstico não afirma que Deus não existe, pois não tem provas e isto distingue-o do Ateu. Um Crente é Gnóstico porque acredita em algo que é superior a ele. O Ateu por principio não acredita, em nada. O Agnóstico acha que não há seres superiores que controlem as nossas vidas, mas acha também que não acreditar em nada é um dos maiores erros humanos.

Há casos de cura de doenças por acreditar em Deus. Há casos de cura de doenças por acreditar em santos e até em n
ão santos. Há casos de cura de doenças por acreditarem na medicina. Há casos de cura de doenças por simplesmente acreditarem que podem vencer a doença. Tal como é possível ser curado de uma doença se, se acreditar sinceramente que o Rato Mickey o pode fazer. É a fé que torna isto possível, o acreditar em algo, seja vivo, inanimado, imaginado ou nós próprios. Acreditar em algo é melhor que não acreditar em nada. Aqui, como Agnóstico dou 1-0 para os Crentes.
Mas os Crentes recorrem à viol
ência física que considero 0-1 para os Ateus, os Ateus limitam-se à agressividade argumentativa e assim ficam como sempre estiveram 0-0. Empate técnico, pois estão ambos errados.

O que é afinal ser Agnóstico? N
ão é estar em cima de um muro, mas sim num cruzamento de quatro estradas, observando os Crentes, os Ateus, a ciência e ciências ocultas.
O Agnóstico é o único que n
ão está errado, pois não é radical do sim, nem do não. O Agnóstico diz que em principio não, mas que não se surpreende com o sim. Ele duvida.
A verdade está sempre no mesmo sitio, algures no meio e posso criar aqui um pensamento Agnóstico que irá concordar
com todos e discordar de todos.

Vou aos Ateus e roubo a parte com que concordo "N
ão há um ser superior que controle as nossas vidas, nós controlamos as nossas vidas".
Vou aos Crentes e roubo a parte que concordo "Deus existe".

Juntando as duas fico com meio raciocínio, "N
ão há um ser superior que controle as nossas vidas, nós controlamos as nossas vidas, mas Deus existe".

Agora vou às ci
ências ocultas, mais exactamente igreja satânica de Anton LaVey, "Nós somos o nosso próprio Deus"

Já tenho um raciocínio lógico, "N
ão há um ser superior que controle as nossas vidas, nós controlamos as nossas vidas, mas Deus existe pois nós somos o nosso próprio Deus"

Só falta a ci
ência e pego na experiência do CERNE que consiste em recriar o Big Bang, onde alguns acreditam que esta experiência pode acabar com o mundo, pois se é criado um Big Bang, um novo mundo surgirá. Portanto, tudo poderá ser um ciclo vicioso onde o homem cria Deus/Big Bang, onde numa atitude de Deus Shiva, destrói para criar novamente.

"N
ão há um ser superior que controle as nossas vidas, nós controlamos as nossas vidas, mas Deus existe pois nós somos o nosso próprio Deus. Como Deus temos a fixação de querer saber de onde viemos e por experimentação iremos destruir tudo e da destruição nascerá uma nova criação".

Porque n
ão? Será que esta teoria 100% Agnóstica poderá ser válida?

Nós ao criar um Big Bang estamos a fazer de Deus, porque na verdade somos Deuses e não há nada nem ninguém com mais poder cognitivo do que o ser humano. Como Deuses sem saber que o somos, andamos em busca de Deus, pelo caminho acabaremos por criar Deus que por sua vez nos criará. Ou seja criaremos o chamado Big Bang que será, não o fim, mas sim um novo inicio, uma nova tentativa de vida.

O Agnóstico está no meio, sim Dawkins está certo. Mas o Agnóstico não está à espera que um dos lados vença, pois eles não vão vencer, nem Crentes, nem Ateus, nem cultos estranhos, nem mesmo a ciência, o Agnóstico espera que a estupidez de todos os lados termine e que possamos, juntos dar valor ao que é importante a vida. Isto inclui a ciência, devemos parar de procurar as nossas origens e nos preocuparmos com o nosso destino.

De que nos vale descobrir de onde viemos, quando estamos condenados a não sobreviver à destruição que estamos a causar?

Será que tenho razão? Razão tenho com toda a certeza, tal como Dawkins tem a sua razão.

O que é certo é que o livro dele, carregado de idiotices é um best seller e eu sou só um bloguer que escreve demais e que por isso não atinge o numero de leitores que perfeitos idiotas atingem... Dawkins incluído.


Nota: Falo em Crentes como aqueles que acreditam em Deuses independentemente do seu credo.


151 Comentários:

  I.D.Pena

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:07:00 da manhã

Ya

  provocação

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:10:00 da manhã

Isso faz-me lembrar o tal meu amigo sobre quem escrevi e que dizia que a maior prova que havia de não haver extraterrestres era o facto de eles nunca cá terem vindo à Terra...Quer dizer, isto não é uma prova porque ele não pode provar que não vieram, para isso precisava estar presente em cada m2 do planeta constantemente desde sempre. Ups, não esteve? Cai por terra a sua teoria...mais ou menos o que dizes sobre os agnósticos...
Agora diz-me, quando lançaste o livro, acertaste no caixote ou fizeste um dói-dói na cabeça de um dos senhores que te recolhem o lixo????

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:12:00 da manhã

I.D.Pena disse...

;)

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:16:00 da manhã

provocação disse...

"Isso faz-me lembrar o tal meu amigo sobre quem escrevi e que dizia que a maior prova que havia de não haver extraterrestres era o facto de eles nunca cá terem vindo à Terra..."

Pois isso é o mesmo que dizer, que os politicos honestos nao existem porque eu nunca vi nenhum. De facto nunca vi, mas acredito que exista pelo menos um algures.

"Agora diz-me, quando lançaste o livro, acertaste no caixote ou fizeste um dói-dói na cabeça de um dos senhores que te recolhem o lixo????"

A recolha de papel à minha porta é mensal e eu reciclo muito papel, por isso era um cartão grande. Chamei o homem e atirei o livro directamente para o cartão.
Ele ficou a olhar para o livro e eu só lhe disse, que não valia a pena pensar em le-lo, o melhor era fazer folhas de papel higiénico. Se o homem o guardou ou não, não sei, mas se o ler vai dar por perdido o seu tempo e certamente irá reciclá-lo.

  I.D.Pena

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:20:00 da manhã

Eu acho que fizeste mal atirar o livro para a reciclagem, uma coisa dessas merece cremação, no mínimo !

  Salto-Alto

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:22:00 da manhã

LOOL! Parti-me a rir com o "lancei um livro"!!!

  Salto-Alto

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:23:00 da manhã

LOOL! Parti-me a rir com o "lancei um livro"!!!

  Maria Manuela

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:23:00 da manhã

Uiiiiiiii a Faculdade de Direito de Lisboa está cheia desses iluminados... até mete dó !!

bj

  José

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:24:00 da manhã

Só me sai isto:
Lindo! :)

  Sininho

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:25:00 da manhã

:) :)

  Jane Doe

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:34:00 da manhã

Eu sou Agnóstica... Realmente não estou a ver quem ganha ou perde...

Realmente este senhor é um bocado nabo.

Realmente...

  forteifeio

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:35:00 da manhã

Só uma pergunta. Conseguiste ler o livro até ao fim?? Eu digo isto porque quando começa a ler um livro e não gosto do que leio, costumo encostá-lo. Simplesmente não tenho pachorra para fazer fretes. E tu conseguiste??

  Cor do Sol

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:41:00 da manhã

Sempre a pensar no meio ambiente. És um exemplo ;)

  Feitiozinho

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:42:00 da manhã

Acho que como a maior parte dos portugueses nasci numa família católica-cristã, o que significa que desde pequena fui lavada cerebralmente para acreditar que havia alguém lá em cima que comandava os nossos destinos...

Quanto cheguei à altura de ganhar algum juízo comecei a achar que essa historia de ter alguém a comandar os destinos da minha vida, tal e qual um animador de marionetas, me deixava um bocado mal disposta, até porque lá está... nunca ninguém me conseguiu provar que realmente o "senhor" existia...

Acho que aquela máxima espanhola é valida para aqui: "eu não acredito em bruxas, mas que as há... há", ora para mim o Deus segue o mesmo principio...

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:52:00 da manhã

Bolas, gajo. Com este texto conseguiste acabar com as minhas dúvidas! E é sem dúvida alguma que afirmo: sou agnóstica sim senhor!! Com muito prazer!!! ;-)

UIuiiuiui, esta "discussão" tem panos para taaaaaaantas mangas...

Primeiro, esse senhor não quererá antes dizer que é um "comunicador de ciência"? Em Portugal, não é uma profissão reconhecida ou remunerada, que eu saiba, embora existam comunicadores de ciências: pessoas que, devido à sua facilidade em comunicar e à sua formação cientifica, fazem a ponte entre o mundo da ciência e o mundo dos "leigos", trocando por miúdos o jargão científico. O objectivo é fazer saber o que se faz, porque se faz, como se faz, onde se faz, para todos os públicos alvo. Existem comunicadores de ciência, e era algo que eu adorava ser. Mas, em Portugal, nomeadamente aqui no reino dos al-gharbs, não vejo como... :( (nota: já escrevi duas páginas da tese, hoje heheheh, nada mau pra primeiro dia e para quem é perfeccionista). Portanto, torno a perguntar: não será que o sr é antes um comunicador de ciencia?...(atenção que a pergunta tem rasteira muahahahahah! lool ;-) )

Eh páh, a única vez que fiz isso a um livro, foi ao Pêndulo de Focault, e atirei-o contra a parede...LOOOOOL!

Quanto ao tema de deus...concordo em absoluto, como agnóstica, com a frase final que construíste (deduzi que tenhas sido tu a construí-la?)! Para mim, faz todo o sentido: deus orquestrou o bigbang de forma a que a vida pudesse ser criada; a vida orgânica foi criada com o objectivo de criar inteligencia; a inteligencia é criada com o objectivo de evoluir e aperfeiçoar-se. No final, deus, que criou o bigbang, que criou, vida, que criou a inteligencia, recria-se...por forma a orquestrar o bigcrunch de tal modo que dará origem a novo bigbang e, com ele, nova vida, nova inteligencia, novo deus...an so on...para mim, isto faz mais sentido do que as guerras intergalácticas de Xenu, ou Cronos a comer os filhos, ou ao sétimo dia descansou ou não existe nada acima de nós. Portanto, somos meros instrumentos. Não, não acho que sejamos nós os criadores de deus, contudo. :) penso antes que levaremos à criação da inteligencia que um dia criará deus. Como disse, somos instrumentos.

Há tanta coisa que o cérebro humano não abarca nem concebe...estamos totalmente limitados pelos nossos sentidos, e embora gostemos de dizer que a imaginação humana não tem limites, a verdade é que tem. Há explicações e conceitos que o nosso cérebro não tem capacidade para entender (a própria ideia de uma ideia que o cérebro não conceba é, já de si, confusa hehehehehehe)! Por exemplo, o nosso cérebro não tem capacidade para se entender! É possível vir a entendê-lo, é, mas não por nós. Um dia, um nosso descendente de um futuro longínquo, estará a olhar para um qq exemplar de um cérebro humano do séc. XXI (vá lá, o do Einstein, p'ra não fazermos má figura heheheh) e a achá-lo tão básico quanto o cérebro das minhocas o é p'ra nós! heheheeh.

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:00:00 da manhã

Na verdade, até acho que ser-se ateu é que tem muito que se lhe diga...é de suprema arrogância, e que me perdoe quem se ache ateu, mas é, achar que não há nada superior a nós e que tudo se resume a isto...tendo em conta que a ciência não alcançou nem metade do seu potencial nem respondeu a metade das perguntas, dizer que não há nada para além disto é ser-se obtuso...e, além disso, o ateu engana-se a si mesmo. Não há nenhum ser humano neste mundo que não acredite em qq coisa. Acreditar na ciência, por exemplo, é acreditar em qq coisa, não é?...mas, até a ciência compreende que tem limites...a própria ciência é agnóstica heheheh...

E sim, existem mesmo casos de cura pela fé, ou pelo pensamento positivo, como quisermos chamar-lhe. Na verdade isso até tem uma base médica sólida, ihih: um espirito positivo significa um sistema imunitário mais fortalecido... ;-).

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:01:00 da manhã

pronto...viu o que fez sr bruno??? agora vou passar a noite a pensar nisto...ao som de Mahna mahna titu tituru, mahna mahna titu tiru, mahna mahna titu tituru tituru titururururu rirururu...LOL! ;-)

  Ana C. Nunes

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:16:00 da manhã

Não podia estar mais de acordo contigo. Adoro as tuas sequências lógicas.
Já agora, afirmo que sou Agnóstica, e com muito orgulho (talvez esta não seja a palavra certa, mas prontos)!

  cipereira

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:55:00 da manhã

Realmente há pessoas que se lembram de inundar as livrarias com teorias da treta, verdadeiro lixo literário, armados em pseudo-intelectuais...

Eu considero-me uma pessoa crente em algo superior a nós, agora tenho é uma forma muito própria e pessoal de viver a minha fé; não sou adepta nem praticante de nenhuma religião em particular.

  Teté

quarta-feira, janeiro 28, 2009 2:16:00 da manhã

Em primeiro lugar tenho-te a agradecer teres aumentado o tamanho de letra, que tenho lido com muita dificuldade os posts anteriores. Sabes que a lupa não funciona muito bem no ecrã, né?

Concordo que há muito cretino a escrever idiotices e a vender livros em barda, para isso basta saber escrever, ter algumas ideias (não é relevante quais), ser perseverante e viver no lado certo do planeta - quer dizer, em grandes países, preferencialmente de língua inglesa e com grandes editoras que promovam a publicidade dos livros.

Insultar, atacar, ou partir para a ofensiva é uma técnica como outra qualquer para chamar a atenção. Usada na publicidade, mas também na política ou na religião. E, claro, também na venda de produtos, incluindo livros. Assuntos polémicos geram falatório e controvérsias, que devem interessar mais para a venda do que para a discussão do assunto.

E sim, ser agnóstico é isso: não ter dados para afirmar a existência ou inexistência de Deus. Numa época em que se sabe que os textos religiosos foram sofrendo várias adulterações, à medida das conveniências do momento, ao longo de séculos...

Concordo que ter fé e acreditar, pode fazer milagres por si só, na cura de uma doença, no desempenho de uma profissão, num qualquer sucesso. Mas não interessa muito que tipo de fé, até pode ser em ETs, que é irrelevante. Parece-me que a fé ajuda as pessoas a irem à luta, batalharem, não sucumbirem ao primeiro contratempo. A isso também se pode chamar perseverança... ;)

Tenho algumas dúvida em relação a esse corta e cola de ideias de crentes e ateus, mas, claro, não podia concordar em tudo e já vai práqui um lençolão... :)))

Beijoca, Bruno!

  Kohinoor

quarta-feira, janeiro 28, 2009 2:30:00 da manhã

Ao que parece esse foi um lançamento de 3 pontos! Nunca li nada de Richard Dawkins, já me recomendaram, mas sempre sentia um desconforto quando olhava para o livro, acho que não perco muito se passar esta vida sem o abrir.

Gostei do raciocinio lógico, já parece Deepak Chopra heheh
Alguns afirmam que "somos co-criadores da nossa realidade, juntamente com Deus", o que até concilia a nossa presença responsavel aqui na Terra, e a existência de Deus, mas como disseste cada um tem a sua razão!

"devemos parar de procurar as nossas origens e nos preocuparmos com o nosso destino."
Concordo, mas que não fica por aí. Depois do rumo traçado, devemos dar atenção ao presente, onde tudo se destroi e tudo se cria.

Abraço

  pepita chocolate

quarta-feira, janeiro 28, 2009 2:42:00 da manhã

Andamos muito...teológicos!
O melhor é leres outras coisinhas menos filosóficas. Igualmente controversas...mas menos maçadoras. A religião é maçadora. está sempre a querer levar-nos à auto-flagelação.

PpPpPP

  Estrela Cadente

quarta-feira, janeiro 28, 2009 2:56:00 da manhã

MAGNIFICO!Post altamente!!
Escangalhei-me toda a rir com o lançamento do livro...bj

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:03:00 da manhã

I.D.Pena disse...

"Eu acho que fizeste mal atirar o livro para a reciclagem, uma coisa dessas merece cremação, no mínimo !"

Cremado perderia a utilidade do material que foi usado, o papel. Acredito que ele deva ser transformado em algo de útil como um saco de papel que irei um dia trazer com as minhas compras, ou uma caixa de cartão, onde irei colocar mais papel para reciclar.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:04:00 da manhã

Salto-Alto disse...

"LOOL! Parti-me a rir com o "lancei um livro"!!!"

Foi um bom lançamento, estiveram os 2 homens da recolha do papel e o condutor presentes. Nao dei autógrafos :(

  Bruno

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:32:00 da manhã

Sou Ateu! Não posso acreditar em algo que não existe. E se algo não existe não posso provar a sua não existência, porque a busca ou a hipótese da prova implicariam a possibilidade de que algo existisse. E então não seria ateu, seria qualquer outra coisa. Por isso, os religiosos nunca poderão pedir a um ateu que prove a inexistência de um deus. Não é válido, porque é inexequível.

O crente é radical porque insiste na realidade de algo cuja existência não pode provar. O ateu não é radical. O ateu não tem de acreditar ou deixar de acreditar. É o proselitismo de quem acredita que tenta catalogar o ateu como alguém que não acredita ou que vive rodeado por esse vazio.

