Os Bichos!


Podem ficar descansados que não vou falar de Miguel Torga, mas sim dos animais.

Os animais teem de facto direitos e nós temos o dever de os proteger e de lhes garantir esses mesmos direitos. Dito isto e apesar da criticas recebidas por atacar defensores dos direitos dos animais, quero salientar que gosto deles e que os tenho em casa (digo os animais e não os defensores...).
Os meus animais comem melhor que muitas famílias, não sabem o que é estarem presos, não fazem ideia de como o ser humano pode ser violento para com eles. Sabem sim, que na sua casa são Reis, mesmo quando me chateio com eles, por me partirem a casa toda, nunca fico chateado por muito tempo, pois cedo sempre àqueles olhos de arrependimento que me fazem.

Quem protege os animais?

Serão essas sociedades da defesa dos animais, que os fecham em minúsculas jaulas?
Será a ALF ou a PETA? Que os salva das ruas e de maus donos e os abate?
Que usaram fortunas em arcas gigantescas para colocar os corpos, pois é mais economicamente viável do que a incineração dos corpos?
Será que devemos dar todos em vegetarianos ou mesmo Vegan? Tornando a existência de animais de abate obsoleta, causando a sua extinção?

Qualquer sociedade ou grupo de defesa dos direitos dos animais, acaba por torturar ou matar esses mesmo animais, colocando-os a viver sob prisão quando não os matam.
Se todos dermos em vegetarianos a existência de vacas, bois, etc, deixa de fazer sentido, pois ninguém os vai querer como despesa, só porque sim. Se dermos em Vegan, até as galinhas deixam de ter a utilidade de por ovos ou as vacas de dar leite. Esses animais acabam por ficar perto da extinção, exemplares do Zoo de cada cidade.

Até as touradas, algo que sou 100% contra, teem razão de existir. Quem é que criava touros se elas não existissem? Os únicos países que criam touros, são os que teem touradas.
Em Portugal criticamos os Espanhóis por matarem o touro na arena, mas em Portugal eles são abatidos quase sempre após a tourada. Não existe um lar para touros reformados. Agora quem é que me diz que o abate escondido de Portugal é mais humano que o público espanhol?
As touradas e largadas de touros podem continuar, mas a tortura desses animais é animalesca. Houve um grupo de defesa dos direitos dos animais em Portugal que concorda que o final das touradas, significa a extinção do touro. Louvo os esforços deles, pois apresentaram uma solução, é uma solução inviável mas é uma solução. Desenvolveram uma bandarilha que em vez de espetar o touro, simplesmente adere ao seu dorso, sendo possível aos toureiros continuarem a tourear e contabilizar os seu pontos. No entanto é inviável, pois é a dor sentida pelo touro que o enfurece, a fúria do touro é necessária para a tourada.
Gostei sim, de ter conhecimento de uma alternativa apresentada por um toureiro Mexicano. Um bandarilha que adere ao dorso do touro, sem o picar, mas que solta uma pequena carga eléctrica. Isto fará com que o touro se enfureça sem o ferir, permitindo que o touro seja usado em mais do que uma corrida.

Sou contra as touradas, para mim fazem tanto sentido, como as lutas romanas de cristãos contra leões. Mas temos de optar entre manter tudo isto de uma forma humana ou permitir a extinção do animal de maneira a salvá-lo realmente. Não existe meio termo.
Não faz sentido lutar contra a proibição de algo, quando os argumentos usados não teem peso suficiente. Faz sentido sim, dar um passo de cada vez, mudar aqui, mudar ali e em pouco tempo pode ser que seja possível a proibição. Antes temos de dar passos na humanização e educação popular, antes de os fazer ver o mundo com outros olhos.

É economicamente inviável, manter animais sem utilidade para o ecossistema ou para o ser humano. Animais como o leão, tigre são necessários para manter o equilíbrio dos seus ecossistemas, para que não aconteça como na Austrália, onde coelhos e cangurus são pragas que teem de ser controladas, devido à falta de predadores.

A luta correcta, para defender os animais, não é em gastar fortunas em abates ou asilos, mas sim em educar o povo.

