Zeitgeist (parte 2) Venus Project

Toda a ideia em torno do Venus Project é interessante a aliciante e admito que estive interessado em tudo relacionado com o projecto tendo até pensado em juntar-me a ele. Obviamente antes de tomarmos uma decisão que nos expõe e que nos coloca a trabalhar temos de questionar tudo, incluindo as nossas motivações.

 (Venus Project: semelhante às 3 pirâmides de Gizé)

O projecto é da responsabilidade de um visionário futurista chamado: Jacque Fresco.
O projecto assenta na ideia de uma sociedade unida livre de religião, de dinheiro e de governos. Esta nova sociedade controla, gere e partilha de forma igual todos os recursos do planeta onde juntos trabalham para o bem comum. Assenta na ideia de criação de bens que durem em vez do actual sistema de bens descartáveis para motivar o consumismo. Uma boa ideia certo?

A minha opinião mudou no dia em que me desloquei para assistir a uma conferencia onde Jacque Fresco seria o orador principal e onde se iria disponibilizar para responder a perguntas no local e ao vivo.

 (Venus Project: Semelhante a Stonehenge)

Aproveitei que a assistência hesitava em colocar perguntas e dei inicio às minhas.

Pergunta 1:
O que levaria o Homem, egoísta por natureza, a partilhar de forma igual os recursos?

A resposta 1:
Os recursos são automaticamente distribuídos de forma igual com o objectivo de melhoria da qualidade de vida da civilização.

Pensem comigo: O Homem, toda a humanidade a partilhar? Então os homens por regra desejam ter o pénis maior que o vizinho e iriam contentar-se com uma casa igual, um carro igual, uma vida igual? Uma mulher que deseja parecer melhor e vestir melhor que a vizinha iria contentar-se em ser mais uma na multidão sem nada que a destaque a não ser a beleza natural?

Ok, não há dinheiro, há sim um objectivo mas o que te levaria a vires construir a minha casa?
A resposta a esta pergunta é o RepRap, um aparelho funciona como uma impressora que em vez de imprimir em papel duplica um objecto e até se duplica a ela própria. Tendo uma podemos fazer outra e oferecer até que toda a gente tenha uma. Com ela poderíamos duplicar qualquer utensílio desde uma colher até um carro ou ainda uma casa. Uma RepRap poderia construir uma casa em 1 dia sem desperdício de recursos. Esta invenção que já existe é uma das mais fortes armas do Venus Project.

Pergunta 2:
Se o poder absoluto corrompe absolutamente e se o Homem é corrompido por ele. O que nos garante que os responsáveis pela divisão por igual dos recursos não serão corrompidos a guardar uma parte maior para eles?

Resposta 2:
Não havendo dinheiro não há nada a ganhar com corrupção. Além disso os recursos não seriam distribuídos por Homens mas sim por um sistema informático que sendo inteligência artificial não é corruptível.

Pergunta 3:
Mas sendo um sistema informático o responsável pela divisão de recursos, ele teria de ser programado e supervisionado por humanos que teriam mais poder que todos os outros e por isso seriam corruptíveis.

(Durante esta pergunta sou interrompido de uma forma deselegante por uma das assistentes que me diz que fiz perguntas suficientes e que teria de deixar outros fazerem perguntas. Neste momento olhei em volta e ninguém tinha o braço levantado e por isso insisti na resposta.)

Resposta 3:
Mas numa sociedade sem dinheiro eles não teriam nada a ganhar e com o tempo seriam auto-programáveis e não necessitariam de supervisão.

Pergunta 4:
Terá sempre de haver manutenção! Não existindo dinheiro, os recursos do planeta não seriam o novo poder? Quem controlar os recursos, controlará a sociedade na ausência de dinheiro?

Pela segunda vez a assistente dele não permite que Jacque Fresco responda e o meu microfone fica sem som e minutos depois, já sentado, vi-me a ser acompanhado para fora da sala. Durante a minha saída houve aplausos que não liguei às minhas questões mas talvez ao facto de ter sido calado.

(Venus Project: Um edifício que mais parece um tempo a Gaia (New World Order))

Jacque Fresco é um visionário e acredito que esteja cheio de boas intenções. Os seus projectos imobiliários são excelentes em todos os aspectos, as suas ideias muito bem intencionadas e não o vejo como uma ameaça. O meu problema é que todas as boas ideias podem ser corrompidas e não podemos esperar que um homem de 94 anos lidere o projecto para sempre.

