Bastidores de música (Parte 21) Tupac Shakur 5, final

Sem Tupac e após Snoop ter deixado a Death Row Records, Suge Knight ficou sem rappers. Por forma a fazer dinheiro Suge editou tudo o que tinha de Tupac que devido à sua morte atingiram recordes de vendas, como podem ver pelas vendas dos álbuns ANTES da morte de Tupac:

2Pacalypsenow (1991) disco de Ouro
Strictly 4 My N.I.G.G.A.Z (1993) disco de Platina
Me Against the World (1994) 2x's disco de Platina
Thug Life: Thug Life Vol 1 (1994) disco de Ouro
All Eyez On Me (1996) 9x's disco de Platina
Makaveli: the 7day Theory (1996) 5x's disco de Platina

E depois da morte de Tupac:

R U Still Down? [remember me] (1997) 4x's disco de Platina
Greatest Hits (1998) 9x's disco de Platina
2Pac+Outlawz: Still I Rise (1999) 2x's disco de Platina
Until the End of Time (2001) 2x's disco de Platina
Better Dayz (2002) 2x's disco de Platina
The Resurrection (2003) 2x's disco de Platina
Loyal to the Game (2004) sem estatística de vendas

Tupac foi morto não sem antes se certificarem que ele deixava muito material para ser vendido. Editou mais e vendeu mais depois da morte do que em vida, e estamos a falar de pouco mais de 12 milhões de discos vendidos em vida versus 26 milhões depois da sua morte, tendo em conta que o último álbum que lançou em vida foi perto do momento em que a perdeu. Esse álbum teve uma capa interessante tendo em conta que foi morto dias depois:


Antes de referir mais algumas coincidências  com este álbum irei continuar o raciocínio .

Suge Knight, foi nesta altura processado pela mulher que investiu na Death Row Records e que tinha 50% da editora, pois ela nunca tinha recebido 1 dólar do lucros da empresa. Antes de Suge Knight ter sido condenado a pagar à sua sócia mais de 100 milhões de dólares, toda a sua fortuna tinha desaparecido tendo ele unicamente uma mansão de 6 milhões de dólares, 25.000 dólares em jóias e 1.000 dólares em roupas. Ele declarou falência e livrou-se das dívidas. Suge está hoje preso por diversos crimes violentos onde se incluem o espancamento do rapper Akon e violação de liberdade condicional, cumpre uma pena de 9 anos, mas está bem, pois só ele sabe onde está a sua fortuna.

Lembram-se de todas as coincidências apresentadas há uns anos sobre o 11 de Setembro, que por mais voltas que se desse dezenas de factos iam dar ao numero 11? O numero 11 é um numero que significa destruição na maçonaria-Illuminati. No caso de Tupac isto está também presente mas com o numero 7, outro numero importante para estes grupos, que a maçonaria diz ser um numero que representa a sorte, mas é tal como o numero 3, um numero que define o gozo para com as crenças humanas em particular as religiosas.


(Nota: estes dados são apresentados unicamente como curiosidade e não servem de argumento factual)

O seu último álbum em vida foi: Don Killuminati the 7 day theory
Tupac nasceu no dia 16: 1+6=7
Morreu com 25 anos: 2+5=7
O seu filme Tupac: Resurrection foi lançado 7 anos após a sua morte.
A sua editora cancelou todos os lançamentos de álbuns dele por 7 dias após a sua morte.
A companhia de cinema esperou também 7 dias antes de lançar o último filme em que ele participou.
No fime Gridlock, Tupac aparece numa sala onde na parece estão pintados vários números 7 invertidos.
Foram disparados 12 tiros e 5 deles acertaram em Tupac: 12-5=7
Antes de morrer ele esteve 7 dias vivo no hospital.
Ele foi declarado morto às 04:03: 4+3=7 de uma Sexta-feira 13.


Tempos depois as pessoas foram distraídas da sua morte por um vídeo repleto de maus actores, onde um deles diziam ser Tupac e assim nasceu o mito que afastou a maioria da investigação da sua morte, levando-os à busca pelo Tupac vivo. O vídeo pode ser visto aqui.
Um vídeo que só é verdadeiro para tolinhos, pois a identificação do Tupac tem como base um dos homens que diz "Hide Pac, man", sem grande convicção, e o suposto Tupac não parece muito preocupado em esconder-se. Mas este vídeo teve o seu efeito e as pessoas afastaram-se da sua morte, buscando-o em vida.

Dentro desta série "Bastidores da música", Tupac foi o músico a quem mais textos dediquei, pois acho importante esclarecer quem ele foi e como morreu. A série irá continuar e em breve irei abordar outras mortes que levantam suspeitas.



Próximo texto: Parte 22 - Lady Gaga, Busta Rhymes, Janet Jackson

7 Comentários:

  Anónimo

quinta-feira, abril 22, 2010 11:19:00 da tarde

ou é de mim ou saltaste o 21:D

  Anónimo

sexta-feira, abril 23, 2010 7:55:00 da manhã

esqueceste-te de alterar no post que o proximo texto é o 22 e nao o 23 :D

do mesmo anonimo :D

  lunatiK

sexta-feira, abril 23, 2010 8:35:00 da tarde

Viva Bruno
muito interessantes estes textos sobre o Tupac, a verdade é que comecei a admirar o homem.
Cumps.

  ecila

segunda-feira, abril 26, 2010 11:52:00 da tarde

Excelente Bruno. Na minha opiniao, os textos sobre o Tupac foram o melhor da série Bastidores da Musica, até agora.

  Rui Oliveira

terça-feira, abril 27, 2010 1:56:00 da manhã

http://www.ctbuh.org/Portals/0/events/Conferences/Moscow/Large_Images/CapitalCity.jpg

Mais uma entrada?

  Anónimo

quarta-feira, julho 20, 2011 5:18:00 da manhã

Parabéns pelo blog!
Fiquei horas lendo os textos, obtive informações bem interessantes.
Obrigada por dividir conosco suas pesquisas e continue escrevendo.
Abraços

  Anónimo

sábado, maio 26, 2012 12:56:00 da manhã

Vale ressaltar que Tupac foi um grande homem sim, que foi visto pela tal indústria como sendo influenciador de crianças e etc.. Onde na verdade fala o que tinha que falar, usa a sua música pra o que realmente precisava.. Amo o TUPAC e lamento muito pelo fato de não ter o conhecido e saber da existencia antes, ja que tenho 19 anos.. Sou mulher e tenho uma filha e quero que ela conheça o homem que veio pra fazer história e fez.. Sempre procuro especulações, a vida de tupac pela internet, mais estes post sobre ele, foi ums dos mais abertos que ja vi e gostei porque ele era assim falava o que precisava dizer.. Sua morte concerteza não foi em vão, pra conheceu e conviveu com ele tenho certeza que foi um enorme prazer, e pra esses cúzão que trocaram tudo o que ele pregava pelo dinheiro vai o meu foda-se, ele consegui tudo o que tinha falando a verdade, acreditando nele mesmo e sem dúvidas vai ser reconhecido como o rei do rap eternamente, porque quem conhece o rap, sabe que ele foi o primeiro e será sempre.. Eternamente lembrado, e o que mais abala a indústria é que ele nunca foi esquecido e jamais será.

Thayara