Saímos de Portugal em direcção aos países do norte da Europa e não vemos animais abandonados na rua. Existem leis severas. Nem todos se podem dar ao luxo de ter um animal. Um animal não sai de uma loja sem ser registado, ninguém o pode comprar ou adoptar sem ter condições para o ter. Ter um animal é um luxo mas acima de tudo uma responsabilidade que é imposta pelo Estado. Os povos do norte da Europa não andam cá há mais tempo que os do Sul da Europa, simplesmente foram educados nesse sentido. A educação demora tempo e já devia ter começado há décadas

Só a título de exemplo, no mês passado na primeira página do diário de Hamburgo vinha a foto de um cão, com um titulo em letras garrafais "conhece este animal?". Um dono atou uns pesos ao pescoço do animal e lançou-o ao rio Elba, na esperança que o animal morresse afogado e fosse ao fundo. O cão foi salvo por um rapaz de 26 anos, que se atirou à agua gelada (o calor aqui só começa em Maio). Este crime, é crime de primeira página. Em 24h o dono foi identificado e detido.
Apesar do dono se encontrar numa situação precária, sem emprego e de ter feito aquilo ao animal num acto de desespero, continua sujeito a uma pena de prisão de 3 ANOS! Mesmo, tendo a sua situação desesperada em consideração bem como o facto do cão ter sido salvo, caso contrário poderia apanhar 10 anos. Ora bem, um gajo em Portugal mata outro e não apanha 10 anos...
Este cão foi adoptado em 72h.
Esta consciencialização da população, torna obsoleta qualquer associação dos direitos dos animais, visto que a própria lei os protege.

Eu não digo que isto aconteceu de um dia para o outro, foi um processo que levou o seu tempo, só não vejo é passos a serem tomados nesse sentido, nos países do sul da Europa.

Sim, acho que as associações existentes de defesa dos animais, são ridículas. Aceitam donativos e não faço ideia do que é feito desse dinheiro.
Parem de gritar slogans idiotas e pressionem quem tem de ser pressionado, ou seja o estado. Uma coisa é um parvo gritar "salvem os bobbys e os tarecos", sem dizer como. Outra coisa é o Estado avisar "abandonas o teu animal e fodes-te à séria". Pessoalmente, só respeito a segunda opção.

No entanto eu não culpo o estado, pois a culpa é da sociedade que fecha os olhos à situacao, permitindo que o governo faca o mesmo. Italianos, Gregos, Espanhois, Franceses, povos guerreiros que lutaram durante séculos, tornaram-se hoje em povos fracos, preguicosos, que dormem a sesta à sombra das conquistas dos seus antepassados, sem vontade nem forca para dar um murro na mesa e gritar BASTA!

Temos a frustrante mentalidade, de que estamos só de passagem e quem vier atrás que feche a porta!


30 Comentários:

  iFrancisca

sexta-feira, junho 06, 2008 5:07:00 da tarde

Faço questão de ser a primeira:

PARABÉNS CREST!!!!

Se já gostava de ti agora adoro-te!
Fico muito feliz por falares neste realidade no teu blog que é lido por milhares!
Beijo enorme e um grande abraço!
iFrancisca

  Pax

sexta-feira, junho 06, 2008 5:56:00 da tarde

E essas tuas frases finais aplicam-se a TUDO, modo geral, na nossa sociedade!
Faltam-nos os tais "tomates" que nos permitam virar mesas e por um BASTA em muitas coisas.

Gostei da alternativa, nas touradas, em relação ao infringir ferimentos ao touro.

Também sou contra tudo o que é ferir ou ignorar sofrimento. Seja humano, seja de animais.
Defendo, principalmente, quem está inferiorizado para se poder defender a si mesmo. Os animais estão nesse grupo.

Há muito a fazer, sim. Principalmente na mentalidade humana.

  A Grafonola

sexta-feira, junho 06, 2008 6:19:00 da tarde

Alto poste. Amei!!

Contudo, vejo outra função para o Touro que não a das touradas: cobridor. Se se criam cavalos para cobrição, porque não fazer o mesmo com os touros...? Aliás, só o Touro pode cobrir! Já que o boi é um touro castrado!

Há alternativas, é certo. Mas a maioria do povo é preguiçosa, como dizes. Já não sabe dar murros nas mesas. Só sabe queixar-se, queixar-se, mas depois nada faz, não se mexe, especialmente com o euro aí a chegar...como poderemos mudar alguma coisa a bem se este povinho não se une e é comodista?...

  A Grafonola

sexta-feira, junho 06, 2008 6:20:00 da tarde

E, é como se diz. A mentalidade não é algo que mude do dia para a noite...se nem o simples facto dos donos de lulus apanharem o raio dos cócós dos bichos entra na cabeça deste pessoal!! (tenho uma amiga que já foi vaiada e chamada de porca por apanhar o coco da sua cadela...)

  ceptic

sexta-feira, junho 06, 2008 9:30:00 da tarde

Assoc. que recolhem animais vadios e tratam deles, para eventualm. poderem ser adoptados, sobrevivem à base de donativos e não é obrigatório que seja €, precisam também de ração e medicamentos.

