Mãos sujas


Tenho as mãos sujas de sangue e não sei porquê. Sinto-me desconfortável com a textura, o cheiro a sangue. Enquanto lavo as mãos, ouço os gritos de dor de quem morreu, de quem eu sem querer, matei. Lavo, esfrego com mais força ainda, até reparar que o meu sangue se mistura com o deles. O meu sangue e a minha culpa.

Eu sou culpado e vocês são culpados, pela morte de cada homem, mulher e criança na Faixa de Gaza. Somos culpados, pois é uma culpa herdada pelos nossos países devido à culpa dos nossos governantes. Palavras sem seguimentos, ideias sem acção e a matança continua.

"Rockets do Hamas, roubaram a vida a 3 civis Israelitas e morreram 11 militares" VS "Ofensiva Israelita, roubou 890 vidas civis e 10 militares".

É muito sangue. Numa altura em que damos atenção só aos conflitos que aparecem na TV e quando desaparecem os esquecemos. Este é o conflito, o único de que falo, não ligo a Sudão, Myanmar, Afeganistão ou Iraque, ligo a este pois é o mais antigo, ligo a este pois é aquele que é ignorado há mais de 60 anos. Ligo a este pois é uma limpeza étnica é um genocídio, realizado pelos sobreviventes do holocausto. Tadinhos deles às mãos de Hitler, pois como podemos verificar, eles são "boas" pessoas.
Nojentos! Lixo humano! Atitudes indignas até para animais!

Eu toco-te e dás-me um estalo. Eu dou-te um estalo, tu dás-me um murro. Eu dou-te um murro e tu dás-me um tiro.
No caso Israelita é mais do estilo:
Gritas alto demais, levas um tiro. Atiras pedras, levas um tiro. Dás um tiro, bombardeamos a tua casa e a tua cidade, matamos a tua família e depois levas um tiro.

A ONU com uma proposta na mesa para pedir contenção a Israel, todos os países pareciam estar de acordo, mas numa atitude arrogante e prepotente, os Estados Unidos usam o seu poder de veto, desarmando a ONU e protegendo o seu filho Frankenstein, Israel.

Pai e filho, metem-me nojo. Psicopatas sedentos de sangue.

Eu não sou como alguns radicais Islâmicos que dizem que Israel deveria desaparecer do mapa, mas digo que se nunca tivesse sido formada, viveríamos num mundo melhor.

"Hugo Chavéz, expulsa o Embaixador Israelita do país".

E no meio do caos, o líder de um país que é chamado de louco, com o qual gozam, é o único que teve uma atitude de homem, uma atitude de líder, ao dar o seu veto à acção Israelita, impedido que tenha uma representação politica no seu pais. Se mais países expulsarem as representações Israelitas até que a ofensiva pare, poderiamos ver o caso resolvido em dias.

108 Comentários:

  Salto-Alto

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:06:00 da manhã

Parabéns pela iniciativa de publicares este texto, que está absolutamente fantástico.

Concordo com o que disseste!

Já agora, tenho um segredito para ti: em breve publicarei outro post sobre o Benfica. :)

Beijocas!

  johny

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:25:00 da manhã

Compreendo as dúvidas sobre algumas pessoas, nomeadamente sobre os dirigentes, pelo facto de o serem, mas mesmo aí... acho que é preciso cuidado com as generalizações. Nem todos os alemães são racistas, nem todos os muçulmanos são terroristas, nem todos os israelitas ou judeus... por aí fora.

  Jane Doe

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:30:00 da manhã

Excelente critica.

Os Estados Unidos NÃO deviam ter poder de veto na ONU...

Só fazem é merda.

A esses sim, só ao tiro. Qual chapadas qual quê...

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:39:00 da manhã

Salto-Alto disse...

"Parabéns pela iniciativa de publicares este texto, que está absolutamente fantástico."

Obrigado.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:43:00 da manhã

johny disse...

"acho que é preciso cuidado com as generalizações. Nem todos os alemães são racistas, nem todos os muçulmanos são terroristas, nem todos os israelitas ou judeus... por aí fora."

A generalização é tao grave como a associação de palavras. Acabas de associar Alemães e Racismo... se fosse "Nem todos os Alemães são Nazis", aceitaria. Agora Racismo e Alemães junto é uma associação de palavras incorrecta. Se tivesses escrito Portugueses... seria menos grave pois a nossa história racista é bem mais vasta.

Enquanto nao vir o povo Israelita a manifestar-se, é porque aceitam e os que nao aceitam e se calam, consentem. A minha generalização mantém-se, pois eles generalizam ao ver todos os árabes como animais. Portanto não merecem nada, de mim. Nunca fizeram por merecer um pingo de respeito.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:44:00 da manhã

Jane Doe disse...

"Os Estados Unidos NÃO deviam ter poder de veto na ONU..."

Nem os EUA, nem nenhum país!

  Abobrinha

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:47:00 da manhã

Bruno

Eu não tenho as mãos sujas de sangue e não aceito a culpa por este conflito. Este é um conflito entre pessoas com ódio no coração dos dois lados, em que um dos lados tem mais armas. Mas EU não matei ninguém.

Já há muito desisti de tentar compreender este conflito. Só sei que só se resolve quando as duas partes se perdoarem e usarem de bom senso. E isso será... olha, não tenho ideia de quando será.

  Teté

quarta-feira, janeiro 14, 2009 12:53:00 da manhã

O que os dirigentes israelitas e seus soldados estão a fazer é crime, tipificado como genocídio!

Ah e tal, porque coitadinhos são descendentes dos sobreviventes do holocausto? Então mais deveriam saber o que custa perder parte das suas famílias tão injustamente!

Política? Religião? Nada disso: vingança e sede de poder e território! Ná, aqueles dirigentes (não confundir com o povo de ambos os lados do conflito) não são flor que se cheire!!!

  afectado

quarta-feira, janeiro 14, 2009 1:05:00 da manhã

para mim isto é muito simples:

1 civil de israel = 1 civil da palestina

lamento cada um que morre, seja de que lado for.

cada filho da puta com responsabilidade na guerra (israelita ou palestiniano) havia de morrer com um tronco enfiado no cu.

não suporto é ver manifestações da treta (por exemplo a organizada pelo BE) que por morrerem civis palestinianos as fazem. mas quando houve atentados em israel calaram-se bem calados. hipocrisias é que não! se são contra a guerra e mortes de inocentes (e ainda bem que são) que sejam para os dois lados e não apenas para um. sendo só para um, revela muito do que valem...

estou curioso para ver onde se vão meter ou o que vão dizer os esquerdistas que viram em obama finalmente o seu presidente americano quando este apoiar israel. isso é que vai ser engraçado. mas como sempre BE e seus afins virão falar como se nada fosse e contra tudo e todos, ignorando que defenderam a eleição da pessoa que vão agora criticar...

  Eu mesma!

quarta-feira, janeiro 14, 2009 1:17:00 da manhã

Desafio do meu lado para ti!

  Lize

quarta-feira, janeiro 14, 2009 1:50:00 da manhã

"todos os países pareciam estar de acordo, mas numa atitude arrogante e prepotente, os Estados Unidos usam o seu poder de veto, desarmando a ONU e protegendo o seu filho Frankenstein, Israel."

Concordo plenamente com tudo o que disseste, mas então com esta parte que copiei para aqui... Irrita-me plenamente estas posições dos Estados Unidos... Qual é o objectivo de haver ONU, se qualquer coisa que haja é sempre vetado por um país poderoso ou por outro?...

Não sabia que o Chavez tinha feito isso... é no mínimo, irónico... o homem aumentou imenso na minha consideração...
É um atentado sim o que se está a passar por lá... E embora não ligue só a esse conflito, todos eles me chocam e todos eles me fazem pensar sobre o que raio andamos a fazer uns aos outros, este é sem dúvida alguma o mais importante por aquilo que disseste...

Beijocas

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 2:15:00 da manhã

Abobrinha disse...

"Eu não tenho as mãos sujas de sangue e não aceito a culpa por este conflito."

O silencio e aceitação faz a nossa culpa. Quem é orador que fale, quem é escritor que escreva, quem é cantor que cante. Todos podemos mostrar a nossa indignação. O silencio é culpado.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 2:17:00 da manhã

Teté disse...

"O que os dirigentes israelitas e seus soldados estão a fazer é crime, tipificado como genocídio!"

É verdade e do mesmo tipo daquele que se dizem vitimas.

"Ah e tal, porque coitadinhos são descendentes dos sobreviventes do holocausto? Então mais deveriam saber o que custa perder parte das suas famílias tão injustamente!"

Se perseguido, expulso das suas casas. A agravante é que o Judeus poderia fugir do país, aqueles Palestinianos estão fechado num país prisão.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 2:19:00 da manhã

afectado disse...

"1 civil de israel = 1 civil da palestina"

Os Israelitas acham que a vida deles não tem preço e a dos seus vizinhos não tem valor.

"não suporto é ver manifestações da treta (por exemplo a organizada pelo BE) que por morrerem civis palestinianos as fazem. mas quando houve atentados em israel calaram-se bem calados. hipocrisias é que não! se são contra a guerra e mortes de inocentes (e ainda bem que são) que sejam para os dois lados e não apenas para um. sendo só para um, revela muito do que valem..."

O BE é uma treta com ideias da treta que sao bem vista por pessoas que simplesmente nao teem ideias e os seguem como carneirinhos que sao!

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 2:20:00 da manhã

Eu mesma! disse...

"Desafio do meu lado para ti!"

Já lá passo!

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 14, 2009 2:26:00 da manhã

Lize disse...

"Concordo plenamente com tudo o que disseste, mas então com esta parte que copiei para aqui... Irrita-me plenamente estas posições dos Estados Unidos... Qual é o objectivo de haver ONU, se qualquer coisa que haja é sempre vetado por um país poderoso ou por outro?..."

Os EUA é um dos 5 países com poder de veto. Esses países sao os vencedores da segunda guerra mundial, qualquer veto de um deles, mesmo que seja contra TODOS os paises membros, é aceite e é final. O que é ridículo tanto poder para esses paises.

A Russia usou o poder de veto quando foi da guerra na Jugoslávia e os EUA ignoraram e bombardearam a Sérvia.
Mas quando eles vetam, exigem que o veto seja respeitado.

"Não sabia que o Chavez tinha feito isso... é no mínimo, irónico... o homem aumentou imenso na minha consideração..."

Nao sei até que ponto ele o fez pela Palestina. Acho que o fez por os EUA e Israel serem como pai e filho.

  Cor do Sol

quarta-feira, janeiro 14, 2009 2:28:00 da manhã

Eu tenho é pena de todos os inocentes que morrem por causa de orgulhos estúpidos.

A ser sincera, devo dizer que desde me conheço que ouço falar no conflito, que vejo imagens hediondas na tv e sinto que cheguei ao ponto de mudar de canal ou de não prestar atenção quando ouço Israel ou Palestina. Sinto-me pequenina quanto a estas questões. Está tudo na mão de bárbaros .

Já o Chavez é doido é doido e que tomou uma atitude acertada.

  poeta_poente

quarta-feira, janeiro 14, 2009 4:27:00 da manhã

Bravo!!! Não poderia estar mais de acordo.

  AP

quarta-feira, janeiro 14, 2009 10:33:00 da manhã

Nunca gostei de Judeus.
Não porque seja anti-semita, mas simplesmente porque à custa do holocausto (e das perseguições a que foram alvo na antiguidade) julgam-se os "coitadinhos" da humanidade e que esse estatuto lhes desculpa tudo e mais alguma coisa.
Não conhecerão o ditado: "Não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti"?
E muito menos gosto deles devido à poderosa, e infeliz, influência que têm na maior potência do mundo: os EUA. Israel é um estado norte-americano fora dos EUA. E enquanto assim for este conflito não terá solução.
É deveras estranho este país ser o inimigo de TODAS as nações árabes... Por algo será e não será pela sua bondade. Com isto não defendo os Árabes, cujos fundamentalistas também não merecem respeito algum.

  Ondinhas

quarta-feira, janeiro 14, 2009 11:35:00 da manhã

as vezes o Huguito é incompreendido, e diz algumas parvoices! mas pelo menos não teme os states! e agora esteve bem.

  Sandra

quarta-feira, janeiro 14, 2009 11:55:00 da manhã

De facto já tens falado aqui sobre este tema e não podia concordar mais contigo. Na minha opinião Israel nunca havia de ter sido formada. Nunca percebi porque que é que os paises, mais concretamente os Europeus, não os aceitaram de volta.
Quanto ao Hugo Chavez, o homem pode ser demagogo, pouco democrático o que quiserem, mas que gosto dele, gosto.

  vício

quarta-feira, janeiro 14, 2009 1:24:00 da tarde

ou não!

  Caliope

quarta-feira, janeiro 14, 2009 6:14:00 da tarde

os USA devem ser o unico país movido a desgraças alheias!

ha peixeirada em qualquer lado? aparecem os estados unidos ,quais salvadores da patria, dizendo que vai resolver aquilo tudo!

matam-se , matam gente e basam :)

quanto ao conflito israelita...acreditas na "lei do retorno"?

  Saskia

quarta-feira, janeiro 14, 2009 7:42:00 da tarde

Apesar de concordar com algumas coisas que dizes, não achei a atitude do Chavez de louvar.
Não é assim que vai terminar com a guerra.

Mas são opiniões ;)

  Van

quarta-feira, janeiro 14, 2009 10:39:00 da tarde

oh, bolas. E eu que acabei de lavar as mãos. E exfoliei-as! E hidratei-as! Bem melhor do que fez Poncio Pilatos.

I rest my case!

  johny

quarta-feira, janeiro 14, 2009 11:31:00 da tarde

Bruno Fehr disse...

"A generalização é tao grave como a associação de palavras."

Pois bem, cometeste o mesmo erro ao dizer que "eles (os israelitas) generalizam ao ver todos os árabes como animais", pois na realidade eles vêm os árabes como saladeiras!

Eu não presumo argumentar de forma perfeita para comentar aqui, mesmo que ache que o fiz (o aparte do Racismo e do nazismo é mesmo só um aparte, visto que o racismo está contido na definição de nazismo), nem quero ter a razão de nada. Sei que a tenho, mas cada um com a sua. A única presunção que posso ter é a de te aconselhar, algo que vale pouco, eu sei, mas apenas podes aceitar ou não.

  Sininho

quarta-feira, janeiro 14, 2009 11:49:00 da tarde

:( Sinto-me triste com toda esta situação...e não sei quando vai terminar ...

  Francisco Norega

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:04:00 da manhã

Concordo absolutamente contigo, Crest!

Tenho as minhas mãos sujas de sangue, todos temos. Todos temos por nada fazermos em relação a este, e outros, conflitos.
Mas eu tento fazer a minha parte, e já deixei uns quantos posts contra este absurdo no meu blog. Um dos quais a explicar exaustivamente as origens disto tudo. No entanto, acho que acabamos por nos estar a repetir. E, escreva o que escrever, parece-me que nada estou a mudar.
Que fazer? Continuar, manifestar-me publicamente, fazer um cordão humano à volta de gaza?

No entanto se há coisa que tenho de dizer é que... os gajos do Hamas são uns filhos da puta. Então aquilo não estava mais calmo e eles decidem disparar rockets? Que querem eles, afinal?

Mas se há culpados dos dois lados, o que é facto é que, em Israel, também há pessoas contra a guerra, que querem paz com os seus amigos palestinianos. Podes ler a visão de duas dessas pessoas em http://gaza-sderot.blogspot.com/
Vale mesmo a pena ler.


E três vivas para o Chavez! O único dirigente com tomates.

  Nana

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:05:00 da manhã

Uma pessoa não vem aqui durante uma semana e de repente isto muda tudo...
Bem Bem sr Bruno mas o que é isto??
Tivesse eu tempinho para ler e fazia já aqui comentários como se não houvesse amanha fazia fazia!!!Mas ao que parece tenho que deixar a leitura para o fds, tem que ser!!

Tão até sabado e nada de mais mudanças até lá, pq se não a Naninha fica chateada =P

Ah e sr Bruno, Naninha não quer mais Bimby's em Portugal não não não!!!

Abaixo as Bimby's viva a cozinha tradicional!!!!!