O ateu nada tem de provar. E aí reside o erro de quem acredita. Pensar que tal como a sua "fé" sustenta a existência de algo, o ateu deve apresentar provas de algo em que não acredita nem sequer põe a hipótese de existir.

Casos de cura com base na crença em algo? E como se prova que uma cura ficou a dever-se a esses factores externos e não, por exemplo, apenas 'porque sim'. E curas com base em não crer? Existirão?

Podemos transportar as novas vitórias e derrotas para aquilo que bem entendermos, podemos traçar o nosso destino com base naquilo em que julgamos acreditar, mas em última instância a decisão é nossa, somos nós que desenhamos as nossas vitórias e os nossos desaires. Se for por acreditar em algo, porreiro. Se for por não acreditar em nada, porreiro na mesma.

O Agnóstico é o único que não está errado? Porque carga de água um crente não pode estar certo na sua fé de que algo superior o guia? Ou o ateu, porque não estará certo de que a vida é feita pelos homens e pelas acções dos homens, de que a vida é matéria e o resto é conversa de mercearia. Estará errado?

Não há radicais do sim, nem radicais do não. Há convicções e a realidade. Um ateu não precisa de provar a existência de algo que não existe. É radical? Seria se insistisse que algo não existe, quando estivesse demonstrado que algo existe.

Um crente acredita porque há algo que lhe serve de prova para a existência de um ser superior.

Tens razão, o livro do Dawkins é um best-seller e tu és apenas um bloguer, mas não é por isso que deixas de ter a tua razão, como não é por isso que o Richard Dawkins deixa de ter a razão dele.

O que por lá se escreve são alguns lugares-comuns, opiniões de senso comum, para além de factos e opiniões que são indesmentíveis para quem acredita ou não. Não vejo razão para lançar o livro, se lançasse os livros de que não gosto teria os transeuntes à perna. Mas ainda bem que aprendeste algo com a leitura.

Sou ateu, só peço que me deixem viver a minha vida e não me chateiem com as vossas dúvidas ou certezas, tal como eu não vos incomodo nem vos tento convencer do que quer que seja.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:32:00 da manhã

Maria Manuela disse...

"Uiiiiiiii a Faculdade de Direito de Lisboa está cheia desses iluminados... até mete dó !!"

Ser Ateu e fazer barulho está na moda, tal como nos anos 80 era moda ser-se comunista e andar ao gritos de mão fechada.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:33:00 da manhã

José disse...

"Lindo! :)"

Obrigado, a minha avó dizia o mesmo :) ehehehe

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:33:00 da manhã

Sininho disse...

:)

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:33:00 da manhã

Jane Doe disse...

"Realmente este senhor é um bocado nabo."

Só um bocadito, até fui ver uns videos no YouTube e ele meteu-me nojo, o homem nao argumenta, ele grita!

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:33:00 da manhã

forteifeio disse...

"Só uma pergunta. Conseguiste ler o livro até ao fim?? Eu digo isto porque quando começa a ler um livro e não gosto do que leio, costumo encostá-lo."

Depende. Quando eu não gosto de um livro de ficção, de um romance, ou seja de um livro que não me ensinará nada de novo, largo-o imediatamente. Agora livros com os quais eu não concordo e não gosto como, este, o código de Da Vinci, os segredos de Da Vinci, a bíblia, o corao, o torá, etc, eu leio-os, quero realmente saber as opiniões contrárias às minhas para poder argumentar melhor. É preciso conhecer o inimigo para o poder derrotar e após ler o livro, sinto-me capaz e até com uma certa vontade de discutir o assunto com o Sr. Dawkins.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:33:00 da manhã

Cor do Sol disse...

"Sempre a pensar no meio ambiente. És um exemplo ;)"

O acto de reciclar é só por ser algo que nao custa nada a fazer e é útil. Nao é por motivos ambientais, é simples lógica.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:33:00 da manhã

Feitiozinho disse...

"até porque lá está... nunca ninguém me conseguiu provar que realmente o "senhor" existia..."

Exacto e porque há imensas contradições na tese que defende a sua existência. Mas a palavras Deus é abrangente. Uma coisa é negar a teoria católica outra é negar a inteligência suprema que é o que Deus representa e é erradamente identificado como um ser.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:34:00 da manhã

Van disse...

"UIuiiuiui, esta "discussão" tem panos para taaaaaaantas mangas..."

Duvido. Com católicos duvido, a não ser que me apareça aqui um Ateu não radical, que não será ateu mas sim um agnóstico mal informado. Se aparecer mesmo um ateu fanático, terei todo o gosto em discutir com ele.

"Primeiro, esse senhor não quererá antes dizer que é um "comunicador de ciência"?"

O que ele quer dizer não sei, sei sim o que ele disse e como se apresenta no seu livro. Limitei-me a transcrever.

"Em Portugal, não é uma profissão reconhecida ou remunerada"

É pois, é remunerada se fores estrangeiro. O Al Gore é um comunicador que se pensa querer salvar o mundo, mas que cobra 150.000 euros por palestra. O senhor Dawkins é mais modesto mas cobra 6 mil libras por palestra, excepto as dadas na universidade.

"Eh páh, a única vez que fiz isso a um livro, foi ao Pêndulo de Focault, e atirei-o contra a parede...LOOOOOL!"

Tadinha da parede que nao tinha culpa!

"concordo em absoluto, como agnóstica, com a frase final que construíste (deduzi que tenhas sido tu a construí-la?)!"

Sim fui, referi isso no texto.

Na verdade o ser humano pode andar num ciclo vicioso e nós não sermos os primeiros humanos mas sim termos sidos originados por outros humanos que destruíram para nos criarem. Um ciclo vicioso. A vida por tentativa erro, até que uma futura civilização humana (que nao seremos nós), atinja a iluminação e páre de buscar Deus.

"Na verdade, até acho que ser-se ateu é que tem muito que se lhe diga...é de suprema arrogância, e que me perdoe quem se ache ateu, mas é, achar que não há nada superior a nós e que tudo se resume a isto..."

O problema é o pedido dos Ateus radicais, de que está na hora de se ser radical contra os gnósticos, que está na altura dos Agnosticos de se expressarem contra a igreja.

Isto irrita-me, porque falar mal da igreja é fácil demais e os Ateus nao apresentam dados novos, limitam-se a analisar os textos católicos da sua forma.

"E sim, existem mesmo casos de cura pela fé, ou pelo pensamento positivo, como quisermos chamar-lhe. Na verdade isso até tem uma base médica sólida, ihih: um espirito positivo significa um sistema imunitário mais fortalecido... ;-)."

Claro, é a fé em algo, é o acreditar e o milagre está na mente da pessoa. Nao importa no que acredita, se eu acreditar que uma caneta me pode salvar a vida e se o acreditar sinceramente, isso é possível.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:34:00 da manhã

Ana C. Nunes disse...

"Já agora, afirmo que sou Agnóstica, e com muito orgulho (talvez esta não seja a palavra certa, mas prontos)!"

E porque nao? Eu tenho orgulho naquilo em que acredito, pois as minhas crenças, sao minhas, sao reflectidas e nao foram impostas por terceiros. Orgulho é a palavra certa que fica ainda melhor por ser um pecado mortal :)

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:34:00 da manhã

cipereira disse...

"Realmente há pessoas que se lembram de inundar as livrarias com teorias da treta, verdadeiro lixo literário, armados em pseudo-intelectuais..."

Mas se é um best seller há quem compre e as criticas as este livro, sao excelentes.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:35:00 da manhã

Teté disse...

"Em primeiro lugar tenho-te a agradecer teres aumentado o tamanho de letra, que tenho lido com muita dificuldade os posts anteriores."

O tamanho da letra varia de browser para browser, mas todos teem a opcao de aumentar o tamanho do texto, no mozzila firefox, basta clicar em "ver", "mudar tamanho", "aumentar o tamanho do texto", ou clicar Ctrl ++.

"Insultar, atacar, ou partir para a ofensiva é uma técnica como outra qualquer para chamar a atenção. Usada na publicidade, mas também na política ou na religião. E, claro, também na venda de produtos, incluindo livros."

E é uma técnica eficaz de promocao.

"Concordo que ter fé e acreditar, pode fazer milagres por si só, na cura de uma doença, no desempenho de uma profissão, num qualquer sucesso. Mas não interessa muito que tipo de fé, até pode ser em ETs, que é irrelevante. Parece-me que a fé ajuda as pessoas a irem à luta, batalharem, não sucumbirem ao primeiro contratempo. A isso também se pode chamar perseverança... ;)"

É acreditar. Por isso critico os Ateus que assumem nao acreditar, pois quem nao acredita, nao acredita em nada mesmo, nem neles próprios, logo perde todo o sentido o que quer que digam.

"Tenho algumas dúvida em relação a esse corta e cola de ideias de crentes e ateus, mas, claro, não podia concordar em tudo e já vai práqui um lençolão... :)))"

Claro que é uma teoria complicada, mas agnósticamente válida.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:35:00 da manhã

Kohinoor disse...

"Nunca li nada de Richard Dawkins, já me recomendaram, mas sempre sentia um desconforto quando olhava para o livro, acho que não perco muito se passar esta vida sem o abrir."

Para o ler temos de conhecer o seu inimigo principal, que é a Igreja católica e o que ele faz é o mais fácil, deitar a baixo a suas teorias, mas sem apresentar teorias válidas novas.


"Concordo, mas que não fica por aí. Depois do rumo traçado, devemos dar atenção ao presente, onde tudo se destroi e tudo se cria."

Eu falo em futuro, nao no futuro distante, mas sim no próximo segundo. É que o presente assim que é, já foi. O presente é o momento que passa num segundo e o importante é o próximo segundo.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:35:00 da manhã

pepita chocolate disse...

"Andamos muito...teológicos!
O melhor é leres outras coisinhas menos filosóficas."

Recomendacoes? Se bem que tenho uns 10 livros em espera para ler...

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:35:00 da manhã

Estrela Cadente disse...

"MAGNIFICO!Post altamente!!
Escangalhei-me toda a rir com o lançamento do livro...bj"

Foi um bom lançamento visto que acertei no caixote :)

  Noivo

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:59:00 da manhã

já pensaste em falar na religião Fehr?;)

  Kohinoor

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:15:00 da manhã

"É que o presente assim que é, já foi."
Certo, eu falei traçar rumo como ter objectivos a alcançar no futuro distante, mas realmente o futuro próximo é quem dá as cartas, tudo pode mudar de um momento para o outro.

Olha se estas interessado em teorias, experimenta ler "Uma teoria de tudo" de Ken Wilber. Ainda só vi por alto, mas pelo que vi, tem coisas interessantes!

Obrigado!

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:35:00 da manhã

Bruno disse...

"Sou Ateu! Não posso acreditar em algo que não existe."

E o que é que nao existe? Deus como conhecimento supremo? Deus como ser sobrenatural? Deus como criador?
Primeiro os Ateus devem definir Deus e se usam a palavra Deus na definição limitadora da Igreja católica, perdem por falta de visão!

"E se algo não existe não posso provar a sua não existência, porque a busca ou a hipótese da prova implicariam a possibilidade de que algo existisse."

Mas a possibilidade de Deus existir, existe. O que poderá nao existir é o Deus criador. É isso que digo, os Ateus estao limitados por definicoes católicas, o que deita por terra os seus argumentos de negar algo sem apresentar novidades.

Eu poderia duplicar o meu blogue, com texto criticos à Igreja católica, pois poderia publicar aqui entre 200 a 500 textos desses, até porque quem me conhece sabe que já tive um blogue que abordava o assunto. Mas deitar a igreja abaixo é fácil, apresentar uma nova visao é dificil.

O que os agnósticos fazem apesar de nao acreditar em Deus como um ser supremos e unico, apresentam uma nova teoria geral, de que Deus poderemos ser nós. Os Ateus gritam, criticam, mas nao apresentam nada de novo.

"E então não seria ateu, seria qualquer outra coisa."

Serias agnóstico. Pois um ateu é na verdade um agnóstico radical. O termo Ateu foi criado para se separar os agnósticos moderados e cepticos, dos radicais. Mas na verdade o Ateu é um agnóstico renegado por vontade própria.

Agnóstico é o oposto de Gnóstico. Visto que o Ateu nao acredita, isso faz dele um agnóstico. O termo Ateu é neste assunto um sinónimo de radical. E qualquer radical erra, por ser radical e inflexivel

"Por isso, os religiosos nunca poderão pedir a um ateu que prove a inexistência de um deus."

Da mesma maneira que os Ateus nao podem pedir provas da existência, pois é uma questão de credo e o credo nao tem de ser justificado.
Por exemplo:
Se eu acreditar em vida extra-terrestre e tu nao acreditares, isso nao te dá o direito de me exigir que prove que ela existe, tal como nao te vou pedir que proves o contrário. É credo, é aquilo em que acredito e tu acreditas se queres. Nada te dá o direito de exigires de mim provas, tal como nada dá o direito de se exigirem provas a um religioso. Exijam ao Papa, visto que é o representante de Deus na terra, mas nao ao pobre católico que precisa de acreditar em algo.


"O crente é radical porque insiste na realidade de algo cuja existência não pode provar."

Correcto.

"O ateu não é radical. O ateu não tem de acreditar ou deixar de acreditar. É o proselitismo de quem acredita que tenta catalogar o ateu como alguém que não acredita ou que vive rodeado por esse vazio."

Tu estás a falar de Agnósticos e não de Ateus. O Ateu é de facto um radical da não existência divina, eu já fui visitado por Ateus que fazem o mesmo que as testemunhas de Jeová, andam de porta em porta. Isto é a nova era do radicalismo agnóstico, auto-definido como ateu.
O que descreves é um agnóstico como milhões o são.


"O ateu nada tem de provar."

Nem tem de pedir provas. Se nao acredita que fique calado, nao tem de impor a sua opiniao em palestras para angariar mais ateus, pois caem no mesmo tipo de propaganda de igreja. Angariar seguidores é tipico de cultos. O Ateísmo está a tornar-se num culto do "nao". Tal como os Cépticos há muito se tornaram um culto.

De todos, só os agnósticos se salvam, eles nao acreditam em Deus, mas alargam a definição de Deus para incluírem os humanos e o seu caminho criacionista e destrutivo.

"E aí reside o erro de quem acredita. Pensar que tal como a sua "fé" sustenta a existência de algo, o ateu deve apresentar provas de algo em que não acredita nem sequer põe a hipótese de existir."

Nao poe a hipotese de existir pois o seu radicalismo coloca-o no campo oposto ao da igreja, vendo Deus como um ser. Nunca ninguém disse que Deus era um ser, o pobre de crente acha que sim, o ateu diz que ele nao existe mas ironicamente ve-o como um ser.

O agnóstico vê Deus como a inteligência suprema, inteligência essa que está ao nosso alcance e quem a atingir será um Deus, todos nos somos potenciais Deuses, temos um cérebro do qual usamos entre 5% a 10% por isso uns estão mais próximos do que outros da verdade.

"Casos de cura com base na crença em algo? E como se prova que uma cura ficou a dever-se a esses factores externos e não, por exemplo, apenas 'porque sim'."

Eu disse isso? Eu disse que a cura deve-se ao facto de ACREDITAR ponto final. O acreditar em algo mesmo que seja numa pedra é ACREDITAR que a cura é possível, tal como se pode curar por acreditar que podemos vencer a doença. O importante é acreditar, seja em Deus, numa pedra ou nós próprios. O ateu nao acredita em nada e se é nada, nem no poder dele próprio poderá acreditar.

Um Ateus que acredite em si próprio, passará automaticamente a ver o erro do seu raciocino e regressar ao agnosticismo.

"E curas com base em não crer? Existirão?"

Se vires a morte como uma libertação, sim, é uma forma de cura. Quem não acredita que algo é possível não sobe na vida, não vence e será para sempre um derrotado. Há que acreditar e se as pessoas nao são capazes de acreditar que são capazes de tudo só por sí, então que acreditem em Deuses. Acreditar é importante, só quem acredita vence.

Como podes falar numa cura, por nao acreditar? Quem nao acredita que a cura é possível, simplesmente nao se cura.

"Podemos transportar as novas vitórias e derrotas para aquilo que bem entendermos, podemos traçar o nosso destino com base naquilo em que julgamos acreditar, mas em última instância a decisão é nossa, somos nós que desenhamos as nossas vitórias e os nossos desaires."

Estás a falar como um agnóstico e nao como um Ateu. A confusão pessoal entre agnosticismo e ateísmo é normal. A base é a mesma, o ateu é como um manifestante, faz barulho demais com as crenças agnósticas.

"Se for por acreditar em algo, porreiro. Se for por não acreditar em nada, porreiro na mesma."

Quem nao acredita que pode vencer nao vence. Nunca poderás colocar "nao acreditar" e "vitória" na mesma frase.

"O Agnóstico é o único que não está errado? Porque carga de água um crente não pode estar certo na sua fé de que algo superior o guia?"

Porque acredita em algo que nao existe em vez de acreditar em si próprio. Porque é um radical da existência de um ser superior a ele, que controla a sua vida e que escreveu num livro como e quando essa pessoa irá morrer, limitando a sua vida à falta de confiança em si mesmo, a única pessoa, o único ser que controla a sua vida e o poderá levar às mais variadas vitórias pessoais.

"Ou o ateu, porque não estará certo de que a vida é feita pelos homens e pelas acções dos homens, de que a vida é matéria e o resto é conversa de mercearia. Estará errado?"

