O amigo Sócrates, parte 2

No texto anterior encontrámos alguns erros. Agora vamos ver o documento que encontrei perdido no meio de muitos no meu PC-Lixeira (Nós os ricos, somos assim. Um PC só para lixo!):


(Frente)




(Verso)


Esta é a ficha de inscrição do Sr. Sócrates como militante do PPD com a data de 5 de Novembro de 1974. O que é interessante neste documento é que as habilitações literárias dele eram: Curso Geral dos Liceus. A profissão dele era Estudante Universitário. E reparem bem onde ele  referia estudar: Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. José Sócrates tinha 17 anos.

No Porto em 1974? Ora vamos ver a sua folha de estudante:


(Frente)


(Verso)

Pelos visto ele matriculou-se no Instituto Superior de Engenharia de Coimbra a 19 de Novembro de 1975! Ele nunca esteve na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Isto só prova que as habilitações literárias são o seu pé de Aquiles e por isso ele mente compulsivamente e tem mentido pelo menos nos últimos 36 anos, durante toda a sua idade adulta.

Apesar de não ter terminado a licenciatura, ele continuo mais tarde, muuuuuuuiiitooo mais tarde, em Lisboa, como pode ser confirmado pelo seguinte documento:





(Frente)


Desta vez, uma modesta média de 12 no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Instituto do qual saiu seguindo o seu professor para a Universidade Independente. Professor esse que se tornou um bem remunerado administrador ao abrigo do programa: "Jobs for the boys that help Mr. Sócas, pá!"

Nisto tudo, onde está o Porto? Parece que é hábito o Sr. Sócrates mentir em qualquer documento na parte referente aos estudos. 

Como apontamento cómico, partilho também um Fax enviado por Sócrates ao seu querido professor e na altura Reitor da Universidade Independente:

Não sei o que é mais engraçado neste Fax, se é o facto de estar a usar para fins pessoais: material dos contribuintes, equipamento dos contribuintes, no local e em horário de trabalho pago pelos contribuintes ou o Fax ser sobre o envio de decumentos *inserir 20g de ironia* ou ainda terminar uma carta com "seu José Sócrates".

Por fim, aqui fica o terceiro resultado final (sim, este é já o terceiro diploma. Falarei dos outros na parte 3 desta série): O diploma da Universidade Independente que foi emitido após, o já Primeiro-Ministro Sócrates, ter convenientemente fechado aquele estabelecimento:


(Frente)
(Verso)
O Sr. Sócrates ficou assim com um certificado suspeito, de uma licenciatura suspeita, passada por uma universidade já fechada e ainda com um bónus de 2 Valores, pois a sua anterior média 12 ficava mal e mais do que 14 ninguém ia acreditar. Estes dois valores foram ganhos devido aos seus excelentes conhecimentos sobre: Betão armado e Pré-esforçado (18 valores), Análise de estruturas (17 Valores), Projecto e dissertação (18 Valores) e pasmem-se... 15 Valores a Inglês... 15? Ahahahahahaha 15, 15, 15, 15 mais engraçado que 15, só mesmo 16! Não me sai da cabeça a frase de Sócrates: "That's a double proud for me".

Vamos relembrar o discurso onde Sócrates aplicou o seu Inglês técnico de 15 valores, discurso esse em que os chefes de Estado atrás dele não conseguiram evitar rir das tremendas calinadas do nosso Primeiro. E gostaria de referir que a Merkel não tem um Inglês por aí além e certamente se estava a sentir bem de ouvir um chefe de Estado com o Inglês bem pior que o dela:



(continua) 

8 Comentários:

  Raquel

domingo, outubro 03, 2010 11:22:00 da manhã

A UnI fechou em 2007, o certificado de habilitações foi emitido em 2003. Antes de ter sido encerrada compulsivamente pelo único gago do governo.

Ele não terminou a licenciatura no Instituto Superior de Engenharia de Coimbra por uma razão, aquele curso de engenharia civil apenas conferia o grau de bacharelato. Os institutos politécnicos só mais recentemente começaram a atribuir licenciaturas, essas eram exclusivas de Universidades.

