Bastidores da música (Parte 23) Nirvana vs System of a down

Já percebemos que que raramente o vídeo tem alguma coisa a ver com a letra, o vídeo passa uma mensagem própria em que quando o artista a tenta explicar, parece uma explicação forçada ou simplesmente sem lógica. No entanto os fãs prestam pouca atenção aos vídeos, atenção moderada à letra e muita atenção à sonoridade. Soa bem, está tudo bem.

Uma música com fraca qualidade e uma má letra, poderá ter sucesso dependendo da quantidade de vezes que ela é ouvida. Por várias vezes ouvi músicas que rotulei como más, muito más mesmo, mas após passarem 18 vezes por dia no rádio e na TV elas parecem não soar tão mal, e assim se vende. O que é mau passa tantas vezes na rádio que isso funciona como uma programação pessoal e passamos a tolerar e até cantarolar uma treta sem sentido, como falei nestes textos sobre: James Blunt e João Pedro Pais.


Eu presto atenção à arte musical e à letra e gosto quando ambas são boas, por isso vou falar de Nirvana vs System of a Down, duas bandas às quais nunca prestei grande atenção. Uma das diferenças entre estas duas bandas é que ao passo que os Nirvana admitem que as suas letras não possuem um significado por na maioria das vezes o produto final ser uma mistura de várias letras que Kurt Cobain levou para os estúdio (segundo as palavras do próprio). Apesar de cada letra ter um significado e uma intenção, ao misturar os versos de várias letras para os encaixar numa música, o produto final poderá ser interpretado pelos fãs mas não tem um significa intencional. Apesar de Kurt Cobain admitir que a maioria das letras não tem significado, encontrei dezenas de fóruns dedicados a interpretar as letras desta banda. No caso de System of a Down não existem tantas tentativas de interpretação, por a banda dizer nos seus shows ao vivo "and now another a song about nothing". É interessante que levem à letra o que os System of a Down dizem e não tentem interpretar as letras e por outro lado forcem interpretações sobre as letras dos Nirvana.


Os Nirvana eram liderados por Kurt Cobain, um artista casado com uma mulher Free Mason. Um artista fanático pela Igreja Satânica e fã de Anton LaVey que chegou a ser convidado para tocar Cello no álbum Nevermind. Um artista 100% pró elite durante a maioria do seu tempo na vida artística. Um artista que nas entrevistas só passava mensagens de depressão, consumo de drogas e álcool, dando uma ideia da decadência humana como estilo "cool" de vida.
Os System of a Down eram liderados por Serj Tankian, um artista de intervenção em protesto constante contra as elites e a sociedade, em que nas suas entrevistas falava dessa mesma sociedade como o maior falhanço humano mas deixando mensagens de esperança, pois nós podemos mudar tudo, querendo.


Os Nirvana acabaram devido ao estranho suicídio de Kurt Cobain (que será analisado este mês). Os Sytem of a Down acabaram (em 2006 mas ainda dizem que é uma pausa) por não cederam à industria da música e os seus membros dedicam-se agora a projectos a solo sem grande visibilidade pois não existe vontade de publicitar verdades.
As pessoas parecem mais interessadas em interpretar letras que não passam de colagens sem sentido por parte dos Nirvana, do que interpretar letras que nos fazem pensar com as dos System of a down.

Que se note que não tenciono generalizar dizendo que todas as letras dos Nirvana são colagens, digo que a maioria o são e isso nota-se em muitas delas através das chamadas "rimas forçadas" e passagens sem sentido.

Os Nirvana cantavam coisas como: "viola-me, viola-me meu amigo, viola-me outra vez. Não sou o único. Odeia-me. fá-lo e fá-lo novamente. Destrói-me, viola-me outra vez". Se bem que isto possa ter um significado mais profundo do que o que parece, que é simplesmente o uso de palavras fortes e violentas para chegar à geração destruída e revoltada dos anos 90, na minha opinião não merece perda de tempo a imaginar o que quererá dizer comparando ao que os System of a Down cantavam como: "Perto de 2 milhões de Americanos encontram-se dentro do sistema prisional. A percentagem de Americanos presos duplicou desde 1985.", "Usam drogas para financiar guerras em todo o mundo, as drogas são agora politica global. Dinheiro da droga é usado para influenciar eleições e treinar ditadores corporativos em todo o mundo".



Os Nirvana passavam musicas completas a repetir os mesmos versos, como: "a menina do papá, já não é uma menina", que ele "tem de sair de cima da Polly porque ela quer uma bolacha e um copo de água", "Ela deveria ter sido um filho" ou que ele disse que "a quer conhecer, a quer foder por dentro, porque ela é a Skinhead dele" e o supra-sumo dos Nirvana em que canta que "jura que não tem uma arma" mas como teoricamente deu um tiro na boca isto tem de ser uma mensagem. Os fãs acham que estas parvoíces são dignas de perder tempo a inventar significados profundos e filosóficos.