Porque isso é conversa de agnóstico. O Ateu organiza e participa em campanhas anti-religiosas, tornando-se no radical contra os religiosos.

Sinónimos radicais:
Preto vs Branco
Dia vs Noite
Cristaos vs Muculmanos
Comunistas vs Nazis
Religiosos vs Ateus

Radicais de um lado e radicais do outro. O radicalismo é errado seja porque ponto de vista for.

O agnóstico opõem aso religiosos mas sem entrar nos radicalismos que definem os ateus.

"Não há radicais do sim, nem radicais do não."

Claro que há, já os defini. Posso-te dar links para imensos videos dos mais influentes Ateus (que se auto-denominam agnósticos radicais) em palestras de angariação de seguidores e gritando palavras de ordem que é preciso radicalizar mais agnósticos.
Ou seja, o chamar radicais aos agnósticos nao é uma teoria minha mas sim uma teoria dos mais influentes ateus, dos quais destaco Richard Dawkins que é o supra-sumo dos Ateus, ele é como um líder. Um lider que deu uma palestra que na minha OPINIAO foi a MELHOR pois das dezenas que já vi dele foi a UNICA em que ele nao gritou, mas no final ele pediu para quem nao acredita em Deus para se RADICALIZAR, a sua palestra chama-se:

"An atheist's call to arms"

Ora se uma chamada "às armas" nao é radical o que será?

A contradicao é que ele no video se considera um Ateus que no fundo deriva dos agnósticos, mas pouco tempo depois no seu livro afirma-se como RADICAL.

Aqui fica o video, apesar de concordar com o que ele disse, dicordo do apelo que ele faz no final, um apelo à radicalizacao que ele radicalizou ainda mais no seu novo livro:

http://www.ted.com/index.php/talks/richard_dawkins_on_militant_
atheism.html

Ou seja ele no inicio ele apela ao "ateismo militante" e no final ao "erguer de vozes". Isto é radical demais para eu assimilar.

"Sou ateu, só peço que me deixem viver a minha vida e não me chateiem com as vossas dúvidas ou certezas, tal como eu não vos incomodo nem vos tento convencer do que quer que seja."

Ou seja, se és uma ateu moderado, és afinal um agnóstico. Acho que te deves informar sobre o agnósticismo, pois é o mesmo que um ateu, mas sem ser radical. No fundo acabas por me dar razao, pois és agnóstico.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:37:00 da manhã

Noivo disse...

"já pensaste em falar na religião Fehr?;)"

Já, o meu antigo blogue "Tudo aquilo que nao é dito" era um blogue desses. Mas o blogue tornou-me num quase ateu e eu quero nao me radicalizar :)

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:38:00 da manhã

Kohinoor disse...

"Certo, eu falei traçar rumo como ter objectivos a alcançar no futuro distante, mas realmente o futuro próximo é quem dá as cartas, tudo pode mudar de um momento para o outro."

Nisso concordo. Devemos olhar em frente sem esquecer o que passou.


"Olha se estas interessado em teorias, experimenta ler "Uma teoria de tudo" de Ken Wilber. Ainda só vi por alto, mas pelo que vi, tem coisas interessantes!"

Irei ver isso.

  Bruno

quarta-feira, janeiro 28, 2009 5:29:00 da manhã

O que é que não existe, questionas? Deus, outra coisa qualquer? Bom, isso terás de perguntar aos crentes, são eles que definem a existência de algo. Eu apenas me limitei a dizer que não acredito nessas concepções que são apresentadas. Nem sequer falei em deuses. Quem tem de definir Deus é quem acredita, não quem não acredita.

Eu sou Ateu e não me sinto limitado por qualquer visão cristã católica ou de qualquer outra crença. A possibilidade de Deus existe? E onde está? Quem é que define essa possibilidade? No meu comentário nem sequer falei em igrejas ou concepções religiosas. Referi-me apenas à possibilidade de algo existir. Algo de que tanta gente fala, mas que na verdade ninguém consegue provar ou demonstrar o que é, nem de que modo se revela.

Deus podemos ser nós? Mas nós somos nós, não precisamos de ser outra coisa, nem de novas designações, nem de encarnar novos conceitos para além daquilo que já somos: pessoas, com vontade própria e senhores do nosso destino. Deus não cabe nesta concepção, a não ser para quem se queira fazer acompanhar por qualquer coisa.

Isso nada tem a ver com deus. Podemos dizer: o Pai Natal existe. Somos nós. Ou a batata frita existe: somos nós. Que sentido faz? Qualquer coisa existe, somos nós!

Os ateus não criticam (eu pelo menos não critico, e os que conheço também não o fazem). O que os ateus fazem é defender-se, já que são apresentados como "os que não acreditam" e são confrontados com a necessidade de demonstrar a sua posição. Porque haveriam de apresentar algo de novo, alternativas às concepções existentes? Existe alguma obrigação implícita que obrigue à existência de algo? Se não acreditarmos em Deus, temos de sugerir alternativas? Acredito em mim, nas pessoas, no que nos rodeia. Acredito na existência, porque é a existência que me guia. Isto não é ser inflexível nem radical.

Como escrevi no comentário anterior, o Ateu não tem de acreditar naquilo que não existe. Radical será acreditar naquilo que não se sabe se existe e não colocar a hipótese de que possa não existir. E é não aceitar que outros possam ter opinião contrária sem que sejam vistos como os que estão distantes da razão (acreditar) e que são, por conseguinte, radicais.

O credo não tem de ser justificado? Muito bem, mas então a falta de credo também não tem de ser. É também uma crença. Se a justificação serve para os "crentes" (e se os absolve do radicalismo de que falavas), então servirá também para os "ateus".

Na tua resposta dás a entender que o meu comentário inicial se referia à Igreja e à visão de Deus como um ser. No meu comentário não me referi nem a igrejas, nem a religiões, nem à visão de Deus como um ser. Não vejo Deus como nenhum ser, porque simplesmente não vejo deus de modo nenhum. Nem como inteligência suprema, nem como qualquer outra coisa. O que existe somos nós. E deus ou o poder supremo é apenas uma fantasia dos homens para os distrair e os conseguir dominar e encaminhar. Foi assim ao longo dos tempos. É assim nos dias que correm.

"O Ateu organiza e participa em campanhas anti-religiosas, tornando-se no radical contra os religiosos."

Sou Ateu, conheço bastantes, e nenhum deles "organiza ou participa em campanhas anti-religiosas", nem tão pouco são radicais contra os religiosos.

Haverá tantos ateus radicais, como agnósticos radicais, cristãos radicais, xiitas, sunitas, drusos, maronitas, sefarditas, o diabo a quatro, etc., etc., etc. Radicais há-os em todos os potes, mas isso não quer dizer que o boião esteja infestado deles.

Não concordo com essa visão radical de que os ateus são todos radicais, e de quem não é radical é um agnóstico. Porque, como te expliquei, nesta matéria, quando a inexistência de algo é um dado adquirido até provas concretas em contrário, nem sequer se pode falar em concordância e muito menos em designações como "ateísmo" ou radicalismo. Não sou anti nada, e muito menos contra as pessoas que fazem acompanhar a sua existência por esse "complemento" ou por essa "base de sustentação".

Se sou moderado, radical, desinteressado, é-me indiferente. Quem deve preocupar-se com isso é quem acredita. Mas sempre respeitando quem vive a sua vida com outras preocupações, e nada tem para acreditar.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 6:17:00 da manhã

Bruno disse...

"O que é que não existe, questionas? Deus, outra coisa qualquer? Bom, isso terás de perguntar aos crentes, são eles que definem a existência de algo."

Sim, mas eu perguntei o que é que não existe no teu ponto de vista Ateu, pois para dizer que algo não existe é por que é um algo definido.

"Quem tem de definir Deus é quem acredita, não quem não acredita."

Mas os Ateus não acreditam em Deus, por isso terão de ter uma definição própria, que se for igual à da igreja, só prova a minha teoria de extremos.

"A possibilidade de Deus existe? E onde está? Quem é que define essa possibilidade?"

A possibilidade de o ser humano ser o seu próprio Deus, uma teoria agnóstica.

"Deus podemos ser nós? Mas nós somos nós, não precisamos de ser outra coisa, nem de novas designações, nem de encarnar novos conceitos para além daquilo que já somos: pessoas, com vontade própria e senhores do nosso destino."

Ora e isso não é a definição de Deus, de detenção de conhecimento. Nao seria recriar o big bang, brincar ao Deuses?

"Deus não cabe nesta concepção, a não ser para quem se queira fazer acompanhar por qualquer coisa."

Nao nos fazemos acompanhar por nada, nesta teoria, a nao ser de nós próprios.


"Os ateus não criticam (eu pelo menos não critico, e os que conheço também não o fazem)."

Se não criticam e são ateus, não estão dentro das teorias Ateístas e são de facto agnósticos.

"O que os ateus fazem é defender-se, já que são apresentados como "os que não acreditam" e são confrontados com a necessidade de demonstrar a sua posição."

Errado, o que os Ateus fazem é atacar, pois nao precisam de se defender.

"Porque haveriam de apresentar algo de novo, alternativas às concepções existentes?"

Porque falar mal é fácil demais.

"Existe alguma obrigação implícita que obrigue à existência de algo?"

Nao, mas existe a fome de conhecimento e busca pela verdade.

"Se não acreditarmos em Deus, temos de sugerir alternativas?"

Nao, mas podem sugerir teorias "sustentativas" de afirmações de não existência, "não existe porque não faz sentido", simplesmente não faz sentido.

O existe "porque sim", da igreja nao me convence.
O "não existe porque não, dos ateus, fica ao mesmo nível pouco racional.
O "não existe porque é improvável", é o termo certo.

"Acredito em mim, nas pessoas, no que nos rodeia. Acredito na existência, porque é a existência que me guia. Isto não é ser inflexível nem radical."

Pois não, isso é a base do agnosticismo.

"Como escrevi no comentário anterior, o Ateu não tem de acreditar naquilo que não existe."

Naquilo que acredita não existir.

"Radical será acreditar naquilo que não se sabe se existe e não colocar a hipótese de que possa não existir."

Tal como é radical negar a existência de algo sem bases argumentativa, excepto o entrar em conflito directo com criticas destrutivas das invenções da igreja. Sim, eu digo invenções da igreja, pois como agnóstico não acredito nelas, mas não chego ao extremo activista do ateu.
Tal como já reparei que não és extremista, logo encaixas na perfeição da definição de agnóstico.

"O credo não tem de ser justificado? Muito bem, mas então a falta de credo também não tem de ser. É também uma crença."

A falta de credo não pode ser uma crença. Credo é acreditar, a falta de credo é não acreditar. Ora se um ateu acredita que em não acreditar isso já um credo que retira toda a lógica à base do ateísmo que é não acreditar. Os ateus não acreditam em nada excepto que tudo o que tem a ver com a religião está errado. Nem sequer distinguem crença religiosa de crença pessoal. A base é não acreditar.

Dito isto, qualquer pessoa que não seja radical, que não levante a sua voz contra a igreja mas que não acredite nela, é agnóstico. Tu como auto-intitulado ateu, vieste confirmar a minha teoria de que há ateus que não o são, sendo na verdade agnósticos, ou seja, nao crentes não radicais.

"Se a justificação serve para os "crentes" (e se os absolve do radicalismo de que falavas), então servirá também para os "ateus"."

Eu não absolvi os crentes. Os crentes são radicais tal como os Ateus, mas são extremos opostos, tal como exemplifiquei com os sinónimos.

"Na tua resposta dás a entender que o meu comentário inicial se referia à Igreja e à visão de Deus como um ser. No meu comentário não me referi nem a igrejas, nem a religiões, nem à visão de Deus como um ser. Não vejo Deus como nenhum ser, porque simplesmente não vejo deus de modo nenhum."

Se és realmente ateu e não agnóstico, tens de ver Deus não existente como o Deus que a igreja vê. Caso contrário entras mais uma vez no grupo agnóstico.

"Nem como inteligência suprema, nem como qualquer outra coisa. O que existe somos nós. E deus ou o poder supremo é apenas uma fantasia dos homens para os distrair e os conseguir dominar e encaminhar. Foi assim ao longo dos tempos. É assim nos dias que correm."

Mas a inteligência suprema, existe, és os 100% de utilização cerebral, que o atingir, o primeiro humano que o atingir, terá um poder superior a todos os outros, poderá dominar tudo e todos... como será que os outros humanos o vão ver? Como um igual? Nao pois ele não é igual, tal como nenhum homem é igual, somos todos humanos, mas uns mais do que os outros.


"Sou Ateu, conheço bastantes, e nenhum deles "organiza ou participa em campanhas anti-religiosas", nem tão pouco são radicais contra os religiosos."

Bolas, então és agnóstico e não estou a perceber esta discussão!

"Haverá tantos ateus radicais, como agnósticos radicais"

Desculpa mas isto não faz qualquer sentido. Os Ateus e os Agnósticos eram o MESMO grupo, seguem as MESMAS, regras a separação entre eles deve-se ao facto de os Ateus se terem radicalizado e todos os que não se radicalizaram NÃO SÃO ateus.

Eu acho que não percebeste o que é ser agnóstico, um agnóstico é o oposto do gnóstico é um não crente. Eu sou um não crente, não acredito em qualquer Deus de qualquer religião como forca dominadora da vida humana, mas não sou extremista anti-igreja e é ISSO que faz de mim agnóstico e não ateu.

Toda esta discussão deve-se ao facto de estares a chamar Ateu ao pensamento Agnóstico, mostrando um desconhecimento sobre o movimento Ateu a nível mundial que cada vez se radicaliza mais.

"cristãos radicais, xiitas, sunitas, drusos, maronitas, sefarditas, o diabo a quatro, etc., etc., etc. Radicais há-os em todos os potes, mas isso não quer dizer que o boião esteja infestado deles."

Tens toda a razão. Há cristãos moderados e cristãos radicais, há muçulmanos moderados e muçulmanos radicais e há agnósticos moderado e ateus.

Richard Dawkins que é o supra-sumo do ateísmo, diz no video que te dei o link que:

"O Ateu é um Agnóstico radical, tal como o Agnóstico é um Ateu moderado"

Ora se ele o diz e é seguido por milhões de Ateus... quem sou para dizer o contrário? O que é certo é que o seu livro foi editado após esta palestra e hoje ele afirma ter-se (passo a citar) "separado do agnosticismo, por este ser moderado e por achar que está na hora de radicalizar posições e fortalecer as fileira Ateístas".

Ora este "fortalecer as fileiras ateísta" é como falar em guerra. Se isto nao é radicalismo, nao sei o que é.

Darwin, que hoje é pisado pelos crentes devido à sua teoria evolucionista, nao acreditava em Deus e afirmava-se agnóstico pois se recusava a ser radical como os Ateus.

Nao sou eu que chamo radical aos Ateus, sao eles próprios que se definem assim e quem nao for radical, nao é ateu, é agnóstico.

"Não concordo com essa visão radical de que os ateus são todos radicais, e de quem não é radical é um agnóstico."

Mas, o que?

Diz-me uma coisa para esclarecer isto de uma vez por todas. O que é para ti o agnósticismo? É que parece que nao sabes que é EXACTAMENTE o mesmo que o Ateísmo. Mas o movimento ateu assume-se como um movimento numa luta, o agnósticismo está-se a cagar para as lutas.

A sério que não entendo esta discussão. Falas como um agnóstico e sublinhas que és ateu!

Define-me o que pensas ser um agnóstico, pois o teu título e o teu discurso entram em conflito directo.

  Ondinhas

quarta-feira, janeiro 28, 2009 10:26:00 da manhã

e eu ia pedir um autografo!!!

  alfabeta

quarta-feira, janeiro 28, 2009 10:55:00 da manhã

Eu acredito em Deus, mas até compreendo que muitos não acreditem, mas não acreditarem também em Jesus como muitos não acreditam, também devem duvidar que os dinossaurios existiram.


Vejamos, a Bíblia foi escrita à milhares de anos, como é que naquela altura, sabiam o que se está a passar hoje no mundo, sim , porque lá diz tudo o que se está a passar hoje e diz mais, as pessoas há-dem ter dinheiro e não haver comida para comprar, e é fácil de ver, o clima está a mudar, chuvas torrenciais a estragar plantações, etc etc

Será que haviam videntes naquela altura?! Hummmmm


E os cientistas são todos malucos, pelo menos os que estudam esta matéria, querem à força provar que tudo é mentira.


Eu acredito e olha que não me tenho dado nada mal, e os ateus, quando a hora aperta, são os primeiros a pedir ajuda a Deus.



;)

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 10:59:00 da manhã

Ondinhas disse...

"e eu ia pedir um autografo!!!"

Então toma lá:

Para a Ondinhas,
Bruno Fehr

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 11:41:00 da manhã

alfabeta disse...

"Eu acredito em Deus, mas até compreendo que muitos não acreditem, mas não acreditarem também em Jesus como muitos não acreditam, também devem duvidar que os dinossaurios existiram."

Mas a Igreja nega a existência dos dinossauros. Vejamos, de acordo com a bíblia Deus criou a terra há 12.000 anos ou seja se temos fósseis de dinossauros eles teriam de ter no máximo 12.000 anos, e Adão e Eva já cá andavam. Então porque é que não há uma única referencia na Bíblia a esses animais gigantes, duvido que passassem despercebidos.
Se questionares um membro da igreja sobre os dinossauros a resposta será que "esses esqueletos foram colocados por Deus na terra para testar a nossa fé, nele".


