A crise e os filhos da puta

Depois de ter escrito os dois textos: A crise no horizonte 1 e A crise no horizonte 2, já esperava aparecerem especialistas com opiniões de merda. Os irresponsáveis por esta reciclagem de lixo em noticia foi o jornal o Público que resolveu colocar-se de joelho e praticar sexo oral ao Estado Português.

Nem é preciso ler toda a noticia do Público para ver a treta que este questionário a especialistas questionáveis é uma grande farsa, basta ver a imagem colorida que colocaram em destaque:


Como referi em A crise no horizonte 2, a redução da taxa social única só irá agravar a crise, pois reduz o custo dos produtos nacionais sem vermos reflexão dessa redução no preço final de venda ao público. 
O apoio às empresas exportadoras não resolve nada, pois elas não pagam IVA e por isso o IVA só afecta as empresas IMPORTADORAS. Quer dizer elas não pagam IVA, querem reduzir a taxa social única e ainda por cima dar-lhes apoios extra? Só falta os trabalhadores terem de pagar-lhes em troca de trabalho!
A maior flexibilização da legislação laboral, é nada mais nada menos do que mais uma retirada de direitos do trabalhador que já vive no limiar da escravatura e que irá permitir às empresas que simplesmente fechem as portas e se mudem para a Polónia sem terem de justificar os despedimentos. A reforma da justiça e extinção de organismos públicos é areia nos olhos do povo, pois o problema não está nos organismos públicos mas sim nos organismos privados ligados a funcionários públicos, em particular a deputados e membros do governo. 

Agência orçamental reforçada da autoridade da concorrência, ou seja reforçar algo que no ponto anterior falavam em extinguir. Um agência que permite que empresas negoceiam entre elas o preço que praticam, como as petrolíferas, fornecedores de serviços móveis, etc, etc.  
Taxa única de IVA, com o IVA mais alto da Europa devem estar calados e não tocar mais neste assunto. Reforma Fiscal, então o que são todas estas medidas senão reformas suicidas? 

Licenciamentos mais rápidos, não resolvem nada, pois o que é preciso é parar com licenciamentos de obras e reduzir a despesa pública. 
Promoção dos produtos nacionais... isto é da responsabilidade das empresas e não do cidadão. Quer dizer, baixam-lhes a taxa social única, não pagam IVA,  pagam menos impostos, ganham poderes com a reforma dos contratos de trabalho e ainda por cima, além de comprarmos estes produtos que deveriam ser mais baratos e não são, ainda temos de pagar a sua promoção nacional e internacional? Estão gozar com quem?  

Menos deputados... nem seria preciso ter menos deputados, bastaria não terem duplicado o seu vencimento. É que mesmo que reduzam para metade o numero de deputados, tendo em conta que estão a ganhar o dobro acabamos por ficar na mesma situação de 2008/2009, ou seja, na merda. Redução do IRC, lá estão eles a valorizar as empresas acima dos trabalhadores reduzindo os impostos deles aumentando os de quem trabalha. Quem tem os lucros deve pagar impostos sobre esses lucros. A Alemanha é o motor da Europa e as empresas aqui pagam 51% dos seus rendimentos em impostos... Portugal acha com toda a certeza que a Alemanha está subdesenvolvida e por isso faz o oposto. 

Privatização da CGD, já deveria estar privatizada há mais de 10 anos, mas não privatizaram pois enquanto houver fundo de reformas, ele é usado para tapar buracos governamentais. A privatização irá acontecer só quando o Governo Sócrates conseguir gastar o fundo de reformas até ao último cêntimo. Aí vendem CGD pois não há mais nada para pilhar.

E finalmente... escondida bem no final e com letras pequeninas para ninguém ler, está a mais grave medida e a mais desejada pelo PS e PSD: Modernização da Constituição. A constituição não tem problema nenhum, nem está desactualizada mas é a constituição que impede que muitas leis castradoras sejam aprovadas. A modernização da constituição não é uma modernização mas sim uma degradação da mesma, de modo a que todas as medidas que querem impor ao cidadão possam ser aprovadas sem serem rotuladas de anti-constitucionais. Já há 4 anos que andam em movimentações para alterar a constituição as principais medidas passam pela retirada de poderes ao Presidente da República e poderes adicionais ao Governo que está a um passo de ficar acima da lei.