No entanto os System of a Down não são tão profundamente analisados pois nos seus shows dizem "e mais uma canção sobre nada" antes de tocarem um novo tema, mas ao prestarmos atenção ao tema, eles dizes coisas como "quando perdes a mente pequena, libertas a tua vida", "Por que é que os Presidentes nao lutam nas guerras? Por que é que mandam sempre os pobres?".


No entanto os System of a Down possuem uma letra polémica, pelo menos a parte do refrão do tema Toxicity do álbum com o mesmo nome em que os fãs discutem se o refrão começa por "No", "You", "Yo" ou até por "Hey", esclareci isto julgo que em 2004 num concerto em Coimbra, em que fui a uma sessão de autógrafos só para perguntar isto, o vocalista confirmou a minha teoria de que ele na verdade diz "New". No entanto não é o que aparece na grande maioria das transcrições da letra, mesmo nas oficiais. Aqui fica este refrão que com New como primeira palavra dá mais sentido aos versos como sendo em forma de questão à New World Order (Nova Ordem Mundial):

"New, how do you own the world? How do you own disorder? Disorder.
Now, somewhere between the sacred silence, Sacred silence and sleep.
Somewhere, between the sacred silence and sleep, disorder, disorder, disorder"
.

A questão que ele coloca é dirigida à Nova Ordem mundial, em que pergunta como é que são donos do mundo, como é que se pode ser dono da desordem e que se encontram algures entre o silencio sagrado (alusão às sociedades secretas que primam pelos segredos) e o sono (alusão ao sono profundo de indiferença da sociedade em geral).


Próximo texto: Parte 24 - Amor ou Psicopatia?

16 Comentários:

  I.D.Pena

terça-feira, maio 04, 2010 11:28:00 da manhã

Excelente.
Sistem of a down as letras deles têm mensagem mas só conheci o 1º album deles, e gostei de imediato. Depois passou-me a fase do revoltado a abanar o capacete, não gosto muito desse estilo demasiado violento para o meu feitio.
Quanto aos nirvana não faço parte dos fãs que acham que as letras dele possuiam uma grande mensagem, desde o inicio e achei mais um artista perdido, demasiado dependente daquela decadência.
Mas também Amy winehouse e mesmo assim continuo a achar que tem talento.

  fallengod

terça-feira, maio 04, 2010 12:12:00 da tarde

Muito boa esta reflexão Nirvana vs SOAD. Confesso que não conheço muito Nirvana nem nunca me dei ao trabalho de procurar conhecer. System of a Down é o contrário conheço bem, o suficiente para concordar com a análise que fizeste das letras.
Não terá sido à toa que o Serj terá dito um dia que sabia que a CIA tinha sempre alguém a observar tudo o que a banda fazia.

  Eu

terça-feira, maio 04, 2010 1:25:00 da tarde

Esta tua serie está a permitir-me ver as coisas por uma nova perspectiva,
Tenho dado por mim a ver videos e a reparar no que se passa no background e não apenas na "estrela".
Continua.

Abraço a todos

  Mulheka

terça-feira, maio 04, 2010 7:41:00 da tarde

Já viste o novo look e novo cd da Christina Aguilera?

Um look idêntico ao da Lady Gaga, o CD chama-se Bionic, na capa, a cara dela é metade humana, metade robot e numa fotos está rodeada de escravos.

Impressionante como agora, depois de ler os teus textos, dá para associar tanta coisa.

  ceptic

quarta-feira, maio 05, 2010 2:45:00 da manhã

Xii grande banda!!! ainda me lembro de andar aos saltos ao som da música "Fuck the system" e chop suey...

Acho que quem é fã dos System, no mínimo conhece parte do trabalho a solo do Serj tankian.
Quem gosta procura, apesar de não ser publicitado nos media, pelo menos que eu tenha visto até agora, só vi uma vez "sky is over" no vh1!

"The causes of my servitude,
Can be traced to the tyranny of...

Money!"

Esta série de textos está a ser muito interessante.