Haverá sempre alguém a tomar o poder, a tomar decisões sobre o que é e não é feito, sobre o que a sociedade precisa, sobre a forma como os recursos do planeta são distribuídos e não podemos esperar honestidade da humanidade pois todos queremos se certa forma ter, ser, parecer melhores/mais que os outros.

Se neste momento vivemos numa escravatura voluntária inconsciente, com este projecto tornado realidade viveríamos numa dependência total sem opção.
Com o actual sistema económico corrupto se te opões ao poder central podes perder, no mínimo, o teu emprego mas poderás sempre encontrar formas de sobreviver quer seja num outro emprego ou até numa auto-exclusão da sociedade exilando-te numa quinta e vivendo da terra (drástico mas possível). Com este proposto sistema distópico, o que aconteceria a quem se insurgisse contra o poder central pseudo-não-existente? Não poderíamos perder o emprego pois ele não existe. Não poderíamos perder a nossa parte na distribuição de recursos pois fazemos parte do todo, mas não poderíamos optar por uma auto-exclusão da sociedade para viver independentemente da terra pois não há propriedade, a terra não é tua e os frutos que retiras dela pertencem a todos. Ficamos desta forma privados de liberdade, privados de escolha e prisioneiros de uma sociedade. A sociedade deixa de ser uma união voluntária de seres humanos passando a ser uma união obrigatória.

 (VenusProject - Verdade escondida: Humanos perante a 3 pirâmides modernas observando Hórus o Deus sol com 13 pássaros que o circundam. O famoso 13 das 13 famílias que controlam actualmente a economia mundial, as 13 famílias maçónico-Illuminati.)


O Venus Project parece-me desta forma como um bem financiado plano B da Nova Ordem Mundial, pois se a população mundial se insurgir e vencer as elites que nos querem impor o seu poder tirano e total, as pessoas terão a tendência para se aproximar de uma ideia oposta e essa ideia é o Venus Project que por um outro meio nos levará ao mesmo destino. Um mundo sem dinheiro, sem religião, sem politica mas também sem liberdade e uma vida de dependência sem possibilidade de contestação ou fuga, e tudo em nome de um bem maior que mais do que utopia é uma distopia.

(continua)

13 Comentários:

  lunatiK

segunda-feira, janeiro 31, 2011 9:20:00 da tarde

Viva

ou seja eles estão em todo o lado, atacam em todas as frentes... preso por ter cão e preso por não ter.
Resta-nos absorver o máximo de informação possível, e estar sempre atento a estas "boas intenções".
Cumps.

  Luca Alemar

segunda-feira, janeiro 31, 2011 10:22:00 da tarde

As vezes acho que minha vida ficou muito séria (até um pouco triste) depois que comecei a questionar os aspectos práticos das utopias, pois nunca consegui encontrar nenhuma em que conseguisse crer possível.

Já tive meu breve momento de fascínio pelo Projeto Venus, majormente pela beleza estética das comunidades planejadas. Como condomínios fechados teriam mais sucesso do que como alternativas de sociedade.

Atualmente me prostituí ao capitalismo, honestamente não tenho capacidade intelectual para me fazer acreditar em nenhum outro sistema melhor preparado para se adaptar do que este. Digam o que quiserem, o capitalismo venceu por boas razões e não acho que destruí-lo será a salvação da humanidade. Se eu pudesse faria apenas uma alteração no nosso sistema atual, limitação de riqueza. Eu vivo confortavelmente com a idéia de ser diferente, ter mais que uns e menos que outros. Só não consigo conceber como uma sociedade permite que uma pessoa faça turismo na Estação Espacial Internacional enquanto outro morre de fome. O problema para mim não é a desigualdade que o capitalismo cria, de certa forma essa desiualdade é uma ferramenta de estímulo, o grande x da questão é o abismo que o sistema criou entre suas partes.

Pensando bem, ainda acredito em uma utopia, ser capaz de viver no campo, do que a terra me oferecer, mas ainda vou levar uns bons anos para conseguir colocar este sonho em prática, até lá, preciso ganhar dinheiro pra comprá-lo... bendito capitalismo...