Há legislação que protege os direitos dos animais, só que esta é ignorada!

E as touradas deveriam acabar! Certamente que haverá outra alternativa para os touros além das touradas!

E a tvi ou qualquer canal televiso deveria ser proibido de transmitir a palhaçada das touradas!

E se uma tourada serve para evitar a extinção do touro, qual é argumento para as vacadas?

bjs

  Ondinhas

sexta-feira, junho 06, 2008 9:46:00 da tarde

temos de educar as pessoas!

eu agora não tenho animais, por falta de tempo para cuidar deles, que merecem boa companhia e tudo mais.
tive um rafeiro, TARIK, que era louco por gatos e foi ferido de morte por um funcionário camarário...
imagina: o cão corre atrás do gato, o gato entra num contentor, o cão entra também, o gato sai, e quando o cão vai saltar o funcionário fecha a tampa e parte-lhe as patas em 3 sitios!

Ve-se bem aqui quem era o selvagem...mas a nossa justiça nada fez!

Educar é preciso!

excelente post

  Anónimo

sábado, junho 07, 2008 3:04:00 da manhã

Por um acaso do destino vim parar ao seu blog e, desde aí (já lá vão uns mesitos!), tenho dado uma espreitadela sempre que posso.

Este seu post levou-me a tomar a iniciativa de deixar o meu breve comentário, até porque sou de uma terra onde há, sobretudo, imensas touradas à corda que fazem um sem número de pessoas correr pelas ruas numa disputa desenfreada com o touro!

Decerto não podia estar mais de acordo consigo. Pena é que há tradições que estão de tal forma enraizadas que falar em proibir touradas é como sujeitar-se a morrer queimado na fogueira como no tempo da Inquisição. Lamentável, não?!


Cristina

  Pax

sábado, junho 07, 2008 9:50:00 da manhã

Só mais uma coisa:
Apesar de concordar com a alternativa à bandarilha nas touradas que adira e não fira, quem nos garante que esses choques eletricos serão "pequenos"?
No sei se, afinal, não será mais uma forma de mostrarmos o nosso egoísmo, assistindo a um espectaculo igualmente bárbaro e doloroso para o animal, mas sem termos que lidar com a visão do sangue, portanto, menos violento mas para NÓS.

É uma opinião.

  Dark Beauty

domingo, junho 08, 2008 4:45:00 da tarde

Acompanho o teu blog há um tempo já, e este foi, definitavamente, um Greande Post. grande de tamanho, tambem, mas tocou numa realidade que nem todos temos a coragem de ver, apesar de saber que é assim mesmo..

Abraço *

  turbolenta

domingo, junho 08, 2008 4:50:00 da tarde

Tens razão. Aqui em Portugal há imensas instituições para defesa dos animais. Recebem dinheiro e obras, nada!(ninguém sabe para onde ele vai, como disseste.-)ou melhor: vai para casas, carros e barcos dos fundadores da maior parte delas.Mas isso é outro caso.
Altas vozes se levantam.Todos querem uma cãozinho ou um gatinho. Mas quando vão de férias, lá fica o animal ao abandono na rua.
Depois há ainda o facto de, na maior parte das ruas, principalmente de Lisboa, o mais comum dos mortais não poder andar à vontade. É que grandes"cagadas"sujam os pés dos mais incautos. Há que ver muito bem onde se põem os pézinhos, senão, o mais pequeno descuido é a morte do artista.
Raras são as pessoas que andam munidas do saco plástico e da vassoura e pá para limparem os dejectos dos seus amigos de estimação.
Há placas que dizem:"....coimas de tantos €€€". Mas, na verdade não passa de publicidade gratuita e intimidatória, pois não há fiscalização em cima do acontecimento.
Quem tem animais em casa tem de ter consciência que eles, tal qual as pessoas, precisam de ter comida a tempo e horas, higiene correcta e carinho. Infelizmente muitos só os querem para brincar e passar algum tempo. Nas férias, são um fardo e rua com eles.
Gosto de animais. Já tive alguns.Á medida que vão morrendo não os substituo. A idade não perdoa. Não tenho demasiado tempo. Não há ninguém cá em casa que queira tratá-los, com responsabilidade.Então, opto por deixar essa tarefa a quem os quiser ter.
boa semana

  Abobrinha

domingo, junho 08, 2008 7:07:00 da tarde

Crestfallen

"Se todos dermos em vegetarianos a existência de vacas, bois, etc, deixa de fazer sentido, pois ninguém os vai querer como despesa, só porque sim"

Faz sentido criar animais em condições desumanas só para usarmos e abusarmos dos produtos que deles extraímos? Para os consumirmos em excesso, o que acaba por nos fazer mal em primeiro lugar?