  Afrika

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:17:00 da manhã

Eu não tenho as mãos sujas de sangue!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:24:00 da manhã

Cor do Sol disse...

"Já o Chavez é doido é doido e que tomou uma atitude acertada."

Lá isso foi :)

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:25:00 da manhã

poeta_poente disse...

"Bravo!!! Não poderia estar mais de acordo."

Alguma ver teria de ser a primeira.

  Sanxeri

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:25:00 da manhã

Todos somos culpados por fechar os olhos à realidade.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:28:00 da manhã

AP disse...

"Nunca gostei de Judeus.
Não porque seja anti-semita, mas simplesmente porque à custa do holocausto (e das perseguições a que foram alvo na antiguidade) julgam-se os "coitadinhos" da humanidade e que esse estatuto lhes desculpa tudo e mais alguma coisa."

É verdade.

"É deveras estranho este país ser o inimigo de TODAS as nações árabes... Por algo será e não será pela sua bondade. Com isto não defendo os Árabes, cujos fundamentalistas também não merecem respeito algum."

Isso tem a ver com a luta por Belém.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:29:00 da manhã

Ondinhas disse...

"as vezes o Huguito é incompreendido, e diz algumas parvoices! mas pelo menos não teme os states! e agora esteve bem."

Esteve muito bem.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:32:00 da manhã

Sandra disse...

"Nunca percebi porque que é que os paises, mais concretamente os Europeus, não os aceitaram de volta."

Por ninguém queria os Judeus. Eles manteem-se à parte da sociedade, como fizeram na Alemanha ao invocar a religiao para nao integrarem as fileiras da primeira guerra mundial, tornando-se nos unicos homens de negócios e controlando a Alemanha, o que causou o ódio dos Alemaes por eles. Hoje em Israel, sao todos soldados, por ironia...

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:32:00 da manhã

vício disse...

"ou não!"

Vago demais para se perceber.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:34:00 da manhã

Caliope disse...

"ha peixeirada em qualquer lado? aparecem os estados unidos ,quais salvadores da patria, dizendo que vai resolver aquilo tudo!"

As guerras fazem as economias crescer. Sem a segunda guerra mundial a Alemanha nao seria uma potencia europeia. Todas as crises Americanas foram resolvidas com guerras e precisam neste momento de mais uma com a retirada do iraque.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:40:00 da manhã

Saskia disse...

"não achei a atitude do Chavez de louvar."

Foi a melhor atitude um politico, ele não falou ele fez tudo o podia, expulsou a representação diplomática Israelita do seu país, o que afecta em muito Israel.

"Não é assim que vai terminar com a guerra."

Nao? Os Judeus dependem dos seus consulados e embaixadas para terem seguranca. Se cada país explulsar os representantes diplomáticos, causa inseguranca nas mentes do judeus imigrados e afecta a máquina lobbista de que Israel de alimenta. Sem diplomatas nao há Lobbys e sem Lobbys nao há nada para Israel.

Além disso Israel é uma grande consumidor de petróleo e o médio oriente nao vende petróleo a Israel, o petroleo Europeu é para consumo Europeu. O petróleo dos EUA nao chega para o consumo interno. Onde vai Israel comprar petróleo? À America do sul e quem é o maior produtor e fornecedor? A Argentina! E onde está a presenca diplomática na Argentina? Nao está.

Sim, esta expulsao foi noticia, pois afecta muito Israel e bastaria a expulsao de toda a America do sul, para Israel ter de parar, ou pelo menos teria de fazer guerra sem petroleo! Sem avioes, sem tanques, sem barcos.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:41:00 da manhã

Van disse...

"oh, bolas. E eu que acabei de lavar as mãos. E exfoliei-as! E hidratei-as! Bem melhor do que fez Poncio Pilatos."

Isso nao invalida culpas nacionais que sao nossas.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:45:00 da manhã

johny disse...

"Pois bem, cometeste o mesmo erro ao dizer que "eles (os israelitas) generalizam ao ver todos os árabes como animais","

Terei de conhecer um, que os veja como seres humanos e ainda nao conheci esse um.

"visto que o racismo está contido na definição de nazismo"

Na definicao de Nazismo? Em que dicionário? Eu posso definir Nazismo: É a forma Portuguesa de Nazism que é um diminutivo Nazionalism. Lá porque os dirigentes Nazis eram racistas isso nao faz do nacionalismo racismo!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:46:00 da manhã

Sininho disse...

":( Sinto-me triste com toda esta situação...e não sei quando vai terminar ..."

Quando o ocidente fizer alguma coisa. Quando foram as cruzadas enviámos exercitos de milhares de homens, agora nao fazemos nada, nem apelos!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:48:00 da manhã

Francisco Norega disse...

"Tenho as minhas mãos sujas de sangue, todos temos. Todos temos por nada fazermos em relação a este, e outros, conflitos."

Correcto, percebeste o que era minha intenção dizer, pois fico verdadeiramente desiludido com a cegueira dos comentários "Eu nao tenho as mãos sujas".

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:49:00 da manhã

Nana disse...

"Ah e sr Bruno, Naninha não quer mais Bimby's em Portugal não não não!!!"

Eu falo com os gajos :)

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:52:00 da manhã

Afrika disse...

"Eu não tenho as mãos sujas de sangue!"

Claro que tens, fazes é parte da maioria que fecha os olhos nao querendo ver. Que se desculpabiliza sem que tenha feito, dito, alguma coisa.

Portugal tem culpa, Inglaterra tem culpa, Alemanha tem culpa, eu e tu temos culpa.

Eu enfrento a minha culpa, faço o que posso, falando do assunto com quem me ouve. E tu? O que fazes?

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 12:54:00 da manhã

Sanxeri disse...

"Todos somos culpados por fechar os olhos à realidade."

Exacto.

  ceptic

quinta-feira, janeiro 15, 2009 1:26:00 da manhã

curto o novo visual :)

E concordo " Pai e filho, metem-me nojo..."

  São

quinta-feira, janeiro 15, 2009 2:31:00 da manhã

Dois grandes males do mundo, indiferença e silêncio, de que somos quase todos culpados, pois são poucas as vozes que se fazem ouvir neste e noutros conflitos.

Um conflito assimétrico, onde ressentimentos e inimizades históricas, matam todos os dias inocentes e que aparentemente se podia resolver com um gesto de boa vontade, ao ceder territórios conquistados á força, em troca de paz.

Mas não é tão fácil, fanáticos religiosos e políticos não querem ceder nem um metro, e a comunidade internacional nada faz.

  johny

quinta-feira, janeiro 15, 2009 10:35:00 da manhã

Mostra-me antes tu um dicionário no qual o Nazismo não esteja associado ao racismo.

  Van

quinta-feira, janeiro 15, 2009 2:39:00 da tarde

Não estou no governo, não sou nacionalista, trato o melhor que posso o meu proximo, pago os meus impostos, etc e tal. Desculpa, mas estou em desacordo neste aspecto: as minhas mãos estão limpas e não tenho absolutamente nada a ver com aquele conflito. Nada fiz para o provocar nem alimentar. POdias dizer que nada fiz para o travar, mas isso tb não seria verdade pois, para já, eu nada posso fazer. Depois, pq sempre debati o assunto e até com palestinianos ;-).
As minhas mãos estão lavadinhas.

  Marisa

quinta-feira, janeiro 15, 2009 3:28:00 da tarde

http://www.resistir.info/palestina/historico_crise.html

Ia dizer que não concordei com o teu post, que o Hamas não é a Palestina e está a usar os palestinianos, quer como escudos, quer escondendo-se em escolas e hospitais, usando ambulâncias para atacar... Mas depois estive a ver melhor as origens deste movimento ( o link acima) e isso, combinado com a atitude de Israel, que nunca esteve de boa fé nos "acordos", e do Irão, que procura tirar dividendos políticos ao defender e apoiar o Hamas... olha, fiquei com um nó na cabeça!

Foi uma estupidez mandar os judeus para o que viria a ser Israel. Agora não vejo como vão sair de lá. Em termos práticos, só um acordo seria um mal menor. Mas um acordo a dois em que se reconhecesse simultaneamente um Estado Palestino e não um acordo imposto por Israel e pelos EUA... Pelo meio, a população civil é um fantoche no meio de interesses políticos de parte a parte...

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 3:47:00 da tarde

johny disse...

"Mostra-me antes tu um dicionário no qual o Nazismo não esteja associado ao racismo."

Com certeza, visto que nao sei até que ponto percebes Alemao, deixo-te a definicao do dicionário de Oxford:


Nazism (nät'sĭz'əm, năt'-) pronunciation also Naziism (-sē-ĭz'əm)

The ideology and practice of the Nazis, especially the policy of nationalism, national expansion, and state control of the economy.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 3:47:00 da tarde

ceptic disse...

"curto o novo visual :)"

Obrigado.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 3:49:00 da tarde

São disse...

"matam todos os dias inocentes e que aparentemente se podia resolver com um gesto de boa vontade, ao ceder territórios conquistados á força, em troca de paz."

Eles cedem uns quilómetros quando na verdade todo o seu território foi roubado.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 3:52:00 da tarde

Van disse...

"Desculpa, mas estou em desacordo neste aspecto: as minhas mãos estão limpas e não tenho absolutamente nada a ver com aquele conflito. Nada fiz para o provocar nem alimentar."

E nada fizeste para o resolver.
Tudo o que acontece na terra é responsabilidade humana que é partilhada como raça. Todos somos culpados, podemos olhar para o lado e dizer que nao podemos fazer nada, mas se quem sabe escrever escreve, sem quem sabe falar, falar se quem sabe cantar, cantar e se ninguém esquecer dentro de dias, como acontece sempre, aí sim, estao a fazer algo, até lá sim, somos todos culpados.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 15, 2009 3:59:00 da tarde

Marisa disse...

"que o Hamas não é a Palestina e está a usar os palestinianos, quer como escudos, quer escondendo-se em escolas e hospitais, usando ambulâncias para atacar..."

Essa é a acusação mais estúpida do lado de Israel que eles se escondem em escolas, hospitais e no meio da população. Mas é claro que sim, esses homens são OS professores, OS médicos, os funcionários civis. Esses homens são homens civis normais que querem a liberdade do seu país. Eles não se escondem no meio da população, eles são a população.

O Hamas é tão palestiniano como a Fatah, mas ambos ganharam mais presença e poder com desaparecimento da OLP, por morte do seu líder.

"combinado com a atitude de Israel, que nunca esteve de boa fé nos "acordos","

Nunca estece e nunca estará, eles nao cumprem a palavra.

"e do Irão, que procura tirar dividendos políticos ao defender e apoiar o Hamas..."

O Irão é o único país que apoia quem está contra Israel, e apoia à vista de todos. Para ser sincero não critico, pois não fazem mais nem menos que os EUA a Israel.


Os Judeus nunca irão sair de lá, em ultimo recurso não vão pensar duas vezes em usar armas nucleares em caso de serem atacados e perderem a guerra.

  Van

quinta-feira, janeiro 15, 2009 5:53:00 da tarde

ah ah ah não leste o resto... :-p

e já agora que poderia eu, sozinha, fazer? directamente? ir para lá berrar para pararem com isso?
O que estava ao meu alcance, ou seja, informar, debater, falar, informar-me, eu fiz. Como podes dizer que nada fiz?

Já agora, que entendes por fazer algo?

  Van

quinta-feira, janeiro 15, 2009 7:11:00 da tarde

Outra cena com que não concordo de todo contigo (eh pah, até que enfim que discordamos!! LOOL) tem a ver com algo dito nos comentários (ainda nao li todos): tá certo que é mais correcto dizer que os alemaes foram nazis; mas, quem é nazi é racista. O nazismo tb é uma forma de racismo, para além de ideiologia politica. Ou seja, quem é nazi é racista. Quem é racista não tem de ser nazi. Mas quem é nazi, é racista indubitavelmente.

Quanto aos portugueses serem racistas, concordo.

  Van

quinta-feira, janeiro 15, 2009 7:13:00 da tarde

Espera, quero reformular o comentátio anterior ao anterior, lol. Eu perguntei-te o que entendias por fazer algo porque já sabia que ias voltar a dizer o que já disseste, e com o qual até posso concordar. Para voltar a frisar que, não leste o meu comentario até ao fim...

  Van

quinta-feira, janeiro 15, 2009 7:17:00 da tarde

estás a negar que o Hamas e afins usam os civis como escudos humanos?

  Pedacinhos

quinta-feira, janeiro 15, 2009 7:26:00 da tarde

O texto está 5 estrelas!
Parabéns!
Beijo.

  johny

quinta-feira, janeiro 15, 2009 9:39:00 da tarde

Não é que eu queira ganhar a discussão, já disse que só queria aconselhar-te, mas como sei que gostas deste tipo de discussões, faço-te a vontade

Ora, é engraçado teres posto essa definição, porque eu encontrei uma parecida, numa fonte que tem o mesmo nome de uma região inglesa e universidade.

Sendo assim, comparemos:

A tua reza assim:

"The ideology and practice of the Nazis, especially the policy of nationalism, national expansion, and state control of the economy."

E aquela que eu encontrei reza assim:

"The ideology and practice of the Nazis, especially the policy of RACIST nationalism, national expansion, and state control of the economy."

É engraçado como só uma palavra muda e ainda mais engraçado como a palavra que muda é a base da discussão e, consequentemente, do argumento.

Apanhei-te.

  johny

quinta-feira, janeiro 15, 2009 9:49:00 da tarde

E quando for o caso, podes escrever em Alemão, que eu não sou rac... ah, quase! Que eu não sou xenófobo.

(P.S. - Não leves a mal, é na brinca)

  Van

quinta-feira, janeiro 15, 2009 9:49:00 da tarde

«Bruno Fehr disse...
poeta_poente disse...

"Bravo!!! Não poderia estar mais de acordo."

Alguma ver teria de ser a primeira.»


Bolas, não é a primeira vez que concordam.

  Van

quinta-feira, janeiro 15, 2009 9:58:00 da tarde

Racismo: doutrina que tende a preservar a unidade da raça e assenta na suposta superioridade de uma raça que se confere o direito de exercer domínio sobre as outras; reacções ou atitudes que se harmonizam com esta teoria;
mostras de hostilidade face a um grupo social ou étnico.

Se o Nazismo não é racismo, não sei o que será...

E, voilá: nazismo - conjunto das doutrinas políticas e sociais do partido nacional-socialista alemão chefiado por Hitler, baseadas na pretensa superioridade da raça ariana.

Em ambas as definições, a conjugação da ideia: suposta/pretensa superioridade de uma raça. Portanto, quem é nazi é racista.

Contudo, se agora juntarmos a biologia a isto, como não existem raças, não pode existir racismo... logo, a palavra mais correcta não é racismo, mas sim xenofobia - já que não remete para raças humanas. Portanto, quem é nazi é xenófobo.

  Jane Doe

sexta-feira, janeiro 16, 2009 2:24:00 da manhã

"Nem os EUA, nem nenhum país!"

Pois mas os EUA é aquela base não é... A guerra é sempre proveitosa. Trás um certo conforto... só um bocadinho.

Sim, eu sei... Não são só os EUA.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 16, 2009 7:10:00 da manhã

Van disse...

"e já agora que poderia eu, sozinha, fazer? directamente?"

Quantas vezes por dia pensas em quantas pessoas são assassinadas por dia no Sudão, agora que imprensa esqueceu? Quantas vezes pensas em quantos monges já fora presos e Mortos quer em Myanmar quer no Tibete, agora que a imprensa os esqueceu?

O que podes fazer é não esquecer, não deixar morrer o assunto. Tens pouco poder, mas és blogger e uma pessoa que te leia é uma pessoa a mais sensibilizada. Por menos que seja TODOS podemos fazer algo.

Com isto que não quero dizer que fiz a minha parte, pois se me lembrar de algo mais que possa fazer, faço!


"tá certo que é mais correcto dizer que os alemaes foram nazis; mas, quem é nazi é racista."

Quem é Nazi é Nazionalist!

"O nazismo tb é uma forma de racismo, para além de ideiologia politica."

A perseguição não foi com base em raça, foi com base em objectores de consciência e imigrantes. Ler Mein Kampf!

"Mas quem é nazi, é racista indubitavelmente."