A pouca liberdade que temos, ainda a devemos à constituição e até essa nos está a ser roubada nas barbas dos militares. A função dos militares é defender a constituição e no entanto o controlo sobre eles é tão apertado e estão de tal forma ligados ao poder politico que nada dizem, nada fazem e são neste momento uma vergonha nacional. Tudo o que o povo espera dos seus militares é a defesa da integridade nacional e essa integridade passa pela constituição. É à constituição que os militares devem fidelidade e não ao governo. Infelizmente não é isso que estamos a ver.

Eu tenho esperança que as coisas mudem e a nível internacional estou a ver diversas mudanças positivas, mas Portugal... Portugal parece-me sem esperanças, pois é um jogo de uma só equipa onde o povo parece ausente de si próprio e assiste aos desenvolvimentos na TV como se de um filme se tratasse.

Só existe uma forma de sair da crise e ela começa pela redução da despesa pública, coisa que não é feita em Portugal, pois ainda há pouco tempo compraram carrinhos de 140.000 Euros para quando palhaços de outros países visitem os palhaços nacionais. Nenhum palhaço que é pago por nós para gerir o nosso país, precisa de sentar os colhões ou clitóris em carros de 140.000 Euros para fazer o seu trabalho. Não precisam de cadeiras de 10.000 Euros ou secretárias de 25.000 Euros. Não precisam de computadores de 5.000 Euros, usem um Magalhaes que está escrito na língua deles Bed Inglish, Bed Portugize, Bed Franssais. Não precisam de acumular 10 reformas, não precisam de aumentos, não precisam sequer de ordenados pois recebem fortunas em luvas e em funções extra-governamentais. Enfim... o Governo nem precisa sequer de existir pois mesmo um país na anarquia total e à deriva não entrava ou agravava a sua crise a uma velocidade tão grande.

Aposto que se sentarem um macaco no poder em Portugal a falência do país não será tão rápida e podemos até assistir a uma recuperação económica pois ele ficará 4 anos a gastar fundos públicos em bananas e nada mais. É isto mesmo que precisamos 4 anos com um governo que em vez de roubar dinheiro ao povo, poupe o pouco que temos nos cofres.

Para mim estes 30 e tais pseudo-especialistas que o jornal o Público consultou, deveriam limpar o esperma da boca pois já chuparam durante tempo demais o pénis Governativo e voltar para escola ou ir à escola pela primeira vez, pois já não se sabe que tem especialidade e quem compra especialidade.

PS: Poderá parecer um texto agressivo e mal educado, no entanto ele está ao nível da forma como estamos a ser tratados. Se na rua vos tentam sodomizar sem consentimento, podem justificadamente chamar filho da puta a essa pessoa. Se ofensa é crime, então estamos na presença de crime por crime, pois a minha pseudo-ofensa é resposta a ofensas quer em noticias de jornalistas fantoches, quer em medidas governamentais criminosas para com a nossa economia e liberdade.

20 Comentários:

  fazessa23

quarta-feira, novembro 10, 2010 11:14:00 da tarde

Bom blog.

  Coup détat

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:04:00 da manhã

bom blog o caralho! Estamos na merda mas ninguém que saber! Estamos a ser vendidos aos chineses e brasileiros mas ninguém que saber! Se não formos vendidos vamos ser invadidos pois já há décadas que economicamente estamos a ser invadidos por chineses com a merda que eles lá não vendem, apuderam-se de armazéns aqui em portugal, mandam para cá chineses que lá são um fardo ao governo, colocam-nos aqui a explorar os portugueses a trabalhar de segunda a domingo, a descarregar contentores e a trabalhar 9 horas por dia! Não pagam impostos, dormem no meio da merda, deixam o sítio onde estão completamente imundo, vão para casinos gastar o dinheiro que o governo chinês lhes dá e ainda por cima diz-se por aí que comem-se uns aos outros quando as contas dão para o torto, quando se perdem em jogo e em álcool e morrem, não há registos, não há funerais, nada!

