Bastidores da música (Parte 25) Will Smith

Will Smith além de actor influenciado pela industria illuminati o que fica claro pelos assuntos abordados em alguns filmes recentes com robots humanizados ou vírus mortais que destruíram a civilização, ele também é musico sob o nome de Will Smith e com o alter-ego Will2K. Por exemplo um tema do álbum "Willenium" que não encontrei disponibilizado para vos deixar o link, o vídeo diz-nos que Will Smith é um robot no ano 2222.


Mas podem-me perguntar qual o problema de tudo isto? O que é que a agenda robótica tem de mal?
Isto é o conceito básico de hipnotismo social, de lavagem cerebral. As elites estão a usar o cinema e os vídeo clips para nos condicionarem a imaginar um futuro robótico pois é para lá que eles querem levar a sociedade. Se pensarmos bem sabemos, não precisamos de robots para nos limpar o cu, temos tecnologia suficiente para permitir a continuidade da nossa evolução e sabemos que a robotização em particular da industria irá eventualmente tornar a mão de obra humana desnecessária e por conseguinte a existência de grande parte da humanidade também o será. De facto já o vemos hoje, em que devido ao nosso nível de industrialização, 20% da população mundial conseguiria manter toda a industria do planeta.

Nós estamos a ser condicionados na nossa imaginação sem darmos por ela.
Imaginem um consumidor de drogas duras. Imaginem um ladrão. Imaginem um consumidor de drogas leves. Os resultados vão andar em torno de arrumadores de carros e hippies, só depois de pensarmos, depois de percebermos que estamos condicionadas a estas imagéticas é que imaginamos um politico a snifar coca, a fumar um charro e a roubar, mais e melhor que o mais experiente ladrão.
Um Lobishomem terá forma de lobo e homem, um vampiro tem caninos salientes, quando na verdade se fugirmos ao condicionamento sabemos que por exemplo o vampirismo sempre foi parte da nossa cultura e consiste em beber sangue, nada mais do que isso.

A maneira que temos de acordar e começar a ver os podres onde eles estão, é com informação, é investigando, estudando sem permitir que as nossas racionalizações sejam condicionadas por informação externa de escola, TV, cinema, musica. No fundo temos como que desligar todo o conhecimento que nos é imposto por forma a pensar de uma maneira clara e neutra. Ninguém vos ensinou a pensar e por isso podem fazê-lo esquecendo tudo o resto, pensar livremente.
Há quem diga que está acordado porque quer acreditar que está, mas assim que começamos a discutir certos assuntos eles entram na negação dos adormecidos. Atenção: não há mal nenhum em estar-se adormecido, o mal está em negar que se está. Se não temos consciência do controlo exercido sobre as nossas vidas sem o nosso consentimento, ao ouvir alguém a argumentar logicamente a respeito desse controlo, negar é o pior que se pode fazer, pois é um processo irreversível.

Dentro dos adormecidos sociais há 3 grupos, os que negam qualquer coisa que os assuste, os que duvidam do que os assusta, e os que sabem estar adormecidos mas sem vontade de saber mais. No meio temos os recém-acordados que buscam respostas. Do outro lado temos a guerra de vida e morte, de ameaças e discussoes constantes, o mundo dos acordados, dentro dos acordados há imensas guerras pelo controlo da maioria dos acordados, pois essa maioria apesar de ter a informação não sabe o que fazer com ela, não sabe como agir e aqui entram os dois grupos em guerra, os acordados informativos e os desinformativos. Os informativos querem destruir o controlo da elite, os desinformativos existem para espalhar verdades controladamente mas ao mesmo tempo desacreditar o outro lado, destruir a reputação de quem quer informar. É dentro deste último grupo que mais pessoas morrem: Stanley Kubrik, William Cooper, George Carlin, Bill Hicks e Rik Clay entre muitos outros.

Mas há também a área económica e é aqui que aparecem os grupos que querem espalhar a verdade, mas onde a verdade custa dinheiro. É um pouco como dar dinheiro à Igreja pois Deus parece precisar de dinheiro.

