Portugal maçónico 4

Continuando a série Portugal maçónico da qual já fiz a recuperação dos textos parte 1, parte 2 e parte 3 onde infelizmente alguns comentários foram perdidos, bem como apaguei os comentários do maçon que atacou os meus mails e este blogue numa prova de que usar do crime é a primeira opção da maçonaria e não último recurso, esta quarta parte será a continuação do assunto que estava a ser abordado na parte 3 a qual foi interrompida quando a minha conta neste blogue foi criminosamente invadida para que procedessem a uma ineficaz adulteração dos factos e a uma falhada ocultação da verdade.

Portugal maçónico 4

Continuando a falar do símbolo maçónico internacional da rama de oliveira, acácia ou boloteira, chamo a vossa atenção para este detalhe na Câmara Municipal de Lisboa:

 
Pormenor de janela no edifício da Câmara Municipal de Lisboa: janela circundada por ramas de acácia.

O que se destaca nestas janelas é aquela viajada senhora a quem chamamos liberdade, que antes de chegar a Portugal liderou a revolução maçónica Francesa e que é hoje símbolo Americano de liberdade (Estátua da Liberdade), estátua essa oferecida pela maçonaria francesa aos Estado Unidos da América por se terem tornado o primeiro estado maçónico do mundo. As referencias maçónicas à estátua da liberdade estão documentadas não só pelo seu criador que era maçon, bem como pela loja maçónica que financiou o projecto (que inicialmente foi criada para figurar no canal do Suez, mas foi rejeitada pelo governo local) mas também pelas inscrições na pedra base da estátua que não deixam margem para dúvidas que foi criação e oferta da maçonaria Francesa. Esta senhora não é a liberdade, pois esta estátua foi criada como sendo uma representação da Deusa Isis e nada mais do que isso, seguindo a tradição da adoração maçónico-illuminati dos Deuses do antigo Egipto nomeadamente, Isis e Hórus.
Como já referi na parte 3, antes da instauração da República, a 5 de Outubro de 1910, o Selo Oficial de Portugal (brasão nacional) tinha esta apresentação:

E como já referi também, no lugar de perder a coroa real mantendo o brasão nacional, ele foi adornado por diversos símbolos maçónicos:

 

As já referidas ramas, as cores verde e vermelho da bandeira da Carbonária e das duas maiores lojas maçónicas Portuguesas (Grande Oriente Lusitano e Grande Loja Nacional Portuguesa) e também pela esfera armilar que ao contrário do que se diz na infantil explicação da nossa bandeira nacional, não representa o mundo do ponto de vista Português dos descobrimentos, mas sim por ser um símbolo maçónico internacional que representa a ideia da globalização de uma Nova Ordem Mundial maçónica.

O princípio simbológico do Selo Oficial de Portugal é, em tudo, igual ao logótipo da ONU (Organização das Nações Unidas), uma vez que também este é formado pela coroa de ramas de oliveira circundando um globo, do qual falei já também na parte 3 desta série.
Este SMI, a coroa de ramas de oliveira, é um dos símbolos mais utilizados pela maçonaria contemporânea, o qual, sem que o observador menos atento saiba bem porquê, transmite àquilo a que ela se associa, um ar de oficialidade, de seriedade, de qualidade e confiança, graças aos valores simbológicos propagados pela ilusão maçónica nesta sociedade de consumo imediato, para o qual em muito contribuiu as referencia bíblicas à rama de oliveira, se bem que a maçonaria use a acácia.
Acácia: a planta símbolo por excelência da Maçonaria; representa a segurança, a clareza, e também a inocência ou pureza:. A Acácia foi tida na antiguidade, entre os hebreus, como árvore sagrada e daí sua conservação como símbolo maçónico:. Os antigos costumavam simbolizar a virtude e outras qualidades da alma com diversas plantas:. A Acácia é inicialmente um símbolo da verdadeira Iniciação para uma nova vida, a ressurreição para uma vida futura.
Esta é a definição maçónica para este símbolo e não tem nada a ver com liberdade, simplesmente com a ideia de que estes senhores de avental são mais puros que o comum cidadão. 

(continua) 
 






62 Comentários:

  Anónimo

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 2:26:00 da tarde

A acácia também é bíblica, aparecendo que no AT, quer no NT.

O arbusto que Moisés viu em chamas seria uma jovem acácia; A acácia forneceu a madeira para o Tabernáculo e para a Arca da Aliança; A Arca de Noé foi feita com madeira de acácia; Por isso é tão importante para os Judeus.

E tambêm para os cristãos: a lenda diz que a Coroa de Jesus Cristo foi feita com ramos espinhosos de acácia. Portanto pode ser apenas uma utilização de símbolos comuns por diferentes (ou não)interpretações espirituais. Certo me parece que a acácia é cristã, judaica, maçónica e até islâmica (a árvore tahl do Corão), porque todos esses rituais vão beber na mesma fonte: a Acácia do Nilo, no Egipto,

Certo é que a Acácia é uma das fontes de um potente alucinogénio, o DMT dimetiltriptamina. Esta droga é o princípio activo de algumas das mais antigas bebidas sacramentais.

Provavelmente tudo não passa de alucinações, que começaram há 4000 anos atrás, com Abraão.

A oliveira ainda é mais fácil estabelecer a sua introdução nos rituais, quando uma arvore vive por séculos, acredita-se que oliveiras na Palestina tenham mais de 2500 anos, é facil que se torne uma entidade quase sagrada. A oliveira simboliza Israel. O que é que a pomba trouxe de volta a Noé? O que é dito no AT Salmo 52:8? E no NT, o que se diz em Romanos 11:17?

Na minha opinião não há nada de específico nesta história de ramos de acácias ou de oliveiras, apenas a utilização simbólica por parte de todas as religiões abraâmicas nascidas na orla mediterrânica, de duas das mais importantes árvores para a vida quotidiana dos povos dessas regiões.

Convêm referir que não sendo estritamente aceite como uma religião, a maçonaria regular é profundamente deísta/teísta, com forte impregnação de elementos judaico-cristãos, logo aplica-se o atrás exposto.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 2:40:00 da tarde

A maçonaria não judaica nem crista, é judaica nos países judaicos é crista nos países cristãos é muçulmana é Hindu, é ortodoxa é protestante, é até Mórmon, cientológica, UIRD ou Testemunha de Jeová, a maçonaria é tudo e não é nada. Ela é o ambiente que a rodeia para se poder ocultar à vista de todos em determinada sociedade.

O grande arquitecto não diplomado adorado pela maçonaria tem as mesmas origens que todas as religiões, na cultura e religião egípcia e babilónica e portanto não segue uma doutrina recente como o cristianismo ou até mais antiga como judaísmo.

A maçonaria não segue agendas politicas ou religiosas de ninguém, seguem a sua própria agenda e religião que se perde nos anais da história documentada com honestidade e verdade.

A maçonaria explora todas as possibilidades desde o divino ao satanismo e até wicca.

  Anónimo

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 7:11:00 da tarde

Não estavamos a falar de wiccas (o que quer que isso seja) ou de satanismo, estavamos a falar de ramos de acácias e de oliveiras e de simbolismos religiosos.

Esqueci-me há pouco de dizer que já no tempo de Júlio César, o ramo de oliveira era um símbolo de paz.

De onde se pode concluír, NMO, que estes símbolos, representando muitas coisas para muita gente, representam nada para alguém em particular. Isto é, associá-los, vinculá-los, a utilizações específicas, vale o que vale, que pode ser nada.

Quanto à "precedência" das religiões: a questão não se coloca de forma tão linear. Nenhuma religião (das abraâmicas) nasceu do nada. Se ninguém duvida que o cristianismo e o islamismo existem graças ao judaísmo, assumir que este último não sofreu modificações com o cativeiro na Babilónia é negar a evidência da História.

Também é facil de ver que mais que um monoteismo, Moisês trouxe do Egipto uma monolatria: "Não adorarás outros deuses
nem lhes prestarás culto.
Eu, o Senhor teu Deus,
sou um Deus cioso"... então haveriam outros Deuses? Até aqui, nesta tentativa de estabelecer o Deus máximo (não o único Deus), Moisés reedita a tentativa de Akhenaton, o Faraó monoteista. Com mais sucesso que este, como sabemos.

Portanto, esse arquitecto do universo, de génese indiscutivelmente ocidental, é uma versão revista e modernizada de Alá, de Deus, de Jeová. Sendo este uma versão adaptada do Aton egípcio revista à luz monística da criação do universo dos Babilónios (Enuma Elish).

A história da Humanidade e das suas religiões e cultos só em casos muito raros se fez de forma compartimentada. No caso em apreço decerto que não o foi.

Aproveito para corrigir, a esfera é "armilar" e não "anilar" e é um instrumento de astronomia usado em navegação, já conhecido na China da Dinastia Han (Sec. I A.C.). Não é decerto tão recente como afirma e muito menos um "símbolo maçónico internacional".

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Chinese_astronomer_1675.jpg

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 7:46:00 da tarde

"Não estavamos a falar de wiccas"

Claro que estávamos, você disse: "a maçonaria regular é profundamente deísta/teísta", o que não é verdade. em religião a maçonaria pende, publicamente, para o lado onde sopra o vento/tendências.

"Esqueci-me há pouco de dizer que já no tempo de Júlio César, o ramo de oliveira era um símbolo de paz."

Paz essa no nossa brasão maçónico unido (de maneira a formar a coroa) pelas cores verde e vermelho, simbolizando que essa paz é mantida pela maçonaria.

"Quanto à "precedência" das religiões: a questão não se coloca de forma tão linear."