  I.D.Pena

terça-feira, fevereiro 01, 2011 12:17:00 da manhã

Concordo em absoluto, não vai dar em nada é um beco como qualquer outro, a ideia é criar outras opções, mas todas elas vivem e acabam na escravização. O que tem que mudar é o interior, a vontade de mudar de ajudar de forma individual e consciente, mas isso dá muito trabalho. Como pensar e mastigar com calma.
A manobra fascista de propaganda É permanentemente estarem nos a por numa corda bamba para que caiamos numa emboscada, parece paranoico mas mais paranoico é os scans dos aereoportos, alias este folclore new age é ridiculo . Um esquema estupidificante.

  Streetwarrior

terça-feira, fevereiro 01, 2011 12:55:00 da manhã

Bruno, o objectivo é bem mais simples.
Pensemos...
O que pretende a Nova Ordem Mundial?
Unir-nos debaixo de 1 governo mundial,moeda global e sistema de justiça global...correcto?
O que é que todas estas C.Social "alternativas" nos propõem?
Que nós,somos uma só " consciência global " independente da raça,credo ou língua, ou seja, exactamente o que a NOM quer que pensemos,para mais facilmente aceitarmos o plano.

O que nos prepõe o Venus project?
Que abdiquemos da nossa identidade cultura, fronteiras,dinheiro, etc...ou seja, o mesmo que a N.O.M

O que nos oferecem?
Um sistema sem dinheiro, sem termos que trabalhar ( Impossivel, pois o homem como especie sempre teve e tem que se sustentar e para isso tem que se fazer á vida)em que a administração de todo o planeta seria feita através de automação.
Mas como questionas e bem, quem programaria as maquinas?
Para começar, teria que ser quem sabe administrar...o que teria um principio que eles ( Elite ) não iriam deixar por mãos alheias, pois o projecto terá que ser financiado por alguém com poder para tal...
Eles dizem que futuramente as maquinas fariam isso por elas proprias...ok...mas para isso,teriamos que estar, nós também inseridos como uma parte do programa ou software para que ela conseguisse desempenhar a sua função sem ter em conta desejos ou sentimentos...mas como?
Através de um numero de serie inserido em nós como objecto..e todos sabem que será o codiigo de barras como pretenderam com a criação da IBM e a numeração piloto nos Judeus nos C.Concentração.

O que eles têm a ganhar?
Tudo....para começar, apesar de não haver dinheiro mas haverá sempre recursos e os melhores serão sempre para eles, nem que seja por exemplo,uma parte do mundo automatizada onde todo o sistema funcionaria através de nós,( escravos numerados) e outra completamente isolada através de programação tipo rede onde nós nunca conseguiriamos aceder, para a elite estar descansadinha.

Então, quer dizer, num mundo animal onde na especie Homo Sapien Sapien tal como em muitas especies, haverá sempre por descendencia ou competição um Macho Alpha, como eliminariam eles esses genes? A ganancia? A inveja? a Ambição?
Talvez pela Eugenia que tanto sonham.... e isso, esses sentimentos não é inerentes ao dinheiro, pois as crianças antes de lidarem com dinheiro ou posses têm estes comportamentos.
Eles pretendem através de propaganda,aliciarnos para uma vida sem trabalho,com os mesmos direitos de uma Elite conseguida atravcés de milénios á força...e eles abdicariam disso, assim sem pestanejar...sem luta.
Está bem...e eu é que sou o Burro!!

Eles estão é, tal como disse o Brezzinski, a topar, que cada vez mais, as massas estão politicamente despertas para a manipulação e corrupção que é inerente ao próprio sistema de competitividade e que num futuro muito próximo, irão tornar-se ingovernável politicamente, logo, tal como outras civilizações caíram( Império Egípcio,Grego,Romano, Etc.)por estas mesmas razões, estão já a por em curso, um plano, á muito antecedido por eles.
Sabem que não poderão continuar a impor a sua vontade neste formato, logo, forçarão 1 plano " A " tipo austeridade para que as pessoas rejeitem propositadamente, com o sentido de guiar-las a um plano " B "tipo Venus project dando-lhes a ilusão que, esta será por escolha do povo.
Esta é a minha analise!!

Nuno

  O Raio

terça-feira, fevereiro 01, 2011 5:51:00 da tarde

Não o vejo como uma ameaça?