"Vejamos, a Bíblia foi escrita à milhares de anos"

Incorrecto. Os manuscritos originais da Biblia foram destruidos existindo unicamente meia duzia de páginas escondidas da consulta de peritos pelo Vaticano. Existiu o velho testamento onde Deus era severo, cruel e autoritário e depois o novo testamento onde ele é bondoso e ama toda a gente. A Bíblia tem sofrido alterações significativas ao longo dos tempos. Isto afirmo eu com toda a certeza por ter tido aulas de teologia, existem diferenças muita grandes entre as bíblias antigas e modernas (a mais antiga que tive acesso era do final do séc XVII) e tem previsões do futuro muito diferentes do que vemos hoje no novo testamento.

"como é que naquela altura, sabiam o que se está a passar hoje no mundo, sim , porque lá diz tudo o que se está a passar hoje"

Nao me parece que diga. Fala em guerras, lutas pelo poder e destruição, actos naturais do ser humano. As maiores alterações à Bíblia onde ela foi praticamente escrita do nada deu-se no terceiro século no famoso conselho de Nicea onde os religiosos discutiam e Constantino tinha a ultima palavra, aí foi decidido tudo, a data para o nascimento de Cristo, a pascoa, tudo. Ora o terceiro século é o ano 200 ou seja tudo foi criado há mais ou menos 1.800 anos quando "Deus criou o homem há 12.000". É uma grande diferença de tempo. Nessa altura qualquer matemático poderia calcular a sobre-população mundial e a consequente falta de alimentos. Nostredamus também acertou imenso recorrendo à lógica e não a visões do futuro.

"e é fácil de ver, o clima está a mudar, chuvas torrenciais a estragar plantações, etc etc"

Sim o que vai contra o Apocalipse. O Apocalipse diz que o mundo terminará numa bola de fogo, com céus em chamas e o mar a ferver. Muita gente identifica isso com o aquecimento global. A questão é que o aquecimento global e o derreter dos pólos irão aquecer os oceanos e causar um efeito contrário... o aquecimento global irá muito provavelmente causar uma era glaciar, algo que a bíblia não prevê, pois não dispunham da nossa tecnologia.

"Será que haviam videntes naquela altura?! Hummmmm"

Como já referi a bíblia foi recriada algures entre o anos 200 e 300, bem como tem sido reescrita ao longo dos anos e passo a citar, o que foi escrito na alteração em 1979:

"My children, the Book of life, your Bible, has been rewritten--written to suit the modes of modernism and humanism. Satan can also quote the Scriptures. And you must understand that satan will cover himself by deception by appearing through human beings as angels of light. In one hand they hold the Bible but in the other a dagger akin to satanism.” - Our Lady, July 25, 1979

Ou seja em 1979, os fiéis foram informado que a bíblia foi alterada para servir os novos tempo e que a culpa é de Satanás que anda por aí à solta. Ora eles poderiam ter adivinhado isso quando escreveram o texto original. É que alterar a bíblia em 1979 de acordo com a palavra de Deus, gostaria de saber quem é que falou com Deus.

"E os cientistas são todos malucos, pelo menos os que estudam esta matéria, querem à força provar que tudo é mentira."

Nenhum cientista perde o seu tempo a provar que o criacionismo é mentira, eles já sabem que o é. O homem evoluiu e ainda está a evoluir não foi criado há 12.000 anos, já todos sabemos que andamos pela terra há 2 milhões de anos. A ciência busca saber como começou tudo, antes do homem, querem saber o que se passou há 13 biliões de anos.

A Igreja nao quer, que isso se estude, mas eu acho que devemos saber tudo. Nao acredito que o que é sagrado nao possa ser questionado porque dizem que Deus disse. Se Deus me pedir para nao questionar, respeitarei, até lá questiono tudo o que for ilógico, seja religioso ou cientifico.

Eu discordo da religião pelos seus pontos fracos. Discordo da anti-religião como é o ateísmo pelo seu extremismo e discordo da ciência em muito aspectos.


"Eu acredito e olha que não me tenho dado nada mal, e os ateus, quando a hora aperta, são os primeiros a pedir ajuda a Deus."

Acreditar é importante, seja num Deus, num santo, seja no que for. Eu acredito, mas acredito em mim, acredito que se lutar consigo tudo e tal como tu, não me tenho dado mal. Porque o importante é ter fé em qualquer coisa religiosa ou não.

Para finalizar, tive um dia uma discussão teológica com um padre após ele se recusar a fazer uma missa em memória de um homem que morreu de enfarte num bordel. Apesar do homem ser católico e frequentar a Igreja, o padre considerou-o imoral e excomungou-o sem autoridade para o fazer. Após uma curta discussão ele afirmou:

"Um dia vais-te magoar e vais gritar "ai meu Deus que me aleijei" e eu vou-me rir de ti"

Ora, esta frase foi tão ridícula, que desisti de tentar ter uma conversa inteligente com um membro do clero :)

Já parti muitos ossos e normalmente exclamo um forte e sentido "foda-se".

Nao condeno os religiosos, acho que cada um é livre de ter as suas crenças, eu simplesmente gosto de apontar falhas em teses e a bíblia tem tantas, que é fácil demais falar mal. O corao também as tem, tal como o Torá, até a bíblia satânica tem buracos. Nada que é escrito e reescritos ao longo de séculos, poderá ser livre de falhas.

  Pax

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:03:00 da tarde

"Há casos de cura de doenças por acreditar em Deus. (...) Há casos de cura de doenças por simplesmente acreditarem que podem vencer a doença. É a fé que torna isto possível, o acreditar em algo, seja vivo, inanimado, imaginado ou nós próprios. Acreditar em algo é melhor que não acreditar em nada."

Ora cá está a maior verdade (na minha opinião) de todas as verdades que escreveste neste texto.
É a fé que pode curar, e não propriamente o objecto dessa fé.

Se aceitares uma sugestão de leitura, "A Fórmula de Deus", do JRSantos. Gostei imenso e toca em muitos pontos em que também tocas neste texto.

Beijos :)

  Physalia physalis

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:44:00 da tarde

Não acredito em nada. Não é só em deus. Não acredito que haja algo superior, daí não ter fé. Não me sinto menos priveligiada nisso, muito pelo contrário.
Sou uma pessoa de ciência e acredito no que é palpável, no entanto se conseguirem provar que deus é palpável então eu posso acreditar.
Eu acho que nós somos os criadores e nós ditamos o nosso próprio destino.
Nice hein? Quem diria...afinal sou agnóstica? :\
Baralhei-me...

  Paula

quarta-feira, janeiro 28, 2009 12:55:00 da tarde

pois eu acho que devo ser o oposto aqui do pessoal!
eu acredito em algo, numa entidade. acredito em mais qualquer coisa para além disto. e acredito em mim também.
posso é não ser de religião nenhuma porque não sinto essa necessidade.

  Solita

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:07:00 da tarde

Eu costumo lançar cds,


heheheheh



jinhos

  vício

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:18:00 da tarde

eu um dia também pensei em ser ateu e argumentar! mas como a estupidez das pessoas não as deixa ouvir os outros, fiquei de modo que agora descobri que se chama agnóstico!
mas apetece-me argumentar a inexistência de um ser superior! se não tivesse chegado à conclusão que não vale a pena, fazia-o!

  vita

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:38:00 da tarde

Brilhante menino Bruno.;P

Eu sou "atua".;)

  I.D.Pena

quarta-feira, janeiro 28, 2009 1:54:00 da tarde

Pah eu sei! Mas é como reciclar papel higiénico usado, parece errado :S


Abraço

  Gravepisser

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:08:00 da tarde

Bem, eu acho que nunca se deve deitar fora um livro. Quando muito, guardá-lo para a eventualidade de um qualquer objecto de madeira, como uma estante, empenar, e dessa forma colocá-lo como calço até resolver a situação de forma permanente. xD

"Bem... se eu fosse religioso pediria aos Ateus para apresentarem provas de que ele não existe! Acho que é um pedido válido!"
Provas de que ele não existe? Não me parece que qualquer indivíduo com dois dedos de testa, necessite de provas da sua não existência! A mim basta-me: nunca o vi, nunca fui abençoado, nunca assisti a nenhum milagre, nunca observei o menor indício da existência de qualquer força extra-sensorial. Isso a mim, e a qualquer Ateísta/Agnóstico/Whatever (discordo das confusões e separações de "classes" - para mim estamos todos no mesmo barco, do lado da ciência, da inteligência humana, e da clarividência de ideias versus os dogmas ridículos e descabidos do tempo da "Dona Urraca", os radicalismos, o desrespeito por direitos básicos do ser humano, etc. etc. etc.)

"Portanto um Agnóstico não acredita em Deus, isto separa-o dos Gnósticos, mas o Agnóstico não afirma que Deus não existe, pois não tem provas e isto distingue-o do Ateu."
Pela tua definição, não deveriam existir Ateus. Logo, também não poderiam existir religiões ou religiosos. Existiria o quê, "convictos da certeza desconhecida"?
Reafirmo o que disse no ponto anterior, para mim deveria ser tudo a mesma coisa. Radicais existem em todo o lado, e se há tema susceptível de provocar celeuma a pontos de despoletar guerras, esse tema é a religião... E a sua negação, não sendo tão poderosa (cenário que tem vindo a mudar, felizmente), também - ainda que dificilmente vejas um ateu/agnóstico/whatever a incendiar sinagogas, a perseguir e matar os não crentes, etc... É a diferença.

"Há casos de cura de doenças por acreditar em Deus. Há casos de cura de doenças por acreditar em santos e até em não santos."
One word: BULLSHIT.

"É a fé que torna isto possível, o acreditar em algo, seja vivo, inanimado, imaginado ou nós próprios. Acreditar em algo é melhor que não acreditar em nada."
Discordo novamente. Eu não acredito em nada que os meus olhos não vejam, à excepção da morte e do amor. E não é por isso que a vida me vai correr melhor ou pior, não é por isso que vou ser atacado por abelhas mutantes que me picarão até à morte, ou qualquer outra catástrofe daquelas que os senhores padres fazem questão de meter na cabeça das criancinhas: "deus é que te salva, porta-te bem, não faças asneiras porque senão vais pro inferno!"
A maioria dos cristãos, como os crentes de qualquer outra religião, cresce com estas minhocas na cabeça, e nunca desenvolve inteligência ou perspicácia suficientes para PARAR, e pensar: WTF? Mas o que é isto? Vamos lá parar de ser ridículos e pensar na vidinha, em vez de andar a ajoelhar na igreja "perdoe-me padre, porque pequei"
"não faz mal, meu filho, eu também, e por coisas bem mais graves que tu. Estás perdoado"...

E não vale a pena dizer mais nada, penso que a minha opinião ficou esclarecida em traços gerais. Isto era pano que dava para muita manga, se há tema susceptível a debate é a religião.
Para mim são todas iguais: infundadas, extremistas, ridiculamente vazias de ideias, no fundo, desnecessárias, destabilizadoras e causadoras de conflito, inúteis, em suma, um lixo que as sociedades devem tentar varrer hoje e sempre, sob pena de jamais evoluírem, a todos os níveis. Tenho dito.

  vita

quarta-feira, janeiro 28, 2009 3:34:00 da tarde

Ah e concordo com a pax, esta parte do texto está certissima.;)


"Há casos de cura de doenças por simplesmente acreditarem que podem vencer a doença. É a fé que torna isto possível, o acreditar em algo, seja vivo, inanimado, imaginado ou nós próprios."

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:02:00 da tarde

"E se algo não existe não posso provar a sua não existência"

claro que podes!!!!

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:05:00 da tarde

"Casos de cura com base na crença em algo? E como se prova que uma cura ficou a dever-se a esses factores externos e não, por exemplo, apenas 'porque sim'."

existem sim e não são factores externos, aliás, são muito intrinsecos! A fé, seja ela qual for, remete para um estado de espirito positivo que, por seu turno, fortalece o sistema imunitário. Porque sim? não me parece que seja apenas porque sim...

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:08:00 da tarde

"Ateu não radical, que não será ateu mas sim um agnóstico mal informado"

ahahahahaha,já apareceu, mas ainda não li tudo...

tem muitos panos para mangas no que me diz respeito, ehehehehe! já tive uma discussao de n tempo com duas velhotas testemunhas de jeová loooool. Na verdade, adoro essas discussões, ehehehe...
Ainda por cima porque, ultimamente, não páro de pensar na morte... :(

Vou continuar a ler...

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:14:00 da tarde

Exacto. Eu não costumo provocar discussão com quem tem fé diferente da minha (acho eu), mas se me provocam, respondo sem papas na língua. Uma coisa é a fé e a crença. Outra coisa são as Igrejas e a sua interpretação de textos escritos sabe-se lá por quem há uns mil anos (que de certeza que se basearam noutras histórias e, quem conta um conto acrescenta-lhe um ponto e, voilá, temos o conjunto de mitos da biblia)...contra a fé nada tenho, pois cada um tem as suas crenças. Apenas me insurjo contra quem critica as minhas ou tenta mudá-las...
Para mim é muito simples: não acredito em deus. Pelo menos no deus descrito pela biblia, corão, etc, etc. Acredito sim que há algo que é superior a nós, porque é presunção achar que já somos seres superiores.
Bem, essa tua descrição desse ciclo foi adoptada pelos cientologista...com uns ingredientes de ficção cientifica à mistura e esses, sim, desculpem lá, mas critico...ahahahaha xenu senhor da guerra intergalactico??????? LOOOOOOOOOL, oh bolas, há coisas e há coisas...e se me fazem rir...

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:17:00 da tarde

"Referi-me apenas à possibilidade de algo existir. Algo de que tanta gente fala, mas que na verdade ninguém consegue provar ou demonstrar o que é, nem de que modo se revela."

então,como ateu, recusas a hipótese de haver algo para além da compreensão humana? Se sim, és arrogante. Se não, és agnóstico...

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:20:00 da tarde

"E os cientistas são todos malucos, pelo menos os que estudam esta matéria, querem à força provar que tudo é mentira."

alfabeta, estás-me a chamar maluca??? ;-p ;-)

por ex, eu não acredito que Jesus fosse o messias. Mas acredito que existiu a personagem histórica Jesus. Embora duvide muito que não se tenha casado, que não tenha tido filhos e que fosse filho de Deus...

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:27:00 da tarde

#Mas a Igreja nega a existência dos dinossauros.#

a minha avó, numa tentativa forçada (e frustrada) de me converter (eu devia ter 12 anos...), dizia-me que os ossos dos dinossauros tinham sido lá postos pelos cientistas malucos... LOOOOOL! ;-)

Mas, sabes, "Deus" foi o meu amigo imaginário até aos meus dez anos...;-)

Ah, sim, concordo com a pax na sua susgestão de leitura. ;-) vai totalmente de encontro a esta conversa ;-). Não sendo uma obra prima da literatura, o JR Santos é um excelente comunicador: estuda, pesquisa e depois troca tudo por miúdos, de forma a que um "leigo" (mais ou menos...) entenda. Adorei o livro, que veio numa altura em que me considerava ateia, e radical. Recusa-me a acreditar em tudo o que não metesse moléculas e deixei-me limitar. O livro obrigou-me a repensar muita coisa, e aliviou-me, para além de me libertar da arrogância que é achar que não há nada superior a nós nem há nada que a ciencia não explique... ;-)

(eu não disse que isto dava pano pra mangas??? heheheh)

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 4:37:00 da tarde

Ah, lembrei-me de outro livro que atirei à parede: a continuação do diário da bridjet jones. A gaja já me estava a irritar, pah...lool!

  Anónimo

quarta-feira, janeiro 28, 2009 5:50:00 da tarde

Aqui ficava bem uma quote de Chuck Palahniuk.

  Abobrinha

quarta-feira, janeiro 28, 2009 6:32:00 da tarde

Bruno

Isto vai ter que ser por partes.

É assim: folgo que tenhas lançado um livro. Mas não havia necessidade: podias-mo ter dado, que eu assim não o comprava. Está na minha lista de livros para ler.

Não creio que o Dawkins seja insultuoso. Acho que tem mais estilo é de padre: eu é que faço bem, não odeio ninguém, os religiosos é que são todos fanáticos. Não viesse isso de um inglês (os ingleses odeiam sempre alguém), até seria credível. Assim sendo, é só anedótico e cai mal.

A profissão é necessária, quer para espertos quer para leigos: compreender a Ciência implica muita coisa, entre as quais a queda das crencides e... a fé exacerbada na Ciência. Porque a Ciência não dá respostas definitivas a tudo, mas põe-se em causa constantemente. E é mesmo assim que se faz! Um mau cientista (não me parece que seja o caso) pode ser um excelente divulgador científico.

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 6:35:00 da tarde

#Aqui ficava bem uma quote de Chuck Palahniuk.#

A brincar, a brincar, até que não ia mal não!!!! O gajo é totalmente passado dos carretos!! :D

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 6:37:00 da tarde

#Um mau cientista (não me parece que seja o caso) pode ser um excelente divulgador científico.#

a abobrinha está certíssima. Tal como um bom cientista o pode ser. Tal como um óptimo cientista pode ser um péssimo divulgador ou professor...

  Pax

quarta-feira, janeiro 28, 2009 6:56:00 da tarde

Van,

"Ah, sim, concordo com a pax na sua susgestão de leitura. ;-) vai totalmente de encontro a esta conversa ;-). Não sendo uma obra prima da literatura (...)"