Coloca sim, todas possuem uma e uma única origem e maçonaria bem como outros grupos ainda adoram a origem, o Deus sol.

"Portanto, esse arquitecto do universo, de génese indiscutivelmente ocidental, é uma versão revista e modernizada de Alá, de Deus, de Jeová."

De Deus não, de um Deus resta saber qual. Por outro lado nada esclarece que o grande arquitecto é a ideia do que entendemos por Deus, pois um arquitecto não cria mundos cria obras no mundo. Portanto o grande arquitecto não é o mítico Deus criador, mas sim um mítico reformador.

"Aproveito para corrigir, a esfera é "armilar" e não "anilar" e é um instrumento de astronomia usado em navegação, já conhecido na China da Dinastia Han (Sec. I A.C.). Não é decerto tão recente como afirma e muito menos um "símbolo maçónico internacional"."

Certamente não foi a maçonaria a inventar o esquadro e compasso e não deixam por isso de ser símbolos maçónicos internacionais. O que é que maçonaria usa no topo das colunas Jachin e Boaz? Globos, o terrestre e o celestial. E se reparar-mos com atenção a esfera armilar não é um globo terrestre mas sim o celestial, e portanto é um SMI maçónico presente não só na sua arquitectura mas também no interior de qualquer templo.

  M.E.C.

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 10:53:00 da tarde

Há uns tempos que Bruno Fehr tinha deixado em parte de comentar os comentários mas parece que o Bruno Fehr que gostava de ler, voltou.

Este anónimo, que se nota ser maçon por falar de "maçonaria regular" com se isso fosse a fatia boa de um bolo bolorento, tenta manipular o texto levando detalhes importante para o campo do banal de uma forma muito boa no campo argumentação, não digo excelente pois essa nota serve para as respostas destruidoras de Bruno Fehr que claramente deitam abaixo qualquer dúvida levantada pelo comentário maçon.

Se há males que vêm por bem, espero que o ataque ao teu blog tenha sido o mal que te motive a continuar este blog e esquecer o anunciado fim.

Continua!

  Anónimo

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 11:40:00 da tarde

Obviamente que não é um globo terrestre. Como eu disse , é um instrumento de astronomia usado em navegação. Não disse que era uma esfera terrestre.

E se você diz que a maçonaria regular não é deista/teista, terá as suas provas? A qualquer estudioso bastará ler as Constituições de Anderson, um dos landmarks da maçonaria regular, para saber que a maçonaria não adogmática segue as chamadas Old Charges entre as quais:

-"O maçom está obrigado, por vocação, a praticar a moral; e se compreender seus deveres, nunca se converterá em um estúpido ateu nem em irreligioso libertino."

E isto é público, não é segredo: http://cidademaconica.blogspot.com/2007/07/o-livro-das-constituies-de-anderson.html

Da génese da expressão "grande arquitecto": o GADU maçónico pode em certa medida, ser assimilado ao "Demiurgo" platónico. Isto se assumirmos que a maçonaria dogmática será herdeira do gnosticismo, considerado por muitos como resultado da interação do Judaismo, Cristianismo e as filosofias religiosas do Oriente.

Segundo os gnósticos, o Demiurgo seria o Deus do Velho Testamento da Biblia.

O gnosticismo designa um dos movimentos religiosos cristãos, que se tornou bem conhecido durante os séculos II e III e cujas bases filosóficas eram as da antiga Gnose, com influências do neoplatonismo e dos pitagóricos. Este movimento revindicava a posse de conhecimentos secretos que, segundo eles, os tornava superiores aos cristãos comuns desconhecedores do mesmo. Originou-se provavelmente na Ásia menor, e tem como base as filosofias pagãs, que floresciam na Babilônia, Egito, Síria e Grécia.

O gnosticismo combinava alguns elementos da Astrologia e mistérios das religiões gregas, como os mistérios de Elêusis, com as doutrinas do Cristianismo.

O termo "Gnose" acabou por designar nos dias de hoje um conjunto de tradições que acreditam no aspecto espiritual do Universo e na possibilidade de salvação por um conhecimento secreto. A Gnose é uma corrente de pensamento esotérica, normalmente identificada com o misticismo oriental, teosofia, cabala, rosa-crucianismo e maçonaria dogmática.

Porque falo eu de "dogmática" e "adogmática"? Porque em 1877 o Grande Oriente de França acabou oficialmente com a referência ao GADU, decretando que os trabalhos decorreriam sem qualquer submissão a qualquer Deus revelado e decretando a "absoluta liberdade de consciência", dando origem assim a uma cisão que dura até hoje como pode investigar.

Quanto às colunas: podem ser esferas celestes e terrestres ou podem ser romãs. As colunas são uma representação das colunas J e B do Templo de Salomão (AT Reis 7) e aí são referidas romãs.

A questão dos símbolos maçónicos internacionais, como o delta, o compasso, o All-seeing-eye, etc. As seguintes imagens são interessantes.

1) O All-Seeing Eye e o Delta não é de origem maçónica nem usado exclusivamente por esta:

- http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/b/b3/Jacopo_Pontormo_001.jpg/430px-Jacopo_Pontormo_001.jpg (pintado em 1525)

- http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/49/Jos%C3%A9.JPG (O selo da tribo de José, filho de jacob)

2: O compasso e o arquitecto divino:

- http://geometricasnet.files.wordpress.com/2008/11/pho_weltenschoepfer.jpg (pintado em 1220-1230, Bible moralisée)

Já agora, o emblema da ONU não é uma esfera armilar nem nada que se pareça: é uma projeção azimutal da superfície da Terra.

  Anónimo

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 11:51:00 da tarde

Deus-Sol? Sol Invictus? O Mitra de Roma que Cristo veio substituir, por ter sido "decretado" oficialmente como "a religião do Império" por Teodósio, no séc. III ?

E cuja liturgia foi copiada pela Igreja Católica de Roma?

Você saberá que só por acaso não temos hoje autocolantes nos para-choques dos carros a dizerem "Mitra ama-te", não?

Zeitgeist, já viram?

  Anónimo

segunda-feira, fevereiro 08, 2010 11:56:00 da tarde

M.E.C.

Desculpe, não tinha percebido que não estavamos aqui para esclarecer e debater, mas sim para "deitar abaixo", como diz no seu comentário que, em boa verdade, nada acrescenta à discussão.

Se é para isso, acabo já aqui. Já vi o ruído das outras discussões.

Maçonaria regular, fatia boa?! LOL

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 12:22:00 da manhã

Anónimo:

"Não disse que era uma esfera terrestre."

No entanto nega a utilização simbólica pela maçonaria apesar de ser óbvio.

"E se você diz que a maçonaria regular não é deista/teista, terá as suas provas?"

Claro que sim, muitos rituais maçónicos são pagãos outros católicos outros até satânicos (que nada tem a ver com a popular definição de satanismo).

"A qualquer estudioso bastará ler as Constituições de Anderson, um dos landmarks da maçonaria regular, para saber que a maçonaria não adogmática"

Nenhum estudioso que se considere tal, lhe bastará a leitura de um único documento. Se basta, então não é estudioso.

"E isto é público, não é segredo:"

Não acha uma contradição documentos tornados públicos por uma sociedade secreta? É que se é secreta só torna público o que lhe convém, a doutrina que querem passar e isso não será com toda a certeza a verdade.

Não entendo o esforço em tentar rotular a maçonaria de gnóstica no que toca à religião, pois não tem nada a ver, o seu comentário até esclarece o que é gnosis:

Gnose é conhecimento superior, interno, espiritual, iniciático. No grego clássico e no grego popular, koiné, seu significado é semelhante ao da palavra epistéme.

epistéme significa "conhecimento científico" em oposição a "opinião",

Por outro lado eu como agnóstico não acredito em salvação espiritual, epirito, religião e muito menos em sociedades secretas e ainda menos que isso, no que essas sociedades secretas tornam público.

"Quanto às colunas: podem ser esferas celestes e terrestres ou podem ser romãs. As colunas são uma representação das colunas J e B do Templo de Salomão (AT Reis 7) e aí são referidas romãs."

Pilares de Salomão ou Pilares de Shu, Pilares de Hermes, Pilares de Atlas, Pilares dos Deuses da Alvorada, colunas babilónicas, colunas romanas, colunas maçónicas e ainda colunas norte e sul do portão do hall da verdade Egípcia.

Se você for de Lisboa, tem dois belos exemplos de colunas maçónicas no cais da colunas em Lisboa, algo bem simbólico ao entrar em Lisboa por lá.

Tem também nos baralhos tarot a alta sacerdotisa (Isis) entre as colunas B e J na casa de gémeos.

Mais do que o que diz, uma coluna é vida a outra morte, uma é cátodo a outra ânodo, uma é delta e outra é o delta invertido e neste caso quando unidas representam a estrela de David que é o cinza no seu preto e branco explicativo.

Já que recomenda a leitura de um simples documento, eu recomendo a leitura de "The Golden Dawn" de Aleister Crowley, venerado pela maçonaria, foi maçon, satanista e completamente louco. Recomendo também a leitura de "The secret teachings of all ages" por Manly P. Hall, maçon de trigésimo terceiro grau que deixou uma das maiores bibliotecas maçónicas conhecidas. Qualquer estudioso leu e lerá mais do que o simples documento que recomenda.

Quanto à sua descrição de que os símbolos não são exclusivos da maçonaria, contra isso nunca discuti, pois o que digo é que são usados pela maçonaria com os seus significados próprios que nem sempre são os públicos.
Por exemplo: o malhete e a pedra bruta, dois símbolos maçónicos mas não exclusivos da maçonaria. Onde vemos estes dois símbolos juntinhos com forma de imposição de autoridade e não de simples trabalhos manuais?