Nao, nao é, isso é um teoria de quem nao sabe o que é a ideologia Nazi. É um mito aliado e uma teoria de esquerda para distinguirem o Nazismo do Comunismo, por terem a mesma origem, o mesmo mestre e as mesmas ideias.


"estás a negar que o Hamas e afins usam os civis como escudos humanos?"

Estou a afirmar que Hamas são na sua maioria civis! Um civil vive em zonas civis. Isso de usar civis como escudos é desculpa para bombardear escolas onde morrem 40 crianças e 1 adulto? Quem será esse adulto? Um terrorista Hamas? Eu diria que é o professor dessas crianças.

Foi lancada uma bomba sobre uma quinta isolada por um aviao Israelita que ia a passar, morreu o pai de um jornalista. Um velho, o unico habitante da quinta. Será que ele era Hamas ou alguma das 50 vacas que lhe faziam companhia?

Desculpas para matar, mais nada!

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 16, 2009 7:10:00 da manhã

Pedacinhos disse...

Obrigado.

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 16, 2009 7:20:00 da manhã

johny disse...

Nazism:
-a form of socialism
-Nazism, commonly known as National Socialism (German: Nationalsozialismus), refers primarily to the ideology and practices of the Nazi Party under Adolf Hitler; and the policies adopted by the government of Nazi Germany from 1933 to 1945, a period also known as the Third Reich.
-# nazi - a German member of Adolf Hitler's political party
-# nazi - relating to or consistent with or typical of the ideology and practice of Nazism or the Nazis; "the total Nazi crime"; "the Nazi interpretation of history"
-# nazi - derogatory term for a person who is fanatically dedicated to, or seeks to control, some activity, practice, etc.

Bem como uma das mais correctas definicoes:

-nazi - The name 'Nazi' was a shortened nickname for the german word meaning the "national socialist party" headed by Hitler, who sought to overthrow the Weimar Republic in Germany. They espoused strong themes of 'law and order' and a return to German Ideals, Pride and Nationalism.

A teoria de Nazismo = Racismo é das ideias mais idióticas de que quem quer manchar uma ideologia. Um ofensa à gramatica Alema visto que a palavra nao tem nada de racismo.

Onde está o racismo? Será pelo ataque aos Judeus, que eram objectores de consciencia e tomaram controlo do poder Alemao durante a primeira guerra mundial, enquanto os homens Alemaes estao a morrer?

Ler "A minha luta" de Adolf Hitler e tenta encontrar lá racismo.

É racismo nao querer imigrantes no país? É que eu saiba os Polacos nao sao uma raca diferente da Alema, até teem características Arianas como os Alemaes.

Será por perseguirem ciganos? Que sao pessoas sem nacao, sem país, sem documentos e sem vontade de trabalhar?

Além de aconselhar a leitura do Mein Kampf e de preferencia uma versao nao Americana que estao todas adulteradas. A versao Portuguesa tem uma traducao muito boa.
Nao irás encontrar racismo em toda a ideologia de Hitler, nem mesmo na "solucao final". Porque nao há racismo.

E se o assunto realmente te interessa e se realmente queres ficar esclarecido, coisa que nao estás, poderás ler também:


War Nazismus Rassismus?
Author: Landmann, Salcia
Source: Zeitschrift für Religions- und Geistesgeschichte, Volume 36, Number 4, 1984 , pp. 364-370(7)
Publisher: BRILL

Uma excelente dismistificacao do Nacional Socialismo!

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 16, 2009 7:30:00 da manhã

Van disse...

"Bolas, não é a primeira vez que concordam."

Nao? É pois!

"Se o Nazismo não é racismo, não sei o que será..."

Nazismo é Nacional Socialismo, é o ideal socialista radicalizado por Karl Mark que gerou o comunismo associado ao Nacionalismo. O amor à pátria, colocando a nacao e os seus habitantes em primeiro lugar.
No Zimbabué os Ingleses foram expulsos do país por motivos nacionalistas, o facto nao era nao querem lá brancos, mas sim quererm o país para os Zimbaués. O mesmo se passou na Alemanha do terceiro Reich.

"E, voilá: nazismo - conjunto das doutrinas políticas e sociais do partido nacional-socialista alemão chefiado por Hitler, baseadas na pretensa superioridade da raça ariana."

Ideologia racista de Hitler e nao do nacional socialismo.

"suposta/pretensa superioridade de uma raça. Portanto, quem é nazi é racista."

Entao os ataques ao Polacos que sao Arianos? Eles estavam em campos de concentracao em igual situacao que os Judeus.


"logo, a palavra mais correcta não é racismo, mas sim xenofobia - já que não remete para raças humanas. Portanto, quem é nazi é xenófobo."

Ora aqui está busílis da questao, havia nazis xenófobos, mas o nacional socialismo como ideologia nao é xenofoba.

Pois para isso eu digo que o comunismo é deficiente mental, mas na verdade só os comunistas o sao!
Diria que a democracia é uma estupidez quando na verdade ela é unicamente utópica, os democratas é que sao estupidos.

Culpar e acusar pessoas, sim. Acusar palavras, termos e inventar definicoes, nao!

  Bruno Fehr

sexta-feira, janeiro 16, 2009 7:31:00 da manhã

Blogger Jane Doe disse...

"Pois mas os EUA é aquela base não é... A guerra é sempre proveitosa. Trás um certo conforto... só um bocadinho."

Nao é pelo conforto é pelas vantagens económicas!

  johny

sexta-feira, janeiro 16, 2009 1:11:00 da tarde

Por acaso já li o Mein Kampf, por acaso ainda, li duas versões: a alemã e a portuguesa e embora algumas coisas me possam ter passado ao lado na versão alemã, não acho que na versão portuguesa que li tenha havido alguma distorção, mas pode ter sido daquela, porque há muitas. Podia dar-te referências da versão, mas baixei-a da internet e já não a tenho. Como obra literária, não gostei muito. Como retrato cómico, está ao lado do "Príncipe" de Maquiavel, comentado pelo Napoleão.

Eu admito sempre a minha ignorância, sendo que ela é sempre relativa, mas nunca sou ingénuo ao ponto de pensar que o nazismo, pela sua génese e horda de mentores, não é intrínsecamente racista. E o papel do super-homem, retirado do contexto de Nietzsche, e a defesa da raça ariana? Nunca ouviste falar destas coisas?

Acredito que seja pela discussão e que não acredites - ou que haja alguém para além dos Mário Machados deste mundo que acredite - sinceramente na defesa da tua tese.

  Van

sexta-feira, janeiro 16, 2009 5:48:00 da tarde

Bem, não sei quem é mais teimoso. Porque, na prática, quer nazismo seja uma ideologia ou não, quem a aplicou e aplica é racista. Os arianos atacados eram considerados traidores à raça. Isso é uma extenção ao racismo. Não me convenço. Quem foi nazi foi racista. :-p imainada, nem vale a pena continuar porque não vamos concordar neste ponto. :D ao menos uma vez que não concordemos, loool, já estava a ficar preocupada em concordar em tudo contigo ahahahaha.

Quanto ao mein kanmpf, dispenso. Honestamente, não me interessa absolutamente nada aquilo que hitler pensava ou deixava de pensar. Ah, e sim, querer os imigrantes fora do país é uma forma de racismo, dê por onde der. Podes arranjar forma de contornas a questão em termos semanticos, mas em termos praticos vai dar tudo ao mesmo...

Quanto ao hamas e aos escudos humanos. Estás portanto a dizer que não existem escudos humanos, mas sim que são todos hamas, logo, são todos soldados?...ora bem, porque é que estou fazendo estas perguntas (é melhor dizer já onde é que queria chegar, lol, que não temos o dia todo, ne)...

Partindo do principio que o hamas e afins usam civis como escudos humanos, pessoalmente condenaria muito mais os ataques de israel. Pois, sabendo eles que haveriam seres inocentes naquelas zonas, estariam a usar todos os meios para atingir os fins e a ser terroristas e sanguinários. A matar inocentes.

Contudo, se não há escudos, pois se todos são do hamas e todos são soldados (se sabem que têm um terrorista, um hamas, um afim, no meio deles e que se arriscam a levar com uma bomba israelita em cima e mesmo assim, não os metem fora, não os denunciam, não fazem nada, então é porque estão em conluio com os pretensos alvos/terroristas e são, assim, soldados, e não civis. Deste modo, Israel não está a atacar nem a matar civis, mas sim soldados. E na guerra, matam-se soldados. Se não existem escudos humanos, a atitude de israel não é tão reprovável...

Ainda por outro lado (porque esta é das merdas mais confusas que existem,como todas as relações humanas e inter-"raciais"), dá muito jeito a Israel dissiminar a existencia de escudos humanos, pois pensa assim excusar-se de responsabilidades...na verdade, a mentalidade que mais vejo por aqui é precisamente aquela que Israel e o paizinho EUA quer fazer passar: que quem está a fazer merda é o Hamas, ao usar escudos humanos, e ainda provocar um circo de media à volta dos ataques. O que é conveniente para os dois lados, claro: os israelitas, que querem fazer passar a ideia de que os palestinianos se estão a a cagar até para os seus e que tudo não passa de propaganda anti-semita; e os palestinianos, que querem mostrar ao mundo os cabrões que os israelitas são.
Novamente "imaginando" que há escudos humanos: vão mas é todos (terroristas palestinianos e israelitas) para a puta que os pariu. Uns, por usarem inocentes à descarada, e ainda se fazerem de coitadinhos; outros, por, apesar de saberem que há escudos humanos, atacarem na mesma aquelas zonas e ainda dizerem que se estão a defender. PÁ PUTA COS PARIU, A TODOS!!! (desabafo lol)
E agora, mais uma vez, "imaginando" que são todos soldados, e que, portanto, não há aqui inocentes. PÁ PUTA QUE OS PARIU, A TODOS!!! Querem matar-se todos, então matem-se e não me chateiem!!!! (desabafo!) Neste caso, israel está a atacar soldados, e isso retira-lhe a faceta de monstro. No entanto, dissiminam a ideia de escudos humanos...uai?...comé que é? porque é que dessiminariam a ideia que mais os coloca em cheque?? E aos palestinianos, interessa que sejam todos soldados?...ora, aí o choradinho deles não faria sentido, pois se são todos soldados...
Por esta lógica, faz muito mais sentido, e dá mais jeito a quase todos a existencia de inocentes no meio disto tudo...ao lado israelita, para mostrar que o lado palestiniano é monstro; ao lado palestiniano, para mostrar que o israelita é monstro.
Só que, como tudo na vida, nada é preto ou branco...e agora? Agora, é mas é, dos dois lados, informação e desinformação muito dúbia que se mistura. Todos têm a sua verdade e todos dizem mentiras. Todos sabem o que é mentira, e todos dizem a verdade. Porrada a montes. Mortes, e obviamente que mais mortes do lado de quem tem menor poderio e alcance militar.

Quanto às minhas mãos, volto a dizer que estão limpas. Já falei disso no blogue anteriormente. Falo disso em blogues mais visiveis que o meu. Fomento discussoes. E procurei saber o outro lado através de um amigo que lá está no meio (palestiniano). No meio de tudo isso, procurei formular a minha opinião.

E não, estás enganado: nunca me esqueço das atrocidades que são cometidas todos os dias em todo o lado. Até porque, sabes, não tenho o hábito de ver o telejornal :-p, tenho de ir por outras vias. Falo disso, falo. Mas não posso falar de tudo ao mesmo tempo. E tenho uma vida para (tentar) viver, porque já que tenho condições para a ter, ao menos que alguém a tenha.
Não posso salvar o mundo. Nem a mim mesma me sei salvar (maldito rail que veio contra mim, pahhhh!), quanto mais o mundo e os seus excelentissimos predadores...

  Bruno Fehr

domingo, janeiro 18, 2009 4:11:00 da manhã

johny disse...

"não acho que na versão portuguesa que li tenha havido alguma distorção, mas pode ter sido daquela, porque há muitas."

Eu disse que a Americana, está distorcida, a Portuguesa e Inglesa estão integrais.

"Como obra literária, não gostei muito. Como retrato cómico, está ao lado do "Príncipe" de Maquiavel, comentado pelo Napoleão."

Nunca disse que era uma obra literária, pois não passa de um manifesto politico. O que disse foi para destacares o racismo desse manifesto que é a base da politica Nazi.

"E o papel do super-homem, retirado do contexto de Nietzsche, e a defesa da raça ariana? Nunca ouviste falar destas coisas?"

Ouvi sim, mas o facto de ser um tese de políticos Nazis, não faz disso a ideologia nazi. O que pedi, foram provas documentadas de racismo dentro da base politica, onde o Mein Kampf é a sua bíblia.

O Sócrates é um idiota e isso não faz do socialismo uma idiotice. Estaline, Mao, Fidel, Che, foram criminosos e isso não faz do comunismo uma ideologia criminosa, logo o facto de terem sido cometidos crimes em nome do Nazismo, isso não torna a sua politica racista.

"Acredito que seja pela discussão e que não acredites - ou que haja alguém para além dos Mário Machados deste mundo que acredite - sinceramente na defesa da tua tese."

É uma tese válida.
É tão válido para mim dizeres que o nazismo é racista, como eu dizer que o comunismo é criminoso.
Culpar ideologias pelas acções de alguns, não está correcto. Mas também não estou aqui para mudar opiniões de ninguém.

No entanto a minha opinião é mais moderada que a tua, visto que não ataco ideologias mas sim acções!

  Bruno Fehr

domingo, janeiro 18, 2009 4:41:00 da manhã

Van disse...

"Bem, não sei quem é mais teimoso. Porque, na prática, quer nazismo seja uma ideologia ou não, quem a aplicou e aplica é racista."

Então vamos banir o comunismo, pois foi aplicado de forma criminosa por Estaline, por Mao, por Fidel Castro e pelo mercenário e criminoso sul Americano Che Guevara.

Um ideologia politica adulterada por quem a defende, não a torna racista, tanto como todos os exemplos criminosos de lideres comunistas fazem do comunismo um crime.

Temos de ser justos, para com as palavras e para com as crenças politicas ou religiosas. A culpa é das acções e não das palavras e não encontram um documento base da teoria nazi, que fale em racismo, pois esse documento é o Mein Kampf escrito por Hitler.

"Os arianos atacados eram considerados traidores à raça."

O Russo mortos era acusados de traição ao Estado! A URSS é o grande exemplo de crime e xenofobia de esquerda, os estrangeiros não eram autorizados no país nem tinha direitos. Tinham, o direito de serem presos e privados de direitos.
Nada distingue o Nazismo do NSPD, do comunismo da URSS, que prendeu numa prisão gigante metade do povo Alemão, matando todos os que tentassem abandonar o país.
O comunismo manteve 30 milhões de Alemães prisioneiros, humanos que eram considerados pelo governo comunista como escravos para compensar os 25 milhões de soldados russos que morreram na guerra.

Querem resumir toda uma politica de direita ao racismo, então eu resumo toda uma politica de esquerda à escravidão humana, ao homicídio e à violação do mais básico dos direitos humanos, o direito à liberdade.

"Quem foi nazi foi racista. :-p imainada, nem vale a pena continuar porque não vamos concordar neste ponto. :D"

Quem é comunista é assino em massa e é uma cópia dos Nazis! Pronto, equilibra a balanca.
Agora se o nazismo faz de toda a extrema direita racista, todos os comunistas são criminosos. Pois se me falas em passado eu dou-te o passado e presente comunista para equilibrar a balança.

"Quanto ao mein kanmpf, dispenso. Honestamente, não me interessa absolutamente nada aquilo que hitler pensava ou deixava de pensar. Ah, e sim, querer os imigrantes fora do país é uma forma de racismo, dê por onde der."

Lá está Estaline, Mao e qualquer líder comunista é contra a imigração. O CDS-PP é centrista e é contra a imigração... ou seja, esquerda, direita e centro, há racistas em todo o lado, não percebo a implicância com o nazismo.

Nazismo e comunismo é farinha do mesmo saco, mas só implicam com a direita... isso é perseguicao, e cegueira popular!

"Quanto ao hamas e aos escudos humanos. Estás portanto a dizer que não existem escudos humanos, mas sim que são todos hamas, logo, são todos soldados?"