Também concordo contigo. Nem é o meu preferido dele mas é (como os outros) um excelente trabalho (também) de investigação e (na minha opinião :) um excelente livro.
Beijos :)

  Sandra

quarta-feira, janeiro 28, 2009 8:35:00 da tarde

Não consigo deixar de comentar, que o meu ponto de vista relativamente a esta temática é muito próximo do teu.

Adorei simplesmente o post!

  Skynet

quarta-feira, janeiro 28, 2009 8:38:00 da tarde

"Os Ateus são na verdade Agnósticos, só que não sabem que o são e apresentam-se como Ateus."

É engraçado eu acho exactamente o contrário lol

Eu tenho-me limitado a falar da religião ambientalista no meu blog e muito pouco de religião a sério, porque sinceramente tem tanta coisa que falar que acho que nunca mais parava. Mas enfim vou tentar resumir aquilo que penso:

Richard Dawkins:

Eu li esse livro também, não acrescentou nada ao que eu já pensava, apenas está escrito com um retórica mais enfeitada e poética. Quanto às suas capacidades científicas, de evolução ele percebe bastante, daí ter tornado Darwin o seu trunfo principal. Mas a verdade é que à custa desse ateísmo militante que ele defende, nunca vai ganhar nenhum prémio científico de importância relevante, pois é suposto os cientistas "credíveis" manterem-se longe dessas querelas.

Ateísmo:

Não podes por o ateísmo todo no mesmo saco, generalizações levam sempre a erros e preconceitos infundados. Há ateus fundamentalistas que não hesitariam a rir quando vêem uma igreja a ruir com pessoas lá dentro e que também têm uma visão muito tapada da coisa, tal e qual os fundamentalistas religiosos. Existe toda uma escala de cinzentos nesta categoria, várias razões para ser ateu, varias maneira de ver as coisas, mas eu vou falar da minha que é a única que posso falar com certeza.

Até há bem pouco poderia intitular-me de agnóstico, porque simplesmente estava-me a foder para toda esta idiotice, raramente falava em Deus durante o meu dia-à-dia, para mim não fazia diferença nenhuma se existia ou não, não sentia falta nem necessidade, quem quisesse adorar Deus ou o pai natal por mim estava tudo bem, desde que não me dissessem como viver a minha vida baseados nessas convicções.

Mas agora digo sem hesitação nenhuma que sou ateu. Porquê?

1. É extremamente improvável existir tal coisa. Olhando para as centenas de milhares de Deuses que a Humanidade já adorou, e todos se revelaram treta (deixá-mos de lhes rezar e o mundo não acabou por isso). E há ainda o facto de todos sermos ateus, eu apenas estendo esse meu ateísmo a mais um Deus do que o resto das pessoas, pois elas também não acreditam nesses deuses todos, acham-nos até ridículos (porque uma cobra falante, arcas de noé e virgens marias são perfeitamente credíveis). A juntar a isso olho para a natureza e embora seja fascinante e maravilhosa não vejo indícios nenhuns de ter sido criada por um ser inteligente e perfeito, porque simplesmente a natureza não é perfeita.

2. Eu e muitas pessoas que se dizem agora ateus, deixámo-nos de nos foder para isto tudo e a interessarmo-nos quando começaram a por o nariz na minha vida, na vida dos outros e com os ataques à Ciência e à razão. É ridículo em pleno século XXI andar um grupo de pessoas a querer ensinar novamente criacionismo na escolas, é ridículo jornalistas e realizadores serem mortos por fanáticos, é ridículo haver crianças a morrer de doenças perfeitamente curáveis porque os pais se recusam a levá-los ao hospital da herética e maléfica Ciência e ficam antes em casa a rezar pela cura(ainda na semana passada morreram 3 nos EUA), é ridículo ainda não pudermos curar doenças como o cancro, alzheimer e paralisias porque "todo o esperma é sagrado", é ridículo a religião não ser a causa das guerras mas mesmo assim ser utilizada como motivo para as iniciar e manter, etc...

3. Apesar de saber que é impossível fazer com que as pessoas deixem de acreditar em coisas estúpidas, não posso ficar calado e dormir descansado, quando sei que um pouco por todo o mundo existe um grupo de pessoas por vezes até no governo, que acham que o fim do mundo virá ainda no seu tempo de vida, e que ficam contentes por irem ter com Jesus Cristo o salvador! Porque estou assustado? Porque infelizmente a humanidade aprendeu a fazer armas de destruição maciça antes de todos terem ultrapassado a doença mental de desejar e acreditar em amigos imaginários.

Deus:

Como já disse é uma coisa extremamente improvável. É possível provar a existência de Deus? Não, embora as testemunhas de Jeóva o tentem sempre. É possível provar que Deus não existe? Não, porque não se pode nunca provar uma negativa do que quer que seja. Consegues arranjar uma prova de que os unicórnios ou os lobisomens não existem? Não, mas ninguém no seu perfeito juízo acredita nisso, no entanto acreditam em Deus.

Já agora o que raio é Deus? Um ser inteligente, perfeito, omni-tudo-e-qualquer-coisa que consegue curar tudo e todos excepto os amputados (nunca vi nenhum curado)? Temos ainda os Deístas que acham que todas as religiões são uma treta mas que realmente existiu um Deus que criou as leis da física e da evolução e depois deixou o Universo a correr em automático sem interferir. Existe ainda o Deus de Einstein em que basicamente não se acredita na existência de nenhum ser superior mas que o Universo, as suas leis e tudo nele contido (incluindo nós) são Deus. Com esta última versão não tenho problemas nenhuns...

Pronto havia muito mais para falar, mas fico por aqui.

Não soei muito fanático pois não? Só um bocadinho... lol

  Bruno

quarta-feira, janeiro 28, 2009 8:55:00 da tarde

Subscrevo quase tudo o que escreveu o senhor Skynet. E ele recorda essa grande premissa dos radicais, fanáticos: "todo o esperma é sagrado!"

  Skynet

quarta-feira, janeiro 28, 2009 8:59:00 da tarde

E esqueci-me do agnosticismo!

Realmente ter a humildade de dizer "Eu não sei" é de longe a melhor resposta. Mas embora seja geralmente sempre pela resposta mais equilibrada, neste caso resolvi apostar nos ateus, como já disse, as probabilidades estão a favor deles ;)

Abraço

  Van

quarta-feira, janeiro 28, 2009 9:38:00 da tarde

PAX, exactamente: ele é um comunicador, não propriamente um escritor. :)

SKYNETITO, concordo com quase tudo o que dizes e, no entanto, não me posso considerar ateia...já tive uma fase em que só via ciencia e moléculas à minha frente e em que não concebia qq tipo de "espiritualismo" na minha vida.
Mas, pensa numa cena. Achas mesmo que não existe algo superior ao homem? É que, isso pode ser um "deus". Não estou a falar do deus da biblia, nem do xenu, nem de jeová, nem de alá, nem de cronos, nem de zeus, nem das catrafiadas de deuses que a humanidade já inventou. Estou a falar de, simplesmente, algo mais, algo que o nosso cérebro não concebe, algo que ainda não descobrimos e está para além dos nossos sentidos...algo que, assim sendo, é superior a nós.
Dado que acho extremamente arrogante acreditar que não há nada superior ao ser humano, não me posso considerar ateia, porque o ateu não acredita em nada superior.
Acredito em deus? Não. Nos deuses que a humanidade tem vindo a descrever? Não. Na ciencia? Totalmente, não, porque a ciência é falivel e na verdade ela não cria nada de novo, apenas desmancha teorias antigas ou acrescenta-lhes hipoteses mais viáveis que nunca passam disso mesmo, hipoteses, pq um dia algo deita isso tudo por terra.
Acredito que tem de haver algo, ou houve algo, ou haverá algo, encarregue de orquestrar tudo. Nem que de orquestrar um bigcrunch de forma a criar um novo bigbang que permita novo ciclo de matéria, vida e inteligencia.
Porque, já reparaste na infimidade de variáveis que tiveram de possuir o valor exacto, certo até às virgulas todas todinhas, para que o bigbang se desse e originasse o universo, a vida e a inteligencia? As probabilidades eram muito mais infimas do que as de comprares um bilhete de lotaria em todos os paises do mundo e ganhares em todos esses paises!! heheheh! no entanto, o bigbang ocorreu! nós existimos, dê por onde der. E parecemos "destinados" a evoluir e a criar inteligencia nesse processo. Quem diz que, no final, não será criada essa inteligencia superior capaz de orquestrar todas as variaveis possiveis por forma a dar origem a novo ciclo? é assim tão descabido?
Se vamos evoluir e se a inteligencia evolui, chegaremos a um ponto que, aos olhos de um humano de hoje, seremos deuses, ou não? só pelo facto de sermos superiores (nessa altura!) e de termos acesso a informação que hoje nem nos é possivel imaginar (exercicio, eheheh, tenta lá imaginar uma cor para alem das sete do arco iris...se conseguires, parabéns, és um ente superior e de certeza q não és humano heheheh).

percebes onde quero chegar? basta aceitar a simples noção que há algo mais para além do que conhecemos hoje e para além do que os nossos sentidos nos permitem conceber, para se ser agnóstico. Porque, acredita-se em algo. Não em deus, mas que há algo mais. Isso não é ser ateu, é ser agnóstico.

Mas isto é só a minha opinião, e de quem já pensou o mesmo que tu :-p e de quem já esteve onde estás agora heheheh (em termos de formação cientifica).

  André

quarta-feira, janeiro 28, 2009 10:13:00 da tarde

De onde vim sei eu, interessa-me saber para onde vou e nenhum 'deles' me sabe dizer! Por isso graças a Deus que sou Ateu.

  johny

quarta-feira, janeiro 28, 2009 11:03:00 da tarde

Por acaso já tinha visto alguns vídeos dele no youtube e - apesar de concordar com... até com a Maior parte do que diz - há algo de estranho, que me faz desconfiar de pessoas como ele. Está bem que ele não acredita e até acha ridículo acreditar em algo divino, mas já não está bem, na minha opinião, que faça uma evangelização pela negativa.

Acho que é ele que fala de uma "doença" que nunca foi curada pela crença, que é a amputação... o que não deixa de ser engraçado. Parvo, mas engraçado.

  *K-rol*

quarta-feira, janeiro 28, 2009 11:59:00 da tarde

Oi!

passando por aqui pela primeira vez...

Bom, saum tantas as pessoas que escrevem o qeu acham e faz sucesso...

depende muito de cada um, vc tem que ler sim, e tirar suas conclusoes de cada livro e levar pra vida soh o que é relevante, e realmenet lançar oq ue naum presta em dire,ao ao lixo!

hoje em dia eh muito facil lançar um livro e fazê-lo best seller!
é só falar de algo polêmico, e naum precisa ser verdade, nem precisa ser preciso, soh letras que alguem julgue sufficiente para gerar bate boca, como assuntos do tipo religião, política, entre tantos outros!

bom, espero que o proximo livro que vc lançar seja o seu, vc escreve bem!!

até breve!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:40:00 da manhã

Pax disse...

"É a fé que pode curar, e não propriamente o objecto dessa fé."

Exacto, o acreditar que é possível.

"Se aceitares uma sugestão de leitura, "A Fórmula de Deus", do JRSantos. Gostei imenso e toca em muitos pontos em que também tocas neste texto."

Apesar de nao ir com a cara dele, posso dar uma chance ao livro. Os piores livros e textos que já li na minha vida, foram sempre escritos por jornalistas.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:40:00 da manhã

Physalia physalis disse...

"Sou uma pessoa de ciência e acredito no que é palpável, no entanto se conseguirem provar que deus é palpável então eu posso acreditar.
Eu acho que nós somos os criadores e nós ditamos o nosso próprio destino.
Nice hein? Quem diria...afinal sou agnóstica? :\
Baralhei-me..."

Nao estás baralhada, os agnósticos confiam na ciência, eu é que não confio em toda ela, pois não concordo com muitos dos estudos.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:41:00 da manhã

Paula disse...

"eu acredito em algo, numa entidade. acredito em mais qualquer coisa para além disto. e acredito em mim também.
posso é não ser de religião nenhuma porque não sinto essa necessidade."

Se acreditas em algo, numa entidade que não será necessariamente Deus, está incluída no grupo dos gnósticos. Nao estás sozinha, neste texto, já comentaram 3 gnósticos.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:41:00 da manhã

Solita disse...

"Eu costumo lançar cds"

ehehehehe, temos artista :)

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:41:00 da manhã

vício disse...

"eu um dia também pensei em ser ateu e argumentar! mas como a estupidez das pessoas não as deixa ouvir os outros, fiquei de modo que agora descobri que se chama agnóstico!"

E ficas muito bem, deixa-os andar à porrada.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:42:00 da manhã

vita disse...

"Eu sou "atua".;)"

Atua é bonito, atéia já não gosto.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:42:00 da manhã

I.D.Pena disse...

"Pah eu sei! Mas é como reciclar papel higiénico usado, parece errado :S"

Para mim não é, visto que reciclo e já faço algo, mas não uso papel higiénico reciclado.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:42:00 da manhã

Gravepisser disse...

"Bem, eu acho que nunca se deve deitar fora um livro. Quando muito, guardá-lo para a eventualidade de um qualquer objecto de madeira, como uma estante, empenar, e dessa forma colocá-lo como calço até resolver a situação de forma permanente. xD"

Sim, neste caso este livro poderia resolver o problema de imensas estantes, pois tinha perto de 400 páginas (versão de bolso).

"Isso a mim, e a qualquer Ateísta/Agnóstico/Whatever (discordo das confusões e separações de "classes" - para mim estamos todos no mesmo barco, do lado da ciência, da inteligência humana, e da clarividência de ideias versus os dogmas ridículos e descabidos do tempo da "Dona Urraca", os radicalismos, o desrespeito por direitos básicos do ser humano, etc. etc. etc.)"

Sim, estamos do mesmo lado ideológico mas não do mesmo lado argumentativo, eu prefiro a separação tal como parece ser o que a maioria dos ateus querem.

"Pela tua definição, não deveriam existir Ateus. Logo, também não poderiam existir religiões ou religiosos."

Nao deveriam existir ateus, afirmo isso, pois qualquer radicalismo está errado. Se os religiosos estão errados, não vejo a necessidade dos agnósticos de radicalizarem tornando-se ateus e caírem no mesmo erro.


"One word: BULLSHIT."

Nao é bullshit, pois eu nao disse que foi Deus ou os santos os responsáveis pela cura, mas sim o acreditar que a cura é possível o pensamento positivo. Há que consiga acreditar em si próprio e que pode vencer uma doença, tal como John Wayne venceu o cancro, mas há pessoas fracas que precisam de acreditar numa entidade superior e se, se curam foi o pensamento positivo que as curou e nao essa entidade. Acreditar, fé, pensamento positivo, isso é o primeiro passo para qualquer cura.

"Discordo novamente. Eu não acredito em nada que os meus olhos não vejam, à excepção da morte e do amor."

Acreditas em ti. Tu nao percebeste o que escrevi, o que eu escrevi é que a cura vem de acreditar nem que seja em nós próprios, acreditar que algo é possivel e TUDO é possivel só por se acreditar. Se acreditas em ti, acreditas e algo.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:43:00 da manhã

vita disse...

"Ah e concordo com a pax, esta parte do texto está certissima.;)"

Está correcto, mas os Ateus que comentaram nao perceberam a diferença entre o acreditar no sentido de ter pensamento positivo e no acreditar em algo...

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:43:00 da manhã

Van disse...

"A fé, seja ela qual for, remete para um estado de espirito positivo que, por seu turno, fortalece o sistema imunitário. Porque sim? não me parece que seja apenas porque sim..."

Correcto. É o acto de acreditar que é possível e o objecto dessa possibilidade é irrelevante.

"a minha avó, numa tentativa forçada (e frustrada) de me converter (eu devia ter 12 anos...), dizia-me que os ossos dos dinossauros tinham sido lá postos pelos cientistas malucos..."

Ahahaha, esses gandas brincalhoes :)

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:43:00 da manhã

Anónimo disse...

"Aqui ficava bem uma quote de Chuck Palahniuk."

Que nao seja por isso, arranja-se já uma:

(citação)Até que cries algo que cative as pessoas, eu convido-te a estares calado. É fácil atacar e destruir um acto de criação.(citação)

Esta citação é dirigida aos ateus, mas se trocar a palavra "cries" por "argumentes" e "criação" por "evolução", temos uma mensagem para os religiosos.

Apesar de Palahniuk se auto-intitular um romantico, ele escreve e fala como um nihilista.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:43:00 da manhã

Abobrinha disse...

"podias-mo ter dado, que eu assim não o comprava. Está na minha lista de livros para ler."

É o pior livro Ateu que já li na minha vida. A argumentação é lixo, é fácil demais escrever o que ele escreveu, não diz nada de novo nem nada que nunca tenha sido dito. É uma perda de tempo em que ele passa a vida a citar-se a ele próprio numa atitude de se auto-promover.

"Não creio que o Dawkins seja insultuoso."

Nao leste o livro dele, eu já li dois dele e são insultuosos. Um insulto aos não crentes moderados e um insulto à inteligência do leitor.

"A profissão é necessária, quer para espertos quer para leigos: compreender a Ciência implica muita coisa, entre as quais a queda das crencides e... a fé exacerbada na Ciência."

Sim, mas o título dado à sua área de ensino é insultuosa, pois soa a "Science for dummys".

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:44:00 da manhã

Van disse...