  Coup détat

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:10:00 da manhã

Nem com a merda à frente dos olhos as pessoas conseguem exergar, não é assim mesmo que os nossos irmãos brasileiros dizem né? né o caralho! e irmãos a puta que os pariu a todos! já estou farto de ser sodomizado por brasileireses, aqueles que nem são brasileiros nem Portugueses, do tipo de homo, que nem é homem nem mulher, assim uma espécie de mutant! Esses brasileireses, como já estão fartos de foder os brasileiros e de fazer merda atrás de merda na sua terra natal, encontram aqui neste jardim da babilónia um paraíso não só fiscal como um refúgio para continuarem a fazer a sua merda no jardim sem que ninguém o repreenda e ainda por cima são visto como engraçados, divertidos, e muito bons! Brasileireses pá puta que os pariu a todos! Cambada de traidores da sua pátria! ainda por cima temos que gramar com as suas bandeiras na janela, ai foda-se! continua...

  Coup détat

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:14:00 da manhã

mas afinal bandeiras brasileiras nas janelas portuguesas? isso devia ser crime e um atentado à Nação quer Brasileira quer Portuguesa! Esses gajos deviam ter vergonha e ter respeito e humildade quer por Brasil, quer pelas pessoas de Portugal! E o que fazem eles? Sodomizam-nos até ao tutano, mentem-nos e enganam-nos com a sua lábia de vendedor brasileiro fingindo que está amando tudo em portugau, portugau o caralhau ó pirilau. continua...

  Coup détat

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:21:00 da manhã

os chineses e os brasileiros estão-nos a dar de graça coito anal e os portugueses não só gostam como ainda pagam para ter mais! As pessoas deste país é uma autêntica vergonha! Julgam-se espertas e inteligentes o suficiente para verem o País a ir pela retrete abaixo e aceitarem dizendo que está tudo bem e se não está amanhã estará melhor! As pessoas têm que parar!!! é só isso que é preciso! Parar colectivamente e mostrar quem é que manda aqui afinal? As elites ou o POVO? As pessoas estão a ser avidas, alertas com blogues como este que sigo desde o seu início e que com ele acordei, mas as pessoas não querem saber, preferem vir para aqui dizer "ai que horror, que asneiras tão feias, que homem tão estúpido deve ser este tal de fehr, que coisa horrorosa, que conspiracionista, que mentiroso" e no entanto vêm o País a ser conduzido até ao seu abismo por uma cambada de psicopatas educados, mas como são educados e não dizem asneiras têm credibilidade e são boas pessoas a quem nos temos que submeter! Que vergonha as pessoas de Portugal! Que vergonha!!!

  Bruno Fehr

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:41:00 da manhã

Coup détat:

Não aceito que se de alguma forma se culpem os emigrantes pelo desastre económico português. Se formos a ver bem as coisas, muito antes de Portugal ser um destino e emigração, já estava na merda. A última vez que houve crescimento económico real e sem contas mágicas para dar 1% de crescimento, temos de recuar até aos tempos do Salazarismo.

A Alemanha deve o seu poder económico na Europa à forca de trabalho barata dos emigrantes. Claro que agora tem problemas com eles visto que está a haver uma invasão de emigrantes vindos do médio oriente que não quer trabalhar nem sequer se quer integrar.

Quanto a portugueses a trabalhar 9 horas por dia, isso não é nada demais, tendo em conta que Portugal tem mais de 15 feriados por ano coisa que não acontece em Inglaterra e Alemanha, tem subsidio de férias e de Natal que é algo já extinto em diversos países. Descarregar contentores é um trabalho necessário como qualquer outro e é por os portugueses não quererem descarregar contentores, não quererem varrer ruas ou fazer limpezas que os emigrantes estão a pegar nesses trabalhos.

A economia já está fodida desde antes do 25 de Abril e nunca recuperou. Culpar os emigrantes é desculpabilizar os sucessivos governos portugueses incompententes.

  Bruno Fehr

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:45:00 da manhã

Coup détat:

"ainda por cima diz-se por aí que comem-se uns aos outros quando as contas dão para o torto, quando se perdem em jogo e em álcool e morrem, não há registos, não há funerais, nada!"