Eu não disse nada disso. O que disse é que são civis que lutam pelo Hamas, logo é normal eles irem dormir a casa com as suas familias. Tal como os republicanos portugueses era civis com motivacoes politicas e nao militares de carreira.
A Palestina nao tem exercito, nao está autorizada por Israel a ter, portanto nao há soldados palestinianos. Isto é um facto, nao é um argumento.
Os Mujaehdin que defenderam o Afeganistao da invasao Russa, nao eram soldados, eram civis, pois o pequeno exercito que havia, foi dizimado pelos Russos.

O Hamas é a resitencia à invasao e dominio Israelita, toda e qualquer nacao cria resistencia. A resistencia Francesa, Holandesa na segunda guerra mundial era civil nao era militar. Eles dormiam em casa com as suas familias e ninguém os acusava de usarem as sua familias como escudos humanos.

Esse é um tipo de pensamento pró-israelita que é a nacao atacante que faz com que exista um resistencia do lado oposto, uma resistencia civil, mas que como qualquer resitencia é armada, pelos países que a apoiam e que apoiam a direito da Palestina a serem livres e a poderem viver sem medo.

"Partindo do principio que o hamas e afins usam civis como escudos humanos, pessoalmente condenaria muito mais os ataques de israel. Pois, sabendo eles que haveriam seres inocentes naquelas zonas, estariam a usar todos os meios para atingir os fins e a ser terroristas e sanguinários."

Nao me facas rir. Sabes como é que Israel matou o numero 3 do Hamas? Largou uma bomba de UMA TONELADA sobre a casa dele. UMA TONELADA, eles sabiam muito bem que o iriam matar a ele e à rua inteira!


"Contudo, se não há escudos, pois se todos são do hamas e todos são soldados"

Isso é um distorcao completa do que disse, é que nem faz sentido visto que nao há soldados palestinianos.

"(se sabem que têm um terrorista, um hamas"

O que faz de um elemento do Hamas terrorista? O Hamas é o partido politico no poder.
Ou seja és mais uma que ve o arabe como terrorista e nao como um homem de familia com o direito a ser livre, sem ter de viver no medo constante, sem ter de aceitar viver no seu país rodeado por um muro de pedra, um pais que é UMA PRISAO da qual ele nao pode sair e na qual tem os seus direitos condicionados por um pais estrangeiro que ODEIA Arabes pois acha-se o povo eleito, especial. Ou seja o Judeu é o Ariano Nazi, superior o todo o lixo que o rodeia.

"alvos/terroristas"

Os terroristas nao sao os alvos, sao os agressores!

"Se não existem escudos humanos, a atitude de israel não é tão reprovável..."

Acho esta frase, fantástica no mau sentido.

"na verdade, a mentalidade que mais vejo por aqui é precisamente aquela que Israel e o paizinho EUA quer fazer passar: que quem está a fazer merda é o Hamas, ao usar escudos humanos, e ainda provocar um circo de media à volta dos ataques."

Pois claro que está, o que eles querem e precisam é de manter o povo arabe a viver no medo. Nao podemos esquecer que Israel está em guerra declarada com todos os seus vizinhos excepto Egipto e Jordania, desde a guerra dos 6 dias, a guerra em que Israel seguindo o ideal Nazi, resolveu expandir o seu território invadindo o Egipto, Siria e Arabia Saudita e Jordania, aos quais roubou território e só assinou paz com o egipto e jordania, pois eles cederam o território perdido.

Recentemente "devolveu" parte dos montes golan, roubados à Siria em troca de negociacoes de paz, mas só parte, a Siria quer todo o seu território de volta... mas os colonatos impedem a devolucao.

"E agora, mais uma vez, "imaginando" que são todos soldados, e que, portanto, não há aqui inocentes. PÁ PUTA QUE OS PARIU, A TODOS!!!"

Nao, nao é verdade. Todos os homens Israelitas dos 17 aos 45 anos, sao soldados no activo ou reserva, mas sao todos soldados. Todos os Palestinianos dos 0 aos 100 sao civis, excepto os que fazem parte da policia que é unicamente policia civil.

  johny

domingo, janeiro 18, 2009 5:01:00 da manhã

O facto de eu ter dito que na versão portuguesa não encontrara distorções, não faz parte da discussão. sendo antes uma cedência da minha parte em tentar pôr-me do teu lado e procurar se sim ou não há essas distorções. Tal é válido para a consideração da obra como obra literária. Eu é que disse isso, não disse que foste tu, foi, se assim quiseres, uma pérola que resolvi partilhar.
De resto, não compreendo a tese de que uma ideologia não é a soma dos ideólogos ou "políticos nazis" que a criaram. As provas, são essas que te falei, que assentam na crença de uma raça superior que poderia ser criada com a intervenção do estado.

Disseste: "O Sócrates é um idiota e isso não faz do socialismo uma idiotice"

Concordo, mas o Sócrates não foi o mentor do socialismo.

Disseste: "Estaline, Mao, Fidel, Che, foram criminosos e isso não faz do comunismo uma ideologia criminosa"

Concordo, mas não foram eles que o criaram.

Disseste: "É uma tese válida.
É tão válido para mim dizeres que o nazismo é racista, como eu dizer que o comunismo é criminoso.
Culpar ideologias pelas acções de alguns, não está correcto. Mas também não estou aqui para mudar opiniões de ninguém."

Concordo com o facto de ser uma tese válida, mas já não concordo com comparações. Se queres falar de comunismo, publica um post sobre isso e depois falamos... ou não. um não serve para justificar o outro.

Agora, convicções, acho bem que as tenhas, mesmo que não concorde com elas. As discussões acabam quando a repetição de ideias se instala e a discussão chega a um beco sem saída. Fica cada um com a ideia que tinha... felizmente... ou não.

  Bruno Fehr

domingo, janeiro 18, 2009 6:07:00 da manhã

johny disse...

"As provas, são essas que te falei, que assentam na crença de uma raça superior que poderia ser criada com a intervenção do estado."

Aqui entramos na Eugenia que não foi uma invenção Nazi e acaba por ir dar ao mesmo, eliminar os humanos mais fracos logo à nascença.

"Concordo, mas o Sócrates não foi o mentor do socialismo."

Os actuais elementos de extrema direita nao foram os mentores do Nacional Socialismo, seguem a ideologia politica sem as ideologias pessoais dos antigos membros nazis.

"Concordo, mas não foram eles que o criaram."

Mantenho o que disse a acima.
Pois se um nazi hoje é racista, Mao e Estaline que nao criaram o comunismo, sao criminosos.

O principio é o mesmo, estás só a ser tendencioso ignorando o óbvio.

"Concordo com o facto de ser uma tese válida, mas já não concordo com comparações."

Comparacoes válidas, pois justificas crimes em nome de uma ideologia por nao terem sido eles a cria-la. Eu digo o mesmo, nao há criadores do nacional socialismo e se fomos a analizar o nacional socialismo ele nem sequer foi inventado por Hitler.

  Van

domingo, janeiro 18, 2009 8:37:00 da tarde

Eu percebo o que queres dizer. Mas, a meu ver, não são apenas as acções de hitler e afins que pesam sobre o nazismo. Considero a própria ideologia nazi racista, porque assenta na superioridade de um povo sobre os outros.
Quanto à prática do comunismo, totalmente de acordo. A urss foi um estado criminoso, que devia ter ido a tribunal dos direitos humanos...e outros iguais, mao, estaline e afins. Quanto ao che guevara, não o conheço, mas só o facto de se ter aliado a fidel...
Bolas, mas que mania de me atirares com exemplos de comunistas loooooool, eu não sou comunista e concordo com o que dizes em relação aos crimes cometidos em nome do comunismo, e sou mesmo capaz de os colocar ao nivel do nazismo.

«"Partindo do principio que o hamas e afins usam civis como escudos humanos, pessoalmente condenaria muito mais os ataques de israel. Pois, sabendo eles que haveriam seres inocentes naquelas zonas, estariam a usar todos os meios para atingir os fins e a ser terroristas e sanguinários."

Nao me facas rir. Sabes como é que Israel matou o numero 3 do Hamas? Largou uma bomba de UMA TONELADA sobre a casa dele. UMA TONELADA, eles sabiam muito bem que o iriam matar a ele e à rua inteira!»

Bolas, não vês que estou a dizer o mesmo que tu. É exactamente isso: que eles matam os civis sem remorsos e que isso, quanto a mim, é condenável. Eu estava a falar numa base hipotetica, a analisar hipoteses.

"Ou seja és mais uma que ve o arabe como terrorista e nao como um homem de familia com o direito a ser livre" - como eu já disse, estava no campo das hipoteses; não distorças o que eu escrevi, porque, estás muito enganado quanto a esta frase ;-p...

Como eu já disse, estava no campo das hipoteses. De um lado, o preto, de todos serem inocentes. De outro, o branco, de todos serem culapdos. Talvez não tenha explicado isto bem.

Para que conste, e tirando alguns aspectos, eu concordo contigo. Não sou nem vermelha nem pró-israel. Mas, um conflito tem dois lados, e eu apenas tento ver todos os angulos e formular a minha propria opiniao...

  Van

domingo, janeiro 18, 2009 8:43:00 da tarde

ps - o que eu mais adoro é de fazer de advogado do diabo...o que não significa que não tenha as minhas próprias opiniões. Mas, ok, a partir de agora, sempre que estiver a faze-lo, eu aviso. :) sabendo eu que és apoiante da causa palestiniana, tal como eu sou (embora não concorde com os metodos...e agora lá me vais tu perguntar se concordo com os do outro lado... :-p), estava a fazer-te falar, ao pespegar-te argumentos ou hipoteses contrarias. Chama-se a isso divulgar, desfazer mitos e mentiras, repor verdades, analisar os dois lados...

  johny

segunda-feira, janeiro 19, 2009 2:14:00 da manhã

Eu justifico crimes? Tás maluco ou drogado ou quÊ? Eu não justifica nada. Digo que o nazismo é racista, por definição, não pelos seguidores. Os seguidores até podem nem ser ou ser - só o facto de serem seguidores já não abona muito em seu favor, tal como a discussão, que parece começar a andar em círculos (se gostasse de pôr bonecos a sorrir ou se fosses uma rapariga, punha um aqui... a sorrir)

Pelo menos, em número perdes porque eu e a Van somos mais.

  Bruno Fehr

segunda-feira, janeiro 19, 2009 1:33:00 da tarde

Van disse...

"Considero a própria ideologia nazi racista, porque assenta na superioridade de um povo sobre os outros."

Aqui está uma coisa importante. Tu afirmas sem conhecimento de causa. Tu própria afirmas que nunca leste nem tens vontade ou interesse em ler o Mein Kampf, no entanto afirmas cheia de certeza que a ideologia nazi assenta em fundamentos racistas... ora, não faço ideia onde foste buscar estas conclusões e sao provas sobre esta afirmação que pedi ao Johnny que diz ter lido o Mein Kampf...

Eu li o Mein Kampf e afirmo que nao há um comentário racista em todo o manifesto politico, por isso gostaria de saber em que documento tu justificas as tuas acusações de racismo à ideologia.

"Quanto ao che guevara, não o conheço, mas só o facto de se ter aliado a fidel..."

Che lutou pela liberdade do seu país, tudo bem, mas quando a guerra acabou, foi voluntário/mercenário em todas as guerras na America do Sul. Passou de um homem que lutou pela sua liberdade, a um homem que simplesmente gostava de guerra.

"Bolas, mas que mania de me atirares com exemplos de comunistas loooooool, eu não sou comunista e concordo com o que dizes em relação aos crimes cometidos em nome do comunismo, e sou mesmo capaz de os colocar ao nivel do nazismo."

É um simples demonstracao que lá por dirigentes serem criminosos e racistas isso nao faz com que a ideologia seja racista. O comunismo nao assenta em ideais racistas ou criminosos, tal como o Nazismo como ideologia está livre desses preconceitos. Foi tudo uma questao de quem aplicou e de quando foi aplicada a ideologia, adulterando-a.

Eu dou exemplos e poss até justificar tudo o que digo, no entanto nem tu nem o Johnny apresentaram um unico facto que torna o ideologia politica racista, tudo o que conseguem provar é que as pessoas foram racistas. Mas as ideologias nao fazem as pessoas!

"Para que conste, e tirando alguns aspectos, eu concordo contigo. Não sou nem vermelha nem pró-israel. Mas, um conflito tem dois lados, e eu apenas tento ver todos os angulos e formular a minha propria opiniao..."

A mim basta-me ver um lado com pedras ou outro com misseis para perceber o que se passa!


"estava a fazer-te falar, ao pespegar-te argumentos ou hipoteses contrarias. Chama-se a isso divulgar, desfazer mitos e mentiras, repor verdades, analisar os dois lados..."

Sim, mas falar em soldados no contexto dos palestinianos é o que Israel quer e é o que nao existe.

  Bruno Fehr

segunda-feira, janeiro 19, 2009 1:42:00 da tarde

johny disse...

"Eu justifico crimes?"

A dizeres que A, B, C, nao criou a ideologia pela qual comentou crimes, soa-me a justificacao.

"Tás maluco ou drogado ou quÊ?"

Se não consegues manter o nível da conversa tendo como base o respeito, não insistas!

"Eu não justifica nada. Digo que o nazismo é racista, por definição, não pelos seguidores."

Exactamente, afirmas mas nao justificas nada. A falta de justificacao nas afirmacoes, retira qualquer valor às mesmas.

Noto a tua visão radical, não justificada nem justificável.
Tal como te disse, poderás tentar justificar a tua fantástica teoria retirada de propaganda politica Americana, com argumentos do livro que leste, é que se o leste em Português e Inglês e a tua teoria se mantém, é porque leste lago que me passou ao lado!

"Os seguidores até podem nem ser ou ser - só o facto de serem seguidores já não abona muito em seu favor, tal como a discussão, que parece começar a andar em círculos"

Claro que sim, o que me deixas a comentar sao teorias sem qualquer tipo de fundamento ou justificacao. É que nem sequer me exige ir buscar argumentos melhores, pois nao deixas argumentos para contra-argumentar.

Tu achas que nazismo e racismo sao sinónimos, só porque sim. Mas só porque sim, nao chega sequer para me deixar uma dúvida na cabeça.


"Pelo menos, em número perdes porque eu e a Van somos mais."

Sim, mas um nunca leu nada sobre o nazismo que tenha sido escrito pelo lado nazi. A própria Van admitiu isso. Tu, dizes ter lido, mas não parece que te lembres do que leste.

Ora dois contra um, sim, vocês são mais e ganham em números, mas são dois sem argumentos, sem documentação histórica e apoiados pelo cinema Americano. Ora poderiam ser 30 contra mim, que em nada alterava factos vs teorias.

  Van

segunda-feira, janeiro 19, 2009 9:55:00 da tarde

Qualquer dicionário que consultes incluirá a superioridade da raça na ideologia nazi. Os que consultei incluem. Provavelmente tb não leram meim kampf :-p :D

  Bruno Fehr

segunda-feira, janeiro 19, 2009 10:05:00 da tarde

Van disse...

"Qualquer dicionário que consultes incluirá a superioridade da raça na ideologia nazi. Os que consultei incluem. Provavelmente tb não leram meim kampf :-p :D"

Correcto, todos os dicionários que leste aso tendenciosos à história imposta pela parte vencedora na guerra. Se fores ver uma definição de comunismo, nenhum dicionário menciona a miséria do povo.
Dei diversas definições de dicionários "à séria" em comentários anteriores, não definições de fantochadas de bolso como Porto Editoras e afins que a cada 5 páginas tem 20 erros!

O racismo foi uma consequência e não é uma definição!
O retardamento mental é uma consequência do comunismo, mas não é uma definição!
A cegueira é uma consequência do Budismo, mas não é uma definição.

  Van

terça-feira, janeiro 20, 2009 12:18:00 da manhã

mau mau mau querem ver que o gajo ainda me vai meter a ler o Mein Kampf...???? LOOOOOOOOOL

  Bruno Fehr

terça-feira, janeiro 20, 2009 1:29:00 da manhã

Van:

Nao serias a primeira :)

  johny

terça-feira, janeiro 20, 2009 2:43:00 da manhã

Contra a capacidade argumentativa que pega em duas frases, divide-as consoante o ponto de vista que quer demonstrar, e dá uma ideia errada do que eu digo, não vale a pena discutir. Eu disse:

"Eu justifico crimes? Tás maluco ou drogado ou quÊ? Eu não justifica nada. Digo que o nazismo é racista, por definição, não pelos seguidores."