"#Aqui ficava bem uma quote de Chuck Palahniuk.#

A brincar, a brincar, até que não ia mal não!!!! O gajo é totalmente passado dos carretos!! :D"

Acedi ao pedido e coloquei uma!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:44:00 da manhã

Pax disse...

""Também concordo contigo. Nem é o meu preferido dele mas é (como os outros) um excelente trabalho (também) de investigação e (na minha opinião :) um excelente livro."

Eu sublinho a palavra "investigação" pois pessoalmente coloco em causa a originalidade do seu livro que se tornou filme. Onde é que eu já li aquilo...?

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:44:00 da manhã

Sandra disse...

"Adorei simplesmente o post!"

Obrigado.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:45:00 da manhã

Skynet disse...

"Quanto às suas capacidades científicas, de evolução ele percebe bastante, daí ter tornado Darwin o seu trunfo principal."

E o seu principal inimigo visto que Darwin se assumia como agnóstico e criticava os Ateus.

"Não podes por o ateísmo todo no mesmo saco, generalizações levam sempre a erros e preconceitos infundados. Há ateus fundamentalistas que não hesitariam a rir quando vêem uma igreja a ruir com pessoas lá dentro e que também têm uma visão muito tapada da coisa, tal e qual os fundamentalistas religiosos. Existe toda uma escala de cinzentos nesta categoria, várias razões para ser ateu, varias maneira de ver as coisas"

Eu faco a distincao que é apoiada por Darwin, por os principais Agnósticos e Ateus. Os Ateus estao-se a radicalizar e como agnóstico nao tenho nada em comum com eles, excepto o facto de nao acreditar na igreja, tirando isso discordo com tudo.

"1. É extremamente improvável existir tal coisa. Olhando para as centenas de milhares de Deuses que a Humanidade já adorou, e todos se revelaram treta (deixá-mos de lhes rezar e o mundo não acabou por isso). E há ainda o facto de todos sermos ateus, eu apenas estendo esse meu ateísmo a mais um Deus do que o resto das pessoas,"

Dawkins diz isso, mas acrescenta que o agnóstico é um ateu moderado e que um ateu é um agnóstico radical.

"2. Eu e muitas pessoas que se dizem agora ateus, deixámo-nos de nos foder para isto tudo e a interessarmo-nos quando começaram a por o nariz na minha vida, na vida dos outros e com os ataques à Ciência e à razão. É ridículo em pleno século XXI andar um grupo de pessoas a querer ensinar novamente criacionismo na escolas, é ridículo jornalistas e realizadores serem mortos por fanáticos, é ridículo haver crianças a morrer de doenças perfeitamente curáveis porque os pais se recusam a levá-los ao hospital da herética e maléfica Ciência e ficam antes em casa a rezar pela cura(ainda na semana passada morreram 3 nos EUA), é ridículo ainda não pudermos curar doenças como o cancro, alzheimer e paralisias porque "todo o esperma é sagrado", é ridículo a religião não ser a causa das guerras mas mesmo assim ser utilizada como motivo para as iniciar e manter, etc..."

Mas ninguém tem o direito de gritar isso é errado. Os EUA sao livres e privar a sua própria liberdade. In God que trust é o lema deles e até esse lema morrer ninguém tem nada a manifestar, a gritar, etc.
Liberdade de credo.

"3. Apesar de saber que é impossível fazer com que as pessoas deixem de acreditar em coisas estúpidas, não posso ficar calado e dormir descansado, quando sei que um pouco por todo o mundo existe um grupo de pessoas por vezes até no governo, que acham que o fim do mundo virá ainda no seu tempo de vida, e que ficam contentes por irem ter com Jesus Cristo o salvador! Porque estou assustado? Porque infelizmente a humanidade aprendeu a fazer armas de destruição maciça antes de todos terem ultrapassado a doença mental de desejar e acreditar em amigos imaginários."

Se eu escolher acreditar na teoria da chávena de chá que orbita em torno de marte, sou livre de o fazer, nenhuma ateu tem o direito de me dizer que ela nao existe, pois eu pedirei provas da nao existencia.

Eu acho que devemos de acreditar em nós próprios e se tem de haver um Deus, entao nós somos o nosso próprio Deus.


"Como já disse é uma coisa extremamente improvável. É possível provar a existência de Deus?"

Aqui entra a definicao de Deus como criador. Há quem veja Deus como um ET, há quem veja Deus como o BigBag, há quem veja Deus como o conhecimento humano. Há quem veja Deus como o próprio.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:45:00 da manhã

Bruno disse...

"Subscrevo quase tudo o que escreveu o senhor Skynet. E ele recorda essa grande premissa dos radicais, fanáticos: "todo o esperma é sagrado!""

Essa premissa é dos Monty Pithon!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:45:00 da manhã

Skynet disse...

"Realmente ter a humildade de dizer "Eu não sei" é de longe a melhor resposta. Mas embora seja geralmente sempre pela resposta mais equilibrada, neste caso resolvi apostar nos ateus, como já disse, as probabilidades estão a favor deles ;)"

Um agnóstico nao diz "eu nao sei", dizer isso ia contra a definição de agnósticismo. Um agnóstico diz "eu nao acredito, mas nao vou perder o meu tempo em manifestações sem sentido".

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:45:00 da manhã

Van disse...

"PAX, exactamente: ele é um comunicador, não propriamente um escritor. :)"

Ele é parvo!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:45:00 da manhã

André disse...

"De onde vim sei eu, interessa-me saber para onde vou e nenhum 'deles' me sabe dizer!"

Porque está tudo cego em lutas sem sentido a olhar para o passado em vez de olharem para o futuro!

"Por isso graças a Deus que sou Ateu."

Grande frase :)

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:46:00 da manhã

johny disse...

"- apesar de concordar com... até com a Maior parte do que diz - há algo de estranho, que me faz desconfiar de pessoas como ele. Está bem que ele não acredita e até acha ridículo acreditar em algo divino, mas já não está bem, na minha opinião, que faça uma evangelização pela negativa."

Concordo com todo o raciocínio agnóstico dele, mas não posso concordar com a radicalização militante. O que me leva novamente aos Nazis. Ele parece-me um Hitler a recrutar soldados baseado numa politica pura e assim que tiver um exercito irá cagar nessa politica e criar a dele. O Ateísmo corre o risco de se tornar numa seita e cair no ridículo.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:51:00 da manhã

*K-rol* disse:

"bom, espero que o proximo livro que vc lançar seja o seu, vc escreve bem!!"

Se for o meu, espero não o lançar pela janela :)

  Van

quinta-feira, janeiro 29, 2009 1:29:00 da manhã

#0s Ateus que comentaram nao perceberam a diferença entre o acreditar no sentido de ter pensamento positivo e no acreditar em algo...#

que me desculpem, mas não perceberam mesmo... :-p

  Skynet

quinta-feira, janeiro 29, 2009 1:36:00 da manhã

van:

"já tive uma fase em que só via ciencia e moléculas à minha frente"

Eu ainda estou nessa fase e espero continuar nela :)

Porquê? Porque se tivermos mesmo espírito de cientista temos uma visão muito mais clara, ampla, objectiva e sem preconceitos ou generalizações de nenhuma parte: ateus ou teístas, extrema esquerda ou extrema direita, porcos capitalistas ou hippies. Permite-me ver tudo como um todo e tirar as minhas conclusões.

Alguns dizem que a ciência não sabe tudo, a ciência às vezes erra, a ciência está sempre a mudar. Mas aquilo que as pessoas apontam como um defeito na ciência é de facto a sua maior virtude: se me apresentarem provas verdadeiramente convincentes de que eu estou errado, eu mudo imediatamente de opinião, não ameaço ninguém de morte ou tento distorcer a verdade. As pessoas que pensam ser detentoras da verdade absoluta tendem a fazer coisas disparatas e perigosas. A fé por sua vez já é apontada como uma enorme virtude porque permite manter as histórias da carochinha bem vivas sem nenhuma prova, ou até mesmo contra todos os factos e lógica.

A ciência não sabe tudo, e o único sítio onde Deus, o pai natal e as fadas da floribella ainda se podem esconder é nos buracos onde a ciência ainda não chega. Mas à medida que a ciência avança, o espaço desses buracos está cada vez mais diminuto e apertado. Foi por isso que os fundamentalistas religiosos agarraram nas suas armas para iniciar uma campanha contra a Ciência, o que por sua vez, também inflamou o ateísmo militante defendido por Dawkins. Foi tipo efeito dominó...

"Mas, pensa numa cena. Achas mesmo que não existe algo superior ao homem? É que, isso pode ser um "deus". Não estou a falar do deus da biblia, nem do xenu, nem de jeová, nem de alá, nem de cronos, nem de zeus, nem das catrafiadas de deuses que a humanidade já inventou. Estou a falar de, simplesmente, algo mais, algo que o nosso cérebro não concebe"

Não, não acho. Isto responde a tua questão? xD

Uma pessoa tem tendência a falar só do Deus da Bíblia, mas o que vale para esse vale para os outros todos. Não acredito num Deus pessoal, num ser inteligente e todo o poderoso que foi capaz de efectuar uma tarefa grandiosa e complexa como criar o Universo, mas que depois se ocupa de tarefas mundanas e truques de magia barata para satisfazer desejos fúteis dos humanos ou castigá-los. Isso é egocêntrico e ridículo, porque raio há-de um ser tão fantástico de se preocupar com o que se passa aqui neste pequeno ponto azul perdido no cú da galáxia? Não foi Deus que criou o homem à sua imagem, foi precisamente o contrário! O homem criou um Deus que espelha todos os seus defeitos e virtudes. Um Deus que lhe dê conforto e sobretudo uma desculpa para não assumir a responsabilidade das suas acções.

Eu não vejo necessidade nenhuma de da existência de tal ser para me sentir melhor e seguro, nem para explicar o que se passa no Universo, mas talvez seja porque não possuo o chamado "gene de Deus" descoberto há algum tempo atrás. Não chega contemplar a beldade e singularidade de um jardim sem afirmar que existem fadas escondidas por baixo?!

Podemos sempre falar no Deus Einsteiniano, mas esse Deus não é nenhum ser inteligente nem nenhuma força superior a nós, o Deus de Einstein é apenas sinónimo do Universo, é dizer que o Universo é Deus. Se queres chamar o Universo de Deus, por mim tudo bem, se for esse o caso então eu digo que Deus é lindo, fascinante e fantástico. Normalmente quando os cientistas falam de Deus, é neste sentido que falam, já que a maioria são ateus.

"Dado que acho extremamente arrogante acreditar que não há nada superior ao ser humano"

Porquê? Porque é que a crença num ser superior goza de tamanho estatuto em relação a todas as outras coisas na nossa vida? Tu não acreditas no pai natal, no unicórnio, nos lobisomens e nos fantasmas sem provas, porque há-des continuar a acreditar em tal ser? Se me apresentarem provas em mudo logo de opinião, até lá digo o mesmo que digo de todas as aldrabices que falo no meu blog, digo que é mentira! E nem sequer estaríamos a ter esta discussão metafísica se uma primeira Alexandra Solnado pré-histórica não se tivesse lembrado de aldrabar o primeiro grupo de idiotas :P.

Porque sentes necessidade de tal ser? Para dar sentido à vida? A biologia já nos diz qual é o sentido da vida, o sentido da vida desde a simples bactéria até ao organismo mais complexo é a replicação, pode não ser um sentido muito poético, mas pelo menos é real lol

"Totalmente, não, porque a ciência é falivel e na verdade ela não cria nada de novo, apenas desmancha teorias antigas ou acrescenta-lhes hipoteses mais viáveis que nunca passam disso mesmo, hipoteses, pq um dia algo deita isso tudo por terra."

Acho que já respondi a isso lá em cima.

"Acredito que tem de haver algo, ou houve algo, ou haverá algo, encarregue de orquestrar tudo. Nem que de orquestrar um bigcrunch de forma a criar um novo bigbang que permita novo ciclo de matéria, vida e inteligencia."

Isso é o que dizem os budistas lol Mas também é uma das hipóteses científicas em cima da mesa. É como se fosse a repetição de um jogo de futebol, em que já se sabe o resultado mas mesmo assim os macacos continuam a correr atrás da bola. Se bem que esta hipótese tem vindo a perder terreno porque segundo os cálculos e observações o mais provável é o Universo estagnar num estado permanente de entropia máxima onde nem sequer haverá estrelas a arder. De uma maneira ou outra o universo vai acabar, portanto depois disto qual o objectivo de um ateu continuar a viver não acreditando numa vida para além da morte? É precisamente a experiência de viver e de descobrir as maravilhas da vida e do universo!

"Porque, já reparaste na infimidade de variáveis que tiveram de possuir o valor exacto, certo até às virgulas todas todinhas, para que o bigbang se desse e originasse o universo, a vida e a inteligencia? As probabilidades eram muito mais infimas do que as de comprares um bilhete de lotaria em todos os paises do mundo e ganhares em todos esses paises!!"

Ahaha! Esse é o principal argumento dos criacionistas a improbabilidade da vida, a improbabilidade de uma mutação oferecer uma vantagem quando a maioria causa doenças, e portanto a Teoria da evolução está errada... É difícil uma pessoa em particular ganhar o euromilhões, mas mesmo assim há sempre alguém que mais tarde ou mais cedo acaba por ganhar. Nós ganhámos a lotaria genética e a lotaria cósmica! Parabéns!

Mas cada vez mais planetas são descobertos, alguns até com moléculas orgânicas precursoras da vida, e há medida que o poder de resolução dos nossos telescópios vão aumentando vamos descobrindo cada vez mais, todas as semanas são reportados novos planetas! Não falta muito até encontramos um que suporte vida. Talvez a lotaria cósmica não seja assim tão improvável e incomum...

"Se vamos evoluir e se a inteligencia evolui, chegaremos a um ponto que, aos olhos de um humano de hoje, seremos deuses, ou não?"

Nós já somos deuses, do milho, do trigo, do centeio, do algodão, da soja... xD

"percebes onde quero chegar? basta aceitar a simples noção que há algo mais para além do que conhecemos hoje e para além do que os nossos sentidos nos permitem conceber, para se ser agnóstico."

Eu perceber percebo, mas não concordo, acho que anda aqui uma grande confusão nos termos, especialmente no agnosticismo, que significa literalmente "falta de conhecimento", ou seja, se fores agnóstica podes é dizer que não sabes e não queres especular sobre o assunto, não que acreditas no ser superior, por aí já estás a tomar uma decisão... Vá lá, no máximo dos máximos podes dizer que és uma agnóstica teísta, mas isso já é forçar a barra lol

"Mas isto é só a minha opinião, e de quem já pensou o mesmo que tu :-p e de quem já esteve onde estás agora heheheh (em termos de formação cientifica)."

Ok, tens direito à tua opinião :) No fundo é isso que é, não se pode provar nem o sim nem o não. Mas a minha, por agora, é exactamente a mesma destas de duas pessoas extremamente estúpidas lolol:

Albert Einstein:
"I do not believe in a personal God and I have never denied this but have expressed it clearly. If something is in me which can be called religion than it is the unbounded admiration for the structure of the world so far as our science can reveal it."

E Isaac Asimov:

"I am an atheist, out and out. It took me a long time to say it. I've been an atheist for years and years, but somehow I felt it was intellectually unrespectable to say that one is an atheist, because it assumed knowledge that one didn't have. Somehow it was better to say one was a humanist or agnostic. I don't have the evidence to prove that God doesn't exist, but I so strongly suspect that he doesn't that I don't want to waste my time."

  ipsis verbis

quinta-feira, janeiro 29, 2009 1:48:00 da manhã

hmmmm... "fence sitters"? Isto traz-me memórias e bem... lembro-me de ser pequena e de querer jogar à bola com os meus 2 irmãos. Eles não queriam, mas, depressa pensei num plano para poder brincar com eles na mesma. Por várias vezes a bola, passava para o outro lado do muro, o que lhes fazia perder tempo de jogo, pois um deles teria que a ir buscar. Decidi-me então, qual Humpty Dumpty, pelo muro onde ficava várias horas sentada, à espera da bola mal chutada. Ahahaahah
O que é certo é que eu não me importava, e eles também não.
AHAHAHAH

Pronto.

  Skynet

quinta-feira, janeiro 29, 2009 2:34:00 da manhã

Bruno Fehr:

"E o seu principal inimigo visto que Darwin se assumia como agnóstico e criticava os Ateus."

Verdade e disse mais ainda: "It appears to me (whether rightly or wrongly) that direct arguments against christianity and theism produce hardly any effect on the public; and freedom of thought is best promoted by the gradual illumination of men's minds which follows from the advance of science."

Agora quando começam a atacar a ciência, é um bocadinho difícil ficar quieto e oferecer a outra face, quem tem telhados de vidro não devia brincar com pedras...

"Mas ninguém tem o direito de gritar isso é errado. Os EUA sao livres e privar a sua própria liberdade. In God que trust é o lema deles e até esse lema morrer ninguém tem nada a manifestar, a gritar, etc."

Pois, os israelitas também têm o direito de matar os palestinianos e ninguém tem nada a ver com isso, os nazis também tinham o direito de matar os judeus e os pais têm o direito de violar as filhas porque são deles. Tipo!?... Desculpa mas eu sinto mais dificuldade em acreditar que tu realmente acreditas nisso, do que acreditar em Deus lol Vá lá, arranja uma resposta melhor, eu sei que consegues...

E "Mas ninguém tem o direito de gritar isso é errado" Mas e quando a minha opinião é ela própria uma ofensa à opinião deles? Quem deve ficar calado para não ofender o outro?