Em 1975, o sistema de ensino liceal tinha apenas sete anos de escolaridade. O 7º ano correspondia ao actual 11º ano. Poderia ter concluído o liceu com 17 anos, se não tivesse reprovado nenhum ano, ou talvez nas novas oportunidades fazendo três anos em seis meses. Mas é improvável, a genialidade de JS não chega a esse nível e convém também recordar que a maioria das crianças entrava para a escola aos 7 anos e não aos 6.

Se frequentou ou esteve inscrito na Faculdade de Ciências da UP não faço ideia, mas como ninguém se acusou até agora, provavelmente é porque não esteve.

Ainda sobre o post anterior, atenção que ele nunca escreveu na folha do parlamento que era licenciado em engenharia civil. O que ele lá escreveu foi "engenharia civil", sem especificar o grau académico. Mesmo que depois tenha sido acrescentada a palavra "Bach" não se pode acusá-lo de ter mentido. Poderá deduzir-se que ele é um intrujão, isso talvez. Mas deduções nada provam.

  pocahontas

domingo, outubro 03, 2010 7:06:00 da tarde

ahahah, na cadeira de "Bad English" o Sócrates teve quase de certeza 20 Valores! Topa isto, não sei se já conheces este vídeo, provavelmente sim: http://www.youtube.com/watch?v=MND0XT0WVJ4&feature=player_embedded#

  Bruno Fehr

segunda-feira, outubro 04, 2010 7:10:00 da manhã

Raquel:

"A UnI fechou em 2007, o certificado de habilitações foi emitido em 2003. Antes de ter sido encerrada compulsivamente pelo único gago do governo."

Não é bem assim. Até 2005 os únicos certificados existentes eram os com erros escandalosos de que falarei no próximo texto. O certificado de 2003 aparece pela primeira vez em 2007 não havendo qualquer registo da sua existência em 2003. Na verdade a data de 2003 não está imprimida nesse papel, é simplesmente um carimbo sobre o qual deveria existir mas não existe um selo branco.

"Ele não terminou a licenciatura no Instituto Superior de Engenharia de Coimbra por uma razão, aquele curso de engenharia civil apenas conferia o grau de bacharelato. Os institutos politécnicos só mais recentemente começaram a atribuir licenciaturas, essas eram exclusivas de Universidades."

Correcto e por isso mesmo não poderia apresentar CV's como apresentou com sendo licenciado, nem sequer afirmar e mesmo assim afirmava-o.

"Poderia ter concluído o liceu com 17 anos, se não tivesse reprovado nenhum ano, ou talvez nas novas oportunidades fazendo três anos em seis meses. Mas é improvável, a genialidade de JS não chega a esse nível e convém também recordar que a maioria das crianças entrava para a escola aos 7 anos e não aos 6."

Correcto, essa mesma falta de genialidade não lhe permitia, se compararmos os planos dos dois cursos: o bacharelato do Politécnico de Coimbra e a licenciatura da Universidade Independente, e as respectivas disciplinas, percebemos que ele com o bacharelato do ISEC precisava de fazer 10 cadeiras na Universidade Independente que não tinham correspondência no curso de Coimbra e mais uma de Projecto para se poder licenciar na Universidade Independente. Ao ter concluído o bacharelato em 1979 essa tarefa seria digna de um génio como memória de elefante.

Como se isso não bastasse e tendo em conta que licenciatura só existia na Independente desde Maio de 1995, em Outubro desse ano, Sócrates além ter sido nomeado secretário de Estado Adjunto da Ministra do Ambiente andava em campanha eleitoral e entra para governo.

Fazer 5 cadeiras com base no que estudou 16 anos antes, compatibilizar esse estudo com funções governativas e campanhas eleitorais e mesmo assim ter tido notas de 17 e 18? Isso é de génio. Uma genialidade que pode ser confirmada por qualquer pessoa que tenha tido um part-time durante os tempos de universitário e confirmada por qualquer aluno de Engenharia Civil que dedicando-se unicamente aos estudos sabem a extrema dificuldade destas cadeiras.

"Ainda sobre o post anterior, atenção que ele nunca escreveu na folha do parlamento que era licenciado em engenharia civil. O que ele lá escreveu foi "engenharia civil", sem especificar o grau académico."

O que não explica ter editado esse documento.

"Mesmo que depois tenha sido acrescentada a palavra "Bach" não se pode acusá-lo de ter mentido. Poderá deduzir-se que ele é um intrujão, isso talvez."