Isso é um caso já discutido em imensos países mas tanto acontece em países perto da falência, como em países com economia forte e portanto a nossa economia de merda não está relacionada com canibalismo.

"como já estão fartos de foder os brasileiros e de fazer merda atrás de merda na sua terra natal, encontram aqui neste jardim da babilónia um paraíso não só fiscal como um refúgio para continuarem a fazer a sua merda"

O mesmo pode ser dito dos portugueses no Brasil. Todos sabemos que quem quer fugir à justiça em Portugal, só precisa de chegar ao Brasil para viver livre.
Há criminosos portugueses no Brasil e há criminosos brasileiros em Portugal, mas há em ambos os lados quem quer trabalhar.

  Bruno Fehr

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:49:00 da manhã

Coup détat:

"mas afinal bandeiras brasileiras nas janelas portuguesas? isso devia ser crime e um atentado à Nação quer Brasileira quer Portuguesa!"

Deveria ser crime tanto colocar bandeiras brasileiras como portuguesas. Uma janela não é local para um símbolo nacional e quem diz janela diz varanda, antena, carro, etc.
No entanto só existe lei sobre a colocação de bandeiras em mastros, onde uma casa em Portugal de um Inglês que queira hastear um bandeira do seu país deverá hastear acima da Inglesa uma bandeira de Portugal, ou, ter dois mastros onde no primeiro é colocada a portuguesa e no segundo a Inglesa.

Se permitem que um português deixe apodrecer na janela uma bandeira de Portugal então devem deixar qualquer bandeira ser denegrida dessa forma.

  Bruno Fehr

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:58:00 da manhã

Coup détat:

"As pessoas têm que parar!!! é só isso que é preciso! Parar colectivamente e mostrar quem é que manda aqui afinal? As elites ou o POVO?"

Parar... sim concordo mas há muitas formas de parar. Lembro acontecimentos recentes em Aveiro em que trabalhadores após a nova gerência da empresa ter aumentado a carga de trabalho, resolveram fazer greve. No dia seguinte à greve a gerência fechou a empresa alegando não haver condições para trabalhar em Portugal.
Era um empresa Alemã que tinha acabado de comprar a empresa e os trabalhadores antes de apresentarem mais e melhor serviço, começaram por exigir mais dinheiro: "ah e tal são Alemães, são ricos!".

É claro que devem de exigir mais dinheiro e melhores condições de trabalho, mas devem mostrar resultados, devem ver a empresa com algo que também é seu e não andar a meter no bolso tudo o que pode ser dar jeito lá em casa.

Há emigrantes que trabalham e ajudam o país. Um exemplo? O gerente da TAP é brasileiro e o melhor exemplo em Portugal ao baixar os ordenados da gerência incluindo o seu próprio em 10%. Se o governos fizesse o mesmo seria uma pipa de massa e não seria necessário aumentar o IVA.

Temos de parar, não em greve ao trabalho mas sim em protesto contra o governo que trabalha para nós. Temos de o despedir e continuar a despedir sempre que virmos incompetência. Temos de o fazer, porque o podemos fazer.

Concordo que o tuga concorda muito quando ouve ou lê, mas todos esperam que alguém se coloque à frente de todos e diga: "sigam-me!". Líder, esperam todos por um líder e iriam seguir esse líder mesmo que ele fosse brasileiro ou chinês.

  The one you know

quinta-feira, novembro 11, 2010 3:56:00 da tarde

Amen... Estas palavras é que deviam ser oração. Concordo e subscrevo na integra.

  fatima

quinta-feira, novembro 11, 2010 4:26:00 da tarde

O Bruno acaba de desmontar um bando de trampolineiros em três tempos!

Brilhante!

  Maya Gaarder

sexta-feira, novembro 12, 2010 1:32:00 da tarde

O mais assustador é o facto de ninguém reagir... Como dizes, parece que estão a assistir a um filme na televisão. Vai subir o IVA, ahh é chato... O juro da divida publica atingiu recordes historicos... hum hum nada de importante quando o FCP ganhou ao Benfica.
Ha dias um colega de trabalho britanico, que trabalha na filial da França, fez-me a seguinte questão: Well you know what we Anglo Saxons say: PIIGS - Portugal (first) Italy, Ireland, Greece & Spain

Question - France with its huge structural debt is it more like a PIIG or a Krout??