Ps - ainda bem que não me estragaste a imagem que tinha da banda! LOL

  Redrum

quarta-feira, maio 05, 2010 11:13:00 da manhã

Também estive nesse concerto em Coimbra e apesar de gostar bastante da banda na altura não gostei muito do concerto eles estavam demasiado frios em palco.
Os SOAD têm temas bastante interessantes ainda me lembro de ver o primeiro vídeo deles da musica "sugar" com imagens do filme metropolis, o serj aparece com uma pirâmide pintada na testa a vermelho e durante o vídeo aparece uma mensagem a dizer "aspartame kills" referencia aos adoçantes artificiais perigosos à nossa saúde.
http://www.youtube.com/watch?v=J0pq7zMMvnk
Fiquei logo fan da banda mal vi esse vídeo há muitos anos atrás.
Continua o bom trabalho que tens feito neste blog eu tenho seguido quando posso não tenho é tido grande tempo para comentar.

  Selenyum

quinta-feira, maio 06, 2010 10:50:00 da tarde

Isto é só para deitar uma acha para a fogueira:

http://www.youtube.com/watch?v=awnuO4ttvus

em 1:16 o guitarrista/baixista (não sei ao certo) diz o que parece ser: Sugar MTV, mas na verdade ele diz: CYKA MTV(cirilico: Suka MTV), que quer dizer: fode-te MTV, em russo.

  Marta

quinta-feira, maio 13, 2010 2:02:00 da manhã

Tipo nem todas as bandas de música têm a pretensão de criar música de intervenção. Kurt Cobain era bipolar. Era já por si um gajo "desalinhado". Se lhe tivesses perguntado "Kurt meu porque é que a tua música é tão... sem sentido?" Ele poderia responder-te conforme a fase da lua em que se encontrasse. Já viste clips sobre concertos dele ao vivo? O tipo cospe nas câmaras, torce-se e fica todo esquisito.
E como os bipolares são pessoas especiais, também a música e livros dessa gente é especial. A música é uma forma de arte e como tal, Kurt Cobain era um artista. Que queria exprimir-se, talvez libertar-se. Talvez a música fosse catártica para a sua dor. A música era original. Porque é que se tem de racionalizar tudo? a música não é um boletim informativo. Mexe com as nossas emoções. Quem é que sabe mais sobre música? Não é o gajo que conhece as bandas todas e todos os estilos musicais. Não é o que escreve críticas. Não é o que se limita a repetir e sacar som porque os outros disseram que era cool. Não é o que sabe de cor todas as bandas que são noticiadas com mais frequência na Blitz. É aquele que curte o som à noite, que salta, que vibra quando se apercebe "que tá a tocar aquela música que eu curto tanto e já não ouço há bué da tempo".
Aquele que larga tudo para ir dançar ao som dessa música e se lembra do tempo em que era adolescente. Aquele que sente a música.
A arte também pode ser abstracta. Um tipo pode ouvir música que não tenha letras, só melodia,e pode ficar descansado que não está a fazer figura de parvo. É uma questão de gosto.
Pessoas sensíveis, intuitivas.. Pessoas com um grande QI emocional.. nem sempre comunicam de forma directa. Por vezes preferem linguagem metafórica. Tens algum problema com as metáforas?
As Jokes podem ser private.
Os poemas e as prosas não são interpretados da mesma forma.

  Marta

quinta-feira, maio 13, 2010 3:51:00 da manhã

Além do mais, a vida privada do músico não serve para catalogar a música por ele produzida, como boa ou má.

Van Gogh era alcóolico. Elvis Presley consumia drogas. Marlon Brando consumia drogas. Francis Ford Coppola consome ou consumia drogas e tentou suicídio. Enfim, é enorme a lista dos artistas que estão ou estiveram relacionados com escândalos, droga e comportamentos excêntricos e auto-destrutivos. Não é novidade para ninguém. Serj Tankian não fujirá à regra ... Não é um menino de coro. Está longe disso.

SOAD= boas acções?
Nirvana= más acções?

Análise redutora.

Kurt abusva de drogas. Serj Tankian, ao que parece, é vegetariano e é contra o abuso de álcool e drogas. Muito bem. Uma coisa é uma coisa. E outra coisa é outra coisa. E as duas coisas não se tocam. Estamos a falar de duas pessoas diferentes, que nasceram em meios diferentes e foram influenciados por culturas (musicais e não só) diferentes. Kurt nasceu em Seattle, cidade conhecida por ter parido várias bandas grunge. Os pais de Kurt separaram-se quando ele ainda era puto e isso, de alguma forma, influenciou-o. Estamos a falar de pessoas com percursos de vida diferentes e com vidas pessoais diferentes.

O Grunge é diferente do Metal. Para quê comparar? O Grunge pode ser depressivo... Mas o Metal é um dos estilos musicais mais agressivos. Embora a música de SOAD proteste contra as injustiças sociais, fá-lo de forma a incitar tensão e desordem. Disorder para combater disorder não dá com nada. Disorder puxa disorder.