Primeiro, a fase do drogado ou quê, que era brincadeira, pode ter sido mal-interpretada, mas foi proferida sem maldade e, por isso, foi despropositada a reacção de alguém que até já disse que a "teoria de Nazismo = Racismo é das ideias mais idióticas de que quem quer manchar uma ideologia". Se fosse para fazer beicinho.... mas a mim não me assenta o carapuço e por isso não me chateio.

Depois, a frase "eu não justifico nada" vem na sequência da tua afirmação de que eu justificaria os crimes dos comunistas por diferenciar os autores dos crimes dos criadores e não, como tu tentaste passar, como absolutismo da minha forma de argumentar. Se reparares bem até há uma adversativa implícita.

Tu concluíste que não justificava que o nazismo seria racista, mas - repito - o "eu não justifico nada" vem na sequência da frase anterior! É preciso tomar atenção quando se toma uma perspectiva tão
"ponto por ponto"

Retirando coisas do contexto, fica mais fácil esgrimir opiniões.

Os argumentos que me convencem de que o nazismo é racista são
(vou listá-los para tornar mais fácil o teu rebatimento):

- O nome do partido que Adolf Hitler ajudou a criar e do qual foi presidente, Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, qualquer coisa como partido nacional socialista dos trabalhadores alemães. Nazi é um acrónimo de NAtionalsoZIalische - o partido tinha outro nome e foi na altura de Hitler que mudaram para este - também disseste isso, mas o acrónimo SÓ é usado AQUI e não noutros partidos ou movimentos. Foi NAQUELA altura que nasceu, para denominar AQUELE partido, AQUELE movimento e AQUELAS pessoas
- A ideologia dos mentores, principalmete a de Adolf Hitler que defende no seu livro "MEIN KAMPF" a forma como a mistura de raças enfraquece o domínio de um país. Diz ele que o objectivo maior de uma raça é a criação de uma nação. Faz distinção entre nações fracas, com maior mistura étnica e nações fortes, puras, que se tornarão no ideal do nacional socialismo.
- A PRÁTICA da ditadura Nazi de Hitler que foi responsável por muitos actos racistas, desde a expropriação ao assassinato em massa.
- As análises históricas de milhares de pessoas que estudaram o nazismo sem a aculturação americana.

Pedes argumentos e dizes que não os recebes, mas assim de 'lembrança', não me ocorre nenhum facto ou fonte que tenhas apontado para além da tua palavra ou interpretação do Mein kampf. Pronto, posso apontar o argumento de que não é racista estar contra os judeus, que controlaram a Alemanha no pós-1ª grande guerra, nem contra os ciganos, que não trabalham, nem contra os imigrantes. Espera, lembro-me também da definição de Nazismo que adulteraste e da menção a uma escritora (Landmann, Salcia), que não deves ter lido, pois ela é judia e toda a sua obra sobre o racismo assenta na ironia e no sarcasmo. Relê e descobre um mundo novo. Reli agora mais alguns argumentos ao comentário da VAN em que dizes que todos os dicionários que ela leu são tendenciosos. Todos? fdx!!!! Isso é incrível. E aqueles que tu lês? Esses são todos isentos? E o facto de o racismo ter sido uma consequência do nazismo não te faz pensar que o nazismo é racista?

Ficam as perguntas e os argumentos, sempre sem maldade ou má-fé.

P.S. - Para além do Mein Kampf, há várias plataformas de leitura de discursos de Hitler e colegas, anteriores e posteriores à sua eleição como presidente do partido que contêm igualmente mostras do seu génio.

  Bruno Fehr

terça-feira, janeiro 20, 2009 3:31:00 da manhã

johny disse...

"Contra a capacidade argumentativa que pega em duas frases, divide-as consoante o ponto de vista que quer demonstrar, e dá uma ideia errada do que eu digo, não vale a pena discutir. Eu disse:

"Eu justifico crimes? Tás maluco ou drogado ou quÊ? Eu não justifica nada. Digo que o nazismo é racista, por definição, não pelos seguidores.""

A divisão desta frase da forma como a fiz não a descontextualiza.

"Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, qualquer coisa como partido nacional socialista dos trabalhadores alemães. Nazi é um acrónimo de NAtionalsoZIalische - o partido tinha outro nome e foi na altura de Hitler que mudaram para este - também disseste isso, mas o acrónimo SÓ é usado AQUI e não noutros partidos ou movimentos. Foi NAQUELA altura que nasceu, para denominar AQUELE partido, AQUELE movimento e AQUELAS pessoas"

Mas isso acontece porque a ideologia Nazi morreu ali, se eles não tivessem cometido crimes e virado o mundo contra eles o Nazismo ainda existiria como tendência politica em todo o mundo.
Tal como se os Americanos tivessem levado a sua avante, hoje não existiria comunismo no mundo o que seria um perda tão grande como a actual não existencial do Nazismo.

Este acrónimo dado a este partido e a estas pessoas naquela altura é algo de lógico, pois foi uma ideologia que não teve continuação devido a crimes racistas, mas racismo esse que não é culpa do nacional socialismo mas sim de alguns dos dirigentes desse partido.

"- A ideologia dos mentores, principalmete a de Adolf Hitler"

Adolf Hitler escreveu um manifesto Nazi, mas nao criou a ideologia. O nacional socialismo já existia, só nao tinha um partido politico.


Hitler era racista? Sim, era!
A ideologia Nacional Socialista é racista? Nao, nao é. Algumas pessoas que seguem essa ideologia o podem ser. Tal como até há comunistas inteligentes.

"Diz ele que o objectivo maior de uma raça é a criação de uma nação."

E isto é racista?

"Faz distinção entre nações fracas, com maior mistura étnica e nações fortes, puras, que se tornarão no ideal do nacional socialismo."

E há aqui racismo?
Vamos tomar com exemplo o médio oriente e África, a raça não é branco preto, asiático etc, a definição de raça é algo de mais profundo que isso. Esse países são mais fracos em todos os aspectos e por questões raciais que ainda causam guerras.

A raça. Cavaco Silva no dia de Camões e das comunidades, lembrou que era também o dia da raça. Sim, o Português é uma raça e segundo e comissão internacional que segue atentamente as raças mundiais em vias de desaparecimento, identificou em 2004 a raça Lusitana, rara, mas das mais puras da Europa. A raça existe, nao somos todos iguais, somos todos diferentes.
Nao podemos é limitar a raça a preto e branco. As raças variam consoante as suas localizações e quanto menos raças há, menos conflitos há e por conseguinte mais unidade e da unidade vem o sucesso.
Racismo, nao vejo onde!

"- A PRÁTICA da ditadura Nazi de Hitler que foi responsável por muitos actos racistas, desde a expropriação ao assassinato em massa."

A prática, nao a ideologia nacional socialista, foram as pessoas no poder e nao a ideologia no papel.

"- As análises históricas de milhares de pessoas que estudaram o nazismo sem a aculturação americana."

Muitas contraditórias em todos os aspectos.

"Pedes argumentos e dizes que não os recebes, mas assim de 'lembrança', não me ocorre nenhum facto ou fonte que tenhas apontado para além da tua palavra ou interpretação do Mein kampf."

O maior facto é que as pessoas nao passam a ser uma ideologia nem a ideologia passa a ser definida pelo erros das pessoas que dizem segui-la.
Uma definição raramente faz justiça à palavra!

"Landmann, Salcia, que não deves ter lido, pois ela é judia e toda a sua obra sobre o racismo assenta na ironia e no sarcasmo."

Claro que sim, tal como Anne Frank é judia e é lendo essas anedotas que se aprende muito.

"em que dizes que todos os dicionários que ela leu são tendenciosos. Todos? fdx!!!!"

Sabes quantos foram? Eu aponto para um Porto Editora, que é lixo e para uma busca online onde foi parar a sites em Inglês.

"E aqueles que tu lês? Esses são todos isentos?"

Nao são, mas fiz uma busca bem mais abrangente, li os manifestos nazis, entregues à juventude hitleriana, a membros do partido, a simpatizantes bem como grande parte da literatura disponível. E antes do partido Nazi chegar ao poder NAO HÁ uma palavra racista em NENHUM documento oficial. O racismo foi uma adulteração de uma ideologia que não menciona o ódio por uma raça. Menciona sim raças fortes e raças francas, tal como qualquer ideologia em qualquer pais do mundo incluindo Portugal como raça forte em relação aos dominados e vizinhos, bem como a raça espanhola dominante na sua opinião em relação ao dominado e vizinhos. Em nada a ideologia nazi era mais racista do que qualquer outro sentimento nacionalista de "o meu país é melhor que o teu".

"E o facto de o racismo ter sido uma consequência do nazismo não te faz pensar que o nazismo é racista?"

O racismo é uma consequência humana e não do nazismo. Os elementos nazis eram racista, tal como elementos nazis o eram e sao. O que digo e sublinho é que a ideologia não é racista, as pessoas é que o são manchando uma ideologia.


"P.S. - Para além do Mein Kampf, há várias plataformas de leitura de discursos de Hitler e colegas, anteriores e posteriores à sua eleição como presidente do partido que contêm igualmente mostras do seu génio."

Os discursos podem até conter racismo, mas sao representantes politicos e nao a ideologia base.

  "Tu sabes"

terça-feira, janeiro 20, 2009 7:56:00 da tarde

Parabéns pelo teu discernimento. Nada mais tenho a dizer.Tu disseste tudo.

  johny

terça-feira, janeiro 20, 2009 7:57:00 da tarde

Acho que já só discordamos de duas coisas:

A primeira é a discussão entre a ideologia ser ou não ser racista tendo em conta que os mentores e as práticas do partido o são ou foram, neste caso. Eu digo que quando o partido mudou para NAZI, com a subida de Hitler e seus amigos, a ideologia racista passou a fazer parte do partido.

Lembro que a discussão começou pela tua afirmação que o racismo não estava contido na definição nazismo. pela tua última opinião, já não dizes o mesmo.

A segunda coisa é a própria definição de racismo, que tu aceitas sobre algumas formas, tentando atenuar o nome que lhe dás e não a forma. Mas isso são discussões que cada um tem de ter consigo e com a sua consciência ou até Deus... ou qualquer outra forma divina.

A investigação de quem argumentou contra ti neste post pode ter sido toldada por alguma parcialidade, mas temo que a tua também o tenha sido.

  Van

quarta-feira, janeiro 21, 2009 1:18:00 da manhã

Não li o mein kampf, não, nem vou ler. Não me interessa minimamente o que um cabrão desumano como o hitler pensava. Tudo o que tiver saído daquela mente é lixo tóxico asqueroso. Obviamente que não tenho nada a apontar a quem leu, atenção. Mas o resultado esteve à vista, não esteve? e chama-se Holocausto. Independentemente do facto de as acções poderem não ter que ver com a ideologia, quem idealizou o nazismo e o moldou, foi Hitler. E hitler fez o que fez. O gajo que escreveu a ideologia, po-la em pratica da forma mais macabra possivel. Não creio ser nem fácil nem justo dissociar as duas coisas.
Em detrimento de os números terem sido inflaccionados, e de existirem outros genocidios bárbaros, o holocausto aconteceu e deveu-se a um louco, o mesmo louco que escreveu meim kampf e que idealizou o nazismo.

Contudo, uma olhadela ao table contents do livro, mostra capitulos com nomes como, Nation and Race (Vol 1 cap 11);
Subjects and Citizens (vol 2, cap 3)vindo este capítulo depois de um outro intitulado "State", presumo que "subjects" sejam súbditos e citizens sejam cidadãos. Assim sendo, alguns habitantes, sendo súbditos do estado, não são cidadãos?

Só nisto salta à vista a ideia que uns são melhores ou possuem mais direitos que outros! isto não é a essência da discriminação? isto nao é racismo?
E um capítulo chamado nação e raça?? Raça??? não existem nem nunca existiram raças! O simples facto de se falar em Raça já é um indício da ideia da superioridade da raça ariana!
Só na análise do nome dos capítulos encontrei racismo! e nem por isso dissimulado...

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 21, 2009 11:34:00 da manhã

Anónimo "Tu sabes" disse...

Obrigado? Talvez...

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 21, 2009 11:41:00 da manhã

johny disse...

"A primeira é a discussão entre a ideologia ser ou não ser racista"

Sim, é o meu ponto de discordia!

"Eu digo que quando o partido mudou para NAZI, com a subida de Hitler e seus amigos, a ideologia racista passou a fazer parte do partido."

Passou a fazer parte de definições tendenciosas isso sim. Pois o homicídio em massa e execuções publicas nao fazem por algum estranho motivo parte da definição comunista.
É fácil atacar uma ideologia que nao existe.

"Lembro que a discussão começou pela tua afirmação que o racismo não estava contido na definição nazismo. pela tua última opinião, já não dizes o mesmo."

Continuo a dizer o mesmo e sublinho, a ideologia Nazi, a ideia base nao é racista, as pessoas que tinham o poder na altura sim, adulteraram tudo por serem racista e tiveram atitudes racistas em nome de uma ideologia inocente.

Nao há no meu discurso qualquer contradicao, visto que separo as pessoas da ideologia.

"A segunda coisa é a própria definição de racismo"

Ora isto é uma dicordancia que acabas de interpretar? É que nunca fez parte do assunto.

"A investigação de quem argumentou contra ti neste post pode ter sido toldada por alguma parcialidade, mas temo que a tua também o tenha sido."

Mas eu sou imparcial. No que toca a defender palavras eu sou imparcial, as palavras recebem significados injustos.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 21, 2009 12:18:00 da tarde

Van disse...

"Não li o mein kampf, não, nem vou ler. Não me interessa minimamente o que um cabrão desumano como o hitler pensava."

Temos de conhecer o passado para nao o repetir. Bem como, a temos de conhecer o inimigo de forma derrotá-lo, é por isto que li a Biblia.

"Tudo o que tiver saído daquela mente é lixo tóxico asqueroso."

As melhores teorias económicas alguma vez impostas num país. A capacidade de tornar um país pobre e destruido na maior potencia mundial?
Sim, foi um louco criminoso, mas o teu tipo de discurso, invalida o que o homem fez de grandioso. Do génio à loucura vai um passo e todos os génios são loucos. A genialidade económica Nazi é inquestionável e até admirável.

Eu admiro os génios económicos da altura e gostaria que Portugal tivesse um gajo com 10% das capacidade do ministro da economia Alemão da altura.

"Obviamente que não tenho nada a apontar a quem leu, atenção. Mas o resultado esteve à vista, não esteve? e chama-se Holocausto."

O holocausto é um consequência e não um resultado, o resultado nunca foi atingido.

"Independentemente do facto de as acções poderem não ter que ver com a ideologia, quem idealizou o nazismo e o moldou, foi Hitler. E hitler fez o que fez. O gajo que escreveu a ideologia, po-la em pratica da forma mais macabra possivel."

Hitler nao criou o Nacional Socialismo, escreveu unicamente o manifesto do seu partido, baseado em politicas já criadas e por nao o ter criado, nunca o alterou no papel e por isso o nacional socialismo continua virgem, centrado em valores economicos e sem racismo.

"o mesmo louco que escreveu meim kampf e que idealizou o nazismo."

Incorrecto, já o disse várias vezes. Hitler é o fundador do NASAP que assenta em valores Nacional Socialistas, mas que nao criou a ideologia!

"Contudo, uma olhadela ao table contents do livro, mostra capitulos com nomes como, Nation and Race (Vol 1 cap 11)"

E então, és uma daquelas anti-fascistas que acha que quem usa palavras como "nação", "raça", "ultramar" e "pátria" é fascista? São só palavras e por falar em palavras, lembro que Cavaco Silva no passado dia de Camões e das comunidade lembrou que esse dia marca e sempre marcou em Portugal o dia da raça. E os Lusitanos são de facto um raça única reconhecida internacionalmente.

Agora se me vens dizer que "raça" e "nação" são palavras racistas ou fascistas... é aqui que desisto da discussão, pois recuso-me a entrar em definições populares de palavras, definições populares que são dadas pelo povo, que nem ler sabia!

