Mein Kampf

Já aqui falei mais do que uma vez no livro de Adolf Hitler: Mein Kampf. Em particular por nunca ter percebido o motivo de a certa altura a maioria dos aliados o terem proibido tendo em conta que o livro não passa de uma descrição histórica da vida de Hitler desde a primeira guerra mundial até à prisão onde escreveu todo o relato do seu caminho e manifestou as suas opiniões politicas.  É certo que ele fala  com rancor e agressividade dos Judeus, por motivos politicos, sociais e económicos relacionados com a primeira guerra mundial. Mas já aqui referi um livro escrito por um Judeu que serviu de mote para o livro de Hitler, um livro louvado na imprensa Americana que falava no extermínio do povo Alemão e a divisão da Alemanha entre os seus vizinhos.
Ou será que a proibição do livro tem mais a ver com as verdade lá escritas? As que explicam o processo de como um governo pode controlar o povo? Por exemplo:

"Que sorte a dos governos de as pessoas que administram não pensarem.
Toda a propaganda tem de ser popular e tem de ir ao encontro da compreensão dos menos inteligentes dentro do grupo a que se pretende chegar.
Façam a mentira grande mas simples. Repitam-na sempre e em voz alta e eventualmente as pessoas vão acreditar.
Nunca ninguém perguntará ao vencedor se ele disse a verdade"

Adolf Hitler - Mein Kampf 






Isto ainda hoje é usado, com propaganda a mentiras grandes constantemente repetidas sob palavras como "terrorismo", "terror", "morte", "Al Quaeda".

No meio do que nos dizem ser a pior das mensagens, encontramos grandes verdades. A proibição deste e de outros livros não passa de uma idiótica ocultação da história. E o mais grave é que no final deste ano, este livro perde todos os direitos de autor ser não for reeditado, permitindo a milhares de editoras de o publicar com as mais barbaras e tendenciosas alterações.

Parece haver um interesse politico internacional que isto aconteça, pois o governo da Bavária já referiu que não irá autorizar uma nova edição do livro este ano e que permitirá que caia em domínio público. Estarão eles voluntariamente a recusar uma monstruosidade de lucros, ou estarão a ser pressionados a isso?

10 Comentários:

  Causídico

domingo, janeiro 24, 2010 5:50:00 da tarde

Este livro não vai cair no Domínio Público no final do ano, mas apenas em 2015, porque então se cumprem 70 anos da morte do autor.

E mesmo que até lá seja reeditado não deixa de cair no Domínio Público na mesma data.

O facto de uma obra se encontrar sob Domínio Público não significa que ela possa ser alterada. O Domínio Público indica que os direitos patrimoniais da obra não pertencem a ninguém, e permite a publicação livre, respeitando no entanto a integridade da obra.

Não faz sentido portanto o receio de que o livro possa ser alvo de bárbaras e tendenciosas modificações. Porque para interpretações tendenciosas e bárbaras nem sequer é preciso que o livro seja reeditado, basta ouvir alguns estouvados de extrema-direita ou gente ignorante da História contemporânea para entender a tentativa de branqueamento que é feita sobre a vida deste homicida.

De qualquer forma o livro está profusamente disponível na Internet, e em bibliotecas e alfarrabistas (e até em alguns considerados de referência), em português e numa imensidão de línguas.

Por mim, toda a gente deveria lê-lo para entender por si a mente perturbada deste personagem sinistro.

  Vani

domingo, janeiro 24, 2010 9:01:00 da tarde

Pessoalmente, não me interessa absolutamente nada o entendimento do que ia na mente desse psicopata assassino. Belo arrozinho que eu faria com ele...

:p

Certo, sei onde queres chegar, concordo. A melhor forma de governar é manter a estupidificação e ignorância do povo. Mas pode-se conhecer essa verdade lendo, por exemplo, Orwell ou Huxley. Não é preciso entrar na mente desse fdp asqueroso.

  Jane Doe

segunda-feira, janeiro 25, 2010 2:35:00 da manhã

Toda a gente deveria ler e tirar as suas próprias conclusões, quanto muito.

Quanto ao facto de ser um psicopata assassino etc etc etc...

Hoje em dia não estamos muito melhor entregues.

Apenas são bem mais discretos.