Mais: existir em grande sofrimento e ter como único fim ser matéria-prima de fábricas de carne e derivados é assim tão superior a não existir sequer?

Pior ainda: assumes que tudo tem que valer para o ecossistema ou para o homem e nem fazes a fronteira. Possivelmente o erro está em assumir que a natureza existe para nos servir e não que somos parte dela e não podemos abusar dela.

Não entendo a justificação das touradas e acho que as alternativas que apontas são patéticas. As touradas são bárbaras e se não tiverem o sangue e sofrimento do animal não têm piada. Mas vão morrer de morte natural porque não são economicamente viáveis e porque as pessoas começam a vê-las pelo que são: espectáculos bárbaros e desumanos.

Eu sou vegetariana porque sou contra a exploração intensiva e desumana de animais. O impacto que tenho é pequeno mas real. Comecei também a dar-me conta gradualmente do exagero que é o consumo de carne. Tudo é carne cozinhada e quando não é, acrescenta-se coisas para lhe dar o aroma de carne... um exagero para o nosso corpo e uma crueldade intolerável para os animais.

Em relação às associações de defesa dos animais, eu defendo o abate de animais que não são adoptados ou aos quais não é possível dar uma vida digna: para quê manter um cãozinho sem amor, fechado numa gaiola ínfima e só alimentado? Que humanidade revela isto? Abatê-lo não resolve problema nenhum, mas acaba com o sofrimento.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 12:41:00 da manhã

iFrancisca:

"Se já gostava de ti agora adoro-te!"

Isso é porque sou adorável :P

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 12:43:00 da manhã

Pax:

"Há muito a fazer, sim. Principalmente na mentalidade humana."

De certos humanos, pois felizmente há sociedades inteiras que marcam pela diferenca. Destaco os países escandinavos.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 12:47:00 da manhã

A Grafonola:

"Contudo, vejo outra função para o Touro que não a das touradas: cobridor. Se se criam cavalos para cobrição, porque não fazer o mesmo com os touros...?"

Na verdade os touros sao usados só para cobrir, quando se procuram mais touros.

"Aliás, só o Touro pode cobrir! Já que o boi é um touro castrado!"

Existem bois de cobricao, que sao usados nesse campo, por serem menos agressivos.

"especialmente com o euro aí a chegar..."

Se Portugal nao ganha as pessoas juntam-se e gritam BASTA, tudo para culpar o treinador. Nestas merdas o povinho junta-se!

"(tenho uma amiga que já foi vaiada e chamada de porca por apanhar o coco da sua cadela...)"

Há quem goste de viver na merda.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 12:58:00 da manhã

ceptic:

"Assoc. que recolhem animais vadios e tratam deles, para eventualm. poderem ser adoptados, sobrevivem à base de donativos e não é obrigatório que seja €, precisam também de ração e medicamentos."

Mas eles sao abatidos, se nao forem queridos e fofinhos, ou se ninguém os adptar.

Na minha opiniao, numa sociedade educada estas associacoes sao obsoletas.

"Há legislação que protege os direitos dos animais, só que esta é ignorada!"

Na sua maioria em países latinos! É um problema social, cultural e nao geral.

"E as touradas deveriam acabar! Certamente que haverá outra alternativa para os touros além das touradas!"

Na verdade nao encontro opcao, tal como com o final dos massacres publicos romanos, deixou de haver Gladiadores.

"E a tvi ou qualquer canal televiso deveria ser proibido de transmitir a palhaçada das touradas!"

A oferta depende da procura, isto é um principio empresarial. Há audiencia que justifique a transmissao.

"E se uma tourada serve para evitar a extinção do touro, qual é argumento para as vacadas?"

Nas vacadas o animal nao é espetado nem morto.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 1:00:00 da manhã

Ondinhas:

"tive um rafeiro, TARIK, que era louco por gatos e foi ferido de morte por um funcionário camarário..."

Um crime punível por qualquer sociedade evoluida.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 1:03:00 da manhã

Anónimo Cristina:

"Decerto não podia estar mais de acordo consigo. Pena é que há tradições que estão de tal forma enraizadas que falar em proibir touradas é como sujeitar-se a morrer queimado na fogueira como no tempo da Inquisição. Lamentável, não?!"

Lamentável sim. E isso deve-se à falta de educacao popular, à falta de iniciativas de os sensibilzar.