"Subjects and Citizens (vol 2, cap 3)vindo este capítulo depois de um outro intitulado "State", presumo que "subjects" sejam súbditos e citizens sejam cidadãos. Assim sendo, alguns habitantes, sendo súbditos do estado, não são cidadãos?"

ALTO LÁ! O teus desconhecimento da lingua Inglesa nao pode ser usado como argumento para defender a tua teoria tendenciosa. Um cidadao é uma pessoa com uma determinada nacionalidade residente no país, um Subject é por exemplo qualquer Inglês ou residente em territórios ultramarinos Ingleses quem diz ingleses diz de qualquer nacionalidade com monarquia. Até mesmo cidadãos Australianos e Canadianos entre outros (países não monárquicos), são subjects de sua majestade a rainha de Inglaterra por escolha própria.

Há que ter em atenção que na altura em que Mein Kampf foi escrito a Alemanha era governada por um Kaiser, logo o povo Alemao era súbdito do Kaiser e cidadão Alemão.

Por favor nao usar de ideias tendenciosas de racismo para dar significados a capitulos de um livro que nao leste. Isso nao é justo nem vale como argumento.


"Só nisto salta à vista a ideia que uns são melhores ou possuem mais direitos que outros!"

Errado, isto só salta à vista de que estás muito mal informada sobre este assunto e sobre a definição de ambas as palavras. O termo Subject nao é hoje tao largamente usado e para ser mais preciso nao o é desde 1949, mas o livro Mein Kampf é anterior a essa data, bem como a sua tradução.

"isto não é a essência da discriminação? isto nao é racismo?"

Nao, não é. É a essência de não saberes o significado de subject e não perceberes o que é um súbdito ou porque é que súbditos e cidadãos são um capitulo nesse livro. E só para te picar ainda mais, tu e Hitler concordam nesse ponto, pois Hitler via o povo Alemão como cidadãos Alemãs e não como súbditos do Kaiser, querendo o fim do reinado do Kaiser, motivo pelo qual Hitler estava preso quando escreveu este livro.

"E um capítulo chamado nação e raça?? Raça??? não existem nem nunca existiram raças!"

Existe uma comissão Europeia que acompanha todas as raças mundiais e o seu desaparecimento, eles acompanham baseados em Raca, credo e língua. O povo Lusitano é considerado uma das mais antigas raças sedentária da europa continental. O dia de Camões foi durante anos também o dia da "raça" e ainda hoje o é, pois nunca foi retirado do calendário, tal como Cavaco Silva muito bem lembrou.

A utilização da palavras raça tem dois significados, raça como forma de diferenciação física sobre os nossos vizinhos, ou raça como atitude e coragem. Do qual destaco os textos "Que Raca", escritos a quando da invasão Indiana aos territórios Portugueses, onde erradamente se dizia que os soldados Portugueses lutaram com raça!

"O simples facto de se falar em Raça já é um indício da ideia da superioridade da raça ariana!"

Nao, essa é a interpretação que lhe queres dar, pois a raça dentro do contexto de superior, não é um dos conteúdos do livro.
Além disso, nao usas a palavra raça no contexto em que ela era usada no inicio do século, inclusivamente em Portugal. A raça Lusitana foi o que nos levou a conquistar os mares e isso nao tem a ver com cor de pele, ou características físicas. A frase "Mas que raça", era usada como referencia a carisma, coragem, forca, persistência, bravura, etc.
A selecção nacional joga ou não com raça! No Sporting fala-se na raça do leão e não se referem à raça felina, mas sim ao amor à camisola.

Tens uma definição de raça parcial e racista, pois todo o teu comentário tem como base o racismo e notoriamente te encontras fechada a outras opiniões, acabando por colocar racismo em tudo o que escreves, até mesmo em palavras tão abertas com tantos significados e utilizações.

"Só na análise do nome dos capítulos encontrei racismo! e nem por isso dissimulado..."

Com as ideias pré-concebidas com que foste investigar, tu serias capaz de ver racismo em qualquer texto, em qualquer livro. Ignoraste por completo os significados das palavras, interpretaste da maneira que poderia justificar a tua opinião e acertaste ao lado, por fazeres uma interpretação do que nao foi escrito e por nao te teres informado.

Nao vejo qualquer tipo de interesse em discutir com alguém com uma opinião tão radical, ao ponto de nao querer ver todo um contexto de definição das palavras e contexto histórico.
Eu posso ser tendencioso, mas nao entro em radicalismo de me sentir cercado de racismo ou más ideias. Tu sim, interpretaste tudo de uma forma incrivelmente estranha, que até retirou interesse a esta discussão.

  johny

quarta-feira, janeiro 21, 2009 2:24:00 da tarde

A discordância com a definição de racismo prende-se com o facto de achares que algumas formas de racismo não são racismo, como por exemplo, o que disseste num comentário. Passo a citar:

"Será pelo ataque aos Judeus, que eram objectores de consciencia e tomaram controlo do poder Alemao durante a primeira guerra mundial, enquanto os homens Alemães estao a morrer?"

Resposta: Sim, será por isso.

Noto que não discordas que houve ataque aos judeus, apenas discordas que tal ataque seja condenável.

Depois continuas:

"É racismo não querer imigrantes no país? É que eu saiba os Polacos não são uma raça diferente da Alemã, até têm características Arianas como os Alemães."

Resposta: Sim, também é racismo.

Noto também que a tua definição de raça vai mudando ao sabor dos argumentos ora dizes que é definida pelos países ora por outros factores. Aqui, o país já não é definidor de raça.

Por último, disseste:

"Será por perseguirem ciganos? Que são pessoas sem nação, sem país, sem documentos e sem vontade de trabalhar?"

Resposta: Sim, também é racismo por isso, assim como é racismo atribuir características de personalidade ou ética de trabalho a um povo.

Noto também que o Ricardo Quaresma, um dos mais ilustres ciganos, trabalha e até é bem pago por isso.

Quanto a contradições, primeiro fizeste o desafio: "Ler "A minha luta" de Adolf Hitler [livro que qualificaste como a bíblia do nazismo] e tenta encontrar lá racismo." Depois admitiste que tinha racismo, mas que tal livro já não era o manual do nazismo... enfim!

E podia dizer mais, mas acho que só falta convenceres-te a ti próprio.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 21, 2009 3:20:00 da tarde

johny disse:

"..."Será pelo ataque aos Judeus, que eram objectores de consciencia e tomaram controlo do poder Alemao durante a primeira guerra mundial, enquanto os homens Alemães estao a morrer?"

Resposta: Sim, será por isso..."

Se isto é racismo, então não temos mais nada a discutir a assumo-me como racista.
Se eu sou Português e Portugal está em guerra e um certo grupo se declara falsamente objectores de consciência (Os Judeus não o são nem nunca o foram) enquanto toma o poder e bloqueia após tomar esse poder o acesso dos bens mais básicos aos soldados DO SEU PAÍS, causando milhões de morte e a derrota dessa nação. Sim eu irei lutar contra esses traidores à pátria, sejam eles judeus, pretos , branco azuis ou amarelos às pintinhas.

Estou-me a cagar para a raça deles, ligo sim ao facto de serem não patriotas, falsos e criminosos. Olho por olho, dente por dente. Uma vida por uma vida.

Se isto é racismo, não, não é, pois seria igual independentemente da raça.
Mas se achas que isto é racismo então podes chamar-me erradamente racista.

A tua definição de racismo é que é tão radical que seria capaz de encontrar racismo em livros infantis. Para encontrar basta querer e interpretar convenientemente.


"..."É racismo não querer imigrantes no país? É que eu saiba os Polacos não são uma raça diferente da Alemã, até têm características Arianas como os Alemães."

Resposta: Sim, também é racismo..."

Se não é raça, não é racismo. Eu não concordo com imigrante ilegal seja ela de africanos ou espanhóis, ano tem a ver com raça, tem a ver com ilegalidade.

Por as pessoas verem racismo em tudo, em vez de verem a lei, é que temos as fronteiras que temos e os ordenados que temos. Porque motivo deverá um patrão pagar 1.000 euros de ordenado mínimo a um Português, quando um imigrante de leste faz os mesmo trabalho com a mesma qualidade por 500 Euros?

Agora esse imigrante está legal? Nao, nao está, muitos deles legalizam-se muito mais tarde nem sequer cumprindo a lei que diz que devem regressar ao seu país e lá pedirem um visto de entrada e de trabalho antes de voltarem a imigrar. É por isso que temos em Portugal criminosos, pois eles legalizam-se cá e nao pedem vistos no seu país onde os consulados iriam exigir registo criminais.

Isto é racismo? Nao é respeito pela lei e estar contra as tuas ideias de esquerda de que tudo e todos sao bem vindos!

"Noto também que a tua definição de raça vai mudando ao sabor dos argumentos ora dizes que é definida pelos países ora por outros factores. Aqui, o país já não é definidor de raça."

Raca com termo motivador racismo, sao diferenças físicas notáveis, como Caucasiano, negro, asiático. O racismo é baseado nisso. As diferenças entre ocidentais e árabes, nao sao por motivos racistas mas sim religiosos portanto, sao raças diferentes mas já nao é racismo.
Raca é de facto também um nacionalidade, mas que os ódios entre elas nao sao racismo, as guerras entre Portugal e Espanha apesar de serem raças diferentes, nao tinha fundamentos racistas mas sim nacionalistas.
Raca é também coragem, atitude, forca, confianca, "aquele jogador tem raca", "a raca do leao", etc, etc, etc raca como coragem, a raca que nos leva a lutar pelo que acreditamos, isso nao tem qualquer teor racista.

Mas como já várias vezes disse, quem quer ver racismo em tudo, quem pensa com racismo na cabeca, consegue até ver racismo no facto de eu vestir ganga em vez de Sarja, em preferir fatos listado a lisos.
Quem quer ve racismo em TUDO!


"..."Será por perseguirem ciganos? Que são pessoas sem nação, sem país, sem documentos e sem vontade de trabalhar?"

Resposta: Sim, também é racismo..."

Nao, nao é racismo. E agora em que é ficamos, tu dizes que é, eu digo que nao. Ponto final.
Um ciganos sem documentação é um imigrante ilegal, mas a lei torna o cidadão contribuinte vitima, ao dizer que uma pessoas sem documentação nao pode ser expulsa do país, o que faz com que nao tenham documentos e sem documentos nao podem trabalhar até porque nao o querem fazer, mas por serem pessoas recebem ajudas do estado retiradas dos nossos impostos. O cigano agora em Portugal tem o DIREITO de nao trabalhar.

O Quaresma é cigano, mas é Português e tem documentação. Portanto um maus exemplo para justificar a tua falta de lógica argumentativa no que toca ao racismo.

Ves racismo, pois queres ver racismo e isso é o factor mais incomodo e perigoso que conheço. Espero o dia em que tenhamos pessoas no poder sem uma visão tao fechada assim, tao simplista. Pois isso é o fim económico de qualquer nação.

"Quanto a contradições, primeiro fizeste o desafio: "Ler "A minha luta" de Adolf Hitler [livro que qualificaste como a bíblia do nazismo] e tenta encontrar lá racismo." Depois admitiste que tinha racismo, mas que tal livro já não era o manual do nazismo... enfim!"

Eu nunca afirmei que o Mein Kampf tinha racismo, porque nao tem, eu admiti que Hitler o autor do livro era racismo.
Eu nunca afirmei que o Mein Kampf nao era o manual nazi é afirmei que o Nacional Socialismo nao nasceu com esse livro, ele já existia.

Se queres discutir, vamos lá a ler o que escrevo sem interpretações "convenientes"!
Le, o que escrevo nao entres em devaneios interpretativos, pois escrevo de forma clara e nao por metáforas!

"E podia dizer mais, mas acho que só falta convenceres-te a ti próprio."

Nao preciso, este teu comentário demonstra o quanto está cego, quanto à definição de racismo e o desespero em mal interpretar o que escrevo.

  johny

quarta-feira, janeiro 21, 2009 10:24:00 da tarde

De facto, qualquer generalização, com base em noções económicas, territoriais, culturais, físicas, etc, que hostilize um grupo é racismo e tenho a certeza que há racismo em livros juvenis, sim.
Mas o que importa discernir nesta abrangência de casos é o tipo de racismo e aí, como em tudo, embarcamos numa questão de grau e nível.

Há o racismo explícito e o racismo latente, aquele que nem ele próprio sabe que é.

O racismo significa acima de tudo discriminação e generalização.

Se pegares num cigano, tipo o quaresma e disseres que ele é Português e tem documentação, tornas logo ilógica a generalização que fizeste antes ao dizer que os ciganos "são pessoas sem nação, sem país, sem documentos e sem vontade de trabalhar?"

Isto é o teu Bruno Fehr não racista a mostrar-te que não és racista. Não sei é se anda por aí um Bruno Fehr racista...


O Hitler é racista, o Mein Kampf é racista e o Nazismo também, pela ligação ao mestre e aos outros mestres iguais a ele, pois como é que a obra de um homem se pode dissociar dele próprio?

Não será o mesmo que dizer: O quaresma joga futebol, mas não é futebolista?

Não faço leituras convenientes do que dizes, mas a forma como a discussão se processa dá azo a isso, até já te acusei do mesmo. Mas o facto de apenas pegares nalgumas frases para responderes leva-me sempre a pensar que concordas com tudo o resto que não citaste. Se calhar não concordas.

Por fim, como vês, aquilo que disse no comentário anterior, revelou-se determinante na discussão. A própria definição de racismo é que te limita na consideração do nazismo como racista. A raça, em termo psico-físicos ou biológicos, com a promiscuidade cultural que existe há séculos, não faz sentido, adoptando-se a definição de raça como um conjunto de características, também físicas, mas sobretudo culturais, linguísticas, religiosas ou qualquer outra, que, no entanto, também deixou, deixa ou vai deixar de fazer sentido.

É sinal de inteligência não julgar o todo pelas partes, nem procurar união grupal em qualquer forma de característica social, por oposição ao outro, pois esse é sempre desconhecido.

O nazismo cometeu esse erro.

E tu cometes o mesmo. O problema não está, só para exemplificar, nos ciganos que não têm documentos nem pagam impostos, o problema está simplesmente em quem não paga impostos.

O problema não está nunca nos judeus (como povo), mas pode estar nalguns dirigentes, em pessoas singulares, tanto de um lado da barricada, como do outro, seja em que conflito for.

O problema não está nos imigrantes ilegais, mas em todos os que trabalham ilegalmente.

Para mim, a única definição de raça aceitável, pois é algo que é partilhado pelo grupo todo com certeza absoluta, é aquela que nos considera a raça humana.

Admite que o nazismo tem racismo, ainda que num entendimento mais humanista e abrangente do termo, mas sem falsas questões, como as referências à esquerda e ao comunismo. Para já, porque não sou nem ninguém falou nisso para além de ti, depois porque pareces paranóico e tem sido um argumento (falso argumento) recorrente neste blog, e, em último lugar, porque uma coisa não é o oposto da outra.

P.S. Numa discussão que se preze, ninguém faz birra e diz "ponto final" :)

  Van

quinta-feira, janeiro 22, 2009 12:18:00 da manhã

Sabes, não vou acabar de ler as tuas respostas. Primeiro, porque não vamos concordar. Depois, porque teimas em falar em desconhecimento de e em falta de informação quando não retiro as mesmas conclusões que tu. No que me diz respeito, poderia dizer o mesmo de ti, ou não? Mas não disse, pois não? Porque, respeito que tenhas tirado determinadas conclusoes perante essas informações. Eu, simplesmente, não concordo com elas. Mais uma vez, o mundo não é preto nem branco.

Com a quantidade de argumentos que já "atiraste", falta de informação não teria de certeza. E mesmo assim, com essa informação em posse, não alteraste a minha opinião um nico que fosse, neste assunto em concreto.

E desculpa lá, mas a palavra "raça" num livro escrito por Hitler...bem, nem vale a pena bater mais no ceguinho, porque daqui não vai sair absolutamente mais nada.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 22, 2009 4:33:00 da manhã

Johny disse...

Se te faz tanta confusao o facto de salientar frases tuas e comentar, irei parar de o fazer.