  Bruno Fehr

segunda-feira, janeiro 25, 2010 6:19:00 da manhã

Causídico:

Na verdade isso é uma lacuna legal que seria facilmente refutada se os herdeiros de Hitler reclamassem os direitos de autor. De acordo com a lei alemã esses direitos são hereditários e por isso terminariam 70 anos após a morte do autor. Mas tendo em conta que os direitos foram tomados pelo estado da Bavária que nunca usou esses direitos par publicação, os direitos deveriam ter cessado em Dezembro de 2009.

"O facto de uma obra se encontrar sob Domínio Público não significa que ela possa ser alterada."

Na verdade o livro na versão Inglesa é já de domínio público, como espécie de espólio de guerra. E sim a versão Inglesa está adulterada quer em conteúdo quer em notas sem sentido de autores parciais.

"basta ouvir alguns estouvados de extrema-direita ou gente ignorante da História contemporânea para entender a tentativa de branqueamento que é feita sobre a vida deste homicida."

Da mesma forma, é visível a tentativa de manchar a obra pela mancha sobre o autor, em particular por quem nunca leu o livro.

"Por mim, toda a gente deveria lê-lo para entender por si a mente perturbada deste personagem sinistro."

É normal você recomendar o que nunca leu? É óbvio que nunca leu o livro e é hipócrita em recomendar a sua leitura por isso. Isso está patente na sua frase.

  Bruno Fehr

segunda-feira, janeiro 25, 2010 6:19:00 da manhã

Vani:

"Mas pode-se conhecer essa verdade lendo, por exemplo, Orwell ou Huxley. Não é preciso entrar na mente desse fdp asqueroso."

O livro não é a mente do autor, é um relato histórico e politico essencial para o entendimento de uma época e não de uma pessoa. Essencial para o entendimento do que ia na mente do povo Alemão e dos reais motivos da primeira e segunda guerras mundiais. Sem este livro temos o que se pretende, a metade da história que se quer conhecida e o rótulo sobre um povo.

  Bruno Fehr

segunda-feira, janeiro 25, 2010 6:19:00 da manhã

Jane Doe:

"Toda a gente deveria ler e tirar as suas próprias conclusões, quanto muito."

Sim deveria, mas toda as gente as retirar do ar na maioria dos casos.

  Hazel

segunda-feira, janeiro 25, 2010 12:43:00 da tarde

Este livro está há vários anos na minha estante, mas ainda não o li.
A versão que comprei é uma tradução para português-brasileiro; na época, disseram-me na livraria que tinha sido proibido e só podiam vender nessa versão, e não em português de Portugal. Não foram muito claros.

Podemos ler tudo, sem que tenhamos de concordar com o que lemos. Aliás, se lemos só aquilo que achamos "correcto", nada aprenderemos. É sempre enriquecedor conhecer outras perspectivas.

  Anónimo

segunda-feira, janeiro 25, 2010 1:34:00 da tarde

Bom ou mau, não deve passar de mais um livro como tantos outros. Mas, continuando no livro como obra, suponhamos que mau, há tantas outras grandes obras que são porcarias branqueadas!

Não é por autores serem más pessoas que as obras passam a sê-lo também!

Se alguém disser, hoje, que Hitler até tinha um bom plano politico, é marginalizado, e aí é que mora a questão da polémica. Se alguém disser, hoje, que não foi ele o responsável pelo extreminio dos judeus, é anti-semita. Se alguém disser, hoje, que ele e americanos têm a mesma responsabilidade pelo extreminio dos judeus, é de extrema-direita. Se alguém disser, hoje, que Hitler era um homem "forçado" pelo núcleo duro da Alemanha a aceitar o extreminio dos judeus, ninguém acredita.

O terror da Alemanha não foi Hitler, foram e são...

  Anónimo

segunda-feira, janeiro 25, 2010 6:50:00 da tarde

Sem a segunda guerra mundial a Alemanha não seria a potencia que é hoje e possivelmente devido às indemnizações de guerra da primeira guerra mundial, hoje seria um país dividido entre os seus vizinhos por não conseguir pagar essa dívida. O tratado de Versalhes foi uma forma de obrigar a Alemanha a fazer a segunda grande guerra, pois sem ela não sobreviveria.

  Gandim

quinta-feira, março 25, 2010 3:55:00 da tarde

apenas muito recentemente conheci o teu blog e fiquei fã. tenho feito visitas frequentes e lido tudo com a atenção devida e não sei se me estarei a antecipar mas conheces o livro "O Código da Bíblia"?, já escreveste sobre ele ou já o mencionaste nalgum post mais antigo?
vale a pena (por variadíssimas razões)!