Lembra-se de um anúncio do whisky JB, "a tradicao já nao é o que era".
Era tradicao "arranjar" casamentos. Era tradicao a mulher submeter-se a maus tratos. Tudo mudou com a criminalizacao de certos actos.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 1:07:00 da manhã

Pax:

"Apesar de concordar com a alternativa à bandarilha nas touradas que adira e não fira, quem nos garante que esses choques eletricos serão "pequenos"?"

Nada nos pode garantir e mesmo esse choques sao um crime, mas é um passo em frente e nestes casos a melhor maneira de mudar as mentalidades é fazendo pequenas alteracoes.

Demorou séculos para que o homem perceba que a mulher tem os mesmo direitos que ele. No caso das touradas, pequenos passos hoje, podem acabar com este crime em décadas. Décadas é pouco tempo se pensarmos nos séculos de crimes contra os touros.

"No sei se, afinal, não será mais uma forma de mostrarmos o nosso egoísmo, assistindo a um espectaculo igualmente bárbaro e doloroso para o animal, mas sem termos que lidar com a visão do sangue, portanto, menos violento mas para NÓS."

Menos violento para nós e para o animal. Isto é só um passo.

Se eu fosse condenado por um crime e me fosse dados a escolher entre uns choques eléctricos ou uns ferros espetados nas costas, a escolha é óbvia.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 1:08:00 da manhã

Dark Beauty:

É preciso mudar e para isso temos de dar um passo em frente, por mais pequeno que seja.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 1:18:00 da manhã

turbolenta:

"Todos querem uma cãozinho ou um gatinho. Mas quando vão de férias, lá fica o animal ao abandono na rua."

Por falta de controlo no registo dos animais. Se eu nao levo os meus animais ao veterinário, ele telefona-me, se eu recuso, as autoridades caem-me em cima imediatamente.

"Depois há ainda o facto de, na maior parte das ruas, principalmente de Lisboa, o mais comum dos mortais não poder andar à vontade. É que grandes"cagadas"sujam os pés dos mais incautos."

Mas aí há 2 problemas, a falta de educacao e falta de higiene estatal.

Na minha antiga casa, todos os dias tinha merda à porta quando saía para trabalhar, pois entre a 06 e as 08 todos os vizinhos vao passear os animais antes de irem para o trabalho. Quando volto ao fim do dia, toda a merda foi limpa, por vezes pelos donos, mas na maioria das vezes, pelos varredores de rua, que sao milhares e o motivo da cidade de Hamburgo ser das mais limpas da Europa.

"Infelizmente muitos só os querem para brincar e passar algum tempo. Nas férias, são um fardo e rua com eles."

Aqui noto que os donos sao responsáveis, levam os caes a passear antes de irem para o trabalho e imediatamente quando chegam, ou contratam uma das centenas de empresas e privados que passeiam animais.

  Crestfallen

segunda-feira, junho 09, 2008 1:41:00 da manhã

Abobrinha:

"Faz sentido criar animais em condições desumanas só para usarmos e abusarmos dos produtos que deles extraímos? Para os consumirmos em excesso, o que acaba por nos fazer mal em primeiro lugar?"

É verdade, mas a opcao seria deixá-los livres numa zona protegida e teriamos de ir todos os dias depois do trabalho cacar, como nos tempos primitivos. Somos carnívoros e temos de aceitar isso.

Temos o KFC que nao vende carne de galinha que nunca foi animal, é uma opcao que a maioria nao tolera. Já podemos fazer tecido animal sem criar animais.

Mas estaremos preparados?

"existir em grande sofrimento e ter como único fim ser matéria-prima de fábricas de carne e derivados é assim tão superior a não existir sequer?"

Muitos seres humanos exitem em sofrimento, isso é natural.

Mas será que as plantas nao sentem?
Ainda hoje nao se consegue explicar o motivo pelo qual ao cortar uma cove num campo, todas as outras emitem vibracoes. Nao será isso um indício de uma possível consciencia?

"Pior ainda: assumes que tudo tem que valer para o ecossistema ou para o homem e nem fazes a fronteira. Possivelmente o erro está em assumir que a natureza existe para nos servir e não que somos parte dela e não podemos abusar dela."

Já abusámos dela, sempre abusámos dela. Mas sem esse uso e abuso, seria a nossa exitincao. O homem nao está preparado para se inserir na natureza, mas sim para a dominar, somo os predador supremo e isso será a nossa extincao. A natureza vai sobreviver ao homem e recuperar sem nós.

"Não entendo a justificação das touradas e acho que as alternativas que apontas são patéticas. As touradas são bárbaras e se não tiverem o sangue e sofrimento do animal não têm piada."