Let's not mention the UK either......at least we have a government that is taking some drastic steps now!

Ponto interessante, Portugal vem em primeiro lugar no acronimo...apenas porque GIIP não tinha o mesmo impacto:) Quanto à França ser PIIG ou Krout, tu sabes certamente o que é Krout, para quem não sabe, é um termo perjorativo utilizado pelos britanicos e americanos para insultar os alemães. A associação da França à Alemanha, não passa despercebida a ninguém, a Merkel e o Sarcozy daqui a pouco andam de mãos dadas...portanto, krout indeed :)
Mas questão aqui, e o que foi dificil explicar, foram as medidas que o governo português decidiu tomar. A melhor, digna de uma entrada de honra na lista de medidas de merda... a subida do IVA. Apenas para contextualizar, tanto eu como ele somos consultores fiscais, especializados na àrea do... IVA!
A resposta dele foi um grande LOL... aumentar o IVA??? ahhahaha...
O IVA, (acho que os nossos governantes não sabem isso) é um imposto neutro, o que quer dizer que todos os intervenientes na cadeia de produção e distribuição não o suportam. pagam-no é certo em algumas situações, mas deduzem-no sempre... é o principio fundamental do imposto. So ha um elo na cadeia que suporta o imposto na integra e não tem forma de o deduzir ou recuperar..; o consumidor final, ou seja nos!!!O povo, o mesmo povo que fica impavido e sereno perante mais um assalto às suas carteiras.
é por isto que eu adoro portugal :)

  Maya Gaarder

sexta-feira, novembro 12, 2010 1:33:00 da tarde

O mais assustador é o facto de ninguém reagir... Como dizes, parece que estão a assistir a um filme na televisão. Vai subir o IVA, ahh é chato... O juro da divida publica atingiu recordes historicos... hum hum nada de importante quando o FCP ganhou ao Benfica.
Ha dias um colega de trabalho britanico, que trabalha na filial da França, fez-me a seguinte questão: Well you know what we Anglo Saxons say: PIIGS - Portugal (first) Italy, Ireland, Greece & Spain

Question - France with its huge structural debt is it more like a PIIG or a Krout??

Let's not mention the UK either......at least we have a government that is taking some drastic steps now!

Ponto interessante, Portugal vem em primeiro lugar no acronimo...apenas porque GIIP não tinha o mesmo impacto:) Quanto à França ser PIIG ou Krout, tu sabes certamente o que é Krout, para quem não sabe, é um termo perjorativo utilizado pelos britanicos e americanos para insultar os alemães. A associação da França à Alemanha, não passa despercebida a ninguém, a Merkel e o Sarcozy daqui a pouco andam de mãos dadas...portanto, krout indeed :)
Mas questão aqui, e o que foi dificil explicar, foram as medidas que o governo português decidiu tomar. A melhor, digna de uma entrada de honra na lista de medidas de merda... a subida do IVA. Apenas para contextualizar, tanto eu como ele somos consultores fiscais, especializados na àrea do... IVA!
A resposta dele foi um grande LOL... aumentar o IVA??? ahhahaha...
O IVA, (acho que os nossos governantes não sabem isso) é um imposto neutro, o que quer dizer que todos os intervenientes na cadeia de produção e distribuição não o suportam. pagam-no é certo em algumas situações, mas deduzem-no sempre... é o principio fundamental do imposto. So ha um elo na cadeia que suporta o imposto na integra e não tem forma de o deduzir ou recuperar..; o consumidor final, ou seja nos!!!O povo, o mesmo povo que fica impavido e sereno perante mais um assalto às suas carteiras.
é por isto que eu adoro portugal :)

  Bruno Fehr

sexta-feira, novembro 12, 2010 2:45:00 da tarde

Maya Gaarder:

"O IVA, (acho que os nossos governantes não sabem isso) é um imposto neutro, o que quer dizer que todos os intervenientes na cadeia de produção e distribuição não o suportam. pagam-no é certo em algumas situações, mas deduzem-no sempre... é o principio fundamental do imposto."