O que digo é que o acto de acordar é algo que muitos tentam e desistem, pois acham que é um privilegio reservado a quem tem capacidades mentais e de tempo de processar e analisar toda a informação. Isso é mentira, pois qualquer pessoa pode acordar com informação limitada não tem de investigar tudo, mas tem de ouvir um lado da história e ouvir o outro lado, duvidar de ambos mas retirar as suas conclusões, e para retirar conclusões pessoais precisamos unicamente de querer.
Quem não consegue ver o problema nunca irá acordar.

Quem acorda começa a perceber os seus condicionalismos e a ver para além de esquerda ou direita, de certo ou errado, de religião ou cor de pele. Passamos a estudar a maneira como pensamos, as nossas reacções e emoções, em como protegemos objectos que nos fazem sentir seguros e nos irritamos se a nossa imagem é atacada. Quem está acordado realmente e já percebeu isto consegue ver mais, consegue dizer "eu amo-te" sabendo que amará sempre pois é mesmo amor, e não um amor condicionado de quem não sabe se amará amanha, pois usa a palavra como um conceito do qual desconhece o sentimento.

O primeiro passo para acordar é separar o ego do resto da nossa vida pois é ele que sofre mais com os condicionamentos, se atacam a vossa pessoa, a vossa imagem, as vossas ideias, esse ataque é ao vosso ego e é o vosso ego que irá responder. Atacar o ego é um ataque com sucesso quase garantido pois magoa e respondemos em explosão agressiva, ou em implosão depressiva, mas se colocarem o ego de lado os ataques fazem ricochete e atingem o atacante.
Acordar é renascer e aí vemos o mundo como ele é, lindo, com pessoas lindas em que poderia ser tudo perfeito sem as elites que nos querem impedir de ver o quanto somos poderosos, lindos, especiais e únicos.

Este texto serve de mote para o próximo que será fora da série Bastidores da música, pois há muita gente a querer ajudar, a querer espalhar a verdade e a contactarem-me sobre que grupos são verdadeiros e honestos. Grupos? Por que precisam de grupos?

Próximo texto: Cuidado com os grupos!!!

10 Comentários:

  Vani

terça-feira, maio 11, 2010 3:00:00 da manhã

Lolol, acho q por aqui, sempre q pensamos em ladrão, imaginamos de imediato um político, pá... :D ;-)

  Vani

terça-feira, maio 11, 2010 3:13:00 da manhã

Depois há os que acordam, não querem ou não têm tempo (assoberbados pela realidade social que obriga ao trabalho e à concentração nas questões mais mundanas e imediatas) para aprofundar. Mas que vão lançando umas sementes e incentivando as pessoas a acordar. Mesmo que só uma.
Não há tantos adormecidos como se pensa. A grande questão é que vivemos nesta sociedade e somos assoberbados por ela. Não podemos pura e simplesmente cortar amarras. A não ser que fossemos viver para uma aldeia isolada no meio da amazónia, ou com os bosquimanos... vivemos para o dia a dia, para o como é q vou por pão na mesa, como é q vou pagar as contas, como é q vou alimentar o meu filho, e não temos outro remédio senão alinhar nas regras.

Mas, se não podes vencê-los, junta-te a eles. E vai instigando a desconfiança e obrigando as pessoas a pensar por si... há muitas cabeças cheias de esteriotipos e baboseiras, mas tb há cabeças que se revoltam e vão pensando por si...e passando essas ideias a outros...e por ai adiante.

Durante toda a nossa história existiram grupos que tentaram controlar os restantes.

Se são poderosos e se o rumo das coisas é inevitável, não há muito q se possa fazer, a não ser lidar com isso à medida q vai acontecendo...

No entanto, a realidade imediata, a do dia a dia, sobrepõe-se a tudo o resto, quase.

Faz-se o que se pode com o que se tem...