Temos as Vacadas que nao envolvem sague e mesmo assim nao terminam. Proibir de um momento para o outro nunca resultaria. As opcoes sao um pequeno passo para educar o povo e passo a passo se chega a um destino. Patético é proibir de um momento para o outro, assim ninguém aprende, ninguém evolui. Só nao o faz porque é proibido, mas quando ninguem estiver a ver...

"Eu sou vegetariana porque sou contra a exploração intensiva e desumana de animais."

És vegetariana ou Vegan? Pois se és vegetariana e bebes leite:
As vacas estao em jaulas minúsculas onde levam injeccoes para que os seus corpo se comportem como se estivessem prenhas e assim dar sempre leite. Comes ovos? As galinhas sao tratadas do mesmo modo. Comes gelatina? Queijo, Gelados? Uma bela maionaise sobre a tua salada?

Será que os vegetais sao insensíveis?

"Em relação às associações de defesa dos animais, eu defendo o abate de animais que não são adoptados ou aos quais não é possível dar uma vida digna: para quê manter um cãozinho sem amor, fechado numa gaiola ínfima e só alimentado?"

Agora substitui "animais" por orfaos...
É este o perigo da mentalidade de abate, pois pode-se aplicar a tudo. Se o animal tem direitos que devem ser respeitados pelo homem, um deles é o direito de existir, independentemente da sua utilidade, finalidade ou falta dela.

"Que humanidade revela isto? Abatê-lo não resolve problema nenhum, mas acaba com o sofrimento."

Retirando esta frase do contexto e colocando-a num texto em relacao ao ser Humano, o caso muda de figura e tu de opiniao.

Matar, como forma salvar é também uma forma cruel, que considero "salvar" como uma desculpa. Além disso o conceito de "salvacao" é discutível.

  ceptic

segunda-feira, junho 09, 2008 3:44:00 da manhã

Em teoria os animais permanecem na associação até o final dos seus dias em caso de não adopção.. acredito que não aconteça em canis municipais, agora associaçoes para o efeito, não o fazem a não ser que o animal esteja com algum problema que não possa ser tratado ou represente risco para outros!

Mas é cruel à mesma!Se te puxassem o rabo por desporto, duvido que gostasses :P

  Sandra

segunda-feira, junho 09, 2008 11:45:00 da manhã

Alguém disse um dia que "o grau de civismo de um país mede-se pela forma como tratam os seus animais" e eu concordo.

De facto, os países do norte da Europa são exemplares neste assunto. Na Suíça foi aprovada uma lei que entrará em vigor em Setembro (penso eu) que diz que quem quiser adoptar um cão terá que fazer uma pequena formação antes (5h aulas teóricas + 10h aulas práticas).

Em Portugal abandonam-se os animais, atiram-se cães da varanda abaixo, tudo isto na maior impunidade. É triste...

Quanto ao vegetarianismo/veganismo... concordo que actualmente consome-se demasiada carne e que a forma como os animais de consumo são tratados pela indústria não é nada dignificante. No entanto, rejeitar por completo a carne é também rejeitar algo que nos permitiu evoluir para o que somos hoje, principalmente a nível cerebral. O organismo precisa de tudo um pouco, o segredo está em manter uma alimentação equilibrada e quando são necessários suplementos vitamínicos para equilibrar o organismo, isso não acontece. Digo eu...

  Abobrinha

terça-feira, junho 10, 2008 1:52:00 da tarde

Crestfallen

Os vegetais não têm o tipo de sentimento que têm os animais. E os animais não sentem de modo idêntico. Não é tudo igual ao litro e só um animal com uma capacidade de raciocínio como o homem é capaz de distinguir entre eles. Nem sempre bem, é claro.

O homem não é carnívoro mas omnívoro. E não é um predador e o caminho da humanidade não tem que ser a aniquilação: temos cérebro suficiente para impedir isso e viver felizes com o resto do planeta. Basta querer muito e pressionar os governos no sentido certo.

Nós estamos a comer carne a mais. Nós não somos felinos (que são exclusivamente carnívoros). Se não somos, porque é que nos tratamos como tal? Eu sou vegetariana porque posso: estou completamente desenvolvida fisicamente e não preciso de mais proteína animal (preciso sim de suplementos de vitamina B12, que obtenho facilmente por suplementos de levedura de cerveja). Não arranjei ainda alternativa ao cálcio nem para couro (sim, eu calço couro e tenho malas de couro). Além de não querer ter os ossos quebradiços (não vejo em que é que a humanidade melhoraria), torna ainda mais fácil a minha vida social. Como pouquíssimos ovos e vêm da criação dos meus pais.