"Já agora, o emblema da ONU não é uma esfera armilar nem nada que se pareça: é uma projeção azimutal da superfície da Terra."

Nunca disse que o era. Semelhante não é igual. Mais do que um projecção azimutal é o mundo com alvo, como objectivo a controlar.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 12:23:00 da manhã

M.E.C.:

Sem dúvida que este ataque ao meu blogue foi tomado como um ataque pessoal e sim irei continuar a escrever com principal destaque à maçonaria que me parece muito interessada no que tenho a dizer.

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 12:24:00 da manhã

Correcção, foi Constantino e não Teodósio que decretou o cristianismo como religião oficial de Roma. Com Teodósio passou-se de um império pluralista para um estado cristão e marca o início da perseguição ao judaísmo.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 12:36:00 da manhã

Anónimo:

"Zeitgeist, já viram?"

Zeitgeist é sem dúvida um documentário bom de se ver, mas apesar de estar 100% correcto quando fala do sistema financeiro, a primeira parte que fala de religião está repleto de falácias e nem todos conseguem filtrar a informação correcta da informação falsa ou mal investigada que esse documentário apresenta.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 12:42:00 da manhã

Anónimo:

"Correcção, foi Constantino e não Teodósio que decretou o cristianismo como religião oficial de Roma."

Correcto, o tal que adorava algo a que se referia como o Sol Insensível e ainda hoje o sol é adorado pela Igreja.

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 1:15:00 da manhã

Para mim tarots são tretas. Diga-se de passagem que deuses, anjos e demónios, também.

"Não acha uma contradição documentos tornados públicos por uma sociedade secreta? É que se é secreta só torna público o que lhe convém, a doutrina que querem passar e isso não será com toda a certeza a verdade"

O documento que referi é público há séculos. Duvida deste, mas não dúvida da veracidade do Manly Hall?

"Pilares de Salomão ou Pilares de Shu, Pilares de Hermes, Pilares de Atlas, Pilares dos Deuses da Alvorada, colunas babilónicas, colunas romanas, colunas maçónicas e ainda colunas norte e sul do portão do hall da verdade Egípcia."

E? As colunas são a imagem do Mundo e da sua dualidade/polaridade, da construção e destruição, Netzah e Hod, e marcam um limite que é... É assim que são vistas hoje. Recomendo outra leitura. Jules Boucher.

Crowley venerado pela maçonaria?! Qual?! Acha que a Ordo Templi Orientis é maçonaria?!

http://users.erols.com/solequis/secret_societies/phoneymasonry.htm

"Nenhum estudioso que se considere tal, lhe bastará a leitura de um único documento"

Eu disse que bastava ler aquele documento para saber que a maçonaria regular, anglo-saxónica, exige a crença num Deus revelado, não disse que bastava ler aquele documento para saber tudo sobre a maçonaria, pois não? Vamos ser honestos na argumentação, p.f.

"Não entendo o esforço em tentar rotular a maçonaria de gnóstica no que toca à religião, pois não tem nada a ver,"

Sinceramente, não me explicou porque não tinha nada a vêr. "Gnose é conhecimento superior, interno, espiritual, iniciático" diz. E do que se arroga a maçonaria?

Outra recomendação. Christian Jacq, "A viagem iniciática"

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 1:21:00 da manhã

"Zeitgeist é sem dúvida um documentário bom de se ver, mas apesar de estar 100% correcto quando fala do sistema financeiro, a primeira parte que fala de religião está repleto de falácias e nem todos conseguem filtrar a informação correcta da informação falsa ou mal investigada que esse documentário apresenta."

Precisamente. Estamos a chegar ao ponto. Nem todos conseguem filtrar a informação correcta da informação falsa ou mal investigada. Pode-se dizer o mesmo em relação à maçonaria.

http://conspiracyscience.com/articles/zeitgeist/part-one/

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 1:35:00 da manhã

Invencível. Sol Invencível, Sol Invictus.

Houve vários na mitologia romana, o último foi Mitras.

Ou terá sido Cristo?

  sansão

terça-feira, fevereiro 09, 2010 1:45:00 da manhã

wow, interessante estes comentários... aulas maçónicas e de história totalmente grátis, não é comum na blogosfera e com esta qualidade ainda menos comum é...
obrigada anónimo pela erudição e obrigada bruno pelos esclarecimentos em linguagem clara e objectiva de tal erudição. mas agora já sei porque é que existe tanta miséria, desgraça, guerras, fome, doenças e tanto caos num planeta maravilhoso como este: preocupamo-nos mais em alimentar o nosso conhecimento nestas áreas do que alimentar as pessoas que todos os dias morrem à fome. preocupamo-nos mais em escrever livros e gastar tempo e palavras em prol da boa imagem da maçonaria do que escrever livros, tempo e palavras em criar soluções para o estado em que o país se encontra. preocupamo-nos mais em saber se a maçonaria é deísta ou não, do que saber se acreditamos no Deus que há em nós o suficiente para nos mudarmos a nós próprios para melhor. Agora percebi tudo com comentários desta entidade anónima. Já sabia mas só me veio confirmar! Diga-me lá, quando está nas suas salas maçónicas a estudar as escrituras judaicas, islâmicas, cristãs, egípcias, babilónicas, acompanhado dos seus deuses greco-romanos com a Isis a aconchegá-lo com as suas lindas asas, o que mais lhe preocupa? Em não se converter num estúpido ateu ou num irreligioso libertino? ou por sua vez, viver sem qualquer submissão a qualquer Deus revelado e decretando a "absoluta liberdade de consciência"? até aqui a maçonaria é uma autêntica salgalhada de contradições e guerras de conhecimento e religiões! mas é mesmo para isso que ela serve: dividir, dividir para conquistar! Quanto às colunas, o sansão não quer saber se são celestes ou terrestres: vai tudo abaixo!!! dediquem-se à agricultura e em vez de andarem a esculpir pedra para inglês ver, comecem a construir casas para quem precisa viver!

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 2:47:00 da manhã

Anónimo:

"Para mim tarots são tretas. Diga-se de passagem que deuses, anjos e demónios, também."

Concordo e incluo a maçonaria politica e religiosa.

"O documento que referi é público há séculos. Duvida deste, mas não dúvida da veracidade do Manly Hall?"

Não disse que duvidava, disse que não era suficiente para um estudioso. E quanto a duvidar, duvido de tudo o que vem de uma sociedade secreta, incluindo Manly Hall.

"Acha que a Ordo Templi Orientis é maçonaria?!
http://users.erols.com/solequis/secret_societies/phoneymasonry.htm"

A chamada falsa maçonaria é maçonaria rotulado de falsa pela própria maçonaria, mais exemplos de grupos maçónicos relevantes? Igreja Satânica, Cientologia e a Opus Dei. Grupos aparentemente em conflito ideológico por forma a cativar várias facções na população criadas por esses mesmos conflitos virtuais. Dividir para conquistar. Tal como as divisões politicas de esquerda e direita onde a maçonaria não se importa nada com o lado e está em todo o lado pois a agenda maçónica sobrepõe-se à agenda politica seja ela qual for. É por isso que em Portugal alternamos entre esquerda e direita, pelo menos a cada 8 anos, mas a politica é sempre a mesma.

"Eu disse que bastava ler aquele documento para saber que a maçonaria regular, anglo-saxónica"

Não ligo a grupos dentro da maçonaria, para mim ela é um todo visto que as suas bases, conhecimento e objectivos são globais.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 2:48:00 da manhã

Anónimo:

"Nem todos conseguem filtrar a informação correcta da informação falsa ou mal investigada. Pode-se dizer o mesmo em relação à maçonaria."

Não discordo deste comentário.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 2:49:00 da manhã

Anónimo:

"Invencível. Sol Invencível, Sol Invictus.

Houve vários na mitologia romana, o último foi Mitras.

Ou terá sido Cristo?"

Até podem haver mais, mas tudo nos leva ao primeiro: Hórus.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 3:01:00 da manhã

sansão:

"mas agora já sei porque é que existe tanta miséria, desgraça, guerras, fome, doenças e tanto caos num planeta maravilhoso como este: preocupamo-nos mais em alimentar o nosso conhecimento nestas áreas do que alimentar as pessoas que todos os dias morrem à fome."

Precisamos tanto de conhecimento como de comida, não será certamente por estudarmos que morrem à fome do outro lado do mundo.

"preocupamo-nos mais em escrever livros e gastar tempo e palavras em prol da boa imagem da maçonaria do que escrever livros, tempo e palavras em criar soluções para o estado em que o país se encontra."

Pelo que li do seu comentário, parece-me que não se dirige a mim mas ao anónimo, visto que neste blogue nunca defendi a maçonaria, muito pelo contrário e o que escrevo é não só sobre o estado do país mas também do mundo.

É claro que qualquer membro da maçonaria não pode negar esta série, só pode fazer o que está a ser feito nesta caixa de comentários, pegar em detalhes e dizer: "não somos só nós a usar isto", como se isso fosse argumento.
A maçonaria como sociedade secreta não revela segredos, faz parte do juramento, e isso coloca em causa todos os supostos segredos que eles revelam por fontes oficiais. Prefiro 100 vezes os que abandonaram o grupo, sem que isso signifique que não verifique esses dados.

No fundo, quem fez parte do grupo mesmo fora dele continua a ser esperado que mantenha o voto de silencio, que em parte continue a ser maçon, há quem respeite e há quem se oponha ao grupo, não há meio termo.