Um músico expressa-se. O ouvinte atribui-lhe o significado que quer. Ponto. A tua interpretação da música de Nirvana é tua. Se Os SOAD querem lançar mensagens à sociedade, ok, that's fine. Querem mudar a sociedade? Muito bem. Mas nem toda a gente se foca aí. Nem todas as bandas se interessam por política. (Anyway, Krist Novoselic é um ativista político adepto do Partido Democrata dos U.S.A.) Há música autobiográfica, que traduz o que o cantor sente. Nada mais. Por outro lado, Nirvana abordava o lado mais sombrio da mente e relações humanas e então aqui podermos estar no domínio da psicologia. Um domínio como outro qualquer que não merece ser menosprezado.


Kurt Cobain poderia interessar-se pela Igreja de Satã, não sei. Desconhecia essa informação. Quem que nunca teve curiosidade em ler a Bíblia de LaVey, por curiosidade? Nos tempos que correm, ainda há quem trema quando ouve falar em "bíblia satãnica"? É porque não leram. Eu li e é inofensivo. A bíblia satãnica não morde. Levanta algumas questões que me fazem reflectir, nomeadamente sobre a religião cristã. Reflectir, apenas isso. É bom reflectir, sabem?
Esqueceste-te de dizer que Kurt Cobain também se interessava pela filosfofia Budista. Aliás "Nirvana" é o culminar da busca budista pela libertação.

É difícil tecer críticas com qualidade quando não se faz o mínimo esforço para se ser menos imparcial. A meu ver, deverias fazer um levantamento de mais informação. Fico com a impressão de que informas o suficiente para conduzir o barco ao porto que tu queres. E que nos últimos tempos, adoptaste uma postura de exagero/ meramente sensacionalista.

Também não sou adepta de conclusões superficiais: "Regardless if you find System of a Down a wonderfully quirky and genius metal band or a terribly annoying and over-political band, it is a fact that they are different from their popular metal peers."

Mas pronto.

  Anónimo

segunda-feira, junho 28, 2010 4:31:00 da manhã

"O Grunge é diferente do Metal. Para quê comparar? O Grunge pode ser depressivo... Mas o Metal é um dos estilos musicais mais agressivos. Embora a música de SOAD proteste contra as injustiças sociais, fá-lo de forma a incitar tensão e desordem. Disorder para combater disorder não dá com nada. Disorder puxa disorder."

usando essa frase de marta digo que é

besteira

metal não é desordem
acredito que tu deverias estudar mais sobre contextos históricos do metal antes de falar alguma coisa..

e tbm não sei quem colocou que tem que sentir a música né uhasuhashushasuahah

estude mais sobre a raiz do metal e tu verás que não é desordem

e tbm se tu for ver estrutura de toda a música tipo composição, escalas, harmonia e etc... verá que metal não é desordem

isto tbm depende muito de quem está usando o instrumento falar que é desordem é rídiculo ahsushauahsauhahuhasuahauh

então muitas bandas de metalprogressivo que tocam de maneira genial são desordem?

korn que mudou a afinação da guitarra e do baixo para parecer mais pesada foi desordem?

os grandes músicos da história foram os que inovaram. Grandes lideres lutaram contra a injustiça...

realçando tenho nada contra nirvana
mas se tu acha que metal é desordem
é pq tu não conhece o funk
pq tem varios metodos clássicos usados no metal... tbm obras de wagner (ou vagner nao lembro como se escreve) que é algo que de uma certa maneira deve ter ajudado o metal é desodem?

pense, estude

se tu acha que metal é desordem

entao prefiro desordem que tente fazer algo contra o que está errado no nosso planeta do que letras nada a ver que digam nada com nada e tenham nada acrescentar musicalmente

  Bruno Fehr

segunda-feira, junho 28, 2010 10:18:00 da manhã

Caro anónimo, tal como eu não percebi nada do seu comentário, você não percebeu nada do meu texto.

  Anónimo

segunda-feira, junho 28, 2010 8:47:00 da tarde

talvez eu não tenha me referido ao teu texto mas sim ao da marta ^^ e não tenha falado do teu texto ^^

  Anónimo

segunda-feira, junho 28, 2010 8:53:00 da tarde

e para não dizer que eu nao percebi nada no teu texto parabns belo texto ^^

  Bruno Fehr

segunda-feira, junho 28, 2010 11:56:00 da tarde

Anónimo, então deve ter sido isso, ainda não li todos os comentários deste texto.

  Anónimo

terça-feira, junho 29, 2010 1:58:00 da manhã

belo trabalho que tu faz com o blog rapaz paraben ^^

  Anónimo

quarta-feira, julho 21, 2010 3:16:00 da manhã

cara o que tu achou do site do serj tankian ?

abrass