Pois eu vejo. Lembro-me que o último que tentou acabar com o dinheiro foi um tal Pol Pot no Kampuchea Democrático, isto é, no Cambodja e fez uma matança que faria o Hitler parecer um santo...

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 01, 2011 11:28:00 da tarde

lunatiK:

"ou seja eles estão em todo o lado, atacam em todas as frentes... preso por ter cão e preso por não ter."

Pessoalmente acho que com tirania não vão conseguir e sabem disso, a vantagem do plano B é que depois da queda do sistema monetário (que ainda se poderá arrastar por várias décadas), nós temos o poder de seguir outro rumo, visto não iremos abdicar da propriedade privada.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 01, 2011 11:28:00 da tarde

Luca Alemar:

"Digam o que quiserem, o capitalismo venceu por boas razões e não acho que destruí-lo será a salvação da humanidade."

O sistema monetário se nao for derrubado, nem acredito que o derrubem, ele cairá por si. Nao é possível manter este sistema monetário assente em divida pois a divida é sempre maior que o dinheiro existente e depois imprimem dinheiro para cobrir a divida gerando nova divida. Se o sistema monetário cair por vontade da sociedade temos forma de construir um sistema novo, se e quando ele cair por ser insustentável haverá motins e fome por todo o mundo.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 01, 2011 11:28:00 da tarde

I.D.Pena:

"Concordo em absoluto, não vai dar em nada é um beco como qualquer outro"

Mas existe uma vantagem. Esta é só uma primeira ideia que será tão criticada e tão massacrada que dela nascerão dezenas de novas ideias.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 01, 2011 11:29:00 da tarde

Streetwarrior:

Problem, reaction, solution. Já sabemos que o sistema monetário é o problema, o povo quer alternativas e o Venus Project é a solução.

O que vejo de positivo, é que isto prova que as elites estão já mentalizadas para o fim do sistema monetário, só não sabem se será por colapso financeiro ou por revolução, e isto mostra-nos que está a chegar a hora de agir.
Se reparares os dirigentes africanos exilado fogem sempre com ouro e nunca com dinheiro, a família Rohtschild não tem dinheiro tem mais de 1/3 das reservas mundiais de ouro e propriedades em todo o mundo.

Para mim o projecto deles (Vénus Project) será massacrado e criticado nos próximos anos e daí nascerão dezenas de alternativas.

O que precisamos é da queda do sistema monetário, depois disso, eles só terão o poder que lhes dermos. O ouro só vale o valor que lhe damos, as propriedades só são privadas se reconhecermos isso como um direito. A ideia deles poderá ser a nossa maior arma, havendo pessoas com tomates para informar, guiar o povo. Líderes sempre haverá mas ainda acredito em pessoas capazes de liderar sem ficarem cegas com o poder.

  Bruno Fehr

terça-feira, fevereiro 01, 2011 11:29:00 da tarde

O Raio:

"Não o vejo como uma ameaça?
Pois eu vejo. Lembro-me que o último que tentou acabar com o dinheiro foi um tal Pol Pot no Kampuchea Democrático, isto é, no Cambodja e fez uma matança que faria o Hitler parecer um santo..."

Não podemos afirmar que Pol Pot queria acabar com o sistema monetário pois ele ordenou a morte de todas as pessoas que usassem relógio e/ou óculos.

Não é uma questão de tentar acabar com o sistema monetário, é uma questão de esse sistema cair por si ou por escolha nossa, mas ele irá invariavelemente acabar pois é insustentável. Se cair por intervenção popular, estaremos preparados para o dia seguinte, se cair devido ao colapso iremos viver décadas de caos.

  Anónimo

domingo, fevereiro 06, 2011 3:43:00 da tarde

Percebo e encorajo o espírito critico no âmbito de chegar a melhores soluções. No entanto muitas das criticas feitas aqui parecem serem levantadas apenas por ignorância em relação ao venus project. E muitas das perguntas feitas são um reflexo disso, porque haveria alguém querer controlar os recursos se, de acordo com a ideologia, a automatização e eficiente distribuição daria a todos tudo o que necessitassem? Já para não falar da conspiração da escravidão, teriam tanto uma sociedade obrigatória por receberem os recursos dela como hoje, única diferença é que hoje pagamos por ela.
Aconselho uma melhor exploração do tema