Se eu estivesse em Portugal, passaria a fazer compras online, importando da Alemanha e Luxemburgo e optando por pagar IVA na origem. É legal e podem poupar entre 4 a 7%.
Muitas empresas Alemãs fizeram o mesmo quando o IVA subiu de 16% para 19%, abrindo escritórios no Luxemburgo e pagando 16%.

Até a Ebay.de que faz milhares de milhões, mais lucros de que a .com saiu da Alemanha e está agora no Luxemburgo sujeita a 16% de IVA.

  Maya Gaarder

sexta-feira, novembro 12, 2010 3:04:00 da tarde

O comércio online é outra historia. Funciona para as empresas mas os particulares têm que pagar o IVA no pais onde recebem a mercadoria. Mesmo que faça uma uma compra online numa empresa do LU, pago o IVA à taxa portuguesa, uma vez que os bens me serão entregues ca (O principio da territorialidade). Tenho em mãos um caso interessante de um cliente meu, uma empresa extremamente conhecida de vendas online, que exactamente por partir do pressuposto que tu referes, tem agora processos por incumprimento fiscal em todos os paises da UE para onde vendeu artigos. Não ha volta a dar, death and taxes ;)
Sorry, mas o IVA nas transacções intracomunitarias é o meu calcanhar de aquiles (tema da minha tese), quando começo, não me calo!
Eu sei, topico interessante né?

  Bruno Fehr

sábado, novembro 13, 2010 1:43:00 da manhã

Maya Gaarder:

"Mesmo que faça uma uma compra online numa empresa do LU, pago o IVA à taxa portuguesa, uma vez que os bens me serão entregues ca (O principio da territorialidade)."

A minha empresa é uma multinacional de investimento e mediação e apesar de termos cancelado os negócios com Portugal (por ser para os Alemães inaceitável a moda Tuga de pagamentos a 90 dias), quando fechamos negócios de vendas de frotas automóveis, barcos ou aviões, existe a possibilidade do pagamento de IVA em território Alemão, a excepção é feita quando se pretende recuperar o IVA (O que varia consoante o produto ser novo ou usado e sendo usado se tem ou não o IVA "morto"). O que temos de fazer é informar as finanças Alemãs quando o cliente paga IVA no país de recepção e depois a confirmação fica nas mãos deles. Diversas empresas espanholas optavam por pagar IVA a 16% em Espanha, não pagando na Alemanha e viemos a saber quem nem pagavam aqui nem lá e quem se lixa é o cliente final, pois regra geral estas empresas importadores fecham as portas de 3 em 3 meses e abrem com outros nomes.

Quando importamos fora da comunidade como Boeings etc, aí temos sempre de pagar na Alemanha, mas é normal até uma simples compra de 1 euro precisa pagar imposto na alfandega.

O que noto na Alemanha é uma certa flexibilidade dada a empresas como esta que movimentam alguns milhares de milhões por ano, pois eu vejo imensos contratos que não me parecem muito legais. Como por exemplo empresas dentro desta empresa a comprar e vender coisas uns aos outros como se fossem empresas independentes e não parte do mesmo grupo.

Mas para isso é que se justifica os altos salários pagos a um pequeno exército de advogados financeiros que são pagos para encontrar "buracos" na lei.

  Laila

domingo, novembro 14, 2010 3:05:00 da tarde

Enquanto isso a PTelecom ganhando um dinheirãaaaao aqui no Brasil, prestando um péssimo serviço, só sabe quem é obrigado a usar por falta de opção, resquício das privatizações de FHC(ex-presidente impopular, anterior a Lula, já foi tarde), mas esse problema foi em parte resolvido pelo atual governo, sem expulsar a PTelecom, porque sim, há uma via que beneficia empresas sem escravizar trabalhadores e consumidores. Não tenho nada contra a chegada de empresas ou mão-de-obra estrangeiras aqui, pelo contrário, que venham. O problema não está na empresa portuguesa, e sim, na privatização desordenada, que monopolizou o mercado em vez de diversificá-lo. Então o erro foi nosso, não dos outros, comprou quem tinha dinheiro e oportunidade. Para vcs terem uma idéia,se minha linha telefônica falhasse, eu tinha que viajar 400km para reclamar pessoalmente, pois por telefone eles nuncam resolviam nada.O governo se impôs e exigiu a criação de postos nas cidades, que já existiam quando era estatal. Para os empregados brasileiros, não há problemas em ter chefes estrangeiros aqui, uma vez que eles têm que pagar aos trabalhadores da mesma forma que qualquer um. Nossos direitos trabalhistas não foram revogados como quer a direita, por isso perderam as eleições e, pelo jeito, continuarão perdendo.