Pessoalmente acredito que um dia a maçonaria vai cair poderá não ser no meu tempo, mas cairá. As mentiras não são eternas.

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 3:19:00 da manhã

Sansão:

Se soubesse o que faço, talvez lhe permitisse uma certa latitude nas suas afirmações.

Presumo então que o Sr. passa o dia e a noite a combater tanta miséria, desgraça, guerras, fome, doenças.

Pode dar-nos uma ou duas referências?

Eu trabalho no INEM. Mais não digo porque a minha consciência está tranquila: faço a minha quota parte para atender a tanta miséria, desgraça, guerras, fome, doenças.

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 3:29:00 da manhã

"Não ligo a grupos dentro da maçonaria"

Não é por você "não ligar" que as coisas não são de certa maneira e sim da forma que você acha que são.

Pensava que estavamos nisto para falar a sério: já vi que não:

"grupos maçónicos relevantes? Igreja Satânica, Cientologia e a Opus Dei."

Da Igreja Satânica nem sei o que é, mas vou investigar. Agora, p.f. dê-me provas que a Cientologia e o Opus Dei são maçonaria!

Desculpe, isso é como dizer que o Mossad é uma agência de segurança do Hezzbollah.

Não se está a esquecer de aplicar a tal filtragem da informação, não?

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 09, 2010 6:05:00 da manhã

Anónimo:

"Não é por você "não ligar" que as coisas não são de certa maneira e sim da forma que você acha que são."

Não percebeu, eu não ligo a grupos dentro da maçonaria pois não há grupos dentro da maçonaria. A maçonaria é uma só, qualquer divisão é propaganda.

"Pensava que estavamos nisto para falar a sério: já vi que não:
"grupos maçónicos relevantes? Igreja Satânica, Cientologia e a Opus Dei.""

Eu estou a falar a sério, não estou aqui para vestir os maçons de meninos de coro.

"Da Igreja Satânica nem sei o que é, mas vou investigar. Agora, p.f. dê-me provas que a Cientologia e o Opus Dei são maçonaria!"

Não sabe das ligações entre a igreja Satânica e a maçonaria? Não sabe das semelhanças dos rituais de ambas as ordens? No que toca a igreja satânica nem estou a falar de Crowly, estou a falar de LaVey e da sua intima ligação à maçonaria em particular à loja de Harry Truman, maçon!
A Opus Dei é a maçonaria católica. Já leu a Humanum Genus, do Papa Leão XIII, a encíclica da maçonaria livre? Posso lhe dar nomes de elementos da maçonaria membros da Opus Dei:

Padre Alessandro Gottardi
Sebastiano Baggio
Franco Biffi
Agostino Casaroli

E poderia continuar. Elementos da maçonaria e da Opus Dei com posições influentes dentro da igreja católica.

No que toca à cientologia ela foi fundada por um escritor de ficção cientifica que só por acaso era freemason, hoje continua a ser liderada exclusivamente por Freemasons. Além da cientologia fundaram também as testemunhas de Jeovah. Fundaram a Christian Science e a Theosophy, sempre pela mão de macons (Mary Baker Eddie e Madame Blavatsky). A literatura sobre estas pessoas é imensa basta que se informe sobre Hubbard (Maçon fundador) e David Miscavige (maçon e actual líder).

"Desculpe, isso é como dizer que o Mossad é uma agência de segurança do Hezzbollah."

Se lhe respondesse a isso entraríamos em offtopic e daria uma nova discussão.

"Não se está a esquecer de aplicar a tal filtragem da informação, não?"

Não, não estou.

As diferenças entre nós dois são óbvias mas saliento aquela que é mais importante para esta discussão: Eu leio sobre maçonaria tanto as versões maçónicas como anti-maçónicas, mas está mais do que claro que você só lê manifestos maçónicos e tal como um religioso fanático retira todas as respostas da bíblia, você não precisa de mais do que a propaganda maçónica à sua disposição.

Isto não pretende ser critica ou insulto, pois você se quer continuar a ser maçon está no caminho certo ao ler documentação parcial e está a fazer um bom trabalho a defender o seu ponto de vista. Mas se começar a buscar informação e cruzar com a que tem, deixará a maçonaria.

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 2:52:00 da tarde

"O Supremo Tribunal Administrativo é uma loja maçónica, nem todos lá são maçons..." STOP. Estamos perante uma falácia.

Se é uma loja maçónica, são todos maçons (essa é a definição que conheço de loja maçónica); Se não são todos maçons, não é uma loja maçónica.

Ou quer você dizer que se pode estar numa loja maçónica sem ser maçon? Mas afinal, aquilo é fechado ao "exterior" ou não?

Ou quer você dizer que bastam ALGUNS elementos de uma dada organização/instituição serem maçons, para que a mesma seja "maçonaria"?

Ou seja, seguindo a sua linha de raciocínio, se alguns juizes do STA forem benfiquistas, o STA é benfiquista, talvez um núcleo dos NoName Boys?

Ou ainda, se alguns membros da SAD benfiquista forem maçons, o Benfica é maçonaria?

Por redução ao absurdo, se o técnico oficial de contas do Benfica for sportinguista, o Benfica é sportinguista?

As toupeiras sempre existiram: membros da Opus Dei (e outras organizações similares) infiltrados na Maçonaria e vice-versa. Com o objectivo de, alguns, ganharem de dois lados (os perjuros, capazes de jurarem coisas diferentes em momentos diferentes), outros, os espiões, tentando trazer informação valiosa para o lado da barricada com a qual mais se identificam.

Quando as coisas correm mal, são expulsos, envergonhados e publicamente assinalados como homens de integridade duvidosa, capazes de perjúrio e "servir a dois ou mais amos".

Utilizar esses exemplos como prova de que "tudo é a mesma coisa" é manifestamente redutor. Ou está a usar o termo "maçonaria" para designar genericamente todo e qualquer grupo humano com regras de admissão estritas? Será a Associação de Antigos Combatentes do Ultramar uma maçonaria? Só aceitam antigos combatentes do Ultramar ou filhos destes, reunem-se à porta fechada (que é um direito que lhes assiste constitucionalmente)!

Outra coisa: não basta dizer que Fulano foi maçon. É preciso ter provas concretas da sua iniciação (ano, loja). Conheço uma loja portuguesa que tem registo dos seus membros desde há 150 anos. E como sobre um maçon falecido, não pende qualquer reserva (já viu a quantidade de diplomas maçons que se vendem em leilões de antiguidades?), é mais fácil do que pensa obter confirmações.

(continua)

  Anónimo

terça-feira, fevereiro 09, 2010 2:54:00 da tarde

(continuação)

Isto para dizer que se da Watchtower e da Igreja Mórmon poucas dúvidas haverão da sua génese por maçons do rito escocês anglo-saxónico, como já lhe disse, profundamente teísta, de Hubbard não encontro qualquer evidência sólida do seu status maçónico. De Anton Szandor LaVey, idem. Este lunático afirmou em "The Satanic Rituals: Companion To 'The Satanic Bible'", que "Satanic ritual is a blend of Gnostic, Cabbalistic, Hermetic, and Mason elements, incorporating nomenclature and vibratory words of power from virtually every mythos." Embora não conheça nenhum aspecto do ritual satânico, não estou a vêr que "elemento" de qualquer ritual maçónico possa ser usado neste contexto alegadamente "satânico". Mas dando de barato que sim, onde é que essa afirmação faz de LaVey um maçon?

Indo mais além: ainda que fosse. Voltamos à generalização acima: se uma maçã no cesto está podre, isso significa que todas as maçãs no cesto estão podres?

Como em todas as organizações, os processos de recrutamento falham: algumas pessoas revelam mais tarde ou mais cedo, particularidades, idiossincrasias, defeitos, deficiências de carácter, patologias psíquicas.

O que acontece nesses casos? Normalmente são expulsas, despedidas, rejeitadas.

Devem as organizações ser consideradas responsáveis ou cúmplices do que esses excluídos continuam a fazer pela vida fora?

Certo certo é que os perjuros da maçonaria tudo fazem para denegrir a sua anterior afiliação. Dentre os Papas, destacou-se pelo ódio contra a Maçonaria, Pio IX. Mas só mostrou rancoroso contra a Instituição depois de Papa. Pio IX chamava-se Giovanni Ferreti Mastai. Foi Maçon, tendo pertencido ao quadro de obreiros da Loja Eterna Cadena, de Palermo, Itália. Sob o número 13.715 foi arquivada, em 1839 na Loja Fidelidade Germânica, de Nuremberga uma credencial de que foi portador Giovanni Ferreti Mastai, devidamente autenticado, com selo da Loja Perpétua, de Nápolis. Como Irmão, como Maçon, Giovanni Ferreti Mastai foi recebido na Loja Fidelidade Germânica. Giovanni Ferretti nasceu em 1792. Passou dois anos no Chile, servindo como secretário do vigário apostólico Mazzi; foi Arcebispo de Spoleto em 1827, bispo de Imola em 1832 e foi elevado a Cardeal, em 1840, e eleito Papa em 1846. Confrontando- se as datas, verifica-se que, em 1839, quando o Irmão Ferretti foi fraternalmente recebido na Loja Maçônica na Alemanha, já era Bispo. Ascendendo a Papa, Giovanni Ferretti Mastai traiu seu Juramento, feito em Loja Maçônica, com a mão sobre o Livro da Lei e honrou a Maçonaria com o seu ódio, culminando com a publicação, em 08 de dezembro de 1864, do Syllabus, e em que amontoou todas as bulas papais e encíclicas contra a Maçonaria, de que fizera parte.A Loja Eterna Cadena, filiada à Grande Loja de Palermo, em 26 de março de 1846 considerando o procedimento condenável do Irmão Giovanni, resolveu expulsá-lo como traidor, depois de convocá-lo para se defender. A sua expulsão foi determinada por Victor Emanuel, Rei da Itália e Grão-Mestre da Maçonaria Italiana, que decretou mais tarde, em 1865 a sua expulsão da Ordem por ter excomungado todos os membros da Maçonaria. Foi expulso como Perjuro.