Entre intrujão, mentiroso, aldrabão, etc as diferenças são semânticas.

"Mas deduções nada provam."

Concordo a 100% mas o objectivo é mesmo deduzir e não provar. Não é a minha intenção provar o que quer que seja pois isto não é um julgamento nem eu sou advogado ou juiz. O que escrevo neste blogue é atirar para o ar perguntas e dúvidas e tentar dar o mote para que quem procura respostas tenha um ponto de partida para as encontrar. No fundo é mesmo só para deduzir.

  Bruno Fehr

segunda-feira, outubro 04, 2010 7:16:00 da manhã

pocahontas:

"ahahah, na cadeira de "Bad English" o Sócrates teve quase de certeza 20 Valores! Topa isto, não sei se já conheces este vídeo, provavelmente sim: http://www.youtube.com/watch?v=MND0XT0WVJ4&feature=player_embedded#"

Já me tinham falado nisto mas ainda não tinha procurado. Obrigado! É delicioso. Gostei do descaramento dele de dizer que vai falar mau Inglês porque lhe pediram e não porque é só o que sabe.

É com dizer: "Como vocês aqui em Columbia não sabem falar Inglês, eu vou tentar falar o pior possível para vocês me perceberem, sua cambada de burros! Ai ave a veri gude inglich. Ai ade fifetin points ón mai enginir degri!"

  Miguel

segunda-feira, outubro 04, 2010 2:59:00 da tarde

Não percebo bem a finalidade disto...

Ok, é para "atirar para o ar perguntas e dúvidas e tentar dar o mote para que quem procura respostas tenha um ponto de partida para as encontrar. No fundo é mesmo só para deduzir."

E depois? Serve para quê?

Quem quer já percebeu que ele é desonesto. Quem não quer nunca chegará lá por aqui.

O que me parecia interessante, já que tens acesso a tanta coisa, era falar de onde vem a riqueza dele, que familiar era essa que morreu e lhe deixou uma fortuna (que ninguém sabia ter!), e de mais uma série de histórias que se falam por aí... para saber se são mesmo histórias ou não.

De qualquer maneira, daqui a muitos anos, alguém fará história da passagem deste mentiroso pelo poder em Portugal e deixará escrito a merdinha que fez...
Acho que vai ser dificil que isso não aconteça!

Abraço

  turbolenta

segunda-feira, outubro 04, 2010 7:58:00 da tarde

Quando rebentou a bronca da licenciatura ao Domingo, era voz corrente no Isel que esse menino andou lá mas que o curso era difícil demais para ele.Por isso foi "tirar o canudo" à Independente.
E sim, andou realmente no ISEL mas por pouco tempo.

  pocahontas

terça-feira, outubro 05, 2010 3:27:00 da manhã

Bruno, realmente o descaramento desta corja é impressionante. Mas enviei-te este vídeo para te rires um pouco. Por falar em corja, também quero partilhar este poema de Joaquim Pessoa como agradecimento a toda esta corja que reina à face da terra. Aqui vai: (gosto principalmente da última frase!)

“Obrigado, excelências.
Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade de vivermos felizes e em paz.
Obrigado pelo exemplo que se esforçam em nos dar
de como é possível viver sem vergonha, sem respeito e sem dignidade.
Obrigado por nos roubarem.
Por não nos perguntarem nada.
Por não nos darem explicações.
Obrigado por se orgulharem de nos tirar as coisas por que lutámos e às quais temos direito.
Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria.
Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero.
Obrigado pela vossa mediocridade.
E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer.
Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber.
Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera.
Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias um dia menos interessante que o anterior.
Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar.
Obrigado por nos darem em troca quase nada.
Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade.
Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade
e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço.
E pelo vosso vergonhoso descaramento.
Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer,
o que nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar.
Obrigado por serem o que são.
Obrigado por serem como são.
Para que não sejamos também assim.
E para que possamos reconhecer facilmente quem temos de rejeitar.”

de Joaquim Pessoa

  I.D.Pena

quarta-feira, outubro 06, 2010 5:29:00 da tarde

ya o double proud , mais uma do palhaço que envergonha portugal mas essa foi via internacional, não há dúvida que ele é conhecido, mas sempre pelas piores razões.