Só abdicaria do vegetarianismo numa situação: gravidez! Não vejo contradição nessa situação: o vegetarianismo é escolha minha e não o posso impor a um filho que não se desenvolveu fisicamente e não fez essa escolha. Mas em termos de tirar a vida a animais para criar um filho, isso também é consistente: eu mataria por um filho meu!

O que dizes do sofrimento para mim faz sentido: a vida não é absoluta, mas o sofrimento é. Eu escolheria terminar a vida em determinadas circunstâncias em que a o meu sofrimento ultrapassasse a minha vontade de viver. Também se tomam essas decisões passivemente, quando os médicos se abstêm de prestar todo o auxílio que podem, sabendo que só prolonga a vida mas também a agonia. São coisas que têm que ser faladas mais profundamente mas sujeitas a regras éticas mais ou menos inatacáveis (porque nada é inatacável) e não só faladas pela rama.

Desconheço esse produto do KFC, mas só o usaria se me dessem garantias de que é seguro. Mas o princípio do abuso mantém-se: não precisamos de tanta proteína animal e precisamos muito de mais vegetais e fruta. E eu não gosto do KFC. Gosto moderadamente do McDonald's, mas desgosto seriamente do KFC.

Por isso estás a ver: não sou perfeita nem para lá caminho, mas sou coerente e tenho a perfeita noção das minhas falhas.

  Zaka

quinta-feira, junho 12, 2008 2:12:00 da tarde

Ehpá... :venia:

  Crestfallen

quarta-feira, junho 18, 2008 2:31:00 da manhã

ceptic:

"Em teoria os animais permanecem na associação até o final dos seus dias em caso de não adopção.."

Dou como exemplo a Nazaré, sao abatidos ao fim de uma semana, quando nao reclamados, os que sao adoptados sao os que esperam o final da semana para serem abatidos.

Nao há associacoes que reclamem animais junto dos canis municipais.

A PETA abate todos os que nao sao "fofinhos", isto é só um exemplo.

"Mas é cruel à mesma!Se te puxassem o rabo por desporto, duvido que gostasses :P"

Tudo bem, mas ninguem gosta de proibicoes. O que peco é passo a passo mudar para que um dia se possa acabar com isto sem problemas.

  Crestfallen

quarta-feira, junho 18, 2008 2:36:00 da manhã

Sandra:

"Na Suíça foi aprovada uma lei que entrará em vigor em Setembro (penso eu) que diz que quem quiser adoptar um cão terá que fazer uma pequena formação antes (5h aulas teóricas + 10h aulas práticas)."

100% de acordo.

"No entanto, rejeitar por completo a carne é também rejeitar algo que nos permitiu evoluir para o que somos hoje, principalmente a nível cerebral. O organismo precisa de tudo um pouco, o segredo está em manter uma alimentação equilibrada e quando são necessários suplementos vitamínicos para equilibrar o organismo, isso não acontece."

Concordo, uma dieta à base de carne é errada, mas à base de vegetais também nao é saudável.

É um erro pensar que já estamos evoluidos e que nao precisamos de carne. ERRADO, o ser humano ainda está nos primórdios da sua evolucao, nunca irá evoluir totalmente pois nao teremos planeta onde viver. A carne é necessária, uma crianca hoje, usa uma maior precentagem do seu cérebro do que Dom Afonso Henriques, uma percentagem minima, mas também só umas centenas de anos os dividem.

  Crestfallen

quarta-feira, junho 18, 2008 3:02:00 da manhã

Abobrinha:

"Os vegetais não têm o tipo de sentimento que têm os animais."

O tipo de sentimento de uma planta ainda está por provar.

"E não é um predador"

Somos predadores, somos o topo da cadeia alimentar, isso aprende-se em qualquer aula de Meio-Fisico no primeiro ciclo.

"e o caminho da humanidade não tem que ser a aniquilação"

Pois nao tem, mas o mal que fazemos, nao se resume aos animais, inclui também os vegetais.

"Nós estamos a comer carne a mais."

Se dermos todos em vegetarianos passamos a comer vegetais a mais.

"Eu sou vegetariana porque posso: estou completamente desenvolvida fisicamente e não preciso de mais proteína animal"

Tu nao estás completamente evoluida, simplesmente nao tens esperanca de vida para evoluir mais. Mas a tua evolucao continua nos teus possíveis filhos e o que comes irá afectar a tua descendencia. Da mesma maneira que quem come só carne irá prejudicar a sua descendencia.