O Concílio Vaticano I, que promoveu, decretou ainda algo que veio consolidar a intolerância e a ânsia de domínio da ICAR: o princípio da Infalibilidade Papal. Como Papa condenou e combateu todos os liberalismos sociais, religiosos e humanistas da sua época, deixando o caminho aberto para o seu sucessor, Leão XIII e a sua encíclica Humanum Genus

Uma dúvida: o que acha você que é esta encíclica papal?

Deixo-lhe uma oferta (eu tenho um original): Manual da Liga Anti-Maçónica, de 1886.

http://www.archive.org/details/ManualDaLigaAnti-manica1886

  Archi Tekton

terça-feira, fevereiro 09, 2010 11:23:00 da tarde

Ferreira, grande tareia esta!! Cada tiro, cada melro!! Só te vejo a debitar lugares-comuns!!
Vou-te convidar para um debate público sobre o assunto, dentro em breve. Se aceitares, não te esqueças de trazer uma pá, para te enterrares definitivamente ROTFL

Aprendiz «anónimo», com força e sabedoria!!

  Bruno Fehr

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 1:56:00 da manhã

anónimo:

"Ou quer você dizer que bastam ALGUNS elementos de uma dada organização/instituição serem maçons, para que a mesma seja "maçonaria"?"

Jogos de palavras? Gosto muito!
Então vamos lá: Uma loja maçónica não é um edifício ou instituição mas sim um grupo de pessoas. Perto de minha casa existe uma loja maçónica mas o edifico não é maçónico, a empresa dona do edifício não é maçónica, só um grupo de residentes do rés-do-chão o é.
Se um grupo de juízes são maçons formam uma loja pois na verdade bastaria 3 para a formar e no supremo tribunal são todos maçons (juízes), no entanto trabalham lá pessoas que não o são, o que não invalida a existência do grupo, logo, loja.

Jogos de palavras comigo nao resultam, pois se eu disser que a maçonaria está roubar instituições públicas, tu podes jogar com as palavras dizendo que o que estão a fazer é à vista de todos e tendo em conta que ninguém liga, não é roubo.
Ora, se me roubam a carteira sem eu saber, é roubo, mas se eu souber continua a ser roubo independentemente de eu apresentar queixa ou não.

"Ou ainda, se alguns membros da SAD benfiquista forem maçons, o Benfica é maçonaria?"

Sem dúvida que se formará um loja dentro do SLB. Mas isso você sabe!

"As toupeiras sempre existiram: membros da Opus Dei (e outras organizações similares) infiltrados na Maçonaria e vice-versa."

Da mesma forma que quando a sociedade secreta Illuminati se começou a infiltrar na maçonaria Alemã tendo tomado controlo absoluto de diversas lojas, os maçons não eram Illuminati mas havia lojas Illuminati dentro das lojas maçónicas.

"Será a Associação de Antigos Combatentes do Ultramar uma maçonaria? Só aceitam antigos combatentes do Ultramar ou filhos destes, reunem-se à porta fechada (que é um direito que lhes assiste constitucionalmente)!"

Não são uma sociedade secreta. Tal como o clube das virgens só aceita virgens, mas não possuem agendas de domínio politico-financeiro, não querem ter policias secretas, não usam de qualquer meio possível e imaginário para atingir os seus objectivos e acima de tudo não possuem um juramento que se sobrepõe a qualquer outro juramento.
Se um General que jurou defender a pátria entrar na maçonaria, o juramento maçónico irá sobrepor-se ao juramento à bandeira se alguma vez entrarem em conflito ou não continuará a ser maçon, o mesmo acontece com os juízes, defender os interesses da maçonaria está acima do juramento de fazer cumprir a lei.

Mas isto são coisas que qualquer maçon nega, pois jurou fazê-lo.

  Bruno Fehr

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 2:03:00 da manhã

anónimo:

"De Anton Szandor LaVey"

Não está a fazer uma boa pesquisa.

"Indo mais além: ainda que fosse. Voltamos à generalização acima: se uma maçã no cesto está podre, isso significa que todas as maçãs no cesto estão podres?"

Mais jogos de palavras?
Se uma maca no cesto está podre, mais tarde ou mais cedo todas ficarão podres prematuramente.

"O que acontece nesses casos? Normalmente são expulsas, despedidas, rejeitadas."

Ou utilizadas como bodes expiatórios.

"Devem as organizações ser consideradas responsáveis ou cúmplices do que esses excluídos continuam a fazer pela vida fora?"

Um elemento da maçonaria pode cometer crimes, mas não pode ser apanhado. Qualquer grupo expulsa quem é apanhado para que a má imagem de um não afecte o grupo, o que não quer dizer que esse crime não tenha sido feito pela maçonaria, estudado, preparado e ordenado por ela.
Se atiram uma granada para o meio de militares profissionais, eles estão preparados para salvarem o grupo. O mais próximo da granada saltará para cima dela e perde a vida salvando o grupo. Um cai por um bem maior, o mesmo se passa nos "despedimentos" da maçonaria.

  Bruno Fehr

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 2:11:00 da manhã

Archi Tekton:

"grande tareia esta!! Cada tiro, cada melro!! Só te vejo a debitar lugares-comuns!!"

Tareia? Não a sinto, não a vejo nem temos júri para decidir.
Eu saliento dados concretos, você nega com gigantescos comentários repletos de jogos de palavras que me limito a esclarecer, e palha, linhas e linhas de palha nos seus comentários.

"Vou-te convidar para um debate público sobre o assunto, dentro em breve."

Desde o seu hack aos meus mails por forma a tomar controlo do meu blogue, seguido desta discussão educada, que eu esperava algo do género vindo de si...

Desde de tentativas de sedução, a tentativas de amizade, a supostas entrevistas e convites para debates, já vi tudo neste blogue. O objectivo é chegar a mim, saber quem sou.

Poderá ser impressão minha... mas este debate parece-me público... ou não?

"Aprendiz «anónimo», com força e sabedoria!!"

Fraco, ainda muito fraco. Educado mas fraco! Mais uns anos de treino e pode ser que chegue lá.

  Summerparis

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 3:44:00 da manhã

Anónimo:

"Correcção, foi Constantino e não "Teodósio que decretou o cristianismo como religião oficial de Roma.

Correcto, o tal que adorava algo a que se referia como o Sol Insensível e ainda hoje o sol é adorado pela Igreja."

Terça-feira, Fevereiro 09, 2010 12:42:00 AM


Aquilo que chamamos de supremacia do cristianismo ou, melhor ainda, de um cristianismo imperial, não foi propriamente uma criação de Constantino. É certo que a mudança, substancial por ele operada, no que toca à política religiosa do Império, foi não apenas a de aplicar ao cristianismo a política geral de tolerância que alguns dos seus antecessores já tinham ensaiado, mas a de praticar uma política que poderíamos chamar de apreço e favorecimento dos cristãos.
Pertencerá, no entanto, aos Imperadores Teodósio, no Oriente, e Graciano, no Ocidente, com édito de 27 de Fevereiro de 387 a imposição da religião " transmitida por Pedro aos romanos", isto é, a imposição da cristianismo a todos os súbditos do Império.

  Raf

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 4:20:00 da manhã

Tenho assistido com interesse a esta troca de argumentos e conhecimentos. O anónimo demonstra que percebe bastante do assunto e tem propiciado o debate. Estou a achar interessante.

Não falaria em tareia, mas a balança argumentativa pende claramente para um dos campos. De um lado, temos alguém que expõe uma argumentação razoável, do outro um conjunto de argumentos arbitrários e a demonstração da incapacidade para refutar os argumentos contrários. De um lado, uma argumentação demagógica - cuja única função é acolher o aplauso da plateia sem ter em conta se os argumentos são plausíveis - e do outro uma argumentação equilibrada.

Embora tenha a certeza que isso não vai acontecer, pagaria para assistir a um debate público, em tempo real e com tempo para discutir, sem cartas na manga, nem googles à frente.

Quando digo que tenho a certeza de que não vai acontecer, digo-o porque está demonstrado que o lado em que a argumentação se revela mais fraca tende sempre para fugir ao debate, isso acontece com os políticos em apertos, mas também com as pessoas incapazes de debater de forma mais séria e profunda.

  Bruno Fehr

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 4:23:00 da manhã

Summerparis

No fundo foi unicamente para retirar vantagem politica.

  Bruno Fehr

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 4:24:00 da manhã

Raf:

Lá por escrever Raf não faz de si um comentador novo ou imparcial, é unicamente demonstrador de insegurança nesta discussão.

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 2:57:00 da tarde

Summerparis,

Obrigado pelo esclarecimento adicional.

Pelo que entendo, esse apreço e favorecimento foram acima de tudo, e já então, manipulados, impostos, pela cúpula da nova Igreja (cristã).

Repare-se que, herdeiros de uma tradição indo-ariana religiosa, bem adaptada às culturas europeias romanizadas, seria difícil impôr aos povos da Europa Ocidental uma liturgia e uma ritualística estranha. E sobretudo uma mitologia estranha. A judaica.