"Se eu escolher acreditar na teoria da chávena de chá que orbita em torno de marte, sou livre de o fazer, nenhuma ateu tem o direito de me dizer que ela nao existe, pois eu pedirei provas da nao existencia."

Pela última vez, se querem analisar isto de uma maneira "científica" com provas e tudo, como têm estado a fazer, pois praticamente todos falaram em provas. Não se pode provar o negativo de nada! Nem de Deus, nem de unicórnios nem de um serviço de chá em órbita de Marte cuja "inteligência e subtileza" torna impossível de o observar por telescópio. Isso é uma falácia argumentativa! Quem acredita e quer impingir isso ao próximo é que tem de me apresentar um prova! Tens o direito de acreditar na chávena de chá marciana? Pois tens! Mas eu também tenho o direito de achar isso ridículo sem provas nenhumas ou não? Se eu não respeito o aldrabão que diz ver fantasmas porque hei-de respeitar esses?

"Eu acho que devemos de acreditar em nós próprios e se tem de haver um Deus, entao nós somos o nosso próprio Deus"

Ahahah! Que heresia! Vais pró Inferno... Mas pronto, eu também concordo por isso vais ter companhia.

"Aqui entra a definicao de Deus como criador. Há quem veja Deus como um ET, há quem veja Deus como o BigBag, há quem veja Deus como o conhecimento humano. Há quem veja Deus como o próprio."

Mas todos esses são considerados malucos, os outros já não porque estão em maioria lol

"Um agnóstico nao diz "eu nao sei", dizer isso ia contra a definição de agnósticismo. Um agnóstico diz "eu nao acredito, mas nao vou perder o meu tempo em manifestações sem sentido"."

hum...Não, o significado geral do agnosticismo é mesmo "eu não sei" ou "não se pode saber", não exclui a hipótese Deus nem a hipótese não Deus, está no dicionário e na wiki.

Agora existe é as subclasses tal como no ateísmo e teísmo, a tua talvez seja o "agnosticismo apático ou indiferente" ou talvez sejas "ignóstico" visto as tuas dúvidas sobre o que é afinal Deus:

http://en.wikipedia.org/wiki/Agnosticism

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 3:58:00 da manhã

Skynet disse...

"Não acredito num Deus pessoal,"

Eu nao falo em Deus pessoal mas pessoa como Deus. Pois o CERNE nao é mais nem menos do que brincar aos Deuses. Recriar a BigBang é recriar a criação. Estarei errado ao dizer que que homem acabará eventualmente na sua evolução por criar Deus que por sua vez o criará.

Suponhamos que o homem consegue recriar o BigBag, que os mais pessimistas teem razão e que o mundo acaba, recomeçando. Ora, isto significaria um acto por parte do homem de criação. Ao criar torna-se no tal Deus, mas nao fica cá ninguém para o lembrar. Expecto a nova vida criada que por sua vez buscará Deus e talvez o encontre em si próprio, tornando a criação num ciclo vicioso de tentativa/erro.

"Eu não vejo necessidade nenhuma de da existência de tal ser para me sentir melhor e seguro, nem para explicar o que se passa no Universo"

Nem tu nem os agnósticos.

"Podemos sempre falar no Deus Einsteiniano, mas esse Deus não é nenhum ser inteligente nem nenhuma força superior a nós, o Deus de Einstein é apenas sinónimo do Universo, é dizer que o Universo é Deus. Se queres chamar o Universo de Deus, por mim tudo bem, se for esse o caso então eu digo que Deus é lindo, fascinante e fantástico."

Ora bem, daqui eu retiro duas conclusoes:

1- Tu de facto és Ateu e nao agnóstico, pois justificas os teus ataques aos Teístas como uma defesa dos ataques deles. Sim, se te assumes como crítico, és de facto um Ateu. Isto em nada invalida uma palavra do que disse, pois mais Ateus postaram aqui, com pontos de vista nao ateus.

Por outro lado, assumes a ideia geral de Deus. Eu nao posso dizer que Deus nao existe, pois Deus pode ser o universo, podes ser o facto de atingirmos a ilumicao, a inteligencia suprema ao finalmente conseguirmos usar os 100% do nosso cerebro e porque Deus podemos ser de facto nós próprios. A minha definicao de Deus vai além do que o que a Igreja diz.

Por isso como agnóstico afirmo, nao acredito em Deuses inventados por civilizacoes ou cultos religiosos, mas poderá existir um Deus ou poderá ser criado, tal como poderá já existir e nao saber que o é. Tal como afirmava Anton LaVey.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 3:59:00 da manhã

ipsis verbis disse...

"Decidi-me então, qual Humpty Dumpty, pelo muro onde ficava várias horas sentada, à espera da bola mal chutada. Ahahaahah"

Nunca caíste e partiste a casaca?

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 4:27:00 da manhã

Skynet disse...

"Verdade e disse mais ainda: "It appears to me (whether rightly or wrongly) that direct arguments against christianity and theism produce hardly any effect on the public; and freedom of thought is best promoted by the gradual illumination of men's minds which follows from the advance of science.""

Exacto, ou seja a posição arrogante actual do ateísmo militante de Dawkins, não nos leva a lado nenhum. Sendo o caminho lógico o do agnosticismo moderado.


"Agora quando começam a atacar a ciência, é um bocadinho difícil ficar quieto e oferecer a outra face, quem tem telhados de vidro não devia brincar com pedras..."

Tal como Darwin disse, não leva a nada os ataques dos ateus à igreja e o mesmo se aplica aos da igreja à ciência. É uma discussão de surdos.

"Pois, os israelitas também têm o direito de matar os palestinianos e ninguém tem nada a ver com isso, os nazis também tinham o direito de matar os judeus e os pais têm o direito de violar as filhas porque são deles. Tipo!?..."

Matar e violar são crimes. A censura é só um erro ainda não criminalizado.

"Desculpa mas eu sinto mais dificuldade em acreditar que tu realmente acreditas nisso, do que acreditar em Deus lol Vá lá, arranja uma resposta melhor, eu sei que consegues..."

É muito simples e passo a explicar. Um país que tem como lema "In God we trust", logicamente que defende o criacionismo, seria hipócrita fazer o oposto. Ao passo que a nota de dólar tem esta frase, uma das notas de libra tem a foto de Darwin. Deus como ser superior está entranhado em toda a politica e sociedade Americana, de tal maneira que todos os Ateus do mundo não conseguem fazer nada. Lembro-te que é um país em que o seu antigo presidente afirmou que nao considerava os Ateus patriotas, por negarem Deus quando as bases dos EUA assentam na confiança em Deus.
Eu não tenho a mais pequena esperança que o povo Americano acorde, para ser sincero eu não quero que ele acorde, pois quando deixarem de estar cegos com a religião, pode ser que olhem em volta e vejam um mundo e isso é realmente assustador.
Se concordo com censura da teoria da evolução das espécies? Nao,eu não concordo. Mas será que me importo que a censurem? Nao, não me importo nada.

Quem sou eu, ou qualquer Ateu para levantar a sua voz contra as crenças religiosas de um povo fanático-religioso? Eles estão num coma auto-infligido, portanto que saiam dele se o entenderem fazer, a informação está à disposição de cada um e é um sinal de inteligência procurá-la!


"E "Mas ninguém tem o direito de gritar isso é errado" Mas e quando a minha opinião é ela própria uma ofensa à opinião deles? Quem deve ficar calado para não ofender o outro?"

Regra geral, numa discussão, aquele que não grita, passa melhor uma mensagem. Aquele que não perde a calma, ganha a discussão. Neste momento os Ateus militantes, perderam a calma e estão muito parecidos com os fanáticos religiosos.

Logo eu como agnóstico, não tenho qualquer intenção em me meter em discussões onde A não ouve B e vice versa, mas em que ambos esgrimem argumentos.

"Não se pode provar o negativo de nada! Nem de Deus, nem de unicórnios nem de um serviço de chá em órbita de Marte cuja "inteligência e subtileza" torna impossível de o observar por telescópio. Isso é uma falácia argumentativa!"

Ora bem, não se pode para já. Tudo o que é possível hoje foi possível um dia, o que está certo hoje poderá estar errado amanha!
Só ganha a discussão, quem tiver acesso a dados, e ninguém os tem, nem pode ter. Mas terá um dia?

Na minha opinião, se os cientistas conseguirem recriar o BigBang, eu acho que a discussão fica a um passo de ser ganha pela ciência, mas os crentes irão continuar a argumentar.

"Quem acredita e quer impingir isso ao próximo é que tem de me apresentar um prova!"

É isso mesmo que eu tenho estado a dizer. Os crentes devem de apresentar provas por tudo o que me querem impingir. Tal como Dawkins tem de me apresentar provas, pois o Ateísmo militante, está a querer impingir algo que nao consegue provar.
A igreja fá-lo há séculos, os Ateus militantes estão a começar agora com Dawkins.

"Tens o direito de acreditar na chávena de chá marciana? Pois tens! Mas eu também tenho o direito de achar isso ridículo sem provas nenhumas ou não?"

Tens o direito de achar que é ridículo. Mas se eu acredito nela e não te tento convencer da sua existência, tu não podes argumentar que ela não existe, não tens esse direito, pois estás a impingir-me as tuas ideias, sem teres a capacidade de as provar. Estarias a fazer exactamente aquilo que te acusas a igreja de fazer. É esse o erro ateísta, o tentar impor novas ideias.


"Ahahah! Que heresia! Vais pró Inferno... Mas pronto, eu também concordo por isso vais ter companhia."

Heresia, é algo que não me afecta,eu sou agnóstico, logo não acredito em estórias escritas em livros de ficção como a bíblia, corao, torá e o senhor dos anéis.

"Mas todos esses são considerados malucos, os outros já não porque estão em maioria lol"

Então, serei um orgulhoso membro da minoria-maluco-argumentativa-com-raciocínio-próprio-e-lógico-que-não-segue-modas-tendências-grupos-ou-mitos-teístas-ou-ateístas.
O melhor é que nao estarei sozinho.

"hum...Não, o significado geral do agnosticismo é mesmo "eu não sei" ou "não se pode saber", não exclui a hipótese Deus nem a hipótese não Deus, está no dicionário e na wiki."

Ora no dicionário da wiki, retiraste isso do termo agnóstico-teísta, um grupo referido lá, mas do qual não conheço ninguém, pois é uma uniao de palavras ilógica. Nesse link que me deste encontras a definicao de agnostico mais abaixo, ou seja a real e dada pelo criador do termo e passo a citar:

'Agnostic' was introduced by Thomas Henry Huxley in 1869 to describe his philosophy which rejects Gnosticism, by which he meant not simply the early 1st millennium religious group, but all claims to spiritual or mystical knowledge.

O agnóstico rejeita todas as crenças e todos os grupos espirituais ou míticos. Ou seja, o mesmo que o Ateu, mas o agnóstico nao se chateia com isso e o ateu acha que enfrentar os crentes o levará a algum lado.

  São

quinta-feira, janeiro 29, 2009 5:40:00 da manhã

Depois de ler o texto e principalmente os comentários, fiquei um pouco baralhada, não sei se me posso considerar agnóstica, não acredito na religião nem nos seus Deuses, mas acredito em mim, nos outros, alguns, na ciência mas não em tudo o que ela diz e que um dia o homem vai conseguir utilizar todo o seu cérebro.

Cresci numa família católica, era costume as pessoas confessarem-se na época da Pascoa, um ano, era eu bem novinha fui com a minha tia confessar-me na Sé da minha cidade “apanhei” um cónego velhote que era um pouco surdo, durante a confissão perguntou-me se acreditava em Deus e eu disse-lhe que tinha dúvidas, disse-me que se eu não disse que acreditava não podia dar-me a absolvição e tentou convencer-me, para que eu disse-se que sim que acreditava, estive no confessionário imenso tempo com uma fila enorme atrás de mim, mas não chegamos acordo e sai de lá sem absolvição, a partir daí as minhas dúvidas só aumentaram.

Respeito quem acredita e quem não acredita, e não gosto de extremismos/radicalismos seja no que for.
Podem dizer que sou hipócrita, não acredito na religião seja católica seja qualquer outra, no entanto por respeito às pessoas, vou a funerais, missas de sétimo dia, casamentos e baptizados e no dia de Natal o meu pai pediu-me para ir à missa e eu fui.

  AP

quinta-feira, janeiro 29, 2009 9:34:00 da manhã

Ganda maluco!
O autor do livro, tu não. Há pessoas que dão uma utilização fantástica à sua massa cinzenta, só para provarem que não a utilizam assim tanto.
Abraço.

PS: quando mudares de casa avisa. É sempre um prazer ler os teus textos.

  lena

quinta-feira, janeiro 29, 2009 11:56:00 da manhã

Bruno, tu és um EXCELENTE escritor, do melhor que ja li até hoje e so porque esta sociedade é composta a maior parte por imbecis, é que ainda nao publicaste um livro e ganhaste dinheiro com ele-Se fosse esse o teu objectivo, claro. Podes simplesmente estar-te a borrifar para isso.

Se fosses cristao, como eu o sou na igreja Mana, rebentavas de sucesso, rapaz. Porque Deus abre as portas que estavam fechadas, as oportunidades. Esta igreja é simples, verdadeira, descontraida, autêntica, genuina.

Tiveste um grande discernimento ao dizer "Provem-me que Deus nao existe" - E mais facil de provar que ele existe de que provar o ocntrario. E tu sabes isso.Por isso, tens toda a minha admiracao. So te falta mesmo uma ajudinha de um pastor dessa igreja para teres a certeza que Deus existe de facto e que todoo mal que existe no mundo nao é provocado por ele. Quando as pessoas viram-se para Deus, a sua vida passa a estar protegida pelos anjos de Deus e o mal nao atinge essas pessas (Vê o que diz o salmo 91).Quem nao quer nada com Deus, tb. nao pode querer que ele o proteja sempre, nao é?Parece-me logico.
Um beijinho grande

  cipereira

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:23:00 da tarde

Pelos comentários que foram sendo aqui publicados (e atenção que não estou a generalizar), há muito quem aponte o dedo à religião como fonte de radicalismo e fundamentalismo. Ao mesmo tempo, essas pessoas dizem-se ateus/agnósticos e até metem a ciência ao barulho. Mas é precisamente nos comentários (de algumas) dessas pessoas que eu encontro radicalismo e fundamentalismo. Os outros, os poucos que aqui vieram defender a sua fé (não necessariamente num Deus, mas apenas fé), nada têm contra os ateus/agnósticos, apenas tentaram mostrar o seu ponto de vista. Quem não acredita, por seu lado, veio logo com argumentos como guerras santas e lavagens cerebrais e mais não sei o quê (atenção, mais uma vez, que eu não estou a generalizar)... Afinal, quem são os fundamentalistas? Os radicais? Porquê é que as pessoas não podem simplesmente aceitar que somos diferentes e que as nossas crenças/descrenças/não-crenças deveriam ser aceites pelos outros e ponto.
Quem não acredita, não tem que provar nada a quem acredita e vice-versa. Uma coisa é defender e elencar os pontos de vista de cada um, justificando-os com argumentos, outra bem diferente, é atacar quem tem opinião contrária. O problema das pessoas é que não sabem discutir saudavelmente, apenas apontam dedos e ofendem e, aí perdem toda a razão.

Agora outra coisa, foi dito salvo erro pelo Skynet:

"...se me apresentarem provas verdadeiramente convincentes de que eu estou errado, eu mudo imediatamente de opinião, não ameaço ninguém de morte ou tento distorcer a verdade."

Eu também sou uma pessoa da ciência e que trabalha na ciência. Mas há pouco tempo vi cair o véu cor-de-rosa que cobria a "Ciência", detentora da verdade e sabedoria, revelando os seus defeitos e podres. Descobri (digamos a verdade, meti-me com as pessoas erradas) que muito do que é hoje um dado adquirido pela ciência é perfeitamente passível de ser manipulado e comprado. Descobri que o poder e a ganância estão acima de qualquer verdade. E infelizmente, isto passa-se mesmo lá em cima, no topo. O dinheiro paga muitos resultados e publicações. O pior é que "a formiga" que se tentar meter com o "elefante" pode sair bem magoada e eu já tive uma ínfima amostra disso! Isto para dizer que também não vale a pena acreditar na ciência, pois também esta é manipulada... Valores mais altos se levantam!


E para que fique dito (outra vez) eu não pertenço nem sou adepta de nenhuma religião, não sou pessoa de me juntar a "carneiradas". Tenho sim a minha fé, mas à minha maneira e vivo-a de uma forma muito pessoal e própria.

Não quero que este meu comentário seja levado a mal por ninguém, apenas expus os meus pontos de vista...

  Sofia

quinta-feira, janeiro 29, 2009 12:39:00 da tarde

Uma prenda para ti aqui:

http://osdesabafosdasofia.blogspot.com/2009/01/e-oficial-estou-adorar-os-selos-parte.html

Bjocas

  vita

quinta-feira, janeiro 29, 2009 4:03:00 da tarde

"Está correcto, mas os Ateus que comentaram nao perceberam a diferença entre o acreditar no sentido de ter pensamento positivo e no acreditar em algo..."

Bruno eu achei certo porque é nisso que acredito, a nossa força, o pensar positivo, e não necessáriamente em acreditar em algo, é muitas vezes o nosso "milagre".

Sinceramente e mais a sério não sei o que sou, sei que não acredito em algo divino, e não tenho religião, sei apenas que acredito em mim e tenho uma grande força de vontade e de vida, e é por ela que hoje estou aqui, não acredito em nada mais que isto,faz de mim ateia? agnóstica? Não sei, e nem me preocupa.