Se a economia brasileira cresce a taxas chinesas é porque que nós, brasileiros, aprendemos a votar, freando a ganância irresponsável de um grupinho de aristocratas e garantindo as políticas sociais que tiraram a classe E da mendicância e os tornaram consumidores ambiciosos, que salvaram a economia do país. Vejo que a mídia na Europa fomenta a xenofobia, fazendo a massa culpar os imigrantes, ciganos etc pelas perdas causadas por uma política liberalista e entreguista, forçada a pagar as contas das guerras americanas.
Enquanto discutem as bandeiras estrangeiras nas portas e os acampamentos ciganos, esquecem do primordial, a economia. E assim, enquanto estão ocupados brigando entre si, os políticos seguem aprovando suas leis ultraliberais tranquilamente.
Aqui no Brasil tb há bandeiras estrangeiras nas portas, na época da Copa vi muitas bandeiras da Argentina e da Espanha, quem se incomoda? São brasileiros agora, estão integrados, estamos no mesmo barco. Se botam uma bandeira na porta, é por saudade somente, pois não costumavam fazer o msm em seus países de origem.

  Laila

domingo, novembro 14, 2010 3:21:00 da tarde

Se a economia brasileira cresce a taxas chinesas é porque que nós, brasileiros, aprendemos a votar, freando a ganância irresponsável de um grupinho de aristocratas que governam apenas para si mesmos e optamos por garantir as políticas sociais que tiraram a classe E da mendicância e os tornaram consumidores ambiciosos, que salvaram a economia do país. Vejo que a mídia na Europa fomenta a xenofobia, fazendo a massa culpar os imigrantes, ciganos etc pelas perdas causadas por uma política liberalista e entreguista, forçada a pagar as contas das guerras americanas.
Enquanto discutem as bandeiras estrangeiras nas portas e os acampamentos ciganos, esquecem do primordial, a economia. E assim, enquanto estão ocupados brigando entre si, os políticos seguem aprovando suas leis ultraliberais tranquilamente.
Aqui no Brasil tb há bandeiras estrangeiras nas portas, na época da Copa vi muitas bandeiras da Argentina e da Espanha, quem se incomoda? São brasileiros agora, estão integrados, estamos no mesmo barco. Se botam uma bandeira na porta, é por saudade somente, pois não costumavam fazer o msm em seus países de origem.
O meu noivo é inglês e em vez de eu desejar morar em UK, ele é que está aprendendo português para se estabelecer aqui. Mas era assim há apenas 10 anos atrás? Não! A mudança aconteceu quando o poder mudou de mãos.
Na era FHC eu amarguei 7 anos de desemprego, hoje tenho um bom emprego e tantas oportunidades que fico confusa em optar.Só tenho certeza de uma coisa: Meu querido noivo, não vou morar em Londres pelo menos até os próximos 4 anos.

  Laila

domingo, novembro 14, 2010 3:46:00 da tarde

Correção: eu disse bandeiras, mas na verdade, nunca vi nenhuma bandeira na porta de ninguém, seja brasileira ou estrangeira. Eu me referi às camisas de times e bandeirolas, que aqui circularam pacificamente, sou tão fanática por futebol, que pensei nelas como bandeiras. Meu noivo usou uma brasileira e uma da Espanha, eu, além da brasileira quase comprei uma argentina, pois sou fã de Maradona. Mas diante da derrota humilhante para a Alemanha eu desisti e salvei meu dinheiro.

  Laila

domingo, novembro 14, 2010 3:53:00 da tarde

Correção: eu disse bandeiras, mas na verdade nunca vi nenhuma bandeira nas portas de ninguém , seja brasileira ou estrangeira. Eu me referi a bandeirolas, símbolos, escudos e especialmente camisas.