O certo é que no final do século III, Mitras era adorado da Escócia à Índia, chegando até a oeste da China.

As sociedades europeias de então, romanizadas ou não, estavam, de forma mais ou menos explícita, dividida em três classes: sacerdotes, guerreiros e agricultores, esquema este que corresponde no fundo a uma ideologia religiosa tri-funcional. E ao contrário do Judaísmo, o Mitraísmo era trinitário, como aliás todas as religiões do espectro indo-europeu.

Para definitivamente se estabelecer como a religião do Império, a nova igreja cristã precisava de 1) cortar definitivamente as amarras com o Judaísmo 2) Conquistar o espaço ocupado por Mitras, que sincreticamente tinha conseguido se não espaço, pelo menos tolerância, nos altares da Europa Ocidental (Celtas, Romanos clássicos, Gregos, Nórdicos, Germânicos) 3) Assegurar aos sacerdotes da nova igreja uma quase infinita autoridade secular, a estrita necessidade da sua presença para a condução de todos os actos do ciclo de vida do povo (nascimento, baptismo, casamento, morte) e sobretudo o papel de "Representante de Deus" (nada disto existe no Judaísmo).

O estabelecimento da nova religião ficou desde logo associado a duas coisas: o anti-semitismo, com a queima de sinagogas (segundo o bispo de Milão, queimar sinagogas era agradar a Deus) e a sujeição do(s) imperador(es) aos bispos, que se iniciou com a humilhação feita por Ambrósio a Teodósio, proibindo-o de entrar na Igreja de Milão.

Reconheço que fruto de uma herança riquíssima (quer judaica, quer indo-europeia) o cristianismo é de longe a melhor sucedida religião de todos os tempos e apresentou aspectos inovadores no estabelecimento da sua doutrina e na sua praxis.

Mas que grande parte do seu sucesso se deve quer à total e sangrenta repressão dos seus opositores e competidores, quer à negação intransigente da liberdade de consciência, e de escolha, dos homens sobre a sua alçada, poucos poderão negar.

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 3:03:00 da tarde

Arqui Tecton,

Decerto não vim para aqui para tareias e caneladas. Da discussão nasce a Luz, não é?

Se pelas suas palavras é o que penso, agradeço o encorajamento. Força e Sabedoria, rectidão e amplitude. Revejo-me nisso.

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 3:15:00 da tarde

Reparo que não quis publicar os dois comentários que lhe deixei. Estará inseguro em relação a alguma coisa que lá escrevi?

Raf

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 4:48:00 da tarde

Bruno Fehr,

Parece-me na sua resposta ao comentador arquitecton que está a dizer que eu e esse utilizador somos uma única e a mesma pessoa? É isso? Posso perguntar-lhe em que dados concretos e objectivos baseia essa sua conclusão? Está a dizer que eu sou a pessoa com quem tem nos passados dias mantido uma questão pessoal relacionada com este blog?

Mas você é livre de fazer as associações que quiser e entender. E por isso responde, como se estivesse a responder-me a mim, que "Eu saliento dados concretos, você nega com gigantescos comentários repletos de jogos de palavras que me limito a esclarecer, e palha, linhas e linhas de palha nos seus comentários."?

Portanto os seus comentários são o paradigma do conhecimento claro e objectivo, bem fundamentado e os comentários de quem se lhe opõe não passam de enormes palheiros?

É no mínimo redutor, de má-fé, e evidenciador do interesse que você tem neste debate: nenhum. Tudo isto é muito aborrecido para as suas convicções e para as dos seus seguidores, acredito: nenhum ateu vai à igreja contestar o padre.

Deixe-me dizer-lhe como cheguei ao seu blog. Não foi decerto chamado por alguém. Foi por uma ligação num alerta do Google (que eu tenho automatizado para pesquisa de termos maçonaria+portugal) que recebi no dia 7, com o seguinte conteúdo:

"Alerta do Google de blogs sobre: maçonaria portugal

Só me apetece cobrir!: Portugal maçónico 3
de Bruno Fehr
A escolha de representar as estrelas sob esta forma deve-se unicamente a ser um símbolo maçónico, incorporardo no Selo Oficial de um país, também ele tal como Portugal, guiado pelas forças da maçonaria. ...
Só me apetece cobrir! - http://so-me-apetece-cobrir.blogspot.com/

Grande Oriente Lusitano - Maçonaria Portuguesa » 6 de Fevereiro de ...
de GOL
6 de Fevereiro de 1850. Na Baía, Brasil, nasce Guilherme Gomes Fernandes, fundador dos Bombeiros Voluntários do Porto em 1874. Foi iniciado maçon em 1881, na Loja Primavera, da capital nortenha, com o nome simbólico de «Marçal». ...
Grande Oriente Lusitano - Maçonaria... - http://www.gremiolusitano.eu/
"

(continua)

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 4:49:00 da tarde

(continuação)

Tive oportunidade de nos últimos dias correr os olhos por outros posts seus e comentários seus e de outros. Confesso que não me surpreende que tenha irritado alguém com menos fair-play. Não foi a acção mais correcta, mas também percebi que os danos (se assim se podem chamar) foram escassos ou inexistentes e que até constituiu para si aquilo que o nosso povo chama de "abre-olhos".

Fiquei isso sim, e sobretudo, surpreendido com um aspecto que revela uma enorme desonestidade intelectual da sua parte, que passo a explicar.

- Você tem uma opinião (na minha apreciação, muito mal) formada sobre a maçonaria (no geral, não querendo saber, porque claramente não convém, que nem tudo é maçonaria);
- Li algures, se não me engano, que foi maçon (afirmação que tomo, desculpe-me, com um grão de sal, porque em lado algum do seu blog encontrei indício por pequeno que fosse da veracidade dessa afirmação);
- Vamos assumir que foi, durante cinco anos, se bem me recordo;
- Diz que atingiu graus muito elevados (mais sal, uma colher), embora não diga quais, nem de que rito;
- A ser verdade o atrás exposto, será então conhecedor dos rituais dos diferentes graus simbólicos, e filosóficos quiçá!

Então (e é aqui que reside a profunda desonestidade intelectual) porque é que, sempre que um comentário vai contra a imagem que você quer fazer passar da maçonaria, você vem a terreiro de imediato para de melhor ou pior forma (na minha opinião, pior) desmontar o atrevido comentador do cavalo, mas quando alguém aqui aparece com um comentário de louvor e apreço pela sua "cruzada" e faz afirmações como:

"Raptar crianças virgens de 5, 6, 7, 8, 9 anos de idade para pedofilia, tortura, violação e oferendas a falsos deuses em rituais maçónicos é uma necessidade e um acto justo e misericordioso? " ou esta "Beber sémen, comer partes vaginais, ter relações sexuais com uma virgem e praticar actos homosexuais em rituais maçónicos é uma necessidade e um acto justo e misericordioso?"

Você, se foi realmente maçon, sabe que SÃO FALSAS e que correm no imaginário colectivo como estando associadas APENAS E SÓ ao louco furioso do Crowley e dos seu reduzido número de acólitos, mas NÃO VEM corrigí-las ou constestá-las, porque lhe convém incrementar o ódio completamente irracional e infundamentado sobre a maçonaria portuguesa em particular.

Perdoe-me, mas o teor da sua resposta ao utilizador architecton é profundamente ofensivo para quem, como eu, aqui tem estado num espírito de debate minimamente civilizado e vai possivelmente obrigar-me a reconsiderar a minha continuação nesta discussão.

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 4:59:00 da tarde

Bruno Fehr:

""De Anton Szandor LaVey"

Não está a fazer uma boa pesquisa.
"

Você falou de uma "igreja de satã" e de um LaVey: "No que toca a igreja satânica nem estou a falar de Crowly, estou a falar de LaVey"

O único LaVey associado a uma "igreja de Satã" é o que eu referi: Anton Szandor LaVey, que morreu em 1997. Isto segundo o site oficial da dita "igreja".

De que LaVey e de Igreja Satânica falava? Não era destes?

  Anónimo

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 6:46:00 da tarde

Bruno Fehr,

"Se um grupo de juízes são maçons formam uma loja pois na verdade bastaria 3 para a formar "

A sério? 3 apenas? Para uma loja? Olhe que não. São precisos mais uns quantos. Já se esqueceu?

  Manula

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 6:56:00 da tarde

É gira a discussão mas o mundo é um mistério, há muita informação e contra-informação, penso que não vale a pena acreditar em verdades absolutas.
Não temos acesso à informação e pronto mais vale aceitar isso.
O que fazer na ignorância?
Que teste é este? O que viemos cá para aprender?
Certezas tenho poucas mas acredito, sem qualquer hesitação, no amor, na bondade, na paixão, na vida, na justiça, na Humanidade e em Deus.
Perante o véu da ignorância forçada acreditemos na vida, mesmo perante o abismo.
Não vejo outra solução.
Já li e investiguei muito, não me parece que a estadia na Terra se resolva só com conhecimento.
Mais do que ter ouvido e lido muitas histórias é preciso sentir amor, ser justo, ter fé na vida, em Deus, nas pessoas etc.
Já sei que há quem condene Deus por nos ter posto aqui sem manual de instruções, sem dizer ao que viemos etc mas talvez tenhamos sido nós a querer vir cá.
Não podemos julgá-lo aqui e agora porque não temos toda a informação, talvez um dia.
Até lá é melhor e mais construtivo, logo mais inteligente, ter uma atitude positiva, elevar a vibração, pensar em coisas positivas, dizer coisas positivas, fazer coisas positivas.
Clubes, ajuntamentos, reuniões, posições de poder, partidos, riqueza, sociedades secretas, para mim é tudo bullshit se não for usado para o bem do eu e do nós.
Se for é bom.