  Vani

terça-feira, maio 11, 2010 3:18:00 da manhã

É por essas e por outras q o desejo de ser mãe desapareceu. :-p

Atenção, não estou a dizer que aceite totalmente a versão que tens vindo a apresentar. Não tenho os recursos ou tempo para confirmar todos os tintins. Apenas acho que faz sentido, apesar de surreal, e que todos nós somos manipulados desde o tempo das cavernas. Manipulados inclusive pelas nossas próprias necessidades biológicas, pelos nossos próprios genes, pelo nosso próprio género, pelo nosso próprio cérebro (que não passa de uma grande matrix concebida para nos dar a ilusão da realidade), pela limitação dos nossos sentidos, etc. No fim, somos apenas pó de estrelas. E será isso a prevalecer sobre todos os egos sedentos de controlo e poder...

  Kohinoor

terça-feira, maio 11, 2010 12:05:00 da tarde

Ah pobre "Bad Boy", também foi agarrado pela industria.

Acho que a palavra chave dos dias de hoje é Equanimidade. Conseguir desenvolver multiplas perspectivas sobre os tópicos, sem se limitar somente a uma fonte nem fugir disso.

Mas também há outro desafio: Cada vez há mais informação disponível, e torna-se difícil escolher o que entrar, visto que o dia só tem 24 horas. Daí acho que é boa ideia conhecer grupos, onde a informação seja mais filtrada. Não apoio a atitude de rebanho, mas estar soznho a estudar por si próprio, não é muito eficaz ou eficiente. É como estar a inventar a roda todos os dias! :P

Abraço

  Anónimo

terça-feira, maio 11, 2010 4:46:00 da tarde

A grande maioria não quer ver, quer continuar adormecida; aliás, é fácil de ver isso na blogosfera, quanto mais leve for o blog ( moda, culinária, decoração, ou seja virado p/ o exterior) mais seguidores, comentadores e acessos tem!

Já agora, Bruno, e como se separa o ego de nós?!

F.M.

  Nuno Guerreiro

quarta-feira, maio 12, 2010 1:26:00 da manhã

Boas.

FM em relação a essa pergunta,consulta a palavra chave " EGO " neste site muito bom.
http://www.tpuc.org/


Gostaria tambem de deixar este site de 1 historiador luso-alemão,muito bom mesmo.

Procurem no arquivo e verão as paginas boas que ele tem.

www.grifo.com.pt

1 abraço a todos.

Nuno Guerreiro

  Pedro

quarta-feira, maio 12, 2010 1:17:00 da tarde

Belo texto Bruno.

Já agora, as recentes eleições em Inglaterra vão merecer alguma da tua atenção aqui no blog?

  anatcat

quarta-feira, maio 12, 2010 11:47:00 da tarde

Crest,
é por isso que eu, cat, ana, não "papo" grupos

  I.D.Pena

quinta-feira, maio 13, 2010 1:52:00 da manhã

Costumo dizer que sou um espelho, em que reflito a positividade assim como a negatividade, mas existe toda a condicionante emocional e o background de experiências de cada um que também tem a importância no momento em que alguém comunica uma ideia para o receptor.
O que é certo é para nós mesmos é o sentimento e ao assumir se me expresso bem ou se vou ser entendida por completo é outra história, a linguagem não são só letras e frases em parágrafos, no principio era o verbo e depois veio a interpretação.
A intuição é outra parte infinita de cada um que tem vindo a ser agredida e condicionada por toda esta parafrenália de cores e acções e premeditações, mas até a linguagem é imperfeita para a possibilidade também infinita que o cérebro tem na sua plena sobriedade e/ou/também no seu estado de vígilia.
Se se vive acordado ou adormecido é sempre uma vivência e talvés haja uma razão para toda esta imposição da robotização, razão essa que ainda não me agrada , pois os que são marionetes neste espectáculo eles próprios não entendem o conceito da inexistência do ego, acredito que é por estarem corrompidos, não só pela maldade ou pela prática do mal, mas sim pela forma medíocre e convencida de imitar a grandeza.
E muito maior é aquele que não precisa de manipular pois tem plena confiança de si , do que tem dentro de si e fora de si. Mas vão sempre existir matrizes tenho pena que existam tantas considero que condicionam a evolução à tempo demais.

Excelentes pontos de vista Bruno.

  Anónimo

quarta-feira, junho 15, 2011 6:10:00 da tarde

Kara vcs são loko pirado mesmo não tem mais nada pra pensar e enchem a cabeça de merda o will é fera e exemplo pra todos nós