Falas no meu erro de generalização tendo em conta noções económicas, territoriais, culturais, físicas, etc ora, parece-me que tendo em conta tantos factores parece-me uma generalização bem geral. Ao contrário da tua generalização de rotulares uma ideologia como racista, baseado num único argumento, o Holocausto.

Há como dizes recismo implicito e latente, quem assume que o é e quem esconde ou ignora que o é. Eu assumo que não vejo a ideologia Nacional Socialista como racista, mas se a vês como racista então assumo-me como racista aos teus olhos. Mas o que me preocupa, são as pessoas capazes de ver racismo em tudo, parece que o procuram por todo o lado, em todas as palavras. Sim, acho essas pessoas preocupantes.

Tu pareces buscar racismo em todos os detalhes, como se de uma odisseia se tratasse. O racismo estará sempre onde o quiseres ver! Eu opto por julgar as palavras pelo que elas são e não pelo significado que "me dá jeito" dar-lhes.


Quanto ao facto de achares que o racismo significa discriminação e generalização, então eu sou tão racista como tu. O que nos distingue e te coloca à minha frente, é que eu vejo os líderes Nazis como racistas, mas não a ideologia nacional socialista. Tu vês racismo em tudo. És mais radical e mais generalizador devido a isso. E aqui entra novamente a história do racismo latente e racismo assumido.

Parece que usas a bandeira da generalizacao como arma e único argumento de peso contra o que digo. Eu julgo que entre pessoas inteligentes nao é necessário dizer que toda a regras tem excepcao. Acho que sempre que me refiro a grupo, nao tenho de colocar entre parentices (há excepcoes), pois é de conhecimento geral que todas as regras teem excepcoes. Mas pelos vistos e de maneira a retirar-te esse estandarte da generalizacao eu irei passar a referir excepções.

Será que és capaz de referir pontos positivos do Nacional Socialismo?

Pergunto isto pois toda a regra tem excepções e eu considero como excepção negativa o racismo dos dirigentes nazis e a maneira como lidaram e usaram de uma ideologia pura como o nacional socialismo.
Será que consegues mencionar excepções e deixar de generalizar negativamente o nacional socialismo.

Para mim não há dúvidas de que usas como ataque a tua maior fraqueza, a parcialidade (da qual também padeço) mas a generalização sem excepções.

O Bruno Fehr é racista e não é racista, tudo depende de quem olha para ele e da sua opinião, mas na verdade o que conta para o Bruno Fehr é o que ele pensa, ou seja nao é racista, pois nao tem qualquer problema com raças. Mas no que toca a danos económicos e políticos ataco seja que raca for, mesmo que seja o meu próprio irmao a ser um calão preguiçoso a ser um chupista, oportunista.

Esta é a minha raça na verdadeira ascensão da palavra, sou homem de convicções fortes, nao é defeito é raça!

O Hitler era racista, concordo. O Mein Kampf não tem pingo de racismo por isso discordo contigo (a primeira vez que o li, admito que esperava encontrar racismo). O Nacional Socialismo nao é racista, é uma ideologia politica como outra qualquer que foi manchada pelos dirigentes Nazis, esses sim, racistas.

Perguntas como é que a obra se pode dissociar do mestre. É simples qualquer pessoa que escreva com qualidade (e há qualidade literária em Mein Kampf), consegue exprimir-se com bem entender, sendo si próprio, sendo narrador de si próprio, adicionando ficção e escondendo preconceitos. Hitler, escondeu os seus preconceitos, nao os expôs no livro. Quando ao Nacional Socialismo, esse é facílimo de dissociar de Hitler, visto que nao foi Hitler o seu criador!

A definição de racismo não me limita o que limita a nossa discussão é viveres num mundo onde te encontras rodeado de racismo e escolhes ver racismo em tudo, identificá-lo e dissecá-lo como se isso te desse segurança. Eu vivo num mundo sem fantasmas.


Dizes que é sinal de inteligência não julgar o todo pelas partes, ora julgo que deverias prestar atenção ao que escreves, pois TU julgas o todo pelas partes, eu simplesmente não fiz referencia a "raras excepções" dando espaço para me acusares de generalização.

Nao admito que o Nacional Socialismo tenha racismo, tal como pedes, pois não o tem e em toda esta discussão não houve 1 único argumento que coloque nacional socialismo e racismo no mesmo saco e não, o facto dos dirigentes nazis serem racistas não faz do nacional socialismo uma ideologia racista, tal como o facto de o PS só ter idiotas (sim estou a generalizar sem excepções) não faz do socialismo uma idiotice total (somente parcial).

Eu não tenho admitir algo que é falso e acho muita graça ao facto de te referires aos crimes comunistas como falsas questões. E mais uma vez erras o comunismo é o oposto do nacional socialismo, apesar de terem tido as mesmas origens e serem ambos defendidos por elementos da mesma classe, os trabalhadores.

Numa discussão que se preze, tudo tem um ponto final quando uma das partes são intransigentes. Eu refiro e assumo os aspectos positivos do nacional socialismo e os negativos dos lideres nazis. De ti só vejo negatividade, parcialidade, generalização radical em relação a toda um ideologia por um incidente dos seus dirigentes, uma desculpabilzacao dos parasitas sociais, como que tivesses hasteada uma bandeira anarca.

O radicalismo vem desse lado, eu admito aquilo em que acredito, saliento aspectos positivos e negativos. Tu é que tens muito a admitir, pois só queres ver negatividade e enquanto assim for, isto é e será uma conversa de surdos.

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 22, 2009 4:42:00 da manhã

Van disse...

"Sabes, não vou acabar de ler as tuas respostas. Primeiro, porque não vamos concordar. Depois, porque teimas em falar em desconhecimento de e em falta de informação quando não retiro as mesmas conclusões que tu."

Mas as tuas referencias a "Subjects" é falta de informação sobre o contexto histórico em que a Alemanha era uma monarquia e todos os Alemães era ao mesmo tempo cidadão e súbditos. Cidadãos Alemães e Súbditos do Kaiser.

Por outro lado escolhes um das várias definicoes de raca, para te referires a um capítulo de um texto que nao leste, nao sabendo em que contexto é que "raca" é usada.

Tens razao que nunca iremos concordar, pois por durante anos me ter debrucado sobre este assunto, a minha opiniao tem raizes fortes e recorro com facilidade a argumentos válidos.

Mas a validade dos argumentos depende sempre de duas coisas:

1- O interluctor tem de ter conhecimento dos factos.

2- O interluctor tem de estar aberto a opinioes contrárias.

Eu aqui estou a discutir um assunto ideologico contigo que nao conheces nem queres conhecer a ideologia e estou a discutir com um péssimisma que opta por só ver o lado negativo e apesar de eu referir aspectos positivos e negativos, ele é intransigente e radical, recusando-se a ver qualquer aspecto positivo. Uma generalização onde nao há excepções. Logo, erro!

"E desculpa lá, mas a palavra "raça" num livro escrito por Hitler..."

Tem o mesmo valor que a palavra raça escrita por Salazar. Ou por qualquer relatador de futebol. Nao é a pessoa que dá significados às palavras, a pessoa usa-as consoante o significado que escolheu dos muitos existentes. Tu simplesmente partes do principio que Hitler como racista, só usaria a palavras raca em discursos racistas. Isso é o mesmo que dizer que Hitler por ser de extrema direita, ao atravessar a estrada, nao olhava para a esquerda.

  johny

quinta-feira, janeiro 22, 2009 9:21:00 da tarde

Espera lá, devo ter entrado num blogue diferente, porque o teu comentário só falava em Nacional Socialismo e eu nunca falei aqui de Nacional Socialismo, pois para mim isso pode ser muita coisa.

Falávamos de Nazismo, que é uma palavra que define um líder, um movimento e uma história. Nisso não cedo, porque é impossível ceder em questões de factos e aminha teimosia assenta na tua de não admitires factos e provas.

Eu não sou intransigente de forma generalizada (outra palavra que apanhaste e não queres deixar), sou intransigente em certas questões. A questão do nazismo nem é uma delas, mas aqui tornou-se

Para clarificar:

Falei das frases "truncadas", como salvaguarda do sentido e não do prazer que tenho em responderes.

Não percebi aquela da generalização bem geral, faz-me lembrar discussões do tipo "tu é que és", mas, como digo, não a percebi e posso estar errado.

Não digo que generalizas em tudo, não questiono a tua objectividade e capacidade de distrinça em questões diferentes. Disse apenas que o fizeste nos comentários, nos casos citados.

O Holocausto até pode ser SÓ um argumento - algo que eu não concordo. Pensei que tinha usado mais -, mas olha que é um argumento de peso.

Notei mais uma contradição: Antes disseste que não havia qualidade literária no Mein Kampf, que era apenas um manifesto literário e neste último comentário dizes que a tem. Este ponto não traz nada para a discussão, mas pronto... fica a nota.

Eu não procuro racismo em tudo, mas vejo-o em muitos lados, como vejo outras coisas... a culpa é da formação universitária.

O racismo está de facto em muitos lados e as vítimas tornam-se muitas vezes nos culpados, justificando novas formas de racismo, incendiando movimentos nacionalistas... e por aí fora.

Não sei porquê, mas acho que a "arma da generalização" teve os seus frutos...

Relevo a distinção que fazes entre nacional socialismo, para falares bem, e dirigentes nazis, para falar mal. Acho que já estás a aproximar a utilização dos conceitos.

Tu não tens fantasmas? Então não tens... tens os comunistas.

Concluo, cedendo em alguns aspectos (curiosamente, nenhum deles relevante para a discussão do Nazismo e Racismo):

A direita (porque não entendo a noção de Nacional-Socialismo. O que é que os nacional-socialistas querem a nível de controlo dos meios de produção, do interesse do colectivo - que nunca é a guerra, em detrimento do particular - tipo, o de um gajo baixinho de bigode curto -, da redistribuição da riqueza e da forma capitalista ou socialista de sociedade? pergunto isto porque os nacional-socialistas que falas, os alemães, da guerra, tinham uma sociedade capitalista orientada para a máquina de guerra. Não sei o que quer dizer nacional-socialismo, principalmente a parte dessa palavra composta depois do hífen) , mas dizia que a direita, porque é o mais próximo que eu consigo associar o nacional-socialismo, tem aspectos positivos que eu admito. Admito um estado pequeno, com alguns sectores privatizados ou semi-privatizados, admito uma polícia forte, admito até um controlo da imigração (nota bem que não falo de restringir o acesso ao país, mas sobretudo estarmos informados sobre quem entra e fica mais tempo do que "só de visita", tal como admito coisas da esquerda, como o ensino e a saúde públicos e gratuitos, embora sempre com a opção de escolha (tendo em conta as contribuições efectuadas), a redistribuição da riqueza a níveis aceitáveis de quem pode mais para quem precisa mais e admito outras coisas, nomeadamente a anarquia, na medida em que tem por fim a liberdade total em que um cidadão é tão bom, tão bom que nem precisa de Estado e controlo e regras e direitos... e isso, apesar de impossível, é bonito.

Como vez, sou transversal ao espectro político.

Cedo também na observação que faço do todo pelas partes. Eu vejo o todo (o NAZISMO) pelas partes (Himmler, Hitler, Julius Streicher - outro dirigente do partido nacional-socialista alemão da década de 10 e 20, que era editor de um jornal anti-semita - Hermann Goering, Hess, Adolf Eichmann, entre outros, mas Birkenau-Auschwitz, Buchenwald, também são nomes que ficaram, assim como os grandes que são: Holocausto, Guerra Mundial! Mas havia mais.)

E havia muito mais.

  johny

quinta-feira, janeiro 22, 2009 9:22:00 da tarde

Há ali uma troca, o que tu disseste é que era um manifesto político e não, como escrevi, um manifesto literário, pois isso não continha nenhuma contradição, que foi a acusação que eu fiz.

  Bruno Fehr

segunda-feira, janeiro 26, 2009 12:24:00 da manhã

johny disse...

Então mas afinal qual é a diferença entre nacionalismo e nazismo? Quer seja o que digo que é (diminutivo de Nazionalist) ou como tu próprio disseste, um diminutivo do nome do partido de Hitler, o que vai dar ao mesmo.

Nazi é só um diminutivo, não estou a perceber...

Agora contradizendo o que disseste anteriormente, estás a dizer-me que Nazismo é uma palavra de define um líder... Como é que Nazismo define um líder? Sim o líder era Nazi, mas Nazi é só um diminutivo!

Se a tua teimosia assenta na minha de não admitir factos e provas. A tua teimosia é infundada, pois não deve de assentar na minha mas sim em conhecimentos. Quanto aos factos e provas eu ainda estou à espera deles.

A base da ideologia (como lhe queres chamar: Nazi), assenta nos princípios Nacional Socialista e esses assentam nos escritos de Marx com a influencia da teoria "super homem" e "os homens não são todos iguais" de Nietzsche, que na minha opinião é uma teoria válida e muito interessante. Os Nazis de facto radicalizaram essa visão, ao lidar o super homem aos arianos e a fazer a distinção clara nas diferenças entre os homens, fazendo de algumas pessoas alvo. Mas este adicionamento de ideias nunca, NUNCA esteve escrito em nenhum documento base do nacional socialismo, mesmo quando adoptado pelos nazis. Foi sim adicionado posteriormente pelo lado vitorioso da guerra.

Os factos e provas de que falas, ainda estou à espera deles, desde o teu primeiro comentário.

"O Holocausto até pode ser SÓ um argumento - algo que eu não concordo. Pensei que tinha usado mais -, mas olha que é um argumento de peso."

O Holocausto não define a ideologia, foi um acontecimento histórico.

"Notei mais uma contradição: Antes disseste que não havia qualidade literária no Mein Kampf, que era apenas um manifesto literário e neste último comentário dizes que a tem. Este ponto não traz nada para a discussão, mas pronto... fica a nota."

Mein Kampf não é uma obra literária nem acho que o tenha dito, é sim um manifesto politico, mas isso não lhe retira a qualidade por estar muito bem escrito, gramaticalmente falando e tudo o que é bem escrito tem valor literário, até poderia ser uma lista de comprar. Obra e valor não é contradição, são factores diferentes.

"Eu não procuro racismo em tudo, mas vejo-o em muitos lados, como vejo outras coisas... a culpa é da formação universitária."

O que significa isto da "formação universitária"? O que é que a formação universitária tem a ver com racismo? E como pode ser ela culpada pela tua visão?
Aqui perdeste-me!

"Relevo a distinção que fazes entre nacional socialismo, para falares bem, e dirigentes nazis, para falar mal. Acho que já estás a aproximar a utilização dos conceitos."

Aproximar? Nem pensar!

"Tu não tens fantasmas? Então não tens... tens os comunistas."

O comunismo não é um fantasma é uma ameaça real, onde posso descarregar as minhas opiniões contrárias no PCP, BE, Verdes, MDPCDE, CGTP-MRPP e muitos outros partidos de esquerda, até no PS que usa o rosa, como vermelho desbotado e no PSD que é uma esquerda disfarçada de laranja para não parecer tão vermelho.

O comunismo é real e por ser real não é um fantasma é sim um inimigo. O racismo que vês em todo o lado e dizes ser capaz ver até em contos infantis... esse sim é um fantasma, porque é algo que tu e alguns escolhem ver.

"A direita (porque não entendo a noção de Nacional-Socialismo. O que é que os nacional-socialistas querem a nível de controlo dos meios de produção, do interesse do colectivo"

O controlo do estado dos meios de producao visa à criacao de riqueza para o país. É preciso criar antes de pensar em distribuir. Os exemplos que temos do comunismo, sao também de controlo da producao por parte do estado, mas sem distribuicao. A URSS era de esquerda e a sua riqueza ia para a máquina de guerra. O mesmo se passava com a China antes de terem deixado o capitalismo entrar no país.

"pergunto isto porque os nacional-socialistas que falas, os alemães, da guerra, tinham uma sociedade capitalista orientada para a máquina de guerra."

Tal como o comunismo a tem! A diferenca é que todos os Alemaes tinham acesso a ensino gratuito que inclui livros. Todos com seguros de saude que incluem acesso a médicos de especialidade gratuitos, etc. O comunismo fala nisso, mas nao existe!