  Nuno Guerreiro

quarta-feira, fevereiro 10, 2010 8:59:00 da tarde

Boas bruno

Como Diz a gíria popular...

E... "" Eles dão o cu e 8 tostões para saber quem tu és ""...

Talvez para fazerem de ti ,o Bode expiatório que falam.

Quando reparei nas colunas do " Cais de lisboa " apercebi-me imediatamente que só podia ser simbologia Maçonica.
Isso não é grave, grave sim, foi a lavagem de dinheiro público que fizeram para as construir novamente, visto que aquela obra derrapou e derrapou e...

Bruno, já reparas-te no Edificio do BPN ?
Autentica arquitectura Maçonica, desde as 3 piramides no telhado ao esquadro e compasso na entrada do edificio, o que só me leva a deduzir que , aquele banco, já foi criado mesmo para as negociatas e lavagens de dinheiro....triste, muito triste.

Em breve prepararei 1 mini-documentario onde irei expor todas as obras, edificios, confrontar politicos para que a Sociedade saiba, quem nos governa afinal, se politicos eleitos, ou irmãos entre eles escolhidos....
Quanto a mim, já não tenho duvidas.

1 abraço
Nuno Guerreiro

  Archi

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:08:00 da manhã

«apercebi-me imediatamente que só podia ser simbologia Maçonica.»

No shit Sherlock.

«Em breve prepararei 1 mini-documentario onde irei expor todas as obras, edificios, confrontar politicos para que a Sociedade saiba»

Também tu??? Mas isto aqui está cheio de «INVESTIGADORES» são todos jornalistas do Crime e do 24 horas ou estão a fazerem-se a um lugarzito no escritório do José Maria Martins???

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:15:00 da manhã

Anónimo:

Insegurança é coisa que não tenho. Devido à elevada actividade maçónica nas caixas de comentários desta série, voltei a moderar todos os comentários, algo que só faço a titulo excepcional. Por isso parte de si e de todos os comentadores, ao comentar, verificar no topo da página se o comentário foi aceite, pois se não for não recebo qualquer mais para o autorizar ou rejeitar.

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:15:00 da manhã

Anónimo:

Se você não é o Architekton, aqui ficam as minhas desculpas, pois você apareceu imediatamente após eu recuperar o meu blogue das mãos desse auto-intitulado mestre-maçon que recorreu ao crime hacker furtando o meu mail e blogue, eliminando textos sobre a maçonaria, que já recuperei, e postando um desmentido em meu nome. Diversos crimes numa só atitude, da parte de um maçon contra mim, contra este blogue e contra quem o lê.

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:18:00 da manhã

Anónimo disse...

"Não foi a acção mais correcta, mas também percebi que os danos (se assim se podem chamar) foram escassos ou inexistentes"

Não foi a mais correcta? Por que não chamar as coisas pelo nome: Crime?

Neste blogue após um ataque no inicio do ano em que ele foi apagado na sua totalidade também por um comentador maçon, após o recuperar texto a texto coloquei aqui duas contas de administrador e no momento em que ele postou por mim, recebi o aviso de post via iPhone e imediatamente liguei-me à net, expulsei a conta "hackada" e mantive o controlo do blogue antes que ele pudesse fazer mais.

Além do blogue e mails, ele tentou desviar diversas contas em diversos sites para o seu mail pessoal, numa atitude de usurpação de identidade.

Os danos não foram maiores, pois tal como ele próprio afirmou, eu "acordei cedo pois poderia ter sido bem pior".

"e que até constituiu para si aquilo que o nosso povo chama de "abre-olhos"."

Parece-me que considera que o furto e usurpação de identidade se justifica desde que a vitima aprenda alguma coisa...

"Li algures, se não me engano, que foi maçon"

Disse-o e repito-o, mas não espere ingenuidade ao identificar-me de forma a prová-lo, pois não preciso de o fazer.

"Diz que atingiu graus muito elevados (mais sal, uma colher), embora não diga quais, nem de que rito"

Já referi o grau atingido, nunca disse ser elevado nem nada que se pareça. Passei sim da fase cega do terceiro grau do Sr. Hacker.

"porque é que, sempre que um comentário vai contra a imagem que você quer fazer passar da maçonaria, você vem a terreiro de imediato para de melhor ou pior forma (na minha opinião, pior) desmontar o atrevido comentador do cavalo"

Só clarificar os jogos de palavras que qualquer maçon usa com requinte, jogos esses capazes de manipular opiniões.

"mas quando alguém aqui aparece com um comentário de louvor e apreço pela sua "cruzada" e faz afirmações como:
"Raptar crianças virgens de 5, 6, 7, 8, 9 anos de idade para pedofilia (...) maçónicos é uma necessidade e um acto justo e misericordioso?""

Nunca fiz tal comentário.

"Perdoe-me, mas o teor da sua resposta ao utilizador architecton é profundamente ofensivo"

Se ele lhe roubasse a carteira e se fizesse passar por si, estou certo que não o trataria como um amigo ou adversário à altura.

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:18:00 da manhã

Anónimo:

"Anton Szandor LaVey"

Iniciou-se na maçonaria tendo mantido ligação mais próximas aos Illuminati, que como deverá saber seguem nos seus graus diversas orientações: Satânica, Católica ou Wicca. Apesar de a maçonaria negar ligação aos Illuminati e até negar que existem, apesar de existirem. Rothschild é bastante generoso financeiramente com a maçonaria desde que reconheçam a sua autoridade e ele é o topo da pirâmide Illuminati.

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:19:00 da manhã

Anónimo:

"A sério? 3 apenas? Para uma loja? Olhe que não. São precisos mais uns quantos. Já se esqueceu?"

Não me esqueci, tendo os 3 "luzes da oficina" a loja poderá ser formada e recrutam os demais cargos "oficiais".

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:19:00 da manhã

Manula:

"penso que não vale a pena acreditar em verdades absolutas."

Não há verdades absolutas, nem é esse o objectivo a atingir.

"Não temos acesso à informação e pronto mais vale aceitar isso."

Temos acesso sim, simplesmente não nos cai no colo. E não devemos aceitar a derrota, se queremos algo devemos lutar. Eu não baixo os braços a informação vedada.

"Já li e investiguei muito, não me parece que a estadia na Terra se resolva só com conhecimento."

Um dos únicos pontos em que concordo com a maçonaria é que o conhecimento, iluminação é o caminho a seguir e por isso a conformação não é opção.

"Já sei que há quem condene Deus por nos ter posto aqui sem manual de instruções, sem dizer ao que viemos etc mas talvez tenhamos sido nós a querer vir cá."

Sou agnóstico, não me que queixa da falta de manual, pois vejo Deus como um amigo imaginário ainda necessário a uma grande parte da humanidade. O caminho do conhecimento, da iluminação é o que nos liberta de Deuses e nos ajuda a encontra o deus em nós.

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:21:00 da manhã

Nuno Guerreiro:

Já tenho quase 3 anos neste blogue, perto de 6 anos como bloguer, já tentaram de tudo para me identificar. Quando digo "eles" não me refiro só à maçonaria, pois desde garinas malucas, a gajos psicopatas, uma instituição financeira, duas publicações jornalísticas e a própria maçonaria, já tentaram de tudo, desde sedução, ameaças, ofertas de emprego, tentativas de amizade, pedidos de colaboração, intenção de encontros para discussão de temas, conversas telefónicas, ofertas de presentes para obter morada, ofertas de sexo, pedidos de entrevistas, desafios para debates religiosos e maçónicos, hacks a mail e blogue e até tentativas de penetrar no meu servidor remoto que é quem leva a porrada impedindo a localização do meu PC. Tudo foi tentado, mas não estou aqui para fazer amigos e se os fizer serão sempre virtuais.

"Isso não é grave, grave sim, foi a lavagem de dinheiro público que fizeram para as construir novamente, visto que aquela obra derrapou e derrapou e..."

A recolocação de duas simples colunas maçónicas é só mais um pretexto para desvio de fundos, sem esses derrapes não é uma obra pública portuguesa.

"Bruno, já reparas-te no Edificio do BPN ?
Autentica arquitectura Maçonica, desde as 3 piramides no telhado ao esquadro e compasso na entrada do edificio, o que só me leva a deduzir que , aquele banco, já foi criado mesmo para as negociatas e lavagens de dinheiro..."

Algo que a maçonaria nega, dizendo que não é maçonaria... O papão maçonaria quer que o povo veja os socialistas como papão, mas acho que está bem claro que esquerda ou direita tanto faz, a maçonaria está em todo o lado, come de todos os pratos até que todos comam do prato da maçonaria.

"Em breve prepararei 1 mini-documentario onde irei expor todas as obras, edificios, confrontar politicos para que a Sociedade saiba, quem nos governa afinal, se politicos eleitos, ou irmãos entre eles escolhidos..."

Claro que sim, desde 1911 que é assim em Portugal, salvo casos pontuais.
Terei todo o prazer em ver esse documentário, se possível.

  Bruno Fehr

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:25:00 da manhã

Archi:

Moderação não se pede, exige-se! O Sr. Mestre maçon deve controlar a forma descontrolado como se expressa, está a um passo de não comentar mais aqui e depois venham lá esses hacks, seguida das histórias em como a maçonaria é honrada!

  Nuno Guerreiro

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 6:37:00 da tarde

Archi...peço imensa desculpa, mas não tenho categoria nem me consigo "encaixar" psicóticamente, peço desculpa, psicologicamente ao nivel dos seus conheçimentos.