  Anónimo

domingo, maio 22, 2011 5:26:00 da tarde

Isto faz me lembrar algo que li num livro. O Livro chamava-se Admiravel mundo Novo de Aldous Huxley. E fala que no futuro os humanos serao devidos em castas é muito bom o livro recomendo é do genero do livro 1984 mas com mais ideias em termos de tecnologia

  nazunia

quarta-feira, abril 04, 2012 7:53:00 da tarde

Em primeiro lugar, na minha opinião a "Zeitgeist/P.V" não é a mesma coisa que a N.O.M, apesar de poderem haver pontos convergentes, a estrutura e filosofia é totalmente antagónica; eu não sou mais do que ninguém, mas há 10 anos que sigo com bastante interesse estas matérias das conspirações e não me parece absolutamente que o P.Joseph e o J.Fresco sejam cúmplices da malta do Rothschild - simplesmente são visões díspares para o mundo e que não devem ser colocadas no mesmo saco.

Agora... Em relação ao projecto N.O.M - penso que não irá se concretizar, apesar de haver imensos esforços para tal. A razão para crer nisso é que esse futuro para se realizar teria que ter o aval de uma parte crítica de nós, e aquilo que eu sinto é que há cada vez mais gente a despertar a sua consciência e a perder o medo. Não vejo uma transição com um olhar romântico; mas porquê é que eu considero mais esta segunda via?

1) As tecnologias existentes que acredito estarem escondidas da humanidade, poderiam deixar-nos absolutamente deslumbrados. Refiro-me a engenhos que transcendem as nossas leis da física que os governos secretos desenvolveram com parcerias alienígenas.

2) Sem o S.M baseado na dívida, essa tecnologia seria aplicada sem restricções a todos os países do mundo proporcionando um desenvolvimento sem precendentes - nem temos ideia porque sempre vivemos num sistema centrado na carência onde o eterno dilema "E dinheiro para isso?" actua como factor desmoralizante.

3) A terceira razão pode parecer um pouco disparatada, mas após estudar escritos antigos, tudo indica que após 2012 iremos entrar numa era de iluminação; e se articularmos os livros ancestrais com algumas canalizações sérias actuais (existe muita farsa neste campo) a mim parece-me que os tempos vindouros não irão ser catastróficos, mas de progresso material em harmonia com o plano espiritual.

Este é o meu pensamento... Mas só mais uma palavrinha: eu respeito muito o autor deste blog, pois revejo-me na grande maioria das suas visões/opiniões. E mesmo alguns pontos divergentes, procuro entender o outro lado.
No entanto, quero só comentar algo que ele disse sobre o ser humano ser egoísta... [já agora também digo que apreciei a sua postura quando questionou o Jacques Fresco - devemos ser fiéis com os nossos pontos de vista e determinados em expô-los]... A questão do egoísmo é relativa. Seremos mesmo egoístas por natureza?
Na minha opinião isso não está assim tão definido. Acho que é preciso imaginar um mundo de abundância onde todos os bens estejam ao dispôr de todos; tendemos a pensar por exemplo que se tudo fosse gratuito e de acesso imediato, nos comportaríamos como animais e nos atropelaríamos para ter mais que os outros... Mas não é isso que acontece agora com o S.M? Um nervosismo estimulado pela escassez? Um medo que as coisas acabem amanhã?... Não amenizariam as pessoas gradualmente as suas ansiedades se se habituassem a ver que os bens podem ser infinitos? E não haveria talvez um estranho paradoxo em que no momento em poderíamos ter tudo, perceberíamos ao mesmo tempo que não precisamos de tanto para viver?
Seria interessante observar esse paradoxo - as pessoas consumirem menos tendo acesso a tudo sem o S.M, do que tendo que pagar para ter.
E quanto à consciencialização? Será que estamos contemplá-la no mercado profissional. Os seres humanos irão ficar preguiçosos se não houver recompensa pelo trabalho efectuado?... E se num mundo em que tudo é partilhado, a recompensa for unicamente o bem estar da humanidade?... Não teremos nós uma tendência natural para nos sentirmos úteis e contribuirmos para algo na sociedade que nos faça sentir realizados... Na ausência do asfixiante S.M não descobriríamos nós, pelo contrário, as nossas verdadeiras potencialidades e paixões que seriam depois aplicadas com prazer à estrutura social?