"Não arranjei ainda alternativa ao cálcio nem para couro (sim, eu calço couro e tenho malas de couro). Além de não querer ter os ossos quebradiços (não vejo em que é que a humanidade melhoraria), torna ainda mais fácil a minha vida social. Como pouquíssimos ovos e vêm da criação dos meus pais."

Tudo bem, mas como toda a gente consomes produtos que derivam do sofrimento de animais. Usas perfumes, batons, verniz, cremes hidratantes, gel de banho, etc e tomas medicamentos. O consumir unicamente vegetais, nao altera em nada, só a tua maneira de pensar.

A nossa (des)evolucao é criminosa, só temos de aceitar, mas tentar minimizar danos desnecessários, como as touradas.

"eu mataria por um filho meu!"

Ora isto coloca tudo em causa. O dono de um aviário, mata pelos filhos dele.

"Eu escolheria terminar a vida em determinadas circunstâncias em que a o meu sofrimento ultrapassasse a minha vontade de viver. Também se tomam essas decisões passivemente, quando os médicos se abstêm de prestar todo o auxílio que podem, sabendo que só prolonga a vida mas também a agonia."

Mas ninguém pode obrigar um médico a dar assistencia a uma morte, eles fazem um juramento, o objectivo é salvar vidas e o que nao tem cura hoje, poderá ter amanha.

Quem está em sofrimento, porque é que em vez de pedir a morte nao cede o seu corpo e a sua doenca como cobaia para testes? É possivel ser-se cobaia voluntáriamente, poupando assim a vida de imensos macacos, caes e ratos.

Nao queremos ver animais sofrer, mas queremos os luxos que o sofrimento dele nos proporciona.

"Desconheço esse produto do KFC, mas só o usaria se me dessem garantias de que é seguro."

Milhares de pessoas comem a chicken wings, as perninhas de frango do KFC, essa carne nunca foi um frango, daí eles hoje se chamarem KFC, pois foram proibidos de se chamarem Kentuky Fried Chicken, visto que aquilo nao é chicken.

  Crestfallen

quarta-feira, junho 18, 2008 3:09:00 da manhã

Zaka:

Lol

  Abobrinha

sexta-feira, junho 20, 2008 1:56:00 da manhã

Crestfallen

Um vegetal, como qualquer ser vivo, tem mecanismos para sobreviver. Isso implica defesas como produção de substâncias que tornem a sua injestão desagradável e comunicação de ataque às vizinhas. Não é o mesmo que dor, como num animal.

"Somos predadores, somos o topo da cadeia alimentar, isso aprende-se em qualquer aula de Meio-Fisico no primeiro ciclo."

Fiz um bocadinho mais de escola que isso e aprendi mais que o que dei na escola. Não somos predadores desse modo e há muitas pirâmides. Como argumento não pega.

"Tu nao estás completamente evoluida, simplesmente nao tens esperanca de vida para evoluir mais."

Crescer agora só se for para os lados. Crestfallen, estou em manutenção: já cresci o que tinha que crescer. O meu corpo está preparado para me reproduzir e controlar o envelhecimento. A única coisa nova que formará será um filho. E aí já não sou eu.

"Ora isto coloca tudo em causa. O dono de um aviário, mata pelos filhos dele."

Porque não cultivar legumes?

"O consumir unicamente vegetais, nao altera em nada, só a tua maneira de pensar."

São menos animais que morrem. Não é perfeito mas é a minha contribuição. Mas o impacto não é só a minha maneira de pensar.

"Mas ninguém pode obrigar um médico a dar assistencia a uma morte, eles fazem um juramento, o objectivo é salvar vidas e o que nao tem cura hoje, poderá ter amanha."

O que é salvar a vida? É manter uma vida ou dar-lhe dignidade e conforto? Repito: há casos de omissão de auxílio com o declarado objectivo de causar a morte. Médicos fazem isso. É complexo e não é preto e branco, mas são coisas que têm que ser faladas.

"Quem está em sofrimento, porque é que em vez de pedir a morte nao cede o seu corpo e a sua doenca como cobaia para testes? "

Cede o teu! E depois, que tipo de testes farás num corpo que já está tão manipulado? Isto nem ético é! Para falar verdade, é mesmo um disparates, desculpa que te diga.

"Se dermos todos em vegetarianos passamos a comer vegetais a mais. "

Isto também é um disparate e bem grande: os animais que comemos comem vegetais. Ao eliminar o animal da cadeia alimentar há uma redução no consumo de vegetais. E por aí diante: de água, terreno arável, poluentes, etc. Aliás, lembro-me desse esquema algures no meu 7º ou 8º ano de liceu. Aprendi mais umas coisas entretanto, mas esse continuou a ser verdade.