Mas já agora, tire-me a duvida.

Sendo a Maçonaria uma instituição tão honrada como advoga, porque razão,se sente atingido se eu produzir um Mini-documentario acerca da maçonaria,simbolos e influências politicas na sociedade Portuguesa?
Conheçe-me? Acha que não tenho categoria para tal? Ou existe o receio daquilo que são factos, possam vir á luz do conheçimento?
Não são voçes,Maçons que advogam que o conheçimento é o meio para que a sociedade evolua?
Ou será que a "Irmandade " só consegue realizar o bem para a sociedade se continuar " discreta" ?

Sherloock....grande serie!
Não me importava nada de me serem futuramente reconheçidos os dotes de investigação do mesmo, mas talvez, com um pequeno esforço,o possa surpreender.

Deixe-me deixar-lhe só uma certeza.
Com a velocidade e facilidade que a informação corre actualmente,se não for eu,brevemente será outro,POR MAIS QUE TENTEM JÁ NÃO CONSEGUEM SONEGAR MAIS A INFORMAÇÃO....BREVEMENTE O MACHADO DA REAL JUSTIÇA POPULAR CAIRÁ EM CERTOS PESCOÇOS.

Nuno Guerreiro

  Archi Tekton

sexta-feira, fevereiro 12, 2010 12:30:00 da manhã

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
  Bruno Fehr

sexta-feira, fevereiro 12, 2010 1:15:00 da manhã

Archi Tekton:

Meu caro hacker,

mais uma vez publiquei o seu comentário e apaguei-o. O facto de publicar e apagar é só para que quem subscreve os comentários deste texto possa ler o que senhor escreve, mas que não autorizo que fique no meu blogue.

Este é o último comentário seu que publico e apago, o próximo em que ofenda ou tente ofender de forma baixa terceiros, serão rejeitados sem publicação. Se não tem educação, cale-se!

  fantomette

sábado, fevereiro 13, 2010 1:13:00 da manhã

Nuno Guerreiro:

Força com isso! Não estarás sozinho, também tenho filmagens e filmagens para tratar em vídeo de simbologia maçónica nacional e que revelará a astro-teologia utilizadas nas posições e alinhamentos astrológicos e geométricos que foram aplicados durante a construção dos principais edifícios maçónicos e sempre com ligações entre igrejas, sés, templos e edifícios autárquicos e históricos.

As conclusões que cheguei foram impressionantes, matematicamente e geometricamente impressionantes, não haverá argumentação possível perante tais factos tão bem explicados que vão ser, com pessoal amigo que está a tirar o mestrado em arqueologia, antropologia, sociologia e geologia e petrologia, tudo será explicado, desde o porquê do uso do tipo de pedra em determinados edifícios com influências energéticas como o mineral quartz que existe em quase toda a pedra e que existe em todas as pedras que foram usadas para construir igrejas e templos maçónicos.

Estes minerais foram usados e são usados para canalização energética das próprias pessoas e dos astros, pois são excelentes condutores de energia e por isso são usados nas igrejas para a canalização da energia das pessoas.
Por isso as pessoas se sentem bem nas igrejas, ou mal, depende da intenção e das frequências emitidas pelo que lá se faz e se diz, tudo é vida e energia e a própria igreja e edifício têm vida pelas rochas que as constituem!

Essas pedras têm vida, são seres vivos!!!

A sua restauração e manutenção obedece a regras extremamente rígidas pelo não uso de tintas, pelo deixar a pedra respirar, absorver as energias do sol, o calor, lol, tudo é energia meus amigos! e eles sabem-no desde o princípios dos tempos! há tanta coisa que a maçonaria sabe e que agora esse conhecimento está à disposição de todos!

Mas o mais incrível nesta investigação que também vamos expor é que eles protegem, canalizam determinadas frequências energéticas para determinadas pessoas e determinados locais nas cidades e em todos esses locais, os mais privilegiados, os mais ricos, onde os principais bancos estão sediados, ou as principais famílias elitistas estão, estes locais estão sob a influência de uma geometria conhecida como sagrada, a estrela de david, de 6 pontas, sirius, geometricamente e com as dimensões e distâncias EXACTAS, que ao ligarem um edifício maçónico a outro e assim sucessivamente têm literalmente a vossa estrela formada, com as distâncias e geometria matematicamente precisas!

isto acontece em todas as cidades! todas!!! por isso se diz que a maçonaria católica (opus dei) tem relações com a outra maçonaria, claro que tem, tem ligações em todos os níveis porque compartilham do mesmo poder e conhecimento astrológico! e sabem porque é que eles não querem que mais ninguém saiba disto? porque assim toda essa energia seria distribuída equitativamente para todas as pessoas e dessa forma eles já não seriam mais as famílias e os irmãos com o cú virado para a Lua! e como vêm agora bem, eles estão literalmente com o cú virado para a Lua!

Não precisaríamos mais de ir à miSSa (SS), saberíamos como canalizar as energias para nós próprios e não para uma entidade falsa que é o deus da igreja, e tornar-nos-íamos donos do nosso próprio destino dominando o nosso karma e como o fehr já disse: libertando-nos de todos esses falsos deuses para nos concentrarmos no Deus que há em cada um de Nós!!!

  Anónimo

domingo, fevereiro 14, 2010 12:24:00 da manhã

Fantomette,

"Essas pedras têm vida, são seres vivos!!!"

Para quem está "vivo", mexem-se muito pouco, cara Fantomette...

O material principal de construção dos grandes monumentos europeus é o granito.

O granito é uma rocha ígnea composta essencialmente por quartzo e feldspatos.

O quartzo é o mais abundante mineral da Terra. Possui estrutura cristalina trigonal composta por tetraedros de sílica. É um dos óxidos mais abundantes na crosta terrestre.

Difícil, difícil, cara fantomette, seria descobrir um monumento em cuja construção não estivesse presente, em enorme percentagem, a sílica, o quartzo, etc.

Infelizmente, o período de férias da passada semana terminou e este fim de semana vais ser fértil em incidentes. Os meus turnos não me vão permitir por aqui passar e comentar.

Vou aproveitar para realizar sacrifícios humanos na enfermaria das Urgências.

Ou isso, ou salvá-los de morrer da bebedeira, do despiste a alta velocidade, da navalhada na discoteca, etc.

Fantomette:

"libertando-nos de todos esses falsos deuses para nos concentrarmos no Deus que há em cada um de Nós"

Desculpe que lhe diga, mas isso é MUITO maçónico. Tem a certeza que não há um maçon escondido no seu armário?

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 15, 2010 5:37:00 da manhã

fantomette:

Nada na construção de um edifício maçónico é deixado ao acaso, desde os materiais até à sua localização onde entram em equação os chacras terrestres energéticos. Já abordei esse assunto aqui. E sim, tem tudo a ver com energia.

Mas claro que estes pedreiros negam tudo, até a existência da sua mãe se isso os beneficiar.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 15, 2010 5:37:00 da manhã

Anónimo:

"Para quem está "vivo", mexem-se muito pouco, cara Fantomette..."

É preciso mexer-se para estar vivo? Esporozoários?

"Vou aproveitar para realizar sacrifícios humanos na enfermaria das Urgências."

Divirta-se!

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 15, 2010 5:37:00 da manhã

Archi Tekton:

Mais um comentário seu apagado. Por isso, tendo em conta que já o avisei várias vezes, não voltará a ver comentários seus aprovados. Se é incapaz de ser educado, terá de ir pregar para outra freguesia... ou poderá tentar usar novos hacks, isso é lá consigo...

  Anónimo

segunda-feira, fevereiro 15, 2010 1:49:00 da tarde

"onde entram em equação os chacras terrestres energéticos"

Pensei que me tinha dito que astrologias e esoterismos quejandos eram também treta para si.

"É preciso mexer-se para estar vivo? Esporozoários?"

Touché. Mas os vírus, que se mexem, estão vivos? Está bem, não tergiversemos...

Bósnia, CTA? Conheci um Bruno Ferreira (se é esse o seu apelido segundo o utilizador Arquitecton) que era Fur SG-PARAQ em 1992 e a quem dei instrução no CFMTFA. Não é você decerto.

  Bruno Fehr

segunda-feira, fevereiro 15, 2010 10:00:00 da tarde

Anónimo:

"Pensei que me tinha dito que astrologias e esoterismos quejandos eram também treta para si."

Pensou, foi esse o problema. Eu não digo o que você pensa.

"Touché. Mas os vírus, que se mexem, estão vivos?"

Por que motivo foi buscar os vírus? Está a tentar ligar construções a vírus? Os vírus não são considerados seres vivos como bem sabe, mas o vírus maçónico está bem vivo infelizmente.

"Bósnia, CTA? Conheci um Bruno Ferreira (se é esse o seu apelido segundo o utilizador Arquitecton) que era Fur SG-PARAQ em 1992 e a quem dei instrução no CFMTFA. Não é você decerto."

Certamente que não sou nem nunca estive ligado Força Aérea, visto que pertenci não ao Corpo de Tropas Paraquedistas incluído na forca aérea mas sim é ao Comando de Tropas Aerotransportadas do Exército, ou seja, após 1994.

Quanto ao Arquitecton, devo lembrar que primeiro, para ele, o meu nome era Jorge Bruno Costa, agora é Bruno Ferreira, pode ser que tente buscar mais informação inexistente minha na net e passe a ser Pedro Bruno Silva, ou Carlos Bruno Moraes. O Arquitecton não joga como o baralho completo, mas acha que é bom a poker!