"tal como admito coisas da esquerda, como o ensino e a saúde públicos e gratuitos, embora sempre com a opção de escolha (tendo em conta as contribuições efectuadas)"

Portugal por exemplo, que é desde 1974 gerido pela esquerda e por uma "direita" esquerdista como é o PSD, tem o sistema de ensino e o sistema de saude "grátis", mais caro da Europa.
A Alemnha ao contrário de Portugal que hoje rejeita a direita, continua a ser um país de direita onde a esquerda tem 6% dos votos e isto é TODA a esquerda e nao só um partido. No entanto tudo o que mencionas é de facto grátis. O acesso ao ensino, inclusivamente universitário está ao alcance de toda a populacao independentemente do seu poder económico, onde até os manuais sao fornecidos pela própria escola, tendo de ser devolvidos no final do ano. Em Portugal (um país de esquerda), os manuais sao caros e actualizados de 4 em 4 anos, onde por vezes a actualizacao é uma maquilhagem do livro, que é basicamente o mesmo.

Quanto à saude, Portugal com um governo de esquerda tem uma medicina geral "grátis", onde se paga 3€ por consulta. Os médicos de especialidade, sao caríssimos bem como os dentistas. A Alemanha de direita, tem tudo grátis seja que médico for, que tratamento for e que especialidade for. Existe de facto uma taxa moderadora de 10€ a cada 4 meses, que só é paga SE nesses 4 meses se for a um médico.

Tendo em conta a direita de que falo, que é a que faz. A esquerda de que falas nao faz, diz que seria bom fazer...

"e admito outras coisas, nomeadamente a anarquia, na medida em que tem por fim a liberdade total em que um cidadão é tão bom, tão bom que nem precisa de Estado e controlo e regras e direitos... e isso, apesar de impossível, é bonito."

Sim, e com essa liberdade total quem é que faz a estradas? Quem é que impõe a lei? Quem é que trabalha?

"Cedo também na observação que faço do todo pelas partes. Eu vejo o todo (o NAZISMO) pelas partes (Himmler, Hitler, Julius Streicher - outro dirigente do partido nacional-socialista alemão da década de 10 e 20, que era editor de um jornal anti-semita - Hermann Goering, Hess, Adolf Eichmann, entre outros, mas Birkenau-Auschwitz, Buchenwald, também são nomes que ficaram, assim como os grandes que são: Holocausto, Guerra Mundial! Mas havia mais.)"

Havia mais lideres Nazis. Mas como já disse, eles nao definem uma ideologia politica que já existia.


"Há ali uma troca, o que tu disseste é que era um manifesto político e não, como escrevi, um manifesto literário, pois isso não continha nenhuma contradição, que foi a acusação que eu fiz."

Poderia até ter dito manifesto politico literário, o que lá por ser literário que é, não significa ser uma obra com valor literário, visto que não lhe dão valor. Eu dou pela forma correcta gramatical com que foi escrito. Dou também valor às teorias económicas, que são sem dúvida eficazes.

  johny

segunda-feira, janeiro 26, 2009 2:13:00 da tarde

Os pressupostos da tua discussão estão todos errados o que impossibilita qualquer avanço.

Fazes a crítica do comunismo para defenderes o nazismo, quando eu não defendo uma coisa nem outra. Um mal não justifica o outro.

Depois fazes a defesa do sistema social da Alemanha, como se ele fosse o nazismo. Não é.

A diferença fundamental entre falar de um Nacional Socialismo e um Nazismo é que um, o nacional socialismo, é abrangente, podendo alguns indefectíveis associá-lo até ao Marx! e o outro é um conceito datado, que não pode ser dissociado de tudo o que o envolve. Pela última vez, o termo nazismo define uma forma concreta de Nacional-socialismo, que é o nacional-socialismo dos líderes que falas. O nacional-Socialismo pode até ser ligeiramente mais antigo, mas já continha a maior parte dos elementos que definiriam a sua ideologia.

Mas já agora, porque não fazes uma história breve do nacional-socialismo, para vermos a verdadeira ideologia.

Não podes atirar conceitos como esquerda e direita ao sabor dos teus argumentos, utilizando depois justificações que apenas te convencem a ti.

Dizeres que uma coisa é assim como tu dizes só pode sustentar a tua vontade de ter razão.
Eu tentei argumentar, procurando dizer nomes, datas, acontecimentos, ao invés, tu dizes que as coisas são assim e têm de ser.

Dizes que o holocausto não define uma ideologia mas que foi um acontecimento histórico. Sim, e eu devo retirar desta afirmação o quê? Se eu concordo com a afirmação, eu não posso discordar, discordando apenas da interpretação que tu fazes. Foi um facto histórico, sim senhor, que definiu uma ideologia... tal como os líderes.

Se alguém vê Marx em Nacional socialismo, vê o que quer.

Sobre a formação universitária de que falei, queria apenas dizer que tenho formação em sociologia, pelo que estudei todas as formas de autoritarismo, totalitarismo, etc. mesmo as formas implícitas, que se escondem por trás de todas as ideologias, inclusivamente as democráticas. Não pretendo saber tudo, mas não admito que passem um pano por tudo o que de errado os nazis fizeram.

Numa sociedade ideal, todos se juntavam par fazer as estradas, sem ninguém pedir... seria a moral a dizer, mas isso é uma utopia, claro.

  Bruno Fehr

quarta-feira, janeiro 28, 2009 5:02:00 da manhã

johny disse...

"Depois fazes a defesa do sistema social da Alemanha, como se ele fosse o nazismo. Não é."

Errado, defendo por ser direita. Um direita que assenta em bases Nazis.
É sabido que a evolução de um país depende das qualidade das suas vias de comunicação e as vias de comunicação Alemãs, foram construídas pelo governo Nazi.

"A diferença fundamental entre falar de um Nacional Socialismo e um Nazismo é que um, o nacional socialismo, é abrangente, podendo alguns indefectíveis associá-lo até ao Marx! e o outro é um conceito datado, que não pode ser dissociado de tudo o que o envolve. Pela última vez, o termo nazismo define uma forma concreta de Nacional-socialismo, que é o nacional-socialismo dos líderes que falas. O nacional-Socialismo pode até ser ligeiramente mais antigo, mas já continha a maior parte dos elementos que definiriam a sua ideologia."

Excluído o racismo, que apesar de ter estado presente no Nazismo nunca fez parte da ideologia e é isso que afirmo e é isso que defendo em toda esta discussão.

O Nazismo nao é uma ideologia, a ideologia é o Nacional Socialismo e ele nao é racista.

"Se alguém vê Marx em Nacional socialismo, vê o que quer."

Errado. Ninguém vê Marx em nacional socialismo, o nacional socialismo é que se revê em Marx. O Nacional socialismo e o comunismo nasceram dos escritos de Marx, sofrendo influencias de diferentes pessoas com diferentes interpretações.


"Sobre a formação universitária de que falei, queria apenas dizer que tenho formação em sociologia, pelo que estudei todas as formas de autoritarismo, totalitarismo, etc. mesmo as formas implícitas, que se escondem por trás de todas as ideologias, inclusivamente as democráticas."

Eu tive cadeiras opcionais de História e teologia, por interesse pessoal, retirando das aulas de história as minhas interpretações.

  johny

quarta-feira, janeiro 28, 2009 11:15:00 da tarde

Quando dizes que está presente, faz parte da ideologia. Para mim, isso é ponto final. Nazismo foi o nome que ficou para designar a ideologia latente de um partido ambíguo.

Há coisas mais importantes do que estradas, nomeadamente o sangue de quem as construiu.

A ligação entre direita, Marx, a distinção entre "ver" e "rever" e a ausência de uma referência à história do nacional-socialismo, são pontos dúbios no teu discurso.

Como gosto de aprender, remete-me para um site com a história do nacional-socialismo... mesmo que seja a wikipédia, essa alarvidade intelectual que é, no entanto, útil para roçar a superfície do conhecimento.

O meu curso nunca foi um tema, tendo surgido para esclarecer uma dúvida tua. Admito que tenhas estudado muito e aprecio o facto de admitires as tuas "interpretações". Eu tentei não interpretar, sempre me advertiram para ter cuidado com isso!

  Bruno Fehr

quinta-feira, janeiro 29, 2009 6:34:00 da manhã

johny disse...

"Quando dizes que está presente, faz parte da ideologia."

Nao, não faz, nem nunca fez. É essa a discussão, tu dizes que o nazismo é racismo, eu digo que o nazismo é nacional socialismo como tal não há um ÚNICO documento nacional socialista que seja racista. Se bem que podes argumentar que a ideia "os homens não são todos iguais", é racista, mas de facto não é. Os homens não são todos iguais, ponto final.

"Nazismo foi o nome que ficou para designar a ideologia latente de um partido ambíguo."

A Nazismo foi um diminutivo criado para designar um partido que seguia a ideologia nacional socialista.

"Há coisas mais importantes do que estradas, nomeadamente o sangue de quem as construiu."

Nao falo de estradas, falo de vias de comunicação, estradas e caminhos de ferro que são o primeiro passo no desenvolvimento de um país. Foi a única coisa que Cavaco Silva fez (Um dos únicos PSD's de direita) e foi criticado por as fazer.
O sangue de quem as faz? Queres dizer suor... Agora as estradas fazem-se com sangue. Os metros de Hamburgo foram feitos com "sangue" Português e então?

"A ligação entre direita, Marx, a distinção entre "ver" e "rever" e a ausência de uma referência à história do nacional-socialismo, são pontos dúbios no teu discurso."

Dúbios? O que é o nacional socialismo se não o partido dos trabalhadores? O que é o comunismo senão o partido dos trabalhadores. Se leres qualquer manual nacional socialista dás de caras com Marx, interpretado de uma geradora de riqueza. O comunismo também tem Marx de uma forma distribuidora de riqueza. As ideias são as mesmas, o ponto de vista administrativo é diferente.

Nao sei o que queres dizer com uma referencia à história do nacional socialismo, existem hoje diversos partidos nacional socialistas que são obrigados a usar outros nomes, pois o nome foi banido em toda a Europa. Baniram o nome, mas não baniram a politica e o motivo é simples, a ideologia politica é inocente!

As pessoas são culpadas de crimes, não as ideologias, mas aqui escolhes culpar uma ideologia ainda hoje usada com sucesso em diversos países.

"Como gosto de aprender, remete-me para um site com a história do nacional-socialismo... mesmo que seja a wikipédia, essa alarvidade intelectual que é, no entanto, útil para roçar a superfície do conhecimento."

Um website? Le Marx, le Hitler, le os livros e pensamentos nietszchesianos e terás uma ideia da realidade nacional socialista.
Ponto um: A wikipédia é uma anedota e uma fonte de desinformação.
Ponto dois: Nao me vejo na obrigação de despender do meu tempo, numa investigação que tu podes fazer.
Ponto três: não me forneceste um único documento que ligue a ideologia ao racismo.

"O meu curso nunca foi um tema, tendo surgido para esclarecer uma dúvida tua."

A duvida surgiu da tua mistura entre formação universitária e a visão de racismo em todo o lado. O que me deixou a pensar que estudei na universidade certa, pois nunca vi o papão racista por lá.

"Admito que tenhas estudado muito e aprecio o facto de admitires as tuas "interpretações". Eu tentei não interpretar, sempre me advertiram para ter cuidado com isso!"

Como tendo iniciado a minha formação em ciências e tendo terminado em letras, sempre aprendi a interpretar, desde resultados, a textos e ideias (Fisica, Quimica, Literatura, Psicologia, Filosofia, etc), até com na cadeira de Teologia fui motivado a interpretar mas sem questionar.
A interpretação é uma obrigação, deverá ser feita com cuidado de forma reflectida e acima de tudo lógica. Mas é um facto que a minha lógica não tem de ser a tua lógica, tal como a minha razão não tem de ser a tua razão.

Somos pessoas com origens diferentes, formação diferente que resulta em opiniões diferentes. Sou assumidamente de direita. Concordo com a frase "os homens não são todos iguais" de Nietzsche, discordo a 100% do ridículo lema anti-racismo "todos diferentes, todos iguais". Acho o comunismo uma praga pior que as ratazanas no convento de Mafra. Concordo com um partido de extrema direita Português para equilibrar a existência de um de extrema esquerda como o BE, ambos liderados por idiotas.
E acredito que tu não sejas, nem concordes com nada deste último parágrafo e por isso acho que raros serão os casos, onde eu e tu alguma vez possamos concordar.

  johny

sexta-feira, janeiro 30, 2009 12:20:00 da manhã

Se tu não me forneceste, porque é que eu hei-de fornecer-te*?


Sendo de direita, como assumes, não és imparcial por muito que o digas ou penses ser.

O meu objectivo é refutar as tuas ideias relativas á discussão e não deambular muito sobre quem és como pessoa.

Podias dizer que acho que és ligeiramente racista e xenófobo, mas não numa forma grave... ao jeito daquele racismo de café, que deambula na maior parte das pessoas, na medida em que vês as diferenças de forma errada, perspectivando-as a partir de estereótipos culturais, tentando racionalizar as tuas decisões morais, mas não digo que sejas nazi porque para mim isso é um termo que eu uso para designar alguma coisa exponencialmente pior.
Se esse termo é correcto, nunca concordaremos, mas não ponhas novas discussões acima da mesa.

Eu e a minha Universidade não queremos ser assunto.

Extrema-direita em Portugal por oposição ao BE ou a formação de um e de outro, são coisas que não me interessam nesta discussão.

Sobre se as pessoas são iguais ou não, eu penso que não são em muita coisa, mas acho que há mais coisas que nos unem do que nos separam.

A adaptação ideológica das teorias da diversidade cultural pelo nazismo é que criou, precisamente, o racismo e tu, cedendo em pontos chave, como este ponto da interpretação nazi da frase "os homens não são todos iguais", mas retirando-lhes importância, lá vais admitindo o racismo ideológico.

A crença numa diferença entre indivíduos - porque é uma crença, sem bases históricas ou antológicas - dá azo ao nascimento do sentimento de superioridade que, em mentes mais fracas, acarreta consequências.

O nazismo foi a reunião entre a oportunidade (teorias evolucionistas, teorias filosóficas) com a preparação (as mentes fracas) do nacional-socialismo que instrumentalizaram conceitos e teorias, para legitimar acções.

Tu podes achar que há diferenças entre indivíduos, mas o nazismo achava que havia diferenças entre povos, diferenças absolutas, a nível da inteligência, capacidade de trabalho, etc. e etc. e isso, meu amigo, é profundamente errado. A ideia de diferença racial é uma ideia presente no nacional-socialismo que assente numa construção filosófica e cultural da própria definição de desigualdade.

Um ou dois pontos de esclarecimento:

1º disseste:
"O que é o nacional socialismo se não o partido dos trabalhadores? O que é o comunismo senão o partido dos trabalhadores"

quererá isto dizer que o nacional-socialismo é uma forma de comunismo e, logo, um partido de esquerda?

2º Sugeres que leia Marx, Hitler e Nietzche para estudar o nacional-socialismo?
isso quer dizer que aqueles três são estão para o nacional-socialismo como o Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão e Joaquim Magalhães Mota estão para o PSD?

Só li do nazismo e do nacional-socialismo nesta discussão a opinião e interpretação de Bruno Fehr, pois nunca cedeste nomes que permitissem inferir de onde vêm as tuas crenças.

Sendo assim, a discussão pode acabar ou não, mas ficarei sempre com a sensação de que te providenciei mais provas do que tu. Apesar disso...

Eu acho engraçado tentares convencer-te de que podes convencer alguém da teoria do nacional-socialismo, afastando-a do nazismo (como eu o identifico para salvaguardar as defesas que tu demonstraste, escudando-te atrás do nacional-socialismo).

Perguntei-te repetidamente pelo nacional-socialismo a ver se chegavas lá, a ver se chegavas á génese do problema e da discussão, mas repetiste sempre a mesma música e tudo começa a perder o sentido. Não vale a pena mais.

* - Deixo-te então a minha bíblia bibliográfica, um documento que tenho há muito no meu pc, mas que acho que toda a gente deveria ler.

Se quiseres ler, lê, se não quiseres, não leias... sinto que és capaz de ler e dizer que não diz nada de novo, mas para mim, está claro como água que a desconstrução do nacional-socialismo/nazismo não é difícil de entender e que o racismo está bem presente.

Fica o link:

http://www.ifl.pt/main/Portals/0/dic/nacional_socialismo.pdf