  Van

quinta-feira, janeiro 29, 2009 4:43:00 da tarde

#que muito do que é hoje um dado adquirido pela ciência é perfeitamente passível de ser manipulado e comprado. Descobri que o poder e a ganância estão acima de qualquer verdade.#

ora bem, nem mais!!! heheheheh! por vezes (vezes demais....) muitos resultados são forjados...as conclusões são forçadas...os chefões ficam com os louros de trabalhos que não fizeram...os maurices wilkins roubam resultados às Rosalindes Franklins e entregam-nos, à socapa, aos watsons e crickes que, assim, publicam em primeiro lugar a estrutura helicoidal do dna...

Na ciencia, tudo se resume a quem publica primeiro e a quem tem dinheiro para estar no ramo da investigação. E a quem tem saco para encher com a merda que vai ter de engolir dos chefões arrogantes e inúteis. E a quem tem pais que os possam sustentar enquanto a bolsa não chega. E no dia em que a bolsa acaba, adeus, vamos para caixa de supermercados. Não chega ser-se bom, nem muito bom. Interessa sim ser um bom escravo disposto a venerar o deus da ciencia que é o chefinho, e se mudares a tua cama para o laboratório, melhor ainda!! heheheheh!

A ciencia fornece muitas respostas sim, mas muitas delas são forjadas por interesses superiores. Quem me diz que o einstein não roubou a teoria da relatividade a um qq assistente menos notado?...sei lá...neste meio há de tudo, e corrupção não falta.

Skynet, não podes achar que o ser humano actual é o mais superior que se pode arranjar no universo...assim, negas a evolução. Se não ha nada superior ao ser humano actual, então parámos de evoluir...
Ná, a "minha" teoria foi emprestada (eheheheh) ao einstein! Não concordo que seja criacionismo, na forma como este existe hoje. Acredito que evoluiremos de forma a criar inteligencia (e não criámos já inteligencia artificial??) e que essa um dia será capaz de recriar o universo à escala universal. Pois se nós, seres tão imperfeitos, o estamos a tentar fazer em pequena escala,recriando-se o bigbang em laboratório! Não estaremos a criar?...então, não estaremos a ser entidades criadoras?...

Com isto quero dizer: deus sou eu imainada pah!! LOOL! e as chávenas de chá são minhas!!! favor devolver!! ;-)

  Vanessa.

quinta-feira, janeiro 29, 2009 4:48:00 da tarde

Ri-me imenso com o "lancei um livro", "deitei o livro fora" :P

  ceptic

quinta-feira, janeiro 29, 2009 5:41:00 da tarde

:) gostei do post e em particular da tua definiçao
"Não há um ser superior que controle as nossas vidas, nós controlamos as nossas vidas, mas Deus existe pois nós somos o nosso próprio Deus...e da destruição nascerá uma nova criação"

se deus existir ou deuses, ou entidade superior, chamem-lhe o que quiser, é bom que tenha um livro de reclamações! :P

agora se nao foi o primeiro livro do autor que leste, se a tua opiniao, de certa forma ja estava formada, porque compraste o livro?! sabendo que era perda de tempo e dinheiro?! um cadito masoquista?! :P

  Carlos II

quinta-feira, janeiro 29, 2009 8:29:00 da tarde

Até fiquei assustado! Bolas, outro que vai lançar um livro. É tanta gente a escrever com uma grande vontade dos editores (compreende-se)de publicar merdas, que, meu Deus(?) não sei!

Quanto à questão central do post: Já estou como o outro. Ya

Um abraço

  Skynet

quinta-feira, janeiro 29, 2009 10:39:00 da tarde

Bruno Fehr e Van:

Olhem, sabem qual é o meu argumento final? É ahahaha e lololol. Tentem lá repudiar este! xD

Eu apetece-me muito continuar a falar e a responder, mas vou ficar por aqui, por duas razões: 1. Sinto que estamos a ter uma discussão sobre se os tomates são vermelhos ou encarnados; 2. Tenho coisas mais importantes e infelizmente bem reais como o exame da cadeira de genética humana para fazer.

Quando eu tiver coragem e tempo para falar de religião no meu blog, continuamos então esta discussão, e até estou disposto a fazer o post sobre os defeitos da ciência especialmente para a Van ;)

Fui

  anatcat

sexta-feira, janeiro 30, 2009 12:06:00 da manhã

bom, eu só vim aqui para marcar a data do casamento, perdão, lançamento, que é o que tenho vontade de fazer, à papelada que tenho entre mãos, não casar, lançar, óbvio... a não ser que fosse contigo :D :D :D :D :D

ai meu deus, com as fãs que tens e os inimigos também, eu vou ser a pessoa mais odiada da blogoesfera

ainda por cima tenho um blogue / blog ranhoso, e do sapo :D

bjs Bruno

  ipsis verbis

sexta-feira, janeiro 30, 2009 1:12:00 da manhã

Bruno Fehr disse:

"Nunca caíste e partiste a casaca?"

A "casaca" deve ser casca, não é? Não. Nunca a parti. Mas andava sempre toda feita nódoa negra, nos braços e pernas. :D

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:07:00 da manhã

São disse...

"não sei se me posso considerar agnóstica, não acredito na religião nem nos seus Deuses, mas acredito em mim, nos outros, alguns, na ciência mas não em tudo o que ela diz e que um dia o homem vai conseguir utilizar todo o seu cérebro."

Ou és agnóstica ou ateísta (nao gosto do feminino de ateu).

"Podem dizer que sou hipócrita, não acredito na religião seja católica seja qualquer outra, no entanto por respeito às pessoas, vou a funerais, missas de sétimo dia, casamentos e baptizados e no dia de Natal o meu pai pediu-me para ir à missa e eu fui."

Vou a casamentos mas só assisti a uma cerimonia em que era padrinho, o mesmo em baptizados e funerais nao entro na igreja.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:07:00 da manhã

AP disse...

"Há pessoas que dão uma utilização fantástica à sua massa cinzenta, só para provarem que não a utilizam assim tanto."

Mas dá-lhe lucro financeiro.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:07:00 da manhã

lena disse...

"e so porque esta sociedade é composta a maior parte por imbecis, é que ainda nao publicaste um livro e ganhaste dinheiro com ele-Se fosse esse o teu objectivo, claro."

Nunca foi o meu objectivo, pelo menos até hoje nao foi e nao é.

"So te falta mesmo uma ajudinha de um pastor dessa igreja para teres a certeza que Deus existe"

Nao coloco de parte um confronto de ideias com um pastor de qualquer religião, mas a minha conversão é praticamente impossível, tenho convicções agnósticas tão fortes que se Deus me aparecesse à frente eu iria argumentar com ele, se ele existe ou não.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:08:00 da manhã

cipereira disse...

"Mas é precisamente nos comentários (de algumas) dessas pessoas que eu encontro radicalismo e fundamentalismo."

Mas existe fundamentalismo e radicalismo Ateu nao é só religioso e é contra isso que me assumo. Se a igreja é radical e os nao crentes se estao a tornar radicais, estao a cair no mesmo erro.

"Quem não acredita, não tem que provar nada a quem acredita e vice-versa."

Correcto, se nao me questionarem eu nao irei questionar de volta.

"Não quero que este meu comentário seja levado a mal por ninguém, apenas expus os meus pontos de vista..."

Nao será com toda a certeza.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:08:00 da manhã

Sofia disse...

"Uma prenda para ti aqui"

Já o vi :) Obrigado.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:08:00 da manhã

vita disse...


"Bruno eu achei certo porque é nisso que acredito, a nossa força, o pensar positivo, e não necessáriamente em acreditar em algo, é muitas vezes o nosso "milagre"."

Exactamente o que ando a tentar dizer, mas toda a gente liga o acreditar ao senhor omnipresente.

"ateia? agnóstica? Não sei, e nem me preocupa."

Atéia nao gosto, prefiro atua :D

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:08:00 da manhã

Van disse...

"muitos resultados são forjados...as conclusões são forçadas...os chefões ficam com os louros de trabalhos que não fizeram...os maurices wilkins roubam resultados às Rosalindes Franklins e entregam-nos, à socapa, aos watsons e crickes que, assim, publicam em primeiro lugar a estrutura helicoidal do dna..."

Claro que isso acontece, por isso nao defendo a ciência. Tudo o que é humano é corrupto.

"Com isto quero dizer: deus sou eu imainada pah!! LOOL! e as chávenas de chá são minhas!!! favor devolver!! ;-)"

Hei, uma chávena é minha, podes ficar com o pires!

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:08:00 da manhã

Vanessa. disse...

"Ri-me imenso com o "lancei um livro", "deitei o livro fora" :P"

Foi um lançamento discreto mas certeiro.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:09:00 da manhã

ceptic disse...

"se deus existir ou deuses, ou entidade superior, chamem-lhe o que quiser, é bom que tenha um livro de reclamações! :P"

E um bom advogado :)

"agora se nao foi o primeiro livro do autor que leste, se a tua opiniao, de certa forma ja estava formada, porque compraste o livro?! sabendo que era perda de tempo e dinheiro?! um cadito masoquista?! :P"

Nao. Dawkins era um agnóstico com excelentes argumentos, que passou de um momento para o outro para Ateu. Quando li o outro livro, ele já era ateu e tinha convicções mais fortes contra a igreja, mas neste livro enlouqueceu, fala até em criação de exércitos ateus para criticar a igreja... a mim pareceu-me que quer invadir o Vaticano!

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:09:00 da manhã

Carlos II disse...

Nunca publicaria um blogue, nao faz sentido.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:09:00 da manhã

Skynet disse...

"1. Sinto que estamos a ter uma discussão sobre se os tomates são vermelhos ou encarnados"

Correcto, pois na verdade o ponto de discórdia é se o caminho correcto é o de combater o radicalismo com radicalismo.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:09:00 da manhã

anatcat disse...

"bom, eu só vim aqui para marcar a data do casamento"

Nao pode ser na igreja, é contra as minhas crencas.

"perdão, lançamento"

Ahhh, isso, ok.

"que é o que tenho vontade de fazer, à papelada que tenho entre mãos, não casar, lançar, óbvio... a não ser que fosse contigo :D"

Ahahaha, sinto-me lisonjeado!

"ai meu deus, com as fãs que tens e os inimigos também, eu vou ser a pessoa mais odiada da blogoesfera"

Os inimigos piam baixinho ou levam enrabadelas verbais, eles gostam mais das outras :) As fans, acho que é um termo exagerado :)

"ainda por cima tenho um blogue / blog ranhoso, e do sapo :D"

Mas isso seria racismo, tadinhos dos sapos...

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 9:09:00 da manhã

ipsis verbis disse...

"A "casaca" deve ser casca, não é? Não. Nunca a parti. Mas andava sempre toda feita nódoa negra, nos braços e pernas. :D"

Partir a casaca deveria ser bem mais dificil...

  I.D.Pena

sexta-feira, janeiro 30, 2009 1:37:00 da tarde

Bruno ...

"Cremado perderia a utilidade do material que foi usado, o papel. Acredito que ele deva ser transformado em algo de útil como um saco de papel que irei um dia trazer com as minhas compras, ou uma caixa de cartão, onde irei colocar mais papel para reciclar."

Tens razão, não te cansas de ter razão :P ?

Beijos sem razão alguma

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 30, 2009 1:42:00 da tarde

I.D.Pena disse...

"Tens razão, não te cansas de ter razão :P ?"

A tua pergunta já tinha sido antecipada e já tinha a resposta pronta, pois a minha primeira ideia foi destruir o livro.

  I.D.Pena

sexta-feira, janeiro 30, 2009 2:03:00 da tarde

Lol, instinto animal.

  Van

sexta-feira, janeiro 30, 2009 4:43:00 da tarde

Eu até acho que o ponto de discórdia é no que é realmente ser ateu e agnóstico. Vejo muitos agnósticos convictos que são ateus. Mas eles devem achar que eu é que sou uma ateia convicta que sou agnóstica loool! :D

Já agora, não se esqueçam que há tomates esverdeados. E que o tomate ser vermelho, é discutivel. Só é vermelho aos nossos olhos porque estes detectam a radiação solar refletida pelo tomate. Isto, se não fores daltonico cego para os vermelhos. Ou se não fores mesmo cego. Ou se não fores um escaravelho, que ve a duas dimensoes. Se fosses um ente superior, secalhar verias a sérima cor...serias deuuuuuus, dono de todos os pires e chávenas que flutuam no universo!!!muahahahahah! ;-)

  Van

sexta-feira, janeiro 30, 2009 4:44:00 da tarde

Ok, eu fico com o pires. Se me der a birra, é uma arma mais letal que uma chávena...muahahahah!

  Van

sexta-feira, janeiro 30, 2009 4:48:00 da tarde

SKYNET, chuta aí esses defeitos eheheheh, aposto que eu encontro mais uns quantos para acrescentar heheheh! ;-) digamos que fui de 8 para 80 no que respeita à vida cientifica em portugal...

Boa sorte para o teste de genetica humana...ou diria antes, probabilidades e estatistica humana heheheheheh! ;-)

  sexy hot

sábado, janeiro 31, 2009 1:53:00 da tarde

Sabes eu até andei na catequese e até vê lá tu fiz o crisma, até que num dos ensaios para o crisma o padre disse qualquer como: "se há aqui alguém que não acredite em tudo isto blá blá blá apenas vou sujar a sua testa com azeite" e eu fiquei ali a pensar... naquela altura eu já duvida, questionava e bla bla bla até que a certa altura pensei: "acho que ele só me vai sujar a testa com areia". Cheguei a casa e comentei isso com a minha mãe e ela ficou chocada (ainda fica). Enfim... sou Agnostica e sempre que digo que o sou uma grande parte das pessoas diz que "isso não faz sentido nenhum...", mas para mim faz. Eu não digo que Deus não exite, mas digo que uma grande parte do que a Igreja catolica diz é uma valente treta... acredito em algo, porque no meu entender todos nós precisamos disso... de acreditar em algo mais para além de tudo isto.

  Larissa

sábado, janeiro 31, 2009 7:27:00 da tarde

Nem imaginas quantos livros eu já lancei!
Adorei.

  alfabeta

domingo, fevereiro 01, 2009 3:12:00 da tarde

Para finalizar, tive um dia uma discussão teológica com um padre após ele se recusar a fazer uma missa em memória de um homem que morreu de enfarte num bordel. Apesar do homem ser católico e frequentar a Igreja, o padre considerou-o imoral e excomungou-o sem autoridade para o fazer.


Por isso eu não gosto de religiões, muito menos da católica, é a mais falsa religião.


Estás certo quando dizes que podemos acreditar em algo superior, fica ao critério de cada um, eu acredito em Deus mesmo.

Se estou certa?

Se respeito os outros por pensarem diferente de mim? Isso , sempre.

E gostei da tua resposta, que li atentamente.

:)

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 02, 2009 7:47:00 da manhã

I.D.Pena disse...

"Lol, instinto animal."

É o mais natural de todos.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 02, 2009 7:50:00 da manhã

Van disse...

"Já agora, não se esqueçam que há tomates esverdeados."

Há sim e são os que como mais.

"Se fosses um ente superior, secalhar verias a sérima cor...serias deuuuuuus, dono de todos os pires e chávenas que flutuam no universo!!!muahahahahah! ;-)"

Eu já vi a sétima cor, mas estava com os copos e não me lembro que cor era :S Também vi um velho de barbas que me disse, "olha como tu estás, vai para casa", eu chamei-lhe pai natal, mas podia ser Deus, mas na verdade era o homem que arranjava os jardins lá na rua...

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 02, 2009 7:52:00 da manhã

Van disse...

"Ok, eu fico com o pires. Se me der a birra, é uma arma mais letal que uma chávena...muahahahah!"

Eu quero a chávena! Nao bebo de pires!

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 02, 2009 7:54:00 da manhã

sexy hot disse...

"Sabes eu até andei na catequese e até vê lá tu fiz o crisma"

Já viste de o padre lesse o teu blogue? Ahahahahaha

"Enfim... sou Agnostica e sempre que digo que o sou uma grande parte das pessoas diz que "isso não faz sentido nenhum...", mas para mim faz."

Ser agnóstico é a única coisa que faz sentido. Quem diz que não faz, certamente nem sabe o que significa agnóstico. Para a próxima pergunta de sabem a definição da palavra.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 02, 2009 7:55:00 da manhã

Larissa disse...

"Nem imaginas quantos livros eu já lancei!
Adorei."

Ahahahaha, espero que tenham sido bons lançamentos, o meu foi um sucesso.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 02, 2009 8:05:00 da manhã

alfabeta disse...

"Estás certo quando dizes que podemos acreditar em algo superior, fica ao critério de cada um, eu acredito em Deus mesmo."

Se me pedirem a mim como não crente para dizer de quem discordo mais, eu diria dos Ateus, pois estão cheios de certezas incertas.

Da mesma maneira que não aceito que os crentes me imponham a sua fé, não aceito que os Ateus me imponham a falta de fé deles.
Eu quero ser livre de pensar e agir conforme as minhas conclusões e não tenciono converter ninguém às minhas ideias, limito-me a expor as minhas opiniões.


"Se respeito os outros por pensarem diferente de mim? Isso , sempre."

Estamos de acordo.

"E gostei da tua resposta, que li atentamente."

Em ponto algum, foi minha intenção impor a minha linha de pensamento, foi só a